Jornal Novembro 2015

 

Embed or link this publication

Description

Jornal Novembro 2015

Popular Pages


p. 1

Informativo Oficial do Sindicato dos Policiais Civis - Ano XXI - Novembro de 2.015 - nº 227 Durante visita do secretário da Segurança Pública a Ribeirão Preto, presidente em exercício do Sinpol, Célio Antonio Santiago e diretora secretária do sindicato, Fátima Aparecida da Silva entregaram documento cobrando resposta às reivindicações dos policiais civis. Célio postulou o titular da SSP na frente de toda a imprensa e voltou a destacar a necessidade urgente de contratações para todas as carreiras, mas em quantidade suficiente para minimizar o problema vivido com a falta de recursos humanos. Veja na página 08. SINPOL COBRA ALEXANDRE DE MORAES Em reportagem especial, Jornal do Sinpol mostra quais são os principais problemas enfrentados pela Instituição, sobretudo decorrentes da falta de recursos humanos. Muitas cidades de pequeno porte contam com um único policial civil efetivo, além de delegado respondendo por mais de uma unidade. Confira o que está acontecendo com a Polícia Civil na página 02. CAOS NA POLÍCIA CIVIL Estelionatários de Goiás descobriam dados de carros recentemente roubados ou furtados e diziam ter sido os responsáveis pelo crime, exigindo resgate para devolver os veículos. Eles faziam levantamento de vítimas até pela internet. Em Ribeirão, o CIP da Seccional entrou em ação. Descobriu como o grupo agia e prendeu seis envolvidos. Leia na página 11. CIP PRENDE GOLPISTAS  DDM divulga imagens de estupro e consegue identificar e prender responsável;  Jurídico conquista novas vitórias para os associados;  Em Radar e Parabólica, veja ações que destacaram os policiais civis de toda a região;  Confira como andam as obras da nova sede social do sindicato;  DISE de São Carlos faz maior apreensão do ano;  DISE de Ribeirão Preto apreende mais de 200 quilos de maconha. E MAIS: Impresso Especial 9912250402 - DR/SPI Sinpol CORREIOS SINPOL - Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto Rua Goiás, 1.697 - Campos Elíseos - Ribeirão Preto - SP CEP: 14085-460 - Fone: (16) 3612-9008 Fone Jornal: (16) 3610-2886 - jornaldosinpol@uol.com.br Novembro/2015

[close]

p. 2

ESPECIAL Governo anuncia reforço de 295 novos policiais civis, mas número chega a ser insignificante para as reais necessidades da Instituição “Reze para não precisar da Polícia Civil, principalmente se for para uma ocorrência de pequeno ou médio porte. Porque se você tiver que recorrer a uma Delegacia de Polícia, certamente vai se decepcionar. Imagine: você está chegando do trabalho, abre a porta de casa e nota que ela está arrombada. Ao entrar, percebe que os ladrões entraram ali e levaram praticamente tudo. Você faz a ocorrência com esperança de que seus pertences sejam encontrados e os criminosos punidos. Vamos falar francamente: não há policiais civis para realizar uma investigação com as mínimas condições”. A afirmação é do presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata. Ele conta que, por conta do cada vez maior déficit de recursos humanos, a Polícia Civil tornou-se uma instituição ineficiente. Eumauri cita como exemplo o que ocorre no 1º DP (Distrito Policial) de Ribeirão Preto para ilustrar o problema. De acordo com o presidente do Sinpol, a unidade que atende à região central da cidade tem um trabalho pesadíssimo. “Mas eles contam com dois, no máximo três investigadores para o trabalho. E até com restrição. Chega a ser desanimador. Por dia, são registrados entre 15 a 20 boletins de ocorrência. Se eles tivessem que investigar esse volume, seria entre seis e sete casos para cada investigador. Ou seja, acabam vendo e não podendo fazer nada”, dispara Eumauri. A situação não é exclusividade da Delegacia Seccional de Ribeirão Preto, nem apenas do Deinter-3 (Departamento de Polícia Judiciária do Interior), que atende 93 cidades de toda a região. Reportagem publicada no jornal Gazeta Interior, da região de São José do Rio Preto, mostra que a questão é ampla. O título é direto e contundente: “A falência da Polícia Civil no interior” e mostra a delegacias; a falta de infraestrutura das polícias técnicas para obtenção de provas; a burocracia; a não integração entre delegados, promotores e a Justiça no andamento dos inquéritos, mas, sem dúvida, um ponto é o mais preocupante de todos: “o déficit de policiais civis de todas as carreiras. Faltam muitos investigadores, o que prejudica a investigação e elucidação de um crime. Mas faltam também, escrivães para atuar nos inquéritos, delegados, peritos, agentes, auxiliares de papiloscopista, papiloscopistas, enfim, faltam policiais civis de todas as carreiras”, aponta Eumauri. Formatura Tentando reverter a questão perante a opinião pública, o governo do Estado promoveu a solenidade de formatura de 295 novos policiais civis buscando atrair a atenção da imprensa. O evento ocorreu no dia 19 de outubro, no auditório do Palácio dos Bandeirantes. O governador Geraldo Alckmin; o secretário da Segurança Pública, Alexandre de Moraes; e o delegado Geral de Polícia, dr. Youssef Abou Chahin, participaram da formatura. Segundo nota da Assessoria de Imprensa da SSP, os 109 escrivães - 84 homens e 25 mulheres - passaram por três meses de aulas do Curso de Formação Técnico Profissional de Escrivão de Polícia. Já os 186 agentes policiais - 178 homens e oito mulheres - passaram por três meses no Curso de Formação Técnico Profissional de Agente de Polícia, ambos ministrados na sede da Acadepol (Academia da Polícia Civil). Alckmin aproveitou o momento da formatura e deu sua mensagem aos novos policiais civis. “Hoje é um dia importante na vida de vocês [formandos] e para o estado de São Paulo. Sangue novo, energia nova e time reContinua na página 03 A CONTA QUE NÃO FECHA Segundo Eumauri, se o governo não contratar em grande quantidade mais policiais civis, a Instituição corre o risco de fechar as portas para a população situação preocupante do efetivo da Polícia Civil em quatro cidades da região. Os números impressionam: Potirendaba População: 16.700 Funcionários: um escrivão de polícia; um investigador de polícia; um escrivão readaptado (não dá plantões) e um delegado. Boletins de janeiro até agora[setembro]: 655; Ibirá População: 11.861 Funcionários: um investigador de polícia; dois escrivães de polícia; um agente policial; um auxiliar de serviços; um delegado. Boletins de janeiro até agora: 467; Bady Bassitt População: 16.359 Funcionários: dois investigadores de polícia; dois escrivães de polícia; um delegado. Boletins de janeiro até agora: 475; Uchôa População: 9.968 Funcionários: dois investigadores de polícia; um escrivão de polícia; um auxiliar de serviços; um delegado. Boletins de janeiro até agora: 340. A reportagem pediu detalhes à SSP (Secretaria da Segurança Pública) e obteve a constatação: apenas 2% dos casos de roubos são esclarecidos no estado de São Paulo. Furtos, apenas 1%. Na opinião do presidente do Sinpol, uma série de fatores prejudica o esclarecimento dos crimes e se traduz em baixa produtividade da Instituição. Ele cita o sucateamento de 02 Novembro/2015

[close]

p. 3

Continuação da página 02 novado, para a gente poder trabalhar mais em benefício da nossa população”, completou. O grande problema ocorre após a formatura. O número de 295 novos policiais civis acabaria sendo atraente, se fosse, por exemplo, para a Seccional de Ribeirão Preto. Durante visita do secretário Alexandre de Moraes a Ribeirão Preto (leia matéria nesta edição), o vice-presidente do Sinpol disse que para a região de atuação da Seccional, faltam pelo menos 530 policiais civis, sendo 250 investigadores, 200 escrivães e 80 delegados. “Se os 295 novos policiais civis viessem para a Seccional, ou até mesmo para o Deinter-3, sentiríamos uma melhora na produtividade dos policiais civis. Haveria mais furtos e roubos esclarecidos, haveria menos sobrecarga para os policiais civis que atuam de forma até mesmo desumana. Mas não é isso que vai acontecer”, lamentou Célio. De fato, dos 295 novos policiais civis, 46 vão ficar na Capital e Grande São Paulo e os 143 restantes vão ser encaminhados para todas as demais cidades do interior, cerca de 550 municípios (veja quadro nesta página). Ou seja, pela lógica da matemática, um novo policial civil para quatro municípios. Gota d’água no oceano Na opinião de Eumauri, isso não significará absolutamente nada em relação à melhoria dos serviços. “Costumo dizer que esses concursos são ineficientes, tanto quanto uma gota d’água que cai no oceano. Não faz diferença alguma. Sei que isso pode soar como utopia, mas na minha opinião, só para dar uma satisfação razoável à sociedade, Ribeirão Preto precisa de pelo menos 400 in- vestigadores. Isso para ficar somente nesta carreira. Não vamos falar das demais. São 400 investigadores para procurar chegar à normalidade da Instituição, esclarecendo todos os tipos de crime, inclusive furtos e roubos”, dispara Eumauri. Ele acrescenta que atualmente um escrivão atua em diversas frentes e acaba tendo seu rendimento prejudicado. Eumauri lembra que o escrivão é quem atende na delegacia, é quem faz o B.O., é quem conduz o inquérito, é quem faz o café. De acordo com o presidente do Sinpol, na maioria das pequenas cidades, os policiais civis fazem rodízio, tamanha a falta de efetivo. “A delegacia tem um investigador ou um escrivão. E o delegado que vai lá dar expediente. Quando precisa de outro profissional, vem de cidades próximas. Nesses casos, o policial civil tem trabalhado direto, não tem folga, o serviço é permanente. Nossa luta é para que os concursos sejam mais ágeis, com mais celeridade. E que se utilizem os aprovados que não foram aproveitados nos concursos ainda válidos”, analisa. Eumauri lembra também que os próprios policiais civis não aguentam mais essa situação. Ele diz que, em todas as categorias, o que mais se vê são policiais desanimados. Estão atados porque não tem número mínimo de recursos humanos para o trabalho. O presidente do Sinpol lembra que todos se sentem incomodados. Muitos só pensam em se aposentar e ir embora. Outros desistem antes mesmo de conquistar o tempo necessário para a aposentadoria. “Olhe que esse quadro de ineficiência geral não é regra em nossa região. Sabemos que o Deinter-3 está entre os departamentos que mais esclarecem crimes. Mas a bandidagem cresceu e é preciso policial civil para combatê-los”, defende Eumauri. O vice-presidente do Sinpol, Célio Antonio Santiago, é outro que lamenta a situação enfrentada pela Polícia Civil. Ele criticou o volume de contratações recentes anunciados pelo governo do Estado. “Esse número não é nada animador. A falta de profissionais torFoto: g1.com / Juliana Cardilli na mais lento o atendimento à população e incentiva a criminalidade. No início da década de 1980, trabalhei no 2º DP, nos Campos Elíseos. E olhe que bairros como o Complexo Quintino ainda estavam sendo construídos. Naquele tempo, tínhamos 12 investigadores para realizar o serviço. Hoje esse mesmo DP tem apenas dois e a população cresceu absurdamente. Na mesma proporção que a Polícia Civil encolheu”, lamenta. Acima o reflexo da falta de policiais civis: demora no atendimento à população e impossibilidade de esclarecer todos os crimes por conta dessa situação; ao lado, no detalhe, o vice-presidente do Sinpol, Célio, é contundente ao afirmar que “a falta de profissionais torna mais lento o atendimento e incentiva a criminalidade” Novembro/2015 03

[close]

p. 4

EDITORIAL O ano de 2015 está chegando ao final e até o momento o dr. Alexandre de Moraes, secretário da Segurança Pública, não se manifestou sobre nossas reivindicações. Nos primeiros meses do ano, até entendemos a questão, pois ele estava assumindo a pasta que coordena as Polícia Civil e Polícia Militar. Nessas primeiras semanas, promoveu a troca dos comandos das duas Instituições. Mesmo assim, o Sinpol, a Feipol Sudeste (Federação Interestadual dos Trabalhadores Policiais Civis da Região Sudeste) e demais sindicatos e entidades representativas de classe estiveram reunidas com o dr. Alexandre, ocasião em que entregamos nossa pauta de reivindicações, elencando as mais urgentes para que houvesse um posicionamento do governo estadual. O tempo passou, muitas reuniões aconteceram e até mesmo alguns avanços ocorreram. Mas ainda há muitas questões pendentes que precisam de respostas urgentes. Diante disso, adotamos a postura de cercar tanto o secretário da Segurança Pública, dr. Alexandre, quanto o governador Geraldo Alckmin, em todos os eventos em que eles participarem na região de atuação do Sinpol. QUEREMOS EXPEDIENTE Numa dessas situações, fomos até a Câmara Municipal de Ribeirão Preto, pois sabíamos que haveria um encontro entre o dr. Alexandre, os vereadores e representantes dos Consegs - inclusive para que o governo pudesse dar satisfação em relação à absurda defasagem de recursos humanos atravessada atualmente tanto na Polícia Militar, quanto - e principalmente mais grave - a registrada na Polícia Civil. Chegamos e nos posicionamos a espera do dr. Alexandre. Quando ele chegou, diante de toda a imprensa, entregamos um documento com as reivindicações que necessitam de respostas urgentes. O ato atingiu seu objetivo, já que os jornalistas que cobriam a visita do secretário registraram a cena e o diálogo que travamos, mesmo não tendo agendado este encontro. Dissemos ao dr. Alexandre sobre a importância em responder rapidamente as questões, pois os policiais civis não aguentam mais a forma como o governo vem protelando essas questões. Nesta edição, nossos filiados vão poder constatar quais foram os ítens que elencamos no documento entregue ao dr. Alexandre. Não são poucos. Justamente por isso, estamos DEFINIÇÕES cobrando posicionamento, pois um chama o outro e todos compõem a necessidade de serem atendidos, integral ou parcialmente, para garantir que a Polícia Civil não pare de funcionar. Nos últimos anos o governo estadual só fez engessar nossa Instituição. Isso desmotivou por demais nossos quadros. Além disso, espantou muita gente que pensava em seguir carreira na Polícia Civil. Por fim, também dificultou a reposição de peças de recursos humanos para substituir as grandes lacunas por conta da morosidade e da burocracia excessiva que cercam os concursos públicos. É hora do governo mostrar a que veio. É chegada a hora do secretário mostrar que está, de fato, empenhado em resolver todos os problemas que afligem a Polícia Civil e aos profissionais de todas as 14 carreiras, indistintamente. A Polícia Civil não pode parar. E é bom que se lembre: políticos, sejam eles governantes ou secretários, são provisórios. A Polícia Civil é uma instituição permanente. CÉLIO ANTONIO SANTIAGO Vice-Presidente do Sinpol (Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto) O Jornal do Sinpol é uma publicação oficial, de circulação mensal, do Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto. Rua Goiás, 1697 - Campos Elíseos CEP: 14085-460 - Ribeirão Preto - SP e-mail: sinpolrp@sinpolrp.com.br Diretoria: Presidente: Eumauri Lúcio da Mata Vice-Presidência: Célio Antonio Santiago, Darci Gonzales, João Gonçalo Palaretti, Dorlei Morales, Luís Henrique Maringolli de Lima e José Gonçalves Neto; Suplentes: Adilson Massei, Sérgio Ribeiro dos Santos, Luiz Henrique Batista, Carlos Henrique Carneiro Scarparo, Targino Donizete Osório, Adhemar Pereira da Costa e Cláudio Expedito Martins; Secretários: Fátima Aparecida Silva e Doracy Alves da Silva; Suplentes: José Álvaro Ament Júnior e Luís Henrique Zanoello. Diretores Financeiros: Júlio Cesar Machado e Carlos Henrique Pischiotini; Suplentes: José Angelo Marques e Josiane Kátia P. do Nascimento. Patrimônio: Arnaldo Vaz Ferreira; Suplente: Olavo Elias dos Santos. Conselho Fiscal: Prisclia Yoshi S. Hashimoto, Clévis Samuel Lors de Faria e Diva Rodrigues dos Santos; Suplentes: Robert Schmengler Guilhaume, Marisa Lelis Takata e Jefferson Pessoti; Delegados Sindicais: Antonio Carlos Schivo e Josiane K. P. de Souza; Suplentes: Décio Kury Marques e Hélio Augusto da Silva. O JORNAL DO SINPOL É UMA PUBLICAÇÃO EXCLUSIVA DO LABORATÓRIO DE NOTÍCIAS R. Paschoal Bardaro, 633-A - Jd. Irajá Ribeirão Preto - SP Fone/fax: (16) 3610-2886 DIRETOR DE JORNALISMO: Adalberto Luque - MTb 19.218 EDITOR CHEFE: Júlio Castro O Jornal do Sinpol não se responsabiliza por especificações ou informações que não estejam previstas no contrato de publicidade AS COBRANÇAS SERÃO FEITAS EXCLUSIVAMENTE POR: Martha J. Araújo Luque DEPARTAMENTO COMERCIAL: CONTATOS EXCLUSIVOS DEVIDAMENTE AUTORIZADOS: Fernando Mendonça Antonio Pereira Alvin Aparecido Donizete Tremura Vanderlei Costa EDITORAÇÃO ELETRÔNICA: Laboratório de Notícias Fone: (16) 3610-2886 e-mail: jornaldosinpol@uol.com.br Os artigos assinados não refletem, necessariamente, o conceito do jornal e são de inteira responsabilidade de seus autores. Aposentados Associados do Sinpol que ingressaram no quadro de aposentados em outubro: - Marcela Souza Ribeiro, escrivã de 3ª Classe; - Teresa Cristina Soares Chiaretti Faria, auxiliar de papiloscopista de 2ª Classe; - Cirene Aparecida dos Santos Americano, escrivã de 2ª Classe; - Joselina Maria de Oliveira, auxiliar de papiloscopista de 1ª Classe. A diretoria do Sinpol felicita os policiais civis por suas brilhantes carreiras, desejando-lhes poderem usufruir seus merecidos descansos com muita saúde e alegria. Notas Plano de Saúde 1 Atenção associados. Verifiquem a data de validade no cartão magnético do convênio São Francisco, especialmente dos dependentes que cursam faculdade. Para que não ocorra carência, a declaração escolar deverá ser enviada, impreterivelmente, 20 dias antes da data limite de validade. Na dúvida, confira o verso da carteira do plano de saúde, onde consta a data do término da validade. Não deixe para a última hora. Maiores informações na Central de Atendimento Sinpol, telefones (16) 3625-3890 / 3612-9008 / 3979-2627. Cantina para o Associado A Cantina da Chácara do Sinpol, sob o comando de Paulo e Cristina, tem agradado bastante aos associados. Além de porções, aos sábados e domingos estão sendo servidos pratos feitos. A cerveja, o suco e o refrigerante estão sempre na temperatura ideal e constantemente há muitas novidades para os associados. Maiores informações e reservas nos telefones (16) 99398-6912, com Paulo ou (016) 99398-8820 com Cristina. Errata Em nossa última edição, à página oito, na legenda da fotografia, mencionamos a diretora secretária do Sinpol, Fátima Aparecida da Silva, como sendo diretora financeira. Pedimos desculpas pelo equívoco. Na página nove aparecem, nas duas fotos, os diretores corretamente citados nas legendas: Júlio César Machado, diretor financeiro e Fátima, diretora secretária. Lamentamos o erro. Atenção policial civil A diretoria do Sinpol alerta a todos os policiais civis associados que, se receberem intimação para comparecer à Corregedoria ou a qualquer outro órgão, para depoimento, busquem antes orientação no Departamento Jurídico do sindicato. É direito constitucional que em todo e qualquer depoimento, o depoente esteja assistido por um advogado. Plano de Saúde 2 Devido a reclamações recebidas junto à Secretaria do Sinpol, a diretoria do Sindicato pede aos associados usuários do Plano de Saúde que confiram suas cobranças de coparticipação em consultas e exames relativos ao uso do convênio médico. Qualquer dúvida, entrar em contato com a Central de Atendimento do Sinpol, pelos telefones (16) 3612-9008 / 3625-3890. IAMSPE O Sinpol informa que o advogado Antonio Roberto Sandoval Filho, de São Paulo, não está mais ingressando com a ação do IAMSPE (Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual). Atenção policiais civis O presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, comunica aos associados que, caso necessitem de amparo na área jurídica relacionado à aposentadoria, assim como para acompanhar o andamento de ação já ajuizada, primeiramente entrem em contado com os diretores do Sindicato, através de nossa Central de Atendimento Sinpol, fones (16) 3612-9008 / 36253890 / 3977-3850 para oportuno agendamento com o dr. Ricardo Ibelli. Comunicado importante A diretoria do Sinpol comunica aos associados interessados em promover Ação Judicial de aposentadoria que são necessários os seguintes documentos: - Cópia do Prontuário (PUCT) de capa a capa, inclusive versos; - RG, CPF ou CNH (frente e verso); - Cópia da Carteira Funcional (frente e verso); - Cópia dos três últimos holerites; - Cópia do comprovante de residência; NÃO HÁ NECESSIDADE DE AUTENTICAR AS CÓPIAS Prazo- em caso de mandado de segurança, 120 dias após tomar ciência da negativa da administração pública. Custas- R$ 315,00 para o seguinte: cinco Ufesp, guias, três diligências do Oficial de Justiça. Procuração- Marcar horário e dirigir-se ao escritório do dr. Ricardo Ibelli, à rua João Penteado, 1940, Ribeirão Preto, fone: (16) 3967-1406, para entrega da documentação e assinatura da procuração. Maiores informações pela Central de Atendimento Sinpol, fones (16) 3612-9008 / 3625-3890 / 3977-3850. 04 Novembro/2015

[close]

p. 5

VIOLÊNCIA Graças a imagens de câmera de segurança que delegada divulgou na internet, em pouco tempo acusado havia sido detido Uma adolescente caminha, por volta das 6h15, pela Rua Capitão Salomão, no bairro Campos Elíseos, em Ribeirão Preto, quando um automóvel branco, modelo Gol, para a seu lado. Um homem desce e aborda com violência a garota, arrastando-a para seu carro. Uma mulher caminhava na direção dos dois mas, ao ver a cena, acabou voltando visivelmente assustada com a violência. O caso ocorreu no dia 19 de outubro e, não tivesse sido registrado por uma câmera de segurança instalada em um imóvel nas imediações, o crime talvez ainda estivesse sendo investigado. O dono do imóvel, ao observar as imagens, suspeitou do que tivesse ocorrido depois e levou a filmagem para a DDM (Delegacia de Defesa da Mulher) de Ribeirão Preto. Ele foi atendido pela dra. Luciana Camargo Renesto Ruivo que, pelas imagens, reconheceu a garota, vítima de estupro. A menina estava caminhando pela Rua Capitão Salomão em direção à Escola Estadual Hely Lopes Meirelles, que fica nas imediações, na Rua São Paulo, também no bairro dos Campos Elíseos. As imagens não favoreceram a identificação do veículo, pois sua placa não aparecia com nitidez. O homem, todavia, poderia ser reconhecido caso a Polícia Civil tivesse alguma pista contundente. Foi quando a delegada da DDM teve a ideia de divulgar as imagens em rede social. “Imaginei que desta forma, pudéssemos receber informações que nos levassem ao suspeito de praticar o estupro. E a ideia deu certo”, revelou dra. Luciana. As imagens foram veiculadas pelas redes sociais na tarde de 20 de outubro de outubro. Em pouco mais de 11 horas, na madrugada do dia 21, os policiais civis da especializada já haviam identificado e, logo pela manhã, detido o homem acusado das agressões. Trata-se do gesseiro W.F.S.A., de 23 anos, casado e pai de uma filha. Segundo a dra. Luciana, ele confessou ter abordado a menor com a intenção de furtar seu telefone celular. O homem justificou que só colocou a menina do carro para não levantar suspeitas. As roupas que ele utilizou no dia do crime e que aparecem na filmagem também foram localizadas e apreendidas pelos policiais civis em sua residência, no bairro Presidente Dutra II. O homem negou que tivesse violentado a garota. Alegou apenas que praticou sexo oral com ela de forma consensual. Ele disse que a colocou no carro para roubar o aparelho celular e que a ideia teria partido da própria garota. Ele levou-a para um terreno baldio próximo a antiga estação ferroviária do Barracão, onde teria cometido o estupro. Em entrevista à imprensa, dra. Luciana derruba a hipótese de haver atenuantes, mesmo que a relação fosse consensual - e ela afirma que não foi. “A Lei 12.015/2009 define estupro como ato de constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a ter conjunção carnal ou a praticar ou permitir que com ele se pratique outro ato libidinoso. O fato de ele admitir que houve o sexo oral já configura o estupro”, defende a delegada. No dia 27 de outubro, entretanto, laudo do IML (Instituto Médico Legal) confirmou o estupro, com relação carnal. Levado para a sede da DDM, W. foi reconhecido pela vítima. Como o período para a prisão em flagrante já havia vencido, a delegada agiu rápido e conseguiu junto à Justiça o mandado de prisão. Graças à ideia de divulgar as imagens através da rede social Facebook, a delegada conseguiu esclarecer o crime com rapidez. Através do vídeo, o homem foi reconhecido e a denúncia chegou pela madrugada, dando todas as informações necessárias para que se pudesse elucidar totalmente o crime. A adolescente está recebendo acompanhamento psicológico. O pai da garota, em entrevista à imprensa, disse que ela está com muito medo e não quer voltar a estudar na mesma escola. Ela teria ficado bastante traumatizada. Depois de ser estuprada, a garota foi a pé até o colégio da irmã, também nos Campos Elíseos, pedir socorro. “Ela chegou lá chorando, me ligaram e eu fui buscála. Registramos o boletim de ocorrência no mesmo dia e ela já passou por todos os exames”, disse ao jornal A Cidade. A delegada comemorou o resultado em divulgar as imagens através de rede social. “É importante que a vítima de estupro registre a ocorrência. E que todos os que souberem de informações, que compartilhem com a Polícia Civil. A denúncia é feita com garantia de anonimato ao denunciante”, concluiu dra. Luciana. DDM PRENDE ESTUPRADOR Dra. Luciana Camargo Renesto Ruivo, titular da DDM de Ribeirão Preto, colocou as imagens em redes sociais e o acusado de estupro foi preso 11 horas depois Novembro/2015 05

[close]

p. 6

R ADAR residência do suspeito sete tijolos de maconha, 58 cápsulas contendo cocaína já pronta para ser revendida ao usuário, além de uma balança de precisão e diversos sacos plásticos utilizados para embalar drogas. Ibaté Policiais civis do município de Ibaté realizaram uma operação conjunta com policiais civis do 3º DP (Distrito Policial) e da DIG (Delegacia de Investigações Gerais), ambas de São Carlos, com o DISE de Franca efetuou importante apreensão e prendeu objetivo de localizar e prentrês envolvidos com tráfrico der um homem que estaria Franca portando uma arma de uso restrito. A ação Na noite de 13 de outubro, policiais civis ocorreu na cidade de Ibaté, região do Deinterda DISE (Delegacia de Investigações Sobre 3, no dia 09 de outubro e o resultado foi basEntorpecentes) de Franca, região do Deinter- tante satisfatório. Após investigações, os po3 (Departamento de Polícia Judiciária do liciais civis cumpriram mandado de busca e Interior, com sede em Ribeirão Preto e que apreensão, localizando a arma que pertence responde por 93 cidades da região), identi- à Polícia Civil do Estado de São Paulo. O ficaram e prenderam três homens que esta- armamento estava em um pesqueiro localivam com 18,8 quilos de maconha, 268 gra- zado na zona rural de Ibaté. Ao final da opemas de crack e 88 gramas de cocaína. O trio ração conjunta, três pessoas acabaram prefoi preso num imóvel localizado na Vila São sos: J.M.D. de 35 anos, A.I.L. de 28 anos e Sebastião, em Franca, sendo que na ocasião F.H.M. de 34 anos. O trio foi indiciado por os suspeitos pesavam a droga que já estava receptação e posse irregular de arma de fogo embalada pronta para ser comercializada. de uso restrito. Além do armamento, os poliNo local, ainda foram apreendidas 2 balan- ciais civis apreenderam acessórios e diverças de precisão e a quantia de R$ 565 reais sas munições. em dinheiro. Os três homens foram autuados Porto Ferreira em flagrante por tráfico de entorpecentes. Policiais civis de Porto Ferreira, área do Matão Deinter-3), prenderam no dia 13 de outubro Policiais civis do 1º DP (Distrito Policial) um homem acusado de tráfico de drogas. Após da cidade de Matão, região do Deinter-3, pren- realizarem buscas na residência do suspeito, deram em flagrante na sexta-feira, 09 de outu- na cidade de Porto Ferreira, os policiais civis bro, um homem acusado de tráfico de entor- localizaram uma pedra de crack, 13 cápsulas pecentes. Após intenso trabalho de inteligên- contendo cocaína, uma balança de precisão, cia, os policiais civis conseguiram identificar material para embalagem de drogas, um caderM.R.S.S. de 23 anos, como sendo o responsá- no contendo anotações relativas à contabilivel pela comercialização de drogas no bairro dade do tráfico e R$ 7.881 em dinheiro. O hojardim do Bosque, na cidade de Matão. Em mem encontrado no local com a droga, A.S., diligências, os policiais civis localizaram na de 21 anos, não soube explicar a origem do dinheiro e acabou preso em flagrante pelo tráfico de drogas. DDM São Carlos Policiais civis da DDM (Delegacia de Defesa da Mulher) de São Carlos, região do Deinter-3/Ribeirão Preto, libertaram no dia 06 de outubro uma mulher que era mantida em cárcere privado. Após investigações, os policiais civs, coordenados pela dra. Denise Gobbi Szakal (associada ao Sinpol), Fotos: Polícia Civil se dirigiram até uma residência localizada na vizinha cidaPoliciais civis de Porto Ferreira encontraram drogas e de de Ibaté, onde encontraram grande quantidade de dinhero com investigado uma mulher de 22 anos, que era mantida amarrada e trancada em um quarto fosse dessa forma, talvez a caminhonete não desde o dia 05 de outubro por seu marido, fosse recuperada e constaria um crime que não E.C.R., de 24 anos. A equipe da DDM de São existiu. Tratou-se de desacordo comercial apeCarlos imediatamente libertou a mulher. O nas. Por isso, toda atenção é pouca na hora homem foi localizado nas imediações, autu- de comprar ou vender um veículo”, disse o ado e preso em flagrante por sequestro e cár- investigador Júlio César. cere privado. Cartas Precatórias Uma Toyota Hillux SW4 2010 foi vendida em Ribeirão Preto. O comprador pegou o veículo sem o documento, mas não efetuou o pagamento e vendeu-o para um terceiro, em Santo Antonio da Alegria. O terceiro comprador pagou e ficou aguardando o documento. O proprietário que vendeu e não recebeu foi cobrar o veículo e soube o endereço de onde a caminhonete estava. Foi até lá e levou o carro embora. O terceiro deu queixa de furto e o caso chegou até o setor de Cartas Precatórias da Seccional de Ribeirão Preto. Nas investigações, os policiais civis descobriram toda a história e o investigador Júlio Cesar Falconi Ferreira convenceu o proprietário a contar sua versão e conseguiu mudar a questão de furto para desacordo comercial. O delegado do seFoto: Júlio Cesar Falconi Ferreira tor de Cartas Precatórias, dr. Marcos Antonio Graças à intervenção do investigador Sales, nomeou o proprietário como fiel depoJúlio César, então no setor de Cartas sitário. O caso agora sai da esfera criminal e Precatórias, caso sai da esfera criminal e deve ser resolvido na Justiça Cível. “Se não segue para Justiça Cível. 06 Novembro/2015

[close]

p. 7

DISE SÃO CARLOS Policiais civis encontraram em condomínio de chácaras 15 quilos de drogas, além de duas espingardas, uma pistola e celulares sessenta e duas balas de calibre 9 mm intactas, além de uma deflagrada. Também havia doze munições de calibre 38, arma permitida. Estavam todas intactas. Na sala, ao lado do sofá, os policiais civis encontraram uma balança de precisão. Do outro lado do móvel havia doze tijolos de maconha escondidos em um saco de lixo preto, além de outro tijolo de maconha aparentemente diferente dos demais. A equipe também encontrou quatro tijolos de cocaína e uma balança digital pequena. Dando buscas na cozinha do imóvel, foram encontrados R$ 409 em dinheiro escondidos em uma lata de mantimentos, além de R$ 150 que estavam na carteira de D. Os policiais também encontraram um caderno universitário constando diversas movimentações contábeis, provavelmente relativas às anotações do tráfico de drogas. As buscas prosseguiram no quintal, onde dentro de um quarto pequeno que provavelmente funcionava como depósito geral, os policiais civis encontraram uma caixa de isopor com quatro objetos contendo substância semelhante à cafeína. Próximo à churrasqueira localizaram também duas espingardas calibre 36 sem munição e em mau estado de conservação. O casal foi levado até a sede da especializada para prestar depoimento. Segundo o dr. Edmundo, ao ser interrogado D. assumiu ser o responsável por todo o material encontrado na casa, garantindo que sua esposa pouco sabia sobre suas atividades ilícitas. Ela também confirmou isso em depoimento ao delegado, porém não foi convincente. “Entendemos que os objetos estavam espalhados por toda a residência, de forma ostensiva, visível, de forma que não havia possibilidade de desconhecer os fatos. Isso nos levou a concluir que a esposa tem participação nos mesmos atos ilícitos”, explicou o delegado. Com as evidências e a materialidade das provas, dr. Edmundo deu voz de prisão ao casal. Ambos foram enquadrados por tráfico de drogas, crime considerável inafiançável. D. foi levado à Cadeia Pública de São Carlos, de onde seguiu para o CDP (Centro de Detenção Provisória de Araraquara) e T. foi conduzida à Cadeia Pública Feminina de Ribeirão Bonito, onde irão aguardar julgamento. No total, a ação rendeu a apreensão de 10 APREENDE GRANDE QUANTIDADE DE DROGAS quilos de maconha, um quilo de crack, quatro quilos de cocaína, duas espingardas calibre 36, uma pistola nove milímetros, munições diversas, celulares, R$ 559 em dinheiro e um caderno com anotação. “Foi a maior apreensão de drogas do ano em São Carlos. Tínhamos informações que o caminhoneiro estaria armazenando drogas em sua moradia. Vamos prosseguir as investigações para constatar se outros traficantes estariam envolvidos com o carregamento, que teria como destino final os pontos de vendas de drogas em diversos bairros de São Carlos), informou o dr. Edmundo à imprensa. Uma grande quantidade de drogas foi apreendida na zona rural de São Carlos, em um condomínio de chácaras. A apreensão foi feita pela equipe da DISE (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes) daquela cidade, na área do Deinter-3 (Departamento de Polícia Judiciária do Interior), com sede em Ribeirão Preto e que responde pela Polícia Civil em 93 cidades da região. Os policiais civis da especializada estavam investigando o dono da residência, o caminhoneiro D.L.S. de 32 anos, e constataram que ele estaria traficando drogas e guardando uma quantidade considerável em sua casa, localizada em um condomínio de chácaras. Diante das evidências, o delegado titular da DISE, dr. Edmundo Ferreira Gomes, decidiu solicitar junto à Justiça o mandado de busca e apreensão, que foi expedido pela 3ª Vara Criminal local. Com o mandado autorizando a ação, os policiais civis planejaram a abordagem e, no dia 09 de outubro foram até o local. D. estava acompanhado de sua esposa, T.C.E.F., de 35 anos, e ambos não dificultaram a entrada dos policiais civis. Durante as buscas, os policiais civis encontraram no quatro de um casal, dentro de um cesto de roupas sujas, uma mochila preta. Em seu interior havia um tijolo e meio de crack. Debaixo do colchão da cama do casal havia uma pistola de uso restrito calibre 9 mm, de fabricação israelense, com carregador municiado e com 12 munições intactas. No local também havia três aparelhos celulares de propriedade de D. e outro de propriedade de sua esposa, além de dois cordões de ouro e um pingente, que o casal não soube precisar a origem. No quarto ao lado, os policiais civis encontraram mais duas caixas de munição com Fotos: DISE São Carlos Equipe da DISE de São Carlos, coordenada pelo dr. Edmundo (1º à direita na foto), realizou uma grande apreensão de drogas durante operação ( no detalhe ) Novembro/2015 07

[close]

p. 8

SINDICALISMO Durante visita a Ribeirão Preto, diretores entregaram ofício a Alexandre de Moraes exigindo agilidade nas respostas às reivindicações O Sinpol continua firme em sua luta para que o governo se posicione e dê uma resposta efetiva em relação às reivindicações da categoria que ainda dependem de solução. A cobrança ocorreu durante visita do titular da SSP (Secretaria da Segurança Pública), Alexandre de Moraes, a Ribeirão Preto, no último dia 20 de outubro. Moraes esteve na região para três compromissos. Ele esteve em Guatapará, onde inaugurou o novo prédio da Delegacia do Município. Segundo o presidente em exercício do Sinpol, Célio Antonio Santiago, o prédio anterior estava oferecendo riscos à integridade dos policiais civis e da população que recorria à delegacia. “Havia enormes rachaduras, o imóvel estava escorado e corria até risco de desabamento. A situação perdurou por alguns anos, por falta de vontade do governo em proporcionar mais dignidade a toda a população de Guatapará”, dispara Célio. Em seguida, Moraes reuniu-se com dezenas de policiais civis, a grande maioria composta por delegados, no auditório da ACI (Associação Comercial e Industrial) de Ribeirão Preto. O terceiro compromisso do dia ocorreu na Câmara Municipal de Ribeirão Preto. Moraes encontrou-se com representantes dos Consegs. Durante a visita, o secretário da Segurança Pública admitiu que o déficit na região do Deinter-3 (Departamento de Polícia Judiciária do Interior), com sede em Ribeirão Preto e que atende 93 cidades da região, é de 1.100, entre policiais civis e militares. Em entrevista à imprensa, Célio disse que para a região faltam pelo menos 530 policiais civis, sendo 250 investigadores, 200 escrivães e 80 delegados. Moraes anunciou a nomeação de 21 novos policiais civis, sendo cinco escrivães e 16 agentes para toda a área do Deinter-3. “Esse número não é animador. Hoje, dependendo do dia, o cidadão demora até quatro horas para fazer um registro de ocorrência. Todas as cidades têm carência e 21 policiais civis não resolve nada”, acrescenta o presidente em exercício do Sinpol. Moraes rebateu com os jornalistas, durante sua visita. “Policial nunca é demais, obviamente. Mas com esses policiais, vamos poder distribuir entre as 10 regiões, porque há locais em que, mesmo estando prevista a necessidade formal de mais agentes, os índices de criminalidade demonstram que não há necessidade”, disse. Reivindicações No documento entregue ao secretário, o presidente em exercício, Célio, e a diretora secretária Fátima Aparecida Silva enumeraram todas as reivindicações que ainda não foram respondidas pelo governo. “Queremos respostas imediatas. Já encaminhamos a pauta há vários meses e o governo vem se esquivando, numa atitude de desrespeito à categoria”, avalia Célio. A pauta constou os seguintes itens: - Agilidade na criação do GT (Grupo de Trabalho) para a real valorização do NU (Nível Universitário) das carreiras de investigador e escrivão; - Garantia da paridade e integralidade nos moldes da LCF (Lei Complementar Federal) 144/ 2014; - Não retroagir a Classe do policial ao se aposentar, mesmo que ele não tenha cinco anos na mesma; - Valorização efetiva das carreiras que antes exigia-se nível fundamental e hoje passaram a nível médio para ingresso na Instituição; - Equiparação do Auxílio Alimentação dos policiais civis ao dos policiais militares; - Estender o bônus por produtividade na redução da criminalidade a todos os policiais civis, indistintamente; - Aumento urgente dos recursos humanos; - Revisão do horário de ingresso dos presos no CDP (Centro de Detenção Provisória), pois atualmente muitos acabam sendo levados para a Cadeia de Santa Rosa de Viterbo, promovendo deslocamentos desnecessários; - Fim da reengenharia, que não resolve o problema real da Polícia Civil, que é a falta de efetivo; - Melhoria da estrutura física nas delegacias e dos armamentos utilizados pela Instituição. Moraes recebeu o documento, mas não adiantou data para responder os questionamentos. Célio lembrou da insatisfação coletiva, tanto dos policiais civis, quanto da população e encerrou o encontro dizendo que acredita na boa vontade do secretário em resolver as pendências. Ciclo Completo de Polícia Uma semana antes do encontro com o secretário da Segurança Pública em Ribeirão Preto, diretores do Sinpol estiveram na ALESP (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo) para participar do seminário do Ciclo Completo de Polícia. Os seminários estão sendo realizados em várias capitais brasileiras e são de iniciativa da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara Federal, com o objetivo de colher informações das mais diversas a respeito do Ciclo Completo, que, segundo diretores do sindicato, nada mais é que dar à Polícia Militar o direito de fazer investigações e elaborar autos de prisão em flagrante, ou seja, quem atende a ocorrência fica responsável por ela, inclusive fazendo a comunicação ao poder Judiciário. Continua na página 09 SINPOL COBRA SSP Os diretores do Sinpol, Célio e Fátima, entregam pauta de reivindicações ao secretário da Segurança Pública Alexandre de Moraes e pedem celeridade nas respostas 08 Novembro/2015

[close]

p. 9

Continuação da página 08 Foto: Sinpol A partir da esquerda, os diretores do Sinpol, Fátima, Pallaretti e Célio, durante reunião para discutir reivindicações de carcereiros e outras carreiras Participaram do encontro, representando o Sinpol, seu presidente em exercício, Célio Antonio Santiago; a diretora secretária Fátima Aparecida Silva e o diretor financeiro Júlio César Machado. Em publicação no site do Sinpol, os diretores do sindicato explicam que o Ciclo Completo trata-se de uma “usurpação de função” através da ação legislativa e a presença dos sindicatos nas audiências visa contrapor os argumentos da Polícia Militar, pois eles estão afirmando “com todas as letras que a Polícia Civil é ineficaz e que eles, podendo fazer o ciclo completo, resolveriam o problema da segurança pública”. De acordo com o texto, trata-se de uma atitude dos oficiais da Polícia Militar que querem exercer as funções de delegado de Polícia, fazendo todos os atos de Polícia Judiciária. Segundo o comunicado, os militares têm comparecido em massa, lotando galerias. No encontro em São Paulo, porém, houve a presença de muitos policiais civis, sobretudo delegados. Isso surtiu efeito a ponto de dividir os auditórios, o que não vinha ocorrendo em outras capitais onde a discussão ocorreu. Ainda de acordo com a nota publicada no site do sindicato, tudo caminhava bem para a Polícia Militar, mas alguns contratempos ocorreram e alguns discursos, principalmente da sociedade civil, se opuseram aos argumentos da PM e foram claros em afirmar que eles não têm condições de exercer as funções investigativas, dada a formação puramente militar, baseada no princípio da dura hierarquia. Muitos questionamentos foram feitos, inclusive sobre como seriam investigados, neste caso, os crimes cometidos por oficiais de alta patente. O Sinpol está acompanhando tudo de perto, participando das audiências e manifestando sua posição contrária ao Ciclo Completo de Polícia. Carcereiros No dia 22 de outubro, Célio e os diretores Fátima e João Gonçalo Pallaretti reuniram-se na sede do Sinpol para discutir reivindicações dos carcereiros e de outras carreiras da Polícia Civil, sobretudo ao futuro de suas atribuições. A iniciativa do encontro partiu de Pallaretti, pois ele tem sido abordado por muitos carcereiros pedindo uma atuação do Sinpol para que sejam disciplinadas suas atividades já que, por determinação governamental, não haverá mais ingresso na função. O Sinpol fez diversas pesquisas e levantou uma minuta de Projeto de Lei, com estudos diversos, inclusive audiências na ALESP quando Alckmin se posicionou favorável às mudanças quando passou a discutir a reestruturação das carreiras da Instituição. Pela minuta do projeto, carcereiros, auxiliares de necrópsia e atendentes de necrotério passariam a integrar a carreira de agente policial. Com a nova estrutura funcional, seriam estabelecidas as atividades a serem desenvolvidas pelos agentes. O Sinpol firmou compromisso em enviar ofícios à DGP (Delegacia Geral de Polícia), à SSP e ao governador Geraldo Alckmin, para reativar as discussões da minuta do projeto. “Acreditamos que não haverá rejeições, pois interessa aos servidores e ao governo. Devemos marcar audiência com as autoridades competentes para levar a questão adiante” ponderou Célio. Ele também lembra aos policiais civis que estejam exercendo funções que não as específicas de sua carreira, para que ajuízem ações buscando a reparação dos danos e, consequentemente, seus vencimentos sejam equiparados aos do cargo que efetivamente estejam empenhando no desvio de função. “O sindicato está de portas abertas para orientar e propor ações em nome de seus sindicalizados”, concluiu Célio. Novembro/2015 09

[close]

p. 10

TRÁFICO DISE RIBEIRÃO Especializada apreendeu mais de 200 quilos de maconha escondida em empresa na zona norte da cidade cia da maconha no local. Possivelmente ele armazenou a droga fora do horário de expediente, para que sua família não desconfiasse de sua atividade criminosa”, explicou o dr. Torrieri. Incineração A droga, avaliada em cerca de R$ 160 mil e que poderia render mais que o dobro aos traficantes, foi incinerada no dia 16 de outubro. Uma grande operação foi montada para levar o entorpecente até um forno industrial na região. “Atualmente, é feita a prova da droga e o material apreendido é incinerado o mais rápido possível, para evitar que haja tentativa de resgate por parte dos criminosos. Todo o procedimento é auditado por integrantes da Vigilância Sanitária e do Ministério Público”, disse o dr. Torrieri. Para que tanto a apreensão da droga, quando sua incineração fosse um sucesso, dr. Torrieri informou que foi utilizado todo o efetivo da DISE Ribeirão Preto. “Diante da quantidade e complexidade da operação, até os policiais civis que estavam de folga foram chamados para participar das operações”, acrescentou. Durante a ação, até uma escada móvel foi utilizada para chegar ao mezanino que serve como depósito. No local, estavam os 287 tabletes de maconha apreendidos. R.P.B., que é um dos proprietários da empresa e confessou ser o responsável pela droga não tinha passagens criminais anteriores. Ele foi preso em flagrante e vai responder por tráfico de drogas. Se condenado, pode pegar pena entre cinco e 15 anos de reclusão. Inicialmente ele foi levado à Cadeia Pública de Santa Rosa de Viterbo e, posteriormente, transferido para o CDP (Centro de Detenção Popular) de Ribeirão Preto, onde seguirá detido à disposição da Justiça. “Só tenho que agradecer a dedicação e o profissionalismo de todos os policiais civis que trabalham na especializada, bem como o apoio irrestrito que sempre foi manifestado por nosso delegado Seccional, dr. Marcus Lacerda, e pelo diretor do Deinter-3 [Departamento de Polícia Judiciária do Interior], dr. João REALIZA APREENSÃO RECORDE Osinski Júnior. Foi a maior apreensão de drogas realizada em Ribeirão Preto durante o ano de 2015. As investigações prosseguem para saber se o acusado apenas guardava a droga para alguém ou se ele também comercializava o entorpecente”, concluiu o dr. Torrieri. A DISE (Delegacia de Investigações Gerais) de Ribeirão Preto realizou, no dia 07 de outubro, a maior apreensão de drogas realizada em 2015 na cidade. Foram nada menos que 207 quilos de maconha, que estavam escondidos em uma empresa que fabrica esquadrias metálicas, localizada na Vila Eliza, zona norte do município. A equipe, comandada pelo dr. Ariovaldo Torrieri Júnior, realizou um minucioso trabalho de levantamento e investigações até ter certeza de que o “bote” seria fatal para o crime organizado. “Investigações preliminares deram conta de que, na empresa, havia uma grande quantidade de drogas escondidas. Na tarde de 07 de outubro, iniciamos a operação que planejamos e, com várias diligências, conseguimos apreender uma quantidade recorde de maconha, o que resultou na prisão do envolvido”, explicou o delegado. Os policiais civis da especializada chegaram até o local com mandado de busca e apreensão. Ao revistar a empresa, eles encontraram a droga escondida dentro de um banheiro químico, no mezanino do local, que funcionava como uma espécie de depósito de objetos de diversos fins na empresa. A dona e um de seus filhos ficaram surpresos com a presença da Polícia Civil. Mas quando a droga foi encontrada, eles ficaram revoltados, pois o outro filho da dona, R.P.B., de 26 anos, confessou que estava escondendo a maconha no depósito da empresa. Em seu depoimento, todavia, ele se negou a dizer quem era realmente o dono do entorpecente, onde ele foi adquirido e como seria comercializado. “Continuaremos investigando. Acreditamos que ele era responsável apenas pela guarda da droga. Mas também estamos avaliando a possibilidade de que ele fornecesse para outros traficantes. O que pudemos apurar é que a mãe e o irmão desconheciam a existên- Dr. Ariovaldo Torrieri Jr., delegado titular da DISE de Ribeirão Preto Quase toda a droga apreendida durante ação já foi incinerada, para evitar tentativa de resgate por parte dos criminosos Foto: DISE Ribeirão Preto 10 Novembro/2015

[close]

p. 11

A ÇÃO Prisão se deu em Goiás após investigações constatarem que eles descobriam donos de veículos furtados e roubados e exigiam resgate pela devolução A equipe do CIP (Centro de Inteligência Policial) da Delegacia Seccional de Polícia Civil de Ribeirão Preto realizou uma grande ação, desmontando uma quadrilha que chantageava donos de veículos furtados e roubados, pedindo resgate para devolvê-los. No total foram presas seis pessoas. As prisões aconteceram no estado de Goiás, onde a maioria dos integrantes da quadrilha residia. Segundo o dr. Gustavo André Alves, titular do CIP, as investigações duraram cerca de dois meses até que a operação fosse deflagrada. Neste período, os policiais civis, com autorização da Justiça, monitoraram as ações do bando, que estavam sediados nas cidades de Goiania e Luziania, ambas no estado de Goiás. Durante as investigações, os policiais civis descobriram que o chefe do grupo, M.J.F. exigia dinheiro das vítimas de furto e roubo de veículos para devolvê-los a seus donos. A equipe descobriu que diversos pagamentos já haviam sido efetuados pelos donos dos veículos, na esperança de reaver seus bens. Através de ligações telefônicas para bases ou Copom (Centro de Operações da Polícia Militar), M. se apresentava como capitão ou tenente da Polícia Militar e solicitava do atendente informações sobre registro de furtos e roubos de veículos registrados nos últimos dias. Ele anotava as placas dos veículos e os dados do proprietário. “Verificamos que havia ligações para bases da PM nas cidades de São Paulo, Limeira, Jundiaí, Casa Branca e nos estados do Paraná, Minas Gerais e Goiás”, disse o delegado. Ele também obtinha os dados do veículo numa página do Facebook do estado do Paraná e de uma comunidade denominada “Veículos furtados/roubados”, na qual vítimas de roubos e furtos postam dados do crime como forma de divulgação para ajuda na localização do automóvel. Após levantar os dados dos veículos e das vítimas, ele entrava em contato com elas. Dizia ter sido o responsável pelo furto ou roubo e negociava uma quantia em dinheiro a título de resgate. Os valores variavam entre R$ 1.500 e R$ 5.000, de acordo com o veículo. Quando o dono do veículo aceitava pagar o resgate para supostamente reaver seu bem, M. então passava os dados de uma conta bancária onde o depósito seria feito. Uma vez confirmado o depósito, o veículo seria entregue entre 30 e 50 minutos, no local previamente combinado com a vítima. Mas isso, na verdade, era um golpe e o veículo não era restituído. Segundo o dr. Gustavo, as investigações começaram quando M. ligou para o CEPOL (Centro de Comunicação da Polícia Civil) para solicitar informações sobre furtos e roubos de veículos. Eles fizeram vítimas em quatro cidades da região de atuação do Deinter-3 (Departamento de Polícia Judiciária do Interior), com sede em Ribeirão Preto e que atende 93 cidades da região. As vítimas são de Serrana, Barretos, Franca e São Carlos. Durante o contato com as vítimas, ele dizia pertencer a uma facção criminosa que atua dentro e fora dos presídios paulistas. Em alguns casos, ele negociava o pagamento de metade do valor do resgate. O restante seria pago somente durante a entrega do veículo. Esse argumento foi decisivo para que muitas vítimas acreditassem que M. estava com o carro e aceitassem a chantagem. Nas investigações, os policiais civis chegaram a sete pessoas que integrariam o bando. Além de M., os outros seis participariam cuidando das contas correntes utilizadas na prática do crime de extorsão. O CIP identificou 28 contas bancárias utilizadas pela quadrilha e pediu seu bloqueio. Também contabilizaram mais de 100 vítimas que caíram no golpe, somente nos últimos dois meses. Eles agiam em pelo menos cinco estados: São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Goiás e Mato Grosso. Acredita-se que o grupo tenha movimentado mais de R$ 5 milhões. Operação Para a prisão do grupo, os policiais civis do CIP conseguiram autorização judicial e saíram na madrugada de 13 de outubro, rumo a Goiás. Toda a equipe do CIP foi mobilizada em duas viaturas para a ação. Além e M., foram presos também sua esposa C.P.C., J.J.G., R.P.M., K.L.P.C. e G.P.S. Apenas R.R.S.R. não foi encontrada e é considerada foragida. Durante a prisão do chefe do grupo, os policiais encontraram em seu poder uma caminhonete avaliada em cerca de R$ 100 mil, com equipamentos potentes de som, avaliados em R$ 20 mil. Para realizar a ação, o CIP teve apoio da Polícia Civil de Goiás. “Durante a prisão, M., chefe do grupo, disse que aprendeu a executar esse tipo de golpe enquanto esteve preso por outro crime. Ele também reclamou da crise e disse que o movimento no último mês estava fraco, ele havia faturado ‘apenas’ R$ 100 mil”, concluiu o dr. Gustavo. Além do delegado, participaram da ação os investigadores Piovani, Edson, Santini e as escrivãs Adriana e Leila. INTELIGÊNCIA PRENDE QUADRILHA DE GOLPISTAS Parte da equipe do CIP, a partir da esquerda: Piovani, Leila, dr. Gustavo, Adriana e Edson Novembro/2015 11

[close]

p. 12

ANIVERSARIANTES A vida é um milhão de novos começos movidos pelo desafio sempre novo de viver e fazer todo sonho brilhar. Feliz Aniversário aos nascidos em dezembro! 1 Liliane Garcia Rodrigo Salvino Patto 2 Reinaldo Takeo Aono Izabel Cristina de C. Ramos Giovani Silveira de Andrade Vandemir Cássia da Silva José Potoloha Claudemir Roberto Silva 3 Maria Helena Masson Neres Marlene Mathias Figueira Gabriel Marduy Tosta 4 Maria Luiza Félix Manço Mauro Antonio Coraucci José Eduardo Baldo Geraldo de Araújo Belli Júnior Neiva Alda Candido Roberto Abud 5 Daniel Cândido de Souza Alexandre Luís Seridonio 6 Cláudio Salles Marta Dellacorte Barboza Maria Aparecida Trebbi Maria das Graças Silva 7 Carlos Vedovato Neto Antonio Flávio Barbosa Sílvio Antonio de Paula Perisse Newton José Cucolicchio Júnior João Riberto de Jesus Ramires 8 Vera Lúcia Rampim Viola Elizabete Aparecida Mafra Sérgio Luís de Lima Carvalho 9 Sônia Maria Mello de Paula Luiz Carlos Fazzio Odair Aparecido Camargo Carlos Henrique Carneiro Scarparo 10 Aldo Abbad José Carlos de Moraes Cássio Antonio Alexandrini Heverson Luciano Barbosa Marcelo de Paula Mello Ana Cristina Gomes de Faria 11 José Olívio Brigato Valdir Ferreira de Moraes Pedro Levorato Andréia Ferreira MEMÓRIA EQUIPE ELOGIADA 22 Renato Fernandes Sérgio Morari Sérgio Salvador Siqueira Tânia Cristina Machado Vera Lúcia Nucci Beggiato Roberto Luiz Bezerra Ferreira 12 João Roberto de Carvalho Motta Sérgio Pires 23 Luzia Aparecida Capela Americano Verônica Regina dos Santos Eunice de Amorin Ferreira Reinaldo José Sanches Said de Souza Silva Filho Marcos Ivan Garcia Luiz Antonio Barbosa 24 Maria Inês Rosa Martha Helena Coelho José Luís Possati Moraes Sandra Valéria Coimbra Passeto Nilton Carlos Lopes Luiz Augusto Stesse Cláudio Hilário Pereira Vinícius Aleixo 13 25 Luzia das Graças S. J. Chiarelli Ildo Fernando Melani Sônia Luzia de Aguiar Monteiro Heloísa Maria Tristão Sílvia Luzia Lazaretti Lázaro Natalino Gregório Aparecido de Paula Totoli Rita de Cássia Vieta Cacildo Gonçalves Netto Júnior Manoel Natalino Alves Lopes 14 Paulo Antonio Silveira Antonino Bairon Elyseo Brandão A DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Ribeirão Preto sempre teve em seus César Augusto Jaime Alexandro Leandro de Oliveira quadros policiais civis que se destacaram no combate ao crime. Em março de 2005, César Augusto Seridônio 15 uma dessas equipes recebeu elogios por uma ação no site da SSP (Secretaria da Osmar Balmant Ailton Martins de Oliveira Segurança Pública). Na ocasião, veículos roubados eram escondidos em uma fazenda Marcel Gomes Nogueira José Gonçalves dos Santos Cristian César Moraes da Silva Alfredo Hermano Carrara na cidade de Cajuru. Na ação, além de recuperar diversos veículos, prenderam o Carlos Alberto de Jesus G. Ferreira Selvito de Souza Filho caseiro por receptação e posse de arma. Na foto, parte da equipe elogiada na SSP. Jesus Carlos Rodrigues da Silva Iremar José Alves Sempre a partir da esquerda, no degrau mais alto, Piovani, Guilhermiti e Daniel. Ao 26 Marco Enrique Cardoso Malanotti centro o então chefe dos investigadores, Floriano e Selvito. No degrau mais baixo, Luiz Carlos De Stefano Sérgio Luís Anello Vedovato e Henrique. José Ricardo João Archibaldo Brasil Martinez de Márcia Marino Vieira Francischetti Camargo Gilmar Antonio de Almeida 16 Décio Kury Marques José Gilberto Martins Lourenço O Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto está mantendo um acervo Ademir Delfino de Souza Laura Maria dos Santos de imagens relacionadas à Polícia Civil. Para tanto, a Diretoria está incentivando a 27 Edson Aparecido de Carvalho participação de associados que tenham em seus arquivos fotografias que possam Carlos César Alves José Armando Fantini Ariovaldo Torrieri Júnior Adilson Borges da Silva ilustrar diferentes aspectos da história da Instituição. “Temos certeza que muitos Antonio Carlos Espíndola 17 colegas guardam várias fotos com lembranças de reuniões, eventos e de situações Fátima Aparecida Pedrussi Olavo Elias dos Santos cotidianas dentro da Instituição, com um valor inestimável pelas lembranças que Rodrigo Milan Bavieira Marcelo Batista de Sousa representam”, ressalta o presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata. Os 28 Cláudio Messias Alves interessados em colaborar com esse resgate da memória da Polícia Civil da região Lázaro Amâncio de Barros Netto 18 podem entrar em contato com a Secretaria do Sinpol, através dos telefones (16) 361229 Regina Célia Tonhão de Abreu 9008, 3625-3890 e 3979-2627, ou do e-mail sinpolrp@sinpolrp.com.br. “As fotografias Rosilene Siena Rocha David de Barros Valins 19 João Samuel Moreira Souto serão digitalizadas e prontamente devolvidas aos seus proprietários”, garante Tharcílio Panosso Júnior Nair Celis Magallini Eumauri. O material reunido pelo Sinpol será publicado no Jornal do Sinpol e no site da Ivo Alves Mendonça Moysés Pereira dos Santos entidade (www.sinpolrp.com.br). Sandra Galvão Nogueira Carvalho Jarbas Genova de Paula Júnior 20 30 Shigeyuki Miura Wilson Aidar Júnior Lúcia Helena da Silva Carvalho João Carlos Alves II José Antonio Lopes de Lacerda 31 21 Reginaldo Aparecido Malimpensa José Claudino da Rocha Neto João Arnaldo Damião Melki Francisco José Coelho Antonio Athanásio da Cruz Júnior Amauri Zanardi Jair Gonzaga DO FUNDO DO BAÚ O Sinpol lembra aos aniversariantes que é preciso fazer o recadastramento anual junto ao Banco do Brasil, em qualquer agência ou naquela onde receber seus vencimentos ou, em caso de portabilidade, no banco em que o beneficiário optou. Quem não se recadastrar corre o risco de ter os vencimentos suspensos. 12 Novembro/2015

[close]

p. 13

JURÍDICO A luta do Sinpol para que seus associados mantenham o direito já conquistado à aposentadoria especial continua. Há alguns anos o sindicato vem travando uma verdadeira batalha nos tribunais para garantir a paridade e a integralidade ao policial civil que pretende se aposentar. É que o governo vem insistindo em não manter esses benefícios, o que, segundo o presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, representa uma perda substancial no salário de quem se aposenta. “Antes tínhamos a LCF [Lei Complementar Federal] 51/1985, utilizada em todos os estados e Distrito Federal, exceto no estado de São Paulo. O governo insistia numa famigerada LCE (Lei Complementar Estadual) 1062/2008, que prejudicava o rendimento de quem se aposentava. A solução foi garantir o direito do policial civil na Justiça”, justifica Eumauri. Imediatamente o sindicato passou a pleitear mandados de segurança aos seus associados, garantindo assim esse direito. E tem contabilizado dezenas de vitórias. Eumauri decidiu, então, acionar o departamento jurídico para outra briga: reverter as aposentadorias da LCE 1062/2008 para o que era nos moldes da LCF 51/85 e agora da LCF 144/ 2014, que atualizou a lei anterior. E também tem conquistado vitórias nesse sentido. No mês de outubro, os advogados Ricardo Ibelli e Viviane C. Ibelli Pinheiro anunciaram mais quatro conquistas para associados. Todas elas relativas a mandados de segurança garantindo aposentadoria com paridade e integralidade aos policiais civis associados ao Sinpol - uma delas, inédita. O agente polical de Ribeirão Preto, Sebastião Flauzino Ferreira Júnior, conquistou mandado de segurança para se aposentar pela LCF 51/85 (144/ 2014). Ele perdeu em primeira instância, o jurídico do Sinpol recorreu e obteve vitória no Tribunal. O escrivão de Franca, Milton Caetano Faria, obteve vitória em primeira instância para se aposentar com direito à paridade e integralidade. Já o agente policial de Restinga, Otaviano dos Santos Boemia, perdeu a ação em primeira instância, o jurídico recorreu e obteve vitória no tribunal. Ele também terá direito a se aposentar com direito à paridade e integralidade. Liminar A quarta vitória do departamento jurídico sig- MAIS VITÓRIAS, UMA INÉDITA Empreendimentos residenciais específicos continuam atraindo a atenção de investidores e interessados na tão sonhada casa própria O mercado imobiliário encontra espaço para continuar crescendo, apesar da crise econômica que atinge vários setores da economia nacional. Prova disso é o resultado obtido pela equipe de consultores da Golden House Consultoria Imobiliária. A empresa obteve um grande sucesso de vendas no Residencial Mirante do Bosque. O empreendimento, localizado no Jardim Anhanguera, zona leste de Ribeirão Preto, inicia a partir deste mês a entrega de suas unidades para mutuários com a assinatura dos financiamentos junto à Caixa Econômica Federal. Com a obra executada pela construtora A Costa, o Mirante do Bosque está sendo entregue dentro do prazo previsto em contrato. Agora a Golden House está iniciando as vendas de mais um lançamento da A Costa: o Residencial Barão do Bananal. Com localização privilegiada na Av. Barão do Bananal, 950, também na zona leste de Ribeirão Preto, o empreendimento destaca-se pela excelente qualidade de construção. “Comercializado por um valor totalmente acessível, com financiamento facilitado pelo Banco do Brasil, temos à disposição um quadro de consultores imobiliários prontos para dar aos interessados o melhor atendimento, procurando atender a cada comprador de uma forma que os pagamentos se encaixem dentro de suas possibilidades e facilitando o financiamento junto ao agente imobiliário”, explica Daniel Falconi, diretor da Golden House. A construtora A Costa, responsável pelos dois empreendimentos, é tradicionalmente conhecida por sua política de qualidade. Credenciada pelo ISO 9001, apresenta alto padrão para esse tipo de empreendimento, um grande diferencial no mercado imobiliário. Além disso, sempre entrega suas obras antes do prazo previsto, favorecendo seus clientes, que podem ter um melhor planejamento para receber seus apartamentos. A equipe de consultores imobiliários da Golden House está atendendo aos interessados no Espaço de Negócios, localizado na Av. Barão do Bananal, 950. Também atende pelos telefones (16) 3618-4351 / 3618-7671. O Espaço está aberto todos os dias, inclusive sábados, domingos e feriados. Indo ao local e conhecendo melhor os empreendimentos, a empresa e a equipe de consultores imobiliários, fica-se com uma excelente impressão do que é visto e constatado. Faça uma visita no local para conhecer os apartamentos decorados. O apartamento dos seus sonhos está mais perto do que se imagina. Serviço: Residencial Barão do Bananal Espaço de Negócios à Rua Barão do Bananal, 950, Ribeirão Preto - SP MERCADO Informe Publicitário HABITACIONAL SEGUE AQUECIDO nificou uma grande conquista na luta do Sinpol. A delegada em Ribeirão Preto, Luciana Cristina Mioto Marques, ganhou o direito de se aposentar liminarmente. “Normalmente, em primeira instância, o juiz dá o mérito, não a liminar. Esse foi o primeiro caso de um associado que foi beneficiado com a liminar”, comemora Eumauri. A decisão foi objetiva: “Isto posto, defiro a liminar para que seja processado o pedido de aposentadoria especial da impetrante com paridade e integralidade. Intimemse as autoridades impetradas para disso cumprimento, requisitando-se as informações de estilo, e, a final, dar-se vista ao Ministério Público”, despachou o juiz responsável pelo caso, na 10ª Vara da Fazenda Pública. Novas vitórias são esperadas, pois o Sinpol ingressou e continua ingressando com ações pleiteando o mandado de segurança para corrigir o que o sindicato considera injustiça, o não cumprimento da aposentadoria especial, com paridade e integralidade, que o policial civil tem direito. “Temos essa frente de ação. Temos também a chamada reversão de aposentadoria, garantindo aos que se aposentaram pela 1062/2008 o direito à paridade e integralidade. Mas nosso jurídico também está pronto para defender os policiais civis contra todo o tipo de arbitrariedade. Na dúvida, sempre consultem o sindicato”, concluiu Eumauri. Equipe de consultores imobiliários da Golden House está preparada para oferecer as melhores opções aos interessados Eumauri e Ibelli têm lutado e garantido a diversos associados o direito a se aposentar com paridade e integralidade Perspectiva do Residencial Mirante do Bosque, sucesso de vendas e entregue dentro do prazo previsto Novembro/2015 13

[close]

p. 14

LEGISLAÇÃO Suspende, no corrente exercício, a aplicação do disposto no artigo 5º do Decreto nº 25.013, de 16 de abril de 1986, para os integrantes das carreiras policiais civis em exercício na Secretaria da Segurança Pública GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, Decreta: Artigo 1º - Fica suspensa, no corrente exercício, a aplicação do disposto no artigo 5º do Decreto nº 25.013, de 16 de abril de 1986, para os integrantes das carreiras policiais civis em exercício na Secretaria da Segurança Pública. Artigo 2º - As férias que vierem a ser indeferidas em decorrência da aplicação do disposto no artigo 1º deste decreto serão gozadas na seguinte conformidade: I - se o policial civil já tiver usufruído parte das férias correspondentes ao exercício de 2015, o restante será gozado em 2016; II - na hipótese contrária, pelo menos 50% (cinquenta por cento) serão gozadas no exercício de 2016, devendo o eventual saldo ser usufruído em 2017. Artigo 3º - Este decreto entra em vigor na data de sua publicação. Palácio dos Bandeirantes, 29 de setembro de 2015 GERALDOALCKMIN Publicado na Secretaria de Governo, aos 29 de setembro de 2015. DECRETO N. 25.013, DE 16 DE ABRIL DE 1986 Fixa orientação para pagamento de períodos de férias não gozadas por absoluta necessidade do serviço e/ou de licenças-prêmio, não usufruídos ou não utilizadas para qualquer efeito legal, e dá outras providências FRANCO MONTORO, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais e, Considerando que funcionários públicos, após a concessão de sua aposentadoria, vêm ingressando com ação judicial contra o Estado, pleiteando o pagamento, em pecúnia, dos períodos de férias e licenças-prêmio não usufruídos por absoluta necessidade do serviço; Considerando que, em face da jurisprudência mansa e pacífica da Justiça, os autores vêm obtendo sucesso no seu pleito; Considerando que há necessidade de se fixar orientação normativa, objetivando a solução dessas questões, evitando-se, assim, o surgimento de novas ações judiciais; Considerando, ainda, a necessidade de que, anualmente, os funcionários e servidores usufruam efetivamente, suas férias regulamentares, Decreta: Artigo 1.º - Ao funcionário público ou ao servidor da Administração Centralizada e Autarquias do Estado fica assegurado o direito, por ocasião da aposentadoria, de pleitear o pagamento dos períodos de férias indeferidos por absoluta necessidade dos serviços e/ ou licenças-prêmio averbados para gozo oportuno, vencidos até 31 de dezembro de 1985 e não usufruídos ou utilizados para qualquer outro efeito legal. Artigo 2.º - O direito à percepção da indenização de que trata o artigo anterior dependerá de petição do funcionário público ou servidor, que deverá ser formulada quando requerida a aposentadoria. Artigo 3.º - O cálculo da indenização a que se refere o artigo anterior será efetuado com base nos vencimentos, remuneração, salários e demais vantagens incorporadas vigentes a época do efetivo pagamento. Artigo 4.º - As autoridades competentes adotarão as medidas administrativas cabíveis a fim de que, necessária e obrigatoriamente, o funcionário público ou servidor usufrua, anualmente, seu período de férias regulamentares. Artigo 5.º - A partir da data da publicação deste decreto ficam vedados os indeferimentos de férias dos funcionários e servidores por absoluta necessidade de serviço. Parágrafo único - Os períodos de licençaprêmio adquiridos a partir de 1.º de janeiro de 1986 deverão, necessária e obrigatoriamente, ser usufruídos pelo funcionário ou servidor premiado, mediante apresentação de requerimento específico , sob pena de, não o fazendo, enquanto em atividade, ter o seu direito perempto. Artigo 6.º - As despesas decorrentes com a aplicação deste decreto correrão a conta das dotações próprias do orçamento-programa vigente. Artigo 7.º - Este decreto e suas Disposições Transitórias entrarão em vigor na data de sua publicação. Disposições Transitórias Artigo 1.º - O funcionário público ou servidor, que já tenha passado a inatividade e que faça jus à indenização prevista neste decreto, poderá pleiteá-la dentro de 60 dias contados da data de sua publicação, efetuando-se o cálculo correspondente na forma prevista em seu Artigo 3.º. § 1.º - A petição será acompanhada de declaração do interessado, na qual declare a inexistência de reclamação judicial do mesmo direito. § 2.º - Se já houver ação ajuizada juntar-seá a prova de sua desistência. Artigo 2.º - Os atuais funcionários públicos ou servidores, em exercício, que já preencham ou quando vierem a preencher as condições necessárias à aposentadoria e façam jus à indenização prevista neste decreto, poderão pleiteá-la dentro do prazo de 60 (sessenta) dias, contados da data em que completarem o interstício para aposentação, efetuando-se o cálculo correspondente na forma prevista em seu Artigo 3.º. Palácio dos Bandeirantes, 16 de abril de 1986. FRANCO MONTORO DECRETO Nº 61.518, DE 29 DE SETEMBRO DE 2015 14 Novembro/2015

[close]

p. 15

NOVA SEDE Aproxima-se a hora da inauguração da nova sede social do Sinpol. A parte de edificação foi quase toda concluída na estrutura do prédio. Os operários já estão trabalhando no acabamento interno da obra e é possível perceber a grandeza do projeto que vem sendo executado. Em 2016 o Sinpol deve, finalmente, ocupar sua tão sonhada nova sede social, especialmente planejada para bem receber os policiais civis de toda a região. O local vai contar com um grande e estruturado salão de festas, tornando-se uma opção a mais para o policial civil que pretenda organizar seus eventos com qualidade e economia. Além disso, terá salas para abrigar todos os departamentos, além de um auditório para eventos e cursos de aprimoramento profissional que poderão ser realizados nas dependências do Sinpol. O imóvel, segundo o presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, vai beneficiar não somente a categoria como também os moradores daquela região e a sociedade ribeirão-pretana em geral. O prédio está sendo edificado na Avenida Francisco Massaro Farinha, esquina com a rua Pedro Pegoraro, que é uma travessa da Av. Leão XIII, na Ribeirânia, atrás do Campus da Unaerp (Universidade de Ribeirão Preto) e terá área total construída de 1.600 m², está sendo erguido em um terreno com área total de 2.247,95 m². O presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, convida todos os associados que tenham interesse em visitar as obras e conhecer como será a nova sede social do sindicato. Os custos da obra também estão à disposição de todos os interessados, com total transparência. Uma comissão de associados foi formada para acompanhar passo a passo o que é investido no local. As obras foram iniciadas no dia 06 de março de 2012. Acompanhe nas fotos o atual estágio da obra. Novembro/2015 15

[close]

Comments

no comments yet