Projeto Gente Legal - Relatório Anual - 2013

 

Embed or link this publication

Description

Atividades, depoimentos, números de 2013.

Popular Pages


p. 1

2013/5ª Etapa R E L ATÓ R I O A N UA L

[close]

p. 2

2013/5ª Etapa Introdução A realização da 5ª etapa do Projeto Gente Legal, em 2013, atingiu plenamente seus objetivos, tanto quantitativos como qualitativos, culminando num resultado final (a Mostra de Trabalhos) surpreendente. O objetivo principal era a transferência de tecnologia social para as instituições participantes, para que se empoderassem na gestão de seus próprios projetos artísticos. Essa transferência ocorreu em 9 encontros coletivos e 5 rodadas de visitas orientadoras individuais ao longo de todo o ano. A comprovação de que as instituições de fato assimilaram esta tecnologia foi a execução da Mostra de Trabalhos, na qual cada participante se mostrou autônomo e capaz de grandes realizações artísticas. Os conteúdos trabalhados nos encontros coletivos partiram da literatura infantil (em especial os contos de fadas) e suas possíveis leituras psicológicas, passando pela reafirmação de elementos da linguagem cênica, chegando a técnicas de gestão de projetos e planejamento estratégico. Um importante reforço na transmissão destes conteúdos veio na forma de um curso de extensão universitária, no qual o conhecimento acadêmico legitimou a prática artística almejada. Em paralelo, o Grupo Ato, gestor do projeto, realizou sua temporada anual de teatro, com a peça “O Dia em que o Medo virou Música” e recebeu o Prêmio de Direitos Humanos da OAB Bauru, como reconhecimento de seu trabalho artístico e contribuição social para Bauru e região. Elisabete Benetti Idealizadora e coordenadora

[close]

p. 3

Processo Criativo O Projeto Gente Legal é um processo contínuo de aprendizagem, no qual cada etapa complementa a anterior e prepara para a seguinte. Assim, o primeiro evento da 5ª etapa pode ser considerado como o último encontro de educadores da 4ª etapa, realizado em 10 de novembro de 2012, quando foi apresentada a proposta para 2013 e feito o convite a participação para as entidades envolvidas. De forma muito satisfatória, a adesão foi total, garantindo a participação das 8 instituições parceiras: CEISA (Centro de Educação Infantil Santo Antônio), Projeto Caná, Projeto Irmã Adelaide, Projeto João Paulo II, EMEI Profª Rosângela Vieira Martins de Carvalho, Ponto de Cultura Casa de Nazaré, POC (Pequenos Obreiros de Curuçá) e CITE (Centro de Integração Social). O trabalho com educadores em 2013 começou com a Profª Dra. Maria do Carmo Kobayashi, da Faculdade de Educação da UNESP Bauru, que apresentou o histórico da literatura e dos contos de fadas no contexto da cultura da infância, com ênfase na importância do fantástico na construção do imaginário coletivo. A atriz Cibele Troyano que também trouxe uma contribuição teórica interessante sobre a história do teatro infantil no Brasil, compreendendo a relevância dos estudos de Bruno Betelheim, que ressaltam a importância do imaginário dos contos de fadas na estruturação emocional do ser humano. A partir desta introdução, os educadores escolheriam um texto infantil que seria trabalhado pela instituição ao longo do ano.

[close]

p. 4

Gestão de projetos e planejamento estratégico com o produtor cultural Jarbas S. Galhardo. Nesse encontro foi feito um paralelo entre as diretrizes de um planejamento estratégico e a Jornada do Herói, estrutura de enredo que ordena a grande maioria dos contos de fadas. Nessa analogia: - a definição de um objetivo no planejamento está para a aceitação de um desafio para o herói, assim como - a elaboração de metas, ações e estratégias está para os testes e aventuras que o herói enfrentará, assim como - o cumprimento do orçamento está para o desafio final do herói, assim como - a avaliação de um projeto está para o caminho de volta para casa. Os educadores presentes foram constantemente requisitados a enquadrar os conceitos apresentados em algum aspecto de sua vida e demonstraram bastante interesse em aplicar o conhecimento adquirido em suas realidades profissionais. Linguagem cênica (cenografia, adereços, iluminação e figurino) com o diretor do Grupo Ato, Carlos Batista. As instituições aprenderam neste encontro a importância da coerência entre os elementos cênicos numa montagem teatral para permitir um correto entendimento do público sobre a peça. O diálogo entre aspectos visuais e mensagem transmitida é fundamental para se evitar a dispersão da atenção da plateia. Em resumo, a linguagem cênica deve ser capaz de ambientar e capturar a imaginação do espectador. Nos exemplos trazidos por Carlos Batista, os educadores se deslumbraram e se motivaram com o processo criativo do artista. O encontro foi encerrado com a imersão dos educadores no cenário da peça “O Dia em que o Medo virou Música”, que tem concepção cênica de Carlos Batista.

[close]

p. 5

Viagem Cultural O Ponto de Cultura Casa de Nazaré tem um particularidade se comparado às outras instituições participantes, pois é gerido pela própria equipe do Grupo Ato. Portanto, sua participação no Projeto Gente Legal se dá de forma natural e orgânica. Entre as atividades programadas pelo Ponto de Cultura estava essa Viagem Cultural para São Paulo para se encontrar com outro ponto de cultura, o Instituto Pombas Urbanas, também de teatro, também da periferia. Pela afinidade de interesses, foi facultado aos educadores do Gente Legal se juntar ao pessoal do Ponto nesta viagem, o que aconteceu gerando muitos benefícios para a sequência do projeto. As Visitas Orientadoras, que acontecem in loco nas instituições participantes, quando a equipe do Grupo Ato pode acompanhar individualmente o andamento das ações que cada entidade desenvolve em seu cotidiano, auxiliou na definição do conto de fadas e na orientação sobre o repertório em torno do conto que poderia ser pesquisado pela instituição (outras versões, biografia do autor, teses explicativas, etc.). Tendo como norte o objetivo geral do projeto, que é levar a arte além do palco. Intercâmbio Este encontro cumpriu a função de intercâmbio entre as instituições, pois desta vez os educadores não viriam receber, mas fornecer experiências. O formato idealizado foi a contação de história. Cada instituição preparou um jeito próprio de contar o conto escolhido para as outras parceiras. O resultado foi diverso. Diferentes linguagens foram utilizadas: narração, dramatização, teatro de objetos, teatro de sombras, música. Cada um de seu jeito. Cada um com seu brilho próprio. Na oportunidade, foi aplicado um questionário de avaliação sobre o processo de escolha dos contos, como forma de fazer cada educador refletir sobre sua caminhada nesta etapa do projeto.

[close]

p. 6

Sucessão de belezas e encantos Foi uma semana intensa, de muito trabalho, imenso esforço, mas de resultados muito mais grandiosos até mesmo do que podíamos esperar, tanto numéricos quanto qualitativos. Em 4 dias, realizamos 10 apresentações e uma exposição. Nos elencos que se revezaram no palco do Teatro Municipal aproximadamente 300 crianças, jovens e educadores brilharam com autonomia e confiança, dominaram e desfrutaram do fazer artístico. No palco e na técnica. Na plateia, mais de 2.600 pessoas puderam prestigiar essa sucessão de belezas e encantos. Na atitude de educadores e educandos, uma mudança de postura exemplar: o ambiente teatral igualou os participantes. O clima era de total harmonia, a hierarquia do dia a dia foi deixada de lado e os pequenos problemas que insistiam em aparecer eram resolvidos com soluções imediatas que vinham de todos, sem acomodoção, menosprezo ou subserviência. Um momento raro, valorizado principalmente pelas crianças e adolescentes protagonistas, era o bate papo com a plateia após cada apresentação. Esses agentes culturais mirins se colocavam a cada pergunta, se posicionavam, tinham voz e eram ouvidos com pleno interesse. Resultados inesperados também surgiram, como o intercâmbio espontâneo entre participantes de diferentes instituições na área externa de convivência do Teatro Municipal, com uma troca equivalente de experiências e saberes artísticos, mais especificamente na dança. O Projeto Gente Legal consolida sua quinta etapa com muito orgulho de todos aqueles que se envolveram. Para atingir nosso objetivo, fizemos a arte circular. Ela saiu do palco, invadiu as instituições, contagiou os participantes e retornou ao palco, à sociedade, em grande estilo, numa Mostra de superações e conquistas. Trabalho em equipe, em construção de parcerias fundamentais, imprescindíveis, como a que estabelecemos com as Secretarias de Cultura e Educação, OAB Bauru e Oficinas Culturais Glauco Pinto de Morais. Da esquerda para direita, Elisabete Benetti coordenadora do Projeto Gente Legal, Alessandro Biem Cunha Carvalho Presidente da 21ª Subseção da OAB - SP e Raquel Custódio Alves da Comissão de Direitos Humanos da OAB - SP Bauru, oficializaram a abertura da Mostra Gente Legal.

[close]

p. 7

O Dia em que o Medo virou Música Estreia da peça “O Dia em que o Medo virou Música” em 4 de agosto. Principal eixo de sustentação do projeto, cumpriu temporada aos domingos, no Auditório da OAB-Bauru, até dezembro, e serviu como referencial teatral às instituições que montaram sua própria produção cênica na Mostra de Trabalhos. Além das instituições participantes, outras 8 entidades puderam levar suas crianças e adolescentes para acompanhar os bastidores da peça e realizar debate com o elenco após cada apresentação. Na estreia foram oferecidos kits com sementes de girassol aos educadores. Até 2012, os encontros coletivos eram chamados de Afago a Terra, mas em 2013 entendemos que essa terra já estava fértil para germinar e florescer.

[close]

p. 8

Ponto de Cultura Casa de Nazaré Sapatinhos Gastos de Tanto de Dançar A proposta apresentado pelo Projeto Gente Legal, neste ano, trouxe o fortalecimento de valores e ideais. Através da escolha de um conto de fadas pudemos refletir junto aos participantes (educadores e educandos) questões tão humanas, tão nossas. A compreensão da história, a criação dos diálogos, o entendimento da movimentação cênica, enfim todo o processo nos aproximou da vida, da grandeza, da compreensão. Levamos para o palco do Teatro Municipal pessoas (crianças, jovens e adultos) determinados, seguros de seus “quereres”, conscientes do seu fazer. A cada resposta dada à plateia ao final do espetáculo se confirmava o resultado do processo. Definitivamente não estamos mais no mesmo lugar. Elisabete Benetti - Coordenadora Cite - Centro de Integração Social Rapunzel “A partir da experimentação particular de cada orientador/educador, muito além do conhecimento teórico/prático, pode-se transmitir com alegria, o gosto pela arte capaz de transformar vidas e expandir horizontes. Da mesma forma, o acompanhamento do processo das demais instituições colaborou para o progresso com nossos próprios adolescentes, permitindo constantes avaliações do desempenho dos participantes, e o crescimento conjunto das entidades, ainda que cada processo tenha suas particularidades, pudemos nos encontrar e nos preparar através das demais experiências.” “Conclui-se que o trabalho fora possibilitado pela união e pelo esforço da Instituição em ultrapassar barreiras e superar entraves cotidianos, como a evasão do Centro de Convivência, a falta de verba e capacitação artística. Proeza alcançada a partir do completo envolvimento da equipe, junto a seus familiares, da conquista de parcerias, do entendimento do projeto e da projeção do impacto esperado na vida dos usuários.” “Após a apresentação no Teatro Municipal pudemos constatar o alcance dos objetivos como a sensibilização através da arte, o fortalecimento dos vínculos sociais, e principalmente familiares, tendo em vista a espontaneidade dos responsáveis pelos jovens ao se reaproximarem das demais atividades do Instituto, possibilitando um feedback plenamente positivo”. Ana Marta de Oliveira Alvares - Educadora

[close]

p. 9

Projeto Irmã Adelaide A Princesa e a Ervilha Realizou-se no dia 08 de outubro de 2013 um grande espetáculo "A Princesa e a Ervilha" . Destaca-se que o objetivo do Projeto Gente Legal veio ao encontro dos usuários e educadores/funcionários do Centro Irmã Adelaide de estender a arte para além do placo e integrá-los criando um universo cultural extremamente enriquecedor, possibilitando a união entre a equipe do serviço CCIJ e a descoberta de talentos adormecidos tais como: Educadora Ana (encontro com a música); educadora Emileny (criação e caracterização dos personagens); educadora Géssica (espírito de liderança no grupo); educador Adriano (envolvimento com a fantasia) apoio e respaldo do restante da equipe. Vivian Fernandes Rodolfo - Coordenadora EMEI Rosângela V. M. de Carvalho Cachinhos Dourados Nossa concepção de educação é a que o indivíduo constrói o conhecimento na interação com o grupo. O que nos leva a reflexão sobre o que é um grupo e o que é construção do conhecimento. A mola para aprender é fazer perguntas adequadas, desafiar os educadores a checar o pensar do aluno em relação ao mundo do Conhecimento, desvelar nossa prática implica uma maior interação com os conteúdos da matéria (escolares) e os conteúdos do Sujeito (o que o individuo traz em sua realidade psíquica). “A proposta do trabalho com o Conto de Fadas criou situações nas quais o educador foi colocado em contato com o conhecimento capaz de modificar o seu comportamento.” “A arte/Literatura, para os educadores da EMEI está sendo trabalhada como conhecimento e linguagem e não como aquela visão ultrapassada de lazer ou tapa-buraco dos conteudistas. A Arte é vista, através do foco sócio-construtivista, como um conjunto de conhecimentos que levam a criação de significados. Ajuda Educadores/Educandos a lidarem com signos e códigos.” Joana Lúcia Ryal Dias - Diretora

[close]

p. 10

Projeto Caná Soldadinho de Chumbo Foi muito legal, pois tinha bastante gente participando, assistindo. Foi muito divertido tudo, os bate papos realizados depois dos espetáculos. Todo mundo gostou das apresentações. Maria Eloysa - 10 anos Eu gostei de dançar, dos ensaios, gostei de conversar com os amigos. Jonathan - 9 anos Neste ano todo processo foi além de uma produção artística. As crianças e adolescentes puderam vivenciaram experiências além do imaginário, conheceram um mundo onde eles eram os protagonistas. E para nós educadores, foi uma superação de limites, servir de ponte em todo esse processo. Tatyana Kelly Deoclides Abreu - Educador Acredito que o objetivo foi cumprido. Uma parceria como esta não pode ser aceita por uma pessoa que não queira se doar de verdade, que não queira estar ali de corpo e alma, porque o tempo todo estamos nos doando um pouco, aprendendo e ensinando. Fúlvia Goulart - Educador Centro Socioeducativo João Paulo Gato de Botas Para os educadores foi uma experiência muito gratificante podendo participar de workshops, viagens culturais, capacitações e palestras aumentando assim seu conhecimento sobre teatro, as técnicas e enriquecendo seu lado artístico. Tudo o que traz conhecimento, novidade, alegria, motivação, superação e fantasia é importante e válido para o ser humano e nós, enquanto entidade socioassistencial, valorizamos tudo isso dentro de um trabalho voltado para a capacitação humana e intelectual. A criança é como uma esponja, capta tudo, aprende tudo, vê tudo e precisamos fazer com que elas aprendam coisas boas e que edifiquem dentro delas algo sólido e bom, e o Gente Legal pode proporcionar isso a elas, tornando-as mais humanas no mundo real e no mundo da imaginação. Juliana Kawahara Pignoli - Coordenadora

[close]

p. 11

POC - Pequenos Obreiros de Curuçá Chapeuzinho Vermelho Com as propostas do Gente Legal, conseguimos atingir com excelência os objetivos da Entidade, dos serviços e do nosso trabalho, tornando protagonistas, crianças, adolescentes e jovens que estão em vulnerabilidade social. Eles estão juntos neste movimento, e estão tendo a oportunidade de vivenciar novas experiências que posteriormente podem significar a direção de novos caminhos. Ficamos aflitos, angustiados e com um pouco de medo, porém encontramos nesta parceria um suporte para nossas ações e nos sentimos mais seguros com o auxílio e a disposição que todos do Projeto Gente Legal nos proporcionaram. Os frutos do trabalho ficaram estampados na expressão de cada criança, adolescente, familiares e funcionários que participaram de todo o “espetáculo”, e não estou me referindo apenas ao dia da apresentação, mas nos processos em que vivemos como entidade e como profissionais proponentes da educação. Karen Amaral do Nascimento de Oliveira - Coordenadora CEISA-Centro deEduc.Inf. Sto.Antônio Cinderela A proposta do trabalho com os contos de fadas nos levou a desenvolver a contação de histórias com as crianças, uma oficina com os pais no Projeto Canguru, a despedida da Tati com uma vivência da Maria Borralheira adaptada, vivências com as crianças na Semana da Criança, o passeio de confraternização e finalmente vamos levar a arte, a magia e o encantamento para nossa formatura. Maria Lúcia Nejm de Carvalho - coordenadora

[close]

p. 12

Resumo Quantitativo Instituições participantes Educadores envolvidos Crianças e adolescentes atendidos Encontros de capacitação e vivência teatral com educadores Visitas orientadoras 08 72 820 09 35 Apresentações da peça “O Dia em que o Medo viriou Música” na OAB Bauru 19 Apresentações na Mostra de Trabalhos Crianças, adolescentes e educadores Público dos espetáculos na Mostra de Trabalhos Público da temporada na OAB Bauru TOTAL DE PÚBLICO MOBILIZADO PELO PROJETO 10 Em torno de 300 pessoas Mais de 2.600 pessoas 2.382 pessoas Mais de 5.800 pessoas DIVULGAÇÃO Anúncios no jornal Panfletos distribuídos Programas distribuidos Cartazes afixados Anúncios de rádio Banner afixado em área externa [com visibilidade na Av. Nações Unidas] Painel em lona na Mostra de Trabalhos 57 40.000 3.400 1.000 570 01 01

[close]

p. 13

Prêmio de Direitos Humanos O ano já se encaminhava para seu fim, quando recebemos uma notícia encantadora. Como uma espécie de coroação de todo o trabalho, fomos informados que a OAB Bauru, através de sua Comissão de Direitos Humanos, agraciava o Grupo Ato com o Prêmio de Direitos Humanos da OAB Bauru, em reconhecimento ao trabalho do grupo tanto no Projeto Gente Legal como na gestão do Ponto de Cultura Casa de Nazaré. O troféu entregue no dia 30 de outubro, em cerimônia no auditório da OAB, o mesmo que acolhe as temporadas teatrais do Grupo Ato desde 2007, tinha destino certo, mas não único. O troféu enfeita as estantes das instituições participantes do Projeto Gente Legal, num rodízio partilhado. Afinal, o Grupo Ato sozinho não teria sido merecedor de tal honraria.

[close]

p. 14

Projeto Gente Legal 2014/2015 e 25 anos do Grupo Ato Em 2014, o Grupo Ato de teatro de Bauru completa 25 anos de existência. Só isso já seria motivo de sobra para muita celebração, mas as conquistas alcançadas em 2013 no âmbito do Projeto Gente Legal nos dão ainda mais motivos para comemoração. E, claro, para muito trabalho. Por isso, a presente proposta abrange um cronograma de 2 anos de execução e atende duas frentes complementares de atividades artísticas: • 25 anos do Grupo Ato: remontagem da primeira peça encenada pelo grupo em Bauru; gravação de CD com as músicas mais marcantes dos espetáculos do repertório do grupo; show comemorativo no dia 12/10 no Anfiteatro Vitória Régia; publicação de DVD em formato portfólio com material visual em arquivo. • 6ª etapa do Projeto Gente Legal: preparação artística de educadores sociais e montagem inédita da peça "A Ciranda e o Dom", em processo de criação, para temporada em 2015. OBJETIVO GERAL Celebrar a arte do Grupo Ato e permitir que ela vá além do palco, ao integrá-la ao cotidiano de crianças, adolescentes e educadores, na tentativa de ampliar a maneira de entender e perceber o mundo, provocando e motivando um processo de aprendizagem criativa contínua entre as instituições participantes. METAS / AÇÕES / ESTRATÉGIAS 1. Remontagem da primeira peça encenada em Bauru, “O Habitante do Sonho” para temporada de 5 meses, em 2014. 2. Gravação de CD musical com canções executadas em diversos espetáculos já encenados pelo GRUPO ATO. 3. Produção de show musical com repertório base do CD mencionado, a ser apresentado no Anfiteatro Vitória Régia, dia 12 de outubro de 2014. 4. Publicação de DVD em formato de portfólio da carreira do Grupo Ato. 5. Montagem inédita da peça “A Ciranda e o Dom”, de Cecília Borelli, com elenco composto por educadores participantes do Projeto Gente Legal, para temporada de 5 meses, em 2015. 6. 40 encontros em 2014, mais ensaios em 2015, de preparação artística e teatral de educadores, que participarão de todas as etapas de concepção dramatúrgica da peça “A Ciranda e o Dom”. Iniciando os encontros está previsto um workshop com a autora do argumento da peça, a atriz, psicóloga e arte educadora Cecília Borelli. 7. Ao final de cada ano, em novembro/dezembro, realizar reuniões internas de equipe e educadores convidados para sistematizar o monitoramento e avaliação geral do desenvolvimento do projeto. PÚBLICO-ALVO Direto: • crianças e adolescentes, de 05 a 18 anos, classes sociais C/D/E, matriculadas nas instituições sociais de atendimento infantil e juvenil; • educadores e cuidadores das instituições participantes. Indireto: • crianças, adolescentes destas mesmas instituições, mas de turmas que não estejam diretamente envolvidas no projeto; • educadores, coordenadores pedagógicos e diretoria das referidas instituições.

[close]

p. 15

Agregado: • pais, parentes e amigos das crianças e adolescentes envolvidos no projeto; • público espontâneo em geral, que assistirem às peças do Grupo Ato ou ao espetáculo musical do projeto. PARCERIAS ESTABELECIDAS • OAB-Bauru; • Secretaria Municipal de Cultura de Bauru; • Secretaria Municipal de Educação de Bauru; • Oficina Cultural Glauco Pinto de Moraes – Secretaria do Estado da Cultura. CONTRAPARTIDAS À comunidade: • uma apresentação gratuita, aberta ao público em geral, do espetáculo musical do GRUPO ATO, em outubro de 2014. Estimativa de público: 1.000 pessoas; • ingressos gratuitos para todas as crianças, adolescentes, educadores e cuidadores envolvi dos no projeto para assistir à montagem das peças “O Habitante do Sonho”, no primeiro ano, e “A Ciranda e o Dom”, no segundo ano. Estimado em cerca de 1500 por ano; •ingressos a preços reduzidos para pais e parentes das crianças e adolescentes envolvidos no projeto; •ingressos a preços populares [R$ 10,00/inteira e R$ 5,00/meia] para público espontâneo; • 02 CDs e 01 DVD para cada instituição participante do projeto. • CDs a preços populares [R$ 10,00] para público espontâneo. Aos patrocinadores, visibilidade da marca em: • 120 anúncios de jornal; • 500 anúncios de rádio; •100.000 panfletos; • 2.000 programas dos espetáculos teatrais; • 300 cartazes; • 3 banners na entrada do Auditório da OAB-Bauru exposto aos domingos; • Site/blog. ORÇAMENTO O Projeto Gente Legal 2014/2015 está orçado em R$ 301.284,00 [Trezentos e um mil, duzentos e oitenta e quatro reais]. BENEFÍCIO FISCAL - PROAC nº 9563 Este projeto está inscrito no ProAc – Programa de Ação Cultural – da Secretaria do Estado da Cultura, sob o n° 9563, que oferece abatimento integral do valor patrocinado no saldo de ICMS a ser pago pela empresa patrocinadora. Sua empresa poderá se associar ao Projeto Gente Legal patrocinando-o integralmente ou negociando cotas parciais de financiamento.

[close]

Comments

no comments yet