Confrades da Poesia73

 

Embed or link this publication

Description

Boletim Poético

Popular Pages


p. 1

Amora - Seixal - Setúbal - Portugal | Ano VII | Boletim Bimestral Nº 73 | Dezembro 2015 www.osconfradesdapoesia.com - Email: confradesdapoesia@gmail.com «JANELA ABERTA AO MUNDO LUSÓFONO» SUMÁRIO Confrades: 6,8,13,16 A Voz do Poeta: 2 Olhos da Poesia: 3 Pioneiros: 4 Retalhos Poéticos: 5 Tribuna do Poeta: 7 Contos e Poemas: 9 Bocage: 10,24,25,26,27 Tempo de Poesia: 11 Trovador: 12 Baú: 14 Faísca de Versos: 15 Reflexões: 17 Pódio dos Talentos: 18 Trono dos Poetas: 19 Asas Poéticas: 20 Obreiros da Poesia: 21 Magia da Poesia: 22 Pedestal da Poesia: 23 Ponto Final: 28 EDITORIAL Especial Natal O BOLETIM Bimestral Online (PDF) denominado "Confrades da Poesia" foi fundado com a incumbência de instituir um Núcleo de Poetas, facultando aos (Confrades / Lusófonos) o ensejo dum convívio fraternal e poético. Pretendemos ser uma "Janela Aberta ao Mundo Lusófono"; explanando e dando a conhecer esta ARTE SUBLIME, que praticamos e gostamos de invocar aos quatro cantos do Mundo, apelando à Fraternidade e Paz Universal. Subsistimos pelos nossos próprios meios e sem fins lucrativos. Com isto pretendemos enaltecer a Poesia Lusófona e difundir as obras dos nossos estimados Confrades que gentilmente aderiram ao projecto "ONLINE" deste Boletim. “Promovemos Paz” A Direcção Nesta edição colaboraram 51 poetas Deixamos ao critério dos autores a adesão ou não , ao “Novo Acordo ortográfico” FICHA TÉCNICA Boletim Mensal Online Propriedade: Pinhal Dias - Amora / Portugal | Paginação: Pinhal Dias - São Tomé A Direção: Pinhal Dias - Presidente / Fundador; Conceição Tomé - Vice-Presidente / Fundador Redação: São Tomé - Pinhal Dias Colaboradores: Aires Plácido | Albertino Galvão | Ana Santos | Anna Paes | António Barroso | Benedita Azevedo | Carlos Fragata | Carlos Macedo | Carmo Vasconcelos | Catarina Malanho | Clarisse Sanches | Conceição Carraça | Edson Ferreira | Efigênia Coutinho | Euclides Cavaco | Eugénio de Sá | Filipe Papança | Filomena Camacho | Glória Marreiros | Humberto Neto | Isabel Silva Vargas | Isidoro Cavaco | Ivanildo Gonçalves | João Furtado | Jorge Vicente | José Jacinto | Luís Filipe | Malu | Maria Alexandre | Maria Petronilho | Maria Vit. Afonso | Natália Vale | Pedro Valdoy | Rosa Silva | Rosélia Martins | Socorro Lima Dantas | Telmo Montenegro | Tito Olívio | Vitor Costa | Vó Fia | Zzcouto | …

[close]

p. 2

2 | Confrades da Poesia | Boletim Nr 73 | Dezembro 2015 «Especial Natal» ORAÇÃO DE NATAL. Senhor, que neste Natal Seja o prenúncio de fazer, de cada dia, um Natal!... Que o sorriso s’eternize; que a paz seja constante. Que o amor se avolume; que a ganancia diminua. Que em cada coração acenda, a estrela refulgente, Daquele lugar, do Cristo, nascido tão pobremente. Que Que Que Que cessem lágrimas, dor…do filho que não voltou. o consolo preencha, o vazio de quem já partiu. a Humanidade entenda, o cunho da Redenção. adopte o lema do Amor, da Paz, da Comunhão… Louvor. Que a brisa suave que da noite cai, Orvalhe os teus pensamentos de puro amor. E o teu sono sossegado que pela madrugada vai, Seja para Deus, no amanhecer, um eterno louvor. Que as mágoas tristes saiam de teu viver Deixando sempre leve teu nobre coração E que nuvens de tristezas não venham te abster, Da grandeza misteriosa de doce emoção. Que os caminhos permeados de simplicidade, Façam de tua vivência verdadeira nobreza. E não seja somente um sonho tua felicidade, Mas que venha transformar em bem, tua fraqueza. Que tua alma se eleve em cânticos de perdão Para te agregar aos eleitos do solo celeste. Que a glória dos céus seja a tua eterna salvação Quando Deus te cobrir alegre com a santa veste. Malu Mourão – IPU/CE/BR Natal da Minha Terra Conservo em meu coração, Uma aldeia de Portugal, Que foi meu berço de infância E tem tão grande importância, Nas tradições do Natal. Eu recordo com saudade, A Terra por mim amada, Hoje de mim tão distante, Onde era significante, A noite da consoada... Nesta aldeia bela e simples, Como é diferente este dia !… Nele se esquecem ofensas, Congraçam-se as indiferenças, Voltando à doce harmonia. Ai que saudades que sinto, Do Natal na minha aldeia, Onde ao redor da lareira, Se unia a família inteira, À luz tosca da candeia... Como é terno alimentar, Esta suave lembrança, Como era o dia de ceia E o Natal na minha aldeia, Nos meus tempos de criança !… Euclides Cavaco - Canadá Alma Alma, é criatura sagrada Que nos guia ao infinito. Em nós, nesta caminhada, Até cumprirmos o prescrito. Jorge Vicente - Friburgo Filomena Gomes Camacho - Londres É Natal Piscam luzinhas às cores Nas lojas, ruas e casas... Há prendas, risos, sabores Abraços, beijos, licores E nas lareiras... as brasas! Há rezas, crença e descrença Há padre, missa, sermão, Diferenças! E indiferença De quem reza mas não pensa Em paz, amor e união Há embrulhos coloridos Crianças extasiadas... E alguns casais divididos Simulam estarem unidos Com frases improvisadas Natal é franca harmonia Famílias que se reúnem E que em plena sintonia Brindam com muita alegria Aos laços fortes que as unem O Natal é dia santo Dia em que Jesus nasceu... Mas, ali, num qualquer canto, Há mágoa, dor, desencanto Que a solidão concebeu É Natal gritai comigo Com vontade e convicção! Junta-te a mim meu amigo Traz um poema contigo E um novo amigo p´la mão Nasceu Jesus em Belém É Natal canta-se em coro... Mas ali... um pouco além... Confirmação de que alguém Explora alguém... sem decoro! O Natal 2015 Que tenham santo Natal Sou eu quem hoje vos diz: Que a todos, por igual, Se dê um verso feliz. Verso de admiração Partilha e amizade, Na mesa não falte o Pão Alvo de solidariedade. Que por todas as Nações O eco se faça ouvir; Se abram os corações Para o Amor explodir. Explosão de sentimentos Como numa manjedoura Outrora sem mantimentos Se tornou tão duradoura. Viva, viva Deus Menino Pela lição que nos deu: E quem louva o Divino O presente não perdeu. Presente de humildade, Sorrisos de simpatia, Prá velhice e mocidade Um Presépio de alegria. Rosa Silva ("Azoriana") Paz Ausência de conflito? Simples Harmonia? Canto à Alegria! Presépio de Belém! Deus Menino! Anjos no Céu! Santos! Arcanjos! Celestial Melodia!!! Filipe Papança – Lisboa Abgalvão - Fernão Ferro

[close]

p. 3

Confrades da Poesia | Boletim Nr 73 | Dezembro l 2015 | 3 «Especial Natal» Feliz Natal Aos Confrades (Acróstico) Feliz Natal a todos E Feliz Ano Novo. Liberdade e sonhos, Incríveis realizações Zerando tudo que é ruim. Nós todos, Confrades, Amigos distantes e Também de bem perto, Alegrias imensas desejo Longa vida e saúde, também. Amigos poetas e escritores O meu desejo é de fraternidade Sonhos realizados e amor. Caridade sem discriminação Ordem para manter a paz Novos sonhos para viver Felicidade como meta. Razões para escrever e A todos encantar e emocionar. De seus versos quero esperança E acolhimento aos irmãos Seja ele de qualquer lugar. Natal Cristão “ESTRELA DO MAR” Mote O Natal da cristandade É lembrar à humanidade A vinda do Redentor De Deus que feito menino Mostrou que ser pobrezinho É ser mais rico em amor! É estender amigas mãos É serenar as arrelias Que enegreçam claros dias Entre amigos e irmãos… Hoje o Natal do cristão Mais parece ser pagão Vive-se o faz-de-conta Da paz e da harmonia Que dura apenas um dia Neste tempo que desponta… As ruas são enfeitadas Com luzes e muitas cores E as lojas ornamentadas Ofuscam os consumidores… Compra-se sem contenção Nem opção por idade Que nos dá a ilusão De comprar a felicidade… Vive-se um Natal diferente Onde se partilha a ilusão De existir a comunhão Na troca de cada presente! Conceição Tomé - Amora “Vivo Natal dia a dia… No meu coração presente Jesus, minha Estrela Guia O meu Farol reluzente!” (Maria José Fraqueza) Glosa “Vivo Natal dia a dia… Sempre cheia de emoção, Haja saúde e alegria, A quem vive a solidão. No meu coração presente, A magia do Natal, “Ele” é o expoente P’ra acabar com todo o mal. Jesus, minha Estrela Guia Eu te peço com fervor, Seja de noite ou de dia, Protege-nos com Amor. O meu Farol reluzente, Que cintila sem cessar É mais do que evidente, Tudo tem para me dar. Isabel C S Vargas (Pelotas/RS/Brasil) Natália Vale - Porto O Natal dos Poetas Da infinita bondade de Jesus Dessa inefável matéria Qual substrato psíquico De insustentável leveza É que se fez a magia De que são imbuídos os Poetas. Por isso cantam o Natal Com a harmonia dos Anjos Celestes E com a alma inundada de Esperança Anteveem um mundo melhor Sem consumismo. Sem guerras nem cinismo. Onde reine a Paz Como se o Mundo fosse O tal Poema Que o Poeta faz Cheio de Bonomia Cheio de Alegria Dando ao Natal O verdadeiro sentido O ESPIRITUAL. Maria Vit. Afonso Cruz de Pau / Amora NATAL ! O Natal está a chegar, Com nova esperança. Devemos aconchegar, E ter muita confiança. Natal dos pequeninos, Vivendo num reboliço. Festejam com amigos, As horas deste feitiço. Um menino vai nascer, Será o Rei do Mundo. Vão Magos aparecer, Neste evento fecundo. Vamos esperar plo dia, Deste histórico evento. E com a nossa alegria, Viver seu nascimento. Vamos ter uma lição, De grande humildade. Viver a grande paixão, Ganharmos felicidade. Jorge Vicente Friburgo / Suíça Um Natal injusto De um serão já perdido num tempo de antigas memórias ficou-me uma gravada “a fogo lento” vivida de verdades, não de estórias. De palavras choradas, dá-me testemunho. De injustiças passadas e amarguras gritadas, em silêncio, zurze como um punho! Foi noite de Natal numa pequena aldeia. Um velho, na janela, esculpia a tristeza emoldurada num caixilho de ansiedade. A mesa, atrás de si, enchera-se de ausências. Era uma esperança sem tempo num parapeito feito de desesperos. Então, nessa noite sem fim, a vida deu lugar à morte, solitária, infundada, mas definitiva! E a janela triste encheu-se…de esquecimento. Eugénio de Sá - Sintra

[close]

p. 4

4 | Confrades da Poesia | Boletim Nr 73 | Dezembro 2015 «Especial Natal» Natal É Natal, altura para recomeçar uma união perdida, para juntar os elos duma corrente quebrada, para olhar para trás e reconhecer que a vida é bem diferente da risonha e florida estrada que povoava os nossos sonhos de criança. È Natal, dia em que o pensamento cria a esperança de que, em cada coração, floresça uma flor, que se erga, no ar, um hino sublime, de louvor que, num frémito, se espalhe por toda a terra para fazer acreditar na tão esperada paz. É Natal, para anunciar, ao mundo, o fim da guerra, que a última batalha já ficou para trás e os homens se envolvem num abraço fraternal, que paira, nos rostos, uma alegria sem igual, para louvar, nas palhas, o menino, sorridente. É Natal, na larga cozinha, o labor está bem presente, o preparar do gordo per´e, depois, recheá-lo, as filhós, arroz doce, leite creme e rabanada para, em farta mesa, se compor a consoada somente interrompida pela missa do galo. É Natal, tempo para se meditar, por alguns momentos, olhar aquelas estrelas, a brilhar, nos céus, que parecem traduzir os nossos sentimentos, tempo para lançar nossa palavra aos ventos e, por tudo isso, agradecer e louvar a Deus. António Barroso (Tiago) - Parede – Portugal DIVINO VERBO Eram de angústia os tempos tenebrosos, quando os senhores da heresia opressora, reinavam neste mundo, poderosos, semeando a morte injusta, aterradora! Mas contra a treva vil dos portentosos, emerge a Luz por dentre a palha loura, e erguem-se aos céus os hinos jubilosos, a venerar Jesus na manjedoura! C’o Deus-Menino nascem sóis radiosos e nova fé na ansiada Paz vindoura, que há-de brotar dos ramos amorosos da Sua Palavra Santa, imorredoura! Que o Seu Verbo Divino contra o mal floresça, vivo em nós, cada Natal! Carmo Vasconcelos - Lisboa/Portugal PRENDA PARA MIM Natal. Vou dar-me prenda especial, Em honra do Menino nascituro. Como o meu sofrimento está maduro, Mereço ter lembrança original. Na loja, vou comprar um cavalete, Umas tintas de cores variadas, Mas escuras, bem sujas e pesadas, E uma tela, esticada a torniquete. Desenho a minha DOR, vestida à moda, De cara sorridente, mas grosseira, Pincelo-a de cor, faço uma fogueira, Depois, ponho-a no lume e ela arde toda. Tito Olívio - Faro DEZEMBRO Chegou Dezembro e com ele as festas Feriados dias santos e muito mais Vamos aproveitar o tempo que nos resta Revivendo muitos Natais. Natal de criança com Papai Noel Natal jovem com os namorados Natal adulto em outro papel Natal ancião com a familia do lado. Que bom chegou Dezembro com alegria Arvore de Natal presentes Missa do Galo Canções ceias novenas da família Gente do meu século sabe do que falo. De sonhos, também... De choros, alegrias e cansaços, Com muito amor e risos à mistura, Umas vezes suave, outras dura, Feita de afastamentos e abraços, Assim a vida passa e a ternura Alterna com tropeços e embaraços... Todos os dias há novos espaços E sóis, iluminando a noite escura. Mas o maior valor, toda a essência, Concentra-se tão só numa verdade Que justifica toda a existência: Nem o desgosto, a dor ou a saudade, Nem a inveja ou maledicência Conseguem derrotar uma Amizade! Carlos Fragata - Sesimbra É NATAL DE FANTASIA Natal de fantasia; De som, de cor, de alegria; De cheiro a fritos e aguardente… Lembram-se os entes ausentes Longe, mas presentes. Há frio, há neve… Há lenha que queima... Dá para sonhar acordado Revivendo o passado; Algum bem amargurado… Ou por vezes engraçado, Tudo vai ser recordado; Na noite da consoada, Nessa noite abençoada, E por alguns celebrada… Maria Aparecida Felicori {Vó Fia} Nepomuceno Minas Gerais Brasil Catarina Malanho - Amora

[close]

p. 5

Confrades da Poesia | Boletim Nr 73 | Dezembro l 2015 | 5 «Especial Natal» Porque o marido é a cabeça da mulher, como também Cristo é a cabeça da igreja: SENDO ELE PRÓPRIO O SALVADOR DO CORPO. (Efésios 5:23) Cristo é o Messias de Israel; Porém da igreja é Salvador. Estranhos à promessa de El, * El deu-nos por graça o Senhor. Cristo, o Messias de Israel, A nossa Graça admirável, Nunca nos foi prometido, Pois é de Israel o Ungido. ** Do Corpo Ele é Salvador De Israel Salvador também. Mas vede por nós o Amor Que Ele nunca mostrou a ninguém. "Salvador do Corpo" é GRAÇA, Na dispensação que passa, No seu maior expoente, Alcançando toda a gente. * - “Estáveis naquele tempo sem Cristo, alienados da comunidade de Israel E ESTRANHOS ÀS ALIANÇAS DA PROMESSA, não tendo esperança e SEM DEUS no mundo” (Efésios 2:12). “El” – Palavra hebraica para Deus. ** - Cristo quer dizer Messias, Ungido, Prometido. CMO - Qtª do Conde “Foi Deus” Foi Deus quem criou o horizonte E o azul do céu sem fim Fez brotar água na fonte E criou no próprio monte Os aromas do jasmim… O esplendor da alvorada Com sua sabedoria A suave madrugada Antes de raiar o dia… Plantou grandes arvoredos Semeou jardins sem fim Tudo moldou com seus dedos A beleza não tem fim… Elogiar-te-ei Deus meu Por obras de perfeição O teu saber abrangeu O mais nobre coração… Foi Deus, a minha fonte directa Foi á noite o meu farol Fim de dia meu alerta Com os seus raios de sol… Foi Deus, quem guiou minha jornada Nele me vou jubilar Ó Deus! Muito obrigada Eu sem ti não era nada Nem sabia versejar… Maria Eugénia - Sesimbra Primícias de Natal Amem-se a si mesmos Sem vaidade ou egoísmo E terão sempre um Natal Agasalhado pelo altruísmo Amem o sorriso inocente De todas as crianças Aspergindo alegrias E será Natal todos os dias Amemo-nos uns aos outros Como a um verdadeiro irmão E o Natal estará sempre No nosso coração, Saibamos dar valor Às pequenas coisas da vida E a nossa Alma Ficará sempre festiva, Que a Estrela de Natal, Nos conduza à Paz, Ao Amor e à Fraternidade Tão urgentes Para a enferma humanidade. Feliz Natal para todos! Conceição Tomé - Amora PT Pobreza Um dia eu fui bem pobre muito mais do que o sabia com o corpo todo em cobre mas a alma em agonia. Hoje me vem aos milhares a moeda que eu preciso; Nos rostos familiares a magia de um sorriso! Fecho os olhos e agradeço não só as bênçãos do Senhor, mas também cada tropeço. Tropeçando em pranto e dor assim hoje eu conheço a riqueza do amor. Ivanildo Gonçalves - RJ/BR NATAL PARA MEDITAR!... Que crise terrível! E o mundo sem tino, Correndo decerto por sistema inverso, Deus veio mostrar-se rendido, divino, Mas poucos O seguem num caminho terso. Num leito de colmo, Celeste Menino, Está para vir… e em todo o Universo! Que os homens, de Amor, recitem um Hino De Fé e de Graças à volta do berço!... A Terra não sabe como há-de viver, Por isso precisa de regra e saber Amar os irmãos: disto não se esqueça! Há quem viva rico por erros e falhas… Quem ande na rua sem ter umas palhas Aonde decline a sua cabeça! Clarisse Barata Sanches - Vila de Góis O Nosso Natal Nas lareiras ardem brasas Nas noites frias de agora. Há mais conforto nas casas O Deus-Menino se adora. Faz-se o Presépio de Amor Para a noite abençoada. Nos lares há mais calor Está feliz a criançada. À Missa do Galo, vai Quem tem fé e devoção. Vai o avô, filho e pai Num sentimento cristão. Na lareira, o sapatinho É antiga tradição. E de manhã, bem cedinho, É mais forte a emoção. A família, em união Na ceia tradicional. Festiva comemoração É assim nosso Natal. Nesta quadra, com fervor, Meu desejo fraternal. Muita saúde, paz e amor Num feliz e Santo Natal. JGRBranquinho - Lisboa NATAL Que o Natal não seja só pura festa! Alegria!... Mas, cheia de ternura, Onde o amor prevaleça ao egoísmo E que a paz reine em cada coração. Que o Natal não seja só pura festa! E, que a harmonia esteja entre as pessoas Que a família comungue as esperanças... Na hora da ceia faça uma oração. A pura festa faz-se a qualquer hora... Mas, no Natal a festa é diferente, É comunhão do físico com a alma. Junte a família em torno de uma mesa Louvando a Deus e ao filho que nasceu Para que fosses livre e a ele amasse. Benedita S. Azevedo Praia do Anil, Magé-RJ

[close]

p. 6

6 | Confrades da Poesia | Boletim Nr 73 | Dezembro 2015 «Especial Natal» Natal na terra Brancos flocos de neve caem de mansinho, Salpicam-me o rosto, molhado e gelado. De muito longe chega um som magoado, Anunciando um Natal encantado, Dá-me a mão e me conduz devagarinho. Por cima do mundo percorri o Universo, Vi velhos e crianças com fome, gemendo. O amor ausente neste mundo disperso, Onde o canto natalício é tão diverso, Há gente feliz e tanta gente sofrendo. Notas de amor natalício Cada vez que chega 25 de Dezembro Renasce a esperança de pôr cobro Ao défice de amor e de querer bem E aos atos maus votados ao desdém! Agora se sente o mal do desamor que invade, Como um potente furacão que alastra Sem se importar com o povo que se prostra… Impotente e irresistente à calamidade. Porque não travar os pés à parede, forte, Pedindo socorro divino para o mundo, Suplicando injeção de afeto a todos e a sorte De amar e merecer um amor profundo?! Custa apagar a ressonância do rancor, Libertar os corações egoístas de furor Instalar pulmões de benevolência Carregar as mentes de complacência?! É de se insistir em perpetrar sincero amor, Com amizade e bondade em continuidade, Concedendo carinho, sempre, a quem tem dor De ausência do amor ou outra necessidade! E dizer não ao amor disfarçado ou inconstante, Restrito a determinada época conveniente Exibido e apregoado na televisão para gente Que vê e gaba, ao ver passar a fita (de)mente. Amália Faustino – Praia – Cabo Verde O Natal é saudade O Natal é uma quadra festiva Que nem todos conseguem festejar É uma época bastante emotiva E a única que nos faz sonhar. Sonhar com um Mundo Melhor Onde as crianças deixarão de sofrer Os Homens vão entender o Amor E a Paz na Terra voltará a nascer. O Natal será todos os dias Mesmos no momentos de nostalgia Em especial os que vivem na solidão. O Natal para muitos é saudade É feito por momentos de felicidade Capazes de modificar um duro coração. Ana Marques - Vilar de Andorinho Salvador Jesus. Festejando o Natal… Mundo se enche de luz! Alegria Universal! Nosso Salvador Jesus! Pinhal Dias (Lahnip) – Amora PT Telmo Montenegro - Arrentela NESTE NATAL Queres sentir a carícia da chuva em terra árida, Onde, cegas, refluem as ondas do Universo? Acolhe a mensagem da Verdade, Da Paz, da Justiça e do Perdão. Verás então, no desgraçado, No sem-abrigo, no abandonado, Um amigo, um irmão. Também tu renascerás em frio inverno, Amarás a Humanidade, Chorarás a dor do rasgar da carne Em pés e Divinas mãos E saberás como, ao Pai, pedir perdão. Se lançares sementes de Boa Nova Irás colher espigas de redenção. Despe esse corpo de sombras E enche o espírito de Luz. Vamos seguir Teus caminhos, Jesus! João Coelho dos Santos - Lisboa JÁ ERA NATAL Os sinos tocavam. Já era Natal. O vento levava os aromas do pinho. O frio agitava o dorido azevinho na mesa vazia, por falta de aval. As casas não tinham lareira ou sinal de terem lá dentro o conforto dum ninho com tiras ou restos de panos de linho, que fosse a alcova dum ser divinal. Os sonhos gemiam nas montras com luzes, buscando ilusões e leveza nas cruzes de tantos silêncios que traz o destino. Se os reis do Natal enfeitarem seus tronos de incensos e ouro, de tantos abonos, terá de nascer outra vez o Menino. Trovas Natal Nasceu o Deus Menino, Cujos sentimentos seus, São dar ao mundo destino, Que existe um só Deus! ./. Este ano na chaminé, O meu sapatinho espera, Pró mundo mais Fé, Mais Paz, ó quem dera! ./. Este ano meus presentes, D’amigos, família e vizinhos Vão prós meninos carentes, Que carecem de carinhos Efigênia Coutinho Balneário Camboriú/BR Glória Marreiros - Portimão

[close]

p. 7

Confrades da Poesia | Boletim Nr 73 | Dezembro l 2015 | 7 «Especial Natal» É a Fé É a fé Que envolve a minha vida Os meus pensamentos e a minha caminhada. É a fé Que me faz ver o amor Em todo o meu amanhecer. É a fé Que me faz ver a felicidade Em todo o por do sol. É a fé Que me faz mais forte Quando a minha caminhada está lenta. É a fé Que segreda ao meu ouvido Cada palavra de fortaleza. É a fé Que alivia a minha dor Quando a lágrima teima em cair no sofrimento. É a fé Que me traz a força e a esperança Anunciando um novo dia de bonança. É a fé Que não me aproxima ainda mais de Deus Na alegria, na tristeza, na dor, na certeza e na incerteza. Eu sou movida pela fé ! Socorro Lima Dantas - Recife / BR Nasceu Jesus Sozinho nasceu o Menino Jesus, Trazendo a mensagem de fé e de amor; Nasceu em Belém, numa noite de luz, E só de animais recebeu o calor… Mostrando o caminho da fé e do bem, Dizendo p’ros homens que dessem as mãos, Vivendo a beleza que a vida contém E olhando p’ros outros com olhos de irmãos. Nós vamos agora trocar com amigos As prendas que só tragam paz com amor; Pedindo com fé doce pão p’ros mendigos, P’ra termos na terra, uma vida melhor. Se um dia Jesus renascer e voltar, Por ver que há no mundo crianças sem pão, Talvez que consiga de novo atear A chama apagada no teu coração Isidoro Cavaco - Loulé Em terras frias do Norte Natal é bem diferente Com mata-bicho mais forte, O bolo-rei bem docente Arménio Domingues – Melgaço “Natal” Natal pode ser hoje. Hoje, amanhã e sempre… Natal é sempre que sintas Ternura, motivação, Dever incondicional De respeito e afeição. “Se o Natal não fosse um dia “ Se fosse sempre Natal... O Natal podia e devia Devia e podia ser Um compromisso um dever. Natal pode ser hoje. Hoje, amanhã e sempre… Sempre que alguém sentir Esse dever fundamental Que o Natal podia e devia Ser dia a dia, Natal! airesplácido - Amadora POEMA DO AMOR À PAZ Se os poemas de beijos já findaram, Os beijos, vamos trocá-los mesmo em guerra Se os homens-capital a casa metralharam Vamo-nos amar amor por sobre a terra. Deitemo-nos que a terra acolherá O amor que salva, a poesia que liberta E de um poema, será de um beijo? Nascerá A vida paz, a vida luz, a vida certa! Deitados, mas de pé na nossa luta Pelo mundo melhor com que sonhamos Que quem por amor vive não permuta Verdades e poemas por enganos. Contra a força bruta da espingarda, A força de querença no porvir, Pois se é verdade que a paz já muito tarda Também é que vamos construir Beija-me a vida amor, vamos viver, Amar o mundo todo, toda a terra, Que a árvore da paz há-de nascer Quando a poesia assassinar a guerra! Nogueira Pardal – Verdizela / Amora É NATAL Está lá fora um frio infernal O vento sopra, a neve cai Hoje é a noite de Natal Vamos dar garças ao Pai A família toda reunida Para passar a consoada Contam histórias da vida Para toda a pequenada Vamos pedir paz p'ro mundo Com saúde e com humildade E com sentimento profundo Renovar votos de amizade Vamos todos nós festejar O nascimento de Jesus Que nasceu para nos salvar E por todos morreu na cruz De manhãzinha toca o sino Com alegria redobrada Nasceu Jesus, Deus menino Está a Igreja engalanada Maria da Encarnação Alexandre (Santarém) PAZ Paz, que ânsia de te ver, De te cheirar e sentir, Acredito em teu poder, Vais sim, nos fazer sorrir! Luís da Mota Filipe Montelavar / Sintra

[close]

p. 8

Confrades da Poesia | Boletim Nr 73 | Dezembro l 2015 | 9 «Especial Natal» Não me digam Boas Festas! Não, não vivo de brincar! Não, não brinco de viver! Não, não me seduzem bolas douradas Penduradas em árvores condenadas! Lembram-me a fome na guerra. Lembram-me milhares de crianças Sem remédios, comida nem roupas. Lembram-me feridas abertas pelas balas, Os corpos explodidos pelas bombas. Não, não me ofereçam prendas! Ofereçam-me soluções genuínas. Ofereçam-me antes caminhos Que não me levem retrocedendo Com os meus irmãos de berço. Não quero festas, estou de luto! Meu coração jaz em pranto; Olho e estremeço de medo. Não por mim, que habituada Ao negrume desta vida Vejo perto o fim da estrada Mas por quanto é vindouro E nada posso, nem deixo Que prevista o seu destino Ser bem melhor do que o nosso. Sinto-me culpada enquanto Parte indivisa do todo, Ergo minha voz bem alto, Mas soa frágil meu canto! Canto, mesmo se chorando Por todos os Natais que passo Sem alegria... mas canto! Porque o Menino nasceu E a sua vida ofereceu E à morte se entregou Pelo inverso disto tudo: Tanto fausto e tanto luxo! Não, não me falem de festas, Soam falso, brilham tanto Como brilham altas as chamas Verdadeiras, em que queimam As nossas vidas goradas. Dêem-me um Natal de esperanças! Dêem-me Natais sem guerras! Não me digam: boas festas... Quais festas, se estamos todos Beirando a orla do abismo, Ainda a tempo de evitá-lo?! Mas para isso, há que olhá-lo, E não passar distraído, Olhando o desfilar lindo De tanto e tão falso brilho! Maria Petronilho - Almada Natal É Natal, altura para recomeçar uma união perdida, para juntar os elos duma corrente quebrada, para olhar para trás e reconhecer que a vida é bem diferente da risonha e florida estrada que povoava os nossos sonhos de criança. È Natal, dia em que o pensamento cria a esperança de que, em cada coração, floresça uma flor, que se erga, no ar, um hino sublime, de louvor que, num frémito, se espalhe por toda a terra para fazer acreditar na tão esperada paz. É Natal, para anunciar, ao mundo, o fim da guerra, que a última batalha já ficou para trás e os homens se envolvem num abraço fraternal, que paira, nos rostos, uma alegria sem igual, para louvar, nas palhas, o menino, sorridente. É Natal, na larga cozinha, o labor está bem presente, o preparar do gordo per´e, depois, recheá-lo, as filhós, arroz doce, leite creme e rabanada para, em farta mesa, se compor a consoada somente interrompida pela missa do galo. É Natal, tempo para se meditar, por alguns momentos, olhar aquelas estrelas, a brilhar, nos céus, que parecem traduzir os nossos sentimentos, tempo para lançar nossa palavra aos ventos e, por tudo isso, agradecer e louvar a Deus. António Barroso (Tiago) - Parede – Portugal Poema Bem Doce (Natal 2015) Meu coração é sempre presépio Esperando Jesus renascer Tenho a ternura de José e de Maria Sinto-me nobre como os Reis Magos Só por causa da presença Dele O Menino mais especial do mundo Deus assumindo a nossa carne Milagre sem igual. Edson G. Ferreira Divinópolis - BR Consciência Crística O verdadeiro amor é uma centelha que promove a vida transcendental. Faça do amor o combustível existencial. Ninguém morre de verdade, despertemos para a concreta realidade, coberta pelo véu da bestialização humana. Tudo que vivemos é fundamental para o progresso dos nossos dons. A consciência Crística reluz dentro de nós. Os sentimentos não podem nos sucumbir, estamos no controle do nosso ser. Existe dentro de nós um poder criativo que sobrepõe à mente humana. Podemos romper com a capacidade mental humana, homogeneizando com a consciência Cósmica. Dhiogo José Caetano - Uruana,Go / BR

[close]

p. 9

8 | Confrades da Poesia | Boletim Nr 73 | Dezembro 2015 «Especial Natal» NATAL DA AMIZADE Se construir a amizade Fosse em nós prioridade Em vivência fraternal Havia mais harmonia E a humanidade vivia Num permanente Natal !... Onde cada ser humano Desse no quotidiano Amor ao seu semelhante Ver no próximo um irmão Sem ter descriminação Numa amizade constante... Uma amizade capaz Que incentive o mundo à paz Que o Natal nos inspira Que não permitisse a guerra Nem o ódio que há na terra Nem a fome , nem mentira. P’ra que o mundo turbulento Fosse menos violento Com ausência da maldade Onde os seres fossem iguais E os dias todos Natais A comungar a AMIZADE!… Euclides Cavaco - Canadá FELIZ NATAL E PROSPERO ANO NOVO F - Faltam poucos dias para a festa E - E já se sente as movimentações L - Lojas recheadas e algumas com promoções I - Imensa vontade de comprar e Z - Zelar para que o Natal seja alegre... N A T A L - Nalgumas casas já não se houve os noticiários - A guerra e a morte continuam a ser - Tema cotidiano e se quer esquecer - A Terra precisa de melhores dias - Lá em Paris os senhores discutem e querem ajudar E - Eu escuto e penso que é mais uma reunião.... P - Penso no mundo e tento entender R - Retrospectivo o ano desde o último Natal O - O meu voto aos amigos e inimigos S - São mais utópicos que reais P - Piorou um pouco e creio não ser do pessimismo E - Europa é evadida por miseráveis da guerra R - Recheados de gentes barcos frágeis afundam O - O grito e desespero é afogado no Mediterrâneo ... A - A razão se perde e a confusão é total N - Ninguém percebe a causa deste apocalipse O - O medo surge e homens continuam a serem bombas... N - Nada de novo senão o calor que aumenta o mar O - Onde eram belas praias se transforma em declives V - Vem mais secas nalgumas terras já secas O - Outras terras onde sempre choveu mais inundações tiveram... E QUE 2016 SEJA O PONTO DE VIRAGEM PARA UM ANO MELHOR! “PORQUE É NATAL” A esperança alimenta a Fé Vinda em cada Natal Jesus de Nazaré Numa Paz Universal. Nesta quadra de afectos No campo da verdade Ao mundo e aos amigos Espalhamos amor e amizade... PORQUE É NATAL... Tocam os sinos Mais um Natal acontece Para espalhar alegria Num renovar de prece Em cada coração Canta-se à Felicidade Para celebrar este dia Dar as mãos à humanidade Para todos os meninos Bom dia de Natal Que vivam o momento Como dia especial Para alcançar seus sonhos Paz, carinho, alegria Dez milhões de estrelas A brilhar neste dia! PORQUE É NATAL! Ana Cristina Videira - Corroios João Pereira Correia Furtado - Praia / Cabo Verde MEU PRESENTE DE NATAL Mesmo sendo na vida um menestrel, como pedir ao bom Papai Noel me dê algo de bom neste Natal? Pedir saúde lendo os Evangelhos não vou, porquanto sei que aos pobres velhos a enfermidade é um carma natural. Querer guardar um pouco de dinheiro não posso e nem é algo que requeiro a Deus pra melhorar minha existência! O pouco que recebo não me amola, pois já me acostumei com aquela esmola que me vem todo mês da Previdência! Desejaria, sim, do bom velhinho me presenteasse com todo carinho de um gesto amigo e quase paternal... Queria só que ele me concedesse uma graça feliz que acontecesse antes mesmo do dia de Natal! Que expungisse, num gesto varonil da minha pátria, deste meu Brasil, os ladrões do Palácio da Alvorada! Que acabasse, numa fúria intempestiva, com essa sede de roubos corrosiva própria de homens que não valem nada! Humberto – Poeta - SP/BR Natal Natal sagração dos séculos na tempestade da esperança por caminhos da inocência na divindade eterna Podem ser dias tristes em roupas podres sem qualquer esperança que precisa ser reencarnada Natal dia do dever humano numa ajuda mútua coberta de esperança de fé para um futuro risonho. Pedro Valdoy - Lisboa

[close]

p. 10

10 | Confrades da Poesia | Boletim Nr 73 | Dezembro 2015 «Especial Natal» NATAL…DOCE ILUSÃO Onde estás Senhor que já não sinto A alegria santa do Natal Onde estão as inocentes crianças Correndo alegres e não minto Em busca do sapatinho na chaminé Onde estão os fritos as laranjas Todo produto nacional Com que se brindava os amigos Nessa noite que ora triste é Onde pairam nossos sonhos Ingénuos e puros da madrugada Ouvindo os sinos a tocar Chegada que é a alvorada Onde moram as minhas lembranças A família o aconchego do lar Jantar feito de amor e carinho Na mesa simples do nosso amar Para onde voou a pomba da paz Que nos envolvia com ternura Nesse momento celestial Onde planava a candura Que é feito das nossas orações Rezadas com muito fervor Da nossa fé e da esperança Nos envolvendo com amor Que é feito dos presépios Que encantavam a nossa infância Encantados fazíamos projecto Para haver paz e bonança Que é feito desse espírito e Natal Que iluminava nosso coração Isso foi sonho foi passado Oh Natal …doce ilusão. Rosélia Martins - P. Stº Adrião/Lx Quando acontecer Natal Quando o Natal de Jesus, acontecer por amor Será Natal Quando o Natal de Jesus não tiver hora, dia, ou mês Será Natal Quando o Natal de Jesus for união, amizade, perdão, partilha, verdade Será Natal Quando o Natal de Jesus chegar ao coração de toda a gente através do entendimento Será Natal Quando o Natal de Jesus não estiver nos presentes, nas mesas fartas, nos doces, nas festas, ou nas brilhantes luzes engodando os Povos Será Natal Quando o Natal de Jesus, não for apenas, mais uma história, e mal contada Será Natal Quando o Natal de Jesus, deixar de ser apenas uma pausa para a guerra entre os Homens Será Natal E só quando isto acontecer, Jesus sorrirá para nós E num abraço alcançando o mundo, espalhará Paz e Alegria E em jubilo, de agradecimento e Fé Os Homens festejarão para sempre nesta Terra O “Natal de Jesus” em cada dia… Rosa Guerreiro Dias - Lisboa ''Só quando isto acontecer ''Mudarei o Poema'' JESUS CRISTO UM NATAL CUSTOSO… A vagina da Mãe deve alargar (para o Filho passar…) -se a cabeça sai (e o ombro) o restante também sai !... -Finalmente o SER! e a Obra é um Assombro ! (sai ao Pai…) O cordão umbilical foi cortado, mas -o Mental -o Emocional continua ligado… O Nosso Sonho foi concretizado em Esperança ! (e já não vai embora !…) -Chegou a CRIANÇA ! (e de dentro para fora…) Vem do sangue e da dor (é o seu Primeiro Baptismo…) -Purifiquemos seu Sagrado Organismo ! -Vamo-lo Lavar ! No comum espaço -o corpo ainda dói (após o estertor) mas a Mãe já esqueceu a dor (na ternura do Abraço !) IRMÃOS : -Saudemo-nos ! -TEMOS O FUTURO ! -Chegou o MENINO (que nos vai Guiar !) -Vem Sábio e Puro ! -Vamos Festejar ! O Cordeiro de Deus, o filho sagrado, Do Criador de tudo, com omnipotência, A quem tudo se curva, com reverência, Pelo Universo sempre foi imaculado. O Rei dos reis, o príncipe consagrado, O Supremo Juiz justo por excelência, Sem principio nem fim, que potência, Há-de estar sobre nós todo exaltado! Aquele que é a mesma divindade, Que tem de Deus a mesma categoria, O puro! O casto! O imaculado JESUS! Revestiu-se de nossa Humanidade, Sofreu ultrajes, suportou heresia, E, pra nos salvar, morreu na CRUZ! Nelson Fontes Carvalho (Nelfoncar) Nas igrejas de Melgaço Tem presépio no cantinho Os padres bebem bagaço, O sacristão alvarinho. Arménio Domingues - Melgaço Santos Zoio - Paço de Arcos PAZ Este mundo assaz De guerra é um ás Há que voltar atrás Para conquistar a paz. Vítor Costa Cruz de Pau / Amora

[close]

p. 11

Confrades da Poesia | Boletim Nr 73 | Dezembro l 2015 | 11 «Especial Natal» NESTE NATAL, SENHOR JESUS! Senhor, Jesus! No curso dos tempos, o mal penetrou no mundo. Deus nos deu o livre arbítrio e nós nos rebelamos contra o seu amor. Afastamo-nos da Luz de Deus! Porque a inveja, a competição, a exploração e a maldade, começaram a reinar nos corações dos homens... E tudo se transformou! Como um vírus que adentra silenciosamente nas fibras mais profundas do corpo, o pecado entrou em nossa consciência e a força do mal, passou a competir com a força do bem... Desde então, as guerras povoaram o cotidiano de nossas vidas. A corrupção dos governantes invadiu as assembléias e os palácios. O egoísmo dos ricos empobreceu os mais frágeis. Todos esses dramas humanos nos atingem, causam danos em nossas vidas e, ainda pior, destroem nossa esperança e a nossa confiança no ser humano. Senhor, Jesus! Muitas vezes, temos a triste impressão de que o amor não é vencedor, mesmo sabendo que a fé remove montanhas... Somos servidores do reino de Deus, fazei com que possamos nos doar, para que os povos se unam no mesmo amor e na mesma fé, sob o Seu manto divino. Senhor, Jesus! Ajude-nos! Não apenas na vida material, não apenas na vida espiritual, mas na vida em toda a sua plenitude, em sua corporeidade e em seu espírito. Neste Natal, Senhor Jesus! Com humildade, gratidão e amor, porque Deus é o Senhor universal e todos os povos são irmãos, peço perdão, por tudo e por todos! “ É Natal“ É Natal e as emoções Estão à flor da pele Transbordam os corações E derretem-se com mel. Tantos Natais já vividos Outros tantos, já não sei Feliz Natal meus amigos Para o ano voltarei. Se Deus quiser… ZzCouto – RJ/BR Carlos Macedo - Amora LUZ PAZ E AMOR O Mestre veio…Ensinou Foi condenado…Sofreu Morreu crucificado Pela Humanidade Seu sangue verteu Libertou do pecado Foi luz! Caminho e verdade O Homem esqueceu O que lhe foi ensinado Tornaram-se interesseiros…Usurpadores Trocaram a paz pela guerra Por vaidade e poder Inverteram os valores Usam o nome de Deus…Até para enriquecer Acham-se donos e senhores Mas o Mestre ensinou: Sê humilde! Verdadeiro! Faz sempre só o bem Ama a todos sem excepção Cuida dos necessitados Reparte com eles o pão Não te julgues superior Nem tenhas ilusões Aos olhos de Deus Não há raças nem religiões Nem credos nem rituais Crentes ou não crentes Somos todos iguais Pela misericórdia e Seu grande amor Temos direito à felicidade À abundância prometida Com luz paz e amor… Gozaremos a vida! Conceição Carraça – Torre da Marinha “PORQUE É NATAL” A esperança alimenta a Fé Vinda em cada Natal Jesus de Nazaré Numa Paz Universal. Nesta quadra de afectos No campo da verdade Ao mundo e aos amigos Espalhamos amor e amizade... PORQUE É NATAL... Tocam os sinos Mais um Natal acontece Para espalhar alegria Num renovar de prece Em cada coração Canta-se à Felicidade Para celebrar este dia Dar as mãos à humanidade Para todos os meninos Bom dia de Natal Que vivam o momento Como dia especial Para alcançar seus sonhos Paz, carinho, alegria Dez milhões de estrelas A brilhar neste dia! PORQUE É NATAL! Ana Cristina Videira - Corroios

[close]

p. 12

12 | Confrades da Poesia | Boletim Nr 73 | Dezembro 2015 «Ponto Final» Desejamos a todos os Confrades e Amigos um Feliz Natal e Próspero Ano Novo! A Direcção Feitura do Boletim   Os Boletins Bimestrais com a seguinte agenda para o ano de 2016: 15/1 - 15/3 - 15/5 - 15/7 - 15/9 - 15/11/2016 ... ( 6 períodos de postagem ) Futuramente os Confrades enviarão os seus trabalhos em word até ao dia 5 do início de cada período. A feitura do Boletim será a partir do dia 5 até ao dia 15, que corresponderá à data de saída... O Tema continua a ser Livre! Para sua orientação sugerimos que consulte as páginas das Efemérides e Normas no site dos Confrades... http://www.osconfradesdapoesia.com/normas.htm Amigos que nos apoiam ADMINISTRAÇÃO, REDACÇÃO E PUBLICIDADE Rua Seixal Futebol Clube N.º 1—1º D 2840-523 Seixal Telf. 210 991 683 - Tlm. 969 856 802 Email: comerciodoseixal@gmail.com http://semanariocomercio.blogspot.com www.fadotv.pt As fotos deste Boletim são dos autores e outras da Internet «A Direcção agradece a todos os que contribuíram para a feitura deste Boletim». Voltamos a 15/01/16

[close]

Comments

no comments yet