EDIÇÃO 65

 

Embed or link this publication

Description

Jornal Comunitario O Samburá

Popular Pages


p. 1

O Samburá BARRA DE CARAVELAS, BAHIA - ANO VI - EDIÇÃO NÚMERO 65Tiragem 2.000 Exemplares jornalosambura@gmail.com MENSAL - Período de Agosto 2015 Mineiros reivindicam saída para o mar “Olha aí o nosso mar”. Essa frase foi escrita por Fernando Brant, músico mineiro e parceiro de Milton Nascimento no Clube da Esquina, numa reportagem publicada na revista O Cruzeiro, em 1973. O texto tratava sobre a história do “mar de Minas”, que teve início com a ferrovia Bahia -Minas, que ligou Ponta de Areia a Araçuaí, no Vale do Jequitinhonha durante os anos de 1881 a 1966. Pág. 07 Baleia Jubarte foi encontrada morta no litoral de Cumuruxatiba, Prado. Página 05 Promessa é que Colégio Universitário da UFSB comece a funcionar a partir do mês de fevereiro de 2016 em Caravelas. Página Chumbinho é proibida por lei e pode da Cadeia. Página Atividades da Resex de Cassurubá realizada no mês de Agosto. Página 08 04 Governo do Estado da Bahia assume gestão do Aeroporto de Caravelas. Página Editorial: “Homens valentes”. Por Cecy Dantas Nascimento. 03 06 Página 02 Punição a pais por faltas a reuniões escolares pode ser agravada. Página 03

[close]

p. 2

O Samburá Editorial: “Homens valentes” Cecy Dantas Nascimento Barra de Caravelas - Caravelas/BA É com muito prazer que me dedico a escrever para os jovens de hoje. Quem eras tu a anos atrás, linda mesmo sem energia mas sempre mãe boa para quem precisava de ti. Quero falar de como viviam os pobres pescadores. Homens valentes com suas necessidades não temiam ao mar bravo, tirano e valente. Rico mar, que por sua vez, com a graça de Deus, nunca negou aos pobres pescadores o pão de cada dia para criarem seus filhos. Homens que pescavam em uma triste canoa ou em botes a vela porque não existiam barcos motorizados. Os pobres pescadores saiam para pescar e voltavam em paz, isso quando não acontece de cair um tremendo vento sul, pois muitos quase naufragavam mas venciam com a grande fé que eles tinham em Deus. Quando não podiam pescar, beiravam siri, e caminhavam para o mangue “Panhar” caranguejo, guaiamum. Redavam de redinhas e de redes grandes. “Panhavam” muitos camarões, peixes que hoje quase não se veem mais. Nem mesmo aquela fartura que tínhamos no passado. Mas mesmo assim viviam todos felizes como se todos fossem uma só família. Todos eram irmãos. Era lindo o amanhecer quando todos saiam para aventurar suas vidas no mar. Muito mais lindo era quando na tardinha, todos regressavam aos seus fracos e humildes lares. A todos os pescadores dos “velhos tempos”, aqueles que já se foram, os que continuam com a vida, o meu respeito e um abraço. A todos os pescadores de hoje, que vocês respeitem sempre essa terra que é a Barra. Sempre mimosa e carinhosa para seus filhos, e também, quando pela madrugada tiverem todos a sair para o mar, olhem para o céu e peçam confiante a Deus que guiem todos , defendendo-os das surpresas do vento sul, das fortes e tiranas ondas do mar. Também fica para vocês , jovens pescadores, que de qualquer maneira são considerados homens bravos, talentosos e valentes. Homens de garra e braços fortes. Que Deus encha todos os seus corações de fé e amor. Meu abraço a todos vocês pescadores da Antiga e nova Barra. AMIGOS DO SAMBURÁ* Amarina Antunes Célia Siquara Cida Macário Corina Melgaço Ceça de Yayá Dadá Souza Emerson Barbosa Fábio Pinheiro Jose Esperidião Jorge Magalhães Jorge Oliveira Mª de Lourdes P. Inácio Marinalva Tavares Vanessa Santana O motorista Os 10 mandamentos do bom motorista: 1º - Dirija com prudência, responsabilidade e amor ao próximo. 2º - Verifique sempre o estado de seu veiculo. 3º - Respeite as leis de transito e obedeça a sinalização. 4º - Use o cinto de segurança, nas estradas e nas cidades. 5º - Crianças, sempre no banco de traz e com cinto de segurança. 6º - O excesso de velocidade mata. A pessoa e a maior inimiga do volante. 7º - De preferência ao pedestre. Ele e você fora do veículo. 8º - Não dirija durante e após beber. 9º - Não dirija cansado ou com sono. 10º - Chuva e neblina sempre representam perigo Charges para refletir Charge da web. *É Oremos: "Daí- me, senhor, firmeza e vigilância no volante para que eu chegue ao meu destino sem acidentes. Protegei os que viajam, a todos, e ajudai-me a dirigir com prudência, e que eu descubra a vossa presença na natureza, nas rodovias, nas ruas, nas criaturas, e em tudo aquilo que me rodeia. São Cristóvão proteja-me e ajudai-me nas minhas idas e vindas e, a saber, viver com alegria, agora e sempre. Amem." Amigo do Samburá quem acredita na força da comunicação de base comunitária. Obrigado a todos por nos ajudar a produzir e divulgar esse importante veículo de comunicação da Comunidade de Barra de Caravelas. O Jornal Comunitário O Samburá surgiu entre um grupo de jovens da pequena comunidade de pescadores e pescadoras artesanais de Barra de Caravelas em 2009 e hoje tem distribuição gratuita mensal de 2.000 exemplares em toda região de Caravelas. ♦ Para saber mais visite o BLOG: http://jornalcomunitarioosambura.blogspot.com/ ou entre em contato: jornalosambura@gmail.com ♦ DIAGRAMAÇÃO: Robson Falcão ♦ REPORTAGEM: Adriene Coelho Edvaldo Souza e Robson Falcão ♦ IMAGENS: Robson Falcão, Girlândia Rodrigues, Resex♦ SUPERVISÃO: Antônio Emídio. ♦ Colaboradores nesta Edição: IBJ, Resex do Cassurubá, ICMBio, Secretaria Municipal de Meio Ambiente Página 2 O Samburá

[close]

p. 3

O Samburá Punição a pais por faltas a reuniões escolares pode ser agravada Senadores da Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE) divergiram, no dia18 de agosto, sobre flexibilizar ou não as punições estabelecidas em projeto de lei (PLS 189/2012) do senador Cristovam Buarque (PDT-DF). Depois de alguma polêmica, a comissão acabou aprovando substitutivo do senador Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE) à proposta, que estipula penalidades para os pais ou responsáveis que não participarem das reuniões escolares de avaliação de seus filhos ou dependentes. Segundo explicou Bezerra, os pais ou responsáveis terão que comprovar a presença a, pelo menos, quatro reuniões anuais para se livrarem de eventuais sanções. Quem não cumprir esta exigência poderá enfrentar punições similares às aplicadas ao eleitor que deixa de votar, como ficar proibido de se inscrever em concurso público; de receber remuneração ou proventos de emprego ou função pública; de obter empréstimo em bancos oficiais; de tirar passaporte e carteira de identidade. “Se o voto é obrigatório, mais obrigatório ainda é o mandamento constitucional que impõe a obrigação da família acompanhar o rendimento escolar de seu dependente” sustentou Bezerra. O relator disse ainda ter abrandado o PLS 189/2012 ao retirar duas punições previstas no texto original. Assim, ficaram de fora do substitutivo a proibição de renovação de matrícula em escola pública e de participação em qualquer ato para o qual se exija quitação com o serviço militar ou declaração de imposto de renda. Fonte: Senado Justiça Promessa é que Colégio Universitário da UFSB comece a funcionar a partir do mês de fevereiro de 2016 em Caravelas O anúncio aconteceu durante o Encontro Regional do I Fórum Social, no Campus Paulo Freire, da Universidade Federal do Sul da Bahia que aconteceu em Teixeira de Freitas nos final do mês de julho e 1º/08. Em seu discurso, a vice-reitora, Joana Angélica Guimarães, informou que a UFSB já conta com 1.600 alunos, dividido nos três campi da universidade (Itabuna, Porto Seguro e Teixeira de Freitas). Segundo ela já estão funcionando oito colégios universitários, sendo que dois estão no Campi Paulo Freire, um na cidade de Itamaraju e o outro na própria Teixeira de Freitas. E anunciou que o novo colégio universitário está se instalando na cidade de Caravelas e começa a funcionar a partir do mês de fevereiro de 2016, para atender toda a região litorânea composta por Caravelas, Alcobaça e Prado. O Colégio Universitário de Caravelas da UFSB terá cerca de 330 vagas, com o primeiro ano focado na formação geral dos estudantes, um modelo pioneiro no Estado. Após esse período, o aluno terá acesso às Licenciaturas Interdisciplinares nas áreas de Artes, Ciência da Natureza, Ciência Humanas, Linguagens e Códigos, Matemática e Computação. O modelo pedagógico é inovador e pretende permitir que o estudante primeiro ingresse na universidade e faça disciplinas comuns e só depois de dois anos escolha a carreira na qual pretende se graduar. Em Caravelas o Colégio Universitário será operado e supervisionado pela UFSB nas instalações do Colégio Polivalente de Caravelas, que será cedida pelo governo estadual. O Samburá Página 3

[close]

p. 4

O Samburá Atividades da Resex de Cassurubá realizada no mês de Agosto Nos dias 31 de julho e 01 de agosto a Universidade Federal do Sul da Bahia realizou uma das etapas preliminares do seu I Fórum Social, no Campus Paulo Freire localizado no município de Teixeira de Freitas/BA. O Fórum tem por objetivo fortalecer e ampliar No dia 08 de agosto a Resex de Cassurubá, com a parceria da Base Avançada do CEPENE em Caravelas, realizou a 1° rodada de reuniões comunitárias do Plano de Manejo na cidade de Nova Viçosa/BA. O evento contou com a maior participação popular desta etapa de elaboração do Plano de Manejo até o momento. Aproximadamente 200 pessoas estiveram presentes no Centro de Treinamento de Nova Viçosa. O analista ambiental Alessandro Marcuzzi, juntamente com a analista ambiental Marília Mesquita, puderam explicar a importância e os objetivos deste processo aos comunitários presentes, em sua grande maioria marisqueiras e pescadoras. Os nossos conselheiros e líderes comunitários Rodrigo de Matos, Adalberto Domingos e Jorge Birindiba, também protagonizaram falas importantes durante o grande encontro, e puderam compartilhar com os seus pares diversas informações sobre as reuniões que participaram nos últimos dias. parcerias entre a UFSB e a sociedade para a elaboração de uma agenda comum direcionada para o desenvolvimento e a sustentabilidade regional. A Resex de Cassurubá esteve presente e demarcou território com a participação expressiva dos comunitários, principalmente da comunidade ribeirinha da Tapera e Miringaba. O líder comunitário e professor da rede municipal de ensino, Rubens Menezes, ajudou a compor uma das mesas do evento. Desta forma pôde apresentar a Reserva Extrativista de Cassurubá e os anseios comunitários pela ótica das populações tradicionais. Os demais componentes da mesa foram: Gustavo Goulart (UESC e parceiro da Resex), Eduardo Camargo (CI Brasil e conselheiro da Resex) e Fernando Repinaldo (Parque Nacional Marinho de Abrolhos). No dia 06 de agosto as lideranças comunitárias da Resex de Cassurubá estiveram reunidas com a equipe gestora da unidade para nivelar entendimentos quanto a alguns assuntos de eminente importância. Estiveram presentes 21 pessoas, dentre comunitários e lideranças. As conversas trataram das seguintes pautas: reunião com a Fibria Celulose sobre o Programa de Apoio à Atividade Pesqueira; o GT PAN Corais que trata da ampliação e criação de unidades de conservação na região dos Abrolhos; projetos da Resex de Cassurubá vinculados ao Projeto GEF-MAR. No dia 14, após a reunião sobre o Programa de Apoio à Atividade Pesqueira, aproveitamos a presença maciça de lideranças comunitárias e realizamos uma conversa sobre os desdobramentos da reunião do GT PAN Corais que ocorreu em São Mateus no dia 07 de agosto. No dia 07 de agosto, no município de São Mateus, a Resex de Cassurubá se fez presente em reunião do GT PAN Corais, que tem por objetivo definir novas estratégias para a ampliação e criação de áreas marinhas protegidas na região dos Abrolhos. Ao todo 08 (oito) comunitários da Reserva Extrativista de Cassurubá estiveram presentes, representantes dos municípios de Caravelas, Alcobaça e Nova Viçosa, juntamente com um dos gestores da unidade, o servidor Marcelo Lopes. O principal argumento defendido pelos comunitários da Resex foi a discordância quanto à criação de mais unidades de conservação de proteção integral que resultem em novas áreas de exclusão de pesca. No entanto, manifestaram solidariedade e total interesse em apoiar os pescadores da região da Foz do Rio Doce quanto à criação da RDS naquela porção do norte do estado do Espírito Santo. Três das principais lideranças da Resex de Cassurubá estiveram em Salvador/BA, nos dias 03 e 04 de agosto, para participar de uma série de reuniões com diversos setores do poder público estadual da Bahia e do governo federal, sendo eles: Rodrigão (Barra Velha), Lixinha (Ponta de Areia) e Marina Portela (Barra de Caravelas). Esta agenda foi construída pela CONFREM e é resultado do Seminário de Políticas Públicas promovido pela Resex de Cassurubá ocorrido em 2013 no município de Nova Viçosa. As reuniões iniciaram com uma apresentação dos trabalhos que as RESEX conjuntamente estão realizando na busca por sustentabilidade dos recursos pesqueiros, garantia de direitos e implementação de políticas públicas. Também foi apresentada a CARTA DE CARAVELAS, pauta oficial da CONFREM BAHIA com as principais demandas das RESEX da Bahia. Buscou-se encaminhar o possível, tendo a clareza que por se tratar de uma apresentação de pauta para o Governo do Estado da Bahia é necessário um tempo maior de diálogo. Isto será avaliado para a definição das estratégias de pressão política no intuito de que os encaminhamentos sejam convertidos em resultados efetivos. O grupo de lideranças comunitárias realizaram reuniões com as seguintes entidades: Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), Secretaria de Desenvolvimento Urbano (SEDUR), Bahia Pesca, Superintendência de Recursos Hídricos, Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) e Superintendência do Ministério da Pesca e Aquicultura (MPA). Um dos principais encaminhamentos foi a proposta de um novo evento sobre políticas públicas a ser realizado na cidade de Canavieiras nos dias 03 e 04 de setembro, que buscará congregar o maior número possível dos atores envolvidos nas visitas realizadas em Salvador. A Resex de Cassurubá, em parceria com a Marinha do Brasil, realizou nova atividade de fiscalização no município de Alcobaça/BA, em 04 de agosto. Desta vez a ação ocorreu Iniciaram-se na semana do no porto dos pescadores da- dia 17 os preparativos para o quela cidade e teve como Projeto Conselheiros do Futuprincipal objetivo inspecionar ro da Resex de Cassurubá. O projeto tem por objetivo deos barcos que estavam sendo senvolver ações de educação denunciados por utilizarem ambiental com as crianças da equipamentos para o arrasto zona ribeirinha da unidade a duplo na pesca de camarão, partir da perspectiva do protatécnica proibida pelo Acordo gonismo infantil, baseando-se de Pesca da unidade. Os na realidade e modo de vida pescadores foram extrema- das crianças, assim como nos mente colaborativos e pude- seus próprios desejos de ram comprovar que de fato aprendizado. A ideia é que a haviam desmontado os equi- equipe de educação ambienpamentos ilegais. A Marinha tal, assim como os instrumendo Brasil, na figura do Sar- tos didáticos e lúdicos, chegento Morais e Tosta, apro- gue às crianças em uma emveitou a oportunidade para barcação. Sendo assim, deciinspecionar as embarcações diu-se que a etapa inicial do e realizar uma série de orien- projeto seria a reforma e tações aos pescadores. No construção dos trapiches em todas as comunidades ribeirifim da manhã pudemos connhas da Resex de Cassurubá. tabilizar novos amigos e mais Na última semana chegou ao um grupo de aliados para a pátio da Coopescar a primeira conservação da Resex de carga de madeiras, algo que Cassurubá. somente foi possível com a De 06 a 08 de agosto, a RESEX recebeu a visita do ponto focal da Coordenação de Plano de Manejo (COMAN-ICMBio/Sede) para o Plano de Manejo da RESEX de Cassurubá, o Sr. Felipe Mendonça, que além de reuniões internas, participou da 4a. Reunião do Grupo de Trabalho que coordena os trabalhos, onde pôde repassar orientações e sugestões, sendo que ao final foi revisado e atualizado o Plano de Trabalho, e concluiu-se como próxima etapa, a definição do perfil do beneficiário da RESEX. parceria da Prefeitura do Município de Caravelas, que além de ceder o funcionário Benedito Jorge (Boy) para trabalhar nas construções, providenciou o transporte das madeiras doadas pelo Parque Nacional do Descobrimento. Os trapiches escolhidos como prioritários são os situados nas escolas das comunidades dos Caribês e Miringaba, nas quais o Sr. Benedito Jorge já iniciou os trabalhos. O Projeto Conselheiros do Futuro é de autoria da analista ambiental Priscilla Estevão e conta com a colaboração dos seguintes parceiros: Rubens Menezes (AMTM), Samira Monteiro (Rio dos Macacos), Marina Portela (Associação da Barra), Benedito Jorge (Ponta de Areia), Tyrone (Artemanha), Vereador Popô e Prefeitura Municipal de Caravelas. Página 4 O Samburá

[close]

p. 5



[close]

p. 6



[close]

p. 7

O Samburá Baleia Jubarte foi encontrada morta no litoral de Cumuruxatiba, Prado barte foi informado sobre o caso e que foi providenciado junto ao município a remoção da baleia. Nesta época do ano (julho a novembro) é muito comum que apareçam baleias mortas no litoral de todo o país, principalmente em nossa região, que e uma das mais visitadas pelas Jubarte, que buscam as águas quentes da Bahia para acasalar e dar a luz aos seus filhotes. De acordo com o projeto Baleia Jubarte, já foram registrados 28 encalhes só nessa temporada. Em somente um deles o animal estava vivo. Para atender casos de encalhes de baleias, golfinhos, focas, pinguins ou lobos-marinhos, o Programa Resgate do Projeto Baleia Jubarte possui um serviço de emergência por telefone, que funciona 24 horas por dia. Os números para alertas são: (71) 3676-1463 e (71) 8154-2131, na Praia do Forte ou (73) 3297-1340 e (73) 8802-1874, em Caravelas. Foto: Rosiane Jesus da Silva Uma baleia da espécie Jubarte foi encontrada morta no início da manhã do dia 29/08 na praia do Rio do Peixe Grande, em Cumuruxatiba, no município de Prado. A foto foi tirada pela estudante e moradora de Cumuruxatiba, Rosiane Jesus da Silva e enviada para a redação de um site local. As informações eram que o Instituto Baleia Ju- MPF ajuíza ação para acelerar demarcação de terra indígena no extremo sul da Bahia A ação pede que a Funai e a União concluam o procedimento demarcatório da Terra Indígena Comexatibá em 180 dias na legislação e finalizem o procedimento demarcatório em 180 dias. A Terra Indígena Comexatibá é composta por cinco aldeias (Kaí, Pequi, Tibá, Taxá e Alegria Nova), cuja ocupação histórica no extremo sul da Bahia é registrada desde o século XVI. A procuradora da República Marcela Fonseca ressaltou que a conclusão do processo demarcatório terá grande efeito pacificador dos conflitos que ocorrem com frequência na região, devido à disputa de terras entre índios e não-índios. No dia 10 de agosto, uma das aldeias da TI Comexatibá teve uma cabana de artigos artesanais incendiada por seis homens ainda não identificados, causando prejuízo estimado de 20 mil reais. Acredita-se que o ataque foi motivado pela insatisfação dos proprietários de terra locais com o resultado dos estudos da Funai sobre a TI. Esses fatos já estão sendo investigados pela Procuradoria da República em Teixeira de Freitas. FONTE: Assessoria de Comunicação do Ministério Público Federal na Bahia. Imagem da WEB O Ministério Público Federal (MPF) em Teixeira de Freitas/BA ingressou com ação civil pública contra a Fundação Nacional do Índio (Funai) e a União para garantir a conclusão do procedimento administrativo de demarcação da Terra Indígena Comexatibá, situada no Município de Prado, a 794 km da capital baiana. A ação é baseada no Relatório Cir- cunstanciado de Delimitação e Identificação da terra indígena, elaborado pela Funai e publicado no dia 27/07/2015, que reconheceu em favor de índios da etnia Pataxó a tradicionalidade da ocupação de uma área de mais de 28 mil hectares na região. O MPF requereu que a Funai e a União cumpram os prazos previstos O Samburá Página 7

[close]

p. 8

O Samburá Governo do Estado da Bahia assume gestão do Aeroporto de Caravelas O Aeroporto de Caravelas foi transferido pela Aeronáutica para a responsabilidade do governo da Bahia durante ato oficial realizado no dia 22 com a presença da comunidade, autoridades da região e presenças do Ministro da Defesa, Jaques Wagner e do governador baiano, Rui Costa. Criado há sete décadas pelo Governo brasileiro em acordo com os americanos, o Aeroporto de Caravelas foi um ponto estratégico na segunda guerra mundial. Devido a localização em faixa intermediária do litoral do país, a estrutura funcionou como base aérea militar das forças aliadas. "Este aeroporto era fundamental às forças armadas. Era vital na logística de muitas estratégias. Também era aqui onde eram pensadas manobras de guerra que dependiam de um ponto de abastecimento", explicou o brigadeiro José Hugo Wolkmer, comandante do segundo comando aero regional, responsável pelo nordeste brasileiro. Pelo aeródromo também passaram grandes nomes como o do francês Antoine de Saint - Exupéry, autor do clássico O Pequeno Príncipe. O francês voou pelo território brasileiro na década de 30, quando era piloto da Compagnie Générale Aéropostale. Para iniciar o funcionamento das rotas comerciais, o governo estadual aguarda a homologação por parte do governo federal. Segundo o governador, ainda neste ano licitações serão feitas para a seleção da empresa privada que ficará responsável pela gestão do aeroporto. Página 8 O Samburá

[close]

p. 9

O Samburá Mineiros reivindicam saída para o mar Reportagem de jornal mineiro reivindica saída para o mar e estados vão a arquivos para esclarecer transação que teria ocorrido em 1910. “Olha aí o nosso mar”. Essa frase foi escrita por Fernando Brant, músico mineiro e parceiro de Milton Nascimento no Clube da Esquina, numa reportagem publicada na revista O Cruzeiro, em 1973. O texto tratava sobre a história do “mar de Minas”, que teve início com a ferrovia BahiaMinas, que ligou Ponta de Areia a Araçuaí, no Vale do Jequitinhonha durante os anos de 1881 a 1966. Para incentivar a construção da linha pela iniciativa privada, dom Pedro II (1825-1891) concedeu à Companhia de Estrada de Ferro Bahia e Minas a posse de um trecho de terra que começa na divisa dos municípios de Serra dos Aimorés (MG) e Mucuri (BA) e termina no mar, em um filete de chão que inclui parte da cidade histórica de Caravelas, o distrito de Ponta de Areia e a comunidade da Barra de Caravelas, num total de 12 quilômetros de largura por 142 quilômetros de extensão. Mas ao que contam, esta empresa, menos de uma década depois enfrentou dificuldades financeiras e hipotecou esta terra ao Banco de Crédito Real do Brasil. Em 1908, já proclamada a República, a instituição financeira executou a dívida. Dois anos depois o banco enfrentou crise financeira e repassou a terra ao governo de Minas Gerais. Por algum motivo, no entanto, o estado jamais explorou a terra e o assunto permaneceu no esquecimento por quase quatro décadas. Apenas em 1948 o governo mineiro reivindicou a propriedade das terras, encaminhando documentos oficiais ao governo da Bahia. Os governantes baianos jamais responderam aos ofícios mineiros, mas a história se tornou pública na década de 1970, quando Fernando Brant levou o caso para as páginas da revista O Cruzeiro. Em seu texto, Fernando Brant pedia uma resposta dos governantes baianos, ao que não foi atendido. Hoje este assunto volta à tona devido a uma reportagem publicada pelo Jornal Estado de Minas e divulgada por outra dezenas de jornais impressos, sites de notícia e rádios que informaram que o governo mineiro teria montado uma “força-tarefa” para esclarecer esta curiosa história. Segundo as informações publicadas pelo Jornal, profissionais de seis órgãos O Samburá foram escalados para localizar possíveis documentos. Um dos órgãos envolvidos na “força-tarefa” é o Instituto de Geoinformação e Tecnologia de Minas Gerais (IGTEC). Em nota, o IGTEC reforça que, “à luz dos registros oficiais, a divisa de Minas com a Bahia é estabelecida, formalmente, por decreto (número 24.155)” e que nele “não consta qualquer faixa de terras pertencentes a Minas Gerais, que se estenda até o litoral de outro estado”. Este assunto mexe tanto com os baianos quanto com os mineiros, mas além de toda especulação, vale lembrar que o polêmico assunto não altera o mapa do Brasil. Tampouco significa dizer que Caravelas será incorporada ao território mineiro. Na prática, sendo localizados os documentos que confirmem a história, é como se Minas fosse uma pessoa física ou empresa com o título de posse de uma área no estado vizinho, devendo obedecer às leis de lá. “Não muda nada no mapa nacional. Seria uma propriedade do ente federativo Minas (no território da Bahia)”, disse Leonardo Barbabela, coordenador do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Defesa do Patrimônio Público do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG). Brincadeiras e provocações à parte, a viagem que Fernando Brant fez de Belo Horizonte a Caravelas para apurar a matéria foi muito proveitosa, pois ele contava que foi a partir dela que veio a inspiração para que escrevesse a canção Ponta de Areia, que na voz de Milton Nascimento ficou mundialmente conhecida. A postura do governo mineiro é a de que não há disputa, mas Brant, lá em 1970, provocava: “É apenas um fiapo no mapa, mas é o quanto basta para Minas. Um fio de linha, uma modesta e tímida maneira de se chegar ao mar. O direito real é aclarado pelos documentos; falta a posse de fato para que o mineiro possa um dia dizer, debaixo das amendoeiras de Grauçá e Aracaré: ‘Olha aí o nosso mar’. E continua: ‘Seria isso verdade?’, perguntará o ansioso mineiro. Será que os pintores, escritores, poetas mineiros perderão este elemento tão inspirador e legendário, a nostalgia do mar?” Página 9

[close]

p. 10

O chumbinho é proibido por lei e pode da Cadeia É comum animais domésticos como cães e gatos serem vítimas de veneno usado para matar ratos (as pragas urbanas). Na verdade o percentual maior atinge os gatos, e é muito comum ver o produto ser vendido livremente em alguns estabelecimentos. A comercialização do veneno pra rato CHUMBINHO É PROIBIDA POR LEI E A VENDA E O USO É CRIME. Muitas das vezes pessoas que adquirem esse produto não o querem com a intenção de matar os ratos, mas com a intenção de matar os animais domésticos mesmo. Isso ocorre geralmente entre vizinhos. É comum os vizinhos terem implicância com os animais porque geralmente os animais são um incômodo, tipo se for um cachorro é o latido, se for um gato é o miado infernal que os mesmos produzem quando estão no cio. Então os vizinhos acham que a melhor maneira de se livrar do "incômodo" é matando. É claro que há casos em que isso ocorre acidentalmente. Precisamos conscientizar as pessoas de não usarem esse produto que mata o ser humano também e já tivemos casos de envenenamento e morte de pessoas em Caravelas com este veneno, Existem outras maneiras de eliminar pragas urbanas se for o caso, vende em lojas de produtos veterinários e pets, iscas que não precisa ser colocado com comida até para não atrair animais domésticos, ambos são eficazes e você não estará prejudicando ninguém. Anuncie Anuncie Aqui! Aqui!

[close]

Comments

no comments yet