Revista Gênesis - Nº 29 - 1º Semestre/2014

 

Embed or link this publication

Description

Revista Gênesis - Nº 29 - 1º Semestre/2014

Popular Pages


p. 1

Gênesis INFORMATIVO DO COLÉGIO ESPÍRITO SANTO Nº 29 • 1º SEMESTRE 2014 COLÉGIO ESPÍRITO SANTO Congregação das Missionárias Servas do Espírito Santo 125 anos da ISSN 2178-7778

[close]

p. 2

Gênesis Editorial Vivemos o advento da era digital, um momento histórico em que a tecnologia e as novas gerações exigem mudanças. A nova sociedade exige pessoas que busquem a essência e sejam capazes de separar o que é útil daquilo que é irrelevante. Exige pessoas capazes de solucionar problemas que antes não existiam. Exige pessoas ativas, participativas. Para suprir todas essas exigências, entra em cena a educação. Precisamos preparar os nossos estudantes para um futuro desconhecido no qual eles sobreviverão não pelo que sabem, mas por suas habilidades e competências em buscar, aplicar e adaptar a informação em um mundo em constante mutação. Sendo assim, inúmeros projetos são realizados a fim de habilitar as nossas crianças e jovens para enfrentarem situações desconhecidas e sobreviverem em um futuro incerto. Nas próximas páginas, apresentamos alguns desses projetos desenvolvidos nos diversos segmentos. Esta edição também traz uma novidade. Este ano, a Congregação das Missionárias Servas do Espírito Santo comemora 125 anos. A Revista Gênesis celebra esta data com os leitores de forma diferenciada, traz um encarte especial, com textos que narram um pouco da história da Congregação, da atuação das missionárias no Brasil, seus frutos atuais e histórias de pessoas e instituições importantes que fizeram e fazem parte da Congregação. Celebrar 125 anos é retomar a história, reviver as experiências e saborear o gosto das conquistas. Revivendo o passado, sem se esquecer de projetar o futuro, a Revista chega ao leitor trazendo textos que apresentam um pouco do que foi desenvolvido no dia a dia e memórias que narram histórias e fazem reviver os 125 anos daquelas que apostaram na transformação e servem de exemplo para as novas gerações. Boa leitura! Equipe Pedagógica Índice 03. 04. 05. 06. 07. 08. 09. 10. 11. O tempo valioso da primeira infância A arte de cozinhar Mãe – mais do que especial Parabéns para você, nesta data querida! Brincando também se aprende Trabalho com projetos, uma rica experiência Transformações Colégio inova e estimula práticas esportivas O Grêmio Estudantil do Colégio Espírito Santo Conselho de alunos – uma ação democrática Preparação para o Enem, para o vestibular e para a vida Electi, mais do que um projeto, uma experiência única Museus – espaços de aprendizagem Blog Literário – A tecnologia no ensino De salão a auditório Prêmio Nacional de Gestão Educacional – 2014 Dignidade não tem preço Ações solidárias – ganha quem recebe, ganha quem pratica 12/13. Arraiá do Espírito Santo 14. 15. 16. 17. 18. Agenda • 2º Semestre 2014 13/Agosto Missa da Família 16/Agosto Passeio Ciclístico 18/Outubro Mostra Cultural 19. 20. 21. 22. Expediente Colégio Espírito Santo • www.colegioespiritosanto.com.br Rua Tuiuti, 1442 • Tatuapé • São Paulo/SP • CEP 03081-012 • Tel.: (11) 3389-1000 Diretora Geral MSSpS: Ir. Maria de Fátima Marques de Oliveira Diretora Educacional: Maria Helena Galucci Diretora Administrativa: Rosemari Rondelo Teixeira Assistente de Direção: Clarice Aparecida Monreal Cavalcanti Coordenadoras Pedagógicas: Clarice A. M. Cavalcanti, Alice Pires, Ieda Gavazzi, Maria Eunice Cardoso de Oliveira Coordenadoras de Segmento: Kelly S. Brandão, Carla Cecília, Rosângela P. Coelho, Selma Leite, Elaine Lopez. Editora: Cristiane Imperador Capa: Carolina Teixeira Trezena de Brito e Jade Guirau Paulo Fotos: Acervo Ilustrações: Carolina Teixeira Trezena de Brito e Jade Guirau Paulo Diagramação: Única Gráfica Impressão: Única Editora e Gráfica Tiragem: 1300 exemplares 2 • Gênesis • 1º semestre • 2014

[close]

p. 3

Gênesis O tempo valioso da primeira infância Assistente de Direção Clarice Aparecida Monreal P. Cavalcanti Há tempos a educação da primeira infância era quase que exclusivamente responsabilidade das mães. As crianças brincavam com seus irmãos (as famílias eram numerosas) nos quintais de suas casas ou até mesmo na rua, naquele tempo era possível! Na convivência familiar, as crianças socializavam-se e desenvolviam habilidades importantes para a sua vida. O cenário familiar mudou e as crianças passaram a frequentar a escola mais cedo para suprir os cuidados até então da família. Além das mudanças no cenário familiar, o setor econômico foi se desenvolvendo, tornando-se cada vez mais exigente e competitivo. A escola também sofreu mudanças, pois aumentaram as exigências em relação às crianças que, já na primeira infância, foram tomando contato com um currículo mais denso, com aulas de idiomas, esportes, uso de recursos tecnológicos... Atualmente, conforme a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, que regulamenta a Educação Básica, a Educação Infantil tem como finalidade o desenvolvimento integral da criança em seus aspectos físico, psicológico, intelectual e social, complementando a ação da família e da sociedade, e determina a obrigatoriedade da matrícula da criança na escola a partir dos quatro anos de idade. Com essa obrigatoriedade, a Educação Básica passa a ter a duração de quatorze anos. De um lado, isso é positivo, pois a educação passa a ser reconhecida como um direito fundamental do cidadão. De outro lado, não podemos perder de vista a concepção de criança, que, na primeira infância, deve aprender através das brincadeiras e das interações com o meio e com as pessoas. Afinal, tudo tem o tempo certo! Sabemos da importância da Educação Infantil, pois essa fase do desenvolvimento é o alicerce de aprendizagens futuras. Sendo assim, o Colégio Espírito Santo aprimora a cada ano o seu trabalho com as crianças, do Maternal ao Jardim II, a fim de proporcionar experiências significativas em que elas possam criar, construir e desconstruir, compartilhar, socializar, etc., sem deixar de lado aspectos específicos dessa fase do desenvolvimento. Vamos nos preocupar sim com uma educação de qualidade para que o ser humano continue progredindo, para que possamos contribuir com a formação de excelentes profissionais, éticos, mas que sejam pessoas felizes, que contemplem o mundo e o nosso bem maior: a vida. Gênesis • 1º semestre • 2014 • 3

[close]

p. 4

Gênesis A arte de cozinhar na Educação Infantil As atividades desenvolvidas na cozinha experimental, além de serem prazerosas, são muito importantes para o desenvolvimento global dos alunos da Educação Infantil. A partir da vivência e da ludicidade, a culinária estimula a aprendizagem. Ao sentir diferentes texturas e aromas dos alimentos, prestar atenção nos diferentes sons que acontecem durante o momento da culinária, como o som do liquidificador e, finalmente, ao degustar o alimento preparado, as crianças exploram todos os sentidos.Além dessa exploração sensorial, também são desenvolvidos e aprimorados aspectos cognitivos, principalmente nas áreas de Matemática e de Língua Portuguesa. No momento da culinária, os alunos devem seguir instruções descritas em uma receita, têm contato com um vocabulário, nem sempre presente no dia a dia (misturar, agitar), e compreendem o seu significado. Também são trabalhados conceitos de medida, contagem, mudança de estado físico dos ingredientes, cores, formas e a noção de tempo, pois devem esperar para poder ver o alimento pronto. Hábitos de higiene são estimulados, ao lavar as mãos e prender os cabelos; e a socialização presente no trabalho em grupo e na colaboração dos alunos é incentivada. Com as aulas de culinária, os alunos conhecem melhor os alimentos que consomem, entram em contato com outros com os quais não estão acostumados a consumir e vivenciam o processo de produção. Professora Nathalia Cavichio Barril As receitas realizadas no Colégio estimulam a alimentação saudável e o reaproveitamento dos alimentos, sempre se relacionando com os conteúdos trabalhados em cada nível. 4 • Gênesis • 1º semestre • 2014

[close]

p. 5

Gênesis Mãe - mais do que especial Mãe Mário Quintana Professora Thais Heer Kiste Mãe... São três letras apenas As desse nome bendito: Também o Céu tem três letras... E nelas cabe o infinito. Para louvar nossa mãe, Todo o bem que se disse Nunca há de ser tão grande Como o bem que ela nos quer... Palavra tão pequenina, Bem sabem os lábios meus Que és do tamanho do Céu E apenas menor que Deus! O Dia das Mães é comemorado desde a Grécia antiga, quando festejavam o dia de Rhea, a Mãe dos Deuses, no início da primavera. No século XVII, na Inglaterra, o quarto domingo da Quaresma foi dedicado às mães das operárias e, nesse dia, elas desfrutavam o Mothering Day, junto com suas mães. Mas, foi somente em 1914, que esse dia foi comemorado como na atualidade, depois que a americana Anne Jarvis sugeriu uma celebração para que a memória de sua mãe ficasse viva, após a sua morte. Atualmente, o Dia das Mães é celebrado no segundo domingo do mês de maio, no Brasil e em alguns outros países. A importância da figura materna não se discute. Para o psicanalista inglês Donald Winnicott, a mãe intervém como ativa construtora do espaço mental da criança, servindo como base para o amadurecimento do seu desenvolvimento, mas não é só isso. A mãe é um espelho para a criança, e é através do reflexo nele contido que a criança se reconhecerá e terá base para a construção de sua identidade. O amor materno é algo complexo, depende dos desejos pessoais, dos anseios e relações familiares, entretanto, é um amor puro, incontestável e real. Partindo desse pressuposto, o Colégio Espírito Santo celebrou uma missa em Ação de Graças, com momentos de oração e reflexão em homenagem às mães. Ainda, a fim de retribuir esse amor incondicional e demonstrar uma gratidão eterna, os alunos da Educação Infantil também celebraram esse dia com a confecção de uma bolsa customizada, uma apresentação com músicas e a participação ativa das mamães. A comemoração de uma data tão especial, dentro do Colégio, ajuda as crianças a refletirem sobre o verdadeiro sentido e valor da família, além de proporcionar momentos prazerosos e trocas de experiências. Homenagear a figura materna, com uma missa em Ação de Graças, com presentes, ou apenas com abraços e beijos, significa que o amor e o esforço por ela demonstrados e vividos não foram em vão, pois o reconhecimento desse amor se faz presente diariamente na vida de seus filhos. O amor, especialmente entre mãe e filho, deve ser sempre fortalecido no respeito mútuo e sincero. Que ele sempre prevaleça nas famílias, acima de qualquer situação. Gênesis • 1º semestre • 2014 • 5

[close]

p. 6

Gênesis Parabéns pra você, nesta data querida! Comemorar o aniversário é mágico e vital, além de ser um momento muito esperado. O aniversário é um estágio de nosso desenvolvimento e valorizar essa data é celebrar o recomeço. Neste ano letivo, incluímos nos projetos desenvolvidos com os alunos da Educação Infantil a homenagem aos aniversariantes do mês, a fim de socializar e compartilhar a alegria que toda criança sente nesse dia tão especial, data de extrema importância para cada um deles. Na última semana de cada mês, reunimos os alunos das diferentes turmas da Educação Infantil em um espaço, especialmente preparado, que estimula a interação, promove a partilha, pois todos dividem o lanche que os aniversariantes trazem para a sua festa, o suco natural e o bolo que são oferecidos pelo Colégio. Muita expectativa marca essa data. Com músicas infantis, dança, brincadeiras e muita alegria, todo mês tem um dia de festa, em que cada aluno é lembrado, acolhido e tem mais um ano de sua vida celebrado por todos os seus colegas e professores. Professora Nathalia Fernandes Soares Hino “Nada jamais continua, tudo vai recomeçar!” Mario Quintana 6 • Gênesis • 1º semestre • 2014

[close]

p. 7

Gênesis Brincando também se aprende Educar não é somente ensinar a ler e escrever, somar, subtrair, resolver um problema... É, também, desenvolver situações significativas de aprendizagem que promovam o desenvolvimento da criança. Dentre as situações significativas, temos o trabalho com jogos que constitui um importante instrumento para o desenvolvimento infantil, pois possibilita o acesso a vários tipos de conhecimentos e habilidades. A criança aprende através de processos interativos, assim, o jogo, quando trabalhado de uma maneira intencional, potencializa as situações de aprendizagem, pois permite a construção de representações mentais, o manuseio de objetos, a ampliação de ações sensório-motoras e a troca de experiências. Os jogos colocam a criança diante de situações que lhe possibilitam utilizar conhecimentos prévios para a construção de outros mais elaborados. Comprometidos com a busca de práticas pedagógicas que ampliam o desenvolvimento integral dos nossos alunos, foram selecionados jogos que trabalham com conteúdos de Língua Portuguesa para fazerem parte de um projeto intitulado Baú da alfabetização. O material selecionado permite trabalhar diversas aprendizagens. Para as crianças, além da aprendizagem, outro atrativo é o caráter lúdico, que indica que a prática é divertida e, para o professor, é uma ferramenta importante de análise. Enquanto a turma joga, o professor observa e depois discute com o grupo o que deu certo e o que deu errado. Toda semana, os alunos participam desse momento prazeroso. Dão o melhor de si, planejam, pensam em estratégias, agem, analisam, antecipam o passo do adversário, observam o erro dele, torcem, comemoram, lamentam ou propõem uma nova partida. Consideramos imprescindível o desenvolvimento de atividades lúdicas no processo de alfabetização, pois a aprendizagem torna-se ativa, dinâmica e contínua. Trabalhar com toda a riqueza e diversidade que o lúdico propõe prepara as crianças para enfrentarem muitas situações cotidianas, bem como propicia a construção do conhecimento. Professoras Gisele Villar Lopes Pereira e Juliane Lasheras A B C Gênesis • 1º semestre • 2014 • 7

[close]

p. 8

Gênesis Trabalho com projetos: uma rica experiência Professora Iracema Cerdán Zavaleta Galves O trabalho com projetos é algo extraordinário, pois a partir deles nós podemos unir as diversas disciplinas e dar sentido aos conhecimentos que são trabalhados em sala de aula. Com esse tipo de trabalho, os alunos percebem conexões importantes entre os vários saberes e descobrem que a realidade é única, apesar dos múltiplos pontos de vista. Um exemplo desse trabalho é o que está acontecendo no 4º ano do Ensino Fundamental, desde abril, quando iniciamos um projeto sobre a nossa cidade intitulado São Paulo de ontem, de hoje e de amanhã. Começamos com uma visita guiada ao Centro Velho da cidade de São Paulo, onde os alunos puderam conhecer – ou ver por outro ângulo – a Praça da Sé, o Solar da Marquesa de Santos, o Museu Anchieta, o Pátio do Colégio, o Mosteiro de São Bento e o Edifício Martinelli. A cada olhar, uma nova descoberta. Durante a visita, os alunos puderam perceber a diversidade que a cidade oferece, se deter na arquitetura de prédios antigos e conhecer um pouco mais sobre a história da nossa cidade. Em sala, estudamos a nossa cidade por vários ângulos, em todas as disciplinas. Passeamos por obras de arte de Tarsila do Amaral, buscamos fotos antigas na internet, pesquisamos informações, analisamos e interpretamos diversos textos nas aulas de História e de Geografia, construímos ideias, resolvemos situações-problema envolvendo dados reais da cidade, nas aulas de Matemática, e realizamos a leitura do livro paradidático: Nas ruas do Brás, de Dráuzio Varella, que narra as aventuras de um neto de imigrantes que nasceu no Brás. O assunto está sendo envolvente para os alunos e para as professoras. Eles descobrem algo novo, se interessam, trazem novas informações e elas se encantam com essas descobertas e aprimoram o ato de ensinar. A partir de estratégias de ensino diferenciadas, as atividades pedagógicas vêm sendo realizadas. Essa nova relação com o conhecimento oferece uma excelente oportunidade para que habilidades, até então desconhecidas, sejam reveladas. 8 • Gênesis • 1º semestre • 2014

[close]

p. 9

Gênesis Transformações Professora Christiane Rodrigues Fernandes “Nossa! Meu filho já vai fazer dez anos!” Muitas vezes nos deparamos com essa frase. E, então, paramos para pensar como o tempo passa rápido. Aquela criancinha tão bonitinha que acabou de entrar na escola cresceu. Já sabemos sobre suas preferências e habilidades. Quanta coisa já sabe fazer sozinha e dá os primeiros passos no treino de tomar decisões e fazer escolhas. É, ela já sabe do que gosta e do que não gosta. E esses pensamentos nos levam a perceber que as fases vão passando. É o final do Ensino Fundamental I e início do II. Cronologicamente é uma data definida, mas, emocionalmente, sabemos que as transformações vão ocorrendo imperceptivelmente. É o momento em que nos questionamos: “Nosso filho é criança? Não mais. Mas já é adolescente? Ah, não. É pré-adolescente? Talvez...” Eles próprios se perguntam. São grandes demais para algumas coisas e pequenos para outras. Como agir então? Não há receitas prontas. O que sabemos é que a confiança é fundamental entre pais e filhos que, neste momento, se estabelece com base no relacionamento. Confiar no sentido de acreditar que nossos filhos são capazes de se desenvolver independente da nossa constante observação e cuidado. Confiar no sentido de mostrar os caminhos e as consequências e deixar que tomem a decisão. Confiar no sentido de soltar a mãozinha, mas estar presente e atento a tudo que ocorre ao redor. Perceber nos comportamentos e olhares, momentos de dúvida ou apreensão. Saber ouvir, pois, às vezes, falamos, respondemos e nem ouvimos a pergunta. Estar junto nas conquistas, momentos de orgulho da formação dessa pessoa. Afinal, somos responsáveis por “formar” pessoas. Um compromisso para a vida inteira, porém, repleto de prazer, de troca e de amor. Com certeza, os filhos saberão, em qualquer momento de suas vidas, para onde voltar e quem procurar. Gênesis • 1º semestre • 2014 • 9

[close]

p. 10

Gênesis Colégio inova e estimula práticas esportivas Aluno Guilherme Gregório Sanches – 9º ano – Ensino Fundamental II Diversos estudos apontam para os benefícios das práticas esportivas. O esporte trabalha várias habilidades ao mesmo tempo. Durante uma prática esportiva, e mesmo em uma aula de Educação Física, o aluno tem a oportunidade de aprimorar diferentes formas de comunicação, de se integrar com companheiros e adversários, respeitar regras, buscando sempre um desenvolvimento saudável. Em 2012 e 2013, o Colégio Espírito Santo organizou a Olimpíada Interna com disputas nas modalidades individuais, arremesso de peso, salto em distância; e nas modalidades coletivas, com voleibol, handebol e futsal, o que promoveu não só o bem-estar físico e mental dos participantes, como o bemestar social, pois favoreceu a integração entre os esportistas, o surgimento de novas amizades, num clima de descontração, melhorando o relacionamento entre os alunos. No ano de 2014, o Colégio inovou mais uma vez ao estimular a prática esportiva, organizando um duathlon, uma variação do triathlon, que surgiu na Europa e envolveu, como o próprio nome diz, a realização de duas provas: natação e corrida em que os duatletas mostraram os seus talentos nas etapas bastante disputadas. A organização do duathlon demonstrou que o Colégio está pronto para transformações e aprimoramento de suas práticas, investindo em nosso futuro. São práticas esportivas como essas, cultivadas no ambiente escolar, que fazem toda a diferença. O esporte cativa, envolve e aproxima as pessoas! 10 • Gênesis • 1º semestre • 2014

[close]

p. 11

Gênesis Grêmio Estudantil do Colégio Espírito Santo faz renascer a ChapaOlim O ano de 2014 foi marcado no Grêmio pela integração entre presente e passado. A chapa eleita resgatou aquela que foi a mais votada ao longo da história do Grêmio Estudantil, a ChapaOlim que ressurge com novos membros. A presidente eleita, em 2014, Gabrielle Belchior, admiradora da ChapaOlim, presidida anteriormente por Luane Moliterno, contagiou seus companheiros e a ideia foi abraçada. Gabrielle fez contato com Luane, pois se sentiu na obrigação de pedir a sua aprovação. E o que Luane respondeu? “Aos meus novos colegas da família ChapaOlim, obrigada por escolherem reascender a chama desta Chapa que fez história. Cuidem da ‘chapa do coração’ com carinho. A ChapaOlim me deu a oportunidade de descobrir alguns talentos, florescer habilidades, desenvolver liderança e inteligência emocional. A constante dedicação ao Grêmio Estudantil me preparou, não somente para o mercado de trabalho, como profissional, mas também me fez uma cidadã Professora Maria Lúcia Gonçalves F. Cezaro consciente do meu papel para o crescimento deste país. Estou torcendo por vocês! Contem comigo!” Sendo assim, a campanha aconteceu e a ChapaOlim 2014 venceu. Seu compromisso agora, no presente, é o de realizar as propostas, resgatar algumas que marcaram os outros mandatos, atendendo às expectativas de todos. Também será a ChapaOlim a primeira a montar as diretrizes de trabalho para o cargo de Diretor Ambiental, proposto pela Chapa Incêndio, em 2013. A Chapa Incêndio, por sentir necessidade de investir numa mudança de mentalidade, conscientizando todos da urgência em adotar novos pontos de vista e novas posturas mediante questões ambientais, abriu caminho para seu sucessor colocar em prática o novo cargo. Percebemos que teremos um ano de muito trabalho e, independente de ser membro integrante da chapa ou não, todos são igualmente importantes. Participe, contribua, questione, sugira, faça história conosco. A porta do Grêmio está sempre aberta para vocês! Gênesis • 1º semestre • 2014 • 11

[close]

p. 12

Gênesis Arraiá do Espírito Santo Professor Agostinho Travençolo Júnior O Colégio Espírito Santo realizou, no dia 07 de junho, o seu quinto Arraiá aberto à comunidade, com direito a muita brincadeira, dança, cantoria e diversão. Comidas típicas, sorteio de prêmios, bingo e pau de sebo completaram a diversão. Para homenagear São Antônio, São João e São Pedro, em nossa festa, aconteceu o levantamento do mastro dos três santos juninos. Esse ritual remete ao nascimento de São João Batista. Conforme narra a lenda, Santa Isabel, mãe de São João, mandou erguer um mastro e acender uma fogueira para informar a Nossa Senhora o nascimento do seu filho. Foi muito gratificante compartilharmos momentos de alegria e diversão com pessoas queridas, com toda a comunidade e com os ex-alunos que sempre voltam para prestigiar as nossas festas. Ano que vem tem mais! 12 • Gênesis • 1º semestre • 2014

[close]

p. 13

Gênesis Gênesis • 1º semestre • 2014 • 13

[close]

p. 14

Gênesis Conselho de alunos – uma ação democrática Coordenadora Pedagógica Ieda Gavazzi A escola é um espaço de formação, socialização e palco de importantes acontecimentos e ensaios para a vida adulta. Mais do que qualquer outro lugar, a escola é a instituição ideal para o exercício da cidadania. Atualmente, muito tem se falado sobre Gestão Democrática e o envolvimento ativo de todos no processo de ensino e aprendizagem. Neste contexto, não podemos deixar de destacar a necessidade da participação dos estudantes em uma ação democrática e uma aprendizagem para a vida. Assim, além do Grêmio Estudantil que já faz parte do Colégio Espírito Santo, o Conselho de Alunos, instituído em 2014, prevê a participação do aluno sobre o ponto de vista da conscientização acerca de seu potencial participativo e decisivo, no sentido de prepará-lo para intervir crítica e produtivamente na sociedade. Dessa forma, o Conselho de Alunos é formado por representantes de turma, que foram escolhidos tanto pelos alunos como pelos professores, e que assumem uma função primordial perante o grupo que é a de estabelecer o diálogo entre as turmas e a direção do Colégio, a fim de colaborar na tomada de importantes decisões. Além de ter recebido o apoio, a confiança dos seus representados, é muito importante que o aluno escolhido saiba ouvir os colegas, professores, coordenadores e diretores, identifique as necessidades das turmas, tenha responsabilidade e dedique-se à vida escolar. O aluno é o ator social indispensável para que a escola se materialize. Enquanto sujeito ativo que pensa, critica e deseja, a participação dos alunos através do Conselho de Alunos enriquece a Gestão Democrática e promove o aperfeiçoamento e desenvolvimento de valores imprescindíveis para o bom convívio em sociedade. Além disso, o estudante constrói sua autonomia e participa ativamente na solução de problemas reais na escola e na vida. 14 • Gênesis • 1º semestre • 2014

[close]

p. 15

Gênesis Preparação para o Enem, para o vestibular e para a vida O Ensino Médio é a etapa final da Educação Básica e o período de transição para o Ensino Superior. É nesta etapa que o estudante faz escolhas importantes que terão impacto em sua vida futura e profissional. Coordenadora Pedagógica Maria Eunice Cardoso de Oliveira A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei 9394/96) define como objetivos gerais do Ensino Médio aprofundar os conhecimentos adquiridos no Ensino Fundamental, aprimorar o educando como pessoa humana e instrumentalizá-lo para aprender cada vez mais. Os Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Médio norteiam a educação para que ela seja contextualizada, com base na interdisciplinaridade, incentivando a visão crítica dos alunos e a capacidade de aprender sempre. Em consonância com a LDB e os Parâmetros Curriculares, o trabalho desenvolvido no Ensino Médio, no Colégio Espírito Santo, privilegia o desenvolvimento de habilidades e competências que promovam a aprendizagem efetiva de conteúdos contextualizados, que são significativos para o mundo atual; a produção do conhecimento; a preparação científica e o desenvolvimento integral. Em pleno século XXI, a educação se transforma e precisamos instrumentalizar os nossos jovens para que busquem a aplicação da informação e sobrevivam em uma sociedade em constante mutação. Sendo assim, investimos em programas diferenciados para a aprendizagem efetiva. O projeto Electi é um exemplo disso. A partir de dinâmicas que simbolizam situações reais e comuns, os alunos refletem sobre as prioridades do momento em que estão vivendo e de que maneira estão valorizando essas prioridades. A realização da Monografia, que insere os estudantes em uma formação científica, a partir de leituras, pesquisas e produções coerentes, articulando a argumentação à solução de problemas, também promove essa educação integral. No projeto Cesvest (Colégio Espírito Santo rumo ao Vestibular), os alunos têm a oportunidade de visitar universidades, assistir a palestras de diferentes cursos, receber diversas informações sobre os vestibulares e participar de oficinas profissionalizantes. Há também o Cesvest Mais, que trabalha com blocos de aulas fornecidos aos alunos que se destacam nos simulados realizados em cada etapa do ano letivo, além dos plantões de dúvidas. Dessa forma, preparamos os alunos para o Enem e para os diferentes vestibulares, que avaliam a capacidade que o estudante tem para dominar linguagens, compreender fenômenos, enfrentar situações problemas, selecionar, organizar, relacionar, interpretar dados e informações que estejam representadas de diferentes formas e para construir uma arguição consistente e lógica. No Colégio Espírito Santo, o Ensino Médio teve início em 2000 e continua se solidificando até hoje. Crescer significa acreditar e confiar. É com a confiança de todos que a nossa atuação se fortalece em 2014. Gênesis • 1º semestre • 2014 • 15

[close]

Comments

no comments yet