Jornal Conecta Baixada - 6ª Edição

 

Embed or link this publication

Description

Jornal Conecta Baixada - 6ª Edição

Popular Pages


p. 1

995-75-4545 www.conectabaixada.com.br 2016 BAIXADA FLUMINENSE 16 a 31 de Janeiro ANO 2 - N°6 Distribuição gratuita A INFORMAÇÃO VAI ATÉ VOCÊ Arquivo Histórico/Arruda Negreiros UMA CIDADE SEM MEMÓRIA Com quase 200 anos, o município não preserva seu patrimônio histórico. Prédios e até o mural do antigo Fórum estão aos pedaços ou simplesmente desapareceram. Páginas 6 e 7 POLÊMICA ANIMAL Lélio Neto/Conecta Baixada MATERIAL ESCOLAR GUANDU RADICAL Lélio Neto/Conecta Baixada DICAS DE ECONOMIA NA COMPRA Pesquisar preços, reaproveitar produtos e barganhar. Essas são algumas dicas de especialistas para os pais não gastarem além do orçamento. Página 4 Página 3 Considerados patrimônio municipal de Queimados, charreteiros passaram a foras da lei após o estado Página 3 proibir uso de animais para o serviço. Praticante de esportes radicais dá aulas de canoagem em caiaques e stand up paddle nas Página 12 águas do principal rio do estado.

[close]

p. 2

OPINIÃO/GERAL 2 BAIXADA FLUMINENSE, 16 a 31 de Janeiro WWW.CONECTABAIXADA.COM.BR JORGE MIRANDA jorge.miranda@conectabaixada.com.br ADVOGADOS SEM TERNO E GRAVATA Durante o período do verão, os advogados estão dispensados do uso do terno e gravata no Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ), inclusive em audiências e no segundo grau de jurisdição. Com vigência até 20 de março, a medida é justificada pela “temperatura no verão do Rio de Janeiro que tem ultrapassado a casa dos 40 graus”. Os advogados deverão vestir traje social, com a camisa devidamente fechada. A medida atende a solicitação da Caixa de Assistência aos Advogados (Caarj) e da OAB/ RJ. Empresário Mesquitense TRANSPARÊNCIA É LEI, NÃO PROMESSA Dia desses ouvi de um amigo um duro desabafo sobre os políticos. Sem papas na língua, ele me disse estar cansado das velhas promessas em tempos de eleição. “É sempre a mesma ladainha, mas depois de eleitos todos somem e nada é feito”, concluiu. Sim, sou pré-candidato pelo PSDB à sucessão municipal de Mesquita. E naquele dia senti toda a responsabilidade de minha escolha pesar sobre meus ombros. A política e os políticos andam há muito desacreditados e distantes da população. O que escuto pelas ruas hoje privilégios, mas eu já reflete esse descrédito. não estava feliz. Senti a mesma sensaNo fundo sentia o ção no breve período mesmo que meu amigo em que parsobre os poticipei do goOusar é um líticos e suas verno do atu- dos verbos promessas. al prefeito. E foi esse imOs des- que mais pulso que me mandos e a conjugo em levou à prépercepção -candidatura minha vida de que poude prefeito co poderia de Mesquita. fazer para melhorar a Ousar é um dos vervida dos mesquitenses bos que mais conjugo me levou a deixar o go- em minha vida. Acredito verno, que descambou na mudança, mas entenem desgoverno. do o descrédito de boa Muitos não toma- parte da população. riam a decisão de deiAbrir a caixa preta xar um cargo de se- da administração mucretário. É difícil abrir nicipal, como bem demão de uma função bem fendeu Otávio Leite, remunerada e cheia de presidente estadual de “ ” meu partido, é a única maneira de mostrar respeito à população e, sobretudo, à Lei de Transparência. Não se trata de favor ou promessa. Deixar às claras os valores da arrecadação e os gastos da administração municipal são obrigação para qualquer gestor público. Esta na lei, mas ela é pouco respeitada, assim como o cidadão. Prova disso foi o resultado da pesquisa feita pelo Ministério Público Federal, que analisou os portais de transparência das mais de 5 mil prefeituras existentes no País. CONHEÇA AS NOVAS REGRAS PARA APOSENTADORIA C omeçaram a valer em novembro do ano passado as novas regras para a concessão da aposentadoria por tempo de contribuição por meio da fórmula 85/95 Progressiva. Pela nova lei, o cálculo levará em consideração o número de pontos alcançados somando a idade e o tempo de contribuição do segurado; 85 e 95 é o número de pontos que deverão atingir para se aposentarem integralmente. O número de pontos é igual à idade da pessoa mais o tempo de contribuição com o INSS. (ex: uma mulher de 53 anos que tiver trabalhado por 32 anos já pode receber aposentadoria integral, pois somará 85 pontos. O mesmo vale para um homem Reprodução JusBrasil buição no INSS. O que é exigido para esse tipo de aposentadoria é o tempo mínimo de contribuição, de 30 anos para mulheres e de 35 para homens. Esta regra acaba com o Fator Previdenciário? Não, ele continua em vigor. A nova regra é uma opção. Caso a pessoa deseje se aposentar antes de completar a soma de pontos necessários, ela poderá se aposentar, mas com aplicação do fator previdenciário e, portanto, potencial redução no valor do benefício. Muda alguma coisa para quem já se aposentou? Não. Para quem já está aposentado não há nenhuma mudança. Muitos trabalhadores e aposentados ainda têm dúvidas sobre a nova lei, que já está em vigor de 59 que tiver trabalhado por 36 anos). Esses números serão gradualmente aumentados até 2026, quando chegarão a 90 pontos para as mulheres e 100 para os homens. Principais perguntas: Agora só se aposenta por tempo de contribuição quem atingir os 85 ou 95 pontos? Para ter direito à aposentadoria por tempo de contribuição, os segurados precisam ter 30 anos de contribuição, no caso das mulheres, e 35 anos, no caso dos homens. A nova regra é uma opção de cálculo. Caso a pessoa deseje se aposentar antes de com- pletar a soma de pontos necessários, ela poderá se aposentar, mas com aplicação do fator previdenciário. Qual a idade mínima para se aposentar pela Regra 85/95? Não existe idade mínima para aposentadoria por tempo de contri-

[close]

p. 3

GERAL POLÊMICA ANIMAL 3 BAIXADA FLUMINENSE, 16 a 31 de Janeiro WWW.CONECTABAIXADA.COM.BR Fotos: Lélio Neto/Conecta baixada CHARRETEIROS TRATADOS COMO FORAS DA LEI Serviço tombado pelo município de Queimados é proibido por lei estadual Rodrigo Melo E rodrigo.melo@conectabaixada.com.br nquanto que para o município de Queimados eles são considerados patrimônio, os cerca de 50 charreteiros que há mais de meio século transportam moradores da região, passaram a ser considerados foras da lei. Tudo graças ao deputado estadual Dionísio Lins (PP), autor da lei que proíbe o uso de animais para o transporte de carga e passageiros no estado. A lei foi sanconada pelo governador Luiz Fernando Pezão e passou a valer desde o dia 8 de janeiro. Há mais de 30 anos trabalhando como charreteiro na cidade, José Carlos, Os charreteiros fazem ponto próximo a um supermercado, no Centro de Queimados, e atraem visitantes PRESSÃO DE TODOS OS LADOS Passageiros defendem a continuidade do serviço e reclamam dos ônibus de 60 anos, afirma que os moradores preferem usar as charretes, pois os ônibus estão em péssimo estado de conservação. “Nós estamos aqui há mais de 50 anos. Acordo 3h30 da manhã, em um horário que nem os ônibus passam, para levar passageiros até a estação de trem. Cerca de 40 pessoas por dia”, diz José Carlos. A maior preocupação dos charreteiros agora é saber de onde vão tirar o sustento de suas famílias. A lei gerou polêmica também entre os usuários. O microempresário Marcos Antônio Fonseca, de 49 anos, afirma que faz uso das charretes desde criança. O usuário critica a condição que os transportes locais se encontram. “Nós preferimos andar com os carroceiros porque a má conservação dos transportes é evidente. Se acabarem com os carroceiros de Queimados, será uma falta de respeito ao trabalhador honesto. Antes mesmo da aprovação da lei pelo governador Pezão, os charreteiros de Queimados já enfrentavam problemas para exercer a atividade. Além da concorrência feita pela Viação Fazeni, ain da enfrentam pressão de supostos mlicianos que controlam o transporte feito por vans na região. De olho nos passageiros das charretes, a Viação Fazeni, que monopoliza o transporte coletivo na cidade, reduziu o valor da tarifa apenas na linha que faz o mesmo itinerário dos charreteiros. A passagem, que custava R$2 caiu para R$1,50, contrastando com o aumento das tarifas. Em contrapartida, o valor cobrado pelos charreteiros passou a R$2. Em nota, a assessoria de imprensa do deputado estadual Dionísio Lins afirmou que o uso de animais está liberado apenas para áreas rurais e para o turismo local. “A exceção fica somente para os animais utilizados nas áreas rurais do estado para os trabalhos diários, onde são necessários como meio de locomoção e sustento, como também para o turismo”, informou. Já a assessoria do governador Pezão disse que ele apenas sancionou a lei aprovada pela Assembleia Legislativa do Estado (Alerj).

[close]

p. 4

EDUCAÇÃO ECONOMIA NA COMPRA DE MATERIAL ESCOLAR Agência Brasil 4 BAIXADA FLUMINENSE, 16 a 31 de Janeiro WWW.CONECTABAIXADA.COM.BR É preciso pesquisar antes de comprar o material da lista escolar É hora de se preparar para as compras de material escolar que, segundo a Associação Brasileira dos Fabricantes e Importadores de Artigos Escolares e de Escritório (ABFIAE), teve aumento médio de 10%. Para fugir dos altos preços a pesquisa prévia é uma boa opção. Estudo divulgado pelo Procon mostrou uma variação de até 420% nos preços de material escolar. Segundo especialistas, a pesquisa antes das compras é fundamental e a comparação deve ser feita em locais diferentes como lojas de bairro, centros comerciais, shoppings, grandes redes e internet. Reciclagem Reutilizar materiais de anos anteriores também pode ser uma boa saída, desde que estejam em bom estado e atenda às exigências da escola. Os pais devem ficar atentos também aos materiais que são exigidos pelas escolas. Alguns ítens de uso coletivo, como papel higiênico, copo descartável e água potável não podem ser cobrados. A escola só pode exigir a compra do material didático e pedagógico que será utilizado no aprendizado da criança. Segundo o Código de Defesa do Consumidor, a escola não pode solicitar a compra de materiais de uso coletivo ou embutir as taxas para suprir despesas com água, luz e telefone. Pagamento a vista Para os pais não se endividarem com a compra do material escolar, especialistas em direito do consumidor e do fornecedor aconselham a pagar os materiais à vista. Não se deve esqueçer que outras despesas de começo de ano virão, como IPVA, IPTU, matrícula e uniforme. Então, se tudo isso causar peso no orçamento lá na frente, pagar à vista pode ser uma alternativa, pois não ficará sobrecarregado com as despesas comuns mais a parcela do material escolar.

[close]

p. 5

BAIXADA FLUMINENSE, 16 a 31 de Janeiro WWW.CONECTABAIXADA.COM.BR 5 GERAL CONEXÃO GERAL Davi de Castro davi.castro@conectabaixada.com.br PSDB VAI DE JORGE MIRANDA PARA MUDAR MESQUITA Renato Ferreira/Conecta Baixada política em Mesquita vai pegar fogo com a consolidação da pré-candidatura de Jorge Miranda a prefeito da cidade. O deputado federal Otávio Leite (PSDB), presidente estadual da sigla e tucano de alta plumagem, e o coronel Francisco D’Ambrósio se reuniram com Jorge para traçar a estratégia política a ser adotada na sucessão do prefeito Gelsinho Guerreiro. Leite veio ao município acompanhado de membros da executiva do partido e gostou do que viu no encontro, referindo-se às lideranças políticas locais aliadas a Jorge e ao ousado projeto político que ele irá apresentar à população. A PSDB X PMDB? A coluna indagou a Leite se o PSDB disputará o governo no Rio e se o delegado de polícia Carlos Augusto será candidato a prefeito em Nova Iguaçu pela legenda. “Teremos candidatura própria, mas depende de aliança nacional. Sobre o Carlos, tudo indica que sim”. VICE FELIZ O vereador Denilson Ambrósio (Prona), de Nova Iguaçu, era só felicidade durante a solenidade de posse dos conselheiros tutelares do município, dia 10, na Unig. “Eu serei o vice da deputada Rosângela Gomes (PRB) para prefeita”. CONTAS ABERTAS As propostas do grupo político de Jorge são ousadas e avançadas e, além disso, a população terá acesso a todos os atos do governo, incluindo os gastos, desde os mais baixos aos mais altos valores, e onde serão aplicados os recursos. APOSTA Com um discurso simples, rápido e contundente, Otávio Leite disse o seguinte: “Temos uma expectativa muito grande em torno da candidatura de Jorge Miranda em Mesquita. Por isso trouxe aqui membros da executiva do partido”. CAIXA PRETA Estarrecido com a falta de informações sobre a gestão do prefeito Gelsinho Guerreiro, o grão tucano Otávio Leite disse mais: “É inadmissível nos dias atuais que um gestor público não tenha transparência no trato com o dinheiro público”. VIROU PROCESSO E por falar em lixo, a Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA) concluiu o inquérito aberto a partir da prisão do secretário de Obras e de seu subsecretário, ambos acusados de transformar um terreno da municipalidade em lixão clandestino. TCE DE OLHO NO LIXO DE MESQUITA A obscura contratação de uma empresa para fazer a coleta de lixo domiciliar e a varrição de ruas em Mesquita, feita recentemente pela administração de Gelsinho Guerreiro, esta no radar de conselheiros do Tribunal de Contas do Estado (TCE). Em dezembro passado, após o fim do contrato com a Inova Ambiental, empresa que fazia o serviço e “levou beiço” de R$ 4 milhões da administração GG, o TCE suspendeu uma licitação em curso na prefeitura.

[close]

p. 6

BAIXADA FLUMINENSE, 16 a 31 de Janeiro WWW.CONECTABAIXADA.COM.BR 6 HISTÓRIA O passado esquecido em Nova Iguaçu... Fotos: Arquivo Histórico Marcelle Bappersi marcelle.bappersi@conectabaixada.com.br Q uem passa pelo antigo Fórum de Nova Iguaçu, em frente à estação ferroviária, avista pedaços de um desenho quase irreconhecível, mas não enxerga a história de Nova Iguaçu impregnada nas paredes do prédio de estilo Bauhaus, erguido nos anos 1950. As marcas do tempo, somadas ao descaso com o patrimônio histórico, estão em cada canto do edifício, projetado pelo arquiteto Francisco Rocha Villaça. No mês em que completa 183 anos - comemorados no dia 15 de janeiro - Nova Iguaçu dá mostras de que não preserva sua história. Prova disso é o desaparecimento de alguns marcos arquitetônicos da cidade, como o prédio da antiga sede da prefeitura (foto menor à esquerda), que foi demolido. Além da sede da primeira Câmara Municipal (foto à direita). Segundo o subsecretário do observatório de Nova Iguaçu, Victor Loureiro, “o tombamento de um patrimônio não significa que ele será preservado”. Ele ainda acrescenta que além da falta de verbas destina- das à conservação de um prédio, há escassez de profissionais habilitados para restauração desse tipo de obra. O subsecretário ainda faz um recorte da história para contar o surgimento de Nova Iguaçu. “Os edifí- cios antigos que ainda resistem no centro de Nova Iguaçu carregam memórias do início do século 20, quando a cidade foi fundada e a produção de laranja estava em seu auge”.

[close]

p. 7

HISTÓRIA 7 BAIXADA FLUMINENSE, 16 a 31 de Janeiro WWW.CONECTABAIXADA.COM.BR ... uma cidade com muita história para contar Reprodução da int ernet Fotos: Lélio Neto/Conecta Baixada E ra a época dourada da cidade, que vivia a transição do rural para o urbano. Tempo em que a Avenida Marechal Floriano, reunia boêmios e intelectuais iguaçuanos, que frequentavam os cafés e bares, como o Bar Brasil (foto do alto da página à esquerda). Atualmente, o que restou do prédio abriga consultórios e lojas comerciais (foto do alto). A mesma rua também abrigava algumas Packing Houses - barracões de beneficiamento de laranja - dos quais restaram poucos exemplos, como a fachada azul e branca na foto acima. Conta Genesis Torres,referência em história da Baixada Fluminense, que Nova Iguaçu nasceu como Vila Iguassú, em 1833, devidos às rígidas leis portuguesas que não permitiam a fragmentação de terras para criação de cidades. Anos mais tarde, em 1891, com a construção da Estrada de Ferro Dom Pedro II a vida econômica e social da Vila Iguassú passou a orbitar no entorno de Maxambomba, que deu origem ao que se tornou Nova Iguaçu. “Todos os prédios que existiam em volta do porto de Iguassú agora estavam no novo centro, próximos à estação de trem. A Câmara dos Vereadores, que hoje é a Catedral de Nossa Senhora de Fátima e São Jorge, o Hospital Iguaçu e o prédio onde funcionava a antiga prefeitura, que foi demolido”. O mural de azulejos na fachada do antigo Fórum já teve a autoria atribuída a ícones da pintura, como Djanira e até Cândido Portinari. Hoje, está em pedaços. No período em que atuou como juiz na cidade, João Batista Damasceno tentou identificar o autor da obra. “Não consegui por falta de registros no acervo municipal. Mas os traços remetem mais a Djanira. O edifício foi um dos primeiros no país em estilo Bauhaus”. Segundo Damasceno, o prédio inaugurado em 1954, tinha placas de bronze alusivas ao período, que desapareceram na mudança para o novo Fórum”.

[close]

p. 8

EMPREENDEDORISMO VIDA DE UM EMPREENDEDOR Jorge Eduardo jorge.eduardo@conectabaixada.com.br 8 SEM BUROCRACIA BAIXADA FLUMINENSE, 16 a 31 de Janeiro WWW.CONECTABAIXADA.COM.BR PRAZO DE ADESÃO AO SIMPLES NACIONAL TERMINA NO DIA 29 Divulgação CARNAVAL É UMA OPORTUNIDADE? Estamos chegando no carnaval, época dos foliões. Nesse momento as pessoas estão pensando em festa, folia, viagens e blocos carnavalescos. Normalmente nessa época do ano grande parte da renda da população está comprometida com produtos carnavalescos, impostos, materiais escolares ou viagens. Com esse cenário os outros segmentos do comércio,normalmente, ficam às moscas. Infelizmente, essa é uma realidade que esses segmentos têm que amargar e não existem estratégias para que isso mude. Mas podemos dar algumas dicas para que esses setores possam, pelo menos, não ter prejuízos. Você pode ser de um setor que não é ligado ao carnaval e ter um resultado brilhante em fevereiro. Situações assim acontecem o tempo todo, mas mesmo assim são casos atípicos e nossa coluna aborda generalidades. Se sua empresa está neste caso, meus parabéns. Senão, vem comigo e vamos tentar algumas alternativas. A primeira dica é ligar seus produtos a promoções com temas de carnaval, aproveitar a época para dar descontos, montar a loja de acordo com a festa ou dar brindes ligados ao tema. Isso também agrega valor ao seu produto. A outra dica importante é a propaganda, que deve ser ligada ao tema. Abuse das marchinhas e dos sambas para fazer sua propaganda, mas é claro, sem que elas tirem o foco da mensagem central de sua empresa. A decoração deve ser só um chamariz para o conteúdo. Reduzir seus custos também é uma alternativa. Nesse mês cabe renegociar prazos ou preços com seus fornecedores. Eles são grandes parceiros e podem ser peças chave no momento de baixa. Uma dica para você que quer começar a empreender no carnaval: os ramos que mais lucram no Carnaval normalmente são: distribuidoras de bebidas, fábricas de gelo, empresas de aluguel de banheiros químicos, hotéis, pousadas e hostel. Além de serviços e produtos ligados ao turismo. Os empresários devem ficar atentos aos prazos e às condições para se cadastrar no sistema s microempresas e empresas de pequeno porte têm até o dia 29 de janeiro para optar pelo Simples Nacional, regime que unifica o pagamento de oito tributos em um documento de arrecadação, além de reduzir a carga tributária, a burocracia e as obrigações acessórias. A economia gerada pela diminuição de tributos pode chegar a A 40%, sendo mais favorável para ramos como a indústria, o comércio varejista e as prestadoras de serviços, que inclui a contribuição para o INSS. Mas é preciso ter cuidado na hora de optar. Segundo especialistas, a princípio, quando a tributação pelo Simples for maior do que o Lucro Presumido, não compensará. Mesmo assim, de- pendendo do valor pago a mais, poderá ser vantajoso optar pelo Simples, considerando a redução da burocracia e das obrigações acessórias. Outras questões também devem ser analisadas nessa modalidade, como a ausência de créditos do IPI e sublimites estaduais para recolhimento do ICMS. Com alíquotas progressivas, as faixas superiores de receita podem ser mais onerosas do que no Lucro Real ou Presumido, especialmente para empresas de serviços. Quem pode? Para se enquadrar no regime, o empreendimento deve ter um faturamento anual de até R$ 3,6 milhões. Prazos Para as empresas ativas, o prazo de solicitação é 29 de janeiro. Para as organizações em início de atividade o prazo é de 30 dias. O pedido deve ser feito pelo site www8.receita.fazenda. gov.br/simplesnacional. WhatsApp 995-75-4545

[close]

p. 9

BAIXADA FLUMINENSE, 16 a 31 de Janeiro WWW.CONECTABAIXADA.COM.BR 9 RELIGIÃO E FÉ PROFESSOR CLÁUDIO DUARTE evangelho@conectabaixada.com.br A PORTA CONTINUA ESTREITA “Pois a porta é estreita, e o caminho que conduz à vida apertado. E são poucos os que a encontram” . Mateus 7:14 Apesar de muitos tentarem alargar a porta que conduz à Salvação e suavizarem o longo e duro caminho que precisa ser percorrido, devemos sempre proclamar a verdade contida nas Escrituras. Não existe qualquer hipótese de se agradar ao mundo, flertar com suas dádivas, viver gostosamente seus valores e ofertas e acreditar-se discípulo de Jesus. Em João 17:14 este sofisma é desmontado: “Dei-lhes a tua palavra e o mundo os odiou, pois eles não são do mundo, como eu também não sou”. Ainda em João 15:20b se lê: “Se me perseguiram, também perseguirão vocês”. O Evangelho de Jesus chama pecado pelo nome! O Evangelho de Jesus denuncia e não se associa ao pecado! O Evangelho de Jesus desnuda o pecado! Quando a Noiva do Cordeiro, a Igreja de Cristo, pretende agradar ao mundo, amolda-se aos valores seculares e não busca santificação está em claro e insofismável antagonismo às determinações e práticas de Jesus, que é o Senhor e Dono da Igreja. A Igreja Evangélica brasileira precisa voltar a denunciar com firmeza e autoridade o pecado, ensinar e viver a Santidade de Jesus, e não participar de torpes e escusos negócios e negociatas deste presente século. A porta continua estreita, e nós não somos maiores do que nosso Mestre e Senhor,. Devemos diariamente, perseverantemente, trilhar o caminho da Cruz, da auto-negação, da renúncia, buscando sempre a Glória de Deus em nossas vidas. Para que através do nosso testemunho de discípulos Jesus pregue Sua Palavra Eterna de Vida e Salvação. Além da porta estreita, há um caminho apertado para trilhar. Que trilhemos o caminho do arrependimento, do choro e do necessário retorno ao Evangelho de Jesus, o Cordeiro que tira o pecado do mundo; ao que morreu na Cruz para que tivéssemos Vida Eterna com Ele. O que passar disto, como bem disse o apóstolo Paulo em sua dura advertência aos gálatas, é anátema. Mande para nossa coluna a programação e eventos de sua igreja e ministério, e divulgaremos GRATUITAMENTE. O endereço do e-mail é claudio.duarte@conectabaixada.com.br

[close]

p. 10

COMPORTAMENTO/CULTURA 10 BAIXADA FLUMINENSE, 16 a 31 de Janeiro WWW.CONECTABAIXADA.COM.BR BARBA, CABELO, BIGODE E UMA CERVEJA GELADA Fotos: Lélio Neto/Conecta Baixada AGENDA Sesc N. Iguaçu Endereço: Rua Dom Adriano Hipólito, 10 - Moquetá Telefone: (21) 2797-3001 Música BANDA ADRENALIZE Reprodução Facebook Lucas (C) e sua equipe comandam o “modernoso” Don Juan Leilane Oliveira leilane.oliveira@conectabaixada.com.br tradicional barbearia de bairro, cada vez mais rara desde o surgimento das franquias de salões de beleza unissex, vem sendo substituída por versões modernas e com atrativos especiais para os homens da Baixada Fluminense. As lojas repaginadas ganham decoração com estilos retrô e contemporâneo, além de oferecer mimos para homens com “H” maiúsculo. Enquanto aguardam a vez, os clientes podem beber chope, cervejas importadas, água, refrigerante, café ou folhear revistas masculinas – “Playboy” e “Sexy” – e até jogar videogames. Vai longe o tempo em que a vaidade era considerada coisa de mulher. Agora, o público masculino quer um espaço exclusivo, onde ele possa encontrar mais que a tradicional barba, cabelo e bigode. As novas barbearias da Baixada têm A bar, videogame e até sinuca para entreter os marmanjos à espera do fio da navalha. Os cortes de cabelo simples R$ 35, barba R$ 30, cabelo e barba R$ 60. Todos esses agrados são para que os clientes fiquem a vontade, explica Lucas Carmadella, de 21 anos, dono da barbearia Don Juan, em Nova Iguaçu. Chope a zero grau, amendoim e games A loja é decorada com quadros antigos e lembra mais um saloon, com cadeiras de época e uma bicicleta pendurada na parede. De cortesia, o cliente que for cortar cabelo ou fazer barba tem a opção de escolher de brinde uma bebida. Se quiser mais uma dose de chope a zero grau basta desembolsar R$ 5,90. Inaugurada no dia 23 de novembro a barbearia Don Juan, com ambiente retrô feito pelo arquiteto Marcos Soares, atende mais de 300 pessoas por semana, de todas faixas etárias. Além da cortesia de bebidas o estabelecimento também oferece por fora petiscos com por exemplo: porção de salaminho, mix de frios, mix de amendoim, canapé com valores variados. Os clientes também encontram mais de 20 tipos de cervejas nacionais e importadas, as mais pedidas são: Delirium Noel, Cacildes, Jeffrey WitBier e Belga sai bastante. Os funcionários Marcos Vinícius Fernandes, de 24 anos e José Eduardo Andrade, de 26 anos se divertem nas horas vagas jogando. O sucesso é tamanho que Lucas já planeja abrir uma nova barbearia. “Criamos aqui um espaço diferenciado para o homem. O cara chega aqui, se sente a vontade, troca uma ideia, toma um chope ou toma um café. Um clube do bolinha mesmo, como as antigas barbearias faziam”, explica Lucas. 16/1 - Com repertório diversificado, mas mantendo a verve pop e rock, a banda Adrenaliza apresenta clássicos de Beatles, Pink Floyd e Rolling Stones, além de Rita Lee, Legião Urbana e Paralamas do Sucesso. 13h às 14h. Grátis. Livre. Infantil CINDERELA... DE GATO E SAPATO 17 e 24/1 - Cinderela, uma jovem que vive como empregada na sua própria casa e sofre com as maldades de sua madrasta Crezilda Bateau Mouche e de suas irmãs postiças, Florípedes Bateau Mouche e Acássia Bateau Mouche. Sonhadora, ela mantém vivo o desejo de encontrar o seu príncipe encantado e se tornar uma princesa. 16h às 17h. R$ 2 (assoc. Sesc), R$ 4 (meiaentrada), R$ 8. Livre. Divulgação

[close]

p. 11

BAIXADA FLUMINENSE, 16 a 31 de Janeiro WWW.CONECTABAIXADA.COM.BR 11 PASSATEMPO EXPEDIENTE: Presidente: Ricardo Lucena Consultor Editorial: Sérgio Ramalho Coordenador Editorial: Marco Antonio Canosa Projeto Gráfico : Daniel Souza e Renato Ferreira Diagramação: Renato Ferreira Tecnologia: Ronald Henrique Tiragem: 20 mil exemplares Distribuição Gratuita Edição Quinzenal Impressão: NewsTech - (21) 3552-0580 O Jornal Conecta Baixada não se responsabiliza pelas opiniões emitidas por colunistas e colaboradores. Redação: Rua Dr. Mário Guimarães . Nº 428, SL. 308 . Centro, CEP: 26255-230, Nova Iguaçu, RJ. Tel: (21) 3765-3423 Comercial: (21) 3765 3423 WhatsApp: 995-75-4545 Email: contato@conectabaixada.com.br

[close]

p. 12

ESPORTES 12 BAIXADA FLUMINENSE, 16 a 31 de Janeiro WWW.CONECTABAIXADA.COM.BR Fotos: Lélio Neto/Conecta Baixada GUANDU RADICAL MANANCIAL DE FUTURAS FERAS As águas do principal rio do estado viraram local de aprendizado do esporte para a criançada local Rodrigo Melo rodrigo.melo@conectabaixada.com.br F estivais de caiaque na Baixada Fluminense, aulas de SUP (Stand Up Paddle) no Rio Guandu. Essa é a realidade de Afonso Urbieta e muitas crianças carentes de Japeri. Há quatro meses, o atleta de 63 anos resolveu criar o projeto “Remar é preciso” para incluir o esporte na vida de jovens e adolescentes da região. Com as aulas sendo realizadas no histórico Rio Guandu, Tio Afonso, como é mais conhecido pelos seus alunos, afirmou que teve a ideia após um vôo de parapente. “Eu estava voando quando vi aquela paisagem maravilhosa. Não pensei duas vezes, na outra semana já busquei apoio para o projeto e resolvi criar o “Remar é preciso”. As crianças da região precisavam de algo assim. Além de ensinar o esporte, a disciplina também é muito importante. Todas as crianças devem estar estudando para participar do projeto. A partir de fevereiro, vamos criar uma escolinha de leitura antes de entrar no rio.Assim, as crianças vão se acostumando a ler e será uma honra participar dessa caminhada ao lado delas”, afirmou o atleta. Criador de vários projetos voltados ao esporte, incluindo o antigo “Japeri Radical”, para adultos, o atleta resolveu inovar na Baixada Fluminense. “Somos o primeiro grupo a oferecer esses esportes gratuitamente na Baixada Fluminense. Em Deodoro tem uma piscina artificial, mas o caiaque está vetado. Crianças a partir de 7 anos já podem começar a remar com a gente. O Rio Guandu é uma referência histórica e nós estamos felizes em realizar nosso trabalho no local. Felizmente também temos o apoio da secretaria de Meio Ambiente de Japeri”, declara. Giovana Santos, de apenas nove anos, é uma das crianças que mais se destacam no grupo. Com muita habilidade e liderança na hora de ensinar aos amigos, a futura médica, como ela afirma, garante que as brinca- deiras acabam quando Afonso chega com os remos e as pranchas. “Nós sempre largamos nossas brincadeiras quando o Tio Afonso aparece. Quando o caiaque chega, o pique-esconde acaba”, conta aos risos. Aproximadamente trinta crianças participam do projeto “Remar é preciso” em Nova Belém, Japeri. Para se inscrever basta comparecer às aulas gratuitas no Rio Guandu nos finais de semana.

[close]

Comments

no comments yet