RLB 37 - Out 2015

 

Embed or link this publication

Description

Japão: entre a magia e a sedução

Popular Pages


p. 1

Ano 6 – nº 37 – Outubro de 2015 – R$ 6,50 Magia e sedução

[close]

p. 2



[close]

p. 3

| Outro olhar | Cachoeira do Rosário - Pirenopolis-GO Ft.: Wellington Pessoa

[close]

p. 4

Índice Praça dos Três Poderes O coração do poder 05 10 11 12 17 20 24 26 27 30 Os momentos de crise podem e devem ser usados para que reflitamos acerca daquilo que fizemos, como fizemos e, principalmente, devemos utilizar a realidade adversa para construir alternativas. Dentro desse contexto, o turismo demonstra uma imensa capacidade de se adaptar à crise e buscar saídas - porque de nada adianta ficar resmungando e choramingando. As feiras realizadas ao longo do ano mostraram que o setor sofre com a crise - porque viagens e lazer são teoricamente os primeiros ítens cortados em tempos de crise - mas dá sinais de que acredita que com trabalho, ousadia e criatividade, irá superar o desânimo que predomina em outros setores. Boa leitura! Feira do Livro Em Porto Alegre, a Praça é dos livros Ponto de Vista Agente faz a diferença Now boarding Tribuna Livre Aeroportos disputam novo hub da Latam Como transformar um Ministro em zumbi Eventos - Calendário de 2016 Turismo mostra garra e otimismo Gourmet Jazz Festival Cofres especiais No Balaio, o que não falta é festa Inclusive com proteção contra água e fogo Reforma 500 anos Os precursores de Lutero Games Metal Gear Solid V Leia também... Alfredo Bessow Editor Pág 13 - O Japão na estreia da seção “Carimbo inesquecível” 4 Leitura de Bordo | Outubro 2015 | www.leituradebordo.com.br

[close]

p. 5

| Brasília | Praça dos Três Poderes síntese da modernidade de Brasília Cenário imponente e muito usado em reportagens, a Praça dos Três Poderes em Brasília hoje é espaço cheio de grades que impedem os turistas de chegar mais perto da sede do STF e também do Palácio do Planalto – ainda assim, é passagem obrigatória por quem deseja se sentir, ao menos uma vez, “perto” do poder. www.leituradebordo.com.br | Outubro 2015 | Leitura de Bordo 5

[close]

p. 6

| Brasília | A Praça dos Três Poderes impressiona pela amplidão dos espaços e pela diversidade de novos monumentos que foram sendo criados ao longo do tempo. A pira sem chama, o Panteão e o pombal revelam a ocupação do entorno, onde antes a proposta era exatamente a de mesclar o concreto com a imensidão do cerrado. No primeiro plano, acesso ao espaço Lúcio Costa. 6 Leitura de Bordo | Outubro 2015 | www.leituradebordo.com.br

[close]

p. 7

| Brasília | Se alguém quiser conhecer a essência da obra de Oscar Niemeyer e de Lúcio Costa e tiver o direito ou o tempo de visitar apenas uma obra em Brasília, deverá ir até a Praça dos Três Poderes. Todos os prédios que compõem o conjunto – Palácio do Planalto, Congresso Nacional, Sede do STF e outros edifícios complementares - são obras dos dois geniais artistas. Há, ainda, esculturas como Os Guerreiros (que o povo rebatizou como Os Dois Candangos), de Bruno Giorgi, a Justiça (hoje isolada por grades) que leva a assinatura de Alfredo Ceschiatti, o Marco Brasília, obra de Niemeyer para comemorar o ato da Unesco que declarou a cidade Patrimônio da Humanidade. De terça-feira a domingo, o turista pode visitar o Panteão da Pátria e o Espaço Lúcio Costa - com uma maquete de Brasília com 179 metros quadrados. Há um CAT-Centro de Atendimento ao Turista na Praça, que dispõe de material sobre a cidade, com sugestão de passeios. Como também há o Pombal, obra feita por Niemeyer a pedido da esposa do ex-presidente Jânio Quadros, e o mastro da bandeira, obra imposta pelos militares em 1971, durante a ditadura, criada por Sérgio Bernardes. Duas obras que destoam do conjunto onde predomina a harmonia. Em tempos idos, a Pira da Pátria mantinha uma chama acesa – por falta de dinheiro, o fogo sumiu, ficando só o local. Faz tempo e ninguém sabe se um dia voltará a queimar de modo ininterrupto, como foi a promessa quando de sua inauguração. É um espaço que fascina pela percepção de gigantismo e ainda seguro, inclusive com um carro da PM sempre no local até às 21h. Não há alternativa de refeição – sendo que a válvula de escape está em ambulantes com água, picolé e salgados industrializados. Uma vendedora oferece pequenas réplicas das peças que compõem a Praça, esculpidas em pedra sabão. Longe do povo Por conta de alguns incidentes, o espaço que era aberto na Praça dos Três Poderes começou a ter grades e cercas, limitando a movimentação das pessoas. As maiores manifestações populares, por sinal, costumam acontecer na Esplanada dos Ministérios ou no imenso gramado diante do Congresso Nacional. Por suas características – feita com pedras claras e sem nenhuma árvore – a Praça não oferece conforto para manifestantes. Mas, a despeito das limitações, é visita obrigatória para quem quer conhecer o espaço de 120 metros x 220 metros que concentra os órgãos que sintetizam e representam o Poder no Brasil. www.leituradebordo.com.br | Outubro 2015 | Leitura de Bordo 7

[close]

p. 8

| Trade | No conforto para curtir o blues O Blue Tree Towers Caxias do Sul preparou desconto especial para quem pretende aproveitar um dos maiores eventos de blues do mundo: Mississipi Delta Blues Festival. A 8ª edição acontece de 26 a 28 de novembro, na cidade, e conta com atrações nacionais e internacionais como Chris Cain, Mr. Sipp, Xime Monzon, entre outros. Localizado a apenas seis quarteirões do local do festival, o hotel oferece diária em apartamento categoria Superior para casal, com café da manhã, a partir de R$ 189,00 + taxas. Informações sobre o Hotel: www.bluetree.com.br Informações sobre o evento: www.mdbf.com.br Grand Palladium Imbassaí lança room servisse O Grand Palladium Imbassaí Resort & SPA – primeiro empreendimento all inclusive de luxo da Palladium Hotels & Resorts no Brasil, localizado no litoral Norte da Bahia – anuncia novo serviço exclusivo para seus hóspedes: room service. Incluído no sistema all inclusive. O serviço oferece opções de saladas, lanches frios e quentes, wraps, quesadillas e pizzas. Entre os pratos principais estão tacos, burritos, nachos e massas, além de bebidas como vinhos, espumantes e cervejas. O cardápio de sobremesas do room service é integrado por brownie, cheesecake, pudim, iogurte e frutas. Informações: www.palladiumhotelgroup.com Luxo na Jamaica Como parte do crescimento, a AMResorts informa que a marca boutique de luxo, Zoëtry Wellness & Spa Resorts, abrirá o seu primeiro resort na Jamaica em dezembro de 2016, com a assinatura de Zoëtry Montego Bay Jamaica, anteriormente Coyaba Beach Resort & Club. Em abril de 2016, o antigo resort será fechado para submeter-se a extensa remodelação e reabrirá como Zoëtry Montego Bay Jamaica em dezembro de 2016, com os padrões e assinatura do grupo. Localizado em uma praia particular com areia branca, Zoëtry Montego Bay estará apenas oito quilômetros de Montego Bay e 10 minutos de carro do Aeroporto Internacional Sangster. 8 Leitura de Bordo | Outubro 2015 | www.leituradebordo.com.br Slaviero assume hotéis em Floripa A Slaviero Hotéis passa a contar com dois novos hotéis na cidade de Florianópolis (SC), que começam a funcionar oficialmente este mês, sob a administração da rede paranaense. A grande novidade é que ambos são voltados para o público que procura lazer. São eles: Ingleses Praiatur e Slaviero Essential Florianópolis Praia dos Ingleses Acquamar. O Ingleses Praiatur manterá o seu nome original até que a unidade passe por um completo retrofit que iniciará em breve, para então receber uma das bandeiras da Slaviero Hotéis. O hotel conhecido como “Ingleses Acquamar” já ganha a nova bandeira Essential e promete melhorias para a adequação ao padrão da rede.

[close]

p. 9

Sindicato dos Bancários Por uma sociedade justa e igualitária “Os sindicatos representaram, nos primeiros tempos do desenvolvimento do capitalismo, um progresso gigantesco da classe operária, pois propiciaram a passagem da dispersão e da impotência dos operários aos rudimentos da união de classe.” (Lênin). E m mais de cinco décadas de história, o Sindicato dos Bancários de Brasília vem conquistando respeito e credibilidade por suas ações e se consolida como uma peça fundamental na luta pelos direitos da categoria e por uma sociedade justa e igualitária. Ao longo desses 55 anos, foram inúmeras as batalhas. Hoje, a entidade se orgulha de chegar à maturidade forte, independente, democrática e combativa. E continua firme, cada vez mais, no seu propósito de defender os bancários e bancárias do DF. Fundada em 22 de setembro de 1960, a entidade surgiu a partir da necessidade de organização dos trabalhadores que vieram para a Capital Federal em busca de melhores condições de vida. Ainda um imenso canteiro de obras, o alto custo para se manter em Brasília dificultava a vida dos que chegavam com a expectativa de dias melhores. Além de enfrentar a falta de transporte e de infraestrutura, os bancários sofriam com as disparidades salariais e com a carga horária exaustiva. Por isso, em 1960, o mineiro Alvimar Figueira da Fonseca, junto com outros 296 colegas, fundou a Associação Profissional dos Empregados em Estabelecimentos Bancários em Brasília, sendo seu primeiro presidente. Em 1961, a Associação foi transformada em Sindicato. Naquela década, o Sindicato dos Bancários de Brasília já mobilizava e organizava uma das primeiras greves dos funcionários do Banco do Brasil. E também apoiava a paralisação dos barbeiros de Brasília, numa demonstração de solidariedade de classes, um dos princípios da CUT, mantidos até hoje com o apoio à luta de outros trabalhadores. em maio, o Relatório Simplificado sobre os bancários e familiares do DF vítimas da ditadura militar (1964-1985), elaborado pela Comissão da Verdade dos Bancários de Brasília. “Os brasileiros merecem conhecer a sua história e saber o que aconteceu no período sombrio e antidemocrático iniciado com o golpe militar de 1964, quando cidadãos desapareceram e famílias foram dilaceradas”, destacou o presidente do Sindicato, Eduardo Araújo. Outro trabalho elaborado pelo Sindicato sobre este tema é a edição especial da Revista Extratos, lançada este mês. Bancários vítimas da ditadura No ano em que o Sindicato completa 55 anos, a diretoria trouxe à tona a história sofrida dos bancários, na época da repressão. E lançou,

[close]

p. 10

| Roteiro Testado | Em Porto Alegre, a praça é dos livros! Ao longo de 60 anos, a Feira do Livro de Porto Alegre consolidou a fama de ser o maior evento ao ar livre do mundo, sempre realizada na Praça da Alfândega que, desde 1955, quando o espaço das livrarias era elitista, cumpre a máxima de levar os livros até os leitores. Nessa trajetória, a Feira recebeu autores célebres e um exército de anônimos – que a cada novo ano participam das sessões de autógrafos. Se a 1ª Feira teve 14 bravos e ousados expositores, a 61ª edição terá cerca de 150 expositores e mais de 700 sessões de autógrafos. E a trajetória dela mostra como as etapas vêm sendo vencidas. Logo em sua segunda edição começaram as sessões de autógrafos. E na terceira, tem início a venda de livros pelo crediário – com parcelamento. Nos anos 70, ela conseguiu virar evento popular, inserido no calendários dos porto alegrenses – que apro- veitam para passear, tomar mate e ficar em contato com o mistério dos livros. Em 1980, outra barreira quebrada: a Feira passou a vender livros usados. Nos anos 90, começam a participar editoras estrangeiras. No inicio dos anos 2000, a partir de conquistas na área do patrimônio e criação de novos centros culturais no entorno da Praça da Alfândega (como o Santander Cultural, o Centro Cultural CEEE Erico Verissimo, além dos já existentes Margs e Memorial do RS), a programação cultural da Feira do Livro cresce em número de autores participantes e público visitante. Não perca as datas A 61ª Feira do Livro de Porto Alegre será de 30 de outubro, sexta-feira, até 15 de novembro, domingo. Sempre das 10h às 20h. Na Praça da Alfândega, bem no centro histórico de Porto Alegre. 10 Leitura de Bordo | Outubro 2015 | www.leituradebordo.com.br

[close]

p. 11

| Ponto de Vista | É certo e sabido que viajar requer planejamento, pesquisa e segurança. Cada vez mais, o cidadão, fazendo uso da tecnologia disponível, se organiza para viajar só, em família, em grupo, etc… Nestes tempos modernos, as agências de viagens passam a desempenhar um importante e fundamental papel para a sociedade: a de organizar, se responsabilizar pela assessoria de viagens e cobrar o preço cada vez mais justo, buscando, inclusive, meios e formas de pagamento acessíveis aos seus clientes. Mesmo com toda tecnologia e uma série de facilidades disponíveis, o agente de viagens assegura seu lugar, vendendo informações, garantias e facilidades para o sucesso da viagem. Porque a internet é apenas um canal de vendas. Não de atendimento – porque ela não escuta, ela não explica e ela não ajuda. A relação se esgota na concretização da venda de um produto. Qualquer que seja ele. As agências de viagens têm sido, ao longo dos tempos, o grande vetor de desenvolvimento do segmento econômico viagens! Alguns “profetas do caos” têm pregado o fim das agências. Cabe lembrar que quase todos os setores econômicos estão na internet e, mesmo assim, continuam se reinventando e sobrevivendo. Se não vejamos: 1 - Após o aparecimento do fax, as pessoas não mais viajariam pois os documentos seriam enviados em tempo real. O mercado de viagens cresceu vertiginosamente! 2 - Após o aparecimento do e-mail, os Correios sumiriam pois ninguém mais postaria correspondência. Os Correios mais que triplicaram o volume de correspondências postadas! 3 - Com a internet, você conhece gente do outro lado do mundo, mas não conhece seu vizinho de porta! E, mesmo assim, as amizades aumentaram! 4 - Com a informatização, acabariam os bancos… e mais que qualquer outro segmento econômico, cresceram e demais! A humanidade está se reinventando para sobreviver. E assim será com o setor de agências de viagens, que se reinventará e crescerá em importância pois uma sociedade que demanda cada vez mais serviços, estará ocupada em produzir cada vez mais e melhor. Continua valendo nestes novos tempos, o velho ditado para diminuir os problemas diários: ”acorde cedo e vá trabalhar”! Bom trabalho a todos! www.leituradebordo.com.br | Outubro 2015 | Leitura de Bordo 11

[close]

p. 12

| Now Boarding | Hub da Latam no milhares de empregos NORDESTE Cidades de olho em O grupo Latam – fusão entre a chilena Lan e a brasileira Tam – deverá anunciar ainda neste ano qual o aeroporto irá sediar o hub (centro de conexões de voos) da companhia no nordeste brasileiro. Fortaleza, Recife e Natal disputam o investimento – que é visto como a salvação da lavoura para alavancar a economia daquele que sediar o empreendimento. Por conta disso, há uma guerra de informação e de desinformação. E não é para menos! De acordo com estudo divulgado em setembro pela Oxford Economics , cada dólar investido pela Latam para a implantação do hub deve gerar entre 5,2 e 5,8 dólares em novas atividades econômicas, na média dos cinco pri- meiros anos de operações. Esta previsão inclui a geração de valor tanto para a cidade que for escolhida quanto para as outras que participaram do estudo. A consultoria também estima um crescimento adicional do PIB das três cidades envolvidas no hub da ordem de 5% a 7%, considerando a média de cinco anos de operação. Nesse período, o hub deve gerar de 34 mil a 42 mil novos empregos no Nordeste. Impacto O hub está projetado para movimentar, durante a primeira fase do desenvolvimento das operações, num período de dois anos, 1,1 milhão de passageiros em voos de longo curso e entre 1 e 1,2 milhão de passageiros dentro do Brasil e entre o país e nações vizinhas da América do Sul, por ano. Outro estudo divulgado foi aquele conduzido pela Arup, consultoria global com mais de 50 anos de experiência em projetos de aviação, e foi estimado que o hub movimente, a partir de 2018, 2 milhões de passageiros adicionais por ano, em 24 aeronaves operadas diariamente em simultâneo (entre 2.500 e 3.000 passageiros na hora-pico). Em 2038, o número de passageiros deverá chegar a 3,2 milhões por ano, em 36 aeronaves operadas diariamente e simultâneo (mais de 4.000 passageiros na hora-pico). Enquanto a Latam não bater o martelo, a troca de farpas entre os estados continuará. 12 Leitura de Bordo | Outubro 2015 | www.leituradebordo.com.br

[close]

p. 13

Uma viagem INESQUECÍVEL! Por Roberta Lima Viajar para o outro lado do mundo, passar mais de 24 horas entre voos e conexões. Chegar em um país diferente do nosso em todos os aspectos, só ter boas lembranças de tudo e uma vontade enorme de repetir a dose. www.leituradebordo.com.br | Outubro 2015 | Leitura de Bordo 13

[close]

p. 14

| Carimbo inesquecível | Torii em frente ao Museu Municipal de Arte de Quioto Esse sentimento resume nossa viagem ao Japão em setembro de 2015. Passamos seis noites em Tóquio e seis em Quioto. Alugamos apartamentos nas duas cidades pelo site Airbnb. Navegando pela cidade, usando o aplicativo de mapas da Google, conseguimos encontrar os locais que planejamos visitar. O metrô em Tóquio é bem sinalizado e dá acesso aos principais pontos turísticos da capital. Na noite da chegada, nos deparamos com o primeiro desafio: jantar em um restaurante sem Maquetes de comida feitas de plástico 14 Leitura de Bordo | Outubro 2015 | www.leituradebordo.com.br cardápio e comprar as fichas para a refeição através de uma máquina com vários botões em “kanjis” incompreensíveis. Ficamos cinco minutos parados encarando os botões sem a menor ideia do que escolher, sem saber o que seria sorteado para nós. Vendo nossa expressão de dúvida, o senhor japonês que estava na nossa frente na fila ofereceu ajuda com o pouco inglês que sabia. Ele nos sugeriu os pratos que mais gostava e seguimos seu conselho. O resultado foram dois ramens deliciosos feitos na hora e servidos em uma bancada onde sentamos cara a cara com o cozinheiro. Depois dessa primeira experiência, relaxamos, afinal, a viagem seria muito mais tranquila do que imaginávamos. A generosidade das pessoas e real boa vontade em tentar ajudar o turista fizeram com que vivenciássemos situações únicas, conversações gestuais cheias de bom humor e sorrisos.

[close]

p. 15

| Carimbo inesquecível | Pra que rotina! Nossos dias em Tóquio começavam cedo: às 5h30, estávamos nas ruas andando pela cidade. O comércio, em geral, abre a partir das 10h. Conhecemos um parque por dia! Depois, seguíamos para as atrações que marcamos no mapa. A culinária japonesa é diversificada e atende a todos os gostos. Além da comida tradicional, os bentôs (espécie de marmita), sushis, bolinhos de polvo, de arroz, sashimis, ramens, etc, comemos frutas, sopa, pizza, pães, torta de queijo, sanduíches, sorvete e pudim. As bebidas também são deliciosas. Sucos diversos de frutas e vegetais e muitos chás gelados, sem nenhum grama de açúcar. Nas ruas, estão espalhadas máquinas automáticas que vendem variados tipos de bebidas, desde leite com café até cervejas e águas vitaminadas. Ficamos fãs dessas maquininhas. Super práticas e convenientes. Área externa do Templo Tenryuji Quioto, lá vamos nós! Viajamos para Quioto ativando nosso passe de trem nos últimos sete dias da viagem (acesse www.jrpass.com). Esse passe permite viagens ilimitadas de trem por todo o Japão. Lemos nos guias que o passe de sete dias já compensaria se você fizesse a viagem de ida e volta entre Tóquio e Quioto. Como estávamos decididos a conhecer só essas duas cidades, compramos o passe pelo site assim que fechamos as datas da viagem e já com as passagens em mãos (o JRPass é apenas para estrangeiros, é preciso comprar antes da viagem). Torre de Tóquio Vista de cima da Torre de Tóquio A estação de Quioto é enorme e muito movimentada. Pedimos informação sobre qual trem pegar para a estação Tambaguchi, perto de onde estávamos hospedados. Alcançamos a plataforma 33 e tomamos o trem. Era a primeira estação logo após a de Quioto. Descemos e andamos em direção ao ponto marcado no mapa do celular. Em Quioto, os templos, santuários e jardins estão nas extremidades da cidade. Como as linhas de metrô e de trem são menores que as de Tóquio, andamos consideravelmente mais a pé. Conhecemos uma extremidade por dia: começamos pelo santuário Fushimi Inari. Foi o único dia da viagem que pegamos chuva. E foi providencial: com a chuva, muitos desistiram do passeio e aproveitamos melhor a subida da montanha, caminhando sem pressa, apreciando a paisagem. Fomos entrevistados pela televisão local sobre o santuário e por duas turmas de colegiais que precisavam responder uma tarefa em inglês. www.leituradebordo.com.br | Outubro 2015 | Leitura de Bordo 15

[close]

Comments

no comments yet