Caleidoscópio nº 71

 

Embed or link this publication

Description

Caleidoscópio nº 71

Popular Pages


p. 1

Caleidoscó opio Nº 71 COLÉGIO SANTA MARIA Revista A importância das brincadeiras e dos movimentos na Educação Infantil Eu vim para servir. E você? Evolução nos resultados dos vestibulares 2015 Crise no abastecimento hídrico de São Paulo é trabalhada em sala de aula

[close]

p. 2

convite REGISTRO DA NATUREZA expediente Instituto das Irmãs da Santa Cruz COLÉGIO SANTA MARIA Av. Sargento Geraldo Santana, 890/901 Jardim Marajoara – São Paulo/SP (11) 2198-0600 santamaria@colsantamaria.com.br www.colsantamaria.com.br CONSELHO EDITORIAL Irmã Diane Clay Cundiff Irmã Anne V. Horner Hoe Adriana Tiziani Beth Costa Karine Ramos Marcia Rufino Muriel Alves Roberta Edo Silvio Soares Moreira Freire Tiyomi Misawa EDITORA Suze Smaniotto DIRETOR DE ARTE Marcelo Paton REVISÃO Rita de Cássia Cereser Sogi COLABORADORES Adriana Freitas, Ana Cláudia Henriques Lasinskas, Carlos Eduardo Colabone, Caroline Mieko Agata Moreira, Claudia R. Simões Lacerda, Cleber Teodoro, Denise Carneiro, Edith Sonagere Nakao, Elaine Soares da Silva, Eliane Lima, Elizabeth Muniz, Gabriela Herane, Gilberto de Carvalho Soares, Inês Angelini Namour, José Antonio Pinedo, Luciana Proença, Luís Fernando Branco, Maíra Bedran Gouveia, Maíra Nascimento, Maria Carolina Biscaia, Maria Soledad Más Gandini, Marisa Dimov, Maria Beatriz Brito Rossetti, Patrícia Kraft, Priscilla Rolim, Ricardo Borduchi, Rita de Cássia Cereser Sógi, Rosilene Moutinho, Simei Ribeiro, Sueli A. G. Gomes, Tatiana Uehara, Wallace Marante Impressão Intergraf Tiragem 6 mil exemplares A Revista Caleidoscópio é uma publicação do Colégio Santa Maria. Não é permitida a publicação de seus textos sem a devida autorização. Quem visita o Santa Maria se impressiona com a beleza dos nossos jardins, resultado do primor da natureza e do capricho da nossa equipe de jardinagem. Você, que tem o privilégio de conviver com essa exuberância natural, está convidado a registrar o pedacinho do jardim ou a flor que mais lhe agrada. Envie desenhos ou fotos para o e-mail caleidoscopio@colsantamaria.com.br. Seu trabalho pode ser selecionado para a seção Mosaico da Caleidoscópio. Participe! 02

[close]

p. 3

sumário carta 04 06 09 10 12 14 16 17 18 20 22 COTIDIANO Irmã Diane Clay Cundiff Diretora geral do Colégio Santa Maria ESPECIAL ÁGUA SÓ NO SANTA NOSSOS GIGANTES C VISÃO AÉREA MAIS SABER RADAR REFLEXÃO NA REDE RAÍZES DEPOIS DO SANTA TÚNEL DO TEMPO omo muitos devem saber, acabamos de concluir uma obra bastante significativa, os novos prédios do Ensino Médio. Um dos pais do Colégio tem um drone (pequeno helicóptero, que permite acoplar uma câmera) e tirou fotos aéreas das novas instalações. Foi surpreendente ver do alto a obra que visitei mais de 500 vezes, conferindo cada espaço, cada novidade que os construtores preparavam. Portanto, vê-la na sua totalidade e grandeza, representou uma experiência completamente diferente. É incrível enxergar o conjunto todo, não apenas a planta baixa ou por pedaços estanques. Tive a mesma impressão quando li esta edição da Caleidoscópio, como se estivesse, às vezes, em um drone e, às vezes, entrando nos espaços fragmentados. Ao ler sobre a atividade do Dia Internacional da Mulher, me senti andando pelo detalhe da obra que é o dia a dia do Santa Maria. Na matéria sobre os Jogos Interclasses, a vista aérea mostra que nossos alunos desenvolvem habilidades como “persistência e perseverança”, que perpassam todos os artigos. Já nas matérias sobre a crise de abastecimento de água e os trabalhos relacionados ao tema da Campanha da Fraternidade, se vê os detalhes de quem anda por dentro da obra e a grandeza do conjunto. Os alunos criam as peças e o conjunto vai se formando, o que fizermos aqui em São Paulo terá efeito planetário, pois o problema da água não é apenas de São Paulo ou do Brasil, mas sim do mundo inteiro. Cada um tem que ser criativo e responsável. As ações individuais é que gerarão o efeito necessário. Ou seja, a viagem de drone vai ser harmoniosa ou uma sequência de fragmentos desconectados. A matéria sobre tutoria é outro exemplo de atividade de quebra-cabeça que organiza peças aparentemente desvinculadas para ajudar o aluno a enxergar como aplicar conhecimentos e habilidades de uma aula ou componente a outros contextos. É um apoio para ele subir no drone. Já os ex-alunos, ao contarem suas histórias, também estão olhando a escola não da ótica que tiveram na vivência do dia a dia, mas do alto da sua experiência profissional, como se estivessem sobrevoando aquele período e avaliando o todo. Estão todos convidados a aproveitar esses voos e aterrissagens e compartilhar conosco, por carta, como fez uma ex-aluna no Túnel do Tempo (página 22), ou enviando fotos detalhando o que você leitor, aprecia do Colégio (ver na página ao lado). | 03

[close]

p. 4

cotidiano Caleidoscópio nº 71 MITOLOGIA NÓRDICA AOS DIAS DE HOJE Os alunos do 7º ano do Fundamental II celebraram o Dia Internacional da Mulher de uma forma diferente. A partir de um breve estudo da mitologia nórdica, nas aulas de Língua Portuguesa e História, eles conheceram a narrativa de Idun, deusa da juventude, que teve sua mão ofertada em casamento contra sua vontade. Já no 9º ano, a data foi trabalha- MULHER: DA da nas aulas de Língua Portuguesa através do texto de Lola Aronovich, “Dispenso esta rosa”. Paralelamente, usando como mote a obra teatral O Noviço, de Martins Pena, analisaram o papel social feminino no século XIX. Em ambas situações, foi possível refletir sobre o papel da mulher nas diferentes culturas e momentos da história da humanidade. JOGOS INTERCLASSES A primeira edição dos jogos de integração interclasses do Fundamental II foi realizada nos dias 28 de fevereiro e 7 de março. Além da recepção e acolhida aos alunos novos, o evento fez parte das atividades responsáveis pela criação de identidade e sociabilização do novo grupo, formado em 2015. Durante as aulas de Educação Física, os alunos foram preparados orientados a um processo de organização, treinamento, análise tática e técnica nas modalidades disputadas. Isso culminou em disputas calorosas, leais e imbuídas do espírito de integração, união e parceria entre as diferentes turmas. Por meio da linguagem do esporte, os alunos colocaram em prática os valores e virtudes intrínsecos ao processo de trabalho com desporto: competição sadia e respeitosa, valorização do adversário e dos companheiros de equipe. Além de persistência, perseverança, planejamento e aplicação de planos táticos, confraternização do grupo série, fair play, solidariedade e coerência nas atitudes e condutas desportivas. No segundo semestre tem mais. CELEBRAR O SERVIÇO AO BEM COMUM Neste ano, a missa organizada pelo 6º ano propôs à comunidade do Santa Maria relembrar que essa é a celebração principal da fé, o centro e a raiz da vida. Por outro lado, por ser memorial da Páscoa de Jesus, a Celebração Eucarística não pode ficar alheia aos acontecimentos da vida, à realidade pessoal, social e política. Nesse sentido, em função do projeto da série Trans-forma-ação: Sociedade e Direitos Humanos e do contexto vivido, foi escolhido como tema do encontro de 11 de abril “Celebrar o serviço ao bem comum”. A vivência espiritual convidou a comunidade a refletir sobre a importância de todos nós – de acordo com o lugar e o papel que cada um desempenha - tomarmos parte na construção do BEM COMUM, entendendo que esse é um dever essencial à dignidade da pessoa humana. LAVA-PÉS Em preparação à Páscoa, o 1º ano do Fundamental I realizou a celebração do Lava-pés. Os alunos repetiram o ato de Jesus com seus apóstolos em um clima cerimonioso e emocionante. 04

[close]

p. 5

PALESTRA SOBRE Os professores do Fundamental I tiveram no início de março uma palestra com o tema “Conceitos Estruturantes no Ensino de Ciências”, ministrada pelo professor de Ciências do 6º ano, Simei Ribeiro. A palestra teve como foco principal discutir o que são CIÊNCIAS DA NATUREZA os conceitos estruturantes no componente de Ciências: como selecioná-los a partir da construção dos mapas conceituais e, principalmente, como estes conceitos servirão para aprimorar o trabalho com habilidades junto aos alunos. Após a parte teórica e discussões sobre o tema, foram apresentadas duas aulas-modelo, utilizando diferentes conceitos estruturantes e recursos variados para ilustrar e demonstrar, através da aplicação, como os conhecimentos adquiridos devem ser trabalhados em sala de aula. PARTICIPATIVAS EXPERIÊNCIAS NOVO CURSO EXTRACURRICULAR Com o objetivo de sistematizar os estudos e estabelecer uma rotina na vida acadêmica dos alunos, o Santa Maria passou a oferecer o curso de Tutoria e acompanhamento de lições e trabalhos. Os alunos precisam estar com suas agendas em ordem, lições e tarefas anotadas para que possam fazê-las no momento da aula. Além da execução das tarefas, eles são incentivados a rever todo o conteúdo trabalhado no dia. De acordo com a Neurociência, o conteúdo é assimilado na memória de longo prazo quando é revisto e se retoma o caminho pelo qual ele foi adquirido e, assim, quanto mais o aluno tem contato com sua própria aprendizagem, maior será a retenção da informação. Este curso também proporciona um momento específico de atenção às tarefas, minimizando os estímulos externos que interferem no momento do estudo. Outro benefício verificado é o estudo em grupo, que permite aos colegas de série troca de ideias, esclarecimento de dúvidas e discussão de diferentes pontos de vista de um mesmo conteúdo, pois cada um recebe, interpreta e utiliza o conhecimento adquirido de uma maneira diferente, trazendo uma grande riqueza cognitiva. É importante que as famílias incentivem os alunos para que mantenham esta rotina e esta sistematização de estudos em casa, que são valorizados hoje e sempre serão. A disciplina faz parte da vida! A participação dos jovens no contexto escolar diz respeito à presença ativa deles nos processos de decisão da escola. A experiência participativa representa uma das formas de os jovens vivenciarem processos de construção de pautas, projetos e ações coletivas. Isso pode lhes proporcionar o desenvolvimento de habilidades discursivas, de convivência, de respeito às diferenças e liderança, dentre outras capacidades relacionadas ao convívio na esfera pública. No Santa Maria, há algumas e importantes experiências de participação dos alunos. O Grêmio do Ensino Médio atua de forma cada vez mais organizada e ampla na vida escolar. A atual gestão (Ágora), eleita pelos alunos para o mandato agosto 2014/ julho 2015, tem o objetivo de representar o corpo discente, defendendo seus interesses, incentivando atividades esportistas/culturais e buscando uma maior participação nos fóruns internos do Colégio. Aplicada no final do ano desde 2012, a Pesquisa on-line de Avaliação do Ensino Médio envolve todos os alunos das três séries. Ao participarem, eles manifestam sua opinião individual e anônima sobre os diversos setores da escola, avaliam as ações da orientação e direção e analisam os cursos desenvolvidos pelos professores durante o ano letivo. As 26 questões da pesquisa captam as expectativas, desejos e situações vividas pelos alunos, gerando uma revisão, após análises, de algumas práticas e procedimentos do Ensino Médio. “Ao vivenciar essas experiências, o jovem aprende e exercita sua participação nos processos de decisões da escola”, afirma Silvio Soares Moreira Freire, diretor do Ensino Médio. Foto: Priscilla Rolim | 05

[close]

p. 6

cotidiano Caleidoscópio água nº 71 SEDE DE AÇÃO E CONHECIMENTO As várias facetas e implicações da crise no abastecimento de água em São Paulo foram alvo de discussões, estudos e iniciativas inovadoras no âmbito do Santa Maria. As atividades aqui relatadas – entre as muitas desenvolvidas nos últimos meses - mostram que o trabalho extrapolou os muros do Colégio, ganhando a dimensão que o problema impõe a toda a sociedade O MUNDO PRECISA DE BOAS INICIATIVAS O BEM-ESTAR COLETIVO O projeto do 2º ano está relacionado ao desenvolvimento consciente e sustentável. A proposta de trabalho tem como objetivos refletir sobre a falta de água no Planeta Terra e identificar as consequências geradas; ler e analisar reportagens e imagens de populações que vivem com a falta de água; listar ações individuais que podem interferir, positivamente ou negativamente, no coletivo e que podem ser modificadas; adquirir atitudes de reuso da água, na escola e em casa, para economia e outras finalidades possíveis; compreender que água e energia estão intimamente interligadas e são interdependentes. Além das informações e conscientização, realizamos um trabalho prático ao longo do ano, em que os alunos são “agentes ambientais” . Durante a semana, alguns são escolhidos para fiscalizar se as medidas combinadas estão sendo realizadas, como não dar descarga sem necessidade e acionar a torneira apenas quando for enxaguar as mãos. Para que o trabalho atingisse as famílias, os alunos fiscalizaram as pessoas que moram dentro da sua própria casa. Durante um período, observaram as atitudes das pessoas, anotaram em uma ficha o responsável pela ação, se ela foi positiva ou negativa e descreveram o ocorrido. Dessa forma, o foco do trabalho foi estimular a família a ter atitudes sustentáveis por meio da informação e conscientização levadas pelos alunos. Para ampliar o estudo, os alunos foram sensibilizados a pensar e ter consciência sobre o possível futuro, caso as nossas ações não sejam modificadas atualmente. “Eles assumiram seus papéis e se comprometeram, mesmo que com pequenas atitudes, a preservar o patrimônio natural que é de todos” , declara a professora Maíra Bedran Gouveia. A água é onipresente em nossas vidas, está em tudo o que nos cerca e nos movimenta. Mesmo considerada essa multiplicidade funcional e que a torna essencial, quase não a percebemos dentro da nossa rotina, ou melhor, não percebíamos. Com a atual crise de abastecimento, que nos incomoda e aterroriza, tivemos que nos adaptar de maneira abrupta e forçada a essa nova realidade, reaprender a nos relacionar com esse bem precioso. Para tanto, foram necessárias mudanças de postura, com um tanto de criatividade e aumento de vigilância. Qualquer gota perdida é desperdício. Partindo desse pensamento, o 7º ano, num trabalho interdisciplinar, promoveu discussões e reflexões que resultaram numa pequena mostra focada no tema gerador “O Mundo precisa de boas iniciativas”, com o intuito de reforçar e disseminar as boas ideias, as boas iniciativas. 06

[close]

p. 7

GUARDIÕES DA NATUREZA Os alunos do 3º ano do Fundamental I refletem e também vivenciam experiências no projeto de Educação Ambiental da série, cujo tema é “A serviço do meio ambiente: ações que fazem a diferença!”. Para estimular os alunos a incorporar princípios e critérios de gestão ambiental em suas atividades rotineiras, bem como incentivar ações de combate ao desperdício e a minimização de impactos ambientais, eles se tornaram Guardiões da Natureza. “Com aventais verdes, durante o recreio, os Guardiões circulam pelos espaços e conversam com os colegas a respeito da importância de não desperdiçar os alimentos, destinando as sobras e o lixo produzido aos respectivos containers”, explica a professora Edith Sonagere Nakao. “Ser um guardião não é fácil. Precisamos conversar muito com os colegas para que todos ajudem a cuidar dos espaços em que tomamos o nosso lanche!”, afirmam Giovanna e Sophia, alunas do 3º ano D. A conscientização a respeito da importância da economia de água também mobilizou os Guardiões. Após coleta de dados, entrevistas com as famílias e reflexões coletivas, eles listaram formas de economizar a água. “Nós reduzimos o tempo do banho e deixamos a torneira fechada ao escovarmos os dentes e ensaboarmos a louça”, relata a família do aluno Miguel. Munidos de cartazes em forma de gotas, os estudantes fizeram uma campanha interna junto às demais séries, recitando quadrinhas sugestivas sobre formas de não se desperdiçar a água. No momento da saída, as famílias foram envolvidas com os cartazes e receberam panfletos com as quadrinhas. BOCA NO TROMBONE O Brasil joga fora 37% da água tratada que produz. Metade de toda a água que é produzida acaba sendo desperdiçada em vazamentos. E tem ainda o desperdício que, segundo os especialistas, não entrou nesta conta. Ele vem dos maus hábitos de consumidores, que deixam torneiras abertas, tomam banhos demorados e usam mangueiras sem controle. Estes e outros flagrantes do desperdício de água serviram como material de estudo para os alunos do 5º ano, que sabem que utilizar a água de forma mais racional é uma questão de sobrevivência para toda a humanidade. Em comemoração ao Dia Mundial da Água, 22 de março, os alunos realizaram uma série de ações visando esclarecer e conscientizar as pessoas sobre a necessidade de economia e do reuso da água. Elas foram compartilhadas com a Sabesp por meio de uma carta, na qual os alunos também pediram maior transparência em relação às providências tomadas com os vazamentos que aparecem na cidade por canos furados, hidrantes em mau estado e até por causa das ligações clandestinas de água. VISIBILIDADE ÀS INFORMAÇÕES Os alunos do 6º ano do Fundamental II prepararam para o Dia Mundial da Água propagandas inteligentes alertando sobre a escassez de água potável no Planeta. Anterior à montagem dos trabalhos, o professor responsável pelo componente de Ciências, Simei Ribeiro, realizou com os alunos discussões, utilizando textos, vídeos e projeções, sobre o assunto, para que os mesmos pudessem construir seu embasamento teórico e ideias para produzir sua propaganda. Os trabalhos foram expostos no corredor da capela. | 07

[close]

p. 8

cotidiano Caleidoscópio água AMPLO DEBATE Os estudantes do 8º ano estão realizando um amplo debate com a finalidade de compreender como o Brasil, país que concentra cerca 12% da água potável disponível do planeta, vem enfrentando a mais grave crise de abastecimento de sua história. Nos momentos de discussão, em sala de aula, os jovens têm refletido as causas que envolvem o problema: falta de vontade política, notada na falta de investimentos para a captação de água; vazamentos nas redes de distribuição ou esgotos ainda despejados em rios sem qualquer tratamento; questões climáticas; distribuição desigual da água no país; desperdício. “Discutindo o problema, podemos procurar soluções, como evitar o desperdício, buscar formas de economizar, reutilizar ou aproveitar a água da chuva e, acima de tudo, formar cidadãos críticos, capazes de interferir de forma positiva participando da solução do problema”, declara a professora de Ciências, Denise Carneiro. As reflexões e análises foram divulgadas em um mural e no site do Santa Maria. nº 71 CAUSA E EFEITO O 9º ano do Fundamental II visitou a represa Billings, que compõe o sistema de abastecimento de São Paulo.“Os alunos puderam notar o descaso com que o maior reservatório de água da região metropolitana é tratado”, diz a professora de Ciências da Natureza, Marisa Dimov. As discussões sobre o tema na série abordaram a dependência da chuva para que os reservatórios hídricos não sequem, fato ocorrido em muitas cidades do Estado, a necessidade de uma política de captação e armazenamento que garanta o abastecimento de água, ou seja, de planejamento hídrico. Eles também analisaram as consequências do uso inadequado do solo, da construção de moradias e indústrias próximas aos mananciais, que afetam drasticamente a qualidade e o abastecimento de água. Ponderaram que não é mais possível pensar que a água é um recurso ilimitado, portanto, o uso irracional e a poluição da água, mesmo em uma das áreas melhor abastecidas do Planeta pode ser um limite ao desenvolvimento e ao bem- estar. As alunas Letícia Hoenen, Luana Mitsudo e os alunos Luis Oshiro e Vinícius Fabri rimaram sobre o uso da água: “Se a água economizar, usada com consciência, responsabilidade e coerência, nossa vida vai melhorar”. Já o aluno Felipe de Sá completa: “Estamos fazendo com que a água escorra para longe de nossas vidas e isso é simplesmente lamentável”. 08

[close]

p. 9

só no santa Caleidoscópio nº 71 O QUE PENSAM – E SENTEM – AS PESSOAS QUE CONSTROEM O SANTA MARIA DIA APÓS DIA Frases extraídas de uma atividade realizada no 2º ano do Fundamental I de relato de vivência, partindo de diferentes explorações do ambiente escolar: Eu acho que essa escola é espetacular porque ela é grande, tem muitos alunos, professores gentis e uma floresta. Aqui eu tenho vários amigos. - Manuela Lippi Zanzotti “ ” “O Colégio Santa Maria é a melhor escola porque é grande, a paisagem é bonita e eu pos” so cantar, jogar futebol, desenhar, fazer contas e muitos desafios. - Francisco Atoiantz Delfino Capanacci Payão “Por trás dos portões do Santa Maria, encontrei não só uma grande escola bem reconhecida de São Paulo, mas também uma segunda casa. O novo sempre assusta, pois fazer parte de um novo grupo exige adaptações e mudanças, entretanto, a minha sensação aqui desde o primeiro momento foi de encantamento. Aqui, fui atenciosamente recebida pelo porteiro, que mesmo sem me conhecer, demonstrou se preocupar em me atender. Em seguida, fui muito bem acolhida por toda a equipe pedagógica, que fez com que eu já me sentisse parte da equipe como se há muitos anos já o fizesse. Assim, fazer o que se acredita e trabalhar em um lugar onde as pessoas se preocupam umas com as outras, sem dúvida é garantia de muitas conquistas e realizações. Portanto, fazer parte hoje de uma equipe tão comprometida, responsável e, acima de tudo, humana me torna uma profissional muito feliz e com certeza uma pessoa cada vez melhor.” Tatiana Uehara, professora do 2º ano do Fundamental I A minha escola, claro, é a melhor! Todo mundo sabe disso! Tenho muitas lições que me deixam mais inteligente. - Manuela Marin Russo “ “ “ ” O Colégio Santa Maria ensina a viver melhor, sentir o gosto da vida e da natureza. - Gabriela Barcelos Prada ” No Colégio Santa Maria, a melhor escola do mundo, tem sagui, borboleta, minhoca, passarinho, tem fitinha nas árvores e plantas diversas. Eu aprendi, em Ensino Religioso, que é preciso cuidar de todos os animais e dos meus amigos porque Deus cuida de tudo. - Arthur Pernomian Brandão “Dedico-me a aprender e ensinar há 19 anos e nesse período atuei em escolas públicas e privadas, estudei no Brasil e fora dele, me tornei Mestre em Educação e conheci muitas propostas pedagógicas, porém faltava-me um “lugar” que representasse minhas convicções, faltava-me uma Escola com características fundamentais para realizar verdadeiramente uma Educação de qualidade, uma Escola respeitosa para com seus alunos, professores e que defendesse valores éticos e morais, que acreditasse que seus professores são mestres e que possuísse mantenedores sábios, que atuam com princípios pautados na ética, no desenvolvimento intelectual e no amor. E foi então que em um dia de dezembro de 2014, encontrei uma esperança, adentrei uma Escola que reunia minhas convicções e com muito respeito e amor fui acolhida. Obrigada, Colégio Santa Maria!” Karine Ramos, orientadora do Pré ” O Santa Maria é a melhor escola do mundo porque ela é especial para mim. As professoras são boas em ensinar e exigentes. Esta escola é bonita, arrumada e grande! Aqui tem jardineiros e eles cuidam bem do jardim, regam, tiram as plantas velhas e plantam flores novas. - Luísa Ruivo Andrade “ ” | 09

[close]

p. 10

nossos gigantes Caleidoscópio nº 71 PULANDO, DESENVOLVENDO, APRENDENDO E BRINCANDO B rinquedos e brincadeiras populares vêm perdendo espaço para os tablets, televisão, jogos eletrônicos e brinquedos de controle remoto. Mas o que as famílias precisam saber é que elas oportunizam inúmeros benefícios para o desenvolvimento infantil que nenhum equipamento tecnológico é capaz de proporcionar. Ao pular corda, a criança compreende sua ação, desenvolve o pensamento lógico-matemático por meio de relações espaço-temporais, além de valorizar a cultura das brincadeiras de seus pais e familiares. No Santa Maria, brincadeiras são aplicadas ao desenvolvimento infantil e aliadas à compreensão matemática. As ladainhas (Quantos anos você tem? Um, dois, três...) permitem que os alunos percebam sequências, regularidades e dialoguem com a brincadeira, assim sentem-se motivados a participar inúmeras vezes, mesmo que encontrem dificuldades no início. “Depois da atividade realizada e algumas variações da brincadeira de corda, conversamos a respeito das estratégias utilizadas, o que deu certo, o que não deu e o que podemos melhorar na próxima brincadeira”, explica a professora do Pré, Maria Beatriz Brito Rossetti. Também é feito o registro em forma de desenho, para que a criança reflita sobre o que realizou e o professor perceba os aspectos mais significativos para cada um. Os registros são focados nas sensações corporais e do movimento da corda, que são características de quem ainda procura dominar e coordenar os movimentos do corpo e da corda para pular com maior destreza. “O aprendizado lúdico é uma constante no Santa Maria e, para a turma do Pré, aprender é sempre uma diversão”, define a professora. narrativa; nele a criança imagina, cria e organiza imagens, criando o que quer comunicar, por meio da oralidade e do desenho. “A partir destas experimentações a criança constrói suas redes neuronais e amplia suas habilidades para alfabetizar-se e produzir diferentes textos e maneiras de se comunicar”, revela a professora Patrícia Kraft. OFICINAS DE PSICOMOTRICIDADE As turmas do Jardim I e II e seus familiares foram convidados a participar de oficinas de psicomotricidade. Vivenciar brincadeiras teve como objetivo refletir sobre as seguintes questões: Qual a importância das experiências sensoriais e das descobertas feitas por meio do corpo? Como posso ajudar meu (minha) filho (a) a desenvolver habilidades motoras e a perícia do movimento para andar numa guia, voltar de marcha ré, saltar, manusear a tesoura, o lápis, os pincéis? “A proposta era fazer com que pais e mães percebessem, por meio das atividades, que o corpo para a criança pequena é o principal instrumento de aprendizagem. Por meio dele ela sente, escuta, fala, brinca e interage nos espaços; os sentidos ficam despertos e atentos para os estímulos, experiências e aprendizagens”, explica a professora do Jardim II, Eliane Lima. “Os espaços são como o papel para a criança e o corpo, o lá- NEUROCIÊNCIA NA PRÁTICA: O PAPEL DO DESENHO NA INFÂNCIA Conforme bem definiu a neurocientista Elvira Souza Lima, “Ao revelar essa coreografia cerebral, a neurociência nos mostra a melhor forma de interferir”. Uma das marcas da infância é o desenvolvimento da função simbólica, como brincar, desenhar, imaginar. “Ao longo desse processo, a criança desenvolve a memória, criando acervos e desenhos de acordo com sua ação nos contextos em que vive”, explica a professora Gabriela Herane. O desenho faz parte da cultura infantil e do currículo no Santa Maria. Por meio dele, a criança experimenta diversas formas e desenvolve o traçado. O domínio da forma desenhada é uma das bases do desenvolvimento da escrita. O desenho tem uma ação que se compõe formando uma 10

[close]

p. 11

pis”, resume a professora do Jardim I, Claudia R. Simões Lacerda. Papel (os espaços) e lápis (o corpo) que ajudam as crianças a desenvolverem o equilíbrio, a tonicidade, a lateralização, a noção de imagem, esquema corporal e a praxia fina; corpo que descobre, aprende e cria memórias do movimento. Depois de muitas brincadeiras, observações e percepção de como são organizadas e planejadas as manhãs das crianças na escola, como são convidadas a crescer “motoramente” e a conquistar habilidades fundamentais para seu desenvolvimento, o grupo refletiu sobre o que as crianças são capazes de fazer porque cresceram e, também, a respeito do que as famílias podem fazer em casa para que habilidades sejam desenvolvidas, como beber líquidos em copos, vestir roupas sozinhas e brincar de massa de modelar e argila. “AS EXPERIÊNCIAS NO COMEÇO DA VIDA FORMAM A BASE PARA TODO O DESENVOLVIMENTO POSTERIOR” JACK SHONKOFF que animal é. Dessa forma, cada turma elegeu um animal para ser o Nicolau, criando assim uma identidade grupal. Surgiram “Nicolaus” de várias espécies: leão, peixe, elefante, entre outros. Depois de contarem e recontarem a história, cada turma construiu o seu Nicolau que, juntamente com o livro, visitou a casa de todos os componentes do grupo. As famílias contribuíram acolhendo Nicolau em suas casas e ajudando seus filhos em pesquisas. As crianças aprenderam a valorizar a amizade, respeitando o modo de ser de cada companheiro. não verbal; b) linguagem telegráfica e estereotipada, acontece quando a criança utiliza palavras isoladas para nomear objetos, pessoas ou recitar o alfabeto e numerais, bem como quando usa frases que ouve no contexto no qual ela está inserida; c) utilização produtiva na nova língua, estágio no qual criança começa o processo de construção de suas próprias frases, combinando frases prontas e nomes dos objetos que ela conhece. Tenta descrever atividades, ideias, necessidades. Para contemplar o desenvolvimento da língua inglesa as aulas foram organizadas tendo como objetivo oferecer duas aulas semanais que promovam interações e brincadeiras na segunda língua, bem como apoiem novas descobertas e expansão do conhecimento. “Nosso objetivo é que as crianças desenvolvam o gosto pelo aprendizado da língua por meio de músicas, vídeos, rimas, jogos, brincadeiras, contos e histórias; ampliem as competências linguísticas por meio do aprendizado de novas palavras, cantando canções, ouvindo padrões sonoros em palavras e aquisição de novos vocabulários e avancem os diferentes estágios de aquisição da língua inglesa”, declara a orientadora do Pré, Karine Ramos. Para encantar as crianças, está sendo utilizado o material Mother goose on the loose - “As rimas da Mamãe Gansa”, literatura de contos infantis. VOCÊ TAMBÉM SONHA EM TER UM AMIGO? Logo no início do ano, período repleto de sentimentos e novidades, as crianças do Jardim II ouviram a história “Você também sonha em ter um amigo?”. “Nosso objetivo foi o de trabalhar a formação de um novo grupo, criando e estreitamento laços de amizade”, revela a professora Luciana Proença. Por meio da história e de propostas de atividades, as crianças perceberam que podem fazer muitas coisas em companhia dos amigos: brincar, passear, lanchar, desenhar e até brigar e fazer as pazes. “Combinamos que os conflitos devem ser resolvidos com diálogo”, conta a professora Elizabeth Muniz. Todas as personagens do conto são animais e têm nomes; porém, um deles, o Nicolau, o autor não revela EM 2015, O PRÉ FALA INGLÊS! A primeira infância é um momento propício para iniciar o aprendizado de uma segunda língua. Nessa fase a criança dispõe de todas as conexões cerebrais para assimilar novos conhecimentos, sendo comprovados por meio de pesquisas científicas os benefícios desta aquisição em aprendizados futuros. A aquisição da língua inglesa acontece em estágios, sendo que cada um é imprescindível para o avanço ao seguinte. O currículo das aulas do Pré foi desenvolvido tendo em vista tais estágios: a) descoberta de um novo idioma, momento no qual a criança começa a entender que a língua que está ouvindo é inglês, diferente da sua língua materna, chamamos de período

[close]

p. 12

mais saber Caleidoscópio nº 71 SINTONIA FINA A Campanha da Fraternidade deste ano traz um tema que encontra ressonância em várias atividades desempenhadas pelos alunos do Santa Maria: “Eu vim para servir” CONHECER O OUTRO, APRENDER COM AS DIFERENÇAS Os alunos do 1º ano do Fundamental I tiveram, logo no início do ano letivo, uma experiência que evidencia a habilidade de acolher e formar novas amizades. O trabalho foi contextualizado com o livro “Eu fico feliz, você fica feliz” , que fala de amizade. “Incentivamos os alunos a ‘adotar’ um aluno novo para acompanhar, ensinar os locais em que estudam e brincam, acompanhados pela professora e auxiliares” , explica a orientadora da série, Sueli A. G. Gomes. Assim, vão se construindo os primeiros pilares de um relacionamento, até que se constituam como um grupo. Aliás, esse espírito se estende às atividades de aprendizagem, como a formação de duplas colaborativas. Dessa forma, o ensino não está somente nas mãos dos professores, todos oferecem seus conhecimentos para contribuir. Nesse sentido, também se alinha o tema da Campanha da Fraternidade. O que é servir para alunos de 5 e 6 anos? Quando podemos dizer que servimos ao outro? “Quando aprendemos a olhar para ele, a identificar suas necessidades e nos colocamos a serviço dele para que as supere, como o trabalho do início do ano, por exemplo, propõe” , declara a professora Elaine Soares da Silva. A parceria com a Creche Nossas Crianças aproxima a todos. Visitas mensais com propostas de trabalho conjunto trazem situações de convivência e aprendizagem. Todos ensinam e aprendem, partilham afetos, conhecimentos, habilidades, conquistas – servem ao outro, enfim. “Teremos muito o que colher, no final do ano, com certeza!” , sintetiza a orientadora. ESPAÇO ABERTO “Envelhecer com dignidade: um olhar para o idoso de São Paulo” é o tema do projeto de inserção social do 3º ano do Fundamental I. E é para que os idosos possam viver dignamente que o Centro de Acolhida Especial para Idosos, Jardim Umuarama, também conhecido como Espaço Aberto, trabalha. Com o intuito de viver momentos de troca de experiências, os alunos visitaram os idosos e foram recebidos com muita alegria por todos. Realizaram entrevistas, conversaram bastante, visitaram a casa, prepararam e serviram um delicioso café da tarde para os seus 60 moradores. Uma das perguntas feitas para o grupo de idosos era se eles gostariam de deixar alguma mensagem para os alunos. O senhor Edgar comunicou: “Gostaria que Deus abençoasse as crianças. Que tenham uma infância e uma adolescência com muita paz, alegria, saúde e muita inteligência para aprender e vivam em paz e harmonia com sua família e com todas as pessoas” . Essa experiência trouxe um grande aprendizado aos alunos, ou reforçou algo que eles já acreditavam: é preciso sempre cuidar dos idosos. Em classe, os alunos escreveram um texto contando sobre a visita. O aluno Gustavo Martins e Sá escreveu: “Fiquei feliz por poder levar paz, alegria e esperança aos idosos com a nossa visita. Aprendi com eles que 12

[close]

p. 13

devemos respeitar todos os idosos, em qualquer situação” . Para quem ficou com vontade de conhecer um pouco desse local, a diretora avisa que precisam de voluntários. A casa fica na Rua Eduardo Amigo, 103 B, Jardim Umuarama. GESTÃO POSITIVA DE CONFLITOS Conflitos não são problemas externos que invadem a escola, nem são atípicos ou antinaturais. O problema não está no conflito, mas no modo como são resolvidos. É pelo conflito que se aprende, pois o ser humano é preparado para perceber perspectivas diferentes e se fortalecer diante das relações interpessoais. Os alunos do 4º ano do Fundamental I terão oportunidade de participar de atividades que discutirão e proporcionarão reflexões sobre o assunto. Em alguns momentos, serão mediadores de conflito e em outros serão mediados, pois na resolução dos conflitos os valores são transmitidos nos procedimentos, não nos resultados. Princípios de justiça, diálogo e respeito devem ser vivenciados. É fundamental acreditar na capacidade dos alunos de solucionar conflitos - o que não significa aceitar qualquer alternativa de resolução. Uma boa solução deve incidir sobre as causas e respeitar princípios. O desenvolvimento do projeto permeará todos os componentes curriculares em diferentes situações de comunicação favorecendo a troca de opiniões, a partilha de sentimentos e o exercício da empatia. A capacidade de recusar e divergir faz parte da autonomia que queremos desenvolver em nossos alunos. Conflitos devem ser vistos como um componente da ação coletiva que podem ser utilizados de maneira construtiva. “COMO SOU NOVO NO COLÉGIO, NÃO SABIA MUITO SOBRE ESSA EXPERIÊNCIA. MAS ACHO QUE VAMOS CRIAR LAÇOS COM OS FUNCIONÁRIOS E APRENDER SOBRE O QUE ELES FAZEM TODOS OS DIAS. ACHO QUE VAMOS PODER NOS SENTIR COMO ELES” MÁRCIO VALLE MEIRELLES, DO 7º E. VIVÊNCIA COM FUNCIONÁRIOS Uma das atividades do Projeto da Série do 7º ano, “Trabalho a serviço da vida”, é a Vivência com os Funcionários. Nessa atividade, os alunos vivem a experiência de uma manhã em alguns departamentos do Colégio, acompanhados por funcionários/trabalhadores. Além de explicar aos estudantes as ações que desenvolvem no departamento no qual trabalham, os funcionários compartilham com o aluno a realização do seu trabalho, de modo que os alunos percebam a importância do ofício que eles (trabalhadores) desempenham. Antes, durante e depois da Vivência, são realizadas reflexões sobre o trabalho como ação que proporciona acessos, insere o indivíduo na sociedade. Antecedendo o período da Vivência, os alunos recebem a visita de um funcionário durante uma aula para ser entrevistado com perguntas resultantes das orientações e reflexões sobre o trabalho e o trabalhador. Após a Vivência, os alunos realizam a atividade de metacognição, na qual respondem a perguntas que remetam à experiência vivenciada, com o intuito de fazê-los refletir sobre ela e produzir trocas entre o grupo. A etapa final é a Missa do Trabalho, no dia 25 de abril. SENSIBILIZAÇÃO AO TRABALHO VOLUNTÁRIO No início de cada ano letivo, os alunos são sensibilizados e convidados para a realização de um trabalho voluntário, que no 8º ano do Fundamental II acontece em CCAs (Centros da Criança e do Adolescente) da região. “Essa abertura ao outro, no intuito de conseguir um mundo mais humano, justo e solidário, tem sido prioridade na educação em nosso Colégio” , revela José Antonio Pinedo, professor de Ensino Religioso da série. As diretoras das entidades onde os alunos realizarão tal trabalho foram convidadas para apresentarem as propostas de ação e as características de cada uma delas. Os alunos puderam tirar suas dúvidas e conhecer melhor a realidade vivenciada na periferia. Cida Neves, diretora do CCA São Joaquim Santana, reforçou a ideia da importância da ação para as crianças da instituição: “Eles se sentem valorizados, importantes e queridos, pois um grupo do Colégio Santa Maria dedica um tempo semanal para eles” . Aliás, isso pode ser percebido na reação vivenciada em cada entidade ao receberem os voluntários do Santa Maria. “Nesse aspecto, é importante ressaltar a facilidade de aproximação, de chegar perto do outro, que nossos alunos têm. Percebe-se todo o trabalho anterior realizado, superando preconceitos e valorizando a riqueza cultural e de vida do outro” , observa o professor. “ESPERO VIVENCIAR O QUE UM FUNCIONÁRIO DO SANTA MARIA VIVE DIARIAMENTE. ALÉM DISSO, ESPERO INTERAGIR E CONHECER NOVAS PESSOAS, E ACIMA DE TUDO, RESPEITAR TODAS AS FORMAS DE TRABALHO”, MARIA LUIZA DE SOUZA GOMES, 7º D. | 13

[close]

p. 14

radar Caleidoscópio nº 71 É CAMPEÃO! Em um evento organizado pela Confederação Paulista de Tênis para homenagear os melhores do ano de 2014, Gustavo Lobue Horst, aluno do 6º ano B do Fundamental II, recebeu o prêmio na categoria 10 anos por ter chegado ao topo do ranking paulista da modalidade. Gustavo joga tênis competitivo desde os seis anos. Atualmente, treina três vezes por semana durante quatro horas no Instituto Tênis, em Alphaville, instituição que seleciona os melhores atletas do país e é mantida por empresas como Itaú e Fundação Lemann. Para conciliar o esporte com os estudos, Gustavo leva lições para os treinos e chega a estudar nos torneios, nas viagens da Confederação Brasileira de Tênis. Os pais o apoiam nessa rotina e se mantêm atentos ao desempenho escolar e esportivo. Aluno do Santa Maria desde o Pré, Gustavo herdou dos pais a paixão pelo tênis. A mãe lembra que os trabalhinhos de escola dele sempre estavam relacionados ao esporte. Se ele tem um ídolo? Sim, no seu quarto estão autógrafos e uma fotografia ao lado dele, o espanhol Rafael Nadal. MULHER DE DESTAQUE A diretora do Santa Maria, sister Anne Veronica Horner Hoe, foi homenageada no XI Prêmio Excelência Mulher 2015, promovido pelo Centro das Indústrias do Estado de São Paulo - Diretoria Distrital Sul e pela Fraternidade Aliança Aca Laurência no dia 24 de março. Parte do calendário oficial de São Paulo comemorativo ao Dia Internacional da Mulher, o prêmio reconhece mulheres de destaque nas atividades de diversas áreas profissionais e filantrópicas que contribuíram com seu trabalho e dedicação para uma sociedade melhor. LANÇA LIVRO E DÁ PALESTRA NA CROÁCIA O professor de Língua Portuguesa da EJA (Educação para Jovens e Adultos) do Santa Maria, Lucas Limberti, lança seu novo livro, RITMIA: O ritmo da vida após palestra sobre o ensino de Literatura no Brasil no Liceu e Biblioteca Pública Municipal de Pula, na Croácia. O convite partiu da USP em parceria com os organizadores de um instituto de pesquisa Brasil-Croácia para o “The Brazilian Day in Pula” (Gradsk Knjiznica I Citaonica Pula). No final do mês de abril, durante a semana nacional PROFESSOR DA EJA da leitura daquele país, o professor Lucas Limberti ministrará uma palestra intitulada “Literatura e os novos métodos de ensino” em italiano, segunda língua oficial daquele país. Além da palestra, o evento marcará o lançamento oficial e internacional do novo livro de poemas do professor e escritor que no Brasil tem data marcada para dia 24 de abril na FLIPOÇOS 2015, a Feira Literária de Poços de Caldas após outra palestra do professor: “O fazer poético e os mecanismos do fingimento”. 14

[close]

p. 15

O QUE É UMA ESCOLA DE QUALIDADE? O QUE É UMA ESCOLA DE EXCELÊNCIA? Frequentemente essas perguntas surgem nas conversas entre professores e alunos, entre pais nas reuniões escolares e entre os educadores quando analisam os resultados das avaliações externas. Podemos afirmar que uma escola de qualidade e/ou excelência é aquela que busca cotidianamente atingir dois objetivos simultâneos e dinâmicos: EXCELÊNCIA DE RESULTADOS: quando a escola tem o domínio e o controle dos processos provocados e construídos pelos seus profissionais: professores, coordenadores e diretores. RESULTADOS DE EXCELÊNCIA: quando os alunos conquistam permanentemente ótimos índices de qualidades em indicadores como Enem, vestibulares e exames de proficiência entre outros. Nesse sentido, vejamos: O INEP divulgou, em dezembro de 2014, os resultados do ENEM por escola, onde pudemos verificar uma evolução das médias objetivas e ponderadas (641,62 e 669,04, respectivamente) do Colégio Santa Maria. O que, comparativamente, nos coloca entre as melhores escolas particulares da cidade de São Paulo. Nos vestibulares/2015, os alunos conquistaram 166 vagas em universidades públicas e particulares (ver tabela abaixo). Além do evidente sucesso quantitativo, ocorreu uma melhora qualitativa, com o crescimento significativo da conquista de vagas nas universidades públicas que possuem os cursos mais desejados e, consequentemente, APROVAÇÃO VESTIBULARES ALUNOS SANTA MARIA 2014 Alunos Candidatos 148 100% Alunos Aprovados 102 68% Vagas conquistadas Inst. Públicas Inst. Particulares 166 54 112 1,7 vagas por aluno 33% 67% processos mais seletivos. Tivemos, por exemplo, 21 alunos aprovados na USP, 6 na Unicamp e 13 na Unesp. Verificamos também um crescimento no número de vagas conquistadas nas universidades particulares (112 vagas), dentre elas, 23 no Mackenzie, 21 na FEI, 10 na PUC-SP e 8 na ESPM. Todos os alunos das 2ª e 3ª séries do Ensino Médio participaram em 2014 dos exames de Proficiência da Língua Inglesa da Universidade de Cambridge. A porcentagem de alunos que conquistaram as certificações também foi elevada: PET 70%, FCE 87% e CAE 96% de aprovação dos estudantes inscritos. Os resultados aqui apresentados comprovam a qualidade do trabalho educacional do Colégio Santa Maria e indicam um crescimento da excelência almejada. Silvio Soares Moreira Freire, diretor do Ensino Médio | 15

[close]

Comments

no comments yet