Revista RADAR 110 - Online

 

Embed or link this publication

Description

Revista RADAR Nº 110 - Versão Online

Popular Pages


p. 1

RADAR  | DEZEMBRO 2015 |   1 

[close]

p. 2

2 | DEZEMBRO 2015 | RADAR

[close]

p. 3

RADAR  | DEZEMBRO 2015 |   3 

[close]

p. 4

Carta do Leitor CAPA COOPERÓTICA Os irmãos Wagner e Rennan são proprietarios da Cooperótica, empresa em expansão em Presidente Venceslau. FOTO: Caio Lanziani ARTE: Thadeu Arias Pág. 10 ENTREVISTA Flávio Rogério Rodrigues de Sousa Pág. 06 Os redatores em geral, gostam de escrever nesta época do ano. É um momento mágico devido a presença das festas e a chegada de um novo ano, que sempre vem com expectativas de melhoria em tudo. Lembramos que o país passa por um momento difícil evidenciando uma crise desagradável e incomoda para todos. Radar teve o cuidado de lembrar deste detalhe e foi até os empresários da cidade ouví-los sobre a questão. Temos ainda nesta edição, uma entrevista interessante sobre a CART com Flávio Rogério, Diretor de Engenharia e Operações da empresa, que é concessionária da Rodovia Raposo Tavares na região. Destacamos ainda, uma matéria de como anda a Associação dos Aposentados de Presidente Venceslau em matéria feita pelo jornalista Clóvis Moré. E a Leishmaniose Visceral, você sabe o que é? Temos uma página com o Veterinário Nilton Braga, artigo interessante para donos de cães. Ainda temos destaques da !ª Feira Regional do Artesanato, da atuação dos deputados Silvio Torres e Ricardo Madalena, matérias da volta do Ginásio de Esportes e o perigo nas estradas. O prefeito Jorge Duran está dando em primeira mão, neste exemplar, a notícia de que transformará o centro da cidade, com a pavimentação das avenidas Dom Pedro II e Princesa Isabel. Uma obra de mais de R$ 4 milhões que envolve também pavimentação de ruas de vários bairros da cidade. A matéria interessante no entanto, é a história dos irmãos Vagner e Rennan da empresa Cooperótica. Ambos com trajetória bonita que liga o passado da família à reluzente loja aberta recentemente no cruzamento da Barão do Rio Branco com a Princesa Isabel. No mais, desejamos a todos os nossos queridos leitores e patrocinadores que as festas de final de ano sejam repletas de alegria e felicidade, e que 2016 venha sem crise e com muito amor no coração de todos. Boa Leitura Boas Festas!!!! Toninho Moré Blog do Toninho Mudou de estrutura Pág. 36 INTERNET Acidentes continuam acontecendo Pág. 38 ACIDENTES Deivid Eduardo dos Santos Arias Pág. 40 ONDE ELE ESTÁ 04 CURTINHAS Ornamentação. Som da Rádio. 12 QUEM TEM MEDO DA CRISE? Empresários abordam o momento financeiro do país e falam de seus negócios 19 ASSOCIAÇÃO Associação dos Aposentados de Presidente Venceslau, exemplo de administração 20 HOMENAGEM Fórum de Presidente Venceslau homenageia seu patrono 22 1ª FEIRA DO ARTESANATO Evento é realizado em Venceslau EXPEDIENTE Projeção Revistas e Prop LTDA-ME Direção: Isabel Cristina M. D. Moré Rua: Henrique Dias, 163 Fone: (18) 3271-6795 E-mail: isabel.more@hotmail.com CNPJ: 19.492.054/0001-40 Presidente venceslau-SP CTP, Impressão e acabamento CIPOLA - Inteligência Gráfica Rua: Átila Bitencourt, 152 Fone: (18) 3311-0510 www.cipola.com.br Presidente Prudente - SP 4 | DEZEMBRO 2015 | RADAR 30 REABERTURA Ginásio de Esportes volta a receber atividades 34 LBF Basquete Venceslau disputa LBF pelo segundo ano 42 #EUCOMPROAQUI campanha de valorização e fortalecimento do comércio 44 ARTIGO Dr. Tácito Cortes com o artigo de natal 48 SOCIEDADE EM MOVIMENTO Fotos de acontecimentos sociais em Presidente Venceslau Direção de Jornalismo: Toninho Moré Designer: Thadeu Arias Diagramação: Thadeu Arias / Isabel Moré Fotografia: Mauricio Barbosa / Toninho Moré Publicidade: Carlos Breith / Homero Silva / Everton / Toninho Moré Redação: Claudio Almeida / Toninho Moré Jornalista Responsável Gustavo Dantas L. Moré MTB 54.156/SP Tiragem 1.500 exemplares Término desta edição 09h54 do dia 21/12/2015

[close]

p. 5

RADAR  | DEZEMBRO 2015 |   5 

[close]

p. 6

CURTINHAS Ornamentação da Igreja Já virou uma tradição em Presidente Venceslau nesta época do ano. Os católicos da paróquia de Santo Antonio fazem uma bela ornamentação da Igreja Matriz nos altos da avenida Princesa Isabel. Os organizadores do visual para o natal e ano novo capricham nas luzes e este ano ficou ainda mais bonito, que foi feito. São luzes em movimento formando várias formas. Olhando de longe a combinação com o crucifixo iluminado em azul, fica perfeita. n Transmitindo basquetebol A Rádio Jovem Som FM está transmitindo os jogos da LBF - Liga de Basquetebol Feminino, que tem a participação de uma equipe brasileira no Campeonato Nacional. A equipe é formada por Luciano Sanches, Cássio Oliveira (Foto) e Cláudio Almeida. Lojas Prado O comércio de Presidente Venceslau não está nem aí para a crise e vive em pleno movimento. A Loja Prado, exclusiva para roupas masculinas, acabou de se mudar da Avenida Jorge Tibiriça para o centro, na Avenida Dom Pedro II. Conforme, Henrique, dono da empresa, o aumento de vendas foi imediato. 6 | DEZEMBRO 2015 | RADAR

[close]

p. 7

Antonio Montanari, o Ipojucã, esteve em Presidente Venceslau neste final de dezembro. Veio promover o livro “Ipojucã, a Saga de Um Matador”, que conta sua história no futebol. Trouxe com ele um vasto material fotográfico dos jogadores que jogaram a Copa Corinthians em 1977. Ipojucã está com 83 anos. Boa parte desta vida foi vivida em Presidente Venceslau como comerciante e dirigente de clubes de futebol. Lembram do Ipijucã? CURTINHAS Som de fibra ótica A sonoridade da Jovem Som FM está show. A emissora concluiu a instalação do enlace de fibra ótica entre seus estúdios na Rua Almirante Barroso e transmissores nos altos da Avenida Carlos Platzeck ao lado da Figueira. Som “flat” sem excessos de volume, grave, agudo e médio. Ótimo para ouvir em qualquer equipamento. Escola no centro da cidade A administração municipal de Presidente Venceslau e governo do estado estão reformando o prédio da escola Dr. Álvaro Coelho. Para tanto, se utilizaram de um prédio no centro da cidade na Avenida Princesa Isabel, durante os últimos dias do ano letivo de 2015. A mudança causou uma confusão no trânsito devido ao trânsito ter que ficar impedido na quadra no momento de saída dos alunos. As empresas responsáveis pela reforme da escola estão correndo com as obras para liberar a área central o mais rápido possível. RADAR É tempo de confraternização As pessoas se confraternizam junto aos familiares nos dias de Natal e Ano Novo, mas antes vivem as festas de confraternização das empresas em que trabalham. Neste ano, em Presidente Venceslau, foi difícil agendar de última hora, algum local para a realização de uma festa, e olhem que existem hoje na cidade algumas dezenas de locais apropriados para eventos, até de grande porte. No lado empresarial algumas festas já se tornaram tradicionais e tem loja que faz festa para mais de 200 pessoas. É a magia do Natal e fim de ano abraçando a sociedade venceslauense no mês de dezembro, como já dissemos, a melhor época do ano. 07 RADAR  | DEZEMBRO 2015 |   7 

[close]

p. 8

ENTREVISTA AS DIFICULDADES E DESAFIOS DE MODERNIZAR UMA RODOVIA Flávio Rogério Rodrigues de Sousa Diretor de engenharia e operações da CART C uidar de uma rodovia é um grande desafio e exige determinação, atenção, pro atividade e, principalmente, a união de esforços. É baseado nessas características que o diretor de engenharia e operações, Flávio Rogério Rodrigues de Sousa, executa seu trabalho na CART - Concessionária Auto Raposo Tavares. A fim de proporcionar uma rodovia segura, funcional e moderna aos seus usuários, com o objetivo de inovar e melhorar o atendimento prestado a quem transita todos os dias pelo Corredor Raposo Tavares, Flávio conta os desafios de seu trabalho, os investimentos e a evoluções da empresa na região do Oeste Paulista. 1. O Sr. é natural de onde e quem são seus pais? Flávio - Eu me chamo Flávio Rogério Rodrigues de Sousa. Desde o primário, sou mais conhecido como Flávio Rogério. Nasci no Rio de Janeiro e sou filho de pai carioca, Edgard, e de mãe nordestina, Maria Nilce. Também sou casado, pai de duas filhas lindas: Karina, de 25 anos, e Isabel, de sete meses. Desde março deste ano, me mudei do Rio de Janeiro para o interior de São Paulo, que me encantou muito e me fez trazer toda família e comprar uma casa também. 2. Qual sua formação universitária, onde se formou e desde quando está no mercado de trabalho? Flávio - Comecei a minha vida profissional aos 14 anos, em uma escola de formação industrial. Lá, aprendi o meu primeiro ofício de técnico industrial em eletricidade. A partir daí, continuei na ferrovia e fui para a área de manutenção de trens e vias. Atuei sempre na área de energia - geração, transmissão e transformação - até chegar no Metrô Rio, uma das empresas do grupo Invepar. No Metrô, atuei na operação da área de energia e depois ingressei na área de treinamento em recursos humanos. Fiz graduação em Gestão de RH pela Universidade Estácio de Sá, no Rio de Janeiro, e atuei por dez anos nesta área. Após este período, trabalhei na área de operação de tráfego de trens do Metrô. Dentro da companhia, busquei especialização em Inteligência Competitiva e Negócios na Universidade Federal do Rio de Janeiro e Desenvolvimento Gerencial pela Fundação Dom Cabral. Na sequência, fui para o Aeroporto de Guarulhos, onde assumi durante dois anos a diretoria comercial de serviços. Em março deste ano, assumi a Diretoria de Engenharia e Operações na CART responsável pelas áreas de Operação Viária, Tecnologia da Informação e Sistemas, Engenharia de Manutenção e Arrecadação. 3. Como é a rotina de um executivo que 8 | DEZEMBRO 2015 | RADAR

[close]

p. 9

cuida de uma empresa tão grande? Flávio - A rotina de um profissional que tem como responsabilidade cuidar de uma rodovia para que ela seja agradável, segura e funcional aos usuários não é muito tranquila. Você precisa estar o tempo todo atento ao que as pessoas estão informando para buscar melhorias diárias. O objetivo é proporcionar aos nossos usuários um bom caminho para que sempre possam contar com a gente, em caso de necessidade, com um atendimento em qualquer momento, com os serviços do 0800, com as cabines de pedágio e o socorro mecânico ou médico. Também é preciso estar atento aos nossos cronogramas de trabalho para verificar como estão sendo aplicados e ter atenção à nossa relação com todos os que estão no entorno da rodovia, desde as 34 prefeituras do nosso trecho até as pessoas que possuem propriedades e negócios próximos à rodovia. 04. O que é feito com críticas e elogios recebidos? Flávio - Quando falamos do desenvolvimento de pessoas e companhias, o feedback é fundamental e ficamos gratos quando conseguimos obter isso. Quando um usuário de nossa rodovia se dispõe a usar um canal para colocar seu elogio é sempre muito bem-vindo. Porém, a crítica é tão ou mais importante para nós do que o elogio. Entendemos que o usuário está fazendo isso para melhorar nosso serviço e, obviamente, nossa intenção é sempre prestar um serviço de qualidade. A CART possui diversos canais de comunicação e relacionamento com os usuários nas rodovias. Na ocorrência de qualquer eventualidade, desde um problema mecânico até informações sobre o destino da viagem, temos o nosso canal direto com o usuário por meio do telefone 0800-773-0090 FREE. Além disso, a cada um quilômetro de rodovia, temos telefones de emergência que funcionam 24h pelo qual é possível acionar o atendimento da CART. As bases do SAU (Serviço de Atendimento ao Usuário) dispõem também da ferramenta CART Atende!, um sistema de atendimento por telepresença que permite ao motorista falar com a Central de Atendimento da CART em tempo real. Além disso, a CART dispõe de um Centro de Controle Operacional (CCO), onde fica o comando central das rodovias sob nossa concessão. É neste local que nossos operadores interpretam e gerenciam tudo o que ocorre na rodovia em tempo real, por meio de mapa eletrônico e câmeras de monitoramento. Quan- do existem elogios ou críticas, os usuários entram em contato conosco usando esses canais de relacionamento. 5. A questão de meio ambiente vem sendo tratada de que forma pela CART no Corredor da Rodovia Raposo Tavares? Flávio - A rodovia passa por áreas habitadas, inclusive por fauna e flora. Obviamente, a CART tem consciência disso. Sabemos que estamos estreitando distâncias para fazer com que pessoas saiam de um ponto e cheguem a outro. Sabemos também que o equilíbrio com o meio ambiente é fundamental, por isso temos tantas iniciativas voltadas à preservação e compensação ambiental. Para reduzirmos a incidência de ocorrências com animais silvestres nas estradas, por exemplo, a CART implantou passagens de fauna nos locais de maior incidência. As passagens são túneis construídos ou adaptados sob a rodovia para evitar que os animais cruzem de um lado para outro. Na primeira etapa, foram construídas e adaptadas 23 passagens, entre Maracaí e Regente Feijó, em um trecho de 70,6 km onde alguns pontos já registraram redução de 82,5% no índice de ocorrências com animais. A segunda etapa de construção de passagens contempla o trecho entre Presidente Prudente e Presidente Epitácio e está em andamento. A Concessionária realiza o plantio de árvores nativas em locais estratégicos no Corredor CART, além de cumprir com as obrigações do programa de compensação ambiental. Este ano, foram plantadas 20 mil mudas de árvores nativas em comemoração ao Dia Mundial do Meio Ambiente, celebrado no dia 5 de junho. As mudas foram plantadas às margens do rio Paraná, no município de Presidente Epitácio, onde a CART e Apoena desenvolvem o “Projeto Plantando Árvores e Aproximando Pessoas”. Outro plantio representativo aconteceu em setembro de 2014, quando a Concessionária contribuiu com o plantio de 287 mil mudas de árvores no Córrego do Cedro, em Presidente Prudente. Constantemente, a CART realiza ações em conjunto com diversas instituições e ONGs que, assim como nós, têm uma preocupação constante com o meio ambiente. Trabalhamos também a educação e a consciência dos motoristas sobre o risco de provocar um incêndio e dano ambiental, principalmente nos períodos de estiagem. Por esse motivo, A CART atua em parceria com a Artesp (Agência de Transportes do Estado de São Paulo) na “Operação Corta Fogo”, que visa reduzir os índices de ocorrências de incêndios. As queimadas representam danos ao meio ambiente e, muitas vezes, sua incidência está ligada ao comportamento dos usuários, como jogar uma bituca de cigarro às margens da rodovia. 6. Existem condições de conter a presença de animais na pista? Flávio - O risco não é somente dos animais silvestres, mas também dos animais domésticos, que podem fugir de propriedades no entorno da rodovia. Fazemos um trabalho de conscientização e mantemos contato com os proprietários lindeiros para que as cercas de suas propriedades sejam mantidas e preservadas. A contenção do animal é responsabilidade de seus proprietários. O objetivo é prevenir, evitar que eles escapem e acabem alcançando a rodovia, onde podem causar algum acidente. 7. E o trevo de acesso ao Vencesville em Presidente Venceslau, será construído? Flávio - A construção do novo acesso ao Bairro Vencesville é um objeto de grande preocupação da CART. Converso muito com o prefeito Jorge Duran, com quem eu tenho uma proximidade e um apreço muito grande. A CART elaborou um projeto executivo para implantar um novo acesso ao bairro. Esse acesso terá maior capacidade de tráfego para entrada e saída de veículos. Porém, o início das obras está vinculado à aprovação do projeto que está em tramitação na Artesp. A previsão é de que os trabalhos tenham início 120 dias após essa aprovação. Em parceria com a Prefeitura de Presidente Venceslau, a CART tem atuado para viabilizar a desapropriação das áreas necessárias para a realização das obras. O pedido de licença ambiental também já foi protocolado pela Concessionária e aguarda a liberação dos órgãos responsáveis. 8. A CART, quando trabalhava no aumento da pista, implantou fios de fibra ótica em toda a lateral de sua extensão. Como vem sendo utilizado este serviço pela empresa? Flávio - Em suas ações, a CART estimula e investe em iniciativas inovadoras, especialmente com tecnologia. A implantação da fibra ótica foi uma excelente solução para viabilizar uma comunicação eficiente das nossas equipes nos 444 Km de rodovias. Assim, a tecnologia tornou-se uma poderosa ferramenta e trouxe a garantia de uma comunicação sem ruídos. Os cabos de fibra ótica são utilizados para transRADAR  | DEZEMBRO 2015 |   9  ENTREVISTA

[close]

p. 10

missão de dados entre a rodovia e o CCO, como as imagens das câmeras de monitoramento na rodovia, para a comunicação dos telefones de emergência e a comunicação com o Serviço de Atendimento ao Usuário – SAU, por exemplo. 9. O que já foi feito pela CART na nossa região? Flávio - Quando falamos de Presidente Venceslau, falamos de toda a região: Presidente Epitácio, Presidente Bernardes, Presidente Prudente, Caiuá, Regente Feijó, Santo Anastácio. Nestes e outros municípios, nossa presença é muito forte. Somos, efetivamente, o corredor de ligação com o Estado do Mato Grosso e quando a gente tem a possibilidade de escoar a produção para a capital mais importante economicamente do país, que é São Paulo, eu não tenho a menor dúvida de que as melhorias são incalculáveis. Diariamente, a CART trabalha para proporcionar uma rodovia mais segura, confortável e moderna aos seus usuários. Desde o início de sua concessão, em 2009, a rodovia passou por diversas transformações que estão relacionadas à duplicação de trechos de pista simples, implantação de dispositivos de acesso e retorno, melhorias no pavimento asfáltico e outros benefícios que visam o bem-estar do usuário. A CART já duplicou mais de 150 quilômetros só na SP-270, entre os municípios de Ourinhos e Presidente Epitácio, além de implantar 21 novos dispositivos e melhorar outros 41 neste trecho. Outra frente importante de trabalho está no reforço da sinalização e melhorias no pavimento, além dos serviços de capina e roçada, poda de árvores e arbustos, retirada de lixo, limpeza de placas de sinalização e balizadores refletivos - dispositivos que auxiliam o motorista a visualizar o trajeto da rodovia à noite. As melhorias contribuem para o desenvolvimento dos municípios do trecho, já que a Rodovia Raposo Tavares é a principal ligação do Oeste Paulista com a capital do Estado e um importante corredor de escoamento de produção agrícola para a zona portuária. 10. A CART tem feito ações sociais fora de seu trabalho para a comunidade em geral? Flávio - A CART se faz presente socialmente, pois quanto mais a comunidade do entorno estiver consciente sobre o uso da rodovia, mais a Concessionária poderá desenvolver ações e avançar em iniciativas empreendedoras para este público. 10 | DEZEMBRO 2015 | RADAR ENTREVISTA “ São diversos projetos socioambientais que procuram integrar ao negócio da empresa o desenvolvimento econômico, social e ambiental das localidades onde a Concessionária atua. Desde 2010, a CART é signatária do Pacto Global, iniciativa da ONU (Organização das Nações Unidas) que tem como objetivo mobilizar empresas para a adoção de valores fundamentais e internacionalmente aceitos nas áreas de direitos humanos, relações de trabalho, meio ambiente e combate à corrupção. Entre os projetos da Concessionária está o “Café com Ideia na Comunidade”, que vem sendo desenvolvido nos municípios de Assis e Presidente Prudente, com o objetivo de debater pautas de interesse coletivo. O programa promove integração entre comunidade, instituições e organizações para a discussão de temas que são importantes para a realidade dos municípios. Outro projeto desenvolvido é o “Seguindo em Frente” que acontece em Santo Anastácio, por exemplo. A iniciativa promovida pela CART, em parceria com Instituto Invepar, poder público e demais parceiros, busca ensinar pequenos produtores rurais dos municípios um novo jeito de plantar hortaliças. A técnica, conhecida como hidroponia, dispensa o uso da terra e utiliza canaletas de água corrente para o desenvolvimento das verduras. Em Santo Anastácio, 19 participantes puderam aprender a técnica em uma estufa-escola construída no município. A ideia é que o projeto estimule a cidade a se comprometer a dar sequência à iniciativa de reforçar a geração de renda na comunidade, fomentando o empreendedorismo local. e sinalização. Enfim, uma rodovia moderna e segura. Temos dentro do Serviço de Atendimento ao Usuário (SAU) uma tecnologia onde a pessoa pode entrar e falar, frente a frente, com um atendente que vai lhe dar toda a atenção e recursos necessários para que ela seja rigorosamente bem atendida. Se o usuário está confuso ou perdido, sairá esclarecido e atendido. Para compreendermos melhor a evolução, basta compararmos os depoimentos do passado, de antes de assumirmos o Corredor CART, com os de hoje. Eu me surpreendi por tantos feedbacks positivos de usuários, autoridades locais e pessoas de fora, que dizem: “você não sabe como era antes e como é hoje”. Não tenho a menor dúvida de que esta história, da qual faço parte agora, já vem sendo construída há um bom tempo e que é de muito sucesso. A CART, seguramente, vem seguindo o seu caminho da forma mais correta: prezando por uma rodovia segura e funcional para o usuário. Esta evolução reflete no estudo da ARTESP, que aponta o trecho sob concessão da CART como o que teve maior índice de redução de acidentes em todo o Estado de São Paulo. No comparativo entre 2014 e 2015, as rodovias administradas pela CART tiveram 17,69% menos acidentes. Isso significa segurança, vida, melhoria dos serviços e, acima de tudo, respeito com todos que escolhem viajar pelas nossas rodovias. 12. Qual é a visão de futuro da CART para a Rodovia Raposo Tavares? Flávio - A CART acredita, piamente, que operar uma rodovia é uma obrigação e prestar um bom serviço é uma vocação. E, hoje, a Concessionária cumpre essa obrigação, porém, mais do que isso, está vocacionada a cada vez mais observar - a cada instante - o que pode melhorar nesse serviço, para que seja percebido pelo usuário. Não queremos que alguém passe por aqui e não volte mais. Desejamos que as pessoas circulem pelo Corredor CART e possam falar para outras pessoas que é o melhor caminho que já usaram. 13. Está satisfeito? Flávio - Estou satisfeito por fazer parte deste desafio, mas eternamente não. Sabemos que temos muita coisa para melhorar e estamos sempre buscando onde melhorar. Essa insatisfação sadia é fundamental para o desenvolvimento do nosso negócio. Aproveito a oportunidade para desejar boas festas a todos e um feliz ano de 2016. n A CART acredita, piamente, que operar uma rodovia é uma obrigação e prestar um bom serviço é uma vocação. 11. O Sr. considera que houve evolução de serviços da CART durante este período de concessão? Flávio - Não tenho a menor dúvida! Principalmente quando vejo o quanto já duplicamos neste eixo de 444 quilômetros. Hoje, faltam apenas 42 quilômetros e as obras estão em andamento no trecho da SP-225 entre Paulistânia a Santa Cruz do Rio Pardo. Houve, ainda, a instalação de dispositivos de retorno e acesso às cidades, além de outros investimentos, como pavimento ”

[close]

p. 11

A Leishmaniose Visceral canina é uma doença crônica, sistêmica, caracterizada por longos períodos de febre, perda de peso, anemia, lesões de pele entre outros sintomas, lembrando-se destacar que alguns animais podem estar infectados e não apresentarem nenhum sintoma da doença por anos N os últimos meses, os Brasileiros vêm sofrendo com uma série de doenças transmitidas por insetos destacando-se entre outras a Dengue, a Chikungunya, o Zika Virus e a Leishmaniose Visceral. Com dados alarmantes sendo noticiados diariamente pelos veículos de comunicação, nos vimos no dever de prestar algumas informações importantes. A Leishmaniose Visceral canina é uma doença crônica, sistêmica, caracterizada por longos períodos de febre perda de peso, anemia, lesões de pele entre outros sintomas, lembrando-se destacar que alguns animais podem estar infectados e não apresentarem nenhum sintoma da doença por anos. A Leishmaniose Visceral canina é causada pelo protozoária Leishmania Chagasi, sendo certo que a doença não é transmitida diretamente de indivíduo para indivíduo ou de um animal doméstico para outro. Sua transmissão ocorre através do flebótomo, um inseto vulgarmente conhecido como "Palha" ou "Birigui". No ambiente urbano, os cães são as principais fontes de infecção funcionando como uma espécie de reservatório da doença, possibilitando a transmissão para seres humanos e para outros animais, desde que atacados pelo mosquito vetor. Pelas leis brasileiras, uma vez que o cão seja diagnosticado como positivo para Leishmaniose, o mesmo não poderá ser tratado, devendo imediatammente ser submetido à eutanasia. Nós da Clínica Veterinária Bom Pastor, bem como a maioria da população amante dos animais, sabemos que é uma pratica cruel demais para com nossos ani- mais tão amados, e portanto, usamos este veículo de comunicação para alertar toda a população de Presidente Venceslau e região, a protejerem seus animais dessa terrível doença, lançando mão de coleiras anti-mosquito, repelentes e principalmente com a vacinação. A vacina contra a Leishmaniose já existe e deve ser realizada somente por médicos Veterinários capacitados para tal prática. Vale lembrar também que o combate ao mosquito deve ser uma prática constante, mantendo-se os quintais limpos de matéria orgânica (fezes, folhas, restos de alimentos, etc...) Certos de que contribuimos ao nosso máximo para o bem estar de nossos animais, nos colocamos a disposição para qualquer procedimento ou esclarecimento à referida doença. n RADAR  | DEZEMBRO 2015 |   11 

[close]

p. 12

CAPA Modernidade e alto padrão de serviço uem conheceu Geraldo Simão dos Santos e a esposa Eva Madalena, sabe perfeitamente o valor dos irmãos Wagner e Rennan, empresários que comandam uma das mais reluzentes lojas de Presidente Venceslau na atualidade, a Cooperótica. São frutos de uma família bem estruturada e têm como espelho um pai que dedicou a vida inteira ao trabalho e alimentava o sonho de montar um negócio próprio, interrompido por morte prematura aos 44 anos em acidente de automóvel. Os irmãos gostam de falar sobre o pai e seu jeito. Era um apaixonado por futebol e pela profissão que exerceu por 31 anos, a maioria como surfaçagista e montador na ótica do Sobrinho. Com alguns equipamentos em casa, Geraldo ensinou algumas técnicas para Wagner, 32 anos, o filho mais velho, mas este se ausentou da cidade por um tempo. A tarefa de aprender a profissão do pai ficou então com Rennan, 25, na época com 15 anos. Geraldo morreu em 2007, quando já havia montado sua ótica própria, e o ramo que corria na veia dos Cardoso Santos, veio à tona. Wagner voltou e se uniu ao COOPERótica Q Geraldo Simão dos Santos, fundador da Cooperótica 12 | DEZEMBRO 2015 | RADAR “ irmão para tomar conta da empresa da família, a Cooperótica. E o porque deste nome? Geraldo tinha na cabeça que óculos eram uma necessidade para muita gente, e a sua bondade falava mais alto quando pensava no preço dos mesmos. “Cooperótica vem do termo Cooperativismo”. Queria oferecer o fruto de seu trabalho a um preço mais acessível, onde qualquer pessoa pudesse ter óculos de grau ou de sol de qualidade com preço baixo. Queria “cooperar com os outros”, e deu certo. O pensamento de um homem bom serviu de propulsão para que a loja montada na Avenida Jorge Tibiriçá, 176, na Rua do TG, tivesse em breve uma segunda loja na Avenida Newton Prado, centro. Os rapazes entraram com tudo no negócio, e jovens, sempre direcionaram o Cooperótica vem do termo Cooperativismo ”

[close]

p. 13

olhar para a tecnologia. Logo estavam com uma terceira loja na Avenida Tiradentes. Vitrine bonita, estoque reluzente e objeto de desejo de muitos consumidores. Assim a Cooperótica se tornou a principal loja do gênero em Presidente Venceslau e hoje referência de modernidade. No dia 27 de outubro, Wagner e Rennan chegaram a um primeiro desejo, o da montagem de uma loja única no centro da cidade, em local privilegiado, no cruzamento da Rua Barão do Rio Branco e Avenida Princesa Isabel. A população da cidade converge para o centro e o movimento de carros e pessoas CAPA “ Nova loja Cooperótica, inalgurada na Av. Dom Pedro ll Estamos apostando alto na tecnologia ” cina, lentes e tecnologias visual. Além de tanta tecnologia, a Cooperótica ainda dispõe de uma ampla vitrine com as principais marcas de óculos de sol , armações e lentes de contato do mercado. Ir a Cooperótica na atualidade é como fazer um passeio no mundo dos óculos. É difícil sair da loja sem algum desejo depois de passar pelo i.Terminal 2. Assim, os irmãos Wagner e Rennan realizam um sonho, que não é só deles, mas também do pai Geraldo, que além do exemplo de família, ensinou os filhos que o trabalho é dignificante e não há espera para sonhos e no mundo dos negócios empreender com inteligência são palavras de ordem e progresso. n I. Terminal 2 em uso no local onde esta a nova loja são determinantes para a maior visibilidade da marca e visita de pessoas. “Nestes novos perfil e investimento, estamos apostando alto na tecnologia, com a aquisição de equipamentos de ponta e laboratório automatizado. São equipamentos para medição e confecção de lentes que fornecem precisão absoluta nos óculos”, diz Rennan. Wagner explicou que a empresa detém para os clientes, o i.Terminal 2, a última palavra na medida de Grau. O cliente chega e passa poucos minutos de frente a máquina e logo sai com uma noção perfeita de como deve ser o seus óculos para conforto total da visão. Este equipamento foi adquirido junto a Zeiss, empresa referência mundial em lentes equipamentos de mediRADAR  | DEZEMBRO 2015 |   13 

[close]

p. 14

CRISE QUEM TEM MEDO DA CRISE? Presidente Venceslau se mantém movimentada com expectativas de futuro Empresários abordam o momento financeiro do país e falam de seus negócios termo “Sou brasileiro e não desisto nunca” tem lá o seu exagero de nacionalismo e até existencial quando o assunto se volta para a trajetória de homens de qualquer país. Neste momento, em algum lugar do mundo tem alguém tentando recomeçar, reconstruir sua história. É claro que muitos brasileiros estão neste contexto, especialmente no momento atual, que vivemos mais uma crise política que afeta duramente o país. O governo gastou mais do que arrecadou e agora faz de tudo para que o povo novamente pague a conta. É só olhar nos jornais os cadernos de economia que vamos encontrar dados que podem ser aterrorizantes para os pessimistas. A produção industrial recuou em 10 das 14 regiões do país no mês de outubro, conforme pesquisa divulgada pelo IBGE. 14 | DEZEMBRO 2015 | RADAR O A Inflação de 10% desorganiza a economia, manchete que vem como um aviso do diretor do Banco Central, dizendo que é preciso reduzir a inflação e assim ajudar o crescimento econômico. Tudo o que é de ruim nas cadeiras do senado e câmara de deputados reflete de maneira negativa na economia, pegando em cheio o cotidiano de cada brasileiro. Nunca se viu um Brasil tão conturbado nos meios políticos por causa de obras tocadas à base de propinas. Existe um emaranhado de processos, nomes e dinheiro envolvidos em centenas de ações na Polícia Federal, por isso, o brasileiro que lê e se aprofunda nos noticiários dos escândalos, tem tudo para se revoltar e amedrontado deixar de lado os investimentos, o empenho no trabalho, ou até fugir do sonho de ter um negócio próprio. Voltando na frase lá do começo, “Sou brasileiro e não desisto nunca”, estamos vendo que existe passividade de muitos quanto as questões de Brasília, uns até com desinteresse, e que a economia em cidades do porte de Presidente Venceslau continua a todo vapor. Fomos atrás de personagens e suas histórias em diversos setores onde funciona o comércio, a informalidade, os liberais e até quem recebe salário do trabalho público. Aqui estão as entrevistas que achamos mais interessantes. Veja o resultado na pergunta, “Como você está enfrentando a crise?

[close]

p. 15

Dosando o Remédio O empresário Luis Carlos Turatti, 56 anos, dono da Pousada dos Amigos, fincada há 16 anos na Rua Fernão Dias, área central de Presidente Venceslau, vê na crise uma série de oportunidades. Para Turatti, o empresário ou qualquer cidadão que tem a cabeça no lugar quando o assunto é dinheiro, a crise é como se estivéssemos “dosando um remédio”. Sempre é bom tem uma reserva e quem não fez loucura, hoje não precisa viver no aperto. Apesar do conselho do experiente empresário, ele não consegue enxergar ou prever o final de tudo isso, pois o governo favoreceu o desemprego, permitindo que quem ganhasse dinheiro fosse apenas os empreiteiros corruptos. Sua empresa tem sete funcionários, que trabalham para um hotel de 30 apartamentos. Também não acha que mudar o presidente resolveria a situação, pois os outros nomes que estão no comando também são suspeitos. Acredita que apesar da crise ser meramente política, o empresariado precisa viver atento nas novas tendências de comercialização, diminuindo a margem, ocupando espaços na internet e não permitindo que o consumidor saia da cidade para comprar em outros centros. A crise também nos fornece boas oportunidades CRISE “ O diesel é a causa da inflação Esta foi a resposta que ouvi ao perguntar para o borracheiro Altamiro Tibúrcio Leal 48 anos, o “Bila”, se está difícil vencer a crise. Seu negócio vai bem apesar da queda acentuada de clientes nos últimos meses. Faz um ano que se estabeleceu no Posto Kaó, mas tem experiência de 6 anos na beira da estrada, na Rodovia Raposo Tavares em outro local. “A crise está aí e com força total”, disse. O borracheiro, que trabalha com mais três funcionários nem turno de 12 horas, reclama que antes a firma não parava o dia inteiro, atendendo até 60 veículos por dia, hoje faz 10 no máximo , sendo poucos durante o dia e de quatro a cinco no final do expediente. “A estrada é o reflexo da crise. Se ela está de devagar é porque algo está errado no país”, complementa. Bila, no entanto, vê uma luz no fundo do poço. “Já passei por outras crises e a vida continuou da mesma forma. Acredita que esta seja também passageira e que a estrada volte ao seu ritmo normal em breve”, diz esperançoso. RADAR  | DEZEMBRO 2015 |   15  ” O corretor de imóveis Edmárcio Cuschenier pulsa otimismo. Em tudo ele vê oportunidades para bns negócios. Tem sido assim nestes últimos 21 meses, em que ele abriu a i9 Imobiliária no centro de Presidente Venceslau. Na conversa que tivemos com ele em Radar, a crise não o amedronta e sim lhe traz boas oportunidades de negócios. Diz que em momentos como o atual, muitos colocam terrenos ou imóveis à venda com preços acessíveis e quem tem dinheiro na poupança, observa que é uma boa situação de compra e os negócios acabam saindo. “É claro, que é preciso ter cautela, não só em tempos de crise, mas em todos os negócios. É bom ter cuidado com os oportunistas, alguns querem se aproveitar da situação, por isso indico fazer a compra ou venda de imóveis com profissionais habilitados e empresas idôneas”. Edmárcio mantém em seu escritório no centro de Presidente Venceslau, na Avenida Princesa Isabel, dois funcionários e seu estilo de trabalho e empolgação, deixam o pensamento que o país passa por uma crise para trás.

[close]

Comments

no comments yet