Revista Conviva Novembro 2015

 

Embed or link this publication

Description

Revista do Colégio Catarinense

Popular Pages


p. 1

01

[close]

p. 2

02

[close]

p. 3

EXPEDIENTE 04 05 07 08 11 12 13 14 15 16 18 21 22 23 24 36 38 40 42 43 44 46 49 50 52 54 EDITORIAL PROJETOS DO ENSINO INFANTIL E DO FUNDAMENTAL I PROJETOS DO FUNDAMENTAL I DIRETOR-GERAL Afonso Luiz Silva DIRETORA ACADÊMICA Jane Lúcia Pedro DIRETOR ADMINISTRATIVO Fábio Luiz Marian Pedro CONSELHO EDITORIAL Jane Lúcia Pedro Pe. Nereu Fank, SJ Pe. João Quirino Weber, SJ Pedro Giovani Baesso Danieli Galvani Ana Vianice Smânia da Silva Márcio Alexandre Pereira Rozangela Teresinha Kons Martendal Edson Francisco Schweitzer Alexandre dos Santos Teixeira Patrícia Grumiche Silva Rodrigo dos Passos PROJETO GRÁFICO E DIAGRAMAÇÃO Marcca Comunicação FOTOGRAFIAS José Renato Duarte Márcio Alexandre Pereira Yuri Sehnen Mallmann Rossetto Edson Francisco Schweitzer Acervo Colégio do Catarinense REVISÃO DE TEXTOS Danieli Galvani CONTATO Setor de Comunicação (48) 3251-1593 R. Esteves Júnior, 711 - Centro Florianópolis/SC - CEP 88015-130 (48) 3251-1500 www.colegiocatarinense.g12.br NEWS PROJETOS DO FUNDAMENTAL II LIXO ZERO TECNOLOGIA PERFIL DO EDUCADOR PROJETOS DO ENSINO MÉDIO CLICK - UNIDADE DE ENSINO I FORMAÇÃO INTEGRAL FORMAÇÃO DOCENTE OLIMPÍADA CIENTÍFICO-CULTURAL OLIMPÍADAS QUEM SOMOS CLICK - UNIDADE DE ENSINO II EDUCAÇÃO INTEGRAÇÃO E AÇÃO SOCIAL PASTORAL FORMAÇÃO DOCENTE GESTÃO DA QUALIDADE PARCERIA COM UNIVERSIDADES ASIA ENQUETE APPCC DICA DE LEITURA 03

[close]

p. 4

EDITORIAL EDUCAÇÃO QUE FAZ HISTóRIA Estamos caminhando para mais um final de ano. Em 2015, vivenciamos intensamente a programação das comemorações em homenagem aos 110 anos do CC. Por isso, nesta edição da revista Conviva, o escopo central de nossas reflexões se pauta na identidade da Companhia de Jesus e do Colégio Catarinense – Quem somos? Ao celebrarmos essa data mais que significativa, o desejo da comunidade educativa e dos jesuítas é rememorar e renovar o compromisso com a Missão Apostólica e o Serviço Educacional, que sempre foram e permanecerão sendo o foco da Companhia de Jesus, no apostolado da evangelização, da educação e da espiritualidade inaciana. No artigo central desta edição, Pe. João Quirino Weber descreve com leveza e profundidade o perfil dos jesuítas. Como companheiros, fundadores e animadores do Colégio Catarinense, esses missionários e peritos de Deus vivem impulsionados pelos exercícios espirituais de Santo Inácio e pelo Magis inaciano de em “Tudo Amar e Servir” para a “Maior Glória de Deus”. Segundo Pe. Quirino, o nome jesuíta remete diretamente à identidade dos religiosos da Companhia, no desejo de “ser e fazer”, colocando-se nas fronteiras das necessidades espirituais, a serviço do povo de Deus e da Igreja. Nessa perspectiva de focar a missão e a identidade institucional, temos outro texto bastante interessante, que discorre sobre a história da Companhia de Jesus na Vila de Desterro, desde 1553, quando da visita do Pe. Leonardo Nunes, até 1905, quando finalmente se consolidou a construção do Colégio Catarinense. Nesses 110 anos de história, a trajetória do Colégio Catarinense sempre se pautou na excelência humana e acadêmica, marca dos colégios jesuítas, buscando a formação continuada e a atualização constante, através da permanente busca por novos recursos didático-pedagógicos e tecnológicos no espaço escolar, conforme explicitado pelo professor Nelito José Kamers, em seu artigo “Uso das novas mídias no ambiente escolar”, e nos testemunhos de alguns alunos, ex-alunos e colaboradores. Aos nossos colaboradores, oferecemos a formação permanente e atualizada, para que a atuação profissional possa ser sempre mais qualificada, atendendo ao contexto e às necessidades do espaço escolar e do processo de aprendizagem dos nossos alunos. Dentro da proposta da Pedagogia Inaciana, o Colégio oferece formação continuada, para evidenciar sempre mais sua identidade e seu carisma de ser um centro educativo e apostólico “a serviço da fé e da promoção da justiça”, conforme as orientações das Características da Educação da Companhia de Jesus e da busca constante de nos avaliarmos, projetarmos e estabelecermos metas e processos de inovação e renovação, conforme o Sistema de Qualidade na Gestão Escolar, da Flacsi, assunto que retomamos nesta edição da revista. Nesse sentido, embasado por um projeto pedagógico consistente e atual, ao longo dessas décadas, o CC sempre ofereceu educação de qualidade e pautada em valores. Nossa meta é educar para toda a vida, e isso apenas é possível se todas as dimensões da pessoa forem contempladas; trata-se de trabalhar todos os aspectos humanos - somático, psíquico, espiritual e relacional -, desenvolvendo o ser humano em sua totalidade. Dessa forma, alguns dos projetos desenvolvidos com nossos alunos estão contemplados nesta edição, como o Pinheiral, os acampamentos, a Olimpíada, as saídas de campo, o voluntariado e alguns projetos solidários. Essas temáticas são o mote de alguns dos artigos que compõem este número da revista, uma vez que reiteram nosso compromisso com a formação integral e a qualidade da aprendizagem que buscamos oferecer aos nossos alunos. Desejo uma excelente leitura e agradeço pela convivência, pela parceria e pelo apoio concedido às nossas atividades letivas, e no clima do Advento que se aproxima, repleto de esperança e amor, desejo que cultivemos a certeza de que a Luz do Menino Deus, celebrado em todo Natal, renove a nossa fé e o nosso compromisso de construirmos, juntos, um mundo de amor, justiça e paz. Que assim seja! Um excelente final de ano a todos! Boas Festas e um feliz e Santo Natal em Cristo! Paz e bem! Professor Afonso Luiz Silva Diretor-geral 04

[close]

p. 5

PROJETOS DO ENSINO INFANTIL E DO FUNDAMENTAL I ESTUDO DE CAMPO: UMA INTERAÇÃO COM O MEIO Jeanice Schmidt Bulik Os projetos realizados na Unidade de Ensino I têm sempre temas voltados para o interesse infantil, os quais são instigantes, levando nossos estudantes à pesquisa, à investigação, a descobertas e à construção de conhecimentos. Nos projetos de cada série, são desenvolvidas atividades variadas, despertando a curiosidade e a participação de todos de maneira envolvente. O estudo de campo, por exemplo, é uma das modalidades didáticas que se destaca nesses projetos. Essa atividade, por ser realizada em ambientes naturais, estimula a curiosidade e proporciona uma aprendizagem mais significativa, relacionando-a com os conhecimentos vivenciados em sala de aula. As atividades em ambientes naturais envolvem e motivam os estudantes, superando a fragmentação dos conteúdos, além de promover uma mudança de valores e de postura em relação à natureza, estabelecendo uma nova perspectiva na relação ser humanonatureza. Além disso, o estudo de campo é uma metodologia que auxilia na construção dos conhecimentos científicos relacionados ao meio ambiente. (SENICIATO, CAVASSAN, 2004, p.133). Em um dos projetos, “Mergulhando pra lá e pra cá, uma aventura no fundo do mar”, realizado nas turmas da Educação 05

[close]

p. 6

Infantil I, o estudo de campo foi realizado no Projeto Tamar, onde os estudantes puderam descobrir como é a vida das amigas tartarugas, que já haviam estudado em sala de aula. No Projeto Tamar, foi possível conhecer diferentes espécies de tartaruga, o ambiente em que vivem, como nascem, vivem, locomovemse, alimentam-se. Além disso, as crianças descobriram os cuidados que devemos ter para preservar o ambiente em que as tartarugas vivem. Era fácil perceber no rostinho de cada estudante o encantamento com tantas descobertas. No 2º ano, os estudantes desenvolveram o Projeto “Descobrindo a pré-história”. Eles realizaram o estudo de campo na praia da Barra da Lagoa, visitaram o Instituto Multidisciplinar do Meio Ambiente e Arqueoastronomia e, em uma rica interação com o meio, percorreram uma trilha junto à Mata Atlântica, descobrindo curiosidades sobre os povos primitivos da nossa Ilha. No Parque Estadual do Rio Vermelho, foi realizado o estudo de campo das turmas de 1º ano, que desenvolveram o projeto: “Terra, um planeta especial”. Nessa saída de estudos, as crianças conheceram diversas espécies de árvores nativas e animais em extinção, enquanto participavam de uma trilha ecológica divertidíssima. Ao desenvolver o projeto: “Vida de Inseto”, as turmas da Educação Infantil III realizaram o estudo de campo no Jardim Cabanha Salgareda, localizado em Biguaçu, onde participaram de atividades ambientais e vivenciaram momentos de intensa harmonia com a natureza local. O estudo de campo possibilita a interação dos estudantes com o meio ambiente em situações reais, aguçando a busca pelo saber. Em um ambiente natural, é possível agrupar e relacionar os diferentes conteúdos, e essa relação proporciona uma aprendizagem mais ampla. Referência: SENICIATO, Tatiana e CAVASSAN, Osmar. Aulas de campo em ambientes naturais e aprendizagem em ciências - um estudo com alunos do Ensino Fundamental. Ciência & Educação, v.10, n.1, p.133-147, 2004. 06

[close]

p. 7

PROJETOS DO FUNDAMENTAL I APRENDIZADO DIVERTIDO, LÚDICO E SIGNIFICATIVO ALÉM DA SALA DE AULA Ana Vianice Smânia da Silva Os projetos pedagógicos possibilitam um novo olhar sobre os conteúdos, tanto para quem ensina quanto para quem aprende. Professores e alunos são parceiros. No Colégio Catarinense, os projetos são pensados e elaborados pela equipe pedagógica da série/ano, visando a qualificar ainda mais o processo de aprendizagem. O saber se constrói integrando as áreas do conhecimento, como um mosaico, e cada projeto tem, em sua base, a interdisciplinaridade, objetivando um produto final, seja uma apresentação ou uma saída de campo. No projeto do 4º ano, Laguna foi a cidade contemplada, por possuir marcos importantes da história catarinense. Nessa visita, os alunos conhecem o marco da divisão territorial entre Portugal e Espanha (Tratado de Tordesilhas), o Museu Anita Garibaldi (local onde aconteceu a República Juliana), a casa de Anita, a Igreja Santo Antônio dos Anjos, o Centro Histórico, a Bica da Carioca e, nos Molhes da Barra, a pesca com auxílio dos golfinhos. Já durante o percurso, as lições são geográficas: a fronteira entre os municípios, a formação do relevo e a transformação deste pela ação do homem. As atividades pedagógicas fora do espaço formal da sala de aula são recursos que enriquecem e dão forma ao conteúdo. A saída de campo é planejada com atividades relacionadas aos conteúdos abordados em sala, para que a aprendizagem aconteça de forma significativa. A interação com o meio que os cerca consolida o aprendizado através de cheiros, formas, cores, histórias, experiências e sentimentos. Além do aprendizado formal, esses ambientes também proporcionam aos alunos a vivência de valores, tais como respeito, solidariedade, amizade, compreensão e valorização do patrimônio históricocultural local. Experienciar esses valores exercita outras competências, como a socialização, a capacidade de trabalhar em grupo, e também o exercício da curiosidade. O relato dessa vivência através de representações diversas, ainda, prevê o enriquecimento das mais variadas formas de comunicação. 07

[close]

p. 8

INAUGURAÇÃO DOS PAINÉIS EM HOMENAGEM AOS 110 ANOS DO CC No dia 16 de maio, durante o Dia de Integração e Ação Social do Ensino Médio, foi realizada a inauguração dos painéis alusivos aos 110 anos do CC. Foram confeccionados onze painéis, expostos no corredor térreo do Colégio, sendo que cada um representa uma década da história do Colégio Catarinense. Esses painéis têm como objetivo resgatar a memória do Colégio Catarinense, em comemoração aos seus 110 anos. DIA DE INTEGRAÇÃO E AÇÃO SOCIAL DO ENSINO MÉDIO E FUNDAMENTAL II O Colégio Catarinense realizou, nos dias 16 de maio e 22 de agosto, o Dia de Integração e Ação Social do Ensino Médio e do Ensino Fundamental II, respectivamente. Esses momentos contaram com a presença de um grande número de alunos, educadores e familiares. Durante os eventos, foram realizados jogos, danças, apresentações musicais e outras atividades. Foi realizada, também, a arrecadação de alimentos, cestas básicas, agasalhos, materiais de limpeza e de higiene pessoal, leite em pó e brinquedos, que serão destinados a instituições filantrópicas. Também foram arrecadados dólares, que serão destinados à campanha em benefício do Haiti. FESTA JUNINA DO COLÉGIO CATARINENSE É UM SUCESSO! Foi realizada, no dia 27 de junho, nas dependências da Unidade de Ensino I, a Festa Junina do Colégio Catarinense. Aproximadamente três mil pessoas marcaram presença no evento e puderam prestigiar as danças juninas dos alunos, degustar as famosas comidas de quermesse, brincar de pescaria na tradicional barraca “Boca do Mané” e curtir muitas outras opções de brincadeiras. A festividade contou com a presença de muitos pais, ex-alunos e ex-professores que não deixam de frequentá-la, pois o evento, além de ser um momento rico e recheado de atrações, promove um clima familiar muito bom para todos. OLIMPÍADA 2015 DO CC Na manhã de 04 de julho, aconteceu a abertura da Olimpíada 2015 do Colégio Catarinense. Até o dia 10 de julho, os alunos ficaram envolvidos no maior evento estudantil esportivo de Santa Catarina, com o tema “Colégio Catarinense 110 anos – Educação que faz história”. Foi uma semana de muitos jogos e diversão! A abertura, com direito a desfile, não contou apenas com a presença dos atletas, mas também com amigos, familiares e ex-alunos do Colégio. 08

[close]

p. 9

COLÉGIO PROMOVE SOPA SOLIDÁRIA No dia 15 de agosto, o Colégio Catarinense, atendendo ao apelo da FLACSI de dar continuidade ao projeto “Inacianos pelo Haiti”, promoveu a “Sopa Solidária”. O evento contou com a participação de inúmeras pessoas, que, ao som de música ao vivo, puderam saborear diferentes tipos de sopas, preparadas pelos voluntários. Neste ano, toda a comunidade educativa teve a oportunidade de programar várias ações para levantar fundos e ajudar nesse projeto, que contou com a colaboração da APP/CC (Associação de Pais e Professores do Colégio Catarinense), da ASIA (Associação dos Antigos Alunos), do Grêmio Estudantil Teotônio Vilela, do Grupo Escoteiro Anchieta, da AF/CC (Associação dos Funcionários do CC), da AP/ CC (Associação dos Professores do CC) e da Igreja Santa Catarina de Alexandria. O Colégio Catarinense se associou a essa causa para realmente ajudar na melhoria do trabalho dos professores que estão no Haiti e colaborar com a reconstrução da educação das crianças haitianas. RECREIO MUSICAL DIVULGA O FESTIVAL DA CANÇÃO E O PINHEIRAL MUSICAL E PROMOVE O IV FÓRUM DA JUVENTUDE No dia 19 de junho, a escola de música Roberto Ceccato realizou apresentações musicais no Colégio Catarinense, para divulgar o Festival da Canção, previsto para o dia 24 de setembro, o Pinheiral Musical, além de promover o IV Fórum da Juventude, que faz referência à Festa de São Luiz Gonzaga. As apresentações aconteceram durante os intervalos das aulas dos períodos matutino e vespertino e, assim, passaram a fazer parte das diversas iniciativas formativas, pedagógicas, culturais e humanitárias promovidas pelo Colégio Catarinense. ENCONTRO DOS ANTIGOS ALUNOS DO CC CELEBRA OS 110 ANOS DO COLÉGIO Aconteceu no dia 29 de agosto mais uma edição do Encontro de Ex-alunos do Colégio Catarinense. O encontro teve início com uma missa na Igreja Santa Catarina de Alexandria, presidida pelo Pe. João Cláudio Rhoden. Logo após a celebração, o diretor-geral do Colégio, professor Afonso Luiz Silva, fez um pronunciamento. Em seguida, o presidente da ASIA – Associação dos Antigos Alunos –, o Sr. Marcos Lacau, fez a apresentação da nova diretoria; também foi prestada uma homenagem àqueles que continuam ajudando e fazendo muito pela Instituição. Os homenageados foram: Pe. João Cláudio Rhoden, SJ; Pe. Mário Sündermann, SJ; Marcelo Savas e sua esposa, Michelini; Miguel Ávila; Edson Osni Ramos; e o ex-aluno Fernando Tabalipa. Para dar continuidade às comemorações, todos se dirigiram ao Ginásio de Esportes Pe. Nunes, para um delicioso churrasco de confraternização. 09

[close]

p. 10

COLÉGIO CATARINENSE RECEBE HOMENAGEM NO LEGISLATIVO PELOS 110 ANOS Em 24 de agosto, o Colégio Catarinense recebeu uma homenagem na Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina, em Sessão Solene pelos 110 anos de existência com relevantes trabalhos educativos prestados à comunidade florianopolitana e catarinense. Na mesma Sessão Solene, foi concedido o título de Cidadão Catarinense ao Pe. João Alfredo Rohr, SJ, in memoriam, pelo trabalho prestado à ciência, à cultura, à pesquisa e à educação em nosso Estado. Durante a sessão, foram homenageadas as entidades e personalidades que contribuíram para o desenvolvimento do Colégio Catarinense, especialmente o Pe. João Alfredo Rohr, representado pelo Pe. João Quirino Weber, pelos indispensáveis serviços prestados e pelas ricas contribuições dadas à obra apostólica do Colégio Catarinense e da Companhia de Jesus. Essa homenagem estende-se também a todos os jesuítas, pais, professores e funcionários que contribuíram e permanecem contribuindo com a missão do Colégio Catarinense. COLÉGIO CATARINENSE LANÇA SELO COMEMORATIVO Em comemoração aos seus 110 anos de história, no dia 30 de agosto, o Colégio Catarinense lançou um selo que marca a data de seu aniversário. O evento aconteceu no dia 28 de agosto, durante uma solenidade de obliteração do selo, que reuniu a Direção, os colaboradores, os membros da comunidade educativa, os jesuítas e os representantes da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, que conduziram a cerimônia na sala Matteo Ricci. Os selos confeccionados irão circular por todo o Brasil, nas correspondências que o Colégio emitir, e uma mostra deles ficará exposta no arquivo histórico do Colégio. ORQUESTRA UNISINOS ANCHIETA FAZ APRESENTAÇÃO EM COMEMORAÇÃO AOS 110 ANOS DO COLÉGIO CATARINENSE. No dia 29 de agosto, em uma noite festiva, a Orquestra Unisinos Anchieta, ricamente regida pelo Maestro Evandro Matté, realizou, no Teatro Governador Pedro Ivo, o concerto “Clássicos do Cinema”, em homenagem ao aniversário de 110 anos do Colégio Catarinense. O evento foi uma homenagem do Colégio a todos aqueles que construíram esses 110 anos dessa obra apostólica dos jesuítas em Florianópolis. Na ocasião, foi feita a entrega oficial da Comenda Santo Inácio de Loyola ao Padre Marcelo Fernandes de Aquino, SJ, Reitor da Universidade do Vale do Rio dos Sinos, natural de Florianópolis e ex-aluno do Colégio; ao Padre João Geraldo Kolling, SJ, Diretor Presidente da Associação Antônio Vieira; e ao Padre João Renato Eidt, SJ, Provincial do Brasil, em agradecimento aos serviços prestados à Instituição. COMEMORAÇÕES DO ANIVERSÁRIO DE 110 ANOS DO COLÉGIO CATARINENSE Na última sexta-feira do mês de agosto (28), toda a comunidade educativa do Colégio Catarinense participou das comemorações de aniversário de 110 anos, celebrado no dia 30. Nesse dia, foram realizados intervalos com atividades diferenciadas para os alunos das duas Unidades de Ensino e também para os professores e funcionários. A data foi relembrada com bolo no Infantil e no Fundamental I e, no Ensino Fundamental II e Médio, a comemoração foi com muita música e diversão.Os professores e funcionários também se reuniram durante os intervalos para celebrar a data.

[close]

p. 11

PROJETOS DO FUNDAMENTAL II DE BOTUVERÁ àS TRILHAS DO ZOOBOTâNICO Professora Valentina de Oliveira Miles DO ESCURO DA CAVERNA gem mais significativa, envolvente e motivadora, podendo também desenvolver e ampliar algum conhecimento pré-existente. Trata-se de uma atividade orientada e planejada pela busca de um conhecimento que proporciona aos estudantes a exploração de diversos sentidos e observações diretas de fatos reais, onde há a possibilidade de relacionar a teoria da sala de aula com a prática do seu cotidiano. Em ambientes externos à escola, os alunos conseguem perceber que os con- São grandes os desafios a enfrentar, quando se procura direcionar o saber e as ações pedagógicas para a melhoria das condições de vida no mundo. Um deles é relativo à mudança de atitude na interação com o patrimônio básico para a vida humana: compreender o meio ambiente. Como é possível, dentro da escola, contribuir para que os jovens e adolescentes de hoje percebam e entendam as consequências ambientais de suas ações nos locais Botânica, na visita ao Zoobotânico de Brusque) e Geografia (Geologia e Geomorfologia, durante a visita à Caverna de Botuverá). A observação “in loco” é uma opção importante para os professores não ficarem restritos apenas à sequência de conteúdos dos currículos escolares e para que os alunos vivenciem os conhecimentos adquiridos em sala e possam entender a dinâmica da estrutura e da vida de alguns seres, a relação entre estes, as diferentes formas de relevo e sua transformação ao longo do tempo e como fazem parte de um todo, que é o nosso Planeta. onde residem, estudam, passeiam, enfim, onde vivem? A saída de campo é uma metodologia que auxilia na construção dos conhecimentos científicos relacionados ao meio ambiente. É um processo sistemático para a construção do conhecimento, uma vez que estimula a curiosidade dos alunos e proporciona uma aprendiza- teúdos não são fragmentados, além de estreitar as relações entre aluno/ professor. (VIVEIRO; DINIZ, 2009). Pensando dessa maneira, foi feita uma Saída de Campo com os sextos anos, gerando grande expectativa nas turmas, com o objetivo de aprofundarmos os estudos de Ciências (Zoologia e REFERÊNCIAS www.botuvera.sc.gov.br/turismo-lazer/ parque-das-grutas/www.vidadeturista. com/destinos/botuvera-sc.html viajeaqui.abril.com.br › Brasil › Santa Catarina › Brusque › O que fazerg1. globo.com/.../gruta-de-botuvera-emaior-do-sul-do-pais-com-1200- 11

[close]

p. 12

LIXO ZERO NóS PRODUZIMOS MENOS LIXO! Professora Karen Schmidt Espíndola “[...] Vivemos num momento de ampla destruição do meio ambiente, que ameaça o futuro do nosso planeta (Cf. Decreto 3, nº 33). Face a essa situação, não podemos permanecer indiferentes. Felizmente, em nosso mundo se desenvolve uma crescente tomada de consciência ecológica em muitas pessoas, comunidades e instituições.” (Adolfo Nicolás, S.J., CURAR UM MUNDO FERIDO, Relatório Especial sobre Ecologia; Secretariado de Justiça Social e Ecologia da Companhia de Jesus; Cadernos IHU, ano 9, nº 37, 2011). Ensinar é um compromisso de imensa responsabilidade, não basta inundar uma sala de aula com conteúdos das várias áreas do conhecimento, é preciso formar cidadãos conscientes e atuantes, encantados pela possibilidade de construir um mundo melhor. Nessa perspectiva, a preocupação com as questões ambientais permeia o processo formativo e todas as atividades desenvolvidas no Colégio Catarinense. Assim, através do GT Lixo Zero, várias ações foram desenvolvidas no sentido de sensibilizar e conscientizar a comunidade educativa sobre as questões ambientais, em especial aquelas relacionadas ao consumismo e ao descarte de lixo e resíduos. Realizamos a ação flash mob no pátio da cantina, sendo que a proposta combinada entre os integrantes do GT foi descartar uma garrafa pet no chão e esperar que algum aluno a recolhesse e descartasse no residuário correto, momento em que aplausos e apitos soaram para parabenizar a iniciativa. O conceito de “lixo zero”, fundamentado na redução, reutilização e reciclagem, alinhou as ações do GT Lixo Zero. Os procedimentos do cotidiano foram repensados, e ações foram desenvolvidas, buscando novas formas de agir em nossos espaços. O Colégio adquiriu novos residuários, mais adequados ao descarte correto de papel, plástico, resíduos multicamadas, metal, vidro e resíduos orgânicos. Antes do encaminhamento do material recolhido, todos foram convidados a contribuir com a separação dos resíduos, pré-selecionando-os para a triagem feita no residuário central e para o posterior endereçamento às associações de catadores e indústrias de reciclagem através da COMCAP. A ideia de redução e a preocupação com os contaminantes químicos presentes nos plásticos mobilizou o GT no sentido de abolir o uso de copos plásticos descartáveis. Fabricados com poliestireno, são comprovadamente tóxicos para o homem. Componentes como o bisfenol-A, ftalatos e alquifenóis, presentes em vários tipos de plástico, são apontados como responsáveis por alterações no sistema imunológico e desordens metabólicas. Além das implicações na saúde, os plásticos descartáveis geram problemas ambientais tanto no que se refere ao acúmulo pela dificuldade de decomposição quanto pelo potencial de contaminação dos organismos biológicos nos diferentes ecossistemas. A comunidade educativa foi convidada a aderir ao uso dos ECOCOPOS LIXO ZERO ou das canecas permanentes. O ECOCOPO, disponibilizado pelo GT em consignação nos eventos do Colégio, não contém componentes tóxicos e é reutilizável. No Dia de Integração e Ação Social do Ensino Médio, realizado em maio, 836 ECOCOPOS foram consignados e 636 foram adquiridos pelos participantes do evento. Na Festa Junina da Unidade de Ensino I, 375 ECOCOPOS foram adquiridos pelo público participante, o que significa contabilizar a redução de 1.847 copos plásticos descartáveis que poderiam acabar como resíduos. 12

[close]

p. 13

TECNOLOGIA USO DAS NOVAS MÍDIAS NO AMBIENTE ESCOLAR Professor Nelito José Kamers As novas mídias vêm tomando conta do nosso cotidiano e modificando a maneira como aprendemos e nos comunicamos. Notamos que as novas gerações, que já nasceram inseridas nesse contexto, parecem se adaptar com muita rapidez e trafegam por entre essas novidades tecnológicas com mais desenvoltura, não obstante, são chamados de “nativos digitais” . Notamos que há uma boa receptividade dos educandos, quando se faz uso desses recursos em sala de aula, mas é quando os alunos se sentem desafiados a produzir e veicular também conteúdos usando essas mídias que se percebem realmente participantes no seu processo de aprendizagem. Se para os alguns docentes essa realidade por vezes se torna assustadora, para as novas gerações as mídias digitais fazem parte de seu modus vivendi, não causando nem espanto, nem dificuldades de inserção em seu cotidiano. Dentro desse contexto, o Colégio Catarinense tem buscado, nos últimos anos, balizar suas ações no sentido de acompanhar a evolução tecnológica e sua repercussão no ambiente escolar. Além de laboratórios bem aparelhados, desde 2005, as salas estão equipadas com lousas digitais e o Colégio vem investindo em cursos de formação de professores para o uso pedagógico das novas mídias. O Moodle que vem sendo usado no Colégio desde 2013 veio dinamizar a relação entre professores, pais, alunos e as novas tecnologias. MOODLE, ou “Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment”, é um software livre de apoio à aprendizagem executado em um ambiente virtual que funciona como um sistema de gestão da aprendizagem. Dentro desse ambiente é possível disponibilizar para os alunos aulas digitais, vídeos, links de sites, simulações, questionários, provas online, avisos, tarefas, chats para interação entre os participantes, dentre outros recursos. Dessa forma, o Colégio Catarinense, além de utilizar esses recursos, procura estar atento e aberto às novas possibilidades que surgem com o advento das novas mídias, contribuindo assim para a formação integral de seus alunos, levando em consideração seu mundo vivencial e as transformações sociais que vem ocorrendo na sociedade nos últimos anos. 13

[close]

p. 14

PERFIL DO EDUCADOR PROFESSORA TâNIA REGINA COELHO DE FREITAS EDUCAÇÃO INFANTIL E FUNDAMENTAL I Nascida em Florianópolis, desde cedo Tânia Regina Coelho de Freitas parecia ter definido sua paixão pelo magistério e pelas artes plásticas, desde quando brincava de dar aulas a meia dúzia de bonecas. A sua professora do primeiro ano, Dona Mariza, foi fundamental na escolha de Tânia. “Ela fez a diferença na minha vida, e até hoje, quando trabalho com giz de cera, me reporto a essa minha infância. Uma infância muito linda”. Primogênita de cinco filhas, Tânia sempre estudou em colégio de freiras. Uma escolha que seu pai fez prezando pela educação da época, um colégio onde só havia meninas. Quando ficou maior, sua vontade sempre foi estudar no Colégio Catarinense, mas, devido às escolhas do pai, isso não foi possível. Foi então que ela conheceu o magistério, na época um curso profissionalizante, na escola em que foi estudar. Ainda muito cedo, a partir dos estágios, que eram obrigatórios em escolas públicas, Tânia começou a lecionar e se apaixonou pela educação. Naquela época, as famílias tinham o costume de incentivar seus filhos especialmente a serem médicos, advogados, dentistas ou engenheiros. Então, Tânia fez seu primeiro vestibular para Odontologia, mas para sua felicidade não foi aprovada, como ela mesma comenta. A partir de então, ela descobriu que existia o curso de Educação Artística, e que havia várias áreas dentro dessa graduação (musicalização, teatro, artes cênicas, artes plásticas, desenho, entre muitas outras). Surgiu, assim, a sua decisão de prestar vestibular para Artes. Tânia sempre teve muita facilidade para fazer desenhos, pintar, colar, usar tintas, enfim, inventar... Então, quando começou a fazer a faculdade de Artes, Tânia viu que realmente era aquilo que ela queria, pois era onde se realizava. Seus olhos brilham quando está com seus alunos, pois adora as crianças e ama o que faz; seu perfil pessoal é estar com os pequeninos: “Eu me encanto com eles e vejo que eles também se encantam com as propostas que eu trago. Há uma troca de energia muito grande entre a gente, que me deixa muito feliz pela escolha que fiz”, comenta. Dentro da Educação Artística, Tânia começou com desenho arquitetônico, mas, por exigir demais e por estar grávida na época, acabou se afastando, uma vez que, por ser muito perfeccionista, ficava chateada quando as coisas não ficavam exatamente como imaginava. Quando retornou de sua licença-maternidade, ficou nas artes plásticas, e então se realizou por completo. A vinda da professora Tânia para o Colégio Catarinense teve um quê de sonho e realização. Ela queria ter estudado aqui, mas nunca foi possível, devido às determinações de seu pai. Uma vez que sua família toda estudara aqui, seus pais, irmãos, marido e filhos, seu desejo de estar no CC era muito intenso. Quando soube da oportunidade de trabalho no Colégio, quando da criação da Unidade de Ensino I, logo pensou: “Uma vaga é minha!”. “Eu tinha uma certeza muito grande dentro de mim de que eu queria vir para cá, ter uma experiência aqui, mesmo que fosse temporária, pois eu gostaria de fazer parte dessa história”. Assim, Tânia finalmente alcançou seu tão almejado sonho e passou a fazer parte da história do Colégio Catarinense, desta vez como professora. Sempre que algum curso promovia as habilidades manuais, ela procurava participar e se aperfeiçoar. Igualmente em busca de aperfeiçoamento, Tânia fez uma pósgraduação em Psicopedagogia, para poder ter um olhar mais apurado sobre a criança, e então aliou conhecimentos para compreender, através da arte, quando a criança está bem ou não. Ela diz que é muito interessante acompanhar as crianças que no início do ano são mais introspectivas, pois dentro de pouco tempo torna-se visível a participação mais ativa nas atividades e o crescimento individual. “Agradeço a Deus todos os dias por ser educadora, por contribuir de alguma forma na construção na vida dessas crianças, porque cada uma delas com certeza vai lembrar-se de mim em algum momento de sua vida. Tenho muito orgulho de vestir a camisa do Colégio Catarinense, que abraça causas importantes para a humanidade. Espero que o Colégio continue sendo referência. É muito bom estar aqui, dando o melhor de mim, sendo dedicada, sendo MAGIS!”, declarou a professora. 14

[close]

p. 15

PROJETOS DO ENSINO MÉDIO PROJETO MUNICÍPIOS: EXERCITANDO A CIDADANIA Professora Lenita Zambra Certa vez, Piaget explicou que “o principal objetivo da educação é criar homens capazes de fazer coisas novas, não simplesmente de repetir o que outras gerações fizeram, homens criativos, i nv entivos, descobridores”. Nesse sentido, o trabalho com projetos, quando bem elaborado, discutido e conduzido, pode envolver operações essenciais para a aquisição do saber, gerando uma transformação qualitativa e quantitativa no desenvolvimento do educando tanto na parte cognitiva quanto social. Para tanto, é necessário haver um propósito, e o professor precisa estar ciente do que vai trabalhar e principalmente dos conceitos, procedimentos e atitudes que pretende compartilhar com seus alunos através dos projetos. Nesse contexto, o Projeto Municípios selecionou, para 2015, os municípios de Florianópolis, Palhoça, São Pedro de Alcântara, Governador Celso Ramos e Tijucas. Assim, os alunos das segundas séries do Ensino Médio do Colégio Catarinense foram instigados pelos professores a realizarem a pesquisa que envolveu diferentes áreas do conhecimento. A atividade se desenvolveu através de saídas de campo, visitas aos principais monumentos históricos e pesquisa nas áreas de educação, política, economia, meio ambiente, saúde, esporte e turismo. N a s palavras de Moço (2011), “ U m b o m projeto é aquele que indica i n t e n çõ e s claras de ensino e permite novas aprendizagens relacionadas a todas as disciplinas envolvidas.” (Revista Nova Escola. Abril, 2011, p.52). O trabalho com projetos envolve uma série de ações para se chegar a uma meta, o que exige tempo e dedicação. Assim, foram sugeridos os seguintes aspectos: localização, área, relevo, população, etnias, colonização em relação aos aspectos físicos e humanos. Além disso, foram pesquisados os aspectos da formação histórica e da cultura de cada região ou município. Os alunos também fizeram uma análise econômica, através do levantamento de dados estatísticos, para verificarem a importância do município ou da região no contexto regional/estadual, bem como o potencial turístico e as curiosidades sobre cada local visitado. Como proposta de trabalho final, cada turma foi desafiada a produzir uma revista sobre o município ou região pesquisada de forma genuína, sendo, os autores de cada artigo, os próprios alunos. Para finalizar, foram apresentados os seminários, em que cada turma apresentava para as demais o trabalho desenvolvido. De forma criativa e com espírito de equipe, o projeto foi desenvolvido de forma brilhante e envolveu as áreas de educação, saúde, meio ambiente, políticas públicas, turismo, identidade cultural, esportes e economia. 15

[close]

Comments

no comments yet