Revista Gênesis - Nº 28 - 2º Semestre/2013

 

Embed or link this publication

Description

Revista Gênesis - Nº 28 - 2º Semestre/2013

Popular Pages


p. 1

Informativo do Colégio Espírito Santo Gênesis COLÉGIO ESPÍRITO SANTO Nº 28 • 2º SEMESTRE 2013 Revitalização da Gruta Nossa Senhora de Lourdes ISSN 2178-7778

[close]

p. 2

Gênesis Editorial Vivemos hoje em um mundo árido onde as relações interpessoais são escassas, graças ao processo de globalização que faz não só com que as informações transitem muito rapidamente, mas com que alguns valores fundamentais para a boa convivência social sejam perdidos. Contudo, mesmo nesse ambiente de poucas perspectivas e muita competitividade, vemos a educação como um caminho para mudanças. Sabemos que educar é uma arte. E, como toda arte, necessita de alguns ingredientes básicos para que tenha sucesso e alcance os seus objetivos. Um desses ingredientes fundamentais para essa ação é a sensibilidade. Numa sociedade recheada por diferentes estereótipos e que dá espaço a novas formas de convivência, é imprescindível que os responsáveis pela educação tenham sensibilidade e consigam despertar em seus alunos esse sentimento. A sensibilidade é necessária para a produção de um conhecimento emancipador construído por pessoas críticas que saibam agir conscientemente em um mundo em constante mudança. Sem sensibilidade, tudo se torna tétrico, sem vida e sem cor. Trabalhar com sensibilidade e desenvolvê-la em nossos educandos é um desafio. Mas, estamos certos de que é esse o caminho a ser seguido. A partir do desenvolvimento e do aprimoramento de algumas de nossas atividades e projetos, além de promover a construção do conhecimento, destacamos o trabalho com a sensibilidade. A Mostra Cultural foi um exemplo vivo. Cada aluno, partindo da escolha de um tema específico, dentro da literatura, conseguiu transpor para os visitantes toda a sensibilidade desenvolvida e aprimorada ao longo do processo. O trabalho com a leitura, em seus diversos segmentos, também aprimora esse sentimento. Apesar de ser um assunto recorrente em nossas edições, não podemos falar em educação sem destacar a leitura como instrumento de transformação. A evolução é parte da nossa natureza e ao ler mudamos, agregamos, construímos. São projetos como os desenvolvidos pelo Colégio Espírito Santo que farão da leitura uma ferramenta necessária, não só para a constituição da identidade, mas para tornar esse processo contínuo. Convidamos a todos para adentrar pelas páginas desta edição e compartilhar conosco inúmeras atividades desenvolvidas e perceber, em cada uma delas, a sensibilidade trabalhada. Sem dúvida alguma, 2013 foi um ano muito especial! Equipe Pedagógica Índicedice p.03 Formação continuada – um caminho a ser seguido para alcançar a excelência na educação p.04 Transição ou transformação? p.05 Meu tesouro no Colégio Espírito Santo p.06 A escola e a criança p.07 Mais do que um depoimento, uma experiência de vida p.08 Os clássicos na formação do leitor - projeto de leitura desenvolvido no Maternal I e II p.09 Leitura para toda vida p.10 Todo dia é Dia da Criança! p.11 Álbum de leituras - um incentivo à leitura e à escrita p.12 Reinventando fábulas e produzindo poemas p.13 Projeto contadores de histórias / Escolha de livro paradidático p.14 Interação entre o lúdico, a Ciência e a Matemática p.15 A biblioteca, muito mais do que somente livros p.16 A construção do conhecimento e a produção de Monografia p.17 Mudança de paradigma no ensino em função das NTICs p.18 O olhar para os jovens e a orientação disciplinar p.19 O teatro enquanto ferramenta pedagógica p.20 Pastoral: conquistas e desafios p.21 Amor, missão e doação - Encontro Missionário p.22 Revitalização da gruta p.23 Ginástica Rítmica / Grêmio Estudantil - ontem, hoje e amanhã p.24 ...Então é Natal! Expediente Colégio Espírito Santo Rua Tuiuti, 1442 – Tatuapé São Paulo/SP – CEP 03081-012 www.colegioespiritosanto.com.br Tel.: (11) 3389-1000 Diretora Geral MSSpS: Ir. Maria de Fátima Marques de Oliveira Diretora Educacional: Maria Helena Galucci Diretora Administrativa: Rosemari Rondelo Teixeira Coordenadoras Pedagógicas: Clarice A. M. Cavalcanti, Ieda Gavazzi Gomes e Maria Eunice C. de Oliveira Coordenadoras de Segmento: Kelly S. Brandão, Elaine Lopez, Rosangela P. Coelho e Selma Leite Editoração: Cristiane Imperador Capa: Alex de Sousa Oliveira Fotos: Acervo Ilustrações: Carolina Teixeira Trezena de Brito e Jade Guirau Paulo Tiragem: 1300 exemplares Diagramação: Única Gráfica Impressão: Única Editora e Gráfica Agenda 20 de dezembro de 2013 - Resultado da Recuperação final - Missa em Ação de Graças pelos 5os anos, 9os anos do Ensino Fundamental e 3as séries do Ensino Médio 27 de janeiro de 2014 Início das aulas 2 • Gênesis • 2º semestre • 2013

[close]

p. 3

Gênesis Formação continuada – um caminho a ser seguido para alcançar a excelência na educação Profª Maria Helena Galucci – Diretora Educacional do CES O debate acerca da formação continuada tem suscitado muitas discussões e mobilizado não só os profissionais da área da educação. O interesse por esse debate aponta para a estreita relação entre formação continuada e sucesso. É conveniente lembrar que, no século XX, privilegiava-se a dimensão técnica no processo de formação, mas com o passar dos anos, devido à rapidez das transformações e à evolução no acesso às informações, dá-se destaque à formação continuada. Na formação inicial, o profissional vive a dicotomia entre teoria e prática, mas na formação continuada há o processo reflexivo, o olhar para si mesmo, para o outro e para o processamento e construção de seu próprio conhecimento. Considerando-se a importância de um estudo contínuo e da necessidade de um permanente contato com novas teorias e novas informações, foi que a Rede de Educação MSSpS, a fim de buscar atualização e visão educacional para os seus diretores, nos deu a oportunidade de participar do curso Gestão Educacional no Institute of Educacion University of London. Com um grupo de gestores de renomadas escolas do Brasil, embarcamos para Londres com o objetivo de conhecer a realidade educacional inglesa, fazer um paralelo com a nossa realidade e trazer novas possibilidades de atuação para direcionar o nosso trabalho e levar as nossas crianças e jovens à excelência na aprendizagem e na formação humana. Foram dias de intenso estudo e muita reflexão. Durante o curso de Gestão Escolar na Inglaterra, realizado pela HUMUS e pelo SINEP/MG, participamos de palestras sobre a Liderança e a Gestão Educacional, no IOE – Institute of Education, um instituto avançado de pesquisa e pós-graduação na área de educação, visitamos instituições de ensino públicas e particulares, em que tivemos a oportunidade de assistir às aulas e vivenciar a realidade educacional local. Conhecemos, também, o Science Museum, local destinado para facilitar o entendimento da ciência pelos estudantes. Compartilhamos experiências e, o mais importante de tudo, construímos saberes. Assim tivemos a possibilidade de vivenciar a realidade das escolas de um país em que a cultura e a educação são prioridades para o Estado e para as famílias. Foi uma experiência inesquecível permeada de uma aprendizagem muito significativa. “Somos seres inacabados, há sempre erros a cometer e novas lições a aprender”. Paulo Freire Gênesis • 2º semestre • 2013 • 3

[close]

p. 4

Gênesis Transição ou transformação? “Que os vossos esforços desafiem as impossibilidades, lembrai-vos de que as grandes coisas do homem foram conquistadas do que parecia impossível.” Charles Chaplin Coordenadora Pedagógica Ieda Gavazzi Desde que o projeto de lei nº 11.274 foi sancionado em 2006, o Ensino Fundamental passou a ser de nove anos. Com isso, buscou-se, através da lei, assegurar um encaminhamento mais efetivo da aprendizagem das primeiras letras e, consequentemente, um desempenho satisfatório da leitura, interpretação e escrita. No entanto, é importante lembrar que a Educação Básica constitui-se da Educação Infantil, dos nove anos do Ensino FundamentaI e das três séries do Ensino Médio e, durante todo esse percurso de vida escolar, momentos de transição são inevitáveis. Com a passagem dos estudantes para o sexto ano, dúvidas e ansiedades caminham muitas vezes juntas, acompanhadas da expectativa do que está por vir. E não muito diferente é o que acontece ao término do Ensino Fundamental II. Questionamentos fervilham, é momento de assumir novos desafios e prepara-se para uma vida acadêmica que está próxima. Sendo assim, compete ao Colégio capacitar o aluno academicamente, não obstante contemplar o desenvolvimento cognitivo, afetivo, social, físico e trabalhar na construção de valores morais e éticos. Buscar um curso profissionalizante ou investir maciçamente no curso regular, tendo como enfoque a conquista de uma excelente universidade, são dúvidas que fazem parte de todos aqueles que vivem essa fase de transição. E é nessa etapa do desenvolvimento que nossos alunos dos nonos anos encontram-se. Um leque de possibilidades abre-se aos que vão ingressar no Ensino Médio e, mais uma vez, a equipe do Colégio Espírito Santo está pronta para acompanhar esse momento que requer presença, diálogo e orientação. O encontro que aconteceu em outubro, entre pais, alunos, coordenação e direção, proporcionou o conhecimento da matriz curricular do Ensino Médio, dos projetos pedagógicos desenvolvidos, das saídas de estudo de meio e trouxe, principalmente, um olhar bastante aguçado para a necessidade de termos alunos confiantes e seguros, capazes de enfrentar os vestibulares mais concorridos e obter ótimos resultados. Porém, não são só essas as nossas metas. Não podemos nos esquecer da importância de trabalharmos não só o crescimento intelectual, mas também pessoal para que cada um, em sua individualidade, possa ser agente de mudanças, capaz de lapidar a realidade a seu favor, a fim de buscar respostas e ampliar os seus horizontes de atuação, pois queremos jovens que saibam lidar com o conhecimento, com a sua existência e que sejam felizes. 4 • Gênesis • 2º semestre • 2013

[close]

p. 5

Gênesis Meu tesouro no Colégio Espírito Santo Sonia Zamora é mãe do aluno Vitor Zamora Cardoso da Educação Infantil Minha relação com o Colégio Espírito Santo iniciou-se em agosto de 2010. Depois de visitar e avaliar vários colégios da região, optamos pelo Espírito Santo por passar muita transparência, segurança e serenidade no tratamento com as crianças e com a educação. Não é nada fácil deixar seu maior tesouro de quase dois anos de idade a maior parte do tempo em uma instituição de ensino, é preciso ter muita confiança. Sempre tive todo o apoio necessário do Colégio. Na adaptação do Vitor, tivemos muito suporte, orientação e, acima de tudo, muita paciência dos profissionais, incluindo a coordenação, em estar sempre dando informações com relação ao desenvolvimento do meu pequeno. Um momento de muita parceria foi o tratamento fonoaudiológico realizado pelo Vitor. A parceria fono x colégio, no segundo semestre de 2013, foi imprescindível para o sucesso, desenvolvimento e adaptação do meu filho. Depois de refletirmos, optamos em colocá-lo no Período Integral para melhor prepará-lo para as próximas etapas. O Colégio Espírito Santo não é somente um instituição de ensino, é também uma empresa que pensa no próximo, uma grande família. Um exemplo disso são os eventos comemorativos preparados com muita atenção e dedicação. Os profissionais do Colégio preocupam-se em preparar eventos simples na estrutura, mas muito ricos na mensagem e objetivo, sempre semeando muito amor ao próximo. “Confiança é fundamental na parceria entre a família e a escola”. Gênesis • 2º semestre • 2013 • 5

[close]

p. 6

Gênesis A escola e a criança Sr. Aramis Moutinho Júnior (pai do aluno César Valandro Moutinho, estudante da 3ª série A do Ensino Médio) A escola tem um papel fundamental na vida de uma criança, pois nela, além de tudo que temos à disposição, como conhecimento, amigos, atividades, esportes, etc, começamos a entender que tudo na vida muda e temos que aprender sempre. Para um pai, ter colocado um filho desde a primeira série (no meu caso dois), atual segundo ano do Ensino Fundamental I, até a terceira série do Ensino Médio, direto na mesma instituição de ensino é muito gratificante, não que trocar de escola seja menos gratificante, mas é um outro tipo de experiência. Ver o César se desenvolver, superar desafios, passar por todas as fases de desenvolvimento, do Ensino Fundamental ao Ensino Médio, dentro do Colégio Espírito Santo me traz um enorme sentimento de realização e de missão cumprida, até aqui. Destacaria dois momentos que são de suma importância e que demonstram bem o que tento passar aos leitores deste texto-relato. Foi no oitavo ano que o César apresentou muitas dificuldades de acompanhar o conteúdo das matérias e acabou ficando em recuperação de quatro disciplinas, no final do ano. Disseram-me que ficar em recuperação de três matérias já era difícil de passar, imagina de quatro! Pois bem, ele estudou, se esforçou, cumpriu várias aulas particulares, passou de ano e, até hoje, vem conseguindo passar direto sem recuperações. No dia 19 de outubro, ele conquistou o décimo lugar no vestibular da UNISANTA, no curso de Engenharia da Computação, com dezesseis anos, sem terminar o Ensino Médio e ainda em seu primeiro vestibular. Partindo dessas duas experiências, dentre tantas outras, acredito ter expressado com fatos meu sentimento, exemplificando o que foi o Colégio Espírito Santo na vida do César. Além do seu um metro e noventa de altura, estou certo de que formamos um grande ser humano para fazer deste mundo um lugar melhor de se viver. Só posso dizer, dessa convivência criança / escola, muito obrigado pela força, pelas oportunidades e por todo o amor dedicado ao César, que é parte dos meus braços, olhos, pernas e, principalmente, do meu coração. Assinado: Um pai orgulhoso 6 • Gênesis • 2º semestre • 2013

[close]

p. 7

Gênesis Mais do que um depoimento, uma experiência de vida César Valandro Moutinho é aluno da 3ª série A do Ensino Médio Quando eu tinha seis anos comecei a estudar no Colégio Espírito Santo, havia entrado na primeira série, atual segundo ano do Ensino Fundamental, e continuo até hoje estudando aqui. Quando era mais jovem, não tinha uma noção das oportunidades que o Colégio podia me proporcionar ao longo dos anos. Desde a antiga sexta série, comecei a ter aulas com mais de um professor e isso foi uma surpresa inovadora para mim. Essa dinâmica da troca de professores foi um ponto marcante para que eu conhecesse a personalidade de cada um e compreendesse qual era o ritmo da vida de um estudante. Sempre optei por continuar nesta escola pelo incentivo que recebia, e recebo dos professores, a maneira como eles nos acolhem, de braços abertos, e como sempre nos apoiam para alcançarmos os nossos objetivos. Sempre gostei do método das aulas e, principalmente, da Mostra Cultural da qual já participei de onze, ao longo de minha trajetória escolar. Adorava desenvolver os trabalhos, pois colocava em prática as minhas habilidades, trabalhava em equipe e aprendia a ter mais responsabilidade. O Ensino Médio, considerado por todos uma fase um pouco complicada, devido ao foco no vestibular, é, realmente, uma fase muito complexa, pois necessitamos de alguém que nos guie diante desse mar de escolhas que deveremos fazer ao finalizarmos os nossos estudos. O apoio, o esforço e a preocupação que recebi dos professores, ao longo desses três anos do Ensino Médio, vou carregar para o resto da minha vida, pois isso não é qualquer escola que consegue oferecer. Neste meu último ano, produzi uma Monografia, um trabalho de grande porte oferecido por poucas instituições de ensino. Com a produção desse trabalho científico, pude desenvolver e aprimorar inúmeras habilidades, como a leitura, a escrita, a responsabilidade, a autonomia, a organização, a dedicação e, principalmente, a construção do conhecimento. Além de todos esses benefícios, esse trabalho nos prepara para a vida que vamos enfrentar e nos coloca a anos-luz na frente de qualquer outro aluno dentro de uma universidade, abrindo as portas para um futuro acadêmico de sucesso. Em 2013, já na terceira série do Ensino Médio, resolvi aproveitar mais o que a escola poderia me oferecer, como o Grêmio Estudantil do qual sou membro até hoje. Aprecio muito todo o trabalho e aprendizado que adquiri com essa experiência. Também me tornei membro da Pastoral, que realiza trabalhos voluntários e promove momentos religiosos e comemorações de datas cristãs. Essas são algumas das atividades das quais tive o prazer de participar e que irão fazer a diferença futuramente em minha carreira profissional. Ao final deste ano, sinto-me muito feliz e sortudo por ter tido a oportunidade de dividir os meus anos escolares com todos os professores, coordenadores e diretoras que se tornaram mentores que sempre farão parte da minha formação. Agradeço por todas as oportunidades que o Colégio Espírito Santo pôde me oferecer e tenho certeza de que muito do que sou hoje eu devo ao Colégio Espírito Santo. Gênesis • 2º semestre • 2013 • 7

[close]

p. 8

Gênesis Os clássicos na formação do leitor – projeto de leitura desenvolvido no Maternal I e II Professoras Amanda Rodrigues Sorcinelli Rizzo e Nathália Cavichio Barril “Um clássico é um livro que nunca terminou de dizer aquilo que tinha para dizer.” Ítalo Calvino Quando as crianças deparam-se com uma história contada, abre-se um novo mundo, uma viagem nova é iniciada, novas emoções são afloradas. Essa mistura de sentimentos proporciona um desenvolvimento emocional, social e cognitivo. A cada dificuldade da personagem, a criança transporta-se para aquela situação, vivencia e adquiri novas maneiras de lidar com seus próprios sentimentos. Ela vibra ao ver o problema da história resolvido, além de internalizar valores morais, respeitando as diferenças individuais, aprendendo a fazer o bem, a enfrentar as dificuldades da vida, a ajudar os outros, a enfrentar os medos, curiosidades, dores, perdas, enfim, com a leitura inúmeras aprendizagens éticas são trabalhadas. Quanto mais cedo a criança entrar em contato com os livros e perceber o prazer que a leitura produz, maior será a possibilidade dela tornar-se um cidadão leitor. Partindo dessa ideia, os alunos do Maternal desenvolveram, no segundo semestre do ano letivo, um projeto de leitura envolvendo uma parceria entre a família e a escola. A cada final de semana, um aluno levava a sacola confeccionada pelos próprios alunos contendo um livro com diversos contos de fadas e um diário dos contos, para divertirem-se com as leituras e registrarem, juntamente com os pais, como foram esses momentos gostosos. O projeto foi criado a fim de incentivar a leitura dentro de casa, para que as famílias pudessem desfrutar da magia dos contos que, a partir de sua linguagem simbólica, auxiliam no desenvolvimento emocional e cognitivo das crianças, estimulando a inserção no mundo letrado. Os contos de fada são facilmente reconhecidos, basta procurar em seu enredo alguns elementos mágicos, como animais que falam, fadas, bruxas, reis e princesas, além das tradicionais expressões “era uma vez” e “felizes para sempre”. Talvez esse seja o motivo principal pelo qual esses clássicos atravessaram o tempo e continuam encantando todas as gerações. A fantasia presente nos contos auxilia na construção da identidade das crianças, oferecendo um suporte emocional para que resolvam os seus conflitos interiores. Desse modo, eles não podem faltar na educação. Esses clássicos, que continuam tendo muito a nos dizer, estimulam a criatividade, despertam o interesse e o prazer pela leitura e enriquecem o vocabulário, contribuindo para a formação de uma criança leitora. Percebemos a importância desse projeto a partir dos relatos dos pais, registrados no diário, e também pelo entusiasmo que os nossos pequenos demonstravam ao levar a sacola e ao contar aos colegas de sala como foi a experiência de compartilhar leituras com a família. Desejamos que essa seja a sementinha plantada do início de uma grande e infinita aventura pelo mundo dos livros. 8 • Gênesis • 2º semestre • 2013

[close]

p. 9

Gênesis Leitura para toda vida Professora Gisele Villar Lopes Pereira O aprendizado da Língua Portuguesa e a leitura na primeira série do Ensino Fundamental I transcenderam as salas de aula. A razão disso foi a implementação do projeto “Leitura em casa” que aconteceu na terceira etapa do ano letivo, uma parceria da escola e família. A iniciativa ocorreu para estimular a leitura e envolver alunos e família. Pais e filhos, mesmo os irmãos mais novos, puderam compartilhar uma experiência gostosa no mundo dos livros. Folheando-os, observando as figuras, lendo, as crianças aprendem novas palavras, ampliam o vocabulário e desenvolvem um saudável interesse pelos livros, hábito para toda a vida. Numa casa onde os pais gostam de ler, a criança cresce valorizando naturalmente a leitura e percebe que o livro é uma coisa boa e que dá prazer. Cada livro pode trazer uma ideia nova e ajudar a fazer uma descoberta importante, além de ampliar o horizonte da criança. Toda semana, os alunos escolhiam um livro que era levado para casa dentro de uma pasta com um bloco de registros em que o aluno fazia um desenho, ou escrevia sobre a parte da história de que mais gostou, além de registrar o título da história e o nome do autor. Em sala de aula, quando os alunos retornavam com o livro, a professora mostrava o registro dos alunos e todos comentavam sobre suas descobertas. Com o desenvolvimento desse projeto, percebemos a empolgação dos alunos em querer mostrar aos amigos a sua produção e dividir com eles a aventura vivida a partir da leitura. Uma coisa é certa, as histórias que os pais contam e os livros que os pais e filhos leem juntos formam a base do interesse em aprender e gostar de ler. Gênesis • 2º semestre • 2013 • 9

[close]

p. 10

Gênesis Todo dia é Dia da Criança! Professora Carolina Lomba Na semana de sete a onze de outubro, foi comemorada a Semana da Criança no Colégio Espírito Santo. Mais do que lembrar do Dia das Crianças, a equipe pedagógica preparou uma programação diferenciada para que nossas crianças pudessem aproveitar esses dias com muita diversão. Foram escolhidas e organizadas diferentes atividades educativas, uma para cada dia da semana: teatro, visita à Fazendinha, culinária, dia do brinquedo e a mais esperada: o piquenique. Vivenciar essa programação, desenvolvida especialmente para as crianças, proporcionou alegria, animação e fez com que os alunos percebessem o mais importante: que ser criança é tão especial que merece ser celebrado. Afinal, é muito importante que todas as crianças tenham o direito de ser feliz, de sentirem-se valorizadas, respeitadas e amadas. E, como elas passam a maior parte do tempo na escola, esta, por sua vez, cumpre sua função social proporcionando à criança um ambiente feliz, acolhedor e amável. Na peça de teatro, as crianças divertiram-se com as músicas, as bolinhas de sabão e brincadeiras de roda oferecidas pelo espetáculo; na Fazendinha, os pequenos tiveram a oportunidade de aproveitar as belezas de uma vida mais natural, encantaram-se com os animais, andaram a cavalo, alimentaram os bichos e ainda plantaram uma sementinha. Durante a culinária, brincaram de mestre cuca e criaram o seu próprio sanduíche, assim como no livro “O sanduíche da Dona Maricota”, história que ouviram com tanta animação e embasou a experiência. No dia do brinquedo, além de divertirem-se muito, as crianças vieram para a escola com roupas coloridas e penteados malucos. Por último, na sexta-feira, fizemos um grande piquenique próximo ao bambuzal da escola, o primeiro para muitas crianças. Acreditamos que a Semana da Criança, pensada com tanto carinho, cumpriu o seu papel e ajudou os alunos do Colégio a perceberem o quanto é especial ser criança e a sentirem-se valorizados. Tudo isso é o reflexo do que acontece todos os dias no nosso Colégio, pois mesmo sem programação especial, todas as semanas, a Educação Infantil trabalha com atividades diferenciadas que respeitam as singularidades de cada um, porque ser criança é muito bom! 10 • Gênesis • 2º semestre • 2013

[close]

p. 11

Gênesis Álbum de leituras – um incentivo à leitura e à escrita Coordenadora Pedagógica Clarice Aparecida Monreal P. Cavalcanti Todos nós sabemos que a leitura é uma habilidade fundamental para a busca do saber, mas também é de nosso conhecimento que despertar o encantamento pela leitura nas crianças é um grande desafio, principalmente, nos dias atuais em que o apelo tecnológico é muito grande. Inúmeras ações didáticas são desenvolvidas sob a perspectiva de encantar as crianças pelo gosto da descoberta que a leitura proporciona, sem tornar tal prática enfadonha ou obrigatória. Como já nos dizia Jonas Ribeiro (2002), autor de Colcha de leituras, “quem lê exibe nos olhos páginas de brilho e uma discreta crença nos milagres, na força do encantamento”. Refletindo sobre os benefícios da leitura, que provoca aprendizagens, auxilia na construção de nossa identidade, nos ajuda a viver, e pensando em apresentar o ato de ler como atividade lúdica e divertida, foi que surgiu o projeto Álbum de leituras que une a leitura ao divertido hábito de colecionar figurinhas, além de colocar a criança em contato com boas obras literárias. A criança que tem o contato com livros e exemplos de leitores no seu dia a dia tem muito mais chance de tornar-se um leitor apaixonado e encantar-se pelos livros. Nesse projeto, o álbum é composto por vinte figurinhas, sendo que cada uma representa um livro. Para receber a figurinha, a criança precisa ler a obra correspondente e escrever a sua opinião sobre a leitura. As páginas centrais do álbum trazem figurinhas de livros da conceituada escritora Ruth Rocha, além de uma pequena biografia da autora. Entre essas figurinhas, há uma que representa o primeiro livro da escritora, Palavras, muitas palavras, publicado em 1976, e outra que representa o livro mais vendido de nossa querida escritora Marcelo, marmelo, martelo, que já teve mais de um milhão de cópias vendidas. Os alunos abraçaram a proposta e devoraram os livros. Houve até uma disputa pelas obras. Ir para casa sem levar na mala um livro para ler era motivo de tristeza. Para encerrar o projeto, álbum concluído e um delicado marcador de páginas para marcar as muitas páginas dos próximos livros que essa turminha lerá. Gênesis • 2º semestre • 2013 • 11

[close]

p. 12

Gênesis Reinventando fábulas e produzindo poemas Professoras Cristiane Imperador e Márcia Azevedo Coelho Há algum tempo, educadores, pais e alunos já não veem a escola como um lugar para se adquirir apenas os conhecimentos científicos e filosóficos. Os Parâmetros Curriculares apontam a necessidade de trazer para a sala de aula discussões sobre temas que promovam a formação ética e moral dos alunos. Partindo dessa premissa, surge um questionamento: por que não aliar a discussão desses temas às histórias que foram inventadas há séculos e continuam tendo muito a nos dizer? A partir dessa reflexão, investimos na proposta de trabalhar com as fábulas, fontes inesgotáveis de ensinamentos, como o ponto de partida para a produção do livro de poemas de 2013, que vem somar-se às obras de anos anteriores, desenvolvidas pelos 4ºs anos do Ensino Fundamental. A literatura e, nesse caso específico, a fábula, ao propiciar leituras que dialogam com as diferentes áreas do saber, favorece, de forma lúdica e reflexiva, a construção do conhecimento. Por isso, essas histórias têm grande eficiência como instrumento didático, sem destituírem-se de suas propriedades estéticas, permitindo múltiplas interpretações por diferentes pessoas, incentivando o estabelecimento de relações entre aquilo que é lido e as experiências pessoais, e, ainda, incitando a assimilação prazerosa das histórias que os livros guardam. Trocar experiências, realizar leituras, analisar os personagens e suas ações, descobrir a moral de cada história, ressignificar valores, encantar-se, brincar com as palavras, além de contribuir significativamente com o desenvolvimento da leitura e escrita dos nossos pequenos poetas – que, ao recriarem os textos, soltaram a imaginação, descobrindo as mil faces das palavras e sua força expressiva – possibilitaram a reflexão essencial à formação integral, missão de nosso Colégio. A criação de rimas, versos, a recriação de fatos e socialização de textos, por meio das leituras orais, foram ações desenvolvidas ao longo deste ano. O resultado? O livro Poemas fabulosos. Do qual nos orgulhamos muito. Quem ler a obra terá a oportunidade de perceber que, além do texto verbal, há em cada produção uma imagem que ilustra a essência da história transformada em poema. De modo semelhante, a narrativa, os parágrafos e a pontuação, típicos da prosa, transformam-se, pela linguagem poética, em elementos como a rima, ritmo, métrica e estrofes, revelando, ainda, por meio de vocabulário simples, o estilo próprio de cada autor. Fica evidente em cada página o gosto pela leitura e escrita, combustíveis das atividades desenvolvidas semanalmente e objetivo maior da equipe de linguagens e códigos do Colégio Espírito Santo. No mais, convidamos a todos para desfrutarem da leitura desses Poemas fabulosos e a se divertirem com as recriações inusitadas de muitos poemas que lá se encontram. 12 • Gênesis • 2º semestre • 2013

[close]

p. 13

Gênesis Projeto contadores de histórias Professoras Daniela de Lucca e Edna Miranda Santana Desde primórdios, o ser humano se vê rodeado por histórias. Há uma necessidade humana em tornar o mundo inteligível através de narrativas. Assim, criam-se lendas e mitos que tentam dar significado ao mundo que nos rodeia. Além desse caráter explicativo, as histórias possuem também o encanto de criar um mundo de imaginação que nos leva a um estado mágico, de puro encantamento. O projeto “Contadores de histórias”, do 6º ano, tem como objetivo manter acesa a chama do encanto de ouvir e contar histórias. Os alunos são motivados a ler histórias, as mais diversas, e encantar alunos menores com suas apresentações. Acreditamos que esse projeto promove o prazer pela leitura, o desenvolvimento da expressão corporal e oral do aluno, aguça a responsabilidade e promove a interação. Tais habilidades são fundamentais para o bom desenvolvimento de todos. O projeto já contou com três apresentações, com total aprovação dos ouvintes. Os contadores de histórias encantaram os alunos do Jardim I e Jardim II. A intenção é dar continuidade e motivar para que, cada vez, mais alunos participem do evento. Escolha de livro paradidático Professor Lino Gonzaga No período escolar, muitos assuntos são tratados como contribuição à formação da criança e do adolescente. Existe uma grande preocupação por parte dos professores e coordenadores em relação à abordagem de temas que possam não só acrescentar informações, mas descontrair e promover aprendizados. Há uma infinidade de assuntos que podem e devem ser tratados, de acordo com a faixa etária, dos quais os alunos desenvolvem por meio da leitura de um bom livro recomendado pelos professores, independentemente da disciplina. Para a 2ª etapa, adotamos como leitura suplementar para os alunos dos 9ºs anos o livro Depois daquela viagem de Valéria Polizzi. O livro conta a trajetória da autora em plena adolescência quando adquiriu, por meio do sexo não seguro, a doença mais assustadora da década de 80, a AIDS. Nas atividades e debates realizados em sala de aula, discutiu-se muito o preconceito e os alunos mostraram-se interessados e maduros em suas colocações frente a uma posição social assustadora, que para muitos devasta mais do que a própria doença. Deixamos como sugestão a leitura da obra Depois daquela viagem e a temática: preconceito e sexualidade, contribuindo para mais uma reflexão e alerta aos nossos jovens. Gênesis • 2º semestre • 2013 • 13

[close]

p. 14

Gênesis Interação entre o lúdico, a Ciência e a Matemática Professoras Emilia Guirau Paulo e Vera Lúcia Martins É notório como a educação cada vez mais deve servir como articulação entre o conhecimento, a ação e o panorama mundial. O avanço do conhecimento científico e tecnológico e a instabilidade no mundo econômico e produtivo requerem indivíduos que se tornem agentes críticos, responsáveis e capazes de interagir com o mundo em que vivem. De acordo com essas perspectivas, muitos dos projetos realizados no Colégio visam criar uma rede integrada entre as disciplinas para que o aluno crie suas associações e reflexões sobre o que aprendeu a partir de diversos ângulos e relacionando com o seu cotidiano. Esses projetos buscam um ensino estimulador e desenvolvem competências e habilidades que o tornam um indivíduo mais preparado para as necessidades da sociedade contemporânea. Um dos projetos realizados com os sextos anos envolveu as disciplinas de Educação Física e Ciências. Após estudarem as propriedades da água, os estudantes foram comprovar algumas delas na prática, tudo isso, ainda, “regado” com muita diversão. Eles construíram foguetes com garrafas PET e a base de lançamento era com um compressor de ar. Os principais objetivos foram a observação de uma aplicação prática do que tinham aprendido em conceitos, como o princípio de pascal, que afirma que quando uma força é aplicada sobre um líquido ela se propagará integralmente em todas as direções com a pressão da água. Após os lançamentos, os alunos analisaram os resultados e perceberam os motivos das falhas e do sucesso. Nos nonos anos, as disciplinas de Matemática e Ciências trabalharam de forma integrada com o conteúdo de função que faz parte da grade curricular deste ano escolar, mas trabalhar com esse conceito de maneira desvinculada da realidade torna-se desinteressante. Sendo assim, acreditamos que, mostrando que a função vista em Matemática é a mesma trabalhada em movimento uniforme e uniformemente variado em Física, faz com que o aprendizado tenha mais sentido. Segundo Galileu Galilei, a Matemática é a linguagem da Física, ou seja, a Física necessita da Matemática para que possa se concretizar e apreciar verdadeiramente os conceitos físicos, ou seja, a Física não anda sem a Matemática. Francis Bacon diz que à medida que a Física evolui ela necessita de um auxílio, uma ferramenta para que possa concretizar as teorias e conceitos envolvidos nas evoluções e, nesse sentido, a Matemática é sempre uma ferramenta pronta e disponível. Segundo Regine Douady, um aprendizado só ocorre quando o aluno consegue trabalhar o mesmo conceito em situações diversas. Com o trabalho integrado, podemos perceber que o estudante consegue aplicar conceitos matemáticos em Física e em diversos domínios como: gráfico, algébrico, etc. Essa integração entre as disciplinas, aulas práticas e simulações virtuais, entre outros recursos, favorecem uma aprendizagem mais significativa, desenvolvendo a autonomia, criatividade, lógica, interação social, coletividade e compreensão do conhecimento sobre diferentes pontos de vistas. Habilidades como essas possibilitam ao indivíduo agir e reagir diante da realidade, desenvolvendo novas ideias, resolvendo problemas, aplicando os conceitos estudados em sua vida prática. 14 • Gênesis • 2º semestre • 2013

[close]

p. 15

Gênesis A biblioteca, muito mais do que somente livros Bibliotecária Tânia Mara Costa de Macedo Nem sempre as pessoas conseguem pensar na biblioteca como algo mais do que um lugar que é mero depósito de livros, de realização de consulta, estudo e pesquisa e ter a visão de que ela pode ser um centro de cultura, conhecimento e cidadania; um espaço livre de acesso à informação. A evolução dessa visão é relativamente recente e hoje esse espaço pode ser reconhecido em todo seu potencial de trabalho, como um espaço múltiplo de informação e de crescente formação acadêmica e cultural. Não se trata de um organismo estático e sim, como disse o bibliotecário Ranganathan “A biblioteca é um organismo em crescimento”. Mais do que realizar apenas empréstimos de livros, a biblioteca participa do processo de ensino-aprendizagem e tem, dentre suas expectativas e funções, o estímulo ao comportamento investigativo, à independência pessoal e à busca pela seleção e detecção da qualidade e pertinência de um material de pesquisa. No Colégio Espírito Santo, diversas atividades paralelas ao processo pedagógico são realizadas em todos os níveis, tendo como espaço de realização a biblioteca. Os alunos das séries iniciais são estimulados a comparecer à biblioteca semanalmente e realizam empréstimos de livros de literatura infantil, num esforço claro de incentivo à leitura; ensinando também o compromisso com a pontualidade na devolução dos mesmos para disponibilização da obra aos colegas e o cuidado com os livros, um patrimônio que é de todos. Os alunos da Educação Infantil visitam periodicamente a biblioteca, na companhia de suas professoras e auxiliares, que realizam leitura de livros para os grupos, de forma a incentivar a convivência e o respeito aos coleguinhas que participam da atividade e a troca de experiências quando todos são convidados a comentar a história que acabaram de ouvir. Classes inteiras comparecem à biblioteca com seus professores, após a realização de visitas de aprendizagem contextualizadas, para a execução de trabalhos das disciplinas relacionadas, que se utilizam dessa técnica como complementação da atividade e desenvolvimento teórico do que foi visto na prática. Outros professores optam por levar suas classes à biblioteca para a realização de pesquisa complementar ao conteúdo explanado em classe, de forma a diversificar e ampliar as informações sobre o assunto abordado. Professores e até alunos, realizam “Contação de histórias” para grupos e classes; professores incentivando alunos e alunos incentivando seus colegas, uma cadeia do bem e de incentivo à leitura, um ato de conscientização do indivíduo. Atividades de pesquisa e estudo, entre outras tantas, são realizadas a qualquer tempo e, sempre que necessário, os usuários podem dispor de auxílio dos profissionais da área para a execução de suas tarefas, enfatizando a cooperação e encorajando o compartilhamento de interesses, ideias, experiências e materiais. Assim, podemos considerar a biblioteca como mais uma fonte de oportunidade educativa e cultural, que guarda a diversidade do conhecimento humano, disponibilizando educação permanente àqueles que a buscam; como toda pessoa que procura crescer em aprendizado e conhecimento, visando tornar-se um ser humano melhor. Gênesis • 2º semestre • 2013 • 15

[close]

Comments

no comments yet