Gestão Empresarial Nº 03

 

Embed or link this publication

Description

Gestão Empresarial Nº 03

Popular Pages


p. 1

PUBLICAÇÃO TRIMESTRAL DO GRUPO BRASIL DE EMPRESAS DE CONTABILIDADE JANEIRO/FEVEREIRO/MARÇO/2007 ANO 2 - NO 3 CTIS Informática Na trilha da gestão transparente Previdência Falida? Uma análise fria e distante dos holofotes da mídia Everardo Maciel, empresário Entrevista mostra os novos desafios do ex-secretário da Receita JAN/FEV/MAR/2007 GESTÃO EMPRESARIAL 1

[close]

p. 2

EMPRESAS ASSOCIADAS AC - RIO BRANCO MG - BELO HORIZONTE RN - NATAL ORGANIZAÇÃO CONTÁBIL PRADO Rua Pará, 107 Cadeia Velha 69900-440 - Rio Branco - AC Tel. (68) 3224-3019 www.orgconprado.com.br AL - MACEIÓ MATUR ORGANIZAÇÃO CONTÁBIL Rua Carijós, 244 - 11º andar 30120-060 - Belo Horizonte - MG Tel. (31) 3273-8111 www.matur.com.br MG - JUIZ DE FORA RUI CADETE & ASSOCIADOS Rua Apodi, 209 59025-170 - Natal - RN Tel. (84) 3616-5500 www.ruicadete.com.br RO - PORTO VELHO CONTROLE CONTADORES ASSOCIADOS Rua Guedes Gondim, 128 57020-260 - Maceió - AL Tel. (82) 2121-0000 www.controleonline.com.br AM - MANAUS TECOL - CONSULTORIA EMPRESARIAL Rua Dr. João Pinheiro, 173 36015-040 - Juiz de Fora - MG Tel. (32) 3215-6631 www.tecol.com.br MT - CUIABÁ D. DUWE CONTABILIDADE Rua Júlio de Castilho, 730 - Olaria 78902-300 - Porto Velho - RO Tel. (69) 2182-3388 www.dduwe.com.br RS - PORTO ALEGRE DHC AUDITORIA Avenida Djalma Batista, 1007 1º. Andar 69053-355 - Manaus - AM Tel. (92) 3182-3388 www.dhcmanaus.com.br AP – MACAPÁ CONTABILIDADE SCALCO Rua Comandante Costa, 1519 - Térreo 78020-400 - Cuiabá - MT Tel. (65) 3624-8816 www.scalcomt.com.br PA - BELÉM GATTI ASSESSORIA FISCAL E CONTÁBIL Rua Santa Catarina, 361 91030-330 - Porto Alegre - RS Tel. (51) 2108-9900 www.gatti.com.br SC - FLORIANÓPOLIS ÉTICA INSTITUTO CONTÁBIL Rua Mamedio Amaral da Silva, 138, Térreo 68908-300 - Macapá - AP Tel. (96) 3241-5529 marilene@speeds.com.br BA - SALVADOR C&C CONSULTORIA E CONTABILIDADE Travessa Nove de Janeiro, 2275 - 1º andar 66063-260 - Belém - PA Tel (91) 3249-9768 www.cec.cnt.br PE - RECIFE RG CONTADORES ASSOCIADOS Rua Dom Jaime Câmara, 77 - sala 101 88015-120 - Florianópolis - SC Tel. (48) 3025-6424 www.rgcontadores.com.br SC - BLUMENAU - JOINVILLE - ITAJAÍ ORGANIZAÇÃO SILVEIRA DE CONTABILIDADE Rua Torquato Bahia, 04 - 11º andar 40015-110 - Comércio - Salvador - BA Tel. (71) 2104-5401 www.organizacaosilveira.com.br CE - FORTALEZA ACENE ASSESSORIA E CONSULTORIA Rua João Ivo da Silva, 323 - Madalena 50720-100 - Recife - PE Tel. (81) 2125-0300 www.acenecontabilidade.com.br PI - TERESINA J. MAINHARDT & ASSOCIADOS Rua 2 de Setembro, 2639 - 1, 2, 3 ands. 89052-001 - Blumenau - SC Blumenau - Tel. (47) 3231-8800 Joinville - (47) 3145-8000 Itajaí - (47) 3348-8484 www.mainhardt.com.br SE - ARACAJU MARPE - CONTADORES ASSOCIADOS Av. Pontes Vieira, 1091 - Dionísio Torres 60130-241 - Fortaleza - CE Tel. (85) 3452-2929 www.marpecontabilidade.com.br DF - BRASÍLIA ANÁLISE CONTABILIDADE Rua Honório de Paiva, 607 - Sul Bairro Piçarra 64001-510 -Teresina - PI Tel. (86) 3222-6337 www.analisecontabilidade.com.br PR - CURITIBA SERCON SERVIÇOS CONTÁBEIS Rua Siriri, 513 - Centro 49010-450 - Aracaju - SE Tel. (79) 2106-6400 www.sercontabil.com.br SP - SÃO PAULO AGENDA CONTÁBIL SCS, Q. 02, BL C, nr. 92, conjs 202/4 - ASA SUL 70302-908 - Brasília - DF Tel.(61) 3321-1101 www.agendacontabil.com.br ES - VITÓRIA EACO - CONSULTORIA E CONTABILIDADE Rua XV de Novembro, 297 - 7º andar 80020-310 - Curitiba - PR Tel (41) 3224-9208 www.eaco.com.br PR - CASCAVEL ORCOSE CONTABILIDADE E ASSESSORIA Rua Clodomiro Amazonas, 1435 04537-012 - São Paulo - SP Tel. (11) 3531-3233 www.orcose.com.br TO - PALMAS UNICON - UNIÃO CONTÁBIL Rua Graciano Neves, 230 - Centro 29015-330 - Vitória - ES Tel. (27) 2104-0900 www.unicon.com.br GO - GOIÂNIA VANIN CONTADORES ASSOCIADOS Rua São Paulo, 1721 85801-021 - Cascavel - PR Tel. (45) 2104-7000 www.vanin.com PR - LONDRINA CONTATO CONTABILIDADE Quadra 104 Sul - Acse I - Cj 02 Lote 02 77020-016 - Palmas - TO Fone / Fax .: (63) 3219 7100 www.contatopalmas.com.br CONTAC - CONTABILIDADE Av. Oeste, 319 - Setor Aeroporto 74075-110 - Goiânia - GO Tel. (62) 3240-0400 www.contacnet.com.br MA - SÃO LUÍS ESCRITÓRIO COMERCIAL CONTAD Rua Senador Souza Naves, 289 - Sala 4 86010-914 - Londrina - PR Tel. (43) 3324-4428 www.contadassessoria.com.br RJ - RIO DE JANEIRO GBRASIL (Sede) ASSESSORIA E CONSULTORIA REAL Av. Borborema, quadra 18 - nº 22 - Calhau 65071-360 - São Luís - MA Tel. (98) 3089-8900 www.assessoriareal.com.br DPC - DOMINGUES E PINHO CONTADORES Av. Rio Branco, 311 - 4º andar - Centro 20040-903 - Rio de Janeiro - RJ Tel.(21) 3231-3700 www.dpc.com.br Rua Clodomiro Amazonas, 1435 04537-012 - São Paulo - SP Tel. 55 (11) 3814-8436 www.gbrasilcontabilidade.com.br

[close]

p. 3

EDITORIAL MUITO ALÉM DOS NÚMEROS úmeros podem ser apenas números. Ou podem valer, assim como algumas imagens, mais do que “mil” palavras. Nesta edição você verá como muitos números podem traduzir ou camuflar realidades fantásticas. Comecemos com o artigo do professor Roberto Piscitelli sobre o propalado déficit na Previdência. Ele nos mostra como uma sociedade inteira pode ser levada a acreditar em números, ou melhor, em um conjunto de números, no mínimo duvidosos. Vale a pena mexer neste balaio de gatos da Previdência e verificar que os balanços negativos divulgados são frutos de uma interpretação errada e o pior, sustentada por um mercado ávido em vender planos de previdência privada. O cidadão comum, trabalhador no setor privado, em especial o de média renda, já está pagando uma dupla conta por isso. O ex-secretário da Receita Federal, Everardo Maciel, por sua vez, nos conta, em entrevista exclusiva, o que está por trás dos sucessivos recordes de arrecadação do órgão. Um período áureo que, na verdade, foi iniciado em suas duas gestões junto ao governo Fernando Henrique Cardoso. Everardo conta com clareza como o conhecimento e a tecnologia do Serpro foram decisivos nesta colheita de bons números. Destaca a superioridade do Brasil no campo da tecnologia aplicada ao sistema de arrecadação e garante: “não tem país que o supere”. O ex-secretário da Receita Federal atua hoje como consultor tributário e mantém uma empresa de prestação de serviços em Brasília, a Logos Fiscal, atendida pelo nosso associado GBrasil, Agenda Contábil. Nossa capa traz a experiência de sucesso da CTIS, uma empresa de capital 100% nacional e fenômeno de crescimento e empreendedorismo. Atendida pelo GBrasil, a empresa este ano tornou-se uma sociedade anônima e persegue a trilha da gestão transparente, com o intuito de continuar crescendo anualmente na casa de dois dígitos e dentro de duas grandes vertentes: a de TI – com venda de sistemas tailor made para corporações, serviços de help desk, call center, outsourcing de impressão e recursos humanos; e a de megastores de produtos de informática e eletroeletrônicos. Esta última sustenta a tese de que o mercado brasileiro está valorizando o produto legal e deixando de fomentar a pirataria no segmento de eletroeletrônicos. Uma realidade traduzida no ousado plano de expansão da empresa no território brasileiro. Por fim, um artigo do nosso colega Mário Mateus, da Matur Organização Contábil| GBrasil, nos dá o significado de empreendedorismo. Na sua opinião, o empreendedor, na acepção da palavra, se pauta muito mais por sentimentos e capacidade visionária do que nos números frios da lucratividade. Não faltam exemplos neste rico texto. Que 2007 seja mais do que um ano somado a nossa idade, simplesmente nos tornando mais velhos. Que ele represente grandes sonhos, grandes feitos e grandes resultados ao nosso balanço pessoal. Boa leitura! REINALDO SILVEIRA Presidente do GBrasil gbrasil@gbrasilcontabilidade.com.br

[close]

p. 4

ÍNDICE Editorial 3 Em Síntese 5 Empreendedorismo 6 8 - Capa Casos de Sucesso 8 Entrevista 12 Consultoria GBrasil 16 Recursos Humanos 17 Análise 18 6 12 21 Perfil GBrasil 21 IRPF - Estrangeiros 25 IRPF - Cuidados 26 3 18 Gestão Empresarial é uma publicação trimestral do GBrasil - Grupo Brasil de Empresas de Contabilidade, distribuída a clientes e parceiros estratégicos em todo o território nacional ENDEREÇO SEDE GBRASIL Av. Clodomiro Amazonas, 1435 04537-012 - São Paulo-SP Tel./Fax: 55 (11) 3814-8436 www.gbrasilcontabilidade.com.br CONSELHO EDITORIAL Pedro Coelho Neto (Marpe Contadores Associados) Reinaldo Cardoso da Silveira (Org. Silveira de Contabilidade) Mário César de M. Mateus (Matur Organização Contábil) Manuel Domingues e Pinho (DPC Contadores) Marco Armino Koche (Contato Contabilidade) PRODUÇÃO, EDIÇÃO E DIAGRAMAÇÃO Conteúdo Comunicação & Luna Editora www.conteudocomunicacao.com.br JORNALISTA RESPONSÁVEL Diva de Moura Borges diva.borges@conteudonet.com Tel. (11) 3093.7808 COLABORARAM NESTA EDIÇÃO: Fernando Luis Dias, Lucilda Bezerra, Mário Mateus, Pedro Coelho Neto, Rachel Melamet e Roberto Bocaccio Piscitelli REVISÃO José Paulo Ferrer PROJETO GRÁFICO Moema Cavalcanti ILUSTRAÇÕES Gonzalo Cárcamo - Págs. 7 e 19 FOTOGRAFIAS Weimer Carvalho/GO - Págs.3, 21,22 (superior), 23 (superior), 24 (à esquerda) e 28 Fernando Bizerra/DF (Agência BG Press) - Pág 12 Leonardo Rodrigues/SP (Hype Fotografia) - Págs. 8, 9 e Capa As demais imagens utilizadas nesta edição nos foram cedidas de arquivos pessoais ou de setores de divulgação das empresas citadas. TIRAGEM DESTA EDIÇÃO: 10.000 exemplares. IMPRESSÃO Leograf Editora, em papel couché 115g (miolo) e couché 180g (capa) 4 GESTÃO EMPRESARIAL JAN/FEV/MAR/2007

[close]

p. 5

EM SÍNTESE Talentos preservados O GBrasil, considerado hoje a maior aliança de empresas contábeis no País, tem uma característica comum entre seus 28 integrantes: é o baixo turn-over de seus colaboradores. Eles somam 1.665, sendo que 31,94% deles possuem mais de 4 anos de casa. “Isso significa preservação dos talentos, muitos deles desenvolvidos e treinados de modo contínuo”, analisa Marco Amino Koche, da Contato Contabilidade, de Palmas-TO. Do total de colaboradores, 64% possuem graduação ou estão se graduando em áreas afins, sendo as principais ciências contábeis, administração de empresas, direito e economia. O GBrasil tem hoje mais de 5 mil clientes, entre empresas, entidades e órgãos governamentais. Mulher contabilista mostra sua força A empresária Rosângela Gonzaga Pedrosa (foto ao lado), sócia-proprietária da Contac Contabilidade | GBrasil, foi a grande homenageada do 5º Fórum da Mulher Contabilista de Goiás, promovido em novembro pelo Conselho Regional de Contabilidade - CRC-GO. O evento aconteceu em Goiânia, na sede da entidade, reunindo profissionais de todo o Estado. Além da Contac, Rosângela é também proprietária da empresa agropecuária Qualit, unica produtora de leite tipo A em Goiás. Nesta organização ela responde por toda a administração financeira. Hoje as mulheres representam 37% dos profissionais da Contabilidade no Brasil. Ao todo, são cerca de 145 mil mulheres contabilistas em plena atividade. Além dos eventos regionais, elas têm se organizado nacionalmente. Em junho, as contabilistas se reunirão em Florianópolis, Santa Catarina, no VI Fórum Nacional, para o qual estão elencados palestrantes do porte de Robert Wong (P&L Partnership and Learning) e Betania Tanure (Fundação Dom Cabral). Saiba mais em www.encontromulher.com.br Novo site GBrasil Sul e Sudeste custeando o Estado As regiões Sul e Sudeste do Brasil respondem por mais de 81% da arrecadação tributária federal. Esta representação não acompanha a quantidade de habitantes. As duas regiões concentram 57% da população. O índice de participação resulta de um estudo feito pelo Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário - IBPT em análise comparativa com dados de crescimento populacional oferecidos pelo IBGE. A arrecadação por habitante no Nordeste em 2005 (ano escolhido pelo IBPT para análise) foi de R$ 399,03 enquanto a do Sudeste foi de R$ 3.268,36. Na análise estratificada da região Sudeste, o IBPT também apontou outro dado interessante. São Paulo já não é mais o mesmo, apesar de continuar ocupando o título de maior arrecadador do Brasil. O Estado caiu de uma participação de 45,63% do bolo tributário em 2001, para 40,85% em 2005. A maior renda per capita está no Distrito Federal, onde há recolhimentos Recolhimento de Tributos Federais vultosos por abrigar sedes de “per capita” em 2005 órgãos e empresas estatais. A Norte R$ 472,43 arrecadação de tributos por Nordeste R$ 399,03 habitante em Brasília é R$ 15.144,12. Em seguida vem o Centroeste* R$ 3.081,36* RJ com R$ 5.320,01 e São PauSul R$ 1.491,73 lo com R$ 3.677,77. Os dados não incluem os recolhimentos Sudeste R$ 3.268,36 para o INSS, que mereceu anáFonte: IBPT lise separada pelo IBPT. Saiba * Distrito Federal sozinho representa R$ 15.144,12 per capita na região Centroeste mais em www.ibpt.com.br O GBrasil está com novo website. Ele foi replanejado visualmente pela Webcontábil, empresa de tecnologia aplicada à área contábil e que também responde pelo sistema de intranet para clientes disponível no endereço virtual do Grupo. Além de informações atualizadas diariamente, o site mantém disponível para download, em formato PDF - Portable Document Format, todo o conteúdo da revista Gestão Empresarial. Acesse: www.gbrasilcontabilidade.com.br JAN/FEV/MAR/2007 GESTÃO EMPRESARIAL 5

[close]

p. 6

EMPREENDEDORISMO A ARTE DE VER OPORTUNIDADES Administrar com arte implica sensibilidade para que se usem os sentidos do empreendedorismo MÁRIO MATEUS illiam Somerset Maugham (1874-1965), um contista inglês, narra a história de Albert Edward Foreman que, por dezesseis anos, desempenhara as funções de sacristão na igreja de St. Peter, em Neville Square, templo preferido pela alta sociedade em Londres. Depois de muito tempo de atividade, o padre com quem o sacristão trabalhara foi afastado e o novo pároco, tendo se inteirado de que Foreman não sabia ler nem escrever, decidiu demiti-lo. O sacristão, naquele dia, deixou a igreja e, pensando no cigarro que fumaria antes de ir para casa, percorreu uma longa rua de Londres e, para sua surpresa, não encontrou uma só tabacaria. E veio-lhe uma idéia: com o que poupara, abriria uma pequena tabacaria. “Tabacaria e doces, naturalmente.” Sua mulher foi contra, mas o sacristão, como todo bom empreendedor, não se deixou intimidar e “respondeu que era preciso acompanhar as mudanças do tempo”. Fundou, assim, o seu primeiro negócio. Um ano depois, tal o sucesso do empreendimento, abrira uma filial. Revelou-se excelente administrador e, no fim de uma década, contava com dez tabacarias espalhadas por Londres. Um dia, próspero e rico, dirigira-se ao banco. Lá, o gerente chamou-o à parte: – O senhor tem uma soma muito grande para permanecer em depósito. Já pensou como lhe conviria empregá-la? Foreman retrucara que não queria arriscarse, e o gerente afirmou-lhe que tinha “uma lista de títulos garantidos”, os quais lhe renderiam uma taxa de juros acima das obtidas com o depósito bancário. O sacristão confessou-lhe, então, que não sabia ler nem escrever. Mal assinava o nome, o que aprendera quando se estabeleceu como comerciante. Assombrado, o gerente refletiu e indagou: – O sr. realizou esse importante negócio e acumulou toda essa fortuna sem saber ler nem escrever? Meu Deus, que não seria agora, se tivesse aprendido a ler e a escrever? – Isso eu posso dizer-lhe – respondeu Mr. Foreman, com leve sorriso. Seria sacristão da igreja de St. Peter, em Neville Square. Esse conto de Maugham ilustra magnificamente o traço marcante da personalidade de um empreendedor. Foreman, o sacristão, tinha personalidade de empreendedor – sabia resistir na hora ingrata e não deixava que situações adversas lhe embotassem o raciocínio. O autor assim traça o perfil psicológico do personagem: “Tinha tato, firmeza e segurança. O seu caráter era inabalável”. O estudioso de Administração Louis Jacques Filion acredita que “a essência do empreendedorismo está na percepção e no aproveitamento das novas oportunidades no âmbito dos negócios”. Foi o que viu o sacristão: uma oportunidade numa hora em que outros se entregariam ao desânimo e à autopiedade. A Administração, para George R. Terry, “é uma ciência e uma arte”. “Como arte é o know-how para atingir um resultado desejado. É a prática adquirida através de experiências, observação e estudo; e também a habilidade em utilizar conhecimentos adquiridos dessa forma. Requer criatividade, condicionada e baseada no entendimento da administração como ciência. Portanto, a ciência e a arte são complementares. Quando uma se desenvolve, a outra também é atingida; um equilíbrio entre ambas é necessário.” Ora, administrar com arte implica sensibilidade para que se usem os sentidos do empreendedorismo. Se o mercado se move e muda, é preciso acompanhar o movimento e 6 GESTÃO EMPRESARIAL JAN/FEV/MAR/2007

[close]

p. 7

a mudança. Arte é atividade criativa, e o empreendedor, no exercício da arte da administração, tem de ajustar-se a novas conjunturas, reestruturando-se quando necessário para que não se percam os objetivos traçados. Henry Ford, em Minha vida e minha obra, compreendendo a real natureza do empreendedor, afirma que “é preciso pensar no trabalho de dia, e de noite fazê-lo girar nos seus sonhos”. Aquele que tem dentro de si a chama da paixão pelo que faz, admite que o pioneiro da indústria automobilística americana tinha razão. Quem se guia pelos sonhos tem objetivos mais elevados. Por isso encontra no trabalho uma inesgotável fonte de energia. “Pensar primeiro em dinheiro, em vez de pensar no trabalho – também analisa Ford – traz o medo do fracasso, e esse medo bloqueia a via de acesso aos negócios, e faz do homem um ser amedrontado diante da competição, diante da mudança de métodos e de qualquer coisa que possa alterar a sua condição”. É inerente ao empreendedor a obstinação pelo que faz. Tem um plano definido, conhece as suas necessidades e sabe aonde quer chegar. Não se entrega a lamentações, e seus objetivos são claramente traçados. Sabe o que quer, por isso é dotado de energia e renova-se na consecução de seu trabalho. O empreendedor sempre tem tempo disponível para realizar o que sonha. Orienta a sua vida em direção ao que deseja no fundo do coração. Não se desvia do fim pretendido e administra o tempo, sem deixar que pequenos incidentes interfiram na caminhada. Ford não se queixa de presumível falta de tempo: “O tempo não me era escasso porque eu trabalhava sem parar”. Sobre a concorrência, afirma com lucidez: “O tempo gasto na luta pela competição é um tempo desperdiçado; melhor seria despendê-lo na realização do trabalho”. Pensar na concorrência é desbaratar o tempo, desfigurando-se as metas estabelecidas. As ameaças e oportunidades devem ser tratadas racionalmente. É uma questão de foco. Se se tem em mira a prestação de serviços de qualidade e o oferecimento de produtos de alto nível, neutraliza-se, assim, a concorrência, sem que em nenhum momento seja sacrificado o tempo em detrimento de nosso trabalho. Ford realizou-se e deixou uma grande obra porque teve sensibilidade para compreender a importância de um trabalho bem feito, sem permitir que se desviasse o foco para a concorrência. Para Frederick Winslow Taylor, na gestão dos negócios, é atribuição do administrador planejar, organizar, dirigir e controlar o trabalho. Para isso, é preciso técnica e arte. Técnica é a soma dos procedimentos e métodos, exigindo de quem a aplica conhecimento específico e ordenado sobre determinado assunto. A arte requer habilidade e talento, intuição e sensibilidade para uma tomada de decisão em harmonia com os sentidos do empreendedor. Da análise de Filion pode-se extrair ainda que o empreendedor “é uma pessoa criativa, marcada pela capacidade de estabelecer e atingir objetivos e que mantém alto nível de consciência do ambiente em que vive, usando-a para detectar oportunidades de negócios”. São homens com tais características que abrem caminhos novos e encontram soluções para uma vida melhor. Homens assim, movidos pelo sonho de grandes realizações, podem repetir os dois famosos versos do escritor e poeta italiano Gabriele D’Annunzio: “Nunca é tarde para tentar o desconhecido, nunca é tarde para ir mais além”. MÁRIO MATEUS é pós-graduado em ciências contábeis, advogado e diretor da Matur Org.Contábil|GBrasil, de Belo Horizonte-MG JAN/FEV/MAR/2007 GESTÃO EMPRESARIAL 7

[close]

p. 8

CASOS DE SUCESSO CTIS NA TRILHA DA GESTÃO TRANSPARENTE Com crescimento de 37% em 2006 e faturamento de R$ 368 milhões, a CTIS se firma entre as maiores fornecedoras brasileiras de soluções de TI e torna-se agora uma S/A. Uma nova etapa de uma empresa nascida há 23 anos, em Brasília DIVA BORGES oragem, entusiasmo e pioneirismo. Os ingredientes básicos do espírito empreendedor nunca faltaram ao analista de sistemas e administrador de empresas Avaldir da Silva Oliveira. Em 1983, aos 32 anos, ele já tinha uma sólida carreira profissional e um ótimo salário como chefe do Departamento de Informática da Companhia Energética de Brasília - CEB. Mas seu sonho era ser empresário, e ele largou tudo para dedicar-se exclusivamente a um negócio próprio. Hoje, aos 55 anos, Avaldir é diretor-presidente da CTIS Informática S/A, uma das mais importantes fornecedoras brasileiras de soluções de Tecnologia da Informação para grandes clientes, nas áreas de governo, telecomunicações e finanças. Com um faturamento de R$ 368 milhões em 2006 e um quadro de 3.570 colaboradores, a companhia atua em três grandes linhas de negócio. Na área de Soluções em TI, onde está concentrado 59% do faturamento, a companhia atua com o desenvolvimento de softwares, fornecimento de licenças, outsourcing de recursos humanos, outsourcing de impressão e Contact Center & Help Desk. As outras duas linhas de negócio da CTIS são as megastores de produtos de informática e eletroeletrônicos (veja matéria à página 11) e o Printing Center, dedicado a impressões off set, eletrônica, de formulários contínuos e de dados variáveis. A Agenda Contábil, representante do GBrasil no Distrito Federal, viu nascer a CTIS há 23 anos. A parceria de primeira hora com Avaldir da Silva Oliveira, diretor presidente da CTIS: capital 100% nacional e uma dos maiores fornecedoras de TI em território brasileiro Francisco Lúcio Gomes, diretor da Agenda Contábil, foi fundamental para a organização e o sucesso do empreendimento, especialmente quando foi preciso tomar decisões difíceis e mudar os rumos do negócio. A CTIS cresceu muito rápido e acabou criando seu próprio núcleo de contabilidade, mas mantém até hoje a Agenda Contábil como 8 GESTÃO EMPRESARIAL JAN/FEV/MAR/2007

[close]

p. 9

Fábrica de softwares, projetos tailor made e business intelligence: CTIS fazendo frente a competidores internacionais com atendimento a grandes corporações e órgãos governamentais accounting intelligence, tratando dos aspectos da legislação tributária, de análise de balanços e da parte de prevenção de contencioso. Quando diversificou sua área de atuação, passando a incluir construtoras, incorporadora e até fazenda, foi com o trabalho de consultoria que a CTIS retomou seu foco. A Agenda Contábil cuidou agora de todos os procedimentos que transformaram a CTIS este ano em uma sociedade anônima. Esta transformação em S/A, ainda fechada num primeiro momento, não deverá mudar o clima de harmonia nos negócios. A expectativa de abertura de capital é para daqui a dois anos e o objetivo a curto prazo, segundo Avaldir, não é captar recursos, mas alcançar um nível melhor de governança corporativa, em que a transparência é fator preponderante. Pretendese ainda dar oportunidade a colaboradores de adquirir ações da empresa e obter um controle maior do negócio, como a legislação exige. Expansão territorial Cada loja ou filial da CTIS aberta em locais fora do Distrito Federal precisou ou precisará de um braço do GBrasil. Assim, os empreendimentos da CTIS em Goiânia, São Paulo e Rio recorreram a outras empresas do Grupo, especialmente no chamado campo paralegal. Em cada base nova, o GBrasil vem ajudando a CTIS a vencer os caminhos burocráticos. junto a órgãos de registro. A CTIS poderia contratar qualquer empresa contábil em outras cidades, mas preferiu escolher as integrantes do GBrasil. “A partir do momento que estabelecemos o relacionamento com o Grupo, percebemos maior confiabilidade na prestação de serviços. Com a expansão da nossa rede de lojas, estaremos cada vez mais envolvidos, principalmente nos Estados de São Paulo, Paraná e Santa Catarina”, afirma o diretor-presidente da CTIS. A consultoria foi fundamental ainda em 1998, quando os três principais braços de negócio da área de informática da companhia se juntaram, dando origem a uma empresa de CNPJ único. Esta passou a operar como uma holding de serviços. A junção trouxe ganhos importantes em termos de redução de custos administrativos, tecnológicos e tributários. Faturamento em ascensão Foi assim que, prevendo faturar R$ 315 milhões em 2006, a CTIS viu as cifras do ano alcançarem R$ 368 milhões – um crescimento de 37% em relação aos R$ 268 milhões regis- JAN/FEV/MAR/2007 GESTÃO EMPRESARIAL 9

[close]

p. 10

trados em 2005, exatos R$ 100 milhões a mais. Das várias linhas de negócios, a que mais contribuiu para que 2006 fosse o melhor ano da história da empresa foi a de Soluções em TI, com bases de atuação concentradas em Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro. Este segmento cresceu quase 100% com a Fábrica de Software e o Help Desk. O faturamento apenas destas duas divisões saltou de R$ 32 milhões em 2005 para R$ 62 milhões no ano passado. A companhia planeja faturar R$ 455 milhões em 2007, 23% mais que em 2006, alcançando um crescimento de 68% em apenas dois anos. Hoje a CTIS ocupa o 48º lugar no ranking “Maiores e Melhores” da Revista Exame, onde figuram empresas do porte de IBM, Siemens e Nokia. Em 2005, foi considerada pela Symantec a melhor parceira em vendas e a poderosa Microsoft a reconheceu como a loja de varejo de Melhores Iniciativas e como Melhor Loja Especializada. Clientes de peso e tradição Com mais de cem clientes corporativos, entre iniciativa privada, empresas de economia mista e órgãos governamentais, a CTIS atende corporações como Bradesco, Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, Itaú, Petrobras, Eletronorte, Embratel, Telefônica, Vivo, Fiesp, Serpro, Prodam, Advocacia Geral da União, Superior Tribunal de Justiça, Tribunal Superior Eleitoral, Correios, Ministérios da Agricultura, Saúde, Transporte, Turismo, Esporte, Desenvolvimento Social, Dataprev, Sabesp e Governo do Estado de São Paulo, entre outros. Muitos deles possuem um relacionamento de longa data. Com a Fábrica de Software, seara de grandes players internacionais, a CTIS marca seu diferencial oferecendo não apenas softwares personalizados, mas um projeto global de análise e modelagem de processos organizacionais dos clientes, orientando e acompanhando a empresa na transição e correta aplicação dos sistemas de suporte ao negócio. Entre seus clientes nesta área estão o Banco ABN e a Secretaria de Segurança Pública de SP. Alinhado aos sistemas tailor made está o outsourcing de talentos, em que ela leva ao cliente profissionais com expertise em TI. O outsourcing de impressão, por sua vez, abraça hoje demandas de empresas do porte da Gol Linhas Aéreas e da Nossa Caixa. A CTIS está apostando também suas fichas no serviço de help desk, no qual tem diferen- ciais competitivos. Mais sofisticado que um call center tradicional, o serviço está alocado na estrutura da CTIS, atendendo o cliente interno das empresas contratantes. Atualmente são 16 grandes clientes de contact center e 550 posições (atendentes) alocadas no Rio de Janeiro, Brasília e Recife (PE), onde uma filial técnica atende especificamente a Infraero, com outsourcing de talentos. A CTIS é hoje responsável pelo help desk da Petrobras, do Centro de Pesquisas da Telebrás (Campinas) e Ministérios da Agricultura e da Saúde, entre outros. Quando um funcionário de uma dessas organizações liga com dúvidas sobre o funcionamento, físico ou lógico, de seu computador, impressora ou mesmo de um software, o atendimento do help desk, personalizado, orienta o funcionário sobre determinados procedimentos que podem reverter o problema. Caso a questão não seja resolvida, o cliente é encaminhado para um segundo nível de atendimento, no qual especialistas darão mais esclarecimentos. Se esta instância ainda não resolver, um grupo de campo vai até o local, por meio de uma ordem de serviço, para solucionar pessoalmente o problema. Sem fuga de talentos Para administrar tantos negócios distintos com a maior eficiência possível, a CTIS S/A aposta na transparência nos números e na perenidade na atuação. A empresa tem 38 gestores, alguns atuando na companhia há mais de 12 anos, como o novo sócio Fernando Lopes Coelho – dono de 10% da companhia e responsável pelo segmento de lojas e megastores – que entrou para o grupo em 1990. “É muito difícil um colaborador nos deixar ou alguma companhia retirar algum de nossos executivos. Praticamente não há fuga de talentos. O segredo? Uma carta de valores e ações de endomarketing muito bem definidas”, orgulha-se o empresário Avaldir da Silva Oliveira. Quadro de Colaboradores Diretos da CTIS Helpdesk e Call Center Outsourcing de Talentos e Fábrica de Software Administração Lojas (Megastores) Printing Center Total Saiba mais sobre a CTIS em www.ctis.com.br 1.100 2.000 140 210 120 3.570 10 GESTÃO EMPRESARIAL JAN/FEV/MAR/2007

[close]

p. 11

CTIS Megastore recém-inaugurada em Goiânia: sucesso de vendas e planos de expansão do modelo por todo o Brasil CTIS QUER EXPANDIR MEGASTORES DE INFORMÁTICA acilidade de compra como em um supermercado self-service, grade completa de produtos como em lojas especializadas e grifes cobiçadas como nas boutiques. Este é o perfil da rede de Megastores CTIS, focadas na venda de produtos de informática e eletrônicos e responsáveis por grande parte do sucesso da companhia em 2006 – o faturamento das três lojas de Brasília saltou de R$ 56 milhões em 2005 para R$ 110 milhões no ano passado. Em dezembro, foi inaugurada a primeira megastore fora do Distrito Federal, em Goiânia. O sucesso foi tamanho em apenas um mês de funcionamento que já está prevista a abertura de outra loja na cidade em 2007. Até 2010, serão 15 megastores CTIS espalhadas pelo País. Em 2008, a empresa planeja expandir o modelo para o Estado de São Paulo, em cidades que tenham acima de 400 mil habitantes, para Curitiba e principais cidades do interior do Paraná. O conceito de loja no estilo supermercado de tecnologia foi inaugurado no País em 1991 pela CTIS, em Brasília. Em 2000, a empresa inovou mais uma vez, implantando a maior loja especializada em informática dentro de um shopping center. Em 2003 surgiu a CTIS Megastore, uma loja com mais de 1.400 m2 dedicados à venda de produtos de TI, a maior operação varejista de informática no Brasil. O site das megastores tem uma visitação enorme, mas funciona mais como uma vitrine virtual, representando atualmente 3% do faturamento. “A compra em geral é feita nas lojas, o que para nós é interessante porque o cliente vê outras coisas pelas quais se interessa e adquire mais produtos”, explica Avaldir Oliveira, diretor presidente da CTIS. Para quem aprecia informática, as lojas da CTIS são um verdadeiro paraíso de consumo. Quem quiser montar sua própria estação de trabalho, em casa ou no escritório, vai encontrar desde componentes básicos como memórias, processadores e placas até gabinetes, monitores, impressoras, acessórios e softwares. Também estão nas prateleiras todas as tentações tecnológicas das melhores marcas, como câmeras digitais, TVs de plasma e LCD, consoles, games e telefonia. O segmento Megastores da CTIS tem ainda uma Central de Televendas, um Departamento de Vendas Corporativas para atendimento personalizado a empresas e governo e um Departamento de Locação de equipamentos de tecnologia. JAN/FEV/MAR/2007 GESTÃO EMPRESARIAL 11

[close]

p. 12

ENTREVISTA EVERARDO MACIEL Consultor tributário e ex-secretário da Receita Federal APÓS OITO ANOS À FRENTE DA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL, NO GOVERNO FHC, EVERARDO MACIEL DECIDIU ABRIR MÃO DE VÁRIOS CONVITES PARA CARGOS DE CONFIANÇA E APOSENTAR-SE DO SETOR PÚBLICO, ONDE FEZ CARREIRA. AOS 55 ANOS, ABRAÇOU O DESAFIO DE SER UM PRESTADOR DE SERVIÇOS, CRIANDO EM 2003 A LOGOS CONSULTORIA FISCAL. NESTA ENTREVISTA EXCLUSIVA À GESTÃO EMPRESARIAL ELE DESCREVE OS SERVIÇOS QUE PRESTA, AVALIA A ATUAL POLÍTICA FISCAL E O QUE SEU TRABALHO NA SRF REPRESENTOU PARA A POLÍTICA TRIBUTÁRIA BRASILEIRA POR DIVA BORGES A ENTREVISTA FOI CONCEDIDA NA SEDE DA Logos Consultoria Fiscal, em um edifício comercial localizado no setor de Autarquias Sul, em Brasília, e que tem como plano de fundo a Esplanada dos Ministérios. Em quase duas horas de conversa, Everardo Maciel expôs com convicção e clareza os dramas enfrentados no setor tributário brasileiro tanto sob o ponto de vista governamental – onde esteve embrenhado anos a fio –, quanto do empresariado, para o qual deixa claro que nunca fez vista grossa a suas demandas, a despeito da sua grande fama de arrecadador voraz. Pelo contrário, sempre que possível, buscou atender aos pleitos do setor produtivo tendo como diretriz a adoção de “pequenos passos na direção correta”, longe de grandes planos miraculosos. Hoje divide seu tempo entre consultorias e a cátedra. É professor de Política Fiscal em cursos de pósgraduação da Fundação Getúlio Vargas, em São Paulo, e do Instituto Brasiliense de Direito Público, em Brasília. Considerado uma referência mundial quando o assunto é tributação, Maciel ocupa ainda o staff de consultores seniores do Fundo Monetário Internacional - FMI e detém em seu currículo o título de ex-presidente do Centro Interamericano de Administrações Tributárias - CIAT. Com a liberdade de estudioso dos sistemas tributários, afirma que o ICMS é uma aberração que poderia ser corrigida com soluções simples. Entre elas a diminuição do número de alíquotas e o fim gradativo de qualquer tipo de isenção, como forma de acabar com a guerra fiscal entre estados. A CPMF seria um remédio com dosagem um pouquinho acima do necessário e, por isso, deve ser olhada com zelo. Entende a Lei de Responsabilidade Fiscal como uma norma com ótimas intenções, mas sem a coerção necessária. Dessa fonte inesgotável de saber tributário foi tarefa hercúlea sintetizar o mais importante nesta entrevista. A pergunta final ficou com essa brecha: não existe nenhuma obra nas livrarias de autoria de Everardo Maciel. Sorriu. “Sim, me cobram isso”, afirmou, alegando a falta de tempo. 12 GESTÃO EMPRESARIAL JAN/FEV/MAR/2007

[close]

p. 13

Gestão - O que é a Logos? Everardo Maciel – É uma empresa de consultoria tributária que pretende desenvolver soluções envolvendo sobretudo a concepção de projetos na linha de estudos, fazendo jus ao nome “logos” (estudo, em grego). Ela não procura soluções para problemas de planejamento fiscal, questões demasiado pontuais ou relacionadas com o contencioso fiscal. Nossa visão é de futuro: dado um problema de natureza estrutural tributário, procurar uma solução que possa ter uma conformação normativa que o solucione. Gestão - Qual seria então o perfil de cliente da Logos: grupo de empresas, setores produtivos, entidades empresariais? Maciel – Especialmente setores, não tanto empresas. Mas há casos atendidos também de empresas, com determinado problema tributário estrutural para o qual caiba buscar uma solução, com viabilidade razoável e boa construção jurídico-tributária. Elaboramos diagnósticos, sugestões de solução e encaminhamos à empresa para que ela possa escolher o curso que julgar conveniente, no âmbito administrativo ou legislativo. Gestão - O sr. pode nos dar um exemplo desse trabalho? Maciel – Em determinado segmento, tínhamos um grupo de empresas que enfrentava o que chamamos de desvios tributários concorrenciais. Havia uma desigualdade na competição de mercado por questões de natureza tributária. A Logos trabalhou no sentido de produzir um texto que, ao final, embasou alteração no artigo 146 da Constituição Federal. Gestão - Quando a Logos surgiu? Maciel – A Logos teve início depois que deixei o governo e cumpri o período de quarentena. Saí por vontade própria. Hoje, passados quatro anos, posso dizer: recebi convite do então ministro Palocci para permanecer no Ministério da Fazenda. De igual forma, vários governos estaduais me sondaram para ser secretário de Fazenda. Estava com 55 anos em 2003, nunca havia trabalhado no setor privado. Se permanecesse mais tempo no setor público, certamente poderia concretizar esse projeto apenas agora, quando estivesse perto de 60 anos. Ficaria cada vez mais difícil sedimentar esse trabalho. Assim, aposentei-me do setor público e comecei uma segunda profissão. Gestão - E o sr. considera que escolheu o momento certo? Sim, escolhi. Se formos avaliar, qualquer cargo público, de confiança, todos são temporários, finitos. Têm, em geral, a duração de um mandato. Aliás, é fundamental que isso ocorra para que se oxigene a administração pública, além de dar concretude à renovação, um dos principais postulados da democracia. Gestão - O que é mais confortável ou gratificante em termos pessoais: estar no poder público ou ser um empreendedor? Maciel – São duas coisas completamente distintas e não podem ser comparadas. O setor público é uma atividade quase missionária, na minha acepção. Você exerce uma atividade com uma remuneração discreta e, portanto, tem um valor distinto. Ela é mais enobrecedora. No setor privado, a situação é completamente diferente: converte-se em prestação de serviço, em que se troca conhecimento qualificado, por remuneração. Na área pública, a maior paga é o reconhecimento do serviço prestado. Gestão - Mas bem que o sr. gerava muitos lucros para o Tesouro... Maciel - São situações distintas. Uma era regida pela ética da responsabilidade e a outra, do setor privado, pela ética da convicção. RECEBI CONVITE DO MINISTRO PALOCCI PARA PERMANECER NA FAZENDA. ASSIM COMO DE GOVERNADORES PARA SECRETARIAS ESTADUAIS Gestão - Como está sendo sua experiência do lado de cá do balcão? Ou seja, de arrecadador para arrecadado? Maciel - Tem suas vantagens e desvantagens. A grande desvantagem é não poder desenvolver o que seria a essência da atividade pública – empreender projetos de alcance social. Em contrapartida, no setor privado, você está menos na vitrine, menos exposto, e tem condições de cuidar mais de si mesmo e de fazer lucro, o que não é possível no setor público. Gestão - Na sua avaliação, o sr. teve um bom sucessor na Secretaria da Receita Federal? Maciel - Sem dúvida nenhuma. Jorge Rachid é uma excelente pessoa, tanto do ponto de vista profissional, como de conduta. Está fazendo um belo trabalho e tenho orgulho de ter sido ele meu adjunto e estar correspondendo à expectativa daqueles que o nomearam. Gestão - Ele deu continuidade ao seu trabalho na SRF? Maciel - Sim. Claro que cada um tem seu estilo, JAN/FEV/MAR/2007 GESTÃO EMPRESARIAL 13

[close]

p. 14

seu toque pessoal. Mas, muitas coisas concebidas na minha época foram implementadas na atual gestão, com muito sucesso. Gestão - Por exemplo? Maciel - A certificação digital, os medidores de vazão nas indústrias de bebida. A atual administração tem tido muito êxito com esses projetos. Apesar das reclamações de alguns, posso dizer que a atual administração tem logrado manter os recordes sucessivos de arrecadação etc. Sem entrar no mérito dessa discussão, secretário da Receita é ruim quando frustra a previsão de receita Gestão - Ao que parece, não é o caso do sr. Rachid. Maciel - De forma alguma. A propósito, apesar de raro, esse é um caso em que o sucedido torce pelo sucessor. é que o Simples não incluía muitos setores de serviços. Na época, defendi isso com absoluta consciência. Havia, entretanto, uma resistência imensa da Previdência Social. A alternativa consistiu em incluir apenas alguns setores de serviços. Era preferível dar um pequeno passo, incluindo a Previdência, do que criar um fato que levasse a uma situação de antagonismo e ruptura. Gestão - E hoje, como está essa resistência de incluir outros segmentos do setor de serviço? Maciel - Ela continua sob o falso argumento de perda de arrecadação. Pode-se corrigir isso por meio de alíquota e não com exclusão. Se existem atividades que têm margens distintas, elas devem ser compensadas por meio de alíquotas distintas e não com a exclusão do sistema. Tal como no lucro presumido, em que a alíquota da indústria e comércio é distinta daquela aplicada no setor de serviço. Estaríamos, então, usando modelos já conhecidos e corretos. Na época, tive que sustentar a posição contrária à inclusão das demais atividades de serviço porque estava na liderança do processo. Entretanto, não era minha convicção pessoal, era minha responsabilidade. Gestão - O sr. acha que o Simples caminha na direção de contemplar os setores de serviço excluídos? Maciel - Acredito que vai caminhar; isto é inevitável. Há uma convicção no mundo inteiro, de que a maior demanda em relação aos sistemas tributários é simplificar. Dessa forma, tudo que aponta nesta direção é caminho do futuro. Gestão - O sr. acha que o governo se surpreendeu com os resultados do Simples? Maciel - Para mim não houve surpresa. Foi um experimento de absoluto sucesso. Tanto que não existe um único caso, dentre as mais de três milhões de empresas registradas no Simples, de pedido de exclusão do sistema. Isto quer dizer: este é um bom sistema, que agrada às empresas. E é bom para o fisco, pois a sonegação gosta da complexidade. Gestão - A sonegação está mais entre os grandes? Maciel - Não vincularia esta questão ao porte: pequenos, médios e grandes sonegam. Quem sonega é sonegador, independentemente do regime de tributação ou porte. Gestão - Existe uma voz uníssona entre contadores de que há um excesso de obrigações acessórias, especialmente relacionadas às informações ao fisco, com certa falta de racionalidade NÃO TINHA DÚVIDA DE QUE PODERIA TER INCLUÍDO OUTRAS EMPRESAS DE SERVIÇO NO SIMPLES, MAS HAVIA RESISTÊNCIA ENORME DA PREVIDÊNCIA Gestão - O governo Lula tem conduzido bem a política tributária? Maciel - Acho que sim. Claro que tem um ponto ou outro sobre o qual divirjo, mas no geral está conduzindo bem. Palocci fez algo que é muito louvável e devemos dar crédito, que foi evitar a politização da Receita Federal. Foi um trabalho imenso que tive na minha administração: despolitizar o órgão. Certas partes da SRF eram verdadeiras capitanias hereditárias e eliminamos tudo isso. Gestão - Em relação aos detalhes de normatização no campo tributário, qual a sua avaliação do Supersimples? Maciel - Sou suspeito para falar desse assunto porque o Simples é uma tese que desenvolvi; é um filho meu. Ele surgiu como uma experiência. É claro que havia limitações e tínhamos consciência delas à época. Mas, creio que quando não podemos dar um passo inteiro, devemos dar um meio passo na direção correta. Quando o lançamos, não alcançava estados e municípios. E nem poderia, pois nos faltava fundamento constitucional. A adesão de estados e municípios somente poderia ocorrer pela via do convênio, o que é muito difícil. Havia, como há, grandes resistências corporativas no âmbito da federação brasileira. Outro problema 14 GESTÃO EMPRESARIAL JAN/FEV/MAR/2007

[close]

p. 15

nestas solicitações. O sr. concorda com isso? Maciel - Não, não concordo. Acho que existem algumas obrigações principais que estão erradas e que acabam gerando obrigação acessória. Por exemplo, há um certo exagero de retenção na fonte e isto deveria ser repensado. Mas, nesta questão de obrigações acessórias, o que conta não é a quantidade, e sim a dificuldade que se tem de prestar essa informação. Hoje o Brasil é campeão mundial em facilidade de prestação de informação sobre tributos. Não tem ninguém que o supere. Os outros países têm um número menor porque têm mais dificuldades em prestar essa informação. O que facilitou aí foi o meio, a internet. Agora, se existem informações solicitadas em duplicidade, é algo pontual, a ser resolvido. E outra: o que é fiscalizar? Fiscalizar é comparar. Você necessita de duas informações. Ou seja, não é ter uma informação e mandar o fiscal a campo. É ter duas informações no sistema que possam ser comparadas. Gestão - Como o Brasil está classificado em termos de aparelhamento tecnológico de suporte à arrecadação tributária? Maciel - O Brasil ocupa hoje o primeiro lugar numa escala em que não há segunda posição. Ou seja, ele não tem competidor em matéria de uso de tecnologia de administração tributária. Não existe nada sequer parecido com que o Brasil possui hoje. E digo isso numa comparação com países do Primeiro Mundo. Um exemplo dessa superioridade é a entrega do IRPJ totalmente feita pela internet. Não existe outro país onde todas as pessoas jurídicas prestam declarações pela internet. Gestão - Somos modelo então? Maciel - Sim. Recordo-me que Bill Gates, em seu site, recomendava aos Fiscos do Primeiro Mundo – notadamente, os Estados Unidos e Austrália – a seguirem o modelo brasileiro. Gestão - Por que tivemos, ou melhor, conquistamos tanto sucesso nesta área? Maciel - Foram investimentos e decisões importantes tomadas no momento certo. Elas aconteceram a partir de 1995 e graças à importante participação do Serpro. Este órgão vivia em contínuo atrito com a Receita Federal. Quando assumi a direção da SRF, consegui trazer esse time do Serpro para jogar do nosso lado e não contra. Os próprios funcionários da Receita também, muito preparados e animados, estabeleceram com eles uma sinergia. Esta é uma história longa, mas criou-se um exemplo para estados e municípios, que passaram a seguir a mesma linha. Uma das diretrizes da minha administração foi simplificar as regras tributárias, intensificar o uso dos meios de informação, tornar ágil e moderna a administração tributária. Gestão - Como foi essa “luz” que o levou a procurar o Serpro? Maciel - No período imediamente anterior ao da SRF, fui secretário da Fazenda do Distrito Federal, onde desenvolvi uma boa parceria com o órgão. Quando fui para a Receita, não via nenhuma razão para fazer restrição ao Serpro. Ao contrário, entendia que era o momento de trazê-los para o nosso lado. As primeiras experiências com a tecnologia foram um desastre... (risos). A minha declaração de imposto de renda foi transmitida pela internet e foi para o “ar”. Mas testamos bastante em casa o modelo antes de levar ao contribuinte. Vale lembrar também a implantação dessa tecnologia na área aduaneira. Foi um marco importantíssimo e de difícil implementação no qual me envolvi pessoalmente. Recordome que o Siscomex entrou em funcionamento no dia primeiro de janeiro de 1997. Cheguei em casa, às vésperas do Ano Novo, preparando-me para enfrentar mandados de segurança e todas as formas de sabotagem para evitar que aquilo funcionasse. E funcionou. Gestão - Foi uma batalha... Maciel - Uma batalha campal. Imagine hoje como seria a área aduaneira do País se não fosse este instrumento. Simplificou principalmente a vida dos contadores que faziam tudo manualmente, levando à Receita documentos e declarações. Era um inferno e com regras duras. Gestão - Como jornalista, lembro-me de duras reclamações dos contadores para adiamento de prazos do Imposto de Renda. Maciel - Antes não havia nem data de entrega das declarações de IR. Enfrentei todo tipo de desconfiança interna e externa para manter uma data fixa de entrega. Mas o trabalho mais complexo foi o do CPF. Chegamos a cancelar 60 milhões de CPFs numa operação discreta de recadastramento. Ninguém percebeu que esse era um meio para recadastrar. Criou-se a declaração de isento, com formas heterodoxas de declarar. Hoje, 30 milhões de brasileiros fazem sua declaração por meio de lotéricas. É um fato sem precedentes no mundo. Uma solução criativa e eficiente. JAN/FEV/MAR/2007 GESTÃO EMPRESARIAL 15

[close]

Comments

no comments yet