Revista RADAR 109

 

Embed or link this publication

Description

Revista RADAR 109 que traz noticias de Presidente Venceslau e Região.

Popular Pages


p. 1



[close]

p. 2



[close]

p. 3

Carta do Leitor Em tempo difícil como o atual, até os mais otimistas tremem na base. O emaranhado de informações que chega pela internet, revistas, jornais, rádios e até o que a gente ouve nas rodinhas de bate-papo, sempre traz dúvidas, que transformam em receio depois, desconfiança, e por fim, medo. Essa é a realidade atual do mercado financeiro do país. Com o governo instável, devedor e pouco confiável, os cenários para qualquer investimento são difíceis. Digo isso, porque até para se fazer uma revista deste porte, é preciso pensar muito e trabalhar todos os detalhes com cuidado para não sair no prejuízo. Assim tem sido em vários setores da economia, e Presidente Venceslau não é uma exceção. Notamos isso na ciranda de negócios que vem ocorrendo na cidade nos últimos meses. São empresas que fecham, outras que abrem e algumas que se mantem no fio da navalha esperando que de bom aconteça com o país. Mesmo assim estamos aqui com mais um exemplar de Radar. A revista Radar traz na capa e como matéria principal a homenagem feita ao empresário Bruno Luiz Leonardi, do Grupo Leonardi. Este senhor de mais de 80 anos merece todos os elogios possíveis pela sua trajetória de vida e de amor a Presidente Venceslau, cidade que adotou como sua desde a sua vinda ainda jovem do Rio Grande do Sul. Um dos problemas que parece que veio junto com a crise economica do país foi o da violência. Presidente Venceslau experimentou nos últimos meses ocorrências policiais de furtos e roubos em residências com homens armados. Algo assustador. Rapidamente as autoridades iniciaram posicionamento de defesa com as ações do judiciário, Ministério Público, policias e Conseg - Conselho Municipal de Segurança. Temos uma entrevista com o presidente do Conseg, Antonio Francelino, abordando vários assuntos relacionados à segurança no município. CAPA HOMENAGEM Bruno Luiz Leonardi, do Grupo Leonardi, recebe Título de Cidadão Benemérito de Presidente Venceslau. Quatro páginas com matéria completa da vida do empresário. Pág. 08 ENTREVISTA Antonio Francelino Pág. 02 Queda de torres deixa região sem energia Pág. 14 APAGÃO Prefeito Dudu contrói ponte de 48 metros Pág. 28 PIQUEROBI Luiz Carlos Hiroiti, empresário da LCM Pág. 36 LCM 06 PEQUENAS NOTAS Inaugurações. Recapeamentos. Pátio de Veículos. 12 ASSOCIAÇÃO DA FAIVE Feira é realizada com sucesso e tem lucro. 16 CONSEG Atuação do conselho consegue reunir autoridades EXPEDIENTE Projeção Revistas e Prop LTDA-ME Direção: Isabel Cristina M. D. Moré Rua: Henrique Dias, 163 Fone: (18) 3271-6795 E-mail: isabel.more@hotmail.com CNPJ: 19.492.054/0001-40 Presidente venceslau-SP CTP, Impressão e acabamento CIPOLA - Inteligência Gráfica Rua: Átila Bitencourt, 152 Fone: (18) 3311-0510 www.cipola.com.br Presidente Prudente - SP RADAR 18 IMPACTO PESQUISAS Quatro páginas com os melhores de Presidente Venceslau 22 ETEC Empreendedorismo, Empatia e Amorosidade 41 ARTIGO Dr. Tácito Cortes com o artigo “Leitura” Direção de Jornalismo: Toninho Moré Designers: Thadeu Arias Diagramação: Thadeu Arias / Isabel Moré Fotografia: Mauricio Barbosa / Toninho Moré Publicidade: Carlos Breith / Homero Silva / Everton Toninho Moré Redação: Claudio Almeida / Toninho Moré Jornalista Responsável Gustavo Dantas L. Moré MTB 54.156/SP Tiragem 1.500 exemplares Término desta edição 12h08 do dia 29/10/2015 Boa Leitura! Toninho Moré 01

[close]

p. 4

ANTONIO FRANCELINO DA SILVA, 61 anos. Perito Judicial há 29 anos. Bacharel em Direito. Formado em Administração de Empresas e Contabilidade. Casado com Silvia Ribeiro e Silva. Dois filhos: Rafael e Milena. Um neto, Matheus de dois anos. Radar – O senhor é natural de onde? Francelino – Sou venceslauense, filho de Joaquim Francelino da Silva e Geralda Rodrigues da Silva, já falecida. Tenho duas irmãs, Maria Roseli e Maria Clarice. Radar – Sempre viveu em Presidente Venceslau? Francelino – Sim. Passei minha infância, juventude e agora a vida adulta em Presidente Venceslau, cidade que amo e luto pelo seu bom convívio social. Radar – É integrante de alguma entida02 RADAR

[close]

p. 5

de na cidade? Francelino – Sou rotariano há 28 anos. Fui presidente no periodo de 1998/1999, conseguindo um projeto em parceria com o Rotary Club da Argentina com a doação de 12 computadores para a Guarda Mirim de Presidente Venceslau. Mantenho uma atividade frequente no clube e participo de todas as suas ações. Também como rotariano encarei a presidência do Conseg – Conselho de Segurança de Presidente Venceslau, assumindo a presidência pela segunda vez. Radar – O senhor foi vereador em Presidente Venceslau? Francelino – Sim, de 1988 a 1992. Fui vereador constituinte na elaboração da Lei Organica. Tivemos uma passagem feliz, onde juntamente com o colega vereador Luiz do Vale, fomos autores do Projeto de Lei que extinguiu a aposentadoria dos vereadores e a redução do número de vereadores de 15 para 9. Durante os quatro anos como vereador fui presidente da Comissão de Finanças e Orçamento da Câmara Municipal. Meu sucesso como vereador devo a imprensa local nas pessoas do senhor Clóvis Moré e Antonio Carlos Moré. Fui também presidente da Associação Comercial de 1988 a 1989, onde fiz um projeto ousado com a abertura do comércio à noite na primeira sexta-feira após o pagamento. Foi um sucesso, sendo elogiado por grandes lojas que chegaram a vender tanto quanto uma véspera de Natal. Radar – Quando foi a sua outra passagem pelo Conseg? Francelino – Foi de 1.999 a 2.001. Como presidente, coloquei sistema de monitoramento de imagem na Cadeia Pública de Presidente Venceslau. Fizemos junto com o Promotor da Infância e Juventude várias reuniões nas escolas com os pais na tentativa de solucionar o problema da época “Gangue da Real”. Explicando melhor, essa questão envolvia jovens que se juntavam e obrigavam outros que estavam sozinhos a darem a quantia de R$ 1,00, e isso em vários pontos da cidade. O Conseg junto com o Dr. Lincoln Gakya, Promotor Público da Infância e Juventude, Rotary Club e Guarda Mirim, conseguiu medidas sócio-educativa importantes, evitando assim encaminhamento dos envolvidos à Febem e em pouco tempo dando fim ao problema. Também utilizamos um sistema de recepção de sugestões através da instalação de urnas nos bancos pedindo para que as pessoas deixassem ali de maneira anônima, os problemas que elas verificavam no tocante a segurança pública em seus bairros. Deu certo e através dessas sugestões pudemos resolver vários assuntos envolvendo RADAR drogas, pequenos furtos e problemas no trânsito. Conseguimos também o aumento do efetivo da Policia Militar que era um pleito do comandante de longa data, através do Conseg junto ao Secretário de Segurança Pública. Radar – E as coisas mudaram daquela época para cá com relação à segurança pública? Francelino – Sim, hoje o efetivo é maior e a dinâmica de trabalho dos agentes na área de segurança pública é diferente e mais eficiente do que no passado. Temos a presença da comunicação através da internet e outros meios que facilitam o trabalho da polícia. Por outro lado as responsabilidades aumentaram. Hoje a Polícia Militar é responsável pela segurança da P2, transporte de presos para outras localidades, e estaremos fazendo gestão junto ao governo do estado para que esta situação se modifique, passando a responsabilidade de policiamento da Penitenciária 2 e transporte de presos para seus setores competentes que são ligados à administração penitenciária, através dos AEVP – Agente de Muralhas, e sistema de escolta. Se conseguirmos, teremos a presença de pelo menos 40 policiais há mais a disposição das rondas ostensivas na cidade. Radar – E o que o Conseg pretende fazer no momento? Francelino – Temos uma série de problemas na comunidade. Perturbação no sossego público, menores envolvidos com pequenos furtos, alunos assediados em volta das escolas por supostos traficantes, menores envolvidos com álcool, brigas de jovens nas proximidades das escolas e problemas de concentração de jovens em áreas livres com vendas de bebidas por ambulantes a menores e outros problemas relativos à parte administrativa de quem cuida da segurança pública. Radar – Foi feita alguma coisa pelo Conseg? Francelino – Nas reuniões constantemente esbarrávamos no problema legal alegado pela polícia civil e polícia militar quando iam para determinada operação, ou seja, perturbação ao sossego público, como fazer a abordagem; escapamento aberto e barulhos de motos de madrugada. Eram problemas que deixavam a polícia militar sem amparo para atuação. Diante de tal problema, solicitamos reunião no Fórum local com a presença de juízes e promotores que foram solidários e prestativos dando todo apoio às ações da policia militar e civil que forem para o bem da comunidade. Foi uma reunião onde esclarecemos uma série de dúvidas, analisadas pelos juízes e promotores e demais autoridades presentes que chegaram ao consenso de que devemos realmente encarar esses problemas pontuais e solucioná-los, tanto que a diretora do Fórum, Dra. Daiane, deixou as portas abertas para marcarmos outra reunião e analisar como foi o desempenho das metas traçadas neste periodo Radar – E quanto à venda de bebidas para menores? Francelino – Este é um problema que já vai para a alçada da administração municipal que também já foi discutida com o representante do prefeito na reunião que tivemos no Fórum. Foi solicitada a criação de um grupo de fiscais da prefeitura para coibir a venda ambulante de bebidas alcoólicas em locais de eventos abertos. A mesma só poderá ser feita através da expedição de alvarás. Isso facilita o trabalho de policiamento e combate o problema, já que eles não respeitam a lei que proíbe a venda de bebidas alcoólicas a menores. Radar – O Conseg vai agir na questão de atendimento de presos na Santa Casa, que também é algo que envolve riscos à segurança da população? Francelino – Vamos sim envolver todas as autoridades, e porque não a comunidade inteira nesse assunto. Sugerir ao governador que solucione o problema. Não sabemos se a construção de um hospital, a criação de um programa de atendimento especifico ou outra ação, o que queremos é que não tenhamos que ficar de frente com presos, policiais armados nos corredores da Santa Casa, helicópteros sobrevoando o hospital, sem considerarmos os custos desta operação. Queremos soluções e não discussões políticas sobre o assunto. É muito desagradável o cidadão deixar de ser atendido para dar prioridade a alguém que vem de um presídio e que está sob custódia direta do estado. Radar – O senhor tem recebido respaldo da diretoria e população sobre esses trabalhos iniciais desta gestão no Conseg? Francelino – Tenho. Todos os meus diretores estão sempre nos prestigiando nas reuniões, recebo apoio do Rotary Club e sou abordado constantemente por membros da comunidade, falando sobre a segurança. Radar – Está satisfeito? Francelino – Estou satisfeito e feliz por morar em Presidente Venceslau. Radar – Qual sua mensagem? Francelino – Minha mensagem e de fé e confiança e de que devemos acreditar no povo de Presidente Venceslau. n 03

[close]

p. 6

A nossa trajetória se confunde com a do empresário Bruno Luiz Leonardi que acaba de receber do legislativo venceslauense o título de Cidadão Benemérito de Presidente Venceslau. Seu pai Paulo Raimundo Leonardi é um dos fundadores de nossa empresa e incentivador de sua continuidade através da história. Temos imensa gratidão pela Família Leonardi e neste momento de significada importância na vida de Bruno Leonardi em que toda uma cidade reconhece o seu valor nos unimos aos nossos clientes, funcionários e diretoria para também parabenizar este grande homem. Parabéns Bruno Luiz Leonardi, temos orgulho de trabalhar com suas empresas e receber do senhor todo incentivo para o nosso desenvolvimento e crescimento. Sérgio Fernandes Ruiz Mário Sérgio Ricci e equipe do Escritório Visão

[close]

p. 7



[close]

p. 8

Recapeamento A população observa mas não reclama. Vários corredores importantes de Presidente Venceslau estão necessitando de recapeamento, tipo o que foi feito pela Viapav, na Vila Nosso Senhor do Bonfim. Um deles é o trecho de canteiros centrais da Avenida Jorge Tibiriçá e da via que liga a cidade ao Jardim Eldorado, passando pelo Fórum. Com a chegada da época de chuvas, a tendência é o de aparecimento de muitos buracos no asfalto. n Vereadores na revista Elogiados por muitos leitores. A direção de Radar recebeu cumprimentos por ter destacado notas sobre os vereadores de Presidente Venceslau em seu último exemplar. O noticiário político é sempre bem visto, discutido e causa de curiosidade. A edição foi alusiva ao aniversário da cidade e Faive e a presença política do legislativo caiu como uma luva. Mês difícil A+ Calçados Tem gente indo embora da cidade, mas outros estão vindo e investindo. Estamos falando de empresas. A Bifarma arrumou as malas e tirou o time da cidade, mas a A+ Calçados chegou e foi até responsável pela construção do prédio na área central da cidade. Além da crise que o país atravessa fazendo com que várias empresas de Presidente Venceslau passem por dificuldades, os empresários ainda tiveram que amargar uma greve dos bancários onde foram fechadas todas as agências da cidade por mais de duas semanas. Se não fossem os correspondentes bancários, a situação para algumas lojas ficaria insustentável. Grupos de WhatsApp A tecnologia invadiu de vez os meios sociais. Além do Facebook, o meio mais popular das pessoas informarem seu cotidiano a terceiros, agora uma outra onda tomou conta, a do WhatsApp, aplicativo ligado aos meios de telefonia, comunicação rápida onde famílias, grupos corporativos, amigos e até desconhecidos podem conversar o tempo todo via celular. Todo mundo no WhatsApp. 06 RADAR

[close]

p. 9

Impasse para a construção de mais casas do CDHU em Presidente Venceslau. As residências já foram autorizadas pelo governo, mas o problema enfrentado é a localização e compra do terreno. São 400 casas em duas fases de 200. A área próxima da Figueira foi desaprovada. Onde? Pátio de Veículos Polêmicas à parte, o Pátio de Veículos do Detran em Presidente Venceslau está funcionando e quase com todo o seu espaço tomado, às margens da Rodovia Raposo Tavares em Presidente Venceslau. Meio período Apreensão de Cigarros A polícia da região tem combatido além do tráfico de drogas, também o contrabando de cigarros. Nos últimos meses, caminhões vêm sendo detidos na fronteira dos estados do Paraná e São Paulo. Em uma só vez foram apreendidos quatro caminhões com a carga de um milhão e meio de maços. Tudo foi parar na Polícia Federal. Se queixar da crise do governo federal virou uma febre regional. Nem as prefeituras estão escapando da situação. Na microrregião de Presidente Venceslau todas estão apertando o cinto até o final do ano, com o trabalho de apenas meio expediente. O objetivo é economizar o máximo e chegar em dezembro com as contas em dia é o décimo terceiro quitado. Venda do Kaiowa Não se surpreendam se de repente ouvirem a notícia da venda das dependências do antigo Kaiowa em Presidente Venceslau. Com o dólar lá em cima, ficou mais fácil para investidores estrangeiros comprarem passivos no país e pelo que Radar apurou, corretores que estão no negócio vieram na cidade no mesmo dia que a presidente Dilma esteve em Presidente Prudente. RADAR 07

[close]

p. 10

E le já fez um pouco de tudo em Presidente Venceslau. Apesar dos dotes que possui, das empresas que dirige e da facilidade que tem para viagens, gosta mesmo é de ficar em seu escritório situado na Rua Almirante Barroso, centro da cidade. Bruno Luiz Leonardi, 81 anos, é gaúcho de Caxias do Sul, ou melhor, virou venceslauense no dia 2 de setembro de 2015, em sessão solene realizada na Câmara Municipal. Título merecido, pois se trata de um dos maiores empresários da região no momento, responsável direto pela reconstrução do Posto Kaó, um complexo de atendimento para automóveis, caminhões e viajantes às margens da Rodovia Raposo Tavares, Km 620, lado direito de quem está a caminho do Mato Grosso do Sul. Alí, em menos de 4 anos, motivado pelo filho Alexandre e pela família Okada, aceitou o desafio de demolir o velho Kaó, para refazê-lo novo, moderno e rentável. O investimento foi alto, mas valeu a pena, pois Bruno Leonardi estava em cena de novo, agora com um empreendimento de primeira grandeza, e dentro de Presidente Venceslau, cidade que sempre amou e se preocupou com o futuro. Já havia investido em Panorama, com a criação de uma mini cidade, Aldeia do Lago, e instalação de uma mineradora. Fez um loteamento em Martinópolis, mas havia chegado a hora de Presidente Venceslau. O Kaó tem todos os serviços de um posto de estrada, e também belo e confortável hotel. Na primeira chamada para funcionários, foram 114, logo de cara. Assim é Bruno Leonardi, um homem que desde que chegou na cidade, há mais de 50 anos, nunca deixou de trabalhar por ela. Saiu de Caxias do Sul de jipe depois de formado em agronomia. Queria ver novos horizontes, desbravar fronteiras atrás de um emprego, deixando para trás uma vida infantil sofrida, com perda da mãe aos 7 anos e estudos em colégios fechados e militares. Venceu suas primeiras batalhas de criança, adolescente e jovem ouvindo e seguindo os conselhos do pai Paulo Raimundo Leonardi, um alicerce de cultura, RADAR

[close]

p. 11

honestidade e trabalho. Quando chegou ao solo paulista, encontrou o que queria, trabalho e chances de crescer. Passou por um período residindo em Presidente Epitácio e depois aportou de vez em Presidente Venceslau para trabalhar e assumir a Casa da Agricultura. O seu currículo, presente nesta reportagem fala de sua trajetória. Radar conhece bem a história de Bruno Luiz Leonardi, pois a revista nasceu dentro de uma de suas empresas, a Rádio Jovem Som FM. O editor, teve dezenas de conversas com Leonardi, ouvindo histórias fantásticas e curiosas de sua vida e presenciando a atual. Em sua estante do escritório guarda documentos interessantes, um deles contendo uma análise de comportamento, conduta e preparo físico, assinada pelo então comandante do quartel em que servia o exército, nada mais do que Emílio Garrastazu Médici, que num futuro não muito distante, se tornaria o presidente do Brasil. Está escrito, “Robusto e dotado de bastante força física. Resiste muito bem aos esforços que lhe são exigidos sem se fadigar”. Ainda ouvimos histórias sobre os colégios de padres, suas andanças políticas quando se tornou um dos vereadores Os vereadores que fizeram a indicação do título, Ademir Souza da Silva, o Mestre Tota, e Alessandro Claro de Farias, Lê Pregão, com o homenageado Bruno Luiz Leonardi e o presidente da Câmara Municipal Eliseu Bayer. Na foto abaixo, o vereador Ezequias Dassie, Riozo Okada, Raymundo Farias de Oliveira, José Felício Castellano e Akira Okada, amigos e convidados do homenageado. RADAR 09

[close]

p. 12

Bruno Leonardi com a esposa Beth, filhos Alexandre, Elisa e Eliane, e a neta Sofia Discurso de Bruno Luiz Leonardi “Este momento é de profundo significado para mim, pois estou certo de que a natural emoção que me proporciona, influencia na clareza com que pretendo agradecer os gestos generosos dos ilustres componentes desta casa legislativa, ao me concederem o honroso Título de Cidadão Benemérito de Presidente Venceslau. Poucas, porém fortes, pois produzidas pelo coração as palavras que escrevi e irei pronunciar neste momento. O que fiz por Venceslau não é maior do que esta comunidade fez por mim. Desde o instante que pisei neste solo bendito, há mais de meio século, tive uma acolhida carinhosa e dai para frente, acontecimentos que proporcionaram uma vida plena de felicidade e alegria. Tive a imensa felicidade de conhecer a Beth, companheira de todos os momentos que incentiva e compartilha todos os meus feitos. Casamos e assim tive a ventura de entrar no seio de uma família excepcional. Pude partilhar do convívio de meu saudoso sogro Carlos Platzeck, figura notável da história de Presidente Venceslau, onde foi prefeito e várias vezes vereador, além de empreendedor vitorioso. Seguindo seus passos e ensinamentos, dediquei-me a minha família, entrosei na comunidade venceslauense e participei de quase todos os seus movimentos econômicos, políticos, esportivos, sociais, expostos no meu currículo. Posso afirmar que em todos dei o melhor de mim nestes anos, pensando sempre no bem estar da comunidade de Presidente Venceslau. Assim serei, com a Graça de Deus, enquanto tiver tempo e força, prova disso é o trabalho que ainda executo ao lado da Bete e meus filhos nas atividades do Grupo Leonardi.Meus caros vereadores, meu muito obrigado pelo gesto generoso desta casa, que caiu no fundo de minha alma e a gratidão será eterna. Para encerrar, permitam-se que eu agradeça meus familiares, pois eles são os propulsores dos meus atos. Obrigado Bete. Muito obrigado meus queridos filhos, Eliane, Elisa e Alexandre e meus netos. Não poderia também de um pleito de profunda saudade, agradecer a meu pai, Paulo Raimundo Leonardi, que me ensinou os bons caminhos da vida, que cuidou de mim com muito carinho, redobrando seus cuidados a partir dos sete anos, quando perdi minha mãe. Isso é pouco do muito que eu tenho a agradecer aos caros vereadores, aos parentes e ao povo de Presidente Venceslau.” RADAR da cidade e as suas muitas participações em atos sociais, esportivos e criação de algumas entidades na cidade. É um homem que não se cansa, que ama o esporte, pois até hoje ainda se debate com dores nas costas, tentando reativar o tênis de campo que praticou por toda uma vida. Carinhoso com esposa Elizabeth Platzeck Leonardi e com os filhos Eliane, Alexandre e Elisa, denso na conduta política e idealismo, cidadão brasileiro exemplar (mantém no topo de seu prédio, há anos, uma bandeira brasileira hasteada), fiel com os amigos e ótimo patrão, é um dos poucos da cidade que têm entre o seu quadro de funcionários, vários decenários. Bruno é assim, às vezes turrão e de fala alta, quando em menos de minutos deixa escorrer um lágrima perante uma justiça social que lhe avizinha. Uma homenagem merecida, a um homem que subiu pelo mapa do país e aportou em Presidente Venceslau, e quando no discurso em sua homenagem, humilde e com lágrimas nos olhos, disse: “O que fiz por Venceslau não é maior do que esta comunidade fez por mim”. 10

[close]

p. 13

Nascido em Caxias do Sul (RS), filho de Olga Leonardi e de Paulo Raymundo Leonardi, Bruno Luiz Leonardi fixou-se em Presidente Venceslau em 1962, quando foi designado, após concurso, para atuar como agrônomo na Casa da Lavoura. É formado em Agronomia pela URGS. Em Presidente Venceslau, Bruno uniu matrimônio com Elizabeth Platzeck, com quem teve três filhos: Eliane, Elisa e Alexandre. No ápice de sua carreira na Secretaria de Estado da Agricultura, aposentou-se como Delegado Agrícola da CATI - Coordenadoria de Assistência Técnica Integral, da sub-região de Presidente Venceslau. Em 1962, junto com pecuaristas do município, participou de forma ativa da criação do Frigorífico Alvorada, que anos depois foi transferido para o Frigorífico Kaiowa. Membro do Lions Clube de Presidente Venceslau desde 1963, Bruno foi baluarte para a construção do prédio onde funcionou a Faculdade de Filosofia Ciências e Letras , onde hoje está instalada a SEMEC (Secretaria Municipal de Educação e Cultura) e o 42º Batalhão da Polícia Militar do Interior. A conclusão da obra ocorreu graças a um auxílio recebido da Igreja Luterana, cujos membros da época tiveram papel preponderante para, inicialmente, criar a Escola Profissional Dom Bosco, e anos depois transferir as instalações para a Faculdade recém-criada. Em 1978, como delegado regional agrícola, Bruno teve atuação destacada para instalação do Parque Permanente de Exposições de Presidente Venceslau, onde se realiza a Faive. Exerceu mandato de vereador na legislatura 1982-1986. Participou como membro diretivo de várias instituições assistenciais do município, incluindo também a Santa Casa, da qual, até hoje, é membro do Conselho Deliberativo da Irmandade e seu maior doador particular. Amante do esporte, tem colaborado de maneira efetiva com as entidades que cuidam de atividades esportivas, notada- mente a Associação de Basquete, sendo um dos patrocinadores da equipe. Bruno foi um dos fundadores do Coroados Tênis Clube. Também teve atuação importante junto ao Sindicato Rural de Venceslau, como presidente e membro da diretoria, promovendo diversas gestões em prol dos produtores do município. Atualmente, Bruno é diretor-presidente do Grupo Leonardi, formado por ele e seus filhos. O grupo detém um “holding” com mineradora, venda de combustível, agropecuária, reflorestamento, radiodifusão, hotelaria, incorporadora de imóveis e locadora de veículos. Recentemente, com outros empreendedores, investiu na construção do novo Posto Kaó, às margens da Rodovia Raposo Tavares, em Venceslau, gerando mais de 50 empregos diretos, o que demonstra sua capacidade empreendedora de uma vida, bem como se destacando como um dos empresários mais arrojados e de extrema importância para a economia local e a história de Presidente Venceslau. Vereadores e autoridades presentes na solenidade de entrega do Título de Cidadão Benemérito, entre eles, o prefeito municipal de Presidente Venceslau, Jorge Duran. RADAR 11

[close]

p. 14

O presidente da Associação da FAIVE Feira Agropecuária e Industrial de Presidente Venceslau, Marcelo Queiróz, reuniu a imprensa no dia 14 de outubro para apresentar o balanço financeiro da FAIVE realizada no mês de agosto deste ano no Recinto de Exposições Alfredo Ellis Neto. Entre os elogios que recebeu junto a sua equipe de trabalho, Queiróz comemorou o lucro obtido no evento, R$ 61.694,00. "Fizemos de tudo para que a festa fosse realmente popular, sem custo para os visitantes e com atrações agradáveis, que atraíssem o público e deu certo", comentou no início da conversa com os repórteres. A FAIVE deste ano teve orçamento de receita que pode ser considerado tímido se for comparado às grandes festas do passado, mas de equilíbrio conforme as necessidades do evento. A presidência e equipe souberam equalizar a agenda, posicionando-a de maneira adequada, buscando o resgate de atrações que foram esquecidas nas feiras anteriores, especialmente nas áreas do agronegócio e culturais. Diante de uma expectativa onde o interesse crescia em torno da feira, a direção foi encaixando o que achava de maior necessidade para o conforto do público, como cobertura na avenida, formando uma praça de alimentação e arquibancadas cobertas do lado oposto dos camarotes. Ideias que deram certo e que valorizaram o evento. A FAIVE foi realizada ao custo de R$ 745.380,60, deste total gastou R$ 683.686,57. Com o lucro, somado ao que já existe na conta, a festa do ano que vem já tem um bom arranque financeiro. A boa notícia é a que, Marcelo Queiróz continua à frente da Associação, mantendo a mesma equipe e seriedade, o que traduz que teremos outra bela festa no ano que vem. n

[close]

p. 15



[close]

Comments

no comments yet