Jornal Eco da Tradição de Janeiro 2016

 

Embed or link this publication

Description

Jornal Eco da Tradição Janeiro n:173 ano 14

Popular Pages


p. 1

ECO DA TRADIÇÃO - ANO XIV - Nº 173 - JANEIRO DE 2016 50 anos 1966 - 2016 EDITORIAL È a hora de agradecer Página 02 JUSTIÇA Colocando os pingos nos “is” Página 03 NOTICIAS Uma fábrica de gaitas e gaiteiros Página 09 SAÚDE EM FOCO Cuidados com a alimentação Página 13 BALANÇO Retrospectiva 2015 melhores momentos Páginas 16 e 17 FECARS 2016 SERÁ EM SANTIAGO - 10ªRT Página 20 PIÁ 21 - CADERNO ESPECIAL EM 5 EDIÇÕES CADERNO ESPECIAL Páginas Centrais Savaris se despede, com dever cumprido. 7 gestões e 17 anos de dedicação total Foto:Marco Turky Nos 50 anos de Congressos, em 2004, na cidade de Santa Maria, onde aconteceu o 1º, lideranças e ex-presidentes reunidos. Da esquerda para a direita: Wilmar Winck de Souza, Hugo Ramirez, João Francisco de Andrade, Benjamim Feltrim Neto, Dirceu Brizola, Jayr Lima, Manoelito Savaris, Benoni dos Santos e Cyro Dutra Ferreira

[close]

p. 2

2 Ano XIV - Edição 173 editorial Manoelito Savaris - Presidente Janeiro de 2016 opinião Por: Afonso Hamm Deputado Federal Hora de agradecer Rua Guilherme Schell, 60 Porto Alegre / RS CEP: 90640-040 Email: bastosproducoes1@gmail.com www.mtg.org.br mtg-rs.blogspot.com Contato: 51. 3223-5194 A forma mais usual de agradecimento se faz pelo emprego de palavras que expressam sentimento em relação aos outros. A propósito disso, recebi recentemente um pequeno vídeo em que um palestrante ensina que há três formas de agradecimento: uma superficial, outra intermediária e outra profunda, sempre seguindo as teorias de São Tomás de Aquino. O nível mais superficial é o agradecimento intelectual, como fazem os americanos que dizem “thank you”. No nível intermediário se agradece dando graças, como fazem os italianos e os franceses com “grazie” e “merci”. O terceiro nível e aquele em que a pessoa que agradece fica vinculada, fica comprometida. É neste nível mais profundo que está a forma portuguesa de agradecer, pois que diz “obrigado”, ou para acentuar ainda mais o vínculo, se diz “muito obrigado”. É neste nível que desejo expressar a minha gratidão à Diretoria, aos Coordenadores, aos Conselheiros, aos Patrões que nos entenderam e seguiram, a cada tradicionalista que nos apoiou, nas horas boas e nas horas difíceis. Por isso lhes digo MUITO OBRIGADO. Fico-lhes obrigado a ser-lhes parceiro. Fico-lhes vinculado para atender as demandas do tradicionalismo gaúcho organizado. Ao rememorar os compromissos que assumimos quando percorremos o Rio Grande do Sul, em 2013, apresentando nossos compromissos, percebemos que os onze pontos eram factíveis e alcançáveis no tempo que nos propúnhamos ficar à frente do MTG. No entanto, vejo hoje que só foi possível cumprir as metas porque contei com um grupo de tradicionalistas dedicado, comprometido, ético e competente, tanto no MTG quanto na Fundação Cultural Gaúcha. O Conselho Diretor foi parceiro na execução das mudanças estruturais produzidas no Congresso Extraordinário de 2014 e os Coordenadores regionais souberam transmitir as ideias da nova diretoria para as bases do Movimento. Por seu turno, as Juntas Fiscais do MTG e da Fundação, foram cuidadosos e leais na fiscalização das contas. Quando tivemos que fazer o enfrentamento com setores vinculados à área campeira (alguns narradores e pequena parcela de laçadores), tivemos o apoio e a parceria incondicional do Conselho Diretor e da maioria absoluta dos coordenadores. Quando alguns setores e dois ou três jornalistas nos apontaram o dedo, lá estavam muitos tradicionalistas para dizer: “não é assim!”. Sempre que aplicamos a parte mais difícil dos regulamentos do que resultam as punições, houve compreensão da maioria do Movimento que me apoiou e deu respaldo. Eu e minha fiel e competente companheira Odila, estamos encerrando uma tarefa. Concluindo uma etapa das nossas vidas e da vida da instituição. Nosso sentimento é o do dever cumprido. E as nossas almas transbordam do espírito da gratidão que nos leva a agradecer a cada amigo tradicionalista que acreditou no nosso compromisso de fazer o melhor ao nosso alcance. Pelos erros cometidos por mim ou pelos integrantes das diretorias do MTG e da Fundação, peço escusas pois que decorreram da condição natural do homem, falho e mortal. Aos que estiveram comigo e permanecerão desempenhando tarefas de liderança, ou decorrentes dos regulamentos, desejo sucesso. O novo Presidente do MTG terá, por certo, a lucidez e a graça de conduzir os destinos dessa entidade cinquentenária que é, de fato e por lei, patrimônio cultural do Rio Grande do Sul. Repito: estou obrigado com os amigos tradicionalistas!! Defesa pela manutenção dos Rodeios O rodeio é uma atividade cultural e recreativa que busca harmonia entre a tradição de um povo, o respeito com os animais e a demonstração do trabalho do homem no campo. Dada à importância dessa atividade defendo a manutenção dos rodeios que movimentam o turismo, a geração de empregos e a economia do país. É importante salientar que os rodeios envolvem as cadeias produtivas dos bovinos, do cavalo crioulo, do quarto de milha, entre outras raças utilizadas nas provas. Atualmente, atraem 30 milhões de pessoas e movimentam mais de R$ 6 bilhões, por ano, no País. Somente no Rio Grande do Sul, ocorrem ao ano, mais de 400 eventos oficiais de rodeios. Na Câmara dos Deputados, fui relator na Comissão da Agricultura, do Projeto de Lei 2086/2011, do deputado Ricardo Trípoli (PSDB-SP), que proíbe perseguições seguidas de laçadas e derrubadas de animais em rodeios. Apresentei o relatório com posicionamento favorável pela manutenção da atividade, rejeitando o projeto por unanimidade. O texto foi elaborado com as contribuições dos integrantes do Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG) e dos realizadores de rodeios. Agora, o PL tramita na Comissão do Meio Ambiente. A relatoria está a cargo do deputado Roberto Balestra, que também apresentou relatório pela rejeição. Ressalto que defendo a manutenção dos rodeios, considerando o relevante papel como atividade de lazer, entretenimento e culto às tradições. Como argumento favorável aos rodeios, saliento que o bem-estar dos animais é uma preocupação constante dos organizadores, envolvendo uma série de cuidados especiais, com alimentação, alojamento, descanso e sanidade. Nos rodeios crioulos, por exemplo, quem maltrata o próprio cavalo é desclassificado. Com objetivo de coibir qualquer descuido com os animais já foram excluídas as provas do pealo e cura do terneiro. Também, está sendo cumprido o limitador de número de voltas de gado e houve a redução do tamanho da raia de corrida dos animais. Esses requisitos integram o Regulamento do Bem-Estar Animal em Competições e têm atenção especial com a alimentação e a saúde dos cavalos e bois. Ainda, existe a cartilha do MTG que estabelece as regras adequadas sobre os cuidados com os animais. Ademais, o rodeio está regulamentado pela Lei 10.519/02 (Lei do Rodeio), que normatiza a prática com presença obrigatória de médico veterinário e proíbe uso de esporas pontiagudas. E, a Lei Nº 10.220/2001, que institui normas gerais relativas à atividade de peão de rodeio. Portanto, o rodeio é símbolo da tradição gaúcha e precisa ser preservado. E, seguirei na luta em defesa dessa atividade. EXPEDIENTE: SUPERVISÃO: Manoelito Carlos Savaris DIREÇÃO GERAL: Nairioli Callegaro DIREÇÃO DE REDAÇÃO: Rogério Bastos DIAGRAMAÇÃO E DESIGN: Liliane Pappen CONSELHO EDITORIAL: Nairioli Callegaro, Odila Paese Savaris e Gustavo Bierhaus JORNALISTAS RESPONSÁVEIS: Rogério Bastos (16.834) Liliane Pappen (16.835) Fúlvio Lopes (16.200) DIAGRAMAÇÃO E DESIGN: Liliane Pappen COLABORAÇÃO: Manoela Carvalho IMPRESSÃO: Zero Hora TIRAGEM: 3 mil exemplares Atendimento 09 às 12 horas e das 13 às 18 horas De segunda a sexta-feira Valores da Anuidade R$ 906,65 Plena R$ 779,65 Parcial R$ 483,33 Especial Estudantis R$ 144,67 40% do valor é repassado às RTs. Janeiro Valor MTG: PRESIDENTE: Manoelito Carlos Savaris VICE PRESIDENTE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS: Nairioli Callegaro VICE PRESIDENTE DE CULTURA: Elenir Winck VICE PRESIDENTE ARTÍSTICO: José Roberto Fischborn VICE PRESIDENTE CAMPEIRO: José A. Araújo VICE PRESIDENTE ESPORTES: Martim Guterres Damasco Não nos responsabilizamos pelas opiniões publicadas no jornal Afonso Hamm tem lutado pela manutenção dos rodeios no Brasil

[close]

p. 3

Ano XIV - Edição 173 EVENTOS Janeiro de 2016 3 64º Congresso Tradicionalista Gaúcho Janeiro, mês do Congresso PROGRAMAÇÃO 09 hs – Início credenciamento 15 hs – Sessão preparatória do 64º Congresso para escolha da mesa diretora 16 hs – Chegada da chama crioula vinda da 4ª RT 16h45min – 1ª Sessão Plenária 20 hs – Sessão Solene de Abertura 21 hs - Jantar 09 hs – 2ª Sessão Plenária 10 hs – 3ª Sessão Plenária - “Experiências de Vida” 12 hs – Almoço e Encerramento do Credenciamento 14 hs – 4ª Sessão Plenária – Prestação de Contas da Gestão Atual 14h30min – Instalação da Assembleia Geral Eletiva para Conselho Diretor – Início Votação 14h45min – Formatura do CFOR AVANÇADO 16 hs – 5ª Sessão Plenária 17 hs – Encerramento das Votações para o Conselho Diretor e para sediar o 65º Congresso 19 hs – Resultado das eleições e local do 65º Congresso 19h30min – Sessão Especial do Conselho Diretor para Eleição do Presidente e Vice-Presidentes 21 hs - Jantar 08h30min – 1ª Reunião Ordinária do Conselho Diretor e 1ª Reunião dos Coordenadores Regionais 11 hs – Sessão Solene de Encerramento e Posse do novo Conselho Diretor, Junta Fiscal, Departamento Jovem e dos Coordenadores Regionais 12h30min – Almoço de Encerramento 08/01/2015 – Sexta-Feira 09/01/2015 – Sábado 08 a 10 de Janeiro de 2016 CTG Laço Velho - Rua Quinze de Novembro, nº 125 10/01/2015 – Domingo Bento Gonçalves/RS Realização Apoio Promoção A verdade é sempre a melhor resposta Flyer 10x21_congresso.indd 1 31/10/2015 09:27:47 O primeiro evento oficial do tradicionalismo gaúcho organizado no ano. Momento em que, um grande número de CTGs do estado se reúne para discutir as metas para o ano que começa. O Congresso recebe gaúchos de cada canto do Rio Grande do Sul, para debater pautas estabelecidas pelas propostas enviadas até 30 dias antes de seu inicio. É lá que o tema anual é apresentado, o tema dos festejos farroupilhas, as metas para o ano. No ano do cinquentenário do Movimento Tradicionalista Gaúcho o congresso consolida-se como o maior fórum democrático de debates do tradicionalismo, onde ideias individuais tornam-se coletivas e ganham força. Pensando desta forma, em 1954, as entidades discutiram sobre os problemas ocorridos no ano que passou e começaram a pensar em uma federação. Fernando Brockstedt, da União Gaúcha, de Pelotas, apresentou a proposta de criação de uma “Federação de Entidades Tradicionalistas do RS” – FENTRA. Mas a ideia foi relegada à segundo plano e reapresentada no 2º Congresso, em Rio Grande. No 6º Congresso, em 1959, na cidade de Cachoeira do Sul, foi criado o Conselho Coordenador, encarregado de zelar, durante o ano, pelo cumprimento das resoluções tomadas no último conclave. Muitas teses importantes foram apresentadas em congressos: “A importância da Reforma Agrária”, de Ruy Ramos, “Os Valores Morais do Gaúcho”, de Oswaldo Lessa da Rosa, “O sentido e o valor do tradicionalismo” de Barbosa Lessa, e a formação de uma comissão que discutiria a criação de uma “carta de princípios”, liderada e proposta de Getulio Marcantônio. A equipe que ficou designada para estudar o tema era composta por: Ruy Ramos, Sady Scalante, Emilio Rodrigues, Hugo Ramirez e Barbosa Lessa. No 12º Congresso, em Tramandaí, no ano de 1966, que nasceu o Movimento Tradicionalista Gaúcho, 18 anos depois da criação do primeiro CTG. Pingos nos “is”: Alguns setores da mídia costumam acusar. Dificilmente se ouve falar que vieram a público reparar o erro e dizer que não era nada daquilo que eles haviam noticiado. Uma vez manchada a imagem, costumam deixar por isso mesmo. Mas a verdade vem à tona e deve ser dita. O Movimento Tradicionalista Gaúcho encerra 2015 com três importantes vitórias relacionadas a episódios que, ao longo do ano, causaram polêmica: a CPI do Acampamento Farroupilha e duas ações judiciais: uma pedindo vínculo empregatício de narrador de rodeios e outra pedindo anulação de cláusula do Regulamento do Departamento de Narradores. “Durante seis meses as contas do Acampamento Farroupilha de Porto Alegre, relacionadas aos anos de 2009 a 2013, foram vasculhadas, verificadas, confrontadas, investigadas pela CPI e não se encontrou nenhuma prova de ilegalidade” – disse Manoelito Savaris. Segundo ele, o resultado foi o esperado por todos que realizaram o evento nesses anos, com muita dedicação e seriedade. “Nenhum indicativo de desvio de recursos. Nenhuma prova de cometimento de delito”, afirma. Outra vitória importante está relacionada a processo judicial movido pelo narrador de rodeios Gustavo Leite de Oliveira, que pedia vínculo empregatício com a instituição. A Justiça concluiu que ‘é evidente que a natureza da função exercida pelo depoente é eventual, já que sequer diz respeito com as finalidades essenciais da ré, e evidentemente não é permanente, já que, como o próprio autor afirma, cada rodeio é um contrato. Não houve, portanto, continuidade na prestação laboral do demandante.’ Outra decisão importante da Justiça em favor do Movimento Tradicionalista Gaúcho reconhece a legitimidade do Regimento Interno do Departamento de Narradores e a vedação para seus integrantes narrarem rodeios estranhos à instituição. A ação havia sido movida por Ubirajara Carlos Gomes, pedindo anulação do artigo 49 do Regimento. Segundo Savaris, estes três episódios causaram polêmica junto à sociedade e também desgaste para todos que se envolvem no desenvolvimento das atividades da instituição, mas prevaleceu a justiça, o equilíbrio e o bom senso, demonstrando a seriedade com que o MTG trata seus eventos e o tradicionalismo.

[close]

p. 4

4 PROSEANDO COM TENÊNCIA Ano XIV - Edição 173 Janeiro de 2016 movimento tradicionalista gaúcho Casos & Acasos Fábrica de Gaiteiros Por Rogério Bastos Calendário do MTG - 2016 DATA 08 a 10 10 10 20 Visitamos, dia 20 de dezembro, à beira da Laguna dos Patos, a cidade de Barra do Ribeiro, sede da Fábrica de Gaiteiros, projeto do instrumentista Renato Borghetti. Ele fez questão de mostrar a fábrica por dentro, como são construídas as gaitas e como funciona o projeto. Cada detalhe é minunciosamente cuidado. Cada gaita construída é numerada (Já chegaram ao número de 150). Renato supervisiona pessoalmente cada escola, que tem um professor designado. Porto Alegre, em parceria com o SESC, Guaíba, Barra do Ribeiro, Tapes, Montenegro, Butiá, Bagé e São Gabriel são as sedes. Tem que dar os parabéns pela iniciativa e pelo belíssimo projeto. EVENTO JANEIRO DE 2016 64º CONGRESSO TRADICIONALISTA 1ª REUNIÃO DE CONSELHEIROS 1ª REUNIÃO DE COORDENADORES REGIONAIS FEVEREIRO DE 2016 2ª REUNIÃO DE COORDENADORES REGIONAIS, DIRETORES CAMPEIROS, CULTURAIS, ESPORTIVOS E ARTÍSTICOS MARÇO DE 2016 SEMINÁRIO ESTADUAL DE PRENDAS 2ª REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR PRAZO FINAL INSCRIÇÕES FECARS CURSO AVALIADORES CIRANDA E ENTREVERO - FASE ESTADUAL CURSO AVALIADORES CIRANDA E ENTREVERO - FASE REGIONAL PRAZO FINAL - INSCRIÇÕES 28º ENTREVERO CULT. DE PEÕES - FASE ESTADUAL 28ª FESTA CAMPEIRA DO RIO GRANDE DO SUL SEMINÁRIO DA CULTURA CAMPEIRA ABRIL DE 2016 28º ENTREVERO CULTURAL DE PEÕES - FASE ESTADUAL PRAZO FINAL - INSCRIÇÕES 46ª CIRANDA CULT. DE PRENDAS - FASE ESTADUAL MAIO DE 2016 3ª REUNIÃO DE COORDENADORES REGIONAIS, DIRETORES CULTURAIS 3ª REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR 46ª CIRANDA CULTURAL DE PRENDAS - FASE ESTADUAL PRAZO FINAL - INSCRIÇÕES 47ª CIRANDA CULT. DE PRENDAS - FASE REGIONAL PRAZO FINAL - INSCRIÇÕES 29º ENTREVERO CULT. DE PEÕES - FASE REGIONAL JUNHO DE 2016 4ª REUNIÃO ORDINÁRIA CONSELHO DIRETOR (Provas Ciranda e Entrevero Regional) 47ª CIRANDA CULTURAL DE PRENDAS - FASE REGIONAL 29º ENTREVERO CULTURAL DE PEÕES - FASE REGIONAL JULHO DE 2016 4ª REUNIÃO DE COORDENADORES REGIONAIS E DIRETORES CULTURAIS PRAZO FINAL - INSCRIÇÕES ENART 2016 82ª CONVENÇÃO TRADICIONALISTA AGOSTO DE 2016 SORTEIO ORDEM DE APRESENTAÇÃO DAS INTER-REGIONAIS ENART 2016 ACENDIMENTO E DISTRIBUIÇÃO DA CHAMA CRIOULA TCHENCONTRO 1ª INTER-REGIONAL DO ENART SETEMBRO DE 2016 5ª REUNIÃO CONSELHO DIRETOR SEMANA FARROUPILHA 2ª INTER-REGIONAL DO ENART OUTUBRO DE 2016 5ª REUNIÃO DE COORDENADORES REGIONAIS, DIRETORES CULTURAIS 3ª INTER-REGIONAL ENART 3º FEGADAN SORTEIO DA ORDEM DE APRESENTAÇÃO DA FINAL DO ENART 2016 50º ANIVERSÁRIO DO MTG ACAMPAMENTO DA JUVENTUDE GAÚCHA NOVEMBRO DE 2016 ABERTO DE ESPORTES - 1º ENECAMP 6ª REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR FINAL ENART 2016 - ENCONTRO DE ARTE E TRADIÇÃO GAÚCHA 17ª MOSTRA DE ARTE E TRADIÇÃO GAÚCHA DEZEMBRO DE 2016 PRAZO FINAL - ELEIÇÕES COORDENADORIAS REGIONAIS REUNIÃO DE ENCERRAMENTO - CONFRATERNIZAÇÃO NATALINA PRAZO FINAL - APRESENTAÇÃO PROPOSIÇÕES P/ 65º CONGRESSO TRAD. GAÚCHO CIDADE BENTO GONÇALVES BENTO GONÇALVES BENTO GONÇALVES PORTO ALEGRE LAGOA VERMELHA LAGOA VERMELHA PORTO ALEGRE PORTO ALEGRE PORTO ALEGRE PORTO ALEGRE 5 5 7 12 12 14 17 a 20 19 14 a 16 19 7 14 19 a 21 25 25 18 25 25 2 25 30 2 12 e 13 13 27 e 28 4 14 a 20 24 e 25 1 8e9 15 e 16 18 28 e 29 28 e 29 05 e 06 12 18 a 20 19 9 10 13 CPI do Acampamento Farroupilha Durante meses a CPI da Câmara Municipal de Porto Alegre transformou a rotina das pessoas abnegadas e dedicadas ao tradicionalismo organizado ao se debruçar sobre as contas do Acampamento Farroupilha de 2009 a 2013, verificando e confrontando-as. No dia 8 de dezembro chegaram a conclusão que todas as pessoas que trabalham com afinco e honestidade já sabiam: Nenhuma prova de ilegalidade encontrada. Nenhum indicativo de desvio de recursos. Nenhuma prova de cometimento de delito. Só faltou o pedido de desculpas públicas tanto do vereador como dos que acusaram. Isso vale também para a CPI de Viamão, pois não custa um pedido de desculpas público. PORTÃO PORTO ALEGRE PORTO ALEGRE PORTO ALEGRE PASSO FUNDO PORTO ALEGRE PORTO ALEGRE SEDE MTG - POA RTs RTs PORTO ALEGRE PORTO ALEGRE CRUZ ALTA PORTO ALEGRE TRIUNFO TRIUNFO Tema dos Festejos Farroupilhas 2016 Com muita sensibilidade virou politica cultural de governo. Quando estivemos na Secretaria de Cultura, o secretario Victor Hugo e o Presidente do IGTF, Vinicius Brum deram essa noticia. A República, o espírito de República será tratado em cada canto do Rio Grande como tema dos festejos farroupilhas de 2016. “A República das Carretas”. Ações cinquentenárias O tema de 2016 do MTG será para tratarmos, de todas as formas possíveis, o cinquentenário do tradicionalismo organizado. Nós estamos fazendo 5 cadernos especiais contando esse jubileu de ouro, para isso, fomos mais de cem anos antes, no século XIX, e lá tentamos entender por que chegamos até aqui. Esses cadernos antecederão o Livro dos 50 anos e um projeto que estamos trabalhando para um documentário que deverá cruzar o Brasil, pois a tradição gaúcha é singular e sem fronteiras. RS CAXIAS DO SUL PORTO ALEGRE PORTO ALEGRE PORTO ALEGRE Manoelito Savaris – 17 anos de dedicação Eu tive o grato privilégio de ter sido funcionário, aluno e amigo de Manoelito Savaris, nos últimos 17 anos. Em 1999, ainda como secretário da Fundação Cultural Gaúcha. Depois, na minha formatura, fui convidado por ele à dirigir a FCG, a qual fiz por 10 anos. Savaris me ajudou muito, algo que agradeço permanentemente. Eu vi de perto o carater e a personalidade dele. Nunca fugiu de uma peleia. Sabia quando dar um passo para trás, para depois dar dois para a frente. Se pedíssemos ele não deixaria, por isso fizemos, para ele, uma homenagem nas páginas centrais do ECO de janeiro. STA CRUZ DO SUL STA CRUZ DO SUL RTs RTs OBS: Calendário sujeito a alterações de acordo com a necessidade CALENDÁRIO DE CURSOS (Sujeito à alterações - O CFOR Patronagem, será realizado através de solicitação dos coordenadores) 27/02/2016 21/04/2016 29/04/2016 07/05/2016 09/07/2016 23 e 24/07/2016 06/08/2016 10 e 11/09/2016 22 e 23/10/2016 CFOR BÁSICO CURSO JUÍZES DE PROVAS CAMPEIRAS PAINEL INDUMENTARIA - GERAL E FEGADAN CFOR BÁSICO CURSO PARA INSTRUTORES INICIANTES DE DANÇAS TRADICIONAIS CURSO: INSTRUTORES INICIANTES DE DANÇAS DE SALÃO CFOR BÁSICO CFOR AVANÇADO - MODULO I CFOR AVANÇADO - MODULO II PORTO ALEGRE A DEFINIR A DEFINIR PORTO ALEGRE PORTO ALEGRE A DEFINIR PORTO ALEGRE PORTO ALEGRE PORTO ALEGRE Por ir Elom a l Ma t que desprezam os pequenos acontecimentos, nunca farão grandes descobertas. Pequenos momentos mudam grandes rotas”. ( Augusto Cury) “Os Reflexão Reflexão

[close]

p. 5

Ano XIV - Edição 173 departamento jovem Janeiro de 2016 5 Marcel Heinrich – Diretor do Dpto Jovem do MTG Nossos atos e atitudes no tradicionalismo gaúcho Projetando o futuro: Construímos em 2015 a continuidade e o fortalecimento do MTG para 2016 Estamos em 2016 e começando logo de cara com um dos mais importantes eventos da nossa cultura e da nossa tradição, o 64º Congresso Tradicionalista Gaúcho. O ano que passou, 2015, foi um ano marcante para nosso movimento, tivemos grandes desafios, decisões e atitudes de coragem, fé, perseverança, com a consciência de que sempre estivemos no caminho certo. De que a maior responsabilidade e a prioridade sempre foi de manter, de cuidar, de preservar as nossas tradições, nossa cultura e nosso movimento organizado frente aos problemas que tivemos. Tive a honra e o privilégio de poder fazer parte de um grupo de altíssima qualidade, de grande coragem, credibilidade, seriedade e acima de tudo pelo comprometimento com nossas origens, nossa identidade gaúcha e tradicionalista. Ter como líder e exemplo o Presidente Savaris, com uma excelente equipe de vice-presidentes, com o apoio inestimável das prendas e peões deste estado, junto a toda a juventude gaúcha, é uma grande honra, de ter contribuído e feito minha parte, para que aqueles que virão encontrem um movimento cada vez mais forte e atuante dentro e fora deste Rio Grande. Tenho muito a agradecer, a todos os jovens que estiveram presentes neste 2015 conosco, ao Diego Goethel, meu Vice Diretor, aos Diretores das dos Departamentos Jovens, prendas e peões de crachás, aos meus amigos de muito tempo, meus amigos de agora, meu muito obrigado a todos. Tenham certeza de que estaremos juntos logo ali, a nos encontrar de novo em outro evento, em outra festa campeira, em outro entrevero. Fiz a minha parte da melhor forma possível, lembro sempre das palavras do Presidente Savaris, somos todos voluntários, estamos aqui porque nos identificamos, porque aqui nos sentimos em casa, aqui somos mais gaúchos, gaúchos tradicionalistas. Dever cumprido, nos colocamos novamente como mais um entres tantos que já exerceram cargos ou títulos dentro do movimento, com o orgulho de mais uma vez ter representado a altura a juventude gaúcha. Que este ano que se inicia seja de novo um grande ano para nós tradicionalistas, porque ele foi muito bem encaminhado, continuaremos a ter um grande presidente e uma excelente equipe para nos conduzir ao longo de 2016. Um forte abraço a todos, vida longa aos tradicionalistas, porque somos a Força Jovem Tradicionalista, e juntos somos o Rio Grande!! Foto:Rogério Bastos Eventos com jovens foram sempre bem sucedidos Encerramento de ano do Movimento Tradicionalista Gaúcho Confraternização: A 29ª Região Tradicionalista, promoveu, no último dia 12 de dezembro, a reunião de encerramento das atividades do Movimento Tradicionalista Gaúcho, do ano de 2015. O Coordenador, Valdecir Silva e seu grupo de trabalho, esmeraram-se para fazer um grande evento. Fotos: Odila Savaris Fotos: Odila Savaris Evento de encerramento teve diversas atividades Encontro Regional contou com a diretoria do MTG Espetáculo encantou os visitantes, na festa de encerramento O tradicional evento contou com a presença da diretoria do MTG, conselheiros, conselheiros beneméritos, coordenadores das demais 29 regiões tradicionalistas, prendas e peões estaduais, bem como a coordenação da 29ªRT, patrões, diretores de departamentos, prendas, peões e tradicionalistas. Na sexta-feira, dia 11 de dezembro, a diretoria do movimento foi recepcionada no CTG Rincão dos Coroados, da cidade de Cacique Doble, onde as entidades filiadas da 29ª região tradicionalista, tiveram a oportunidade de esclarecer suas dúvidas, durante as reuniões que foram realizadas com as coordenações de departamentos culturais, artísticos, campeiros e patronagens. No sábado, o evento de encerramento foi realizado no CTG Piquete da Querência, em São José do Ouro, sendo que durante a manhã ocorreram reuniões com os conselheiros do Movimento Tradicionalista Gaúcho e com os coordenadores das 30 regiões. Logo após as reuniões, a coordenação da 29ª RT, recepcionou os visitantes com apresentações artísticas de talentos locais, houve também uma apresentação do grupo de prendas e peões estaduais. Além disso, o Presidente do Movimento Manoelito Savaris, fez seu pronunciamento, encerrando as atividades deste ano e deixando sua mensagem de natal e ano novo a todos. O encerramento contou com a entrega de lembranças por parte da diretoria do movimento e da coordenação da 29ª RT, através dos seus jovens e crianças, o evento foi encerrado com grande almoço de confraternização. Dona Odila contribuiu com os departamentos Culturais As crianças, de bicicleta, encenaram o Papai Noel Juventude estadual fez um espetáculo à parte TEMA ANUAL: PARA CADA COMPETIÇÃO, MOMENTO DE CONFRATERNIZAÇÃO.

[close]

p. 6

6 cevando o mate Ano XIV - Edição 173 espaço da cbtg Janeiro de 2016 Por: Nairo Callegaro Vice-presidente de administração e finanças O tempo... O tempo não finda, mas as tarefas, sim. A renovação aponta para um novo tempo O Tempo, de que forma podemos medir o tempo, ficamos a pensar... Talvez pelos caminhos que percorremos, as atividades e compromissos, os amigos que vamos deixando por estas andanças, as entidades que tivemos a oportunidade de conhecer, aprendemos com a simplicidade, a sinceridade das pessoas que nos receberam em cada rincão de nosso estado. Este tempo de dois anos, aqui neste espaço do nosso Eco da Tradição, destinado a falarmos a respeito dos assuntos pertinentes as nossas entidades, os problemas, as soluções, as relações com nossa instituição, creio que aprendemos muito, tenho a convicção de ter dado, neste tempo, o meu, contribuição efetiva com as relações entre nossas entidades e nosso MTG. Aqui tive a oportunidade de forma tranquila, com uma linguagem simples e objetiva, externar posições e condições de esclarecimento de assuntos que permeiam nossas relações sociais. Foi um grande aprendizado, espero ter contribuído para um melhor esclarecimento de nossas questões. O tempo é constituído de ciclos, e encerro aqui mais um ciclo de contribuição ao movimento, foi um tempo de uma forma diferente, mas extremamente gratificante. Aos responsáveis (patrões, patronagens), aqueles que estão na linha de frente de nossas entidades, deixo aqui o meu mais profundo reconhecimento e respeito por toda a dedicação a nossos CTGs, a esta causa chamada Movimento Tradicionalista Gaúcho. O tempo não finda, mas as tarefas sim, o nosso tempo é renovado a cada minuto, a cada dia, desta forma os desafios, os projetos, os sonhos renascem em nossas vidas nos apontando a um novo tempo, o nosso. Abraço a todos que estiveram e me acompanharam neste tempo. MTG-MS representa a tradição gaúcha no Chile Abrindo fronteiras: Grupo campeão do Fegams participará de festival de folclore em Antofagasta, no Chile. A Invernada Artística Adulta do CTG Chama Crioula, localizado no município de São Gabriel do Oeste/MS, participará do 26º Festival de Folclore Latino-americano, de 19 a 24 de janeiro de 2016 na cidade de Antofagasta/ Chile. Conforme o instrutor Silvio Nei Ferreira Pereira, o grupo será composto por dez pares e fazem parte do contexto coreográfico temáticas que retratam as lutas e guerras do povo gaúcho em defesa da sua terra: Batalha do Seival; Lanceiros Negros; O Tempo e o Vento; A casa das Sete Mulheres; Eu, o baio e o temporal. Também serão apresentadas danças tradicionais gaúchas: Anú; Balaio; Tatu de Castanholas; Chimarrita; Pau-de-Fitas; Chote das Duas Damas e Chula. O grupo é atual campeão do Festival Sul-mato-grossense de Folclore e Tradição Gaúcha (Fegams) e já se apresentou no Festival Internacional América do Sul (Corumbá/MS); Festival Internacional de Porto Murtinho/MS e Festival de Inverno de Bonito/MS. O CTG Chama Crioula foi fundado em 19 de novembro de 1988 e seu patrão é Santo Vilson Tonetto. Tem como lema: “Manter acesa a chama crioula para transmitir as tradições gaúchas”. Apóiam a viagem dos tradicionalistas a Prefeitura Municipal de São Gabriel do Oeste, Fundação de Cultura de São Gabriel do Oeste e Secretaria de Cultura do Estado do Mato Grosso do Sul. Feliz Ano Novo A voz que canta e encanta os palcos do ENART e da vida A porto-alegrense, Caroline Quinteiro Macedo, 18 anos, preparando-se para entrar no curso superior, onde quer seguir a faculdade de música, é cantora e compositora. Começou no DTG Rancho da Amizade, passou pelo CTG Rancho da Saudade, de Cachoerinha e, hoje, representa o CTG Gildo de Freitas, de Porto Alegre. Carol faz aulas com o professor Willian Varela, na Academia Musique, na capital, desde 2011. É a princesinha dos pais Don Emiliano Fragoso Macedo e Darlene Quintero Macedo. Ela ficou em 3º lugar na classificatória regional, mas em 1º na inter e na final do ENART. ECO - Como começastes essa trajetória que culminou com o título do ENART? No ano de 2010, comecei a frequentar o DTG Rancho da Amizade na cidade de Gravataí/RS e participei de um concurso para Primeira Prenda Juvenil e, como na prova artística precisava cantar ou declamar, resolvi cantar porque era o que eu gostava e de lá para cá não parei mais. ECO - Como foi a tua preparação para a final do ENART? Muito ensaio, muita concentração e, sobretudo, muita expectativa, uma vez que era um sonho que eu acalentava . Ensaiava uma vez na academia e quatro vezes por semana em casa. ECO - Agora, fazendo parte do seleto grupo de campeãs de interprete solista vocal do ENART, quais são os planos para o futuro? Continuar a cantar e cantar em festivais, fazer shows e assim dar continuidade a minha carreira solo e, se Deus quiser, cursar a faculdade de música. Importantes resultados se encerraram e agora começamos mais um ano de muito trabalho no tradicionalismo gaúcho. Que o Novo Ano seja uma porta aberta para novos sonhos, renovações de fé e muita Paz! Que o piazito Jesus abençoe cada entidade tradicionalista, para continuarmos difundindo nossa História, nosso folclore e nossa tradição! A Confederação Brasileira da Tradição Gaúcha deseja a toda a família tradicionalista um Feliz 2016! 3ª Prenda do RS é homenageada em Tuparendi A Câmara de Vereadores de valor ao nosso CTG Fronteira da AmiTuparendi homenageou na noite do zade, servindo de exemplo para com dia 29, a 3ª Prenda do Rio Grande as demais jovens que participam de do Sul, Diana Jucéli Ribeiro, uma re- eventos como este” – disse Morin. presentante tuparendiense que leva Foto: Divulgação o nome do município para todo o Estado e País. A proposição foi do Presidente da Câmara, Geraldino Antônio Morin. Segundo o vereador, o título de Diana, muito orgulha a cidade, por se tratar de uma conquista inédita para o município, pois pela primeira vez eles tem uma embaixadora do tradicionalismo. “Diana representou nosso município de forDiana recebeu justa homenagem em sua cidade ma honrosa e agregou

[close]

p. 7

Ano XIV - Edição 173 espaço do IGTF Por: Vinicius Brum - Presidente da FIGTF Janeiro de 2016 ESPAÇO CGF/FSH 7 Por: Paula Simon Ribeiro O real e o imaginário É recorrente, com mais ou menos intensidade, a discussão dicotômica entre o gaúcho histórico e seu correspondente no imaginário popular. Não raro, os especialistas, apoiados no rigor da ciência histórica, apontam para o segundo qualificando-o como farsa, engodo, inverdade..., e mesmo assim há uma imagem que parece consolidada, pelo menos entre a comunidade cultural que se identifica com ela: o gaúcho – expressão que há muito deixou de ser mero designativo gentílico e abarca um tipo cultural expressivo nesta atualidade já tão distante do universo colonial em que o correspondente histórico foi gerado. Não quero enveredar aqui por essa discussão. Apenas farei breve inventário desta figura pelas páginas da literatura e da canção popular, onde se pode encontrar, talvez, mesmo ao arrepio histórico, alguns dos mais reais e típicos gaúchos – quer pela qualidade estética de sua construção, quer por sua indelével permanência. Sem deixar de citar o gaucho Martin Fierro de Jose Hernandez, e também sem esquecer daquele Don Segundo Sombra de Ricardo Güiraldes, iniciemos nossa constelação icônica com Blau Nunes, o vaqueano de Simões Lopes Neto, e podemos seguir com o Capitão Rodrigo Cambará de Érico Veríssimo, com o Chiru de Sem Rumo (Trilogia do gaúcho a pé) de Cyro Martins, e ainda com o Gomercindo de Assim na terra do Luiz Sérgio (Jacaré) Metz. Esses, no âmbito da prosa. Na poesia podemos elencar o Tio Anastácio do Jayme Caetano Braun, o “tropeiro doido” e o “despachado” do Aureliano de Figueiredo Pinto, o Chiquinho da vovó e o João da gaita do Apparício Silva Rillo, e o Andarengo e o Domador de Vargas Neto. Na canção há que lembrar o Esquilador do Telmo de Lima Freitas, o Gaudêncio sete luas do Marco Aurélio Vasconcelos e do Luiz Coronel, o Florêncio Guerra do Luiz Carlos Borges e do Mauro Ferreira, Os homens de preto do Paulo Ruschell, o Veterano do Ewerton e do Antônio Augusto Ferreira e o Guri dos irmãos Júlio e João Machado. Esta pequena mostra parece dar conta da concretude, ainda que ficcional, da figura do gaúcho. No mais, lembrando os versos de Érlon Péricles, deixo por aqui os votos de um feliz 2016 a todos: ... ah! a estrada é comprida e andar vale a pena... Mitos, narrativas e lendas do Rio Grande do Sul Imaginário: O que são mitos? O que são lendas? Porque o povo as conta? Na verdade são partes integrante do folclore de um povo São narrativas orais que permeiam o imaginário popular. Existem incontáveis estudos sobre o assunto e selecionamos uma pequena e objetiva conceituação para melhor entendimento . Para Van Gennep lenda (do latim legere) “narração localizada, individualizada e objeto de crença”. A lenda tem localização no tempo e no espaço, conta um fato geralmente com conotação religiosa e pode possuir uma origem histórica. As Comissões de Folclore dos diversos estados brasileiros adotam a classificação europeia de lendas visando a uniformização de conceitos. Alguns estudiosos do RS criaram classificação própria para lendas vigentes no estado, entretanto não é seguida em outras regiões. O mito é também uma narrativa oral com características próprias, é atemporal, não tem fixação geográfica e principalmente tem ação (faz alguma coisa, aparece, dança, namora, chora, esconde ou encontra objetos etc). No campo do Folclore Narrativo pode ser feito um paralelo entre alguns mitos que povoam o imaginário popular nos países que compõem o Mercosul. Encontramos semelhanças entre alguns destes “entes sobrenaturais” que são comuns aos países sul americanos independente de sua origem portuguesa ou espanhola. Saci Pererê adquire aparece como Yasi Yateré na Província de Missiones (Argentina) e no Paraguai como Yasi Tere ou Yateré porém com características do Sanguanel, mito conhecido na região italo-gaúcha (municípios de Farroupilha, Bento Gonçalves e Garibaldi). O Caipora, Caapora, Caapira etc, é um “anão peludo” defensor das matas, das florestas e dos animais, tem área de abrangência no Brasil, Paraguai, Argentina e Chile, em algumas regiões funde-se ou é confundido com o Saci. Negrinho do Pastoreio vigente no RS como lenda e mito, citado por alguns autores como “legitima” lenda gaúcha atravessou fronteiras e é conhecido na Argentina e Uruguai, com pequenas variantes nos detalhes . O âmago do causo é semelhante. Mais curioso, até mesmo pela distância geográfica entre ambos, pode-se citar o Boto, no nordeste brasileiro e o Trauco no sul do Chile (Porto Montt e ilha de Chiloé) ambos seduzem jovens e são os “pais” de filhos de mães solteiras. Muitos outros Mitos tem extensa área de abrangência, misturando-se, confundindo e atemorizando a mente popular, mas quase sempre cumprindo uma função ecológica, etiológica, outras vezes ditando normas de conduta ou explicando o inexplicável. Marília Dornelles assumirá o CTG Alexandre Pato Marília Dornelles, 53 anos, assumirá as rédeas do veteraníssimo CTG Alexandre Pato, de Lagoa Vermelha, 8ªRT. Marília será a primeira mulher a dirigir a entidade, que foi fundada em 1953, recebendo a direção do patrão Dirceu Rosa da Silva, e já com a incumbência de preparar o Seminário Estadual de Prendas em 2016, o Rodeio Internacional e a Festa do Churrasco em 2017. Para Marília experiência não falta, pois foi coordenadora regional na 8ª RT, por quatro anos (2001 a 2004), diretora de concursos do MTG, por três gestões (2005 a 2007) e vice-presidente de cultura do MTG, por cinco gestões (1999/2000 e 2008 a 2010). Curso de Folclore Gaúcho 40 horas Mais uma edição do Seminário acontecerá no dia 05 de março, no CTG Alexandre Pato, em Lagoa Vermelha. O tema será os 50 anos do MTG. Paralelo ao evento estará acontecendo a 2ª reunião do Conselho Diretor. Aline Almeida de Souza, 2ª Prenda do RS, será a anfitriã do Seminário: “Estamos ajustando os detalhes, convidado o palestrante e organizando uma gincana. Esperamos um grande número de jovens no evento”, concluiu. Foto:Rogério Bastos Seminário Estadual de Prendas Inscrições de 14 a 25 de março de 2016 Curso de Folclore Gaúcho da CGF A Comissão Gaúcha de Folclore em parceria com o IGTF, Secretaria de Estado da Cultura, MTG e Fundação Santos Hermann estará promovendo nos dias 02, 03, 09, 10 e 16 de abril, um curso de folclore, de 40 horas, no Memorial do Rio Grande do Sul (MARGS), no centro de Porto Alegre. As inscrições são limitadas e estarão abertas de 14 a 25 de março de 2016, o valor será de R$ 200,00 (um depósito de R$100,00 + R$100,00 no dia 02/04). As aulas serão ministradas por professores especializados, mestres, doutores, antropólogos e folcloristas. Certificação oficial ao final do curso. Aline Almeida (E) e Marilia Dornelles (D) com grandes responsabilidades em 2016

[close]

p. 8

8 notícias PELO RIO GRANDE Ano XIV - Edição 173 Janeiro de 2016 28ª RT realiza encontro de gerações em Rodeio Bonito No domingo, dia 06 de dezembro, foi realizado o 1º Chá de Prendas, da 28ª RT, no CTG Gaudérios do Rodeio, da cidade de Rodeio Bonito. A realização foi das prendas e peões regionais, 2015/2016, sob a coordenação de Fernanda Bertotti, Daniele dos Santos Pires, 1ª Prenda da 28ª RT e Giovana Pertuzzatti Rossatto, 1ª prenda juvenil da 28ª RT. O evento contou com a presença do patrão da casa, Claudemir Jose Bazzanella, o coordenador da 28ª RT, Silvio Cesar Rossatto , e o recentemente eleito coordenador regional, Fabio Joel Irschlinger. O tema trabalhado foi: “Preservando o Passado, Construindo o Futuro” como intitulava o tema do MTG, no ano de 2014, teve como objetivo o resgate das prendas que representaram a região em gestões passadas. Durante a realização do evento as antigas prendas reviveram suas cirandas regionais, com algumas provas dos concursos, sendo elas, declamação ou canto, danças e prova oral. Estiveram presentes prendas de 4 gestões passadas: Camila Cristina Mior, Daiane Tomazi, Daniela Foto: Divulgação Charla de Galpão em Água Santa Fotos: Divulgação Chiarelo e Katie Elisa. A avaliação das prendas convidadas do evento estava sobre responsabilidade das prendas e peões da 17ª RT, da cidade de Seberi, representantes do CTG Querência da Serra, evitando assim, privilégios das participantes. CTG’s da região e regiões vizinhas estiveram presentes, totalizando 80 pessoas. No arremate, as prendas participantes, avaliadores e organizadores receberam certificado de participação e um mimo, escolhidos pelas prendas e peões regionais. Depois confraternizaram com um chá entre as antigas prendas e o prendado atual da 28ª e da 17ª Região Tradicionalista. “Bem como intitula o tema anual do MTG de 2015 “Para cada Competição um momento de confraternização”, nós prendas e peões regionais da 28ª RT agradecemos a presença de cada um, e que foi uma grande alegria tê-los presente. Agradecemos ainda ao CTG Gaudérios do Rodeio por ter nos apoiado desde o inicio até o fim, bem como a região pelo apoio e confiança no prendado regional” – concluiu Daniele Pires. Autentico churrasco gaúcho, no fogo de chão Com o objetivo de difundir o conhecimento, como faziam nas rodas de chimarrão, ao redor do fogo de chão, resgatando os costumes dos tropeiros em seus acampamentos e ainda repassar aos peões das entidades conhecimentos e curiosidades sobre o cavalo a gestão de piás, guris e peões, da 7ª RT, promoveu nos dias 07 e 08 de novembro, no Piquete de Laçadores Pai João, na cidade de Água Santa, a III Charla de Galpão: relembrando os tropeiros e trabalhando com o pingo. No primeiro dia, o 2º Guri Farroupilha do RS, Guilherme Nervo, repassou aos peões, como se faz um churrasco na vala, desde a preparação dos espetos até a forma de assar. Ao redor de um fogo de chão, saborearam um bom chimarrão e o churrasco assado na vala, cantaram ao som de gaita e violão, ouviram histórias pitorescas e de vivência de João Vilson Lopes e do Tio Têne. A noite foi finalizada com acampamento para os participantes. No dia seguinte, Guilherme palestrou sobre a importância do cavalo na história do RS, tipos de pelagens, raças e as partes do cavalo. Logo após ele mostrou na prática como é feita a encilha, o casqueamento e tosa do cavalo, tosquiou na forma a martelo uma ovelha, e ainda os peões tiveram instruções de como é realizado a prova de rédeas. Encilha e casqueamento do cavalo “Preservando o Passado, Construindo o Futuro” foi tema do evento na 28ª RT III Charla de Galpão relembra rodas de chimarrão e resgata conhecimentos 9ª Região Tradicionalista elege nova coordenadoria Dia 28 de novembro, aconteceu o 5º Encontro Regional de Patrões da 9ª Região, no CTG Querência da Serra, em Cruz Alta. Os patrões, entre os vários assuntos tratados, tiveram como pauta final a eleição da coordenadoria para o ano 2016. A parte eletiva do encontro foi fiscalizada pela Conselheira, designada pelo MTG, Carla Augusta Farias de Moura. O sistema de voto utilizado foi o secreto, Carlos Eduardo da Silva e Jorge Malheiros foram reconduzido novamente como coordenador e vice, respectivamente, para estarem a frente da 9ª Região Tradicionalista para o ano de 2016. Também foram eleitos o Conselho de Vaqueanos e Conselho de Ética. A Região foi criada no dia 25 de novembro de 1967 no rodeio de patrões realizado no CTG Querência da Serra, presidido pelo tradicionalista Hugo da Cunha Alves. A Região tem como lema: “de lança em punho em defesa do Rio Grande”. Hoje a região é composta por 22 municípios e tem 72 entidades filiadas. “Nos últimos anos tem-se buscado estar mais próximo de todas estreitando os laços que na sua essência unem todos os gaúchos, a cordialidade, o compromisso com a cultura, os usos e costumes do nosso povo. Ao longo deste tempo muitas pessoas contribuíram com seu trabalho e dedicação para que a região fosse cada vez mais atuante no Movimento Tradicionalista” – disse o Coordenador Carlos Eduardo. A coordenadoria prestou homenagem a José Aldomar de Castro, Conselheiro Benemérito do MTG, assessor jurídico da 9ª RT, foi um dos fundadores da Associação Tradicionalista Estância do Minuano e CTG Aba Larga, ambos de Santa Maria, e, Coração do Rio Grande, de Faxinal do Soturno, presidiu o Congresso Tradicionalista acontecido na cidade de Nova Petrópolis e há vários anos colabora com as coordenadorias da sua região. Foto: Divulgação Coordenador Carlos Eduardo e sua esposa TEMA QUINQUENAL: O MTG ENGAJADO NA CAMPANHA DE COMBATE À CORRUPÇÃO - “LAÇANDO A CORRUPÇÃO”

[close]

p. 9

Ano XIV - Edição 173 notícias Janeiro de 2016 9 Uma fábrica de tradição Investindo nos pequenos: A Fábrica de Gaiteiros, projeto voltado à sociedade, forma construtores e alunos de acordeão diatônico, instrumento conhecido, popularmente, na região sul do Brasil, como gaita de oito baixos. Foto: Rogério Bastos CTG Sentinelas do Pago tem nova Patronagem Diretor de esportes: Jair Luis Scherner Vice-diretor de esportes: Alexsandro Oliveira Santana Diretora Cultural: Mariana Leffa Diretor de Patrimônio: Valdir Machado Encarregada da Cozinha: Mariselena Martins Oliveira Todo preparo da Gaita de oito baixos é feito na Fábrica, na Barra do Ribeiro O acordeonista gaúcho Renato Borghetti, em suas viagens e shows pelo interior do Brasil e Rio Grande do Sul, sempre recebeu milhares de correspondências e pedidos verbais de fãs e admiradores, e entre tantas demandas, passou a carregar consigo algumas que considerou especiais: aquelas que solicitavam doação de gaitas ou auxílio para aquisição do instrumento, demasiadamente caro para os padrões brasileiros. “Essas cartas e e-mails me fizeram perceber o quanto era restrito o acesso da gaita-ponto aos interessados de baixa renda, evidenciando, assim, a carência de um projeto que permitisse o estímulo e a inclusão de jovens talentos na perpetuação da autêntica cultura gaúcha, através da gaita de oito baixos,” comenta Renato. Desta forma, Borghettinho criou o projeto “fábrica de gaiteiros”, para confeccionar gaitas e ainda poder ensinar, permitindo ao aluno que fabrique sua gaita e possa usá-la. A confecção dos instrumentos é realizada com madeira certificada de eucalipto, proveniente de plantios renováveis. O projeto atualmente acontece nos municípios de Guaíba, Barra do Ribeiro, Bagé, Butiá, Tapes, Montenegro, São Gabriel e Porto Alegre, com a participação de crianças e adolescentes, na faixa etária entre 6 e 16 anos. Na festa de encerramento de ano da Fábrica de Gaiteiros, dia 20 de dezembro, Renato e, seu pai, Rodi Borghetti, convidaram o jornal Eco da Tradição para visitar onde são fabricados os instrumentos. Mostrou detalhadamente todo o processo, cada detalhe, sempre com o sorriso de alguém realizado. O pai, Rodi Borghetti, deixava transparecer todo o orgulho do sucesso do filho. No dia 20 de dezembro, tomou posse no CTG Sentinelas do Pago, da cidade de Alvorada, 1ª RT, a nova patronagem gestão 2016/2018. O Sentinelas, do bairro Maria Regina, está se encaminhando para seus 30 anos. José dos Santos foi reeleito patrão da entidade. Patrão: José dos Santos 1º Capataz: Paulo Roberto Rempel 2º Capataz: Emerson Ignácio de Souza 1º Sota Capataz: Fabiana dos Santos Thomaz 2º Sota Capataz: Vanessa Delfin Canabarro 1º Agregado das Pilchas: Altair Bauen Cardoso 2º Agregado das Pilchas: Lurdes Pinheiro Conselho Fiscal: Gilson Soares Rios; Dilermando Gubert; Piá Farroupilha do Sentinelas Heythor Reis da Rosa, 6 anos, ficou 50 dias hospitalizado, 12 deles, em coma, que lhe deixou com sequelas neurológicas graves devido a um afogamento quando tinha 1 ano e dois meses. Os pais, a Raquel e o Xandi, têm mais dois filhos, e um deles é o guri do CTG, mas o Heytor está lá participando junto, como Piá. Grupo de prendas e peões do CTG Sentinelas do Pago, da cidade de Alvorada, 1ªRT CPF O Tempo e o Vento ganha permissão de uso de área O Secretário Tiano Caduri entregou aos Patrões do Conjunto de Projeções Folclóricas - CPF o Tempo e o Vento, de Alvorada, Daniel e Alexandra, o Termo de Permissão de Uso de uma área onde será construída a sede da entidade tradicionalista. Segundo Tiano, a permissão de uso para o CPF é o cumprimento de um compromisso assumido ainda na condição de Secretário de Governo. O CPF iniciou em 28/04/1990, porém, parou e voltou oficialmente em 28/04/2007. O Patrão é Daniel Raupp da Silva e a diretora cultural e esposa dele é Alexandra Lacerda Machado, Há 5 anos é vencedor da semana farroupilha , desfile e acampamento. E há 4 anos entidade destaque de Alvorada. “Ficamos felizes por essa conquista do terreno” – disse Alexandra. A entrega do documento, assinado pelo Prefeito de Alvorada, Prof. Serginho, ocorreu durante a sessão solene de entrega do Destaque Tradicionalista, ocorrida na noite de terça-feira (22/12), no CTG Amanhecer na Querência. O Amanhecer também teve sua permissão de uso renovada por mais cinco anos. Foto: Divulgação Borghetinho mostra orgulhoso a gaita Foto: Rogério Bastos Todos os alunos mostraram, orgulhosos, o aprendizado dentro da “Fábrica de Gaiteiros” Tiano (D) com os patrões do CTG

[close]

p. 10

10 Ano XIV - Edição 173 Janeiro de 2016 O Século XXI exigia mudanças sem perder a Foto: Rogério Bastos A entrada do novo milênio exigia mudanças para se adaptar aos novos tempos, foi quando Manoelito Savaris assumiu o com Manoelito Carlos Savaris, 60 anos, natural de Casca/RS, Oficial da Brigada Militar, Bacharel em história, casado com Odila Paese Savaris e pai de três filhos, Thiago, Tomás e Alina. Foi patrão do CTG Heróis Farroupilhas (1991 a 1994) e CTG Campo dos Bugres (2004), ambos de Caxias do Sul. Coordenou a 25ª RT nos anos de 1996 e 1997. Savaris foi vice-presidente de administração do MTG (1999 e 2000); Presidente nos anos de 2001, 2002, 2003, 2005, 2006, 2014 e 2015; Presidente do IGTF (2007 a 2010); Presidente da CBTG (2012, 2013). É também autor de vários livros, entre eles: Rio Grande do Sul: história e Identidade e Manual de Tradicionalismo Gaúcho, ambos publicados pelo MTG. Assim se resume Manoelito Savaris - Família Thiago (E), Odila, Alina e Tomás - Onde ele recarrega suas energias Foto: Marco Turky A Mudança Em 2004, com Germano Rigotto (C) e Lara, um divisor de águas Foto: Marco Turky Foto: Marco Turky Com Cyro, Odila e o “Provisório” Foto: Arquivo Com Inezita Barroso, em 2003 Foto: Rogério Bastos Aplauso e respeito aos símbolos Ao lado de José Ivo Sartori em 2015 Quando assumiu o MTG, na vice-presidência em 1999, na gestão de Jayr Lima, Savaris organizou uma forma de reunir toda legislação tradicionalista num único livro: a primeira Coletânea de Legislação Tradicionalista, elaborada em 1999. Também foi dele reorganização e funcionamento da Fundação Cultural Gaúcha em 1999, 2000 e 2001, deixando de ser somente uma loja itinerante, para tornar-se o verdadeiro braço dinâmico do MTG. Neste mesmo período, transformou o ato de acendimento anual da Chama Crioula em evento importante, respeitado e querido. O Primeiro evento no modelo que o conhecemos atualmente foi em 2001, na cidade de Guaíba. Em sua gestão foi feita a organização e publicação do livro de partituras das músicas para as danças tradicionais, em 2001, do CD – duplo das músicas das danças tradicionais, hinos e costados e a criação do jornal Eco da Tradição, em no mesmo ano. Transformação da data de aniversário do MTG em evento importante, com comemoração adequada, inclusive com entrega de medalhas e comendas. O aniversário começou a ser comemorado em 2001, por ocasião do 35º aniversário. As comemorações foram realizadas em Santa Maria, inclusive com fandango no CTG Ponche Verde. Em 2002 idealizou o livro de Danças Tradicionais, reunindo instrutores e envolvidos a muitos anos com o tema para elaborar uma obra que levasse a assinatura do MTG. O Eco da Tradição faz uma homenagem ao seu cr é claro, pois sempre disse que quem deve aparece Foto: Marco Turky Foto: Marco Turky Ao lado de Osmar Severo (E) e Zambiasi(C) Nos 39 anos do MTG, 2005, com Borghetti CBTG e IGTF Manoelito Savaris foi presidente da Confederação Brasileira da Tradição Gaúcha de 2012 a 2013. Mas, enquanto presidente do MTG, do Rio Grande do Sul, levou a federação à quatro Rodeios Nacionais, promovidos pela Confederação (Brasília em 2001, Sorriso-MT em 2003, Santiago-RS em 2005 e Piratuba-SC em 2015) – com todas as despesas pagas pelo MTG. Quando foi assumir o MTG em 2007 foi convidado pela Governadora Yeda Crusius para assumir a presidência do IGTF, até 2010 Semana Farroupilha Sem dúvida nenhuma o maior evento do estado do Rio Grande do Sul. Acontece em todos os municípios, é uma atividades espontânea do povo gaúcho. Em Porto Alegre realizava-se um acampamento que nasceu espontaneamente, no Parque da Harmonia. No princípio servia para área de pouso aos que iriam desfilar no dia 20 de setembro. Tanto o acampamento como o desfile careciam de melhor estrutura e com segurança adequada. A partir de 1999, quando a Fundação Cultural Gaúcha passou a gerir, em parceria com a 1ªRT, o Acampamento Farroupilha, o evento recebeu outro status. Grandes empresas passaram a investir na semana farroupilha, não só em Porto Alegre, mas em outras cidades. Porto Alegre eliminou as lonas, passaram a montar galpões de costaneira e outros tipos de materiais. E de 1999 em diante o evento foi outro. Com o advento da inclusão da tematização em 2003, do patrono em 2005, incluíram-se os projetos culturais do Parque da Harmonia, tirando de vez a estigma de lugar feito somente para festas, bailes e bebida. O Acampamento Farroupilha de Porto Alegre recebeu o status de evento cultural e turístico. Savaris dedicou-se por 17 anos à tarefa de transformar os Festejos Farroupilhas de Porto Alegre no maior evento da Capital e no maior evento popular do Estado, recebendo mais de hum milhão de pessoas anualmente. Prêmio MTG de Jornalismo O Movimento Tradicionalista Gaúcho anunciou, em junho, a realização do 1º Prêmio MTG de Jornalismo, em 2015. A iniciativa teve apoio da Fundação Cultural Gaúcha e reconheceu o papel da imprensa e dos profissionais da área por seu engajamento e compromisso com a história e a tradição do Rio Grande do Sul. A premiação foi na Semana Farroupilha, no Parque da Harmonia

[close]

p. 11

Ano XIV - Edição 173 Janeiro de 2016 11 essência. Ele veio para realiza-las. E as fez. Foto: Rogério Bastos mpromisso ao lado de Jayr Lima. Foram 17 anos ajudando o tradicionalismo a cruzar esta ponte sem perder a sua essência. Também no ano de 2002 foi criada a Medalha do Mérito Tradicionalista L. C. Barbosa Lessa e a reorganizada a Comenda João de Barro. Surge neste ano, também, a Lista Destaque Tradicionalista. Naquele ano o Deputado Estadual Osmar Severo apresentou e aprovou a Lei Estadual dos Rodeios, Lei nº 11.719/ 2002, proposta pelo MTG. O ano de 2003 foi marcado pela criação do Departamento de Narradores, criação do Protocolo e Cerimonial do MTG, publicado em livro. Também foi elaborado um livro do MTG a respeito da indumentária gauchesca, o que se concretizou com a participação de quatro pesquisadoras. E finalmente, a unificação dos concursos estaduais de prendas e peões, na fase regional, com a mesma prova aplicada no mesmo dia em todas as 30 RTs. Neste mesmo ano, por contingências do momento surgem o SAT (Seminário de Aprimoramento Tradicionalista) e o CFor (Curso de Formação Tradicionalista). É criado o Cartão Tradicionalista e o banco de dados estadual, assim como o Desfile Temático em Porto Alegre, na Semana Farroupilha. Em 2005 foi a vez de organizar e publicar o DVD educativo para a execução de todas as danças tradicionais constantes na lei, proposta e aprovada (Lei estadual 12.372/ 2005) reconhecendo as danças tradicionais como Patrimônio Cultural Imaterial do Rio Grande do Sul, por proposta do Deputado Estadual Osmar Severo, a pedido do Presidente do MTG. Foi feito neste ano, a fixação oficial das marcas do MTG, e dos eventos por ele elaborados, com aprovação da identidade visual. No ano de 2005, ainda, foi adquirida o prédio que serve de sede para a Fundação Cultural Gaúcha, duplicando o patrimônio físico do MTG. No ano seguinte elaborou o Projeto de construção de um prédio anexo, da FCG, para servir de sede para a biblioteca e museu do MTG, financiado parcialmente pelo Ministério da Cultura com patrocino da Schincariol. Completando, na sua terceira passagem pela presidência, nos anos de 2014 e 2015, marcou pela criação do Festival Gaúcho de Danças, FEGADAN, em 2014 e a criação do Fundo Especial Garantidor, para financiar a participação do MTG nos próximos eventos nacionais, da CBTG, e por último, a separação dos esportes e da campeira, com a criação do Encontro Estadual de Esportes Campeiros – ENECAMP, cuja 1ª realização será no ano de 2016. Osmar Severo Político Ex-Governador do Estado. Germano Rigotto “O sucesso e o crescimento das comemorações da Semana Farroupilha sempre tiveram na linha de frente a liderança do Savaris, sou testemunha disto”. “Savaris foi muito importante na minha caminhada e na minha vida. Aprendi muito com ele. Desde que o ouvi, mudei muito, tanto meu comportamento na vida, como no tradicionalismo. É um grande homem”. Josemar Basso Empresário Ex-presidente do MTG Oscar Gress riador. Um caderno especial, sem autorização dele, er no jornal são os tradicionalistas e não o dirigente. “Eu poderia chamar de presidente, patrão, chefe, comandante, mas o chamo de AMIGO! Manoelito Savaris, não apenas nesta data, desejo a ti muitos anos de VIDA com muita SAÚDE e PAZ, pois como se refere o poeta Mario Quintana, ‘amizade é um amor que nunca morre”. “Savaris um profundo conhecedor e estudioso do tradicionalismo. Com uma dedicação acima da média, visão de futuro, desprendimento e agregando pessoas em prol da continuidade da causa tradicionalista”. Professor e escritor Toni Sidi Pereira Prof. da UFRGS e ex-secretário de cultura de PoA Sérgius Gonzaga Em 2001 com lideranças, nos 35 anos do MTG “O que sempre me agradou no Manoelito Savaris - nos muitos anos que estivemos juntos no Acampamento Farroupilha - foi a sua integridade absoluta e também a força persuasiva de sua liderança. Sinto orgulho de ser seu amigo”. “Um líder que consegue aliar a visão à competência. Um homem a frente do seu tempo, mas sem perder as raízes”. João Ermelino Mello Presidente da CBTG Loiva e Dorvílio Calderan “O tempo passa, passa o comando, mas a figura de líder ficará registrada na história, pois com firmeza, sempre lutou para preservar a autenticidade das tradições do Rio Grande e como grande conhecedor da história, seus ensinamentos e apoio muito contribuem para a união da família e da família gaúcha”. MTG-PC Ex-presidente CITG e CBTG “Neste momento palavras perdem o sentido e percebemos que a história que ele realizou no Movimento Tradicionalista Gaúcho Brasileiro e Internacional é grandiosa e é mais uma vitória em sua vida e fomos nós que ganhamos com tudo isso”. Ao lado de Barbosa Lessa, no Fórum 35 anos TV Tradição – Via Satélite A TV Tradição foi criada no final de 2009, com a ideia de realização de cursos à distância para os tradicionalistas. A partir de meados de 2010 a ideia evoluiu e migrou para a constituição de uma televisão focada no segmento da cultura gaúcha. Primeiro foi estabelecida uma parceria entre a TV Tradição, o Centro de Ensino, Tecnologia e Inovação e a DTHi. Em novembro de 2010 migrou para a internet. Mas sua criação foi para suprir uma demanda de muitos anos. Encontro de promotores de Rodeios Foram realizados dois grandes encontros. Um em 2001 e outro em 2015, reunindo os promotores de torneios de laço, festas campeiras e rodeios de todo o estado para debater e refletir sobre a situação da atividade cultural que movimenta a economia e as tradições gaúchas. Coordenadora Regional Gilda Galeazzi “Pela sua experiência administrativa, sempre foi chamado em momentos de dificuldade, renunciando a vida pessoal em prol do tradicionalismo”. Jornalista e escritor Felipe Basso Festival Cante e Encante o seu CTG O evento foi idealizado para que fossem criados hinos para cantar os CTGs. O evento começou no aniversário do MTG, em 2002, no 35, e foi até a sua 6ª edição, na FECARS, quando, por falta de recursos, parou. Revelou muitos talentos. “A minha maior admiração pelo presidente Savaris vem da sua capacidade de realmente ouvir os anseios dos tradicionalistas e conduzir o Movimento procurando sempre agregar”. Luis Augusto Lara Deputado estadual Elomir Malta Cerimonialista “Manoelito Savaris é o sábio que reconhece a infinita grandeza da vida”. “Quando fui Secretario de Turismo do Estado, junto com ele criamos os desfiles e acampamentos temáticos da semana farroupilha e posso dizer que se não fosse a teimosia do Manoelito em manter acesa a chama da tradição gaúcha, muitos eventos como esses já não existiriam mais. Mesmo sem apoio dos governos ele persiste e insiste neste ideal . Manoelito é uma espécie de guardião da cultura tradicionalista é o nosso sinuelo”.

[close]

p. 12

12 eco entrevista Ano XIV - Edição 173 Janeiro de 2016 Conheça a declamadora bicampeã do ENART Luciana Vargas de Ávila, 29 anos, Bacharel em Administração, Assistente Comercial. Iniciou em 1993 no tradicionalismo, representando o DTG Acácia Negra, Montenegro 15ªRT. No ano de 2015 passou a representar o GAN Ivi Maraé, São Leopoldo, 12ª RT. “Aqui estou senhor Inverno” de Aureliano de Figueiredo Pinto foi a poesia que levou ao palco para vencer e sagrar-se bicampeã. “O Enart 2015 foi minha 10ª participação no Festival, no qual havia sido campeã em 2004 e vice em 2013” – conta Luciana. Eco – Como foi a preparação para esta edição do ENART? Como tive que conciliar a minha preparação tanto na declamação, como no grupo de danças, acabei com foco intenso nos ensaios do grupo. Contudo, acredito que minha preparação para esse momento vem de alguns anos, pois sempre aprendo muito a cada declamador ou declamadora que assisto, com isso, construi minha forma de expressar os versos, que é particular e acredito que minha tranquilidade no palco contribuiu para o resultado. Eco – Como escolher um bom poema? Para mim, a escolha do poema é particular de c a d a declamador, é algo íntimo, no qual é necessário um estudo para melhor compreensão do verso, sem isso, é impossível transmitir a mensagem poética. Acredito que o estilo do declamador é determinante para escolha do poema, além disso, acredito no conteúdo e em tudo que se extrai das entrelinhas de cada verso, independente do tamanho do poema. Eco – Fala sobre o sentimento de ver o nome anunciado no Ginásio como campeã. Nessa edição do ENART, acabei não assistindo o resultado pessoalmente, estava chegando em São Leopoldo e acompanhei pela internet. Mesmo longe, a emoção foi grande, principalmente pelo prazer de subir nos palcos e fazer algo que é tão natural e tão prazeroso. No entanto, com a certeza de que sempre temos o que aprender e aperfeiçoar e que o resultado foi consequência de um momento. Paixão: por narrar rodeios Waldoir Diolar dos Santos, 65 anos, natural de Santo Antônio da Patrulha, completou o 2º grau, aposentado, atua no CTG Aldeia dos Anjos e CTG Tricolor dos Pampas. Eco – Narra quantos rodeios por mês? Atualmente a média é um rodeio por mês. Sendo que a minha ideia é ir parando, por isso estou me acostumando. Eco – Quem é o Diolar longe dos microfones dos rodeios? Diolar é uma pessoa humilde, amigo dos amigos, sincero e apaixonado pelo Rio Grande e sua cultura. Eco – Diolar como começou essa paixão por narrar rodeios? Por acaso, trabalhava em uma equipe de som, e a pessoa que iria narrar o rodeio faltou, isso a trinta e cinco anos atrás, no Campo Verde. Dai foi acontecendo naturalmente, onde se tornou uma paixão. Eco – Nessa vida de rodeios, uma passagem que muito te emocionou: Quando fui homenageado na cidade que adotei ou Gravataí me adotou, meu trabalho que fazia com paixão foi reconhecido. Outro episódio que marcou muito, foi nos trinta anos que narrei em Campo Bom, sem faltar nenhum. Sempre que eu volto ao CTG Campo Verde lembro que foi ali que tudo começou. Em 2015 completei 35 anos de narrações. Eco – fale sobre a importância da modalidade Vaca Parada nos rodeios: O começo. Deveria fazer parte da rede estadual de ensino. Eco – Comida: Óbvio, Churrasco. Eco – Livro: O Diplomata Eco – Um ídolo gaúcho: Nico Fagundes Nairo Callegaro realiza palestra em Balneário Pinhal No dia 19 de dezembro, o Vice Presidente de Administração e Finanças do MTG - Nairo Callegaro, realizou uma palestra sobre a história do Movimento Tradicionalista Gaúcho, na Sociedade Amigos da Praia do Pinhal - SAPP, no encerramento do Projeto Alma Gaúcha - 2ª edição, onde destacou os aspectos da origem do movimento, seus objetivos, atividades promovidas e realizadas bem como a importância do cultivo das nossas tradições, valores e costumes. O projeto recebeu o financiamento do Fundo Municipal de Apoio à Cultura de Balneário Pinhal e foi realizado, durante o segundo semestre de 2015, pela agente municipal de cultura, Clarice Santos com o objetivo de proporcionar a comunidade o conhecimento de nossas tradições, cultura, história e costumes através das aulas de dança de salão e danças tradicionais, interpretação artística e palestras gratuitas para as crianças e jovens de Balneário Pinhal. que em seus 06 anos de existência já possibilitou a O encerramento, também contou com as realização de 32 projetos através de seus Agentes presenças das Prendas da 23ª Região, Prendas Municipais de Cultura. Foto: Divulgação e Peões do DTG Alma Gaúcha Litorânea, participantes do projeto, comunidade, da Coordenadora do FAC-Balneário Pinhal - Lara Lindenmeyer, da Diretora Cultural da 23ª RT - Terezinha Nunes e do Coordenador da 23ª RT - João Carlos da S. Luz. Na ocasião foi destacado a importância do fomento a cultura por meio do financiamento Lara Lindenmeyer(E) coordena o FAC - Balneário Pinhal. do FAC-Balneário Pinhal, TEMA QUINQUENAL: O MTG ENGAJADO NA CAMPANHA DE COMBATE À CORRUPÇÃO - “LAÇANDO A CORRUPÇÃO”

[close]

p. 13

Ano XIV - Edição 173 PELO RIO GRANDE Janeiro de 2016 saúde em foco 13 Por: Mauro Gimenez Médico Eliseu Padilha mostra sua coleção de obras de arte Paixão: Depois de deixar o Ministério da Aviação Civil, Eliseu Padilha voltou ao seu escritório no centro de Porto Alegre e abriu as portas para apresentar as obras de arte que mostram seu amor por esta terra. Ao abrir suas portas para receber amigos e clientes, em sua atividade profissional, o Escritório de Advocacia, Consultoria e Mediação de Eliseu Padilha, o faz sob a inspiração de representações do passado formador do imaginário social rio-grandense. Ambientam o local de trabalho, telas especialmente criadas pelo artista plástico Marciano Schmitz para uma coleção que leva o título “A Utopia Política Gaúcha e suas Revoluções”. Nelas, encontramos a simbologia de quatro revoluções: 1835, 1893, 1923 e 1930. Quatro diferentes recortes temporais, quatro signos para a compreensão da identidade da gente da nossa terra, quatro pontos cardeais que nos guiam na direção do conhecimento do que fomos, do que somos e do que ainda podemos vir a ser. Além desta paixão pelas coisas da nossa história, Padilha é casado com Simone Camargo, que já foi prenda da 23ªRT 1992/1993, além de ser exímia declamadora com títulos do FEGART. Foto: Rogério Bastos Intoxicação alimentar Perigo: Cuidados inadequados na preparação dos alimentos podem causar intoxicação alimentar. É preciso estar atento no momento de escolher o local e o tipo de alimento a ser consumido. Todos sabemos que a hora da refeição e dos lanches são extremamente importantes. Em nossas casas nós temos condições de cuidar destas refeições com maior facilidade. Mas para quem gosta de um rodeio, um festival, uma festa campeira, estes alimentos muitas vezes podem, algumas vezes pela precariedade das estruturas, causar danos a nossa saúde. São as chamadas intoxicações alimentares. A intoxicação alimentar é uma doença causada pela ingestão de alimentos que contém organismos prejudiciais ao nosso corpo, como bactérias, parasitas e vírus. Eles são encontrados principalmente na carne crua, frango, peixe e ovos, mas podem se espalhar para qualquer tipo de alimento. A intoxicação alimentar pode acontecer com alimentos que são deixados ao ar livre ou que ficaram armazenados por muito tempo. Às vezes, a intoxicação alimentar acontece quando você não lava as mãos antes de tocar na comida. Na maioria das vezes, a intoxicação alimentar é suave e desaparece após alguns dias. Tudo o que você pode fazer é esperar seu corpo para se livrar do germe que está causando a doença. Mas alguns tipos de intoxicação alimentar podem ser mais sérios – nesses casos, você precisa ver um médico. Fatores que aumentam o risco de contrair uma intoxicação alimentar incluem: • Comer ou beber sucos não pasteurizados, brotos crus, leite não pasteurizado e produtos lácteos fabricados a partir de leite não pasteurizado, como certos queijos • Comer carne crua ou mal cozida • Comer ou beber alimentos que foram contaminados durante o processamento ou pelo descuidado no manuseio. Os sintomas da intoxicação alimentar geralmente afetam o estômago e intestinos, sendo que o sinal mais comum é a diarreia. Outros sintomas incluem: • Náusea, Vômitos, Diarreia aquosa, Dor abdominal e cólicas, Febre. Esses sintomas podem começar dentro de horas após a ingestão do alimento contaminado, mas pode demorar dias ou até mesmo semanas em alguns casos. A intoxicação alimentar geralmente dura de um a 10 dias. Tudo depende do organismo que te infectou e quais as suas condições de saúde no geral. Se você apresentar sintomas de intoxicação, recomenda-se primeiramente a ingestão de líquidos, comer alimentos leves e procurar o médico assim que possível. E para evitar este quadro, devemos ter o máximo de higiene possível no preparo e manipulação do alimento. Também evitar alimentos mais suscetíveis a contaminações. Portanto, cuidado, higiene e BOM RODEIO!! Eliseu Padilha mostra que, com audácia, podemos praticar ações que tornem aquilo que consideramos utópico em metas possíveis e reais, como descrevem suas obras de arte TCC rende prêmio para Janine Appel Reconhecimento: Representação midiática da prenda será um dos assuntos de Congresso de Estudos Culturais em Portugal, em setembro O Trabalho de Conclusão de Curso “Representação da Identidade Feminina Gaúcha: Análise Cultural Midiática do documentário ‘Ciranda Cultural de Prendas - 40 anos’”, de autoria de Janine Appel, 1ª Prenda do RS 2007/2008, foi aprovado com nota 10 no curso de Jornalismo da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), no último dia 15 de dezembro. A monografia ainda rendeu um artigo aceito no “V Congresso Internacional em Estudos Culturais: Gênero, Direitos Humanos e Ativismos, da Universidade do Aveiro (Portugal)”, que acontece de 7 a 9 de setembro de 2016, na cidade de Aveiro. Entre os resultados da análise, a autora destaca a inovação do documentário em representar a Prenda identificada com a conquista do mercado de trabalho. “Esse é um elemento importante de empoderamento feminino na contemporaneidade, e afirmar a representação da Prenda como uma mulher gaúcha emancipada profissionalmente é muito importante dentro e fora do meio tradicionalista” – comemora Janine. Foto: Divulgação As cavalgadas do verão Chega a época das férias e os gaúcho se preparam para ir par ao mar ou para as lagoas. Mas nem sempre é para veranear. No caso dos cavaleiros da costa doce ou, os cavaleiros do mar, esse período é para levar seus pingos para molhar os cascos. Em sua 32ª edição, a Cavalgada do Mar iniciará dia 29 de janeiro e se estenderá até dia 06 de fevereiro, de Torres à Palmares do Sul. Já nas aguas doces, da Laguna dos Patos, a 17ª Cavalgada Cultural da Costa Doce, será de 14 a 24 de janeiro. A saída será no Recanto Borghetti, Estrada Municipal Guaíba, na Barra do Ribeiro e a chegada será dia 24, na Colônia de Pescadores Z-3, Laranjal, em Pelotas. Foto: Rogério Bastos TEMA ANUAL: PARA CADA COMPETIÇÃO, MOMENTO DE CONFRATERNIZAÇÃO.

[close]

p. 14

14 tropeando versos Ano XIV - Edição 173 notícias Janeiro de 2016 Por: Carlinhos Lima Diretor Departamento de Manifestações Poéticas Retrospectiva e Perspectivas Um novo ano se inicia e com ele novas perspectivas... E para a Equipe de Manifestações Poéticas é hora de recarregar as baterias, renovar o quadro de colaboradores, somar novas ideias, planejar as atividades e preparar o corpo e a alma para uma nova jornada. Mas antes precisamos nos auto-avaliar, ver o que acertamos, o que erramos, o que podemos melhorar... ouvir as opiniões, as críticas... No ano de 2015 iniciamos o trabalho definindo, entre outras coisas, que a Equipe continuaria primando pelo simples e tradicional, mas apoiaria a avaliação em dois princípios básicos: “arrepiar o pelo” e “quebrar o vidro dos olhos”. E dessa forma chegamos até o Enart, com resultados inquestionáveis e o apoio da maioria dos declamadores. Adotamos uma nova planilha, estudada, discutida, testada e aprovada. Para isso provocamos a discussão, informalmente, sempre que tínhamos oportunidade, com várias pessoas ligadas à poesia, entre elas alguns dos principais poetas e declamadores da atualidade. Ouvimos opiniões de Carlos Omar Villela Gomes, Bianca Bergmam, Moisés Silveira de Menezes, Colmar Duarte, Luiz Lopes de Souza, Joseti Gomes, Jurema Chaves, Pedro Junior da Fontoura, Valdemar Camargo, Erico Padilha, José Severo Marques, entre tantos outros que, mesmo sem saber nos ajudaram a formar conceitos. A nossa verdade não é absoluta, mas é fruto desta simbiose. Procuramos estar em todos os eventos possíveis, avaliando e orientando através das planilhas. Para isso abrimos mão, muitas vezes, de cachês. Avaliamos junto a outros avaliadores locais. Estas medidas proporcionaram maior interação com os declamadores dos diversos pontos do estado, muitos dos quais nunca tinham participado do Enart. Em contrapartida o trabalho dobrou. Buscamos a integração com participantes dos diversos festivais poéticos existentes, buscando conhecimento e subsídios que pudessem nos ajudar a transpor as barreiras das diferenças e conceitos. Também protagonizamos um momento inesquecível que foi a realização do “1º Encontro Poético - Enart 30 anos”, muito bem recebido pela comunidade poética tradicionalista. Pretendemos dar continuidade. Tenho o sentimento de que recuperamos a essência da arte declamatória, colocando a sensibilidade acima da técnica artificial e da teatralidade exagerada. Basta ler nas redes sociais as manifestações dos amantes desta arte, felizes e satisfeitos com a atualidade da poesia. E o ano de 2016 segue o seu tranco com novos desafios, com muito trabalho e comprometimento por parte de toda a Equipe, mas fundamentalmente com muito amor por aquilo que fazemos e que nos deixa transbordando de felicidade e com a alma plena de poesia. Agora podemos encilhar novamente e esporear o pingo rumo ao horizonte! 25ª RT realiza projetos durante o 2º semestre A coordenadoria da 25ª RT, através de suas invernadas artístico/ cultural, desenvolveu um grandioso projeto, no ano de 2015, com o objetivo de fomentar o desenvolvimento dos nossos artistas em todas as áreas artístico/culturais possíveis. Durante a Semana Farroupilha, concurso de Causos, concurso de Trava Línguas, desenhos folclóricos, confecção e resgate de cavalinhos de pau, bilboquês, oficinas de vai e vem. Em outubro, a 25ªRT teve a honra de ter os senhores Zeferino Rossetti, patrão do CTG Pampa do Rio Grande e o senhor prefeito de Caxias do Sul, Alceu Barbosa Velho, agraciados com a Comenda João de Barro, em Camaquã, no aniversário de 49 anos do MTG. Assim como as entidades: Ronda Charrua e Rincão da Lealdade (62 anos), CTG Paixão Cortes (59 anos), CTG Rodeio Minuano (56 anos), PL Sinuelo dos Pampas e PL Rodeio Velho (52 anos), PL Chaleira Preta (50 anos), PL Laço Forte (57 anos), receberam seus certificados por seus aniversários. Produziu diversas palestras durante o semestre, com temas como: Campeirismo; Para cada competição um momento de confraternização; Ser patrão e Carta de Princípios; Cultura nos CTG’s e Folclore nas escolas; Símbolos tradicionalistas; 180 anos da Revolução Farroupilha e 170 anos da Paz de Ponche Verde; Formação do gaúcho. No dia 26 de outubro, realizou-se a entrega dos troféus do CONCURSO LITERÁRIO GAÚCHO 2015, tendo como premiados: • Categoria peão juvenil – 1º Lugar: José Gustavo Mesquita – CTG Raízes do Rio Grande; Poesia: Herança Xucra. • Categoria prenda juvenil – 1º Lugar: Schayanne Biava – CTG Raízes do Rio Grande; Poesia: Saudade. • Categoria peão veterano – 1º Lugar: Claudir de Moraes – CTG Raízes do Rio Grande; Poesia: Saudade do Rio Uruguai. • Categoria prenda Adulta – 1º Lugar: Roberta Castilhos – CTG Porteira da Serra; Poesia: Os Nortes Cruzados da Vida. Esteve muito bem representada no ENART 2015, pelos grupos 25ªRT premio as atividades culturais Presilha promove missa campal O CTG Presilha do Pago da Vigia, de Santana do Livramento promoveu uma missa campal, celebrada pelo Bispo Dom Gilio Felício e teve o batizado do pequeno Gabriel Caldas. Logo depois teve um churrasco em fogo de chão, na forma mais autêntica do gaúcho celebrar a vida, a fé, a cultura e a tradição Teve shows com Adair de Freitas, Juliano Moreno e a prenda “capiucha” Raisa Bicca. “A Raissa optou por ser prenda, como ela diz: - poderia cantar pop, rock ou até funk, mas prefiro a música gaúcha que fala de sentimentos” – conta a patroa Andrea Cavalheiro. de dança dos CTG’s Campo dos Bugres, Herdeiros da Tradição, Sinuelo, Ronda Charrua, GTCN Velha Carreta, e por todos os individuais nas mais diversas modalidades. Parabéns a todos que lá estiveram, momentos memoráveis. À todos, o nosso mais profundo agradecimento. E termina o ano, no mês de dezembro, com a finalização da oficina de gaita, que terá sua formatura com a participação em torno de 20 gaiteiros. Um ano extraordinário para todos da 25ª RT, sem palavras para agradecer a todos que se empenharam em participar, organizar e divulgar todos esses trabalhos. E que venha 2016 com muito mais. Muito obrigada a todos. Invernadas artística, cultural e Coordenadoria da 25ª RT. Foto: Divulgação Missa à campo fora. Iniciativa do CTG Presilha do Pago da Vigia, de Santana do Livramento Uma verdadeira fábrica de gaiteiros para a 25ª Região Tradicionalista TEMA QUINQUENAL: O MTG ENGAJADO NA CAMPANHA DE COMBATE À CORRUPÇÃO - “LAÇANDO A CORRUPÇÃO”

[close]

p. 15

Ano XIV - Edição 173 notícias Janeiro de 2016 ampliando horizontes 15 Por: Rosangela Bacher Nunes, Equipe Indumentária MTG/RS 14ª RT lança projeto para celebrar 50 anos do MTG Ocorreu no dia 12 de dezembro nas dependências do Grupo de Artes Nativas Vaqueanos da Cultura, em Soledade, um encontro Regional de Prendas e Peões da 14ª Região Tradicionalista. O Encontro idealizado e promovido pelo Piá Farroupilha e Prenda Mirim da Região, Guilherme Pereira Palmeira e Júlia Pereira Palmeira, e teve como objetivo o lançamento do projeto “MTG 50 anos de Tradição e a 14ª RT, faz parte desta história!” o qual visa trazer para as entidades a história da 14ª RT através da representatividade de muitos tradicionalistas que, hoje, através da troca de experiências com os mais jovens oportunizaram momentos de reencontros com história do Movimento Tradicionalista Gaúcho. “Comemorar o Cinquentenário do Movimento Tradicionalista Gaúcho, vai muito além de relembrar nossa história, faz com que sejam estabelecidos elos de amizade, companheirismo e orgulho por estarmos inseridos no meio tradicionalista. O projeto envolverá palestras, charlas, oficinas, rodas de chimarrão e Branco, a cor das Noivas Ao escrever acerca da história do vestido de noiva precisamos voltar nosso olhar para a história do casamento, visto que um decorre do outro. Os primeiros relatos encontrados de cerimônias matrimoniais são bíblicos, e surgiram com o objetivo de pedir as bênçãos divinas para a união do casal. Em relatos de casamentos grego, também se aponta o matrimônio como uma legitimação da unidade familiar, em que preponderavam questões comerciais. Para alguns autores o matrimônio, por muito tempo, foi visto como um negócio devido ao valor socioeconômico, em detrimento aos sentimentos. No que tange a diferenciação dos trajes para a cerimônia, esta, se iniciou entre os romanos como forma de distinção das outras cerimônias civis – na qual segundo Hirozawa, a noiva vestia uma túnica branca e se envolvia com um véu de linho muito fino de cor púrpura. Com a queda do Império Romano, o ocidente passou a adotar como referência o padrão de elegância da corte bizantina, no qual as noivas casavam vestidas de “seda vermelha bordada em ouro e traziam no cabelo tranças feitas com fios dourados, pedras preciosas e flores perfumadas” (FERRAZ, 2011). Foi na idade média, quando o casamento se tornou um ato público período que o vestido de noiva adquiriu a função de apresentar à comunidade as posses da família da moça, como no caso dos casamentos reais que eram realizados para unir laços entre estados. Por esta razão os vestidos eram luxuosos, ricamente bordados e feitos com os tecidos mais caros, geralmente em tons de vermelho, roxo ou preto. Com relação aos casamentos populares, estes aconteciam geralmente em maio, por representar para as colheitas e simbolizar para as mulheres uma época de fertilidade, esta era contemplada também nos vestidos das noivas burguesas, que geralmente eram feitos na cor verde. Porém, até o século XV, não existia um vestido de noiva tal como o conhecemos atualmente. Muitas das noivas usavam o mais bonito e caro dos seus vestidos e por isso não existia uma cor padrão. Apesar disto, no final do Renascimento, com a influência dos costumes espanhóis, o preto foi estabelecido como a cor mais propícia para se apresentar em uma sociedade religiosa, sendo então adotado para os vestidos de noiva. Alguns historiadores defendem que a pioneira a aderir o branco foi a rainha escocesa Mary Stuart, no século XVI, em homenagem à família da sua mãe, cujo brasão era branco. Outros afirmam que a rainha Maria de Médici da França, no século XVII, que, contrariando a estética religiosa dos vestidos em cores escuras e em modelos mais fechados, optou por um vestido branco com detalhes dourados e decote. Mesmo com relatos a maioria dos historiadores apontam a origem do vestido de noiva branco à rainha Vitória, da Inglaterra, por ter sido uma das primeiras nobres a se casar por amor, em 1840, e por usar um vestido de cor não tradicional. Teria assim lançando uma tendência que foi seguida por mulheres de todo o continente americano e europeu. Nesta época, o véu e a grinalda também eram representações da exclusividade da aristocracia. Já as mulheres comuns, durante a virada do século XX, seguiu o costume de usar o melhor vestido – normalmente cinza ou preto – para o casamento ainda permanecia, enquanto o luxo dos vestidos brancos era privilégio dos ricos. Foi apenas na década de 1920, quando Coco Chanel declarou que o branco era a cor fundamental de qualquer noiva, pobre ou rica, que o branco ganhou, e na década seguinte, muitas mulheres já sonhavam em se casar com um vestido branco. A cor branca para os vestidos transformou-se então em tradição – exceto em períodos de guerra– e, ao longo do tempo, adquiriu a conotação de pureza e inocência que se conhece até hoje. muito aprendizado” – contam os irmãos Palmeira. Para o lançamento do projeto foram convidados os tradicionalistas: Vilson Freitas, Margarete Lamaison de Freitas, Tânea Klafke e Josiane Arnott, todos com contribuições significativas, não apenas para a 14ª RT, mas para o MTG como um todo, como relembrou o Sr. Vilson Freitas em sua fala: “São 53 anos de tradicionalismo, e neste tempo foram muitas as mudanças, muitos os amigos, e muito aprendizado no CTG Marciano Brum, no GAN Vaqueanos da Cultura, na 14ª RT, no MTG estadual e na CBTG, contribui e aprendi...” Na ocasião além das palestras e da charla regada a um bom mate, foi lançado o adesivo de adesão ao projeto que será distribuído em todas as ações que já estão programadas no decorrer de 2016. A pequena dupla, que torna-se trio, contando com o apoio da irmã Gabriella, busca lançar ao final de sua gestão, um documentário contendo as charlas dos encontros promovidos. Foto: Arquivo Pessoal Os irmãos, Guilherme e Júlia Pereira Palmeira, estão sempre com grandes atividades na 14ªRT Mata Nativa reelege patrão Foto: Arquivo Pessoal O CTG Mata Nativa, de Canoas, 12ªRT, que passou por maus momentos durante os temporais que provocaram fortes estragos no Rio Grande do Sul, reelegeu sua patronagem. Paulo Lucas e Lucimar Rodrigues têm as rédeas do Mata por mais um ano. Reconstruíram o telhado destruído no temporal e projetam um ano de 2016 de crescimento. O CTG, que foi fundado em 8 de julho de 1992, tem ainda na patronagem: 1º Agregado das pilchas - Ronaldo Cruz e o 2º Agregado das Pilchas - Arildo Carvalho; 1º Sota-Capataz, Rosemeri Souza 2ª Sota-Capataz, Silvana Montagna; Diretor Artístico - Sony Stachlewski e Cultural - Silvane Rodrigues de Souza; Diretor Campeiro - Fabio Santana; nos Esportes - Cristiano Rodrigues; Departamento jovem - Ellen Scherer e Natasha Bohrer. A entidade realizou dia 17 de dezembro o 1º Sarau Artistico e Cultural, premiando e homenageando os destaques individuais do ENART. Patrão Paulo Lucas

[close]

Comments

no comments yet