Revista MBigucci News - Setembro 2015 - Ed. 71

 

Embed or link this publication

Description

Revista Corporativa da Construtora MBigucci

Popular Pages


p. 1

MBIGUCCI NEWS 1

[close]

p. 2

2 MBIGUCCI NEWS – Construindo o melhor conteúdo

[close]

p. 3

PALAVRA DO PRESIDENTE T Quem paga a conta é o comprador do apartamento oda vez que as mudanças de lei de zoneamento ou uso do solo nas cidades reduzem a capacidade construtiva dos terrenos há um encarecimento de preço dos imóveis a serem construídos. E quem vai pagar a conta é o comprador do apartamento. Vários municípios estão estudando e fazendo as suas mudanças de lei e a impressão que passam é que reduzindo o potencial construtivo de cada terreno estão penalizando as construtoras, quando na verdade estão encarecendo os preços dos imóveis para a população. “Aumentam” a qualidade de vida, mas encarecem o produto final, tornando-o mais distante do comprador. Quando se aumenta o potencial construtivo ao longo dos corredores de ônibus, monotrilhos ou metrôs está se incentivando a construção nesses terrenos atendidos por transporte coletivo, mesmo que por vezes precário. As prefeituras cobram taxas desse aumento de potencial construtivo das construtoras, as quais repassam para os compradores. É a canalização de recursos do adquirente final para o poder público. Lembro, há décadas, quando os índices construtivos em algumas cidades chegavam a seis vezes a área do terreno e os preços dos imóveis eram acessíveis ao trabalhador braçal da indústria. Hoje, quanto mais as novas leis diminuem esses índices, mais caro fica o imóvel e mais distante ele fica do trabalhador. Há casos em que esses índices chegam a apenas uma vez a área do terreno. Um absurdo. Ao invés de darmos maior aproveitamento aos terrenos, estamos limitando-os e tornando-os distantes do povo. O terreno é um bem finito e se os subaproveitarmos, estaremos encarecendo o imóvel final. Em algumas cidades há a figura da outorga onerosa. O que é? A prefeitura retira o direito de construir quatro vezes a área do terreno, por exemplo, e na mesma lei dá o direito, desde que o comprador pague uma boa verba para um fundo destinado a construir moradias populares ou infraestrutura. Parece piada, mas é assim que funciona. A falsa impressão de que as prefeituras reduzem a capacidade construtiva dos terrenos só para beneficiar a mobilidade urbana e aumentar a qualidade de vida, cai por terra quando se analisa o alto valor pago aos cofres públicos por esses aumentos construtivos legais. Se pagar, constrói-se mais legalmente, mesmo que seja em detrimento da mobilidade urbana. A receita dos cofres públicos é mais importante que o custo final do bem para o comprador. A miscelânea social, colocando habitações populares em zonas caras também não ajuda. Encarece a habitação social e reduz o valor da habitação da classe média ou rica existente no entorno. A verticalização existe nas melhores e maiores metrópoles do mundo. Não é cerceando-a que vai atender o trabalhador. Os custos dos imóveis das cidades nas zonas mais distantes do centro são acrescidos dos altos custos para levar água, esgoto, energia e infraestrutura a esses pontos longínquos, dificultando o acesso da casa própria ao trabalhador. O que falta é mais bom senso e menos sanha arrecadadora. Sempre a conta é paga pelo comprador do imóvel. Não há milagre. *MILTON BIGUCCI é presidente da construtora MBigucci e da Associação dos Construtores, Imobiliárias e Administradoras do Grande ABC, membro do Conselho Consultivo Nato do Secovi-SP e seu diretor para a Região do ABC, membro do Conselho Industrial do CIESP, conselheiro vitalício da Associação Comercial de São Paulo, conselheiro nato do Clube Atlético Ypiranga (CAY). Autor dos livros “Caminhos para o Desenvolvimento”, “Somos Todos Responsáveis – Crônicas de um Brasil Carente”, “Construindo uma Sociedade mais Justa”, “Em Busca da Justiça Social”, “50 anos na Construção” e “7 Décadas de Futebol”, e membro da Academia de Letras da Grande São Paulo, cadeira nº 5, cujo patrono é Lima Barreto. MBIGUCCI NEWS 3

[close]

p. 4

ÍNDICE 10 06 08 10 16 18 ACONTECE NA MÍDIA ENTREVISTA Augusto Cury: a inteligência das emoções 16 22 24 26 28 30 Capital Humano Mais perto do céu 28 Decoração Revestir com elegância e sofisticação Notícias Big Ofertas: sucesso de vendas Responsabilidade Social Big Riso alegra McDia Feliz Andamento da obra Impactus MBigucci Matéria de capa Boulevard Office Modernidade e tecnologia para seus negócios Conheça seu Vizinho Bárbara e Cristiano, do Impactus MBigucci PROJETO GRÁFICO: In Time Comunicação EDITORA: Rita Santos - MTb 26.183. / Reportagem: Marília Zuzarte, Amanda Goulart (estagiária) REVISÃO: Assessoria de Imprensa MBigucci FOTOS: Arquivo MBigucci SUPERVISÃO: Marketing I SIM - Soluções Integradas de Marketing CRÍTICAS E SUGESTÕES: imprensa@mbigucci.com.br IMPRESSÃO: Formag’s Gráfica e Editora MBIGUCCI: Av. Senador Vergueiro, 3.597, 9º andar Rudge Ramos, São Bernardo do Campo - SP, CEP: 09601-000 MBigucci News é uma publicação trimestral da Construtora MBigucci. Distribuição gratuita. Anuncie na MBigucci News. Entre em contato: marketing@mbigucci.com.br 4 MBIGUCCI NEWS – Construindo o melhor conteúdo

[close]

p. 5

34 32 34 38 42 44 Gastronomia Food Bike: moderno e saudável 38 46 48 54 56 61 NOVIDADES Chegou a vez dos banheiros 54 Espaço do Cliente FGTS: reforço na compra do imóvel Notícias Unique MBigucci: obras iniciadas ESPORTE Os benefícios da corrida Sustentabilidade Pacto Global da ONU TURISMO Praias paradisíacas Boulevard Demarchi Um novo conceito para lojas em dia Acampadentro de férias DE OLHO NA OBRA MBIGUCCI NEWS 5

[close]

p. 6

06 ACONTECE FIABCI: nova diretoria Milton Bigucci, presidente da MBigucci, prestigiou a posse da nova Diretoria e Conselhos (gestão 2015/2017) da FIABCI-Brasil (Federação Internacional Imobiliária). Em seu discurso, o novo presidente da entidade, Rodrigo Luna, reafirmou a importância de um governo transparente em sintonia com a população. A solenidade também homenageou o ex-presidente Basílio Jafet, por suas gestões consecutivas (2011/2013 e 2013/2015). O evento ocorreu dia 6 de agosto de 2015 na sede do Secovi/SP. Milton Bigucci prestigia os amigos Rodrigo Luna (atual presidente da FIABCI) e Basílio Jafet (ex-presidente) Foto: Calão Jorge/Secovi - SP A segunda edição do Fórum S/A, evento promovido pela JSA Associados, reuniu 300 líderes empresariais do ABC no dia 1º de agosto de 2015. O encontro, que teve palestras e debates sobre o potencial econômico regional, contou com a participação de Marcelo Bigucci, diretor de Marketing e Locação da MBigucci. Marcelo Bigucci, diretor da MBigucci, e Sandro Augusto, presidente da JSA Fotos: Divulgação Fotos: Divulgação Fórum de líderes Ruy Leal, Roberta e Marcos Bigucci, Max Gehringer e Reinaldo Polito Via de Acesso “Utilidade e Valor”. Este foi o tema do Fórum Anual de Carreira e Desenvolvimento Profissional promovido pelo Instituto Via de Acesso, que teve a participação de diretores e colaboradores da MBigucci. O evento, realizado em junho de 2015, apresentou excelentes palestras com: Thiago Leifert, jornalista da TV Globo, Alexandre Silva, presidente do Conselho de Adm. da Embraer, Fernando Fernandez, CEO da Unilever Brasil, Max Gehringer, colunista da Rádio CBN e do Fantástico, e o mestre em Ciências da Comunicação, Reinaldo Polito, que também preside o Via de Acesso. 6 MBIGUCCI NEWS – Construindo o melhor conteúdo Major-brigadeiro Marcelo Kanitz, Reinaldo Bittar e Milton Bigucci Distritais da ACSP Milton Bigucci, que também é conselheiro nato da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), participou do evento de posse dos membros das Distritais da ACSP - Região Sul, realizado na Câmara Municipal de São Paulo. Após a solenidade, Bigucci aproveitou para um bate-papo sobre o momento econômico e o setor da construção com o major-brigadeiro Marcelo Kanitz Damasceno, comandante do IV Comando Aéreo Regional, e com Reinaldo Bittar, conselheiro nato da Distrital Ipiranga. Fotos: Divulgação

[close]

p. 7

Top Imobiliário e 500 Grandes A MBigucci figura novamente entre as maiores construtoras em dois importantes rankings do setor: o “Top Imobiliário”, organizado pelo jornal O Estado de S. Paulo em parceria com a Embraesp (Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio) e o “500 Grandes da Construção”, promovido pela Revista O Empreiteiro. As melhores classificações da MBigucci foram: 6º lugar entre as construtoras, no quesito Número de Lançamentos, do “Top Imobiliário”, e a 37ª posição no Ranking Região São Paulo, das “500 Grandes da Construção”. Fotos: Divulgação Gerentes Amanda Montouto, Regina Bernardes, Marcos Oliveira e Kátia Kemos representaram a MBigucci no evento das 500 Grandes da Construção Os links podem ser encontrados no blog: www.miltonbigucci.com.br Facebook Instagram Fotos: Divulgação Twitter Os diretores da MBigucci, Marcos e Milton Bigucci, em encontro com o ex-ministro Sidnei Beneti e o advogado Sidnei Beneti Filho Linkedin Bigucci nas redes sociais Desde junho, o presidente da MBigucci, Milton Bigucci, participa das redes sociais Facebook, Twitter, Blog, Instagram e Linkedin. Nessas mídias é possível acompanhar notícias, artigos, prêmios e a trajetória profissional do empresário, que se dedica à construção há 54 anos. MBIGUCCI NEWS 7 Direito São Francisco O presidente da MBigucci, Milton Bigucci e o ex-ministro do STJ, Sidnei Beneti, aproveitaram um encontro casual na cidade de São Paulo para relembrarem a época que estudaram juntos no Curso de Direito da USP, no Largo São Francisco. Os advogados Marcos Bigucci e Sidnei Beneti Filho, também participaram da conversa.

[close]

p. 8

MBIGUCCI na mídia Confira as matérias na íntegra no site: www.mbigucci.com.br/imprensa Jornal Nacional – Rede Globo 2/7/2015 Matéria gravada com o presidente da MBigucci, Milton Bigucci, e os clientes Antônio Valente e Marcele Antunes no plantão do Mundi MBigucci, sobre estratégias de venda Repórter Diário 8/7/2015 O Estado de S.Paulo 5/7/2015 Rádio ABC – Programa Causas Nobres 25/7/2015 Entrevista com Luara Araújo sobre o Big Riso e a Carreata do Agasalho Qual Imóvel 3/7/2015 8 MBIGUCCI NEWS – Construindo o melhor conteúdo Revista Construção & Mercado Julho de 2015

[close]

p. 9

ABC Repórter Jornal Hoje – Rede Globo 23/6/2015 Entrevista com Milton Bigucci Junior sobre as promoções no mercado imobiliário Matéria gravada no Olimpic MBigucci (B. Saúde/SP) 28/8/2015 Guia Qual Junho de 2015 DCI 9/7/2015 Diário Regional 11/6/2015 Tribuna do ABCD 11/7/2015 MBIGUCCI NEWS 9

[close]

p. 10

10 ENTREVISTA a inteligência das emoções P siquiatra, pesquisador e escritor, o Dr. Augusto Cury é reconhecido nacional e internacionalmente como um dos autores mais lidos dos últimos anos. Seus livros estão em mais de 70 países e já venderam mais de 25 milhões de exemplares só no Brasil. Autor da teoria “Inteligência Multifocal” e do programa “Escola da Inteligência”, ele acaba de lançar o livro “Ansiedade: como enfrentar o mal do século para filhos e alunos”, focado no público infantojuvenil. À MBigucci News, Dr. Cury fala sobre como proteger nossas emoções e as de nossas crianças em busca de uma mente saudável. As perguntas foram elaboradas com a participação de colaboradores da MBigucci. (Confira a entrevista completa em: www.mbigucci.com.br/blog) Títulos mais vendidos do autor • Ansiedade: como enfrentar o mal do século • Pais inteligentes formam sucessores, não herdeiros • O Vendedor de Sonhos: O Chamado • O Colecionador de Lágrimas - Holocausto Nunca Mais • Felicidade Roubada • Armadilhas da Mente • Nunca desista dos seus sonhos • As regras de ouro dos casais inteligentes • O futuro da humanidade • Em busca do sentido da vida MBNews: Como aprender a controlar a mente para que problemas do dia a dia não nos atinjam? Dr. Cury: É mais fácil pilotar uma nave espacial do que pilotar nossa mente. Não é fácil gerir os pensamentos, mas há algumas ferramentas para superar a Síndrome do Pensamento Acelerado, tais como: aprender a fazer pequenos relaxamentos durante o dia; contemplar o belo nos pequenos estímulos da vida diária; abraçar, beijar, elogiar e entregar-se mais; investir em sonhos, naquilo 10 MBIGUCCI NEWS – Construindo o melhor conteúdo que não traz lucro para o bolso, mas rendimentos para a emoção; jamais levar os problemas para a cama, para o momento do sono; considerar os fins de semana um tempo inviolável e portanto jamais utilizá-los como extensão do trabalho; treinar o Eu para não sofrer por antecipação; treinar o Eu para usar a arte da crítica contra o coitadismo, conformismo, autopiedade ou autopunição. O que você pensa determina o que você sente. O que você sente determina o que você registra em sua memória. O que Fotos: Divulgação Augusto Cury:

[close]

p. 11

MBIGUCCI NEWS 11

[close]

p. 12

você registra, determina os alicerces de sua qualidade de vida. Quem quer cuidar da sua saúde psíquica deve, em primeiro lugar, gerenciar o que pensa. Uma pessoa inteligente aprende com seus erros, uma pessoa sábia aprende com os erros dos outros. Quem aprende com os erros dos outros não precisa acidentar-se, fragmentarse e ferir-se, pelo menos com frequência. Ser inteligente é importante, ser sábio é essencial. MBNews: O que é a Síndrome do Pensamento Acelerado (SPA)? Dr.Cury: A síndrome SPA surge a partir de uma hiperatividade de origem não-genética. Desde os primórdios da humanidade sempre existiu a hiperatividade genética, caracterizada por uma ansiedade psicomotora, inquietação e agitação do pensamento de fundo metabólico. Por isso, algumas pessoas sempre foram mais ansiosas, teimosas e hiperpensantes do que outras. Mas hoje há uma hiperatividade funcional não genética: a Síndrome do Pensamento Acelerado. MBNews: Quais são as causas da SPA? Dr.Cury: A primeira é o excesso de estímulo visual e sonoro produzido pela TV, e que atinge frontalmente o MBNews: Qual a diferença entre a SPA e o déficit de território da emoção. Não estou falando da qualidade do atenção ou hiperatividade nas crianças? conteúdo da TV, mas do excesso de estímulos, sejam eles Dr.Cury: Muitos neurologistas, psiquiatras, psicólogos bons ou péssimos. A segunda é o excesso de informações. e psicopedagogos, ao observar crianças e adolescentes Em terceiro lugar, a paranoia do consumo e da estética, agitados, inquietos, com dificuldade de concentração que dificulta a interiorização. Essas causas excitam a e rebeldes a normas sociais, chegam a diagnósticos construção de pensamentos e geram uma psicoadaptação errados, atribuindo tais comportamentos ao transtorno de déficit de atenção ou aos estímulos da rotina diária, ou seja, uma perda “O que você pensa determina o que você hiperatividade, quando a grande maioria desses do prazer pelas pequenas sente. O que você sente determina pacientes é vítima da coisas do dia a dia. Os o que você registra em sua memória. Síndrome do Pensamento portadores da SPA estão sempre inquietos, tentando O que você registra determina os alicerces Acelerado. Por não terem tido a oportunidade de garimpar algum estímulo de sua qualidade de vida.” pesquisar o processo que os alivie. Sobre o excesso de informação, é fundamental saber que uma de construção de pensamentos, os profissionais não criança de 7 anos na atualidade tem mais informações sabem que, se superexcitarmos os “engenheiros” na memória do que um ser humano de 70, há um ou inconscientes que constroem pensamentos sem a dois séculos. Essa avalanche de informações excita de autorização do Eu, facilmente desenvolvemos a SPA. maneira inadequada os fenômenos que leem a memória e Essa perturbadora síndrome produz alguns sintomas semelhantes aos da hiperatividade, mas suas causas constroem cadeias de pensamentos. são diferentes. Na hiperatividade, há um fundo MBNews: E quais são os sintomas da Síndrome do genético; frequentemente, um dos pais é hiperativo. Além disso, a agitação e a inquietação de uma pessoa Pensamento Acelerado? Dr.Cury: Pensar é excelente, pensar muito é péssimo. hiperativa manifestam-se já na primeira infância, Quem pensa muito rouba energia vital do córtex cerebral enquanto na SPA a inquietação é construída pouco 12 MBIGUCCI NEWS – Construindo o melhor conteúdo e sente uma fadiga excessiva, mesmo sem ter feito exercício físico. Este é um dos sintomas da SPA. Os demais sintomas são sono insuficiente, irritabilidade, sofrimento por antecipação, esquecimento, déficit de concentração, aversão à rotina e, às vezes, sintomas psicossomáticos, como dor de cabeça, dores musculares, taquicardia, gastrite. Por que um dos sintomas é o esquecimento? Porque o cérebro tem mais juízo do que nós e bloqueia a memória para pensarmos menos e gastarmos menos energia. Muitos cientistas não percebem que a SPA é a principal causa da crise na educação mundial. Ela é coletiva, atinge grande parte da população adulta e infantil. Os adultos mais responsáveis apresentam uma SPA mais forte e, por isso, ficam mais estressados. Por quê? Porque têm um trabalho intelectual mais intenso, pensam mais, são mais preocupados. Quem tem SPA não consegue gerenciar os pensamentos plenamente, não consegue tranquilizar sua mente. A SPA compromete a saúde psíquica de três formas: ruminando o passado e desenvolvendo sentimento de culpa, produzindo preocupações sobre problemas existenciais e sofrendo por antecipação.

[close]

p. 13

Fotos: Divulgação “Pensar é excelente, pensar muito é péssimo. Quem pensa muito rouba energia vital do córtex cerebral e sente uma fadiga excessiva, mesmo sem ter feito exercício físico.” a pouco, ao longo dos anos. Entre as causas da SPA estão o excesso de estimulação, de brinquedos, de atividades, de informação. MBNews: O que gera a ansiedade? Dr.Cury: A ansiedade é uma consequência da SPA (Síndrome do Pensamento Acelerado). Bilhões de células estão suplicando, por meio de sintomas como dores de cabeça, gastrite, hipertensão, para que as pessoas mudem o estilo de vida, pensem e se preocupem menos, relaxem e tenham mais prazer, não destruam seus finais de semana. Mas quem ouve a voz do corpo? MBNews: É possível desacelerar em uma sociedade que nos cobra cada vez mais? Dr.Cury: As escolas em todo o mundo ensinam os alunos a dirigir empresas e máquinas, mas não os preparam para ser diretores do script dos seus pensamentos. É incontável a quantidade de pessoas que têm sucesso profissional, mas são escravas de seus pensamentos. Possuem uma vida emocional miserável. Enfrentam o mundo, mas não sabem remover o entulho das suas mentes. É necessário conduzir nossas crianças, de maneira lúdica, motivadora e prazerosa, desde a mais tenra idade, a conquistar uma relação saudável consigo e com o meio em que estão inseridas. Educar as crianças para tornarem-se mais fortes e não se renderem às pressões exercidas pelas armadilhas da atualidade. Desde bem pequenos, oferecer-lhes as ferramentas necessárias para que aprendam a se conhecer, bem como conhecer os bastidores de sua mente, gerenciar seus pensamentos e emoções. Aprender a administrar o Eu. Precisamos qualificar nossos filhos e alunos. Eles devem sentir-se importantes na escola, precisam participar de certas decisões. Devem também participar das decisões familiares, como a compra do carro, o roteiro das viagens, a ida a restaurantes, e até no orçamento familiar. Precisam aprender a fazer escolhas. Assim aprenderão uma dura lição: toda escolha implica perdas e ganhos. A síndrome SPA deixa nossos filhos agitados. Eles detestam rotina, e por isso reclamam que “não têm nada para fazer”. Eles têm muito para fazer, mas a rotina exaspera a ansiedade. Se os ensinarmos a administrar seus pensamentos e emoções e os engajarmos em projetos sociais, a emoção deles será estruturada, o pensamento, aquietado, e de quebra aprenderão a importância de servir. Como poderão subir no pódio se desprezam o treinamento? MBNews: Qual a proposta da Escola da Inteligência, que o senhor criou? Dr. Cury: A Escola da Inteligência é um programa educacional que objetiva desenvolver a educação socioemocional no ambiente escolar. Fundamentada na MBIGUCCI NEWS 13

[close]

p. 14

teoria da Inteligência Multifocal, a metodologia promove, por meio da educação das emoções e da inteligência, a melhoria dos índices de aprendizagem, redução da indisciplina, aprimoramento das relações interpessoais e o aumento da participação da família na formação integral dos alunos. Todos os envolvidos - professores, alunos e familiares – são beneficiados com mais qualidade de vida e bem-estar psíquico. Atualmente, o Programa da Escola da Inteligência está presente em 450 escolas conveniadas, contando com 525 professores e mais de 200 mil alunos aprendendo a gerenciar as emoções e se fortalecer, visando à qualidade de vida e à qualidade de suas relações. MBNews: Como funciona na prática a Escola da Inteligência? Dr. Cury: O Programa Escola da Inteligência é aplicado em 1 hora/aula por semana, dentro da grade curricular, como uma nova disciplina ou dentro de uma disciplina já existente. Nos alunos, desenvolvemos a inteligência, o gerenciamento das emoções, resiliência, autoestima, a construção de relações saudáveis, memorização e concentração, administração de conflitos e prevenção do bullying, além da postura empreendedora e criativa. Aos pais, demonstramos o conhecimento do funcionamento da mente para potencializar a educação com os filhos; estimula-se maior participação da família na aprendizagem e são apresentadas técnicas modernas para a educação emocional e melhoria da qualidade de vida. Os professores adquirem o conhecimento necessário para a administração de conflitos dentro e fora da sala de aula, bem como são capazes de gerir o tempo e gerenciar a emoção, aumentando a qualidade de vida e melhorando o processo de ensino-aprendizagem. Na escola, observa-se o aumento do desenvolvimento cognitivo dos alunos, a diminuição dos problemas comportamentais, a melhoria dos relacionamentos escolares e, com isso, o ambiente escolar torna-se emocionalmente mais saudável, criativo e produtivo. MBNews: Como o sr. avalia o excesso de informação que as crianças têm hoje em dia, seja na TV, iPad, celular? Dr. Cury: Há um mundo a ser descoberto dentro de cada criança e de cada jovem. Só não consegue descobri-lo quem está encarcerado dentro do seu próprio mundo. Nossa geração quis dar o melhor para as crianças e os jovens. Sonhamos grandes sonhos para eles. Procuramos dar os melhores brinquedos, roupas, passeios e escolas. Não queríamos que eles andassem na chuva, se machucassem nas ruas, se ferissem com os brinquedos caseiros e vivessem as dificuldades pelas quais passamos. Colocamos uma televisão na sala. Alguns pais, com mais recursos, colocaram uma televisão e um computador no quarto de cada filho. Outros encheram seus filhos de atividades, matriculando-os em cursos de inglês, computação, música. Tiveram uma excelente intenção, só não sabiam que as crianças precisavam ter infância, que necessitavam inventar, correr riscos, frustrar-se, ter tempo para brincar e se encantar com a vida. Não imaginavam o quanto a criatividade, a felicidade, a ousadia e a segurança do adulto dependiam das matrizes da memória e da energia emocional da criança. Não compreenderam que a TV, os brinquedos manufaturados, a Internet e o excesso de atividades obstruíam a infância dos seus filhos. Criamos um mundo artificial para as crianças e pagamos um preço caríssimo. Produzimos sérias consequências no território da emoção, no anfiteatro dos pensamentos e no solo da memória deles. MBNews: Quais as consequências disso? Dr. Cury: O conhecimento se multiplicou e o número de escolas se expandiu como em nenhuma outra época, mas não estamos produzindo pensadores. A maioria dos jovens, incluindo universitários, acumula pilhas de “pedras”, mas constroem pouquíssimas ideias brilhantes. Não é à toa que eles perderam o prazer de aprender. A escola deixou de ser uma aventura agradável. Paralelamente a isso, a mídia os seduziu com estímulos rápidos e prontos. Eles tornaram-se amantes do fast food emocional. A TV transporta os jovens, sem que eles façam esforços, para dentro de uma excitante partida esportiva, para o interior de uma aeronave, para o cerne de uma guerra e para dentro de um dramático conflito policial. Esse bombardeio de estímulos não é inofensivo. Atua num fenômeno inconsciente da minha área de pesquisa, chamado de psicoadaptação, aumentando o limiar do prazer na vida real. Com o tempo, crianças e adolescentes perdem o prazer nos pequenos estímulos da rotina diária. Eles precisam fazer muitas coisas para ter um pouco de prazer, o que gera personalidades flutuantes, instáveis, insatisfeitas. Temos uma indústria de lazer complexa. Deveríamos ter a geração de jovens mais felizes que já pisaram nesta terra. Mas produzimos uma geração de insatisfeitos. Estamos informando e não formando. 14 MBIGUCCI NEWS – Construindo o melhor conteúdo

[close]

p. 15

MBIGUCCI NEWS 15

[close]

Comments

no comments yet