Jornal Eco da Tradição de Setembro 2015

 

Embed or link this publication

Description

Jornal Eco da Tradição de setembro 2015

Popular Pages


p. 1

ECO DA TRADIÇÃO - ANO XIV - Nº 169 - SETEMBRO DE 2015 Atenção especial às novas gerações fortalece as tradições e as invernadas dos CTGs Página 08 Tradicionalismo gaúcho movimenta R$1 bilhão Foto: Anijane Varela Jovens surdos buscam inclusão através da dança O mormo e suas implicações Página 02 EDITORIAL Foto: Rogério Bastos ECO ENTREVISTA Conheça a 3ª prenda mirim do Rio Grande do Sul Páginas 19 CGF Página 20 Página 14 Reinauguração da sede da CGF e FSH Página 07 Começaram os festejos farroupilhas Foto: Rogério Bastos Página 10 A imagem traduz o momento: A nova geração de prendas e peões, se valendo da tecnologia, como dizia Barbosa Lessa, no livro “Nativismo, um fenômeno Social Gaúcho”, para registrar e mostrar para o mundo a chama crioula e a nossa história, através das redes sociais. Uma amálgama de passado e futuro.

[close]

p. 2

2 Ano XIV - Edição 169 EDITORIAL Manoelito Savaris - Presidente Setembro de 2015 OPINIÃO Por: José Roberto Fischborn Vice-presidente Artístico Rua Guilherme Schell, 60 Porto Alegre / RS CEP: 90640-040 Email: ecodatradicao@mtg.org.br www.mtg.org.br mtg-rs.blogspot.com wp.clicrbs.com.br/mtg Contato: 51. 3223-5194 Caso de Mormo e suas implicações Mesmo sabendo que o tema se presta a inúmeras interpretações e a manifestações discordantes, sinto-me na obrigação de abordar a questão da presença do MORMO em território sul-rio-grandense. Em princípios de junho de 2015 foi confirmado um caso de mormo numa propriedade no município de Rolante. Desde o primeiro momento o MTG foi claro e enfático na orientação de que as medidas de proteção da sanidade dos equídeos era obrigação de todos: dos governos, das instituições e dos proprietários dos animais. Como consequência do caso em Rolante tornou-se obrigatório exame negativo para o MORMO. Imediatamente o MTG divulgou, orientou e passou a exigir o cumprimento da determinação do Departamento de Defesa Agropecuária – DDA, da Secretaria da Agricultura e Pecuária- SEAP. 3) as fiscalizações acontecerão por amostragem a nível municipal conforme capacidade e demanda das unidades locais. Portanto: 1. Os proprietários dos cavalos devem realizar os exames exigidos e retirar a GTA conforme manda a legislação; 2. Os promotores dos eventos (Prefeituras, RTs, CTGs) devem cadastrar os eventos junto às IDAs (Inspetorias Veterinárias) que não podem se negar a realizar o registro do evento; 3. O DDA, pelas suas inspetorias, fará as fiscalizações necessárias. Reafirmo o que já foi orientado em outros momentos: Os tradicionalistas devem cumprir a legislação e somente circular com seus cavalos e muares munidos de GTA. Os eventos programados, como rodeios, cavalgadas, desfiles, po- ENART 30 Anos e com novidades! No ano passado foi aprovado na convenção de Caxias do Sul a nova divisão das inter-regionais do ENART, ficando distribuído 10 regiões em 3 inter-regionais. Em termos operacionais o que mudou? Temos uma inter-regional por mês, com mais concorrentes por modalidade, para a cidade que recebe o evento, temos um volume muito maior de pessoas, para o espetáculo um ganho importante para a qualidade dos concursos, para as comissões avaliadoras muito trabalho, pois o festival deu um grande salto na diversificação de talentos. E o número de concorrentes o que ocorreu? Algumas modalidades se mantem com o mesmo número de concorrentes, mais outras aumentaram, temos neste ano, mais interpretes, mais declamadores, mais casais de dança de salão, até mesmo mais grupos de dança. Em termos gerais, a modificação, mesmo com algumas regiões tendo maior deslocamento, nada influenciou a quantidade de concorrentes que buscam uma oportunidade de passar pelo palco do ENART. No mês de Agosto, tivemos a primeira inter-regional neste novo modelo, na cidade de São Jeronimo, e o que constatamos? Muitos concorrentes individuais e um ginásio (das danças Tradicionais) movimentado de início ao fim, proporcionando um espetáculo diferenciado ainda nas etapas classificatórias do nosso festival, isso é Paixão, emoção e Tradição, isso é o ENART. Dicas para próximas duas inter-regionais: • Cuidados com os horários de início dos concursos, não há segunda chamada; • Aos concorrentes que participam de outras modalidades além da dança, peça ao seu coordenador para lhe auxiliar e intervir a seu favor, e depois não esqueça de pegar a autorização para participar do individual, essa autorização lhe assegura uma segunda chamada em sua modalidade individual; • Cuidados com o vencimento dos seus cartões tradicionalistas, assegurem-se de que o mesmo está dentro do prazo; • Aos dançarinos, a área delimitada para a dança deve ser observada e respeitada, lembrem do art. 23, letra e, onde o mesmo salienta que as entradas e saídas precisam ocorrer dentro da área delimitada, sendo o grupo que não respeitar esse item está desclassificado da disputa. • Aos coordenadores, os mesmos devem estar presentes apoiando e acompanhando seus concorrentes juntamente com seus diretores artísticos. • Cuidado com as indumentárias, busquem ler as diretrizes de indumentária, a nota de instrução do painel e o livro de indumentária do MTG. (duvidas pode ser sanadas através do e-mail carlathoen@hotmail.com). São 30 anos de ENART e você faz parte desta história em breve mais novidades para vocês, #VemProEnart, #enarteufaçoparte EXPEDIENTE: SUPERVISÃO: Manoelito Carlos Savaris DIREÇÃO GERAL: Nairioli Callegaro DIREÇÃO DE REDAÇÃO: Rogério Bastos DIAGRAMAÇÃO E DESIGN: Liliane Pappen CONSELHO EDITORIAL: Nairioli Callegaro, Odila Paese Savaris e Gustavo Bierhaus JORNALISTAS RESPONSÁVEIS: Rogério Bastos (16.834) Liliane Pappen (16.835) Fúlvio Lopes (16.200) COMERCIAL E EXPEDIÇÃO: Emeli Duarte IMPRESSÃO: Zero Hora TIRAGEM: 3 mil exemplares Atendimento 09 às 12 horas e das 13 às 18 horas De segunda a sexta-feira “O MTG orienta: Realizem-se os eventos! Cumpra-se a lei! E que cada setor cumpra com suas obrigações!” Realizaram-se várias reuniões na SEAP, realizamos um encontro de organizadores de rodeios, com mais de 800 pessoas presentes. Finalmente tivemos a edição da Nota Técnica 02/2015 expedida pela Divisão de Defesa da Sanidade Animal (DDA-SEAP). Alguns pontos fundamentais da Nota: 1) o MORMO é uma enfermidade infecciosa que acomete principalmente equídeo e que pode contaminar humanos. A contaminação se dá pelo contato direto com as secreções dos animais infectados; 2) é obrigatória a GTA e a apresentação de exame negativo de AIE e Mormo, mesmo durante os eventos relacionados com a Semana Farroupilha, os promotores de eventos devem cadastrá-los junto as IDAs para autorização, em conformidade legislação vigente; dem e até devem ser mantidos e realizados, mesmo que haja redução no numero dos participantes. Diante de constatação de animais em situação irregular, aplica-se a multa devida ou proprietário e recolha-se o animal. O cancelamento ou suspensão de eventos como os desfiles de 20 de setembro são de competência das comissões municipais, órgãos responsáveis pela programação local, conforme manda a Lei. Medidas nesse sentido devem ser pensadas e bem avaliadas, sob pena de que no ano que vem o cancelamento se dará por qualquer outra dificuldade. O MTG orienta: Realizem-se os eventos! Cumpra-se a lei! E que cada setor cumpra com suas obrigações! Valores da Anuidade R$ 974,38 Plena R$ 837,22 Parcial R$ 517,19 Especial Estudantis R$ 151,44 40% do valor é repassado às RTs. Setembro Valor MTG: PRESIDENTE: Manoelito Carlos Savaris VICE PRESIDENTE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS: Nairioli Callegaro VICE PRESIDENTE DE CULTURA: Elenir Winck VICE PRESIDENTE ARTÍSTICO: José Roberto Fischborn VICE PRESIDENTE CAMPEIRO: José A. Araújo VICE PRESIDENTE ESPORTES: Martim Guterres Damasco Não nos responsabilizamos pelas opiniões publicadas no jornal

[close]

p. 3

Ano XIV - Edição 169 ENART 30 ANOS Setembro de 2015 3 Capital do Chimarrão recebe a 2ª Inter-regional 25/09/2015 - Sexta-feira 19h30min - Palestra no auditório Tema: “Água é vida, ajude a cuida-la”. Apoio: CORSAN 20hs - Palco 2 – Danças de Salão – classificatória (1os 20 pares) São Jerônimo carimba os primeiros passaportes para Santa Cruz Dias 22 e 23 de agosto, 2ª, 6ª, 7ª, 11ª, 15ª, 16ª, 17ª, 21ª, 25ª e 30ªRTs disputaram as primeiras vagas para a final do ENART O evento que ocorreu em quatro locais, paralelamente, no ginásio municipal, clube do comércio, Escola Cenecista Carlos Maximiliano e CTG Quero-Quero, teve sua abertura oficial na tarde de sábado, quando os coordenadores regionais, Foto: Rogério Bastos 26/09/2015 - Sábado 8h30min - Palco 1 - Danças Tradicionais ( Força A) - classificatória 8hs - Palco 2 - Danças de Salão – classificatória 9hs - Palco 3 – Declamação Feminina – classificatória 9hs - Palco 4 – Declamação Masculina - classificatória 9hs - Palco 5 – Intérprete Solista Vocal Feminino – classificatória 9hs - Palco 6 - Intérprete Solista Vocal Masculino – classificatória 13h30min – Palco 1 -Abertura oficial da Inter-regional 14hs - Palco 7 - Reunião da equipe de chula com os concorrentes 15hs - Palco 7 – Chula- final pertencentes àquela inter-regional, foram convidados a unir os elos de uma corrente, demonstrando, simbolicamente, a união entre as regiões. O presidente do MTG, Manoelito Carlos Savaris, fez questão de ressaltar a importância de se dar atenção às novas gerações, como fez Ivan Botelho, coordenador da 2ªRT, emocionado, ao ver uma invernada mirim abrir o evento. Foto: Jeferson Quadros 27/09/2015 - Domingo 8hs – Palco 1- Danças Tradicionais (Força B) - final, após o termino desta força iniciaremos a final da Força A 8hs – Palco 2 - Danças de Salão – Final 9hs – Palco 3 - Declamação masculina e Causo - final 9hs – Palco 4 - Declamação Feminina e Trova 9hs – Palco 5 – Interprete Solista Vocal Masculina e feminina –final 9hs – Palco 6 – Gaita Piano e Violão ** 2ª Edição DiAtivo com diversas atividades de saúde e bem estar ** Show com Cristiano Quevedo Coordenadores unidos pelos elos de uma corrente Ginásio sempre lotado para s danças tradicionais RESOLUÇÃO Nº 07/2015 De�ine critérios de classi�icados para a �inal do ENART 2015, segundo artigo 11, inciso III do Regulamento do evento. Com a finalidade de bem interpretar e esclarecer o que define o artigo 11, inciso III do Regulamento do Encontro de Arte e Tradição Gaúcha – ENART, o Conselho Diretor do MTG resolve: Art. 1º- A parte do Regulamento em questão é: “Serão considerados classificados também os 5 (cinco) concorrentes com as melhores notas entre os não classificados de todas as inter-regionais, em cada modalidade, exceto danças tradicionais força A, onde serão classificados 4 (quatro) desta forma.” Art. 2º - Para completar os classificados para a final, a secretaria do MTG organizará uma lista única de concorrentes não classificados na ordem decrescente de notas obtidas na etapa classificatória das inter-regionais (notas obtidas no primeiro dia) Art. 3º - A divulgação dos classificados será divulgada depois da última inter-regional. Porto Alegre, 21 de agosto de 2015. Manoelito Carlos Savaris Presidente do MTG PALCOS Palco 1 – Ginásio Poliesportivo Palco 2 – Galpão Morada Velha Palco 3 – Auditório parte superior Palco 4 – Auditório Parte inferior Palco 5 – Salão de Eventos Palco 6 – CTG Erva Mate Palco 7 – Pavilhão Agropecuário Regiões Participantes 1ª, 4ª, 5ª, 9ª, 10ª, 14ª, 23ª, 24ª, 26ª e 27ª RT’s Informações Presidente da Comissão Executiva Luce Carmen da Rosa Mayer Contato: 51-9973 7695 - lucemayer@yahoo.com.br Diariamente, programações artísticas e culturais no Parque da Harmonia. Patrocínio: Apoio Cultural: 07 a 20 de Setembro Avenida Edivaldo Pereira Paiva (Beira Rio) Acesso gratuito às arquibancadas 20 de Setembro 9 hs - Desfile temático com o espetáculo “Campeirismo e 180 anos da Revolução Farroupilha” Promoção:

[close]

p. 4

4 PROSEANDO COM TENÊNCIA Ano XIV - Edição 169 Setembro de 2015 MOVIMENTO TRADICIONALISTA GAÚCHO Casos & Acasos Por Rogério Bastos Conta a história que um carpinteiro preparava-se para se aposentar e relatou a seu chefe este desejo. Ele queria estar mais tempo livre e que o salario lhe faria falta, mas com a aposentadoria poderia viver. O Chefe dele, então, lhe fez um último pedido: Que construísse uma casa uma última casa como um favor especial. O carpinteiro consentiu. Como tempo se via que seus pensamentos e seu coração não estavam mais na construção. Ele já não se empenhava como antes no serviço e acabou usando materiais de qualidade inferior e mão de obra não tão qualificada, realmente, uma maneira lamentável de encerrar sua carreira. Quando o carpinteiro terminou a casa, seu, então, ex-chefe, foi inspecionar o trabalho e, ao fim da visita, entregou-lhe a chave da porta de presente dizendo: “- Esta casa é sua! Meu presente por tantos anos de dedicação.” Que choque... Que vergonha! Se soubesse que estava construindo sua própria casa teria feito de forma diferente, não teria sido tão inconsequente. Agora teria de morar numa casa feita de qualquer maneira. Assim também acontece conosco. As vezes, trabalhamos de maneira distraída, reagindo, muito mais que agindo, desejando sempre colocar menos que o nosso melhor. Lembre-se sempre: Tu constrói o teu ambiente. Tu constrói o CTG que participas. Tu és o carpinteiro. A realização das tuas tarefas , a qualidade que imprimirás ali é que definirá como será esse ambiente, esse CTG. Fiquei muito feliz em ser convidado para presenciar o retorno do grupo de surdos dançando as danças tradicionais do RS. Mais um excelente trabalho da professora Leda Salvi, desta feita na escola Professora Lilia Mazeron, antigo CAEDA. Leda foi protagonista do grande CTG Querência, da Escola Especial Concórdia, da ULBRA, viajando todo Brasil mostrando que o surdo também se insere no folclore do povo. A pergunta que fica.... Isso não parece um terrorismo? Até essa questão do homem que “pegou mormo” em Livramento, que foi uma baita invenção, por que repercutiu na mídia? Estão sem noticias? É hora de se questionar! Dei-me o trabalho de somar, anualmente, minhas palestras, para chegar a uma marca que considero simbólica: 500. Foram quinhentas participações em oficinas, cursos, seminários, simpósios, painéis, aulas de faculdades, aulas inaugurais de cursos, enfim, Marau receberá dia 11/09, uma palestra especial, que deixará uma marca em minha vida: a de número 500. Obrigado pela confiança amigos! Você constrói o seu CTG e o seu ambiente Calendário do MTG - 2º Semestre DATA 14 a 20/09 26 e 27/09 03/10 10 e 11/10 17 e 18/10 20/10 31/10 31/10 31/10 31/10 31/10 07 e 08/11 14 e 15/11 20 a 22/11 21/11 28/11 09/12 09/12 12/12 EVENTO Semana Farroupilha 2ª Inter-Regional do Enart 5ª Reunião de Coordenadores Regionais e Diretores Culturais 3ª Inter-Regional Enart 2º Fegadan Sorteio da Ordem de Apresentação da Final do Enart 2015 49º Aniversário do MTG Apresentação dos Homenageados - Medalha Barbosa Lessa Apresentação dos Homenageados - Medalha João Carlos de Moura Apresentação dos Homenageados - Comenda João de Barro Apresentação dos Títulados Orcav Aberto de Esportes 19º Congresso Nacional da Tradição Gaúcha - (CBTG) Final do Enart 2015 - Encontro de Arte e Tradição Gaúcha 16ª Mostra de Arte e Tradição Gaúcha 6ª Reunião do Conselho Diretor e 6ª Reunião de Coordenadores Regionais e Diretores Culturais Frederico Westphalen/RS Caxias do Sul/RS Sede-MTG Camaquã/RS Camaquã/RS Camaquã/RS Camaquã/RS Camaquã/RS Tramandaí/RS Sapezal/MT Sta. Cruz do Sul Sta. Cruz do Sul Porto Alegre Venâncio Aires CIDADE O silencio dos inocentes Prazo Final - Eleições Coordenadorias Regionais Prazo Final - Apresentação Proposições 64º Congresso Tradicionalista Gaúcho Reunião de Encerramento - Confraternização Natalina O mormo Eco da Tradição completa 14 anos levando informação aos tradicionalistas Neste mês de setembro, em sua edição de numero 169, o jornal Eco da Tradição estará comemorando seu 14º aniversário, criado em 2001, substituindo o jornal “Tradição”, extinto naquele ano, foi lançado no Parque da Harmonia, com um dia de espetáculos voltado ao seu lançamento. Algumas empresas foram parceiras e anunciantes, mas a ARTEGA, o Armazém do Gaúcho, nunca deixou de estar nas páginas do informativo do MTG. Sempre parceiro, Gerson Ludwig, foi homenageado, quando o jornal completou 3 anos, e permanece até hoje. Manoelito Carlos Savaris, que teve a coragem, em um momento difícil como era o ano de 2001, e ao ver o Tradição deixar de noticiar as coisas que aconteciam pelos CTGs, resolveu criar, um informativo para o Movimento Tradicionalista gaúcho. Em seu Editorial de setembro de 2001, intitulado: “O custo de ser tradicionalista”, Savaris escreveu no último paragrafo: “Esperamos que os tradicionalistas de todas as querências apreciem e valorizem este nosso veículo de comunicação, o Palestra 500 Os Cientistas dizem que somos feitos de Átomos, mas os Sábios afirmam que somos feitos de Histórias” . “ (Eduardo Galeano) Por ir Elom a Malt REFLEXÃO REFLEXÃO Eco da Tradição, alavancar e manter este jornal faz parte dos nossos custos, mas poderá nos trazer dividendos que os compensarão folgadamente” – concluiu. A versão atual da logotipia (cuia com faixa portando as cores do Rio Grande) foi criada em abril de 2002 e vetorizada em 2012. A ARTEGA, entregou, de presente para a biblioteca do MTG, a encadernação, em capa dura, dos jornais de 2001 à 2011. Dois tomos, cada um com 60 edições, mais uma encadernação dos cadernos Piá 21. Um magnifico material de pesquisa, onde a história do tradicionalismo gaúcho está escrita no século XXI.

[close]

p. 5

Ano XIV - Edição 169 DEPARTAMENTO JOVEM Setembro de 2015 5 Marcel Heinrich – Diretor do Dpto Jovem do MTG 25 Anos do Tchêncontro – 50 anos do MTG e 400 mil jovens no Tradicionalismo Gaúcho!! Projeção: Datas e números que mostram a trajetória e o fortalecimento da nossa tradição Momentos inesquecíveis no Tchêncontro em Ametista do Sul, embora muitos não tenham comparecido por diversas razões, os que lá estiveram, vivenciaram a amizade, a fraternidade, o companheirismo, o resgate de tantos costumes que fazem parte da nossa tradição. Saímos encantados com tudo o que realizamos nestes dois dias de evento, felizes pelo reencontro, animados pelas brincadeiras, pelas novas amizades, num ambiente tranquilo e familiar como sempre tivemos. Quem esteve lá, não irá esquecer Ametista do Sul, do XXV Tchencontro e o XIV Acampamento, das grandes apresentações que brilharam pela criatividade, pelas performances no palco que encantaram a todos, assim como Ametista do Sul também não irá esquecer dos jovens tradicionalistas que lá estiveram, jovens que levaram a Ametista o respeito e a educação que existe dentro do tradicionalismo gaúcho. A Juventude outra vez mostra sua força, a sua grandeza, na sua capacidade de superação, na sua competência em construir e dar sustentação a nossa cultura. Em SER tradicionalista. Nós SOMOS o tradicionalismo. Juntos, somos a força da tradição que cresceu e ganhou o mundo. Obrigado Ametista do Sul, obrigado Juventude gaúcha! Hoje, o tradicionalismo tem como ponto alto o ENART e o FECARS, dois eventos consolidados e que são os dois maiores do tradicionalismo no estado. Podemos ter o terceiro, precisamos repensar o Tchêncontro e o Acampamento da Juventude Gaúcha, espaço e momento dos jovens confraternizarem, sem competir, onde os mesmos tem dado mostra da sua capacidade de realizar, organizar um grande evento, como já tem acontecido. Sabemos que temos o apoio total do MTG, para fazer as mudanças necessárias e melhorar cada vez mais, transformando o Tchêncontro e o Acampamento da Juventude Gaúcha realmente no dia do Jovem Tradicionalista, no terceiro maior evento do estado, num momento único, momento este, que inclusive iremos comemorar agora no dia 05 de Setembro em todas as entidades, com intensas programações, assim como os Festejos Farroupilhas. Comemoramos 25 anos do Tchêncontro, iremos comemorar os 50 anos do Movimento Tradicionalista organizado com números que demonstram a dimensão, importância e necessidade de termos um evento do tamanho da juventude gaúcha: 400 mil jovens! Estamos preparados, juntos somos a imensa força jovem da tradição gaúcha... juntos, somos o Rio Grande! Foto: Rogério Bastos Marcel e Diego dirigem o departamento jovem estadual com sucesso Sentinela da Querência, de Vacaria, reelege jovem patroa Reconhecimento: Depois de assumir uma entidade com diversos problemas estruturais e �inanceiros, Carina Rodrigues, foi reeleita no CTG Sentinela da Querência, de Vacaria. Fotos: Divulgação Juventude e competencia Carina Rodrigues, a jovem patroa de 34 anos, assumiu mais uma vez as rédeas do CTG Sentinela da Querência, de Vacaria. Nascida em fevereiro de 1981, em Caxias do Sul, iniciou sua vida tradicionalista ainda criança, no CTG Paixão Cortes, em sua cidade natal. “Participava da invernada artística mirim e ja despontava aí o interesse pela cultura através dos concursos de prenda. Por várias vezes fui primeira prenda da entidade, chegando a ser prenda da 25ª RT”, conta Carina. “Desde que cheguei em Vacaria fui acolhida pelo CTG Sentinela da Querência trabalhando com as escolas de danças Ramos, esperamos a cada dia abrirmos e com o Departamento Cultural, che- mais portas para que as mulheres se gando a ser eleita, em 2013, patroa do destaquem no meio tradicionalista. TraCTG, aos 32 anos”- declarou. balhando sempre em prol da cultura Primeira patroa eleita, em 50 gaúcha”, concluiu Carina Rodrigues. anos de existência da entidade e, na cidade de Vacaria. E no dia 25 de agosto, Carina foi novamente reeleita por aclamação, com aprovação de 100% dos associados presentes, para o biênio 2015/2017. “Juntamente com a nova patronagem, formada por mais 6 mulheres, enGrupo que encerrou o ano de 2014. Muito mais trabalho em 2015 tre elas, a capataz Maria Salete Farroupilha Teatro, chimarrão, nativismo, música e muita cultura! C o t u i l u t c ur r i 8ª RT Programação 14/09 Esmeralda 15/09 Pinhal da Serra Vacaria 16/09 17/09 Lagoa Vermelha C Um projeto proveniente do Ministério da Cultura, através do Edital 002/2015, da Fundação Instituto Gaúcho de Tradição e Folclore, realizado pela Oitava Coordenadoria Regional Tradicionalista de 14 a 17 de setembro TEMA ANUAL: PARA CADA COMPETIÇÃO, MOMENTO DE CONFRATERNIZAÇÃO. al

[close]

p. 6

6 NOTÍCIAS Ano XIV - Edição 169 ESPAÇO DO IGTF Setembro de 2015 Por: Vinicius Brum - Presidente da FIGTF 25ª RT em plenas atividades para a Semana Farroupilha O prendado regional, juntos aos departamentos Cultural e Jovem, em parceria com as prendas e peões das entidades tradicionalistas, da 25ªRT, irão realizar oficinas de confecção de cavalinho de pau, de bilboquês e “Vai e Vem”, de material reciclável, para as crianças das escolas. Haverá, também, oficina de chimarrão e oficina de vaca parada, com 10 vaquinhas. O Núcleo de Criadores de Cavalo Crioulo vai contar a história do cavalo para as crianças com painéis de fotos e apresentar os cavalos à elas. Paralelo a isso, na sexta, sábado e domingo, haverá demonstração de doma de cavalo xucro aos tradicionalistas presentes na semana farroupilha, nos pavilhões da festa da uva. As crianças, nas escolas, estão fazendo desenhos sobre o tema campeirismo para expor na semana farroupilha, o Departamento Jovem criou um perfil no facebook para falar sobre o evento e temas culturais. Atualmente estão falando sobre as obras de João Simões Lopes Neto, tema que foi sugerido para os departamentos culturais no encontro na capital. “Temos marcadas 25 palestras em escolas de Caxias do Sul que iniciaram em agosto, para dar tempo de realizar todas as atividades”, conta Andrea Monteiro, diretora cultural da 25ª RT. Foto: Rogério Bastos Nativismo, Regionalismo e Tradicionalismo Em função de dois grandes eventos - Expointer e Acampamento Farroupilha - esta época do ano proporciona uma exposição midiática de artistas cujo trabalho está vinculado ao universo rural rio-grandense. São cantores, músicos, poetas, repentistas que manifestam estreita ligação com a cultura oriunda do campo. Imediatamente se estabelece uma tendência de adjetivação desse artistas, situando-os dentro do espectro do tradicionalismo. Diante de tal evidência, gostaria de propor uma reflexão, ainda que rápida, sobre alguns termos que são empregados com frequência, quase sempre como se designassem a mesma coisa. Não raro se ouve a referência à música, aos cantores , à poesia tradicionalistas. Bem como tem se tornado usual conferir o mesmo peso semântico a vocábulos como tradicionalismo, nativismo e regionalismo. Sem maiores aprofundamentos, podemos entender que tradicionalismo refere-se à característica associativa que organiza os centros de tradição (CTG’s) que se filiam ao Movimento Tradicionalista Gaúcho; nativismo diz da “revivescência, da propagação da cultura dos povos primitivos contra a aculturação”, portanto estabelecendo um sentido de pertencimento a uma comunidade identificada; e regionalismo trata da “expressão artística (música, literatura, teatro, etc.) que se baseia ou reflete ou expressa costumes ou tradições regionais.” Barbosa Lessa, no livro “Nativismo – um fenômeno social gaúcho” referindo-se ao início dos anos 50 como decisivos para a propagação do movimento cultural alicerçado naquilo que ele identifica como tradição gaúcha, situa 1953 como o ano do despertar da música regional, que segundo sua visão se expressa em duas linhas: “a tradicionalista, com temas e harmonias mais trabalhadas [...] O gauchismo em traje de gala.” E “a regionalista, com temas e harmonias singelas, [...] O gauchismo de bombachas gastas e de pé no chão.” Entendo que Lessa expõe seu desejo de como as coisas deveriam andar daquele momento em diante. Hoje parece haver, nos meios tradicionalistas, uma ascendência de aceitação das bombachas gastas e pés descalços em relação ao traje de gala. Aqui não vai nenhum juízo de valor entre as duas instâncias propostas por Lessa. Citando apenas dois representantes de cada lado, percebe-se que a balança se equilibra: Tio Bilia e Renato Borghetti. E se me for obrigatório adjetiva-los, não os diria tradicionalistas, e sim, artistas regionais - expressões vigorosas da música produzida do Rio Grande do Sul. Andrea Monteiro (E) com o departamento jovem e o Coordenador Raul Eloi Teles Cruz Alta, 9ª RT, será sede da Convenção de 2016 O Coordenador da 9ª Região Tradicionalista, Carlos Eduardo da Silva, liderou a comitiva de sua região, que se fez presente na última Convenção Tradicionalista, que ocorreu em Porto Alegre. Entre várias proposições apresentadas uma delas foi proposta da cidade de Cruz Alta sediar a próxima Convenção. A 9ª RT com o apoio do poder público municipal, de Cruz Alta, candidatou-se a sediar a próxima convenção do Movimento Tradicionalista Gaúcho para o mês de julho de 2016. Sendo que a proposição foi defendida pela Foto: Rogério Bastos Beira D’estrada grava seu primeiro DVD no CTG Gildo de Freitas O dia 17 de outubro promete ser uma grande noite para os apreciadores da boa e autêntica música Gaúcha. O grupo Beira D’estrada gravará seu primeiro DVD, coma participação e show de Joca Martins. O local do evento será o CTG Gildo de Freitas, zona norte de Porto Alegre. Com uma formação bastante jovem, porém com grande bagagem no cenário musical gaúcho, o grupo promete cantar seus maiores sucessos com a participação de grandes nomes da música Gaúcha. “Nestes 10 anos de estrada animamos bailes por todo o RS, participamos de grandes eventos da música gaúcha, fomos selecionados pelo MINC para fazer 5 shows no Nordeste durante a Copa do Mundo e fizemos 2 turnês nos Estados Unidos (2010 e 2015), sempre tocando a autêntica música do Rio Grande do Sul, estava faltando gravar o nosso DVD! Dia 17 de outubro realizaremos este grande sonho”, conta Rafael Lopes, produtor musical e um dos fundadores do grupo. Os ingressos antecipados já estão disponíveis para venda no galpão do CTG Gildo de Freitas ou com os integrantes do grupo. Primeiro lote: R$ 30,00 Segundo Lote: R$ 40,00. Informações e reservas pelos fones: 51 8509 1702 - 8441 0138. Traje é pilcha ou social discreto. O QUE: Gravação do primeiro DVD do grupo Beira D’estrada e Show com Joca Martins e Grupo. QUANDO: 17/10/2015 - 21h30min. ONDE: CTG Gildo de Freitas. Coordenador Carlos Eduardo (D) no acendimento da Chama comissão composta pela coordenadoria regional e que foi aprovada por unanimidade dos convencionais. “Sabemos dos compromissos que assumimos juntamente com o município de Cruz Alta para sediar este evento. Mas como já tivemos êxito na organização de outros eventos que sediamos em nossa região estamos confiantes e desde já contamos com o apoio de todas as entidades e seus tradicionalistas. Quero neste momento deixar aqui o agradecimento da Coordenadoria da Região aos que colaboram para com o nosso tradicionalismo”, disse o Carlos Eduardo.

[close]

p. 7

Ano XIV - Edição 169 ESPAÇO DA CBTG Por: Aline Kraemer - Asses. de Imprensa MTG/MS Setembro de 2015 ESPAÇO DA CGF 7 Confederação Brasileira define suas programações A Confederação Brasileira da Tradição Gaúcha (CBTG) e o Movimento Tradicionalista Gaúcho de Mato Grosso (MTG-MT) realizarão nos dias 14 e 15 de novembro de 2015 o Concurso Nacional de Prendas e Peões e o Congresso Brasileiro da Tradição Gaúcha no CTG Chama da Tradição, localizado em Sapezal/MT. 16º CONCURSO DE PRENDAS E PEÕES DA CBTG - Para apoiar os estudos dos candidatos ou a quem interessar a CBTG lembra que existe uma sugestão de material disponível no site. Para organização da participação das delegações (acomodações e informações em geral), é recomendado o contato com a Coordenadora Cultural da CBTG - Tania Adiers Callai: tania_callai@hotmail.com ou (65) 9995-7601. 19º CONGRESSO BRASILEIRO DA TRADIÇÃO GAÚCHA - O Congresso Brasileiro acontecerá na data citada com a eleição da nova patronagem. São convocados para participação: Diretoria Executiva, Conselho de Vaqueanos, Conselho Diretor, Junta Fiscal, Conselho de Ética e Delegados dos MTG’s. FESTEJOS FARROUPILHAS - A CBTG convida todas as federações tradicionalistas para comemorar a Semana Farroupilha e homenagear a vida do campo, os 180 anos do início da Revolução Farroupilha e os 170 anos da paz de Ponche Verde. Este ano o Acendimento Internacional da Chama Crioula, realizado no dia 12 de julho em Colônia de Sacramento-Uruguai representou um momento histórico para o tradicionalismo. Depois do Acendimento, a Chama Crioula foi conduzida por cavaleiros brasileiros e uruguaios até a cidade de Chuí-RS, para sua distribuição. As atividades no Uruguai foram promovidas pelas organizações: MTG-RS/ Festejos Farroupilhas, CBTG, CITG e Sociedades Crioulas do Uruguai. CAMPEIRISMO GAÚCHO - Durante o 63º Congresso do MTG-RS realizado em janeiro deste ano, foi apresentado e aprovado o tema dos Festejos Farroupilhas: “O Campeirismo Gaúcho e sua importância Social e Cultural”. Algumas questões foram sugeridas para serem trabalhadas durante os festejos: a relação entre o homem e o cavalo, a música campeira, o laço, afazeres domésticos, mãos gaúchas no couro, galpão, a tosquia, o alambrado e a ordenha. HOMENAGENS: Durante os Festejos Farroupilhas serão homenageados os(as) tradicionalistas que difundem e preservam as tradições gaúchas afora do Estado do Rio Grande do Sul. Esses tradicionalistas receberão os títulos de Embaixador e Cônsul Honorários do Rio Grande do Sul, que serão concedidos no dia 19 de setembro, na cidade de Porto Alegre-RS. Foto: Divulgação Comissão Gaúcha de Folclore reinaugura sede, no dia do Folclore Valorização: Completando a programação da semana do folclore, a Comissão Gaúcha de Folclore reinaugurou sua sede e da Fundação Santos Hermann. Foto: Rogério Bastos Aos 90 anos, a professora Carmem Mello (sentada) autografou livros e esteve ao lado de seus pares na Comissão Gaúcha de Folclore Foto: Jean Carlo Bastos Coquetel reuniu, homenageados e amigos, na sede reinaugurada Foto: Rogério Bastos Dinara Xavier da Piaxão e Luiz Alberto Ibarra na sede da CGF Na sexta-feira, dia 21 de agosto, na Biblioteca Pública Fernandes Bastos, em Osório, foi feito o lançamento do livro “Coberta d’Alma no Litoral Norte do Rio Grande do Sul”, de autoria da Professora Marina Raymundo da Silva, que ainda foi outorgada pela CGF, com a Medalha Dante de Laytano. Na noite seguinte, 22, no Galpão do “35” CTG, foi realizada reunião festiva da Comissão Gaúcha de Folclore, para reconhecimentos de méritos. A entrega de Moções de Reconhecimento e Aplauso da Fundação Santos Herrmann para vencedores dos concursos de violão, viola e violino do Encontro de Arte e Tradição/MTG – 2014, aconteceu no mesma festividade. Violão: Ismael Bolzan – CTG Herdeiros da Tradição – Caxias do Sul – 25ª RT. Viola: José Pedro Rodrigues da Silva – CTG Herdeiros da Tradição – Caxias do Sul – 25 RT. Violino/Rabeca: Renato Eraclides Pulz – CTG Tropeiros da Amizade – Sapucaia do Sul – 12ª RT Foi entregue, também, a Medalha Dante de Laytano, da Comissão Gaúcha de Folclore, para a Professora Maria Lúcia Brunelli e Engenheiro Agrônomo Luiz Alberto Ibarra. A professora Carmen de Mello Mattos, aos 90 anos, coautora do livro “Contos Acumulativos sem fim”, juntamente com a professora Rose Marie Reis, já falecida, autografou livros que foram entregues aos presentes na reinauguração da sede que contou com um belíssimo coquetel. Emenda de deputado gera projetos culturais Investimento: Emenda constitucional, gerada a partir do deputado Paulo Ferreira, em 2013, virou edital da SEDAC e promoveu 12 projetos para interiorização dos festejos farroupilhas do RS. Demorou mas saiu. No ano de 2013, o Deputado Federal (PT) Paulo Ferreira conversou com o Movimento Tradicionalista Gaúcho para propor uma emenda constitucional de R$ 1.000.000,00 para gerar uma cadeia produtiva na cultura gaúcha, exatamente como ele faz com o carnaval. Em 2014 ele não foi reeleito, mas sua proposta gerou um edital do IGTF que se transformou em 12 projetos para a interiorização dos festejos farroupilhas. Foram aprovados os seguintes projetos: 7ª RT, Sétima Região Tradicionalista; 23ª RT, CTG Estância da Serra ; 5ª RT, CTG Estância do Rio Pardo; 15ª RT, 15ª Região Tradicionalista; 13ª RT Grupo Folclórico Calhandra; 27ª RT CTG Rodeio Serrano; 3ª RT, CTG Os Legalistas; 8ª RT, Oitava Região Tradicionalista; 16ª RT, CTG Camaquã; 1ª RT, CTG Chaleira Preta; 9ª RT, CTG Tropeiro Velho; 20ª RT, CTG Pompílio Silva. Foto: Divulgação Presidente da CBTG, João Ermelino Melo, sempre participativo Reunião com patrões da 15ªRT decidiu a programação cultural

[close]

p. 8

8 NOTÍCIAS Ano XIV - Edição 169 Setembro de 2015 Fotos da pagina: Rogério Bastos Atenção às novas gerações: solução para o fortalecimento da tradição Preparando a base: Entidades que priorizaram atender as demandas mirins e juvenis estão colhendo os frutos do trabalho. Campo Bom tem se tornado exemplo de trabalho feito nas escolas que termina dentro de um CTG. Fotos: Rogério Bastos Fotos: Rogério Bastos Barbosa Lessa, em sua tese, o Sentido e o valor do tradicionalismo, especifica que para evitar a desintegração social devemos dar atenção às novas gerações. Pois foi o que fez o CTG M’Bororé, da cidade de Campo Bom, 30ªRT, que acabou de sagrar-se tricampeão do JuvEnart. O jornal Eco da Tradição foi recebido no CTG pelo coordenador do grupo adulto, Claudio Gomes, o instrutor Luiz Carlos e pelo Patrão, Henrique Scholz. O instrutor do M’Bororé, Luiz Carlos da Silva Filho, 36 anos, natural de Campo Bom, começou na entidade em 1991, onde ficou pouco tempo, pois não tinha condições de se manter, ficou sem dançar, retornando em 1995, até 2002 na FEEVALE. Luiz voltou ao M’Bororé em 2001 onde permanece estes 14 anos. Há três anos instrui o grupo adulto, período em que venceu 3 JuvEnarts. “Todas as escolas de Campo Bom tem grupos de danças, isso abastece os CTGs. E aqui, quem não tem condições, conseguimos padrinhos, que os mantém. Hoje 90% da nossa invernada adulta, vieram da mirim. A Cristine Flores, que era do Aldeia, desde 2011 trabalha com a gente nos projetos do CTG. A base de tudo aqui é a familia.” - conta Luiz. Henrique Schols, patrão da entidade disse que o sucesso dos grupos se dá devido a uma politica pública do município de Campo Bom, pois desde 1989 as escolas tem aulas de danças. Hoje os filhos do vice-prefeito, Marcos Riegel, fazem parte do grupo juvenil. “Temos hoje 40 grupos de danças em 20 escolas do município. È mais barato fazer isso que investir em segurança pública”, disse o patrão. Foto: Divulgação Jaqueson Espíndola (E) tem o apoio e a força do jovem Mauricio Menezes(D), oriundo da juvenil Troféu Rotativo do JuvEnart agora tem casa prórpia Invernada Mirim do Guapos do Itapuí, uma grande estrutura de base Ensaio da juvenil do Gildo, vice campeã do JuvEnart Henrique Schols (E) é o Patrão do CTG M’Bororé CTG Gildo de Freitas. Um grupo juvenil que já ganhou o Brasil Foto: Divulgação A prova de que Campo Bom tem essa estrutura, no Festmirim, em Santa Maria, o campeão foi a invernada mirim do CTG Guapos do Itapuí, e o vice, a mirim do CTG M’Bororé, ambos da cidade. O Guapos é instruído pelos professores Everton e Evelin Ferreira. “Eu danço à 25 anos, iniciei no CTG Campo Verde, aqui da cidade, sou sócio fundador do Itapuí. Minha irmã faz 15 anos que dança e seis que trabalhamos juntos”, conta Everton. “O município apoia muito a tradição nas escolas, isso acaba refletindo e atraindo mais famílias para as entidades. Depois que fomos campeões em 2013, tivemos de remontar o grupo. Apenas 4 integrantes foram bicampeões. Recomeçamos tudo em março ensaiando 8 horas por semana. Acredito que foi na continuidade do trabalho que deu certo.” Segundo Ferreira o que faz a diferença é o trabalho dos pais. “Trabalham, organizam os eventos e O PROJETO MUNICIPAL promoções, pois não temos nenhum tipo de incentivo financeiro. Os acessórios são feitos todos aqui também. Hoje temos uma grande equipe de trabalho, pois todas as invernadas trabalham juntas, se envolvendo com cada proposta. É o que chamamos de Trilogia Itapuí.” – Conta Everton. A TRILOGIA ITAPUÍ Invernada Juvenil do CTG M’Bororé tem uma ótima estrutura de base. Este é o segredo do sucesso Outra entidade que tem brilhado com seu grupo juvenil é o CTG Gildo de Freitas, do Parque dos Mayas, zona norte de Porto Alegre. Com Jaqueson Espíndola como professor do grupo, chegou, em 2015, a vencer o Festival Nacional de Arte e Tradição, o FENART, em Piratuba/SC - promoção da CBTG – e os rodeios de Xangri-lá, Imbé, M’Bororé, Sentinelas e Passo Fundo e, de quebra, foram vice do JuvEnart. Muitos jovens destes estarão no ENART ainda este ano. O que mostra que um bom trabalho de base, dando atenção as ovas gerações, o Movimento Tradicionalista gaúcho só tende a crescer. DE CAMPO BOM PARA A ZONA NORTE DA CAPITAL TEMA QUINQUENAL: O MTG ENGAJADO NA CAMPANHA DE COMBATE À CORRUPÇÃO - “LAÇANDO A CORRUPÇÃO”

[close]

p. 9

Ano XIV - Edição 169 NOTÍCIAS Por: Aline Kraemer Setembro de 2015 TURISMO NO SUL 9 Por Jeandro Garcia MS: CTG Tropeiros da Querência comemora Jubileu de Prata Campo Grande-MS: O CTG Tropeiros da Querência, localizado na capital do Estado de Mato Grosso do Sul completa 25 anos no dia 23 de setembro de 2015. A história da fundação do CTG começou com a gaúcha e tradicionalista Lídia Cappelli Zanatta, natural de Marau-RS. No ano de 1987 ela convidou pequenos dançarinos para integrarem o grupo de danças “Pequena Querência”. Em sua residência, a Dona Lídia recebia as crianças e suas famílias para ensinar algumas danças do folclore gaúcho. No mesmo ano a Pequena Querência fez a abertura do 3º Fegams (Festival Sul-Mato-Grossense de Folclore e Tradição Gaúcha), na cidade de Sidrolândia-MS. O grupo aumentou e os ensaios foram transferidos para as dependências da Igreja Santíssima Trindade, onde foi criado o CTG Tropeiros da Querência no dia 23 de setembro de 1990. Em novembro do mesmo ano foi aprovado o estatuto e eleita a primeira patronagem do CTG. A preocupação dos fundadores sempre foi de preservar a cultura, a história e a tradição com a proposta de integração com os sul-mato-grossenses. A bandeira comprova exatamente essa idéia, na qual o fundador Adroaldo Magno Schlotefeldt apresentou símbolos que representam os Estados do Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Sul. Dona Lídia frequenta assiduamente o CTG Tropeiros da Querência até hoje e integra a invernada veterana. Ela relembra o início de tudo: “Depois que me instalei em Campo Grande a saudade do Rio Grande do Sul era muito grande, então surgiu a ideia de criar um Centro de Tradições Gaúchas. Quando pequenina, acendia o fogo simbólico, dançava e declamava em comemoração à Semana Farroupilha na praça da minha cidade por incentivo da escola. E como minha família se identificava com o tradicionalismo pensei em prosseguir com essa vontade, começando com os pequenos dançarinos aqui em Mato Grosso do Sul”, recorda Lídia Cappelli Zanatta. O Presidente da CBTG, João Ermelino de Mello, integra o CTG Tropeiros da Querência desde o ano de sua fundação e parabeniza: “Comemorar um Jubileu de Prata é relembrar toda a história. Muitas famílias trabalharam com muito empenho para criar o CTG e construir uma sede, o que aconteceu em dezembro de 1994. E algumas dessas famílias continuam trabalhando até os dias de hoje”, destaca o Presidente da CBTG. João Ermelino de Mello comenta com orgulho de um integrante muito importante do CTG: o tradicionalista José Carlos Cardoso, de 90 anos, que acompanhou todo o processo de criação do 35 CTG e integra o Tropeiros da Querência há muitos anos. Ele é natural de Santana do Sul-RS e é considerado referência no tradicionalismo gaúcho por difundir a tradição gaúcha e ter a preocupação de trabalhar com projetos de integração. O CTG Tropeiros da Querência comemorará o Jubileu de Prata juntamente com os Festejos Farroupilhas, com homenagens aos fundadores. Fotos: Divulgação Turismo de Galpão no Parque da Harmonia Semana Farroupilha: Oportunidade para vivenciar a cultura e as tradições gaúchas no coração da capital O Turismo de Galpão é um projeto que acontece no Acampamento Farroupilha de Porto Alegre para que todos tenham a oportunidade única de vivenciar, de um jeito novo e autêntico, o universo de crenças e lendas, ritmos, sabores, usos e costumes que identifica o povo do Rio Grande do Sul. A base de tudo é o conceito do Turismo Criativo, que transforma qualquer viagem em um aprendizado da cultura local. No Turismo de Galpão encontramos um cardápio variado de oficinas e atividades abertas com conteúdos da cultura gaúcha. Sendo possível aprender a assar um churrasco, preparar um carreteiro de charque, fazer um chimarrão, ou também podemos vivenciar atividades típicas das fazendas do interior, como encilhar um cavalo ou aprender como se joga bocha e truco. E certamente haverá tempo para degustar um café campeiro, ouvir lendas, causos e mitos que povoam o imaginário deste povo que vive no Extremo Sul do Brasil. São 100 opções, e o local de todas as atividades não poderia ser outro: o ambiente ao mesmo tempo simples, rústico e hospitaleiro de 40 galpões tradicionalistas que participam do programa. O Turismo de Galpão oferece um “espaço de hospitalidade” aos visitantes do Acampamento Farroupilha, localizado próximo à entrada principal do Parque da Harmonia, ao lado do Centro de Eventos Casa do Gaúcho. O local é o centro de referência e de informações do projeto e onde são feitas as inscrições para as oficinas e demais atividades do Turismo de Galpão. Neste espaço de acolhimento o visitante é atendido por recepcionistas que dominam outros dois idiomas (inglês e espanhol) e encontra à disposição materiais impressos sobre a programação das oficinas, Foto: Divulgação mapa exposto com a localização dos piquetes no território do Acampamento. Todos os grupos de participantes das oficinas são guiados até cada piquete por equipe da Secretaria Municipal de Turismo. O Espaço de Hospitalidade do Turismo de Galpão funciona diariamente das 9 às 22 horas. As oficinas e atividades acontecem diariamente de 5 a 20 de setembro, entre 11 e 19 horas. Também é possível participar das “Caminhas Guiadas”, onde os roteiros são orientados por um guia de turismo credenciado e percorrem o Parque Harmonia com paradas em piquetes do projeto Turismo de Galpão para visitação e atividades. Turismo de Galpão é uma iniciativa das secretarias municipais de Turismo e da Cultura, da 1a Região Tradicionalista e da Fundação Cultural Gaúcha. Para a programação completa e mais informações acesse: www.portoalegrecriativa.info/ site/turismo_de_galpao Foto: Rogério Bastos CTG Tropeiros da Querencia, completando 25 anos. A saudade do pago faz o gaúcho se reunir pelo Brasil Projetos culturais e trabalhos de invernadas são apresentados aos turistas

[close]

p. 10

10 Ano XIV - Edição 169 Setembro de 2015 Chuí recebeu o Rio Grande para a distribui Fotos da pagina: Rogério Bastos Foram mais de trinta dias de cavalgada enfrentando todo tipo de clima e temperatura, mas os cavaleiros pertencentes Com o objetivo de comemorar o aniversário de 335 anos da Colônia de Sacramento (1680), estimular o estudo da historia e o reconhecimento da importância que ela teve para a fundação do Rio Grande do Sul, realizada em 1737, por José da Silva Paes e, em especial, estimular a que os tradicionalista uruguaios organizem suas entidades em 12 de julho de 2015 a chama crioula foi gerada fora do território rio-grandense Com este espírito que na manhã de sábado, 15 de agosto de 2015, no Chuí, 6ªRT, que as regiões tradicionalistas e suas comitivas foram buscar o fogo simbólico dos gaúchos: A Chama Crioula para distribuição no Rio Grande e, inclusive, Santa Catarina. Foram muitas atividades envolvendo este acendimento que, segundo presidente Manoelito Carlos Savaris, pode levar algumas pessoas a não ter o real entendimento desta epopeia: “Muito mais do que irmos à Colônia, muito mais do que acender a chama, como fazemos anualmente, nós hoje, estamos vivenciando um momento histórico, uma ação que irá repercutir no futuro, ela resgata uma reflexão sobre nossas origens, a origem de um gaúcho muito antes da conquista deste território.” Desde o dia 12 de julho, quando foi gerada a chama em Colônia, muitas atividades aconteceram. Dia 17 de julho foi realizado o 12º Congresso Internacional da Tradição Gaúcha, que elegeu o presidente da Sociedade Elias Regules, Manuel Rodriguez Marghieri (Manolo), como o novo presidente da CITG. Dia 18, nas comemorações do dia da Pátria uruguaia, os gaúchos desfilaram com a Chama Crioula, em Montevidéu. Depois foi estrada, chuva, vento, frio, calor, a saudade dos que ficaram em casa, mas os bravos homens, liderados por Airto Glademir Timm e Gerardo Arrate, o “Pancho”, seguiram com sua missão por mais de 30 dias atravessando o território uruguaio. Os cavalarianos cumpriram sua missão, entregaram a chama no Chuí, e ela foi distribuída para as 30 regiões tradicionalistas, representadas por suas coordenadorias e equipes de cavalgadas e departamentos campeiros e, ainda, a cidade de Joinvile/SC, esteve com uma representação liderada pela coordenadora da 15ª semana farroupilha, Angela Cantarelli. Na abertura solene, o palanque oficial, contou com a presença do presidente do MTG, Manoelito Carlos Savaris, o Patrono dos festejos, Padre Amadeu Gomes Canellas, o Deputado Federal, Afonso Hamm, o prefeito municipal do Chui, Renato Fernandes Martins, o Secretario de Segurança do Estado, Wantuir Jacini, além de outros prefeitos, inclusive o de Triunfo, que fez o convite para o acendimento em 2016, na Ilha do Fanfa. Coordenadores Regionais prestigiaram a distribuição da Chama Veterano Tio Beno, do Piquete Memórias do Passado, acompanhou toda a trajetóriada Chama, de quase 700km, de Colonia ao Chuí Centenas de pessoas foram ao Chuí assistir o evento Presidente em seu pronunciamento: “Realizem seus desfiles!” Duas carretas serviram de palco para as autoridades, no Chuí Além das regiões do MTG do RS, uma comitiva de Joinvile/SC também prestigiou a distribuição e levou uma centelha para o estado coirmão À pé ou a cavalo, o importante era estar presente no evento histórico Tecnologia: As “selfies” registraram momento histórico no Chuí Airto Timm liderou a epica cavalgada, de Colonia ao Chuí, em 32 dias Conselheiros como José Francisco Teixeira (E) ao lado de Zeno Chaves Sandra, Solon e Gustavo (D) fizeram parte da equipe brasileira lldo Wagner (13ªRT), Helio(8ª), Luiz Vieira (5ªRT) e João Luz (23ªRT) O olhar atento do menino, aprendendo ao lado de seu pai

[close]

p. 11

Ano XIV - Edição 169 Setembro de 2015 11 ição da Chama Crioula vinda do Uruguai Fotos da página: Rogério Bastos, Pedro Couto, Sandra Abech e Solon Silva s à OrCav, liderados por Airto Timm, e ao grupo de uruguaios, por Pancho, entregaram a Chama no Chuí. Saída da Colônia do Sacramento em direção a Montevidéu Forte Santa Tereza Forte Santa Tereza - Uma passagem histórica dos conquistares deste chão OS CAVALEIROS DA EPOPEIA FARRAPA Airto Glademir Toniazzo Timm - Passo Fundo Solon Silva - Eldorado do Sul Gustavo Biehals - Porto Alegre Sandra Regina Bitencourt Abech - Eldorado do Sul Antonio Geolar Kurtz - Passo Fundo Beno Alves da Silveira - Sapucaia do Sul Ari de Moraes - Vale do Sol Pedro Milton Duarte Couto - Butiá João Pereira de Moraes - Santa Maria Gentil Pires - Passo Fundo Antonio Figueiredo Goulart - Santa Maria Valmeri Francisco da Silva (cozinheiro) - P. Fundo Alceu Elwanger (Motorista) - Vera Cruz Osvaldo dos Santos (Motorista) - Porto Alegre Luiz Fernando Bica Brazil - Santa Maria Montevidéu, Cassino Carrasco A paisagem de Castillos parecia uma pintura à óleo DO URUGUAI Cavalgando em San Carlos Chegando em Pan de Azucar Gerardo Arrarte Sandro Leites Tarciso Amaral Marcos Tamara Barcelos Marcio Bobadilla Mauricio Silva Pereyra Aladar Bermudez Martins Darlen Bermudez - Apoio Euzebio Bermudez - Apoio Erick Leites Roberto Silveira Gioivanni Martins Veiga Murilo Borges Jeferson Pereira Gabriel Senna Sandro Prates Lucas Bobadilla Jonathan Martins Pereira Nos caminhos de Libertad Solon Silva, vice-presidente da OrCav e Sandra Abech Maldonado – Punta Del Leste Liderança uruguaia, Gerardo Arrarte, Pancho, conhecedor dos caminhos Chegando ao Departamento de Rocha - Uruguai Airto Glademir Timm, Presidente da Ordem dos Cavaleiros do RS Gustavo Biehals, ex-presidente da OrCav e atual vice-presidente da FCG

[close]

p. 12

12 NOTÍCIAS Ano XIV - Edição 169 Setembro de 2015 Desfile Farroupilha, teatro a céu aberto Orgulho de ser gaúcho: Des�ile temático aborda o Campeirismo e os 180 anos da Revolução Farroupilha, no dia 20 de setembro Uma das grandes atrações dos Festejos Farroupilhas de 2015 será o Desfile Temático. O evento, a exemplo do ano passado, acontece na manhã do dia 20 de setembro, juntamente com os desfiles Cívico e Tradicional. A Fundação Cultural Gaúcha e o Movimento Tradicionalista Gaúcho, responsáveis pela iniciativa, estão mobilizados com aproximadamente 1.400 voluntários, artistas amadores, distribuídos em dez invernadas, para apresentar a teatralização do tema “O Campeirismo e os 180 anos da Revolução Farroupilha”. No total, 10 coreógrafos coordenam o espetáculo de teatro a céu aberto de cada uma das invernadas. O trabalho iniciou em março, com ensaios e produção de elementos cênicos e figurinos. Pelo segundo ano, consecutivo, o desfile temático ocorrerá antes do desfile tradicional com música tema, composição e execução de Alexandre Brunetto e grupo. Os voluntários integram CTGs, DTGs, Piquetes e Grupos ligados ao tradicionalismo gaúcho. O desfile inicia às 9h, no dia 20 de setembro, na Avenida Edivaldo Pereira Paiva, e será transmitido pela TV Tradição, ao vivo, pela internet. O público terá acesso gratuito às arquibancadas e espera-se reunir mais de 12 mil (que consta no projeto) pessoas na avenida. 1ª INVERNADA: Os Vultos da Revolução Destacará os vultos que marcaram a Revolução Farroupilha e seu contexto sociocultural e histórico. 2ª INVERNADA: A Colonização Serão abordados os aspectos da colonização, o trabalho dos padres Jesuítas da Companhia de Jesus, a catequização dos índios das tribos Guaranis, a formação das reduções, chamadas de Sete Povos das Missões, a redefinição das fronteiras e a Guerra Guaranítica. 3ª INVERNADA: O Manejo da lide campeira Representará a lida com o gado no seu dia a dia, o manejo, o manusear do couro e sua utilidade, a doma e o trabalho do peão através do laço. Demonstração da categoria Vaca Parada com objetivo de preservar e incentivar a atuação do homem do campo. 4ª INVERNADA: O Galpão Crioulo Retratará o convívio do gaúcho em um ambiente de múltiplas faces em virtude das diversas etnias que formam nosso povo, das diferenças geográficas e climáticas de nosso rincão, acolhidos em um espaço onde a gastronomia, a indumentária, as relações sociais, esportivas, econômicas e culturais, se desenvolvem através do tempo, firmando hábitos e costumes de uma gente que cultua sua arte através da poesia, da música, dos bailes, das lidas galponeiras e do artesanato. 5ª INVERNADA: O Comércio do Charque e a cutelaria Apresentará o comércio do charque, símbolo da economia gaúcha, de outrora, sua movimentação na pecuária. O trabalho dos produtores, a incidência dos impostos da Coroa, a concorrência com os Platinos. Também contará a importância do charque até a revolução e representará a arte do campeiro gaúcho na ferraria e na cutelaria, preparando facas, adagas e lanças. 6ª INVERNADA: As Carretas e o Tropeirismo Retratará a imagem das carretas e a figura do tropeiro. O girar das rodas das carretas carregou consigo uma história repleta de orgulho e coragem do povo gaúcho, sejam elas usadas por tropeiros para transporte de mantimentos em suas viagens, por mascates com suas variedades de mercadorias de vilarejos em vilarejos, o envio do charque pelos estancieiros ou até mesmo por fazendeiros e suas famílias em belos passeios por suas imensas propriedades. E a representará o orgulho e a honra nas rodas das carretas e no olhar do velho tropeiro. 7ª INVERNADA: O homem do Campo na Guerra Encenará a transição do homem do campo para guerra, o simbolismo do toque de clarim. Mostrará os cuidados com a estância, as lides com cavalo (que no futuro se tornaria o animal símbolo do Rio Grande do Sul), a montaria e a transformação dos estancieiros e dos peões em soldados. A indumentária e suas diferenças, o manejo das armas brancas e a dor e a angustias da distância da família também serão representadas. 8ª INVERNADA: A Mulher Rio-grandense Representará o papel da mulher, de fundamental importância, desde os primórdios da formação do povo sul rio-grandense no surgimento das primeiras estâncias. A responsabilidade de administrar a casa, a família e a lida campeira, bem como a manutenção e a subsistência do trabalho enquanto os homens estavam na luta e o seu envolvimento nos cuidados e assistência médica nos campos de batalhas. Destacará as suas conquistas na evolução da nossa sociedade. 9ª INVERNADA: Revolução Farroupilha Ícones Ícones da revolução, os homens que comandaram o exército farrapo e também o exército imperial estarão representados nesta invernada. Mostrará os momentos marcantes que aconteceram como a proclamação da República Rio-grandense, proclamada pelo General Antônio de Souza Neto as margens do Arroio Seival e a prisão do Bento Gonçalves na Bahia. Representará as estâncias, as famílias que foram as que mais sofreram durante os 10 anos de Revolução Farroupilha, tanto a família de comandantes quanto a família dos soldados farrapos. 10ª INVERNADA: A Proclamação da Paz Representará a movimentação dos artífices na apresentação das condições de paz e o fim da guerra. A assinatura do tratado nos campos de Ponche Verde. A emoção de comandar o apresentar armas pela paz. A população recebe a notícia da pacificação e realiza uma comemoração especial a moda gaúcha, com lenços brancos e muita música. E a haverá a representação do acendimento da primeira “Chama Crioula”, um dos símbolos da Tradição Gaúcha idealizada no espírito heroico dos Farroupilhas. Prendado da 14ª Região Tradicionalista realiza encontro de formação Foto: Divulgação O planejamento é etapa importantíssima para qualquer grupo poder trabalhar unido. O prendado da 14ª RT realizou no dia 01 de agosto o 1º Encontro de Formação para Prendas e Peões. O encontro aconteceu no CTG Sinuelo das Coxilhas na cidade de Espumoso, após a apresentação oficial do prendado aos patrões da região os jovens reuniram-se para apreciar as palestras da Diretora Cultural sobre: “Características de uma Prenda e do Peão”, “Como elaborar um relatório de vivência tradicionalista” e “Planejando ações para 2015/2016 dentro da 14ª Região Tradicionalista. Participaram as prendas e peões presentes, e os onze jovens que fazem parte do prendado que são: 1ª Prenda Mirim – Julia Pereira Palmeira, 2ª Prenda Mirim- Carol Elisa Penz, 1ª Prenda Juvenil – Nathan da Costa Ravanello, 1ª Prenda – Luana Tatsch dos Santos e 2ª Prenda Tatiéle Rodrigues dos Santos. Como peões1º Piá Farroupilha Guilherme Pereira Palmeira, 2º Piá Farroupilha Bruno Beckel da Motta, 3º Piá Farroupilha Allan Fernando Drehmer Ehrhart , 1º Guri Farroupilha Lucas Bellini, 1º Peão Farroupilha Leonardo Prates Cabral e 2º Peão Farroupilha Leodegar Carlos Tischer. O prendado conta com um casal de gêmeos na gestão um fato inédito dentro da 14ª Região Tradicionalista a 1ª Prenda Mirim e o 1º Piá Farroupilha. A partir do encontro foram elencadas ações para o trabalho do prendado dentro da região, onde estes jovens constituem o papel principal na divulgação da cultura de nossas tradições. Que todos alcancem seus objetivos, pois são várias ideias e muita vontade de fazer a diferença dentro do nosso tradicionalismo. 14ªRT em ritmo acelerado. Juventude realizou encontro de formação TEMA QUINQUENAL: O MTG ENGAJADO NA CAMPANHA DE COMBATE À CORRUPÇÃO - “LAÇANDO A CORRUPÇÃO”

[close]

p. 13

Ano XIV - Edição 169 NOTÍCIAS Setembro de 2015 SAÚDE EM FOCO 13 Por: Mauro Gimenez Médico Prevenção: Em dançarinos as lesões por esforço repetitivo são comuns, mas cuidados simples como aquecimento e alongamento antes da dança Em família: Júlia e Guilherme Pereira Palmeira foram os primeiros podem prevenir problemas. irmãos gêmeos a conquistar um título regional de 1ª Prenda Mirim e 1º Primeiramente é necessário são recomendados antes e depois de Piá Farroupilha da 14ªRT Já na abertura do evento em Soledade, no centro cultural, dia 05 de agosto, os dois pequenos já entraram declamando e contando a história da 14ª região. Chamou atenção de todos que lotavam as dependências do teatro. Júlia e Guilherme Pereira Palmeira conquistaram os títulos regionais de 1ª Prenda Mirim e 1º Piá Farroupilha, respectivamente, mas até ai, tudo normal, não fossem eles irmãos gêmeos, que se interessaram pelo concurso ajudando a irmã mais velha, Gabriella, de 11 anos. Guilherme decidiu participar do Entrevero de Peões um mês antes de ocorrer, mas demonstrou que é conhecedor e apreciador das tradições gaúchas. Já Júlia enfatizou que conquistar o título foi a realização de um sonho. “Quando eu vi minha irmã Gabriella ser prenda, também senti a vontade de seguir o mesmo caminho e felizmente consegui”, concluiu. Os pais Magda Pereira e Gilmar Palmeira estão orgulhosos do de seus filhos, que tem muita energia. “Iniciamos com a Gabriella e agora temos a Júlia e o Guilherme também envolvidos, eles nos contagiam e recarregam nossas energias para continuarmos Para nós é motivo de muito orgulho, pois foi por meio da participação deles no tradicionalismo que fizemos amizades pelo Rio Grande inteiro”, afirma Magda. Foto: Divulgação Gêmeos de Soledade conquistam títulos regionais Lesão de esforço repetitivo saber o que é Lesão de Esforço Repetitivo (LER). Lesão por Esforço Repetitivo ou LER (em inglês Repetitive Strain Injury) são lesões nos sistemas músculo-esquelético e nervoso causadas por tarefas repetitivas, esforços vigorosos, vibrações, compressão mecânica (pressionando contra superfícies duras)ou posições desagradáveis por longos períodos. Dança e saúde tem sido objeto de uma série de estudos que mostram ser uma atividade muito saudável. No entanto, há uma série de riscos à saúde do dançarino que requerem atenção especial: Lesões: 80% dos dançarinos apresentará lesão de alguma forma. Evitar lesões: Mesmo para dança social o uso de um piso flutuante é altamente recomendado. No ballet um bom plié na chegada dos saltos ajuda a proteger contra joelho lesões e dores nas canelas. Muitos tipos de dança, principalmente danças folclóricas, têm saltos nas etapas onde o impacto do pouso pode ser reduzido por um pouco de flexão do joelho. Exercícios de aquecimento atividades físicas para evitar a tensão, dores musculares e possíveis lesões. Condicionamento é uma boa maneira de prevenir lesões de dança. Tratamento após a lesão: Compressas (repouso, gelo, compressão, elevação) é geralmente considerado como uma boa primeira terapia para lesões mais leves. Para lesões leves, exercícios também leves devem ser iniciados depois de dois dias, se não aliviar sintomas nesse tempo, deverá procurar um médico. Em casos de dores por inflamação pode aplicar se um gel anti-inflamatório na área. Cuidado ao mascarar uma dor com medicamento e continuar a dançando, pois é perigoso e a lesão pode piorar. Existem também lesões mais severas. As fraturas, por exemplo. Atletas e dançarinos com fratura por estresse costumam se queixar de uma dor gradual, que geralmente aumenta com as atividades físicas e diminui quando estão em repouso. Infelizmente estas fraturas muitas vezes não são diagnosticadas somente com RX. Necessitam exames mais avançados. Uma família totalmente voltada as atividades tradicionalistas. Dedicação total Para cada competição, momento de confraternização na 3ªRT Programação: Baseadas no tema anual do MTG: as prendas e peões da 3ª RT iniciaram no dia 22 de julho o Projeto: “CTG Núcleo de fortalecimento da cultura gaúcha”, realizando várias ações de cunho artístico, social e cultural, com o objetivo de promover o bem coletivo entre os tradicionalistas. As ações estão sendo realizadas nas cidades e entidades que compõe a 3ª Região, sob coordenação das prendas, Carolina Amaral Ehlert – 1ª Prenda, Luana Raquel Wojciechowski – 1ª Prenda Juvenil e Nathalia Jacobi Muller – 1ª Prenda Mirim. O grupo já realizou encontros dando assessoramento para crianças e jovens, incentivando as cirandas e os entreveros culturais bem como as competições artísticas individuais e coletivas visando combater a ideia de rivalidade incentivando a participação dos mesmos nos rodeios, circuitos artísticos e encontros que envolvem a disputa , estimulando a integração entre os CTGs, fazendo amizades e gerando a cada competição um elo para a união com a confraternização. Sabendo que a competição pode ser positiva, pois incentiva a busca pelo aprimoramento, as prendas buscaram oportunizar esse aprimoramento para os concursos de declamação, através do 1º Seminário Regional: Arte em poesia “Para a catedral da alma”. O facilitador foi o Declamador Luciano Salerno da cidade de Bento Gonçalves, bicampeão do ENART e avaliador nos anos de 2013/14/15. O evento aconteceu nas dependências do CIMISA durante a parte da manhã, onde mais de 200 pessoas entre crianças, jovens e adultos participaram ativamente do seminário. Com mais esta ação do projeto as prendas pretendem combater a ideia de atacar ao próximo, mesmo quando estão competindo a um título, seja em rodeios ou concursos, e sim alimentar a valorização da cultura, principalmente através da arte que é um dos meios que une os homens. Para fortalecer a integração as prendas e peões realizaram dinâmicas entre os missioneiros, ocupando o pátio e as dependências do CTG Os Legalistas. Foto: Divulgação Luciano Salerno, especialista na arte declamatória, palestrou para a juventude TEMA ANUAL: PARA CADA COMPETIÇÃO, MOMENTO DE CONFRATERNIZAÇÃO.

[close]

p. 14

14 TROPEANDO VERSOS Ano XIV - Edição 169 INCLUSÃO SOCIAL Por: Rosana Araújo Setembro de 2015 Ensinar ou orientar? Eis que chega um dia em que a poesia transborda e ganha o mundo! Somos declamadores, poetas, amantes da poesia. Mas isto apenas não nos basta! Aquele que apenas retém o conhecimento não é de todo feliz. Os alunos de uma escola da cidade de Viamão tiveram acesso à cultura através do universo da poesia. Crianças de apenas oito anos, que não tinham contato com o tradicionalismo, com os versos que falam da nossa terra, foram oportunizadas em uma aula em dia de semana qualquer à observar declamadores do Rio Grande . Vinte e um alunos observaram vídeos e ouviram explicações básicas sobre o que viam. Desses, seis crianças encantaram-se com esta arte e passaram a se dedicar aos versos. O resultado, após um mês, foi surpreendente. Declamaram em público pela primeira vez, sem técnica, sem vícios, sentimento campo a fora, sem bretes, poesia pura, alma e coração. Na arte declamatória ouvimos muitos dizerem: Este é meu aluno! Aluno de declamação? Declamação é uma disciplina? Poesia se aprende? Sentimento se ensina? Entendo e acredito que, quem entende um pouco mais, tem o dever de auxiliar a quem ainda pouco compreende, quem tem curiosidade, dúvidas, anseios de aprender. Mas, esta distinta arte deve ser orientada e não ensinada. Gosto do termo Oficina de Poesia. São importantes momentos onde ocorre uma verdadeira troca de saberes e de viveres. Nem um professor tradicional de uma escola é o possuidor do saber completo na relação com os seus alunos. Estes professores, orientam, dão base para que seus alunos aprendam por si, façam suas escolhas, construam seus entendimentos. E o que faz pensar que alguém é o possuidor do saber absoluto da arte declamatória? O que faz pensar que os alunos precisam ser cópias dos tais professores? Aponta-se o caminho, mostra se o mais provável, ajuda-se a procurar dentro de si o sentimento adormecido, aquilo que cada um acredita em termos de arte... e os deixamos livres para que tracem o seu caminho, o seu estilo, o seu gosto, para que sigam sua alma e transbordem poesia por si, para si. Jovens surdos sonham em voltar ao convívio nos CTGs Inclusão: Os surdos estão mais habituados a gesticular e perceber emoções. Por isso, quando convocados a se expressar por meio de caras, bocas e movimentos do corpo, eles tiram de letra. Foto: Rogério Bastos A gaiteira, professora Leda Salvi, toca para os ouvintes, pois as crianças surdas, dançam por contagem União Seguradora firma contrato com o MTG A União Seguradora recebeu no dia 12 de agosto, em sua sede, o presidente do MTG – Movimento Tradicionalista Gaúcho, Manoelito Carlos Savaris, o presidente do Acamparh - Associação dos Acampados da Estância da Harmonia, Ademir Machado Morais e Cláudio Roberto Machado da CR Machado Seguros para celebrarem o acordo comercial que visa oferecer seguro de vida por acidentes pessoais para os participantes de eventos de Rodeios e Cavalgadas. Neste ato, o presidente Milton Machado, o diretor Júlio Machado, o diretor comercial João Lock e Marco Rocha comercial da União Seguradora assinaram o contrato dessa parceria que tem o objetivo de oferecer segurança e tranquilidade aos gaúchos. “A União Seguradora é uma empresa genuinamente gaúcha que preza a história e as tradições do Rio Grande do Sul e, portanto, é uma honra para nós criarmos produtos que atendam às necessidades do MTG”, afirma Milton Machado. Foto: Rogério Bastos Há muito tempo, se fala em inclusão de crianças com deficiência nas escolas, nos CTGs. O ano de 1997, o tradicionalismo organizado escolheu como tema anual: “A valorização da pessoa portadora de necessidades especiais dentro do Movimento Tradicionalista Gaúcho”. Mas talvez não tenha atingido os objetivos, em sua totalidade, por dividir com outro tema “Cinquentenário da chama crioula, com consciência tradicionalista rumo ao 3º Milênio”. Além da 1ªRT, Bruna Medeiros, prenda da 10ªRT também organizou eventos que culminaram com sua escolha, na universidade, por trabalhar educação especial. O ano era 1997. No CTG Tiarayu/1ªRT, com apoio da subcoordenadoria da zona norte, comandada por Leda Salvi, acontecia a 2ª mateada cultural envolvendo jovens surdos e um coral e cegos, trabalho começado em 1996, pelo grupo regional de prendas e peões da 1ª RT. A Escola Especial Concórdia, para surdos, desenvolvia um trabalho, através da professora Leda, no teatro e no folclore, com muita intensidade. Atividade desenvolvida por mais de 25 anos. Viajava pelo Brasil mostrando a arte do jovem surdo. Mas tudo isso foi ficando para o passado. Quase vinte anos se passaram desde aquela intensa atividade com pessoas portadoras de necessidades especiais. A ULBRA acabou com folclore no Concórdia, a professora Leda, já aposentada, foi morar no litoral, as crianças surdas cresceram e tomaram seus rumos. Pois, a um ano a professora Leda voltou, desta vez para a escola especial para surdos Lilia Mazeron e agitou a instituição. Começou com vários tipos de danças, teatro e, no dia 28 de agosto apresentou para os pais, professores e colaboradores seu trabalho. Leda resgatou as danças gaúchas e quer voltar a filiar ao MTG, incluir os surdos ao convívio dos tradicionalistas, como fez na década de 90, com o CTG Querência da Escola Concórdia. Foto: Rogério Bastos Visita à sede do MTG antecedeu assinatura do contrato. Segurar o rodeio é fundamental e evita dores de cabeça Crianças surdas voltaram a expressar seu amor pelo Rio Grande através da dança. Aqui dançam o pezinho TEMA QUINQUENAL: O MTG ENGAJADO NA CAMPANHA DE COMBATE À CORRUPÇÃO - “LAÇANDO A CORRUPÇÃO”

[close]

p. 15

Ano XIV - Edição 169 ECO ENTREVISTA Setembro de 2015 NOTÍCIAS 15 O homem que acreditou na força da juventude gaúcha Aposta: Depois de 11 edições, o FEGART saía de Farroupilha. Em um momento di�ícil, Santa Cruz abriu as portas e recebeu o maior evento artístico do Rio Grande, que fez lá a sua morada, e até trocou de nome: ENART. O prefeito que abriu as portas para receber a juventude gaúcha, hoje é deputado federal e conselheiro honorário do MTG Sérgio Ivan Moraes, 57 anos, deputado Federal, natural de Santa Cruz do Sul entrou para a Política em 1982, foi vereador da cidade por 8 anos, foi também deputado estadual por duas legislaturas, de 1991 até 1995 e de 1995 até 1996, pelo PTB. Foi eleito duas vezes prefeito de Santa Cruz do Sul, comandando a cidade de 1997 até 2004. Em 2006, foi eleito pela primeira vez para a Câmara dos Deputados, pelo Rio Grande do Sul. Foi reeleito em 2010 e em 2014. Eco – Deputado, qual foi o sentimento que o impeliu a levar para Santa Cruz o FEGART, que mais tarde virou o sucesso que é hoje o ENART? Foi o compromisso que tenho com o tradicionalismo, pois participo de CTGs desde minha infância. Porque como chefe do executivo, atendendo o pedido de um grupo de jovens de Santa Cruz, estes jovens ligados ao movimento tradicionalista me mostraram as vantagens em levar o Fegart para Santa Cruz. Foi então que procurei o presidente do MTG da época, Dr. Brizola e começamos a convencer a todos que Santa Cruz esta muito bem posicionada geograficamente e que a estrutura do nosso parque (ginásio poliesportivo) oferecia todas as condições para a realização do evento. Eco – Qual a importância do Tradicionalismo gaúcho, na sua visão, para a sociedade gaúcha? O tradicionalismo é sinônimo de disciplina, educação, manutenção da cultura gaúcha, transformando nos gaúchos em figuras diferenciadas em todo país. Tudo isso graças aos velhos e bons costumes que se aprende com a cultura gaúcha. Eco – Projetos de importância para a sociedade gaúcha Tenho projeto, de no futuro, construir um grande ginásio, pois o que temos já está ficando pequeno para a realização do ENART. Melhorar a área de acampamento. Ajudar na divulgação da cultura gaúcha, não só no Brasil, como em outros países mundo a fora. E penso que o ENART é um dos maiores espetáculos da terra, que ainda está restrito a poucos visitantes e isto tem que mudar. Sabemos que pessoas atravessam o oceano para assistir o velho e surrado carnaval do Rio de Janeiro, imagine quando nós formos descobertos, tal será a procura em poder assistir o espetáculo que hoje se chama ENART. CTG Valentes da Tradição completa 50 anos, com baile Francisco Borges, no dia 20 de setembro de 1965, fundou o CTG Valentes da Tradição, no bairro Sarandi, zona norte da capital, que mais tarde recebeu o lema: “Unidos lutaremos, pelas nossas tradições”. Junto à prefeitura de Porto Alegre conseguiram um terreno, que fica em cima da Praça Araújo Guerra, em meados da década de 80 construíram o galpão, que foi sendo aumentado a cada ano, ocupando todo o terreno. O Valentes sempre foi um CTG voltado à sua comunidade, não era de frequentar rodeios, salvo algumas exceções, quando alguma patronagem resolvia investir. Mas o ímpeto durava somente o tempo da gestão. O foco foi sempre o arredor da entidade. Um grupo de antigos participantes de invernadas estão se mobilizando via grupo do facebook para o baile do cinquentenário dia 19 de setembro. CTG Chaleira Preta, 24ª RT, comemora seu Jubileu de Prata EXPRESSÃO CORPORAL DANÇA DE SALÃO AI AD RN VE NTIL • CTG CHA NFA LE IR A PR E O CTG Chaleira Preta de Venâncio Aires, fundado em 11 de novembro de 1990, iniciou suas atividades na área artística com invernadas Mirim, Juvenil e Adulta no ano de 2012. A partir de então vem desenvolvendo diversos projetos artísticos e culturais como oficinas de declamação, oficinas de guasqueiro, artesanato típico entre outras. Atualmente, possui invernadas Infantil, Mirim, Juvenil, Xirú e Adulta. No rodeio regional da 24ª RT, em 2015, culminou com a maior participação da entidade, totalizando 143 inscritos nas diversas modalidades. Sendo os resultados mais expressivos alcançados pela invernada Mirim que se sagrou Campeã e a invernada juvenil tricampeã do rodeio, ficando em 3º Lugar na geral. Desde 2014, investe muito em sua invernada infantil e no inicio desse ano lançou o projeto denominado “Depois da escola lugar de criança é no CTG”, projeto que teve grande aceitação do público, levando a invernada à um total de 12 pares atualmente. Para setembro traz a Venâncio Aires o palestrante Rogério Bastos com a palestra inédita na Região, “A Tecnologia a serviço da tradição”. No dia 20 de setembro, data magna dos Gaúchos promove o seu Tradicional “COSTELÃO”. O dia 12 de outubro, Dia da Criança, será comemorado do CTG Chaleira Preta de uma maneira especial. Será realizado o 1º Sarau da Prenda Mirim, em Venâncio Aires. A promoção é da 1ª prenda mirim, da entidade, Amanda Schwarzbold. Com o tema “No mundo do faz de conta”, ela irá receber meninas de 3 a 12 anos, para juntas, se divertirem bem à moda gaúcha. A grande expectativa é pela invernada adulta, que disputa em casa, na Inter-regional dos dias 26 e 27 de setembro, uma vaga para a final do ENART, em Santa Cruz. ARTES MÚSICA MOMENTOS CULTURAIS A ET PR IN VE RN INFANTIL • C TG ADA CH RN VE AL •IN EI A A D A R NT FA IN DEPOIS DA ESCOLA, LUGAR DE CRIANÇA TG CHALEIR IL • C AP É NO CTG! PARA CRIANÇAS DE 3 A 9 ANOS Segundas e quintas-feiras, a partir das 19h, no Parque do Chimarrão. POESIA BRINCADEIRAS TÍPICAS RE TA •I TA OFICINAS N Informações com Luciana (51) 97333792

[close]

Comments

no comments yet