Newsletter Telemedicina Fevereiro 2015

 

Embed or link this publication

Description

Newsletter Telemedicina Fevereiro 2015

Popular Pages


p. 1

Telemedicina Fevereiro 2015 SPMS - SERVIÇOS PARTILHADOS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE, EPE

[close]

p. 2

Editorial Portugal conta há vários anos com a utilização da ferramenta de Telemedicina (teleconsultas e telemonitorização). A Telemedicina tem inúmeras vantagens, nomeadamente a “redução” das distâncias entre os serviços de saúde e os utentes, evitar deslocações desnecessárias aos serviços de saúde, maior rapidez de resposta em algumas especialidades e maior apoio àqueles que trabalham e vivem em áreas mais distantes. Esta ferramenta permite a observação, diagnóstico, tratamento e monitorização do utente da sua área de residência, trabalho ou inclusive na própria habitação. O Grupo de Trabalho de Telemedicina (GTT) integra a Comissão de Acompanhamento da Informação Clinica (CAIC) e conta já com 2 anos de atividade. 3 anos intensos de muito trabalho e dedicação, cujo esforço e empenho são direcionados para descentralizar e democratizar os cuidados de saúde. Com a publicação dos despachos n.º 3571/2013 e 8445/2014 do gabinete de Sua Exa. Sr. Secretário de Estado Adjunto do Ministro da Saúde foi reforçada a importância da Telemedicina para a tutela e consequentemente para todo o SNS. A Telemedicina está assente em 4 pilares: Legislação/Institucionalização, Telemonitorização no Domicilio, Rastreio/Triagem de várias especialidades e Teleconsultas, o nosso objetivo é conseguir colocar ao dispor do utente a telemedicina, que além de poupar tempo, ajuda o profissional a desempenhar melhor as suas funções evitando assim a repetição de exames e consequentemente desperdício dos recursos do SNS, bem como continuar a melhorar a qualidade e o acesso efetivo dos cidadãos aos cuidados de saúde, quer ao nível da organização, quer ao nível 02 SPMS - SERVIÇOS PARTILHADOS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE, EPE da prestação. Das inúmeras experiências de âmbito regional, ficou provado que em Portugal a utilidade desta forma de tecnologias de Saúde em linha (e -Saúde), como uma ferramenta inovadora que permite a política de proximidade entre profissionais de saúde que prestam cuidados de saúde e utentes que os recebem. Tenho a convicção que a Telemedicina é uma das soluções mais sustentáveis, a curto e médio prazo, para garantir com menor financiamento, uma melhor vigilância dos utentes do SNS, ajudando a melhorar os indicadores de saúde, em Portugal e a contribuir para uma melhor eficiência e eficácia do Serviço Nacional de Saúde. Este novo paradigma surge como uma oportunidade de promoção da mudança cultural, quer a nível dos profissionais de saúde, quer dos utentes. Este é um processo dinâmico que carece do envolvimento de todos os profissionais do SNS de forma a garantir uma maior e melhor prestação de cuidados de saúde rentabilizando meios, agilizando cuidados, evitando assim redundâncias e desperdícios. Luís Gonçalves Coordenador do Grupo de Trabalho de Telemedicina

[close]

p. 3

Constituição do GTT Henrique Martins Luís Gonçalves Carlos Ribeiro Fernando Gomes da Costa Miguel Castelo Branco Paulo Pinto Luís Mota Capitão Fernando Miranda António Pina Rui Gomes Adelaide Belo Ricardo Mestre Ana Raquel Santos Manuela Rosado (ARS-Alentejo) Presidente do Conselho de Administração da Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, EPE; Coordenador do Grupo de Trabalho de Telemedicina e representante da ARS-Alentejo; Representante da ARS-Norte; Representante da ARS-Centro; Representante da ARS-Centro; Representante da ARS-LVT; Representante da ARS-LVT; Representante da ARS Alentejo; Representante da ARS-Algarve; Diretor de Sistemas Informação da Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, EPE; Representante da Administração Central do Sistema de Saúde; Representante da Administração Central do Sistema de Saúde; Representante da SaúdAçor; Secretariado do Grupo de Trabalho de Telemedicina SPMS - SERVIÇOS PARTILHADOS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE, EPE

[close]

p. 4

Objetivos 1 2 3 4 Estabelecer ações prioritárias de forma a implementar e monitorizar a Rede de Telemedicina no Sistema Nacional de Saúde (SNS); Permitir igual acesso a todos os profissionais, disponibilizando ferramentas adequadas par a realização de teleconsultas e telerastreios (WEBCAMS); Aumentar a acessibilidade, melhorar a equidade e promover o acesso de um maior número de pessoas a melhores cuidados de saúde; Reforço da estratégia de implementação da rede de Telemedicina. 4 PILARES GTT O Grupo de Trabalho, tem vindo a desenvolver a telemedicina para descentralizar e democratizar os cuidados de saúde, assente em 4 pilares: Legislação/institucionalização Despachos - Secretário de Estado Adjunto do Ministro da Saúde Normas de Orientação Clinica - Direção Geral de Saúde. Telemonotorização no Domicílio DPOC Rastreio/Triagem de várias especialidades v.g. teledermatológico Teleconsultas PDS-LIVE 04 SPMS - SERVIÇOS PARTILHADOS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE, EPE

[close]

p. 5

Pensamos na sua saúde e conforto Grupo de Trabalho de Telemedicina SPMS - SERVIÇOS PARTILHADOS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE, EPE

[close]

p. 6

I Encontro Grupo de Trabalho de Telemedicina O Grupo de Trabalho de Telemedicina (GTT), pertencente à Comissão de Acompanhamento de Informatização Clínica gerida pela SPMS – Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, EPE, realizou no dia 20 de Junho de 2014, em Lisboa (auditório do Infarmed), o I Encontro de Telemedicina do Serviço Nacional de Saúde, que assinala dois anos de funcionamento do GTT. Na abertura do evento, o Secretário de Estado Adjunto do Ministro da Saúde, Dr. Fernando Costa Leal, realçou o trabalho desenvolvido no último ano e anunciou a publicação de um novo despacho, que irá estipular as diretivas necessárias à implementação de uma rede de telemedicina no SNS, de forma a aumentar a acessibilidade aos cuidados de saúde e a rentabilizar a capacidade já instalada. Durante os últimos meses, o GTT desenvolveu diversos projetos-piloto em diferentes zonas do país, com resultados positivos nas diferentes áreas da telemedicina. 06 SPMS - SERVIÇOS PARTILHADOS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE, EPE

[close]

p. 7

SPMS - SERVIÇOS PARTILHADOS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE, EPE

[close]

p. 8

Telemonitorização DPOC No âmbito da Telemonitorização DPOC ao domicílio, o projeto piloto integra 5 hospitais durante um ano e um total de 75 utentes (15 por unidade de saúde). Participam neste piloto, a ULS (Unidade Local de Saúde) do Alto Minho - Hospital de Viana do Castelo - Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte, Centro Hospitalar (CH) Universitário de Coimbra (UC) - Hospitais da Universidade de Coimbra - ARS Centro, CH Cova da Beira - Hospital Pêro da Covilhã ARS Centro, ULS do Norte Alentejano - Hospitais de Portalegre e Elvas - ARS Alentejo e CH do Algarve - Hospital de Faro e Hospital de Portimão - ARS Algarve. Benefícios Esperados: 1. Elevar a qualidade dos serviços prestados aos cidadãos, fazendo com se sintam acompanhados de forma contínua no seu domicílio; 2. Reduzir pelo menos 2 Internamentos Anuais; 3. Reduzir 3 Episódios de exacerbação com recurso aos serviços de urgência; 4. Reduzir 2 Consultas Externas por Ano; 5. Seguir de forma proactiva e contínua as flutuações das condições de saúde de cada utente, permitindo uma reação atempada que responda o melhor possível ao agravamento da doença. 08 SPMS - SERVIÇOS PARTILHADOS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE, EPE 5 Hospitais 75 Utentes Outros Projetos de Telemonitorização no Domicílio em preparação: • Insuficiência Cardíaca e Status Pôs enfarte do Miocárdio (CHUC, Polo 2) • Doentes Multicrónicos (CH Cova da Beira) Rastreio / Triagem dermatológica Em funcionamento: • Centro Hospitalar do Porto Hospital de Santo António/ ACES (Agrupamento de Centros de Saúde)/ULS Nordeste Sabia que no passado, um utente da Unidade Local Saúde do Nordeste aguardava, em média, 111 dias (em relação ao Hospital de Santo António, em comparação com o Hospital de Vila Real, que é um Hospital de referência a espera é superior a 2 anos) para que o seu caso clínico fosse observado por um especialista? Durante o piloto do telerastreio dermatológico o tempo de espera diminuiu para menos de um dia.

[close]

p. 9

Em fase de implementação CH Universitário de Coimbra HUC/ ACES Baixo Mondego e ACES Pinhal Interior Norte Hospital de Aveiro e ACES relacionados Hospital de Leiria e ACES relacionados Hospital de Viseu e ACES relacionados Hospital da Guarda e ACES relacionados Hospital Cova da Beira e ACES relacionados Hospital de Castelo Branco e ACES relacionados IPO Lisboa ACES Médio Tejo e ACES Lezíria ACES do Barlavento Algarvio CHLO Lisboa ACES do Sotavento Algarvio FASE DE IMPLEMENTAÇÃO ULS Alto Minho ACES ULS Alto Minho Centro Hospitalar de Setúbal ACES ULS Litoral Alentejano ACES da Arrábida Na ARS Norte, o projeto de rastreio/triagem dermatológica, iniciado em novembro de 2013, envolve 20 unidades de cuidados de saúde primários, a ULS do Nordeste e o Centro Hospitalar do Porto (Hospital de Santo António). Desde 1 de julho, na região norte, o programa de telerastreio dermatológico integra mais 60 Unidade de Cuidados de Saúde Primário (UCSP) com ligação ao Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia /Espinho. Desde a mesma data, 14 unidades do ACES de Matosinhos irão colaborar com a especialidade de dermatologia do Hospital Pedro Hispano. Na ARS Centro, a experiência de telerastreio tem permitido contornar as dificuldades encontradas. Nesta altura já foram efetuados os 12 primeiros rastreios-teste em parceria com o CHUC. Em Julho foram integradas no projeto, 7 unidades de saúde dos ACES Baixo Mondego e, posteriormente, associaram-se ao projeto, o Centro Hospitalar de Castelo Branco, a ULS Guarda, os ACES da Cova da Beira e o ACES Dão em relação com o Hospital de Viseu. 09 SPMS - SERVIÇOS PARTILHADOS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE, EPE

[close]

p. 10

Na ARS Alentejo, o projeto-piloto de telerastreio dermatológico conta com a participação ativa da ULS do Litoral Alentejano com a parceria de um Hospital e 5 Centros de Saúde. O projeto está também a ser implementado na ARS Algarve, com entrada em funcionamento nos seguintes ACES: Sotavento - Vila Real de Sto. António, Castro Marim e Tavira, ACES Central - Olhão, Faro; Loulé, Albufeira, Quarteira, São Brás de Alportel Barlavento - Portimão, Lagos, Monchique, o Serviço de Dermatologia do Centro Hospitalar do Algarve e ainda os polos de Faro e Portimão e o IPO de Lisboa e o CHLO de Lisboa. O GTT está ainda a preparar o Rastreio/Triagem noutras especialidades: Angiologia/Cirurgia Vascular (Hosp. De Santa Marta de Lisboa – GTT), neurologia (ARS-Alentejo) e oftalmologia (ARS-Norte). Estes Rastreios/Triagem de outras especialidades aguardam pelo desenvolvimento da nova aplicação informática Consulta a Tempo e Horas/Plataforma de Dados da Saúde (CTH/PDS). 10 SPMS - SERVIÇOS PARTILHADOS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE, EPE

[close]

p. 11

O que é a PDS Live? A Plataforma de Dados da Saúde LIVE (PDS-LIVE) é um aplicativo, que funciona diretamente a partir da Plataforma de Dados da Saúde (PDS), e permite a ligação por telemedicina entre qualquer plataforma com as devidas credenciações, podendo por isso efetuar-se tele-consultas entre qualquer computador integrado na Rede Informática da Saúde (RIS), e futuramente também na rede da Internet normal, através da PDS - Portal do Utente, a partir de qualquer computador, tablet ou smartphone. Este aplicativo permite uma videoconferência entre dois ou mais intervenientes de forma interativa, com possibilidade, em tempo real, de preenchimento cooperativo de documentos, anotações sobre imagens, transmissão de ficheiros, sons, vídeos, relatórios, e imagens de qualquer “device” (ecg, ecógrafo, espirómetro, estetoscópio eletrónico, etc.) que se possa ligar por Bluetooth, wi-fi ou USB. Desta forma, poder-se-ão fazer ligações ponto a ponto sempre que necessário, não só entre profissionais como, inclusive, numa fase subsequente, entre profissionais de saúde e utentes no seu domicílio (via Portal do Utente). Uma vez que a aplicação informática será instalada remotamente pela SPMS nos postos de trabalho, a utilização da PDS Live não carece de equipamento especial, como acontecia até aqui, e os custos adicionais serão apenas a colocação de uma câmara de vídeo com capacidade de auto-focagem, segundo as características definidas pela SPMS, mas cujo preço fica bastante abaixo dos 100€. Fica assim ao dispor dos profissionais de saúde uma ferramenta extremamente versátil, acessível em permanência e de simples utilização. Como é lógico e desejável, e não descartando o apoio da Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, EPE e do GTT, competirá às diversas instituições de saúde, em função das realidades locais, avaliar, desenvolver e definir as diversas utilizações e novas formas de articulação que este tipo de comunicação permitirá, desde consultas em tempo real programadas ou “ad-hoc”, em tempo diferido, para os serviços de urgência, hospital/hospital, hospital/centro de saúde, tele-formação, discussão clínica, etc. 11 SPMS - SERVIÇOS PARTILHADOS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE, EPE

[close]

p. 12

Teleconsultas Apresentação do novo aplicativo informático – PDS LIVE decorreu durante o I Encontro de Telemedicina do SNS. Este projeto, que começou a ser desenvolvido há cerca de 1 ano pela SPMS, tendo já sido testado nos Hospitais de Viseu, Covilhã e Centro de Saúde Viseu. Futuras Demonstrações: • ARS-Norte - ULSAM e Centros de Saúde da Unidade • ARS-Centro - CHUC e Centro de Saúde de Cantanhede • ARS-LVT - IPO-Lisboa com Centros de Saúde do Médio Tejo - Hospital de Setúbal com Centros de Saúde da Arrábida • ARS-Alentejo - Hospital do Litoral Alentejano, com Centros de Saúde da Unidade - Hospital de Évora com Centro de Saúde de Moura • ARS-Algarve - Hospital de Faro e Vila Real de Sto. António. A PDS Live é uma nova ferramenta, integrada na Plataforma de Dados da Saúde (PDS), que permite a realização de teleconsultas de forma rápida e segura, não só entre profissionais do SNS, como entre médico e utente e, no futuro, com profissionais privados. Vantagens da PDS live: • Mobilidade total • Em todos os postos de trabalho • Todos os profissionais • Todos os utentes • Multiplataforma / Multidispositivo • Multiutilizador • Independência de fornecedores • Sem custos externos de manutenção A apresentação do protótipo da PDS Live decorreu em Setembro de 2013 e o primeiro piloto do projeto foi concluído com êxito, com o envolvimento da ULS Matosinhos e do Centro de Saúde de Cantanhede. A PDS LIVE será integrada na rede de teleconsulta, com implementação faseada em todo o país. 12 SPMS - SERVIÇOS PARTILHADOS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE, EPE

[close]

p. 13

Teleconsultas de forma rápida e segura Grupo de Trabalho de Telemedicina SPMS - SERVIÇOS PARTILHADOS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE, EPE

[close]

p. 14

Entrevista Luís Gonçalves SPMS - SERVIÇOS PARTILHADOS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE, EPE

[close]

p. 15

Teleconsultas de forma rápida e segura Grupo de Trabalho de Telemedicina SPMS - SERVIÇOS PARTILHADOS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE, EPE

[close]

Comments

no comments yet