RLB 29 - Jan/Fev 2015

 

Embed or link this publication

Description

Nesta edição, a Revista Leitura de Bordo conta a história da caipirinha

Popular Pages


p. 1

Ano 6 – nº 29 – Janeiro/Fevereiro de 2015 – R$ 6,50

[close]

p. 2

Cartas/Expediente Palestra com o economista: Newton Marques Perspectivas econômicas em 2015 para o setor de Agências de viagens Você sabe qual é a movimentação do nível de emprego formal das agências de viagens no DF e no Brasil? Você sabe qual é a importância das agências de viagens na economia do DF e do Brasil? Você sabe quanto as agências de viagens pagam de impostos no DF e no Brasil? Você sabe qual é a importância de sabermos o que poderá acontecer com a economia do DF e do Brasil em 2015? Se não sabe, então se prepare para participar da palestra do Consultor Econômico Newton Marques, ex-economista do Banco Central e membro do Conselho Regional de Economia do DF, no dia 25 de fevereiro, patrocinado pela ABAV-DF. Dia 25 de fevereiro, quarta-feira, das 9h às 11h no Auditório Nuri Andraus – Associação Comercial do DF SCS ED. PALÁCIO DO COMÉRCIO 1 ANDAR Inscrições via e-mail: abavdf@abavdf.com.br e pagamento do boleto bancário. Valores: associados R$50,00/ não associados - R$100,00. Vagas limitadas. Realização Apoio 2 Leitura de Bordo | Jan/Fev 2015 | www.leituradebordo.com.br

[close]

p. 3

Outro olhar Biblioteca Nacional de Brasília Ft.: Luciana Jobim Navarro www.leituradebordo.com.br | Jan/Fev 2015 | Leitura de Bordo 3

[close]

p. 4

Índice Outro olhar Caipirinha Brasília: feita para encantar 03 05 10 12 16 20 22 24 26 30 A Revista Leitura de Bordo, abre, com esta edição, o sexto ano de circulação. E começa com muitas novidades e alguns reencontros, como o retorno dos textos de Paulo Antenor (pág 25). Entre as novas opções de leitura, a saudar a estreia da seção Games - que ficará sob o comando de Bruno Henrique. Que este será um ano de adversidades, disso ninguém mais tem dúvidas. Diante de um quadro de crise, podemos nos transformar em poços de amargura e lamentações ou simplesmente encarar os inúmeros desafios na certeza de que, com trabalho e fé, poderemos superar tudo. Muitas vezes, uma crise ajuda as pessoas a criarem zonas de conforto. Mas tais momentos também podem ser oportunidades para vencer o marasmo. Prefiro ver a situação atual pelo segundo cenário. Alfredo Besssow Editor Invenção brasileira, paixão mundial Reguengos de Monsaraz Capital Europeia do Vinho em 2015 Outros Brasis: Piancó Histórias do sertão paraibano Fumaça em Havana Amigas do Vinho Amantes de charutos fazem encontro Confreiras celembram a amizade Comunicação e Poder A arte de viajar Os desafios das TVs Comunitárias em 2015 Livros ajudam a preparar a viagem O desafio de sonhar Games E a capacidade de lutar pelo improvável Uma nova seção, só para gamers Pág 18 e 19: A Suiça, quem diria, encantou o samba 4 Leitura de Bordo | Jan/Fev 2015 | www.leituradebordo.com.br

[close]

p. 5

Caipirinha, paixão brasileira Não importa o nome e nem o rigor histórico de sua origem. Se como um drinque local no interior paulista no Séc. XIX ou como remédio no começo do Séc. XX pelas bandas de Piracicaba (SP) Capa www.leituradebordo.com.br | Jan/Fev 2015 | Leitura de Bordo 5

[close]

p. 6

Capa Da mesma forma que cada assador tem sua própria receita para fazer uma boa carne, cada brasileiro tem a receita ideal e infalível para preparar a caipirinha. Mas, tanto para o assador quanto para o bartender, vale a mesma regra: a melhor carne, via de regra, dará o melhor churrasco. A caipirinha feita com a melhor cahaça, fará a melhor caipirinha. Assim com as variáveis que o brasileiro foi criando – caipiroska é a mais conhecida delas, mas há também com frutas e adaptações de outras receitas. Segundo Moacir Menegotto, da Casa Bucco no RS e que fabrica uma das melhores cachaças artesanais do Brasil, respaldado pela experiência de muitos anos trabalhando em grandes empresas mundiais e participando da implantação de bebidas em outros continentes, “naturalmente utilizamos cachaças brancas (jovens) para as caipirinhas, pois sua harmonização com o limão se dá de forma plena e seu sabor e refrescância conquistou os paladares do mundo.” 6 Leitura de Bordo | Jan/Fev 2015 | www.leituradebordo.com.br Ft.: Matheus Menegotto

[close]

p. 7

Capa www.leituradebordo.com.br | Jan/Fev 2015 | Leitura de Bordo 7

[close]

p. 8

Capa Divergências Da mesma forma, Moacir discorre que para “os apreciadores de coquetéis, recomendamos cachaça bidestilada, pois sua suavidade valoriza o sabor das frutas e deixa a caipirinha mais leve, agradando principalmente ao consumidor feminino.” E, para finalizar nas recomendações, ele destaca: “A cachaça envelhecida, recomenda-se apreciar pura. Os paladares mais exigentes e críticos, encontram-se na caipirinha de cachaça envelhecida.” Para alguns mais puritanos, só pode ser chamada de caipirinha a mistura de cachaça, limão, açúcar e gelo. Todas as demais variações devem ser tratadas como “caipiroskas”. Sem entrar nesse embate, Moacir sintetiza sua experiência destacando: “Se a cachaça for de boa qualidade, a caipirinha será realmente superior”. Receita básica Se houver 10 pessoas preparando caipirinha, cada qual terá uma receita infalível – sempre no tripé cachaça, limão taiti sem descascar e açúcar. Os adicionais, o gelo e todo o demais são toques pessoais. A quantidade de cada ingrediente será definida pelo tamanho do vasilhame, visto que cada preparo produz apenas uma dose. Moacir Menogotto: “A melhor cachaça certamente fará a melhor caipirinha”. Caipirinha já foi remédio? Há duas variáveis para explicar o surgimento da caipirinhas. A primeira delas remonta ao Séc. XIX. Uma primeira versão, apoiada por muitos historiadores, aponta que a caipirinha foi criada por fazendeiros latifundiários na região de Piracicaba (SP), como um drinque local para festas e eventos de alto padrão, sendo um reflexo da forte cultura canavieira na região. A Caipirinha em seus primeiros dias era vista como um substituto local de boa qualidade ao Whisky e ao Vinho importado. Dessa origem de alta classe, a caipirinha logo passou para o gosto popular, devido ao baixo preço de seus ingredientes, popularizando-se por todo o estado e se tornando a bebida-símbolo de São Paulo no Séc. XIX. Pelos idos de 1930, já era possível encontrá-la em outros estados, especialmente no Rio de Janeiro e em Minas Gerais. 8 Leitura de Bordo | Jan/Fev 2015 | www.leituradebordo.com.br A segunda versão é mais mitificada... No interior de São Paulo, por volta do ano de 1918, uma receita foi adaptada a partir da receita de xarope para a gripe espanhola. Essa receita levava limão, alho e mel e em diversos casos um pouco de cachaça. Isso porque antigamente as pessoas colocavam um pouco de álcool nos medicamentos para acelerar o seu efeito. Por essa versão, a caipirinha foi inventada pelo Sr. Paulo Vieira na cidade de Piracicaba quando seus trabalhadores adoeceram com a gripe espanhola. Ele criou a bebida, pois tinha muito carinho pelos seus trabalhadores e não gostava de vê-los sofrendo. Num belo dia, alguém decidiu eliminar dessa receita o alho e o mel e colocar umas colheres de açúcar para diminuir um pouco a acidez do limão. E nada nunca mais foi igual...

[close]

p. 9

Ponto de Vista A ABAVDF X Ministério “da falta de” Planejamento “O homem medíocre só consegue enxergar o mundo sob as categorias da sua profissão”. Olavo de Carvalho O Governo Federal, através do Ministério da “falta de” Planejamento, Orçamento “mal elaborado” e “da falta de” Gestão, está, desde julho de 2014, trabalhando para estatizar diversos segmentos econômicos, e levar à falência as micro e pequenas empresas e eliminar milhares de empregos. E como está fazendo isto: algum pensante de formação bolivariana, teve a ideia de criar uma Central de Compras, que realizará todas as compras do Governo Federal. Simples assim. Eliminará todas as cadeias produtivas e adquirirá os produtos apenas dos fornecedores principais. A ABAVDF, é defensora da livre iniciativa e, ciente da importância dos princípios da legalidade e da segurança jurídica, sabe que essa ação do MPOG foi perpetrada por meio de atos obscuros, em flagrante desrespeito aos vigentes diplomas legais. Ao tentar alijar setores da economia, o Governo Federal mostra suas garras intervencionistas e estatizantes, que não condizem com a dinâmica da sexta ou sétima economia capitalista do planeta. Afinal, qual será o grande país em que o Governo vai destacar seus servidores para “reservar e emitir passagens aéreas”? Após pesquisa, foi possível descobrir: somente “duas grandes potências mundiais” praticam este modelo: Venezuela e Cuba! Ou estamos no século XVIII ou ainda não chegamos ao século XXI! Sendo mais claro para os leitores, é o seguinte: o Governo Federal, através do MPOG, em 10 de julho do ano passado, criou a Central de Compras, implementando a nova sistemática pelo setor de viagens, onde, burlando toda a legislação por ele criada, credenciou quatro companhias aéreas: Azul, Avianca, Gol e Tam, para comprar passagens aéreas sewm licitação por um período de 60 meses, ou seja, cinco anos, chegando a uma cifra de estimados R$ 6,5 bi. O MPOG, segundo entrevistas, estima economizar de 3% a 5%. Porém, o MPOG nunca informa que para aumentar o tamanho do problema, aprovou, via Medida Provisória 651, em 09 de julho de 2014, um dia antes do famigerado credenciamento, que concedeu isenção fiscal de 7,5% para as companhias aéreas e criou o Cartão Corporativo de Pagamentos de Passagens Aéreas. Também que apenas e somente um servidor, que faz papel de deus, autoriza, paga e fiscaliza as suas próprias ordens. O mais intrigante é que licitarão para apenas e somente uma agência todo o atendimento do Governo Federal nos horários nos quais o servidor não puder autorizar. Onde está o respeito à legislação que prioriza as pequenas e médias empresas? Que prioriza e estimula a livre iniciativa? Que cria oportunidade para todos? Onde está o Governo como vetor de desenvolvimento? Há quem interessa este monopólio? Qual será e de quem será a agência que poderá atender a esta demanda?! Buscamos conversar com diversas entidades de outros segmentos e não conseguimos nos fazer entender ou, talvez por considerarem uma hipótese tão absurda, não quiseram acreditar nas informações. Porém, a “tramoia” está acontecendo, a carruagem está passando, a economia travando, os empregos sumindo, os impostos aumentando e as empresas, desaparecendo. E o governo, ó!!! www.leituradebordo.com.br | Jan/Fev 2015 | Leitura de Bordo 9

[close]

p. 10

Roteiro testado Fts.: Divulgação Reguengos de Monsaraz, a Capital Europeia do Vinho em 2015 O título pretende destacar a cidade símbolo do desenvolvimento vitivinícola na Europa, permitindo impulsionar a promoção dos vinhos não só da cidade, mas de todo o Alentejo, a maior região demarcada de Portugal. O Alentejo, por sinal, é uma das mais recentes regiões demarcadas de vinho de Portugal, em 1988. Trata-se de uma das maiores regiões vinícolas dos patrícios, com 22 mil ha, sendo que 10 Leitura de Bordo | Jan/Fev 2015 | www.leituradebordo.com.br Localizada no Alentejo, no distrito de Évora a duas horas de viagem de Lisboa, a cidade recebeu o título da Rede Europeia das Cidades do Vinho a cultura da uva remonta à presença romana, entre 31 e 27 a.C. – da qual herdou a vinificação tradicional, com fermentação feita em grandes talhas de barro. A revolução no Alentejo aconteceu no começo dos anos 80, do século passado, quando a região foi palco de uma intensa e profunda modernização dos métodos de produção, com muitos investimentos, novos produtores,

[close]

p. 11

Roteiro testado cooperativas e uma nova geração de enólogos como nomes como Rui Reguinga e Luis Duarte. Justo reconhecimento Dora Simões, presidente da Comissão Vitivinícola Regional Alentejana, afirmou que o reconhecimento “é uma distinção importante para o Alentejo e também para o país, que tem impacto positivo no potencial de notoriedade que a região pode obter nos mercados internacionais”. Ainda de acordo com ela, “o fato de os leitores terem preferido o Alentejo a regiões tão famosas como a Borgonha, Champanhe, Rioja ou Piemonte vem também dar grande impulso ao trabalho que é desenvolvido na promoção do vinho e do enoturismo no Alentejo, quer internamente, quer junto de mercados externos estratégicos”. Dois padrões de vinho Todo esse processo culminou com a demarcação da região que hoje é aquela que apresenta o maior crescimento em Portugal (que possui 11 regiões demarcadas, sendo que a do Douro é a mais antiga do mundo e remonta a 1756, por obra do Marquês de Pombal). Outra característica do Alentejo está no fato de produzir o vinho com o selo DOC (Denominação de Origem Controlada) e também o chamado vinho regional – que é de boa qualidade. Região em alta A escolha de Reguengos de Monsaraz é o justo reconhecimento a uma cidade que faz parte daquela que foi escolhida, em votação, pelo Usa Today como a melhor região vinícola do mundo para visitar – desbancando concorrentes como Toscana (Itália), Mendoza (Argentina), Maipo (Chile), Champanhe (França), Napa Valley (Califórnia-EUA), Hunter Valley (Austrália) entre outros destinos. Ao justificar a escolha, o site de turismo do Usa Today, o 10Best.com enfatizou: “Esta intrigante região rural situada a duas horas de Lisboa é como uma viagem no tempo para os amantes do vinho. O terreno diverso tem olivais e vinhas, aldeias pitorescas, prados cheios de flores e florestas. A comida no Alentejo é rústica e autêntica, aproveitando ao máximo o estilo de vida agrária na região”. Sobre Reguengos Distante 36 km de Évora – a capital do Distrito do Alentejo, considerada Patrimônio Mundial pela Unesco em 1986 e a única cidade portuguesa que faz parte da Rede de cidades europeias mais antigas - Reguengos de Monsaraz recebe oficialmente o título em 21 de fevereiro. Da agenda anual, destacam-se a realização de congressos, estágios para jovens viticultores europeus, ações de promoção nacionais e internacionais, a participação na Bolsa de Turismo de Lisboa, na FITUR (Madrid), na WTM (Londres), no ITB (Berlim), na ABAV (Brasil), em embaixadas e em mercados emergentes, como a Polônia e a Rússia. Ainda no início de 2015, será inaugurado o espaço “Vinho com Arte”, no Palácio Rojão, para exposição, promoção e venda de vinhos do Concelho. www.leituradebordo.com.br | Jan/Fev 2015 | Leitura de Bordo 11

[close]

p. 12

Outros Brasis Piancó Vista aérea de Piancó (PB) história do Brasil no sertão paraibano A cidade de Piancó, no sertão paraibano, é conhecida nacionalmente por ter sido palco de um evento militar relevante para a história do Brasil. No dia 9 de fevereiro de 1926, um grupo de moradores da cidade se envolveu num embate com os integrantes da Coluna Prestes. O evento é relatado em livros de história e em romances. Mas, a Piancó do século XXI oferece aos turistas um roteiro repleto de monumentos, igrejas, belezas naturais e gastronomia regional. Partindo da capital João Pessoa (distante 387 km) por carro, inicia-se a viagem pela BR230. O trajeto inclui passagens rápidas por duas grandes cidades do interior paraibano: Campina Grande e Patos. Logo na chegada, vê-se a imponência da igreja matriz de Santo Antônio, no centro da cidade. É por ela que tem início o roteiro de visitas aos atrativos turísticos de Piancó. Acatando sugestão dos guias turísticos locais, outra visita obrigatória é a Praça Aristides Ferreira da Cruz, construída em homenagem ao líder dos moradores que enfrentou os soldados 12 Leitura de Bordo | Jan/Fev 2015 | www.leituradebordo.com.br da Coluna Prestes. O espaço público fica exatamente por onde os soldados da coluna adentraram a cidade. Nos arredores é possível conhecer o antigo casarão onde viveu o padre Aristides e sua família, e atualmente transformado numa escola de ensino médio. Monumento – O embate entre moradores da cidade e os soldados da Coluna resultou na morte de 11 pessoas. No local, a prefeitura ergueu, em 1985, o ‘Monumento aos Mártires de Piancó’. Outro monumento que merece destaque e que faz parte da história da cidade é o do ‘Cossaco’. É uma estátua de pouco mais de dois metros de altura, onde se distinguem as figuras de um trabalhador rural e seu filho. A pequena praça é uma homenagem aos homens e mulheres que ajudaram a construir a cidade e fomentar o desenvolvimento econômico da região. Belezas naturais – Além dos monumentos e histórias, Piancó tem suas belezas naturais em pleno sertão paraibano. A cidade é cortada pelo rio que leva o mesmo nome. No período do Fts.: Antonio David/BPTur

[close]

p. 13

Outros Brasis inverno, as águas do Piancó possibilitam à natureza esverdear as margens e o leito do rio, criando uma belíssima paisagem. Outra atração local é a ‘Casa da Pedra’. Diz a lenda, que por volta do ano de 1720, a Ordem dos Jesuítas mantinha na cidade vários padres. No local existe uma antiga construção e uma vegetação típica do Nordeste: a caatinga. Guias de Turismo locais contam que para convocar a população para as missas matinais, um padre subia até um pequeno relevo onde podem ser encontradas pedras ocas. Numa dessas pedras, o religioso batia um martelo que produzia um som metálico parecido com um sino. Festas – Em fevereiro é realizado o tradicional ‘Carnaval de Piancó’. Os festejos ocorrem desde os anos 30 do século passado e têm a participação de dois blocos: A Cobrinha e Só Falta Você. Durante os quatro dias de festa carnavalesca, a prefeitura contrata orquestras de Frevo e grupos musicais. No meio do ano, outra festa popular é a ‘Festa de Santo Antonio’, que acontece em junho, no pátio da igreja Matriz. Igreja Santo Antonio No final do ano, mais precisamente entre novembro e dezembro, é realizado do ‘Auto de Natal’. O evento acontece desde 2013 e reúne profissionais do teatro, música, dança e cenografia. Durante o período, as principais ruas da cidade são ornamentadas com motivos natalinos. Estudantes da rede municipal de ensino participam da festa. Gastronomia – Arroz de leite com carne de sol; arroz da Terra (vermelho). Este tipo de arroz foi trazido ao Brasil nos idos de 1535. A Paraíba é o maior produtor de arroz vermelho no país, sendo cultivado na cidade de Santana dos Garrotes, que fica localizada no Vale do Piancó. A exemplo de outras cidades sertanejas, a carne de bode é muito apreciada na região, sendo preparada de várias maneiras. www.leituradebordo.com.br | Jan/Fev 2015 | Leitura de Bordo 13

[close]

p. 14

Eventos Jovens Luteranos de Brasília marcam presença no Congresso em Rondônia Luteranos no Brasil Heliodoro Heoboano, filho de um confrade de Lutero, foi o primeiro luterano a desembarcar no Brasil, no ano de 1532, em São Vicente. Mas o grupo luterano inicial foi formado apenas em 1824, no Rio de Janeiro, sob a coordenação de Friedrich Osvald Sauerbronn, primeiro pastor de confissão luterana em terras brasileiras. Por meio dos alemães que vieram para o país, o luteranismo se expandiu, principalmente no Sul. Hoje, encontram-se dois agrupamentos – a Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil e a Igreja Evangélica Luterana do Brasil. Além desses principais grupos, há outros menores espalhados pelo país. No total, o luteranismo conta com cerca de 1.075.000 adeptos no Brasil. A IELB - Igreja Evangélica Luterana do Brasil surgiu no final do século XIX, quando o Sínodo de Missouri (EUA) enviou o Rev. Broders, para realizar sondagem visando o estabelecimento de Caravanas de jovens luteranos de todas as partes do País estarão em Cacoal, Rondônia, de 20 a 25 de janeiro, participando do 44º Congresso Nacional da JELB. O tema do Congresso será “Vivo por Jesus” e será a primeira vez, em mais de 90 anos de existência, que a Juventude Luterana irá fazer um evento no Norte do Brasil. São esperados mais de dois mil jovens luteranos. Algumas dessas caravanas viajarão mais de três mil quilômetros – tudo para louvar a Cristo. Ainda que o período coincida com as férias escolares, onde muitos preferem curtir a vida na praia, jovens irão se reunir para descobrir o que significa essa nova vida, que é transformada por Jesus. se unirão luteranos de Taguatinga e Planaltina, completando a delegação. Delegação de Brasília Um total de 23 jovens da Congregação da Esperança – fundada em 10 de agosto de 1958, com igreja na SQN 404 e cultos aos domingos às 10h e às 19h – realizaram eventos, rifas, venda de pastéis e outras atividades para angariar recursos para viabilizar a viagem. A esses jovens, 14 Leitura de Bordo | Jan/Fev 2015 | www.leituradebordo.com.br

[close]

p. 15

trabalho missionário efetivo e sistemático aos aglomerados populacionais de alemães, em especial aos desassistidos espiritualmente, no sul do Brasil. Broders teve muitas decepções no início da pesquisa. Mas, no sul do estado, na região de Pelotas, houve acolhimento aguardado resultando na fundação da primeira congregação evangélico-luterana. O grupo formado por 17 famílias, todas de origem teuto-russas e pomeranos, organizou-seoficialmente no dia 1º de julho de 1900, na Colônia de São Pedro, interior de Pelotas. 10 x sem juros Pacotes incluem: Ônibus especial de turismo Traslados Hospedagem Café da manhã Eventos Europa em até City tour Rumo aos 500 anos Em 2017, o mundo de um modo geral e os luteranos de modo especial, comemoram a passagem dos 500 anos da Reforma – movimento que começou “oficialmente” com Martinho Lutero afixando as 95 teses na porta da igreja do castelo de Winttenberg, no dia 31 de outubro de 1517. Na verdade, o processo da Reforma já era latente, mas a diferença é que Lutero conseguiu aprofundar as críticas, também através de ações efetivas, com a tradução do Novo Testamento e sua impressão e difusão – em 1522 – porque o que existia até o tempo de Lutero eram versões em latim da Bíblia, portanto restringindo o acesso à palavra de Deus aos que conheciam o latim. A tradução de toda a Bíblia para o alemão, através de Lutero e outros apoiadores seus, deu-se em 1534 – sendo essa tradução considerada como em grande parte responsável pela evolução da moderna língua alemã. Pode-se dizer que foi a consolidação da tipografia que alavancou a difusão das ideias de resgate da verdadeira fé pregada por Lutero. Bélgica e Holanda 8 Dias Visitando: Bélgica, Holanda e Alemanha A partir de €720 ou R$ 2.232 2.744 Paris e Países Baixos 9 Dias Visitando: França, Bélgica, Holanda e Alemanha A partir de €885 ou R$ Amsterdã e Cidades Imperiais 13 Dias Visitando: Holanda, Alemanha, Rep. Tcheca, Eslováquia, Áustria e Hungria A partir de €1.160 ou R$ 3.596 Países Baixo, Suíça e Áustria 14 Dias Visitando: Bélgica, Holanda, Alemanha, Suíça, Liechtenstein e Áustria A partir de €1.590 ou R$ 4.929 09/2015 Câmbio calculado em 30/01/2015 € 1,00 = R$ 3,10, consultar atualização no momento da emissão. Tarifas e condições de pagamento sujeitos a alteração sem prévio aviso. www.casadeviagens.com.br 61 3202.1245 Catedral de Wittenberg, em cujas portas Lutero afixou em 1517 as suas 95 teses

[close]

Comments

no comments yet