CASAMENTO BLINDADO - RENATO E CRISTIANE CARDOSO

 

Embed or link this publication

Description

MINISTÉRIO SOS DA ALMA

Popular Pages


p. 1



[close]

p. 2

Folha de Rosto

[close]

p. 3

Créditos Casamento Blindado Copyright Renato Cardoso e Cristiane Cardoso Publisher Editor responsável Produção editorial Capa Copidesque Revisão Omar de Souza Renata Sturm Thalita Aragão Ramalho Metropolis Fernanda Martins Vanessa Lampert Magda Carlos Daniel Borges Diagramação e projeto gráfico Conversão para ebook Scintilla Lima Singular Digital | Mariana Mello e Souza CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO-NA-FONTE SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ C266c Cardoso, Renato, 1945Casamento blindado: o seu casamento à prova de divorcio/Renato Cardoso e Cristiane Cardoso. Rio de Janeiro: Thomas Nelson Brasil, 2012. ISBN 978-85-7860-339-7 1. Casamento - Aspectos religiosos - Cristianismo. 2. Vida cristã. I. Cardoso, Cristiane. II. Título. 12-2975. CDD: 248.4 CDU: 27-584 Thomas Nelson Brasil é uma marca licenciada à Vida Melhor Editora S.A. Todos os direitos reservados à Vida Melhor Editora S.A. Rua Nova Jerusalém, 345 – Bonsucesso Rio de Janeiro – RJ – CEP 21402-325 Tel.: (21) 3882-8200 – Fax: (21) 3882-8212 / 3882-8313 www.thomasnelson.com.br

[close]

p. 4

Dedicatória A todos os casais que valorizam seu casamento o suficiente para blindá-lo. E aos solteiros inteligentes, que sabem que a prevenção é melhor que a cura.

[close]

p. 5

Agradecimentos Antes de tudo, ao inventor do casamento, Deus. Para os menos entendidos, criar homem e mulher tão diferentes um do outro e pô-los para viver juntos pode parecer uma piada de mau gosto. Mas Ele sabe o que faz, sempre. Somos gratos a Ele também por ter-nos presenteado com a vida um do outro. Renato não seria Renato sem Cristiane, que não seria Cristiane sem Renato. É difícil explicar. Aos problemas que passamos em nosso casamento, que foram duros, mas bons professores. Ao Bispo Macedo e Dª Ester, talvez o casal mais sólido e feliz que conhecemos, e que mais nos influenciou. Obrigado pelos ensinamentos, muitos dos quais permeiam este livro. A David e Evelyn Higginbotham, que nos ajudaram a desenvolver este trabalho no Texas, sempre com ótimo insight. A Vanessa Lampert, que pesquisou, revisou, leu e releu este livro mais vezes que qualquer pessoa deveria ser permitida. E a toda a nossa equipe e alunos do Casamento Blindado e da The Love School. Vocês têm grande parte nesta obra. Alegrem-se conosco! Renato e Cristiane Cardoso

[close]

p. 6

Prefácio “Defense! Defense!” É provável que sua expectativa, ao começar a ler este prefácio, seja a de encontrar um texto com várias referências ao basquete, esporte que me proporcionou muitas conquistas, lutas, alegrias, conflitos e recompensas. Bem, para ser franco, quero falar sobre outra área de minha vida que também me proporcionou muitas conquistas, lutas, alegrias, conflitos e recompensas, porém muito mais profundas e marcantes: meu casamento. E, para ser mais franco ainda: se não fosse pela solidez de minha união com Cristina, é possível que eu tivesse bem menos para falar até no que se refere à minha carreira como atleta. Cristina e eu nos casamos há mais de trinta anos, e nos conhecemos há quase quatro décadas. Sei que a frase é meio lugar-comum, mas não posso evitar e tenho certeza de que você vai concordar: é uma vida inteira juntos. E imagine quanta coisa acontece no percurso de uma vida. Dias de sol, agradáveis, clima gostoso, mas também dias de chuva e até de tempestade. Só mesmo um relacionamento muito bem fundamentado para resistir quando bate aquela ventania que destelha tudo. Se fosse há quarenta anos, quando eu era muito mais ingênuo (só faltava acreditar em coelhinho da Páscoa), podia dizer que basta o amor para resolver todos os problemas em um casamento. É claro que ele é um elemento fundamental para qualquer união, nenhum casal consegue ficar junto e feliz se o amor não existir, mas posso garantir a você que há muitas outras coisas envolvidas no casamento. Só isso para explicar como uma pessoa como minha esposa, Cristina, consegue abrir mão de um diploma universitário, faltando apenas três meses para se formar, e se mudar comigo para a Europa, onde fui jogar seis meses depois de nosso casamento. Foi ela, aliás, quem segurou a barra naquelas primeiras semanas, quando o time em que eu jogava começou mal o campeonato. Não importava quanto eu tivesse de treinar ou me

[close]

p. 7

concentrar mais, Cristina nunca deixava a bola cair lá em casa. Sem ela, eu talvez desistisse. Com ela, voltei de lá vitorioso, anos depois. No basquete (tá bom, acabei falando do basquete), um time que se preza só consegue um bom resultado quando todos se preocupam com todos. Quem faz a cesta volta também para marcar, para proteger o restante da equipe. Nos Estados Unidos, as torcidas gritam: “Defense! Defense!” E descobri que funciona de um jeito muito parecido no casamento. Quem ama avança, progride, conquista, mas também se preocupa em proteger não só o cônjuge, mas a própria união. Já deixei de dar carona para muitas fãs por respeito à Cristina. Não era só uma questão de preservá-la de um constrangimento. Era também uma questão de preservar nossa união, nosso amor, nosso relacionamento. É por isso que fiquei muito feliz com o convite para prefaciar o livro de Renato e Cristiane Cardoso. Já li alguns livros sobre casamento, ouvi falar de outros, mas é a primeira vez que encontro um que vai ao cerne da questão: quem ama de verdade blinda o casamento. E blindar é isso mesmo, colocar todas as defesas em funcionamento para evitar que qualquer coisa comprometa a relação. Isso inclui não só os ataques externos, mas também os internos, como as picuinhas por bobagens, as crises (e não tem jeito, elas sempre aparecem), a falta de humildade para saber a hora certa de ceder por amor (assim como bater o pé por amor), a incapacidade de se adaptar às virtudes e aos defeitos do outro, as chantagens e os joguinhos emocionais... Uma lista imensa. Renato e Cristiane aprenderam isso depois de anos de aconselhamento com muitos casais, mas a melhor formação que tiveram foi a própria escola da vida. Foi assim que descobriram o poder da blindagem, que se torna muito mais forte e sólida quando se baseia em princípios e valores cristãos. E agora eles compartilham essas experiências e orientações neste livro. É uma oportunidade espetacular tanto para quem acha que seu casamento está vulnerável, e precisa de um escudo, quanto para aqueles que já blindaram sua união e sabem como é importante reforçar a proteção. Leia e blinde seu casamento também. Oscar Schmidt Maior jogador de basquete brasileiro de todos os tempos, é casado com Cristina

[close]

p. 8

e pai de Felipe e Stephanie.

[close]

p. 9

Introdução Ninguém se casa por ódio. Até hoje não encontrei alguém que tenha pedido outra pessoa em casamento dizendo: “Eu te odeio! Quer casar comigo?” As pessoas se casam por amor. Porém, o índice de divórcios continua aumentando a cada ano. Em alguns países, como os EUA, metade dos casamentos acaba em divórcio. O Brasil está quase lá. O ano de 2010 teve a mais alta taxa de divórcios já registrada: A cada três casamentos, um foi desfeito. Vamos de mal a pior. Isso mostra que o “amor” que une as pessoas não tem sido suficiente para manter o casamento. Imaginar que aquele amor que vocês têm um pelo outro poderá não ser suficiente na hora da crise é assustador, não é mesmo? O problema não tem sido a falta de amor, mas sim a falta de ferramentas para resolver os problemas inerentes ao viver a dois. As pessoas ingressam no casamento com praticamente zero de habilidade em resolver problemas de convivência. Por alguma razão, isso não tem sido ensinado em lugar algum — não com a clareza e praticidade necessárias. Antigamente, esse ensino vinha dos pais. Quando os casamentos eram mais sólidos e exemplares, os filhos tinham nos pais um modelo natural de como se comportar em um relacionamento. Atualmente, os pais muitas vezes são um exemplo do que não fazer... Temos outro grande problema: a ignorância sobre o que é o amor. Já ouvi muitas vezes de maridos e esposas frustrados: “O amor acabou. Não sinto mais o que sentia por ele(a)”. Outros dizem que o casamento foi um erro, que casaram com a pessoa errada, se precipitaram, ou se viram forçados a casar pelas circunstâncias, como no caso de gravidez indesejada. Porém, na verdade, há muito mais gente infeliz no casamento porque faz o que é errado do que por ter casado com a pessoa errada. As pessoas fazem tantas coisas erradas no relacionamento e acumulam tantos problemas, sem nunca resolvê-los, que o amor fica sufocado, esmagado e sem forças — isso quando não morre antes de nascer. Os sentimentos bons acabam dando lugar ao rancor, à indiferença e

[close]

p. 10

mesmo ao ódio. Mas é possível resgatar o amor e até mesmo aprender a amar alguém que você nunca amou. Note o que eu disse: é possível aprender a amar. O primeiro passo é saber que a única maneira de se amar uma pessoa é conhecer mais a respeito dela. Muitos pensam, erroneamente, que amor é um sentimento. Amor produz sentimentos bons, sim, mas não é um sentimento em si. Se você vê uma pessoa pela primeira vez e sente algo bom por ela, mas depois não aprende a amá-la por quem ela é, aquele “amor à primeira vista” não permanecerá. Amar não é sentir. Amar é conhecer a outra pessoa, admirar o que você conhece dela e olhar seus defeitos positivamente. Se nos dedicarmos, podemos aprender a amar praticamente qualquer pessoa ou coisa. Considere o caso de Dian Fossey, por exemplo. Na sepultura dela lê-se o epitáfio: “No one loved gorillas more” (Ninguém amou mais aos gorilas). Dian foi uma zoologista americana, famosa e respeitada por seus estudos sobre os gorilas da África Central. Por muitos anos, até ser morta por caçadores ilegais, Dian viveu entre os gorilas nas montanhas de Ruanda. Morava em uma cabana de madeira, em condições primitivas, e dedicou mais de 18 anos de vida aos animais, a quem amava mais que tudo na vida. Como foi que Dian começou a amar os gorilas? Aos 31 anos, quando fez um safári na África, Dian teve o primeiro encontro com os gorilas e os estudos de conservacionistas que trabalhavam pela preservação dos primatas. Ali começou a descobrir mais sobre a espécie, seu comportamento, como se comunicam, seus hábitos, sua dieta, a ameaça de extinção e muito mais. Dian é creditada por desbancar a imagem que os gorilas tinham desde que o filme King Kong os pintou como animais agressivos e selvagens. Seus estudos mostraram que, na realidade, são “animais pacíficos, gentis, muito sociais, e com fortes laços familiares” – colocandoos assim bem à frente de muitos homens... Meu argumento é que ela aprendeu a amar os gorilas. Qualquer pessoa que ama algo ou alguém começou a amar pelo conhecimento obtido sobre o alvo do seu amor. Há os que amam os animais, outros, as estrelas e astros, outros, soldadinhos de chumbo, outros, arquitetura... Mas todos começaram a amar a partir do estudo, do aprendizado, do conhecimento daquilo ou daqueles que amam. Ninguém ama o que não conhece. Infelizmente, muitos casais nunca aprenderam a se amar. Uniram-se devido a um sentimento, uma paixão ou outra circunstância, mas não aprenderam a estudar,

[close]

p. 11

explorar um ao outro e descobrir o que faz o outro feliz. Quando você não conhece bem a outra pessoa é impossível amá-la. Você não sabe o que a agrada ou irrita, quais são seus sonhos e suas lutas, nem o que ela pensa. Por esse motivo, provavelmente cometerá muitos erros no relacionamento, o que provocará inúmeros problemas. Estes problemas os afastarão, ainda que vocês sejam casados e tenham se apaixonado um dia. Se você tem se perguntado: • • • • • • • • Será que ainda amo meu marido/esposa? Será que casei com a pessoa errada? Por que meu parceiro é frio comigo? Por que nos amamos, mas não conseguimos ficar juntos? Como posso ter certeza de que meu casamento vai durar? Como conviver com uma pessoa tão difícil? Por que nossos problemas vão e voltam piores? Casamento é só tristeza ou um dia vou ter alegria? Anime-se! Você vai começar a aprender o amor inteligente e como ser feliz com seu cônjuge ainda que ele (ou ela) seja um King Kong...

[close]

p. 12

Os autores Cristiane e eu nos casamos em 1991 e temos um filho adotivo. Eu vim de um lar desfeito pela traição e pelo divórcio. Meus pais foram a razão de uma reviravolta que aconteceu em minha vida quando eu tinha treze anos. Nessa época, uma série de acontecimentos causou a separação deles, que foi muito traumática para mim. Senti como se o mundo tivesse caído sobre a minha cabeça. Considerava meu pai o meu herói, mas, quando tomei conhecimento de que ele havia traído a minha mãe, entrei em desespero. Passei a questionar o porquê de tudo aquilo. Queria a morte. Levado por esse sofrimento, conheci a fé e me converti ao Senhor Jesus. Mais tarde, essa fé também alcançou meus pais e eles, depois de muitos anos de sofrimento, tiveram suas vidas restauradas. Não aprendi a fé religiosa, mas uma que me serve para resolver problemas. Por essa razão, decidi dedicar minha vida a compartilhar o que aprendi, para ajudar pessoas a vencer suas dificuldades. Eu não podia guardar comigo aquilo que literalmente salvou a minha vida e a dos meus pais. Mais tarde, casei-me com a Cristiane. Sendo ela filha de pastor, compartilhava comigo os mesmos objetivos. Tínhamos tudo para ter um casamento sem conflitos, mas não foi tão fácil assim. Enfrentamos muitos problemas, dos quais falaremos adiante no decorrer do livro. Fortalecer casamentos, educar casais e solteiros e lutar para que menos casamentos acabem em divórcio se tornou uma missão em minha vida. Hoje sei que a dor que senti na minha adolescência com a separação dos meus pais, e mais tarde no meu casamento, poderia ter sido evitada. Se meus pais tivessem tido acesso à informação que você vai ter nesse livro, não teriam passado por tudo aquilo. Se Cristiane e eu soubéssemos antes de casar o que você vai ler aqui, não teríamos feito um ao outro sofrer. Infelizmente, as pessoas sofrem por falta de conhecimento. Hoje em dia existem escolas para todo tipo de formação, mas não para casamento. Mesmo no meio cristão, há muita teoria sobre o que é amor, namoro e casamento, mas na prática as pessoas de

[close]

p. 13

maneira geral não sabem como agir. Os conhecimentos úteis e a educação matrimonial são raros. Por isso, eis a dupla razão de nos dedicarmos a transmitir esses conhecimentos aos casais: (1) para que noivos e recém-casados evitem cometer os erros que podem comprometer o relacionamento e (2) para que os que já estão em um casamento conturbado saibam como resolver os problemas e viver felizes. Cristiane e eu falamos a partir das experiências pessoais em nosso casamento, e também de anos de aconselhamento de casais. Como parte de nosso trabalho em quatro continentes, já aconselhamos milhares de casais, desde adolescentes até sexagenários (parece que depois dos setenta os casais se dão conta de que a vida é muito curta para ficar brigando...) E devido à demanda, nosso trabalho com casais tem se acentuado muito nos últimos anos. No final de 2007, fomos trabalhar no Texas, nos Estados Unidos. Foi ali que nasceu o curso “Casamento Blindado”, que agora resulta neste livro. Ali, nos sentimos impelidos a compartilhar nossas experiências devido a este fato alarmante: de cada dez casamentos, quase seis acabam em divórcio. Os casais americanos que nos procuravam já tinham passado por vários relacionamentos e continuavam com problemas. Muitos já estavam no terceiro, quarto, até quinto casamento, e claramente não estavam aprendendo nada com a troca de parceiros. Nós nos vimos na obrigação de ajudá-los, de passar para eles o que aprendemos. Com os resultados, percebemos que, apesar de sabermos que nossas experiências e ensinamentos não são a descoberta da pólvora, eles têm sido um poder transformador na vida de muitos casais. Creio que isso se deve à combinação única dos fatores que reunimos: (1) experiência pessoal, (2) experiência com milhares de casais em quatro continentes, e (3) o uso da inteligência espiritual. Deixe-me explicar brevemente este terceiro fator. O casamento foi ideia de Deus. Foi Ele quem decidiu que o homem e a mulher seriam “uma só carne”. Além disso, a Bíblia diz que “Deus é amor 1”, portanto, se queremos o melhor funcionamento da vida a dois, é inteligente voltarmos às origens, onde tudo começou, e à Fonte do amor. Por isso os ensinamentos que passamos são fundamentados na inteligência de Deus, naquilo que Ele determinou que funciona. Não quer dizer que este livro tenha por objetivo lhe converter, caso você não seja um cristão. Não vamos tampouco ficar falando da Bíblia a todo o tempo, ainda que algumas vezes inevitavelmente façamos referência a ela. Mas quero abertamente aqui dizer: sem a base

[close]

p. 14

dos princípios determinados por Deus para um bom casamento, seus esforços em construir um serão em vão. Temos visto que os casais que têm abraçado esse fato são os mais felizes e bem-sucedidos em seus esforços de restaurar e manter seus casamentos. Um fator adicional do grande sucesso de nossos ensinamentos é que nós focamos nossa ajuda em dois pontos principais: resolver os problemas e prevenir que aconteçam de novo. A maioria dos problemas matrimoniais é recorrente, portanto, não basta você saber resolver o problema de hoje, é preciso cortar o mal pela raiz para que ele não surja de novo lá na frente. Estamos convictos, absolutamente certos de que se você ler esse livro com uma mente aberta e estiver disposto a pelo menos tentar aplicar as ferramentas que vamos lhe ensinar, terá um casamento sólido e muito feliz. Lembre-se: da prática vêm os resultados. Importante: Alguns capítulos terminam com uma sugestão de tarefa, para você aplicar o que aprendeu. Não subestime o poder de executar estes exercícios. Cremos que se você vai ler esse livro, é para ver resultados, e estes só vêm quando você coloca à prova o que aprendeu. É tão sério que lhe convidamos a tornar seu esforço público. Se você está em uma rede social, compartilhe seu comprometimento com cada tarefa para que outros lhe motivem na sua jornada. Que tal começar agora? Poste em nossa página facebook.com/CasamentoBlindado para que possamos acompanhar seu progresso(temos também vídeos lá para lhe ajudar nas tarefas... confira!). No Twitter, não se esqueça de endereçar a @CasamentoBlind e de adicionar a hashtag #casamentoblindado!

[close]

p. 15

1 João 4:8

[close]

Comments

no comments yet