EDIÇÃO 63

 

Embed or link this publication

Description

Jornal Comunitario O Samburá

Popular Pages


p. 1

O Samburá BARRA DE CARAVELAS, BAHIA - ANO V - EDIÇÃO NÚMERO 63Tiragem 2.000 Exemplares jornalosambura@gmail.com MENSAL - Período de Maio 2015 Pescadores cumprem o período do defeso e voltam para atividade da pesca O prazo para fim da pesca de animais ameaçados foi prorrogado. Página 07 Comunidade Católica da Barra de Caravelas acolhe seu novo pároco “Espero realizar um bonito trabalho nas comunidades e Co-catedral Santo Antonio de Caravelas, ser um servo de Deus, procurando ajudar as pessoas, corrigindo quando preciso e orientando na sã doutrina sem trair os ensinamentos da santa Igreja Católica Apostólica Romana, da qual sou filho... E que Deus me ajude.” Página 06 Página 05 CCJ aprova proposta que extingue o conceito de terrenos de marinha. Fundação Professor Benedito Ralile exibe Filme Mãe de Ouro e o Encanto da Vela Oculta. Pág. 03 Página 08 Semana do Meio Ambiente da UCSAL recebe Projeto Baleia Jubarte. Página 02

[close]

p. 2

O Samburá REDE BIOMAR DISCUTE TURISMO SUSTENTÁVEL NO EXTREMO SUL DA BAHIA Políticas públicas, economia criativa, turismo de aventura e de base comunitária foram alguns dos temas discutidos durante o encontro “Diálogos com a Sociedade: Turismo Sustentável”. O ciclo de palestras gratuitas, aconteceu nos dias 25 e 26 de maio, na sede do Senac, em Porto Seguro, e foi promovido pela Rede BIOMAR, atualmente composta pelos projetos de biodiversidade marinha Albatroz, Baleia Jubarte, Coral Vivo, Golfinho Rotador e Tamar – todos patrocinados pela Petrobras, através do Programa Petrobras Socioambiental. Entre os palestrantes, gestores públicos, especialistas em economia, representantes de estabelecimentos hoteleiros, associações, ONGs e do Ministério do Turismo. Modelos de gestão turísticoambiental e outras experiências que deram certo, em diferentes regiões do país foram apresentadas ao público, formado por empreendedores, profissionais do trade turístico e comunidades de áreas com potencial turístico, entre outros segmentos. No segundo dia do ciclo, o Projeto Baleia Jubarte também participou do evento, com a participação do biólogo Sérgio Cipolotti, no painel sobre ‘Turismo de Observação de baleias’. A atividade, que gera cerca de 1 bilhão de dólares por ano, em todo o mundo, ainda é pouco explorada no Brasil, mas tem grande potencial de crescimento e pode contribuir com o turismo ecológico na região sul da Bahia. SEMANA DO MEIO AMBIENTE DA UCSAL RECEBE PROJETO BALEIA JUBARTE O Projeto Baleia Jubarte participou, no dia 25 de maio, da 8ª SEMEIA Jr (Semana do Meio Ambiente Junior) – evento promovido pela Universidade Católica do Salvador. Convidados pela instituição de ensino, cerca de 150 estudantes, de 10 a 17 anos, acompanharam atentos à palestra ministrada por Ágatha Gil, bióloga e educadora ambiental do Projeto Baleia Jubarte (principal projeto do IBJ). Além de falar sobre conservação marinha e curiosidades sobre a espécie, a bióloga também deu informações sobre o que fazer em caso de encalhes e exibiu para o público o filme Galope. Os estudantes tiveram a oportunidade de aprender um pouco mais sobre a vida destes cetáceos e puderam ver de perto partes de uma barbatana real de jubarte, além de instrumentos utilizados durante o trabalho dos pesquisadores, como a balestra – uma espécie de atiradeira, cuja flecha consegue retirar amostras de pele dos animais para pesquisas genéticas. Ao final do encontro, os estudantes receberam o livro “Os Diários dos Bichos do Mar”, uma publicação educativa, com estórias sobre as espécies relativas aos cinco projetos que formam a Rede Biomar. AMIGOS DO SAMBURÁ* Amarina Antunes Célia Siquara Cida Macário Corina Melgaço Ceça de Yayá Dadá Souza Emerson Barbosa Fábio Pinheiro Jose Esperidião Jorge Magalhães Jorge Oliveira Mª de Lourdes P. Inácio Marinalva Tavares Vanessa Santana Nota de Esclarecimento Na capa da edição anterior onde se lê edição 61 do mês de março, leia -se edição 62 de abril do ano corrente de 2015. O jornal comunitário O Samburá pede desculpa aos leitores pelo esquecimento nas trocas de datas. O Samburá aproveita a oportunidade para agradecer a todos que contribuem de forma direta e precisa, sendo noticia, formulando matérias e, tornando possível a existência do ‘O Samburá’. AS QUATRO ESTAÇÕES UMA VISTA DE RARA BELEZA GUARDADA NO MEU CORAÇÃO SÃO AS BELAS PRAIAS DE CARAVELAS ESPELHADAS NO MAR DO VERÃO NO OUTONO A QUEDA DAS FLORES UMA OBRA DE ARTE COLORIDAS COM PASSAROS VOANDO ENTRE AS FOLHAS E NOSSAS MATAS EXIBINDO SUA VIDA MAIS UMA ESTAÇÃO É CHEGADA TRAZENDO FRIO E POUCA NEBLINA MINHA CIDADE VISTA AGORA PARECE UMA SOLITARIA MENINA NOS RAIOS DOURADOS DO SOL A PRIMAVERA COM FLORES BELAS NOSSO POVO GRITA ORGULHOSO TÃO LINDA É MINHA CARAVELAS. Autor: Edson S. Santos *É Amigo do Samburá quem acredita na força da comunicação de base comunitária. Obrigado a todos por nos ajudar a produzir e divulgar esse importante veículo de comunicação da Comunidade de Barra de Caravelas. O Jornal Comunitário O Samburá surgiu entre um grupo de jovens da pequena comunidade de pescadores e pescadoras artesanais de Barra de Caravelas em 2009 e hoje tem distribuição gratuita mensal de 2.000 exemplares em toda região de Caravelas. ♦ Para saber mais visite o BLOG: http://jornalcomunitarioosambura.blogspot.com/ ou entre em contato: jornalosambura@gmail.com ♦ DIAGRAMAÇÃO: Robson Falcão ♦ REPORTAGEM: Adriene Coelho Edvaldo Souza e Robson Falcão ♦ IMAGENS: Robson Falcão, Girlândia Rodrigues, Resex♦ SUPERVISÃO: Antônio Emídio. ♦ Colaboradores nesta Edição: IBJ, Resex do Cassurubá, ICMBio, Edson Santos, Carlos Ralile. Página 2 O Samburá

[close]

p. 3

O Samburá Fundação Professor Benedito Ralile exibe Filme Mãe de Ouro e o Encanto da Vela Oculta Lançado final do mês de abril no cinema de Teixeira de Freitas, Mãe de Ouro e o Encanto da Vela Oculta, foi exibido no Colégio Polivalente de Caravelas pela Fundação Professor Benedito Ralile através do Projeto Aprendendo Com a Mídia que é patrocinado pela FIBRIA CELULOSE S/A e INSTITUTO VOTORANTIM. As pessoas presente vivenciaram o momento mágico da tela e a obra produzida pelos cineastas Dário Héberson e Nabil Duarte que teceram agradecimentos à Fundação Professor Ralile pela orientação e estímulo durante as Oficinas de Audiovisual em Santo Antônio de Barcelona, distrito de Caravelas. SEMANA MUNDIAL DO BRINCAR O movimento Cultural Arte manha, como núcleo semente da Rede Aliança pela Infância, realizou no dia 29 de maio atividades com as crianças da APAE e da creche na quadra em Ponta de Areia. O que é a semana Cultural do Brincar? São manhãs e tardes de brincadeiras abertas para a comunidade, palestras e ciclos de debates, sempre com o tema do brincar, realizados graças a uma série de articulações, e é realizada mundialmente neste ano de 24 a 30 de maio. Objetivo Contribuir para o aumento da sensibilização e da consciência sobre a importância do brincar e o respeito que deve- mos ter por essa ação. Oficina de construção de pranchas de Stand Up com garrafas pet Vai acontecer na praia do Grauçá na Barra de Caravelas uma oficina de construção de pranchas de stand up com garrafas pet. A escola Kahuna estar realizando uma campanha para as coletas desses materiais e os postos de coletas são: Restaurante Tio Berlindo, Instituto Baleia Jubarte, VG suplementos ( frente a academia Nitro Fitness). Um projeto socioambiental que trabalhará a inclusão social. Somente as garrafas de 1,5 L e 2 L com as tampas terão utilidades para a confecção da prancha de Stand Up. Imagem da web Mais informações pelo email: kahuna.caravelas@gmail.com Página 3 O Samburá

[close]

p. 4

O Samburá O Programa de Comunicação e Educação Ambiental da Resex de Cassurubá e Dragagem do Canal do Tomba informa que já está com telefone na sede da AMPAC: 073 3687-1339. Estamos passando por reformulação no escopo de atividades para melhor atender a comunidade, por isso esse mês não haverá matérias do Programa no Jornal O Samburá. Na próxima edição, voltaremos com novidades. Página 4 O Samburá

[close]

p. 5

O Samburá Relatório da FAO sobre indústria pesqueira chama a atenção para as mulheres no setor “A indústria não irá superar o desafio de aumentar a produção de forma sustentável se não conseguir atrair as melhores pessoas. E não se pode dar ao luxo de excluir 50% da população”, afirma diretor adjunto da FAO. ONU para a Alimentação e a Agricultura(FAO). A pesca de captura, a aquicultura e as atividades posteriores oferecem o sustento a mais de 120 milhões de pessoas, muitas das quais trabalham no setor artesanal tradicional. Potencializar a igualdade de gênero no setor pesqueiro é importante para a segurança alimentar e agrega benefícios ao núcleo familiar, com as mulheres ajudando a obter alimentos e rendimentos essenciais, e na esfera global, onde a indústria pesqueira enfrenta o desafio de aumentar a produção de forma sustentável para alimentar a crescente população mundial. Segundo o relatório, a falta generalizada de dados desagregados por sexo no setor pesqueiro e da aquicultura dificultam os esforços para resolver essas questões de gênero. “Neste momento, quanto mais alto se observa a estrutura da indústria, menos mulheres se vê” disse o diretor adjunto da Divisão de Políticas e Economia da Pesca e Aquicultura da FAO, Audun Lem. “A indústria não irá superar o desafio de aumentar a produção de forma sustentável se não conseguir atrair as melhores pessoas. E não se pode dar ao luxo de excluir 50% da população”,acrescentou. Para trazer mais mulheres para a gestão de topo e investigação, a FAO trabalha com empresas, associações pesqueiras e universidades para criar uma nova rede de mulheres nesta indústria. A rede permitirá dar visibilidade às mulheres em posições de liderança e atrair mais profissionais femininas para o setor. Maria D’Ajuda, pescadora artesanal da Barra de Caravelas Apesar de se estimar que as mulheres representem metade da força laboral no setor pesqueiro, o trabalho delas muitas vezes não é reconhecido e é mal pago, o acesso a oportunidades e recursos mantém- se limitado e a representação em posições de liderança fica muito atrás das outras indústrias. Esse panorama é analisado no novo relatório sobre a participação das mulheres no setor pesqueiro, pela Organização da O prazo para fim da pesca de animais ameaçados foi prorrogado Passou despercebida a publicação da Portaria nº 98/2015 que prorroga em 6 meses o prazo para entrada em vigor da polêmica Portaria nº 445/2014, que proibiu a captura, o transporte, o manejo, armazenamento e comercialização de 475 peixes ameaçados de extinção no país. A proibição, que deveria começar a valer a partir de junho, teve seu início adiado em razão de uma negociação entre os Ministérios da Pesca e o do Meio Ambiente. A portaria 445 busca proteger de modo integral as espécies classificadas como Extinta na Natureza (EW), Criticamente em Perigo (CR), Em Perigo (EN) e Vulnerável (VU) (Entenda a diferença de classificação da lista vermelha). No entanto, há uma brecha que permite a exploração comercial de espécies classificadas como Vulnerável: ela poderá ocorrer para espécies que contem com planos de ordenamento pesqueiro. Unidos contra O impacto da medida sob a pesca comercial fez os pescadores industriais se organizarem. Em janeiro, um protesto orquestrado pelo Sindicato dos Armadores e das Indústrias de Pesca de Itajaí e Região (Sindipi) bloqueou o acesso o rio Itajaí-Açu, em Santa Catarina. Mais de 250 embarcações participaram do ato, que durou 30 horas. A mobilização deu certo e os manifestantes só dispersaram após o O Samburá Ministro da Pesca assumir o compromisso de criar um grupo interministerial para analisar a portaria. Representantes dos pescadores industriais foram chamados para compor o grupo. Ambientalistas pró-lista vermelha não. Os pescadores fizeram pressão para que a portaria fosse enterrada. Com a formalização do adiamento da proibição no dia 29 de abril, sabe -se que pelo menos os apelos para prorrogação do prazo foram ouvidos. Saiba Mais: Portaria nº 445/2015 (alterada pela Portaria nº 98/2015). FONTE: O ECO. Página 5

[close]

p. 6

O Samburá Comunidade Católica da Barra de Caravelas acolhe seu novo pároco `Pe. Ronaldo e Dadá Souza moradora da Barra de Caravelas. Foto: Pe. Ronaldo Cardoso. Mais uma vez a Co-Catedral vive a difícil e necessária transição dos sacerdotes, o que já vem acontecendo a muitas décadas. De Dom Antonio até hoje, já passaram pela Paroquia os seguintes sacerdotes: Frei Venâncio (falecido), Pe. João Carlos B. Nunes, Pe. Eurico e Pe. Wanderley Oliveira. E novamente, por determinação de Dom Carlos, houve um remanejamento na diocese e alguns sacerdotes passaram assumir novas paroquias. No caso de Caravelas, saiu o Padre Wanderley e chegou no dia 27 de março, o padre Ronaldo. Nascido em 7 de janeiro em São João da Prata Itamaraju-Ba. Ronaldo Cardoso de Oliveira, respondendo seu chamado vocacional, entrou para o seminário aos 15 anos de idade, formou-se em filosofia pela Puc-Mg, é bacharel em teologia pela faculdade Dom Valfredo Tepi de Ilhéus-BA. E foi ordenado em 7 de abril 2001. O Pe. Ronaldo Cardoso tem ainda as seguintes qualificações profissionais: Pós-graduado em Docência superior pela Fasb-BA, pós-graduado em Comunicação Social pela Puc-Sp e, por fim formou-se em psicanálise pela ESPO – ES. Com toda essa formação atuou como professor de filosofia e ética profissional na Fasb. Sua primeira paroquia Foi São Sebastião em Vereda. Além disso, ele atuou também em Ibirajá, Urbis em Teixeira de Freitas, Itabatan -(distrito de Mucuri-BA.). Estando em Caravelas desde 27 de março o padre Ronaldo tem conquistado os fieis com sua simpatia. Além de ser muito comunicativo ele faz questão de estar sempre próximo das comunidades, o que facilita o seu pastoreio. Com todos os fieis que conversamos até a edição desta matéria, só ouvimos a seguinte frase: “Gostei muito desse padre! Era um desse que nossa comunidade preci- sa.” Os religiosos estão encantados com as celebrações presididas pelo padre Ronaldo Cardoso. Que ao falar à nossa reportagem deixa a seguinte mensagem aos católicos e leitores do Jornal ‘O Samburá’: “Espero realizar um bonito trabalho nas comunidades e Co-catedral Santo Antonio de Caravelas, ser um servo de Deus, procurando ajudar as pessoas, corrigindo quando preciso e orientando na sã doutrina sem trair os ensinamentos da santa Igreja Católica Apostólica Romana, da qual sou filho... E que Deus me ajude.” Por Edvaldo Souza Página 6 O Samburá

[close]

p. 7

O Samburá Pescadores cumprem o período do defeso e voltam para atividade da pesca Fotos: Valdeline Marques Depois de cumprido o período do defeso, os pescadores voltaram a fazer aquilo que eles mais gostam que é pescar. A paralisação da pesca dura 45 dias tendo inicio em 1 de Abril a 15 de Maio, tem como objetivo a proteção dos camarões jovens em fase de recrutamento e desova. Por outro lado, o profissional da pesca que descumprir a ordem estará sujeito à multa, perda da embarcação, além do cancelamento da licença e podem responder processo criminal, como reza a lei de nº189/2008. De acordo com ela, o desembarque das espécies mencionadas será tolerado somente até o segundo dia corrido após o início do defeso. A pesca é a principal atividade financeira da cidade de Caravelas em especial o povoado da Barra de Caravelas. Para sabermos o que pensa a respeito do defeso, conversamos com o pescador Joelvis Cerqueira Carvalho, que pratica essa atividade desde sua infância e segundo ele, aprendeu a exercer este ofício com seu padrasto e até hoje nunca deixou de pescar. Perguntamos para Joelvis o que ele acha do defeso do Camarão; Para o nosso entrevistado o defeso é conveniente, pois favorece o pescador, é quando camarão procria e eles podem encontra-lo em maior quantidade, o que o deixa muito feliz. “... Eu tiro por mim, fico muito feliz quando a pesca abre, e a gente vai pro mar e pega camarão com fartura”. Disse o Joelvis Cerqueira. Ainda para o pescador, os 45 dias de paralisação é pouco. “O período do defeso deveria aumentar e chegar aos 60 dias”. Afirma Joelvis. A maioria do pescado capturado pelos pescadores da Barra é entregue em frigorífico, e com o aumento da demanda surge outro problema, que é o preço do pescado que durante a abertura começa bem e depois cai. Para isso o nosso entrevistado deu a seO Samburá guinte explicação: “Quando abre a pesca aqui na Bahia especialmente no período de Maio a Junho, no inverno, grande parte desse produto vai para VitoriaES, porém até aí o preço está bom! E quando abre a pesca no estado do Espirito Santo, os donos de frigoríficos ficam sem ter pra quem vender o seu pescado, o estoque aumenta, e acaba sobrando pro pescador, porque o preço cai”. Explicou Joelvis Cerqueira Carvalho. Apesar de todos os altos e baixos dessa profissão, a gente vê que eles se orgulham do que fazem e o defeso, pelo que entendemos, é aceito pela maioria dos profissionais, porém precisam estender o período de paralização, para queeles possam ficar mais tempo pescando e encontrando camarão. Por Edvaldo Souza Página 7

[close]

p. 8

CCJ aprova proposta que extingue o conceito de terrenos de marinha Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovou, no dia 26/05, a admissibilidade da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 39/11, que extingue o instituto jurídico dos terrenos de marinha (nome dado aos terrenos situados na orla marítima de toda a costa brasileira e nas margens de rios e lagos). Alceu Moreira (PMDB-RS), concordou que não há problema em discutir a questão e, por isso, considerou o texto constitucional. Destinação A proposta, apresentada pelo deputado Arnaldo Jordy (PPS-PA) e outros, prevê as seguintes destinações para os terrenos: Tramitação A PEC será analisada por uma comissão especial a ser criada especificamente para esse fim. Depois, seguirá para o Plenário, onde precisará ser votada em dois turnos. Pela Constituição, essas áreas pertencem à União, que cobra pela sua utilização. Conforme a proposta, a grande maioria dos terrenos, que hoje é ocupada por particulares, poderá ser transferida em definitivo para os ocupantes. O relator da CCJ, deputado Continuam como domínio da União as áreas: - nas quais tenham sido edificados prédios públicos que abriguem órgãos ou entidades da administração federal, inclusive instalações de faróis de sinalização náutica; - que tenham sido regularmente destinadas à utilização por prestadores de serviços públicos concedidos ou permitidos pela União; - destinadas ao adestramento das Forças Armadas ou que sejam de interesse público. Passam ao domínio pleno dos estados as áreas: - nas quais tenham sido edificados prédios públicos que abriguem órgãos ou entidades da administração estadual; - que tenham sido regularmente destinadas à utilização por prestadores de serviços públicos concedidos ou permitidos pelos estados. Passam ao domínio pleno dos municípios onde se situam as áreas: - que não se enquadrem às hipóteses acima; - nas quais tenham sido edificados prédios públicos que abriguem órgãos ou entidades da administração municipal; - atualmente locadas ou arrendadas a terceiros pela União. Permanecem sob domínio pleno dos respectivos donatários as áreas doadas mediante autorização em lei federal. Anuncie Anuncie Aqui! Aqui!

[close]

Comments

no comments yet