Revista Escolar - 2ºPeríodo (2014-2015)

 

Embed or link this publication

Description

Revista

Popular Pages


p. 1

três trêsmargens Ano V, No.2 - 2ºPeríodo abril de 2015 € leitura gratuita Espe i al Páscc oa Editorial Ups! Páscoa Feliz Caros Leitores CEF, Profissional e Vocacional Páginas 8 e 9 No início do 3º trimestre - que marca a última etapa do ano letivo formulo votos de muitos sucessos escolares a toda a comunidade educativa. A Diretora, Madalena Dinis Reis Carnaval no CEC Invasão de Smurfs na... Página 4 Gente que conta Filosofia Apresentação de Chris Jordan Página 5 Banda Desenhada Educação Visual Não percam as melhores B.D.’s do mundo. Três albuns criados pelos(as) maiores especialistas no assunto. Os nossos alunos do 9º ano! Páginas 15, 16, 17 e 18 Carina Neves Página 10 página1

[close]

p. 2

Centros Escolares Partilhar e articular … na “Feira do Lavrador” A criação dos Centros escolares permitiu que crianças dos arredores viessem para a cidade iniciar o seu percurso no ensino pré-escolar, o que fomentou um desenraizamento de grande parte dos alunos das aldeias ou locais limítrofes onde residem, bem como dos seus costumes e tradições. A “Feira do Lavrador” – projeto dos docentes dos cursos CEF e Profissional de Restauração – foi um projeto que a Educação Pré-escolar do CEC resolveu abraçar, ainda no seu início, por fazer parte de uma realidade que as crianças estão, lentamente, a perder. Estas raízes vão ficando mais ténues e a geração dos pequeninos deixa de vivenciar tarefas quotidianas ancestrais. Pensando nesta rutura, as docentes deste centro julgaram ser importante experienciar com estes, a feira que era efetuada no tempo dos seus avós ou bisavós. Os produtos da terra eram vendidos, diretamente nas feiras, pelos lavradores que amanhavam, semeavam, plantavam e cuidavam dos mesmos. Pensando na importância das aprendizagens que estes podem adquirir e no enriquecimento das suas vivências, as docentes acharam oportuno adequar estratégias para que o desenvolvimento das competências desta nova geração fosse expandido, através da sua participação num projeto comum: “a Feira do Lavrador.” Deste modo, em parceria com os docentes e alunos acima referidos e com a importante participação dos pais nos trajos das crianças e na recolha de produtos da terra, montaram uma barraquinha, no átrio exterior da Escola Secundária de Santa Comba Dão. A colaboração das famílias e da comunidade escolar permitiu o reviver de tradições que fomentaram às nossas crianças novas aprendizagens e a partilha do passado com a próxima geração, que fará parte do futuro desta região. Desenvolver projetos no dia-a-dia do jardim-de-infância, promover competências nas áreas da Formação Pessoal e Social, na Expressão e Comunicação e no Conhecimento do Mundo, fazem parte do currículo deste nível de ensino. Refletir, projetar, planificar, definir estratégias e avaliar são o percurso que cada educador determina para promover a diferença em cada etapa de desenvolvimento dos seus alunos. Bem-haja a todos pela partilha de vivências! Ana Oliveira, Bela Matos e Isabel Viegas página 2

[close]

p. 3

Centros Escolares Partilhar e articular … na “Feira do Lavrador” Ana Oliveira, Bela Matos e Isabel Viegas página 3

[close]

p. 4

Centros Escolares Carnaval no CEC As crianças e adultos, da Educação PréEscolar do Centro Escolar do Centro (CEC), desenvolveram atividades ligadas ao Carnaval, atividade do PAA, de uma forma lúdica, concertada e salutar. Cada turma planificou e desenvolveu atividades conforme o tema, nas salas A “Os Cozinheiros”, B “As Flores” e C “ Os Smurfs”, que integraram aprendizagens desenvolvidas em cada grupo de crianças, permitindo-lhes vivências com toda a comunidade escolar do estabelecimento de ensino e agregando a sociedade envolvente, que veio às ruas para animar esta atividade. Foi fundamental todo o apoio, participação e empenho das famílias e Encarregados de Educação dos nossos grupos que, prontamente, colaboraram na elaboração dos fatos de Carnaval e nos permitiram desenvolver este projeto. Muito obrigado a todos! As docentes: Isabel Viegas, Ana Oliveira e Bela Matos página 4

[close]

p. 5

Filosofia GENTE QUE CONTA - CHRIS JORDAN : Nas palavras do próprio, Chris Jordan era um homem infeliz antes de se dedicar por inteiro ao que faz hoje. Outrora um promissor advogado em Seattle, E.U.A., confessa que todos os dias o atormentava um sentimento de vazio perante a perspetiva de uma vida vivida sem sentido num sonho americano que não era o seu: ambição, sucesso, dinheiro, poder… a qualquer preço. Fotógrafo amador desde os seus tempos de estudante, confessa que este passatempo se tornou cada vez mais um refúgio terapêutico, conferente de significado à espuma volátil dos dias. Hoje, aos 52 anos e abandonada de vez a carreira de advocacia, Chris Jordan sente-se realizado como fotógrafo. E ecologista. Aliando estes dois grandes interesses, as suas fotografias – de grandes dimensões, cerca de 182cmx246cm, em média – devolvem-nos ao olhar os restos de cada dia, de cada hora ou de cada minuto, de um modo de vida cada vez mais voraz. Sob a forma de tema artístico, o lixo quotidiano do que consumimos displicentemente ganha a forma de uma interrogação que se forma no nó na garganta e nos interpela à reflexão: “Como é possível?” No jogo de contradições em que se desenvolve esta presencialidade da realidade, o espectador divide-se entre o cepticismo materialista e a angústia existencial, mas é a diminuição das distâncias que altera as consciências. Desse momento em diante, excepto por uma questão de má fé, já não podemos alegar a inocência de uma ignorância que há muito não possuímos, mesmo fazendo vista grossa, nem descartar o que presenciamos como um puro exercício de estilo: “A imensa escala do consumo pode parecer desoladora, macabra, cómica e irónica, porém, ao mesmo tempo bonita, se vista como arte. O consumismo detém um sedutor tipo de mentalidade", afirma o fotógrafo. Contudo, acrescenta que “a minha esperança é que estas fotografias possam servir como portais para uma espécie de auto-inquérito cultural. As imagens deixam-nos desconfortáveis. De longe é arte, de perto, lixo." O trabalho de Chris Jordan pode ser visto em www.chrisjordan.com Apresenta 426.000 telemóveis, o mesmo número dos que são deitados ao lixo todos os dias nos Estados Unidos. Telemóveis (2007) 1,52m x 2,54m Zoom parcial Ricardo Oliveira (professor de Filosofia) Tamanho real página 5

[close]

p. 6

Português O Carnaval Catarina Barbosa , 7º C Pensa-se que o Carnaval terá tido origem em meados dos anos 600 a 520 a.C., através do qual os gregos agradeciam aos deuses pela fertilidade do solo e pela produção. A Igreja Católica adotou estes festejos em 590 d.C. O Carnaval moderno nasceu durante o século XX, na época vitoriana, e é festejado com desfiles e disfarces. Paris foi a principal cidade a espalhar a tradição do Carnaval. O Carnaval parisiense inspirou cidades como Nice, Santa Cruz de Tenerife, Nova Orleães, Toronto e Rio de Janeiro. Esta última criou a tradição de fazer desfiles com escolas de samba. O Carnaval do Rio de Janeiro está atualmente no livro do Guiness World Records como o maior carnaval do mundo. Guerra na Ucrânia Esta guerra começou quando a Rússia decidiu “atazanar a cabeça à Ucrânia”, disparando mísseis e todo o tipo de armas que se possa imaginar. A Ucrânia respondeu com guerra. O objetivo era fazer com que a Ucrânia voltasse a ser parte da Rússia. Houve, até agora, dois cessar-fogo (pedidos, de tempo limitado, de paz) e milhares de mortos, para além de milhares de feridos. Para além disto, a Rússia já conquistou uma região da Ucrânia chamada Debaltseve e está à espera de conquistar o resto da Ucrânia. Esperemos, então, que isto chegue a consenso, porque a guerra não parece ter fim. Carolina Diogo, Nº8, 7ºC página 6

[close]

p. 7

Português (Em nome de Allah) ? ãÓ È Allah é a palavra árabe para designar Deus. Embora a palavra seja mais conhecida no Oriente devido ao seu uso por parte dos muçulmanos, é utilizada por aqueles que falam árabe de todas as fés abraâmicas, incluindo judeus e cristãos. No islamismo, o nome de Allah é nome divino, geral e supremo, ao qual se acredita que todos os nomes divinos se refiram. Na perspetiva islâmica, este é único, a única Divindade, o criador do Universo e omnipotente. O islão ensina seis crenças principais: · A crença num único Deus; · A crença em anjos, seres criados por Deus; · A crença nos livros sagrados, incluindo a Torá, os Salmos e o Evangelho. O Alcorão é o mais completo livro sagrado, constituindo a coletânea dos ensinamentos revelados por Deus ao profeta Maomé; · A crença em vários profetas enviados à humanidade, dos quais Maomé é o último; · A crença no dia do Julgamento Final, no qual as ações de cada pessoa são avaliadas; · A crença na predestinação: Deus tudo sabe e possui o poder de decidir o que acontece a cada pessoa. Os cinco pilares do islão são: · A recitação e aceitação da crença (Chahada); · Orar cinco vezes ao longo do dia (Salá); · Pagar esmola (Zakat); · Prática do jejum no mês do Ramadão (Saum); · Fazer a peregrinação a Meca se tiver condições físicas e económicas (Hajj). O islamismo é por muitos considerada a religião mais violenta devido a vários ataques praticados por grupos extremistas, tais como os ataques às Torres Gémeas a onze de setembro de 2001, ou mais recentemente os atentados contra o jornal satírico francês “Charlie Hebdo”. Este último aconteceu devido a uma caricatura de Maomé realizada pelo jornal, o que vai contra uma das leis do Alcorão que diz que Maomé não pode ser caracterizado uma vez que não existe qualquer descrição dele no livro sagrado. Muitos dos costumes desta religião não estão de acordo com os ideais modernos já que muitos fundamentalistas defendem a submissão da mulher, a perseguição a cristãos e o assassinato de dissidentes em países islâmicos. As condições de vida das mulheres em países fundamentalistas é extremamente precária e é considerado que estas valem menos que os homens. Um exemplo disto é a lei islâmica que diz que uma mulher considerada adúltera é enterrada até ao pescoço e apedrejada até à morte. Catarina Catarina Barbosa Barbosa , 7º C , 7º C página 7

[close]

p. 8

CEF e Profissional de Restauração variante Mesa e Bar Visita à BTL Os alunos dos cursos CEF e Profissionais de Técnico de Restaurante / Bar participaram em mais uma edição da Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL) 2015, no parque das Nações. O contacto com a realidade e possibilidade de conhecer novas tendências da Restauração e Hotelaria, bem como, a sua diversidade. Os alunos tiveram a oportunidade de visitar ainda, a Assembleia da República e a Quinta de Enoturismo “Joaquim D´Avó”. Apoio a espetáculo No dia 7 de Março de 2015 pelas 21h30m, na Casa da Cultura de Santa Comba Dão, o fadista Mico da Câmara Pereira alegrou toda a comunidade presente no auditório. Esta iniciativa contou com o apoio dos alunos dos cursos CEF e Profissionais do Agrupamento de Escolas de Santa Comba Dão, que serviram um Dão de Honra no intervalo do evento e do município de Santa Comba Dão. Comemoração do Dia dos Namorados A comemoração do Dia dos Namorados no Agrupamento de Escolas de Santa Comba Dão por parte dos alunos dos cursos CEF e profissionais de Técnico de Restaurante e Bar. Estas atividades são dinamizadas pelos professores da componente tecnológica de mesa e bar. página 8

[close]

p. 9

CEF e Profissional de Restauração variante Mesa e Bar Curso Vocacional Com o arranque de uma nova modalidade de ensino – C u r s o Vo c a c i o n a l , o s respetivos alunos prepararam e serviram um pequeno lanche para os seus Encarregados de Educação, no dia 3 de Fevereiro. CEF com a APPACDM Em parceria com a A P PA C D M , o s alunos dos cursos C E F e Profissionais de Técnico de Restaurante e Bar do Agrupamento de Escolas de Santa Comba Dão serviram refeições aos utentes. Esta experiência foi extremamente engrandecedora, na qual, foi muito importante o enriquecimento do valor Humano. Ceia de Natal No dia 18 de Dezembro, os alunos dos cursos CEF e Profissionais, em parceria com a Dão Catering, procederam à preparação e serviço da Ceia de Natal dos Professores. Estas experiências permitem um maior conctato com a realidade, num contexto mais profissional. página 9

[close]

p. 10

Artes Visuais Banda Desenhada BD BD BD 9ºA março2015 Vol.I março2015 Vol.II 9ºB março2015 Vol.III AgrupamentodeEscolasdeSantaCombaDão Departamento de Expressões - Educação Visual AgrupamentodeEscolasdeSantaCombaDão Departamento de Expressões - Educação Visual AgrupamentodeEscolasdeSantaCombaDão Departamento de Expressões - Educação Visual Clique nas imagens para aceder aos albuns de Banda Desenhada na internet! No âmbito da disciplina de Educação Visual, foi pedido aos alunos que fizessem “o sacrifício” de ler um livro e nos dessem a honra de partilhar um resumo dessa leitura. Para isso, teriam de fazer a introdução, o desenvolvimento e a conclusão...em Banda Desenhada. Pediu-se também que o texto fosse sempre legível, que os erros ortográficos não existissem e depois estragou-se tudo quando se disse que fossem fieis à sua imaginação, quando a capacidade de síntese não desse para mais. Os resultados mostram os defeitos de quem inventou à bruta, arriscou aqui e ali um traço mais ousado que não resultou, expôs um texto em português ainda parente do chinês (com “calinadas” na gramática, erros factuais e até históricos). Alguns puderam ser salvos a tempo. Muitos outros não. Aprender é isso mesmo. A seguir sairá melhor! Mas mostram-se aqui também qualidades plásticas de quem se esforçou por contar uma estória o melhor que conseguia e, em alguns casos, se superou nessa empreitada. Votos de continuação de bom trabalho! Prof. Luís Reis Professores Áurea Silva, Joaquim Silva e Luís Reis página 10

[close]

p. 11

Artes Visuais Pop Art Clique nas imagens para aceder aos albuns de trabalhos dos alunos! POPart POPart POPart 8ºA Vol.I fevereiro2015 fevereiro2015 AgrupamentodeEscolasdeSantaCombaDão Departamento de Expressões - Educação Visual o âmbito da disciplina de Educação Visual fezse uma singela abordagem à Pop Art . Daí “arrancou-se a ferros” uma fotografia individual aos alunos, para receber um tratamento de seleção tonal. Três tons foi o pedido, mas se contarem mais não se admirem! (nem sempre a atenção é muita). Seguiu-se a pintura dos tons selecionados com três cores diferentes ou três tons da mesma cor. Por fim, foi pedida uma interpretação artística do resultado obtido nas pinturas, desta vez usando a técnica de colagens. Os resultados por vezes têm fortes semelhanças com a matriz, outras não, o que só os enriqueceu. Espero que gostem! Prof. Luís Reis N 8ºB Vol.II AgrupamentodeEscolasdeSantaCombaDão Departamento de Expressões - Educação Visual 8ºC fevereiro2015 Vol.III Professores Áurea Silva, Joaquim Silva e Luís Reis AgrupamentodeEscolasdeSantaCombaDão Departamento de Expressões - Educação Visual página 11

[close]

p. 12

Educação Moral e Religiosa Católica Via-Sacra No passado dia 18 de março, realizou-se uma Via-Sacra dinamizada por alunos dos 11ºs e 12ºs anos do Agrupamento de Escolas de Santa Comba Dão, matriculados a Educação Moral e Religiosa Católica. A Via-Sacra teve a colaboração dos alunos dos Cursos Básico e Profissional de Música sob a maestra batuta do professor Mário Cruz e contou também com a participação de alunos do AESCD, de pais, professores e funcionários, do Padre Carlos Casal, que orientou a Oração durante a procissão da Via-Sacra. Percorrendo várias artérias da cidade terminou na Igreja Matriz com a atuação do Grupo Coral da Filarmónica de Santa Comba Dão. Um agradecimento ao agrupamento de Escuteiros de Santa Comba Dão que garantiram a organização do percurso e da Guarda Nacional Republicana que garantiram, de forma profissional e eficaz, a segurança de todos os intervenientes nesta atividade. Certos que o momento vivido por todos foi válido uma vez que a Via-Sacra, percurso e caminho importante para os Cristãos, também o será, certamente, para todos os que se identificam nesta época de arrependimento, perdão e redenção. Os professore de EMRC, agradecem a todos os que tornaram possível, uma vez mais, a realização da ViaSacra. página 12

[close]

p. 13

Educação Moral e Religiosa Católica Alunos de EMRC da Diocese visitaram Taizé Num ambiente de imensa simplicidade, onde uma simples colher serve de talher, rodeada por uma magnífica paisagem natural, encontra-se Taizé, este pequeno paraíso na Terra, onde se proporciona o encontro com Deus, com os outros e connosco próprios. Vivem nesta Comunidade Ecuménica de Taizé cerca de 100 irmãos, de diferentes igrejas cristãs e de mais de 20 nacionalidades, que acolhem todos os anos milhares e milhares de jovens de todo o mundo. Este é um ano especial para a Comunidade, uma vez que se conjugam várias datas importantes: o centenário do nascimento do seu fundador, o irmão Roger; os 75 anos da chegada do irmão Roger a Taizé e os 10 anos da sua morte. Será todo um ano de comemorações com especial atenção para aquelas que decorrerão durante os meses de julho e agosto. O Departamento do Ensino Religioso nas Escolas, do Secretariado Diocesano da Educação Cristã, realizou este ano, uma vez mais, a visita dos alunos da diocese a Taizé. Esta viagem ocorre já desde o ano 2001. Inicialmente participavam na iniciativa apenas algumas escolas mas, desde há quatro anos, o Departamento do Ensino Religioso associou-se à iniciativa e alargou-a a todas as escolas secundárias. A visita decorreu entre os dias 14 e 22 de fevereiro e contou com a participação de 263 alunos do 10.º, 11.º e 12.º anos, inscritos na disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica, 14 ex-alunos já a frequentar o ensino superior, 26 professores de EMRC e de outras áreas disciplinares e um sacerdote, o padre Victor Dias, missionário comboniano, num total de 304 pessoas. Estiveram envolvidas na iniciativa os Agrupamentos de Escolas de Oliveira de Frades, S. Pedro do Sul, Santa Comba Dão, (27 alunos do 11º e 12º ano e três professores) Penalva do Castelo, Sátão, Tondela (Tomás Ribeiro), Mangualde, e as escolas secundárias Viriato e Alves Martins, de Viseu. Estavam presentes em Taizé cerca de 1100 alunos portugueses e alunos e adultos de outras nacionalidades, com grupos significativos dos Estados Unidos, da França, da Itália e da Alemanha. Entre o grupo de participantes encontravam-se vários alunos que visitavam Taizé pela segunda, terceira ou quarta vez. Este grupo foi muito importante para ajudar a integrar os mais novos e todos os que participavam pela primeira vez. O programa semanal de Taizé, ritmado ao som dos sinos e dos cânticos das três orações diárias, é bastante intenso. Os alunos participam também, todas as manhãs, nos encontros bíblicos orientados por um irmão e nos debates em pequenos grupos. Há ainda a possibilidade de participar em trabalhos de voluntariado como distribuição de refeições, lavagem de louça, limpeza dos espaços ou manutenção de equipamentos, especialmente para os mais velhos. À noite, no Oyak, espaço de diversão e de convívio, os jovens dão largas à sua imaginação com danças, músicas e brincadeiras, num verdadeiro espaço intercultural. No seguimento desta iniciativa os alunos são convidados a participar nas orações mensais de Taizé cujo calendário pode ser consultado no site da pastoral juvenil da diocese. Entretanto, de forma mais organizada, está prevista a participação de todos na oração de Taizé do dia 27 de março, às 21.00h, no Complexo Paroquial de Mangualde. Fica o desafio, como eco daquilo que muitos destes jovens disseram na avaliação da visita: «Taizé só fará verdadeiramente sentido se nos ajudar a transformar, para melhor, os lugares onde vivemos, a família, a escola, a sociedade e a nossa comunidade cristã». Departamento do Ensino Religioso nas Escolas da Diocese de Viseu página 13

[close]

p. 14

Educação Moral e Religiosa Católica Viagem de Estudo a Santiago de Compostela Nos dias 20 e 21 de março os alunos matriculados a Educação Moral e Religiosa Católica, participaram na viagem de estudo a Santiago de Compostela. Dinamizada pelo grupo de EMRC, a atividade contou com a colaboração da professora Adelaide Gonçalves, Teresa Estrada, João Pedro, Jacinta Almeida e Isabel Craveiro. A diversidade cultural, e a proposta religiosa da Viagem de Estudo, permitiu cimentar conceitos ao nível do fenómeno religioso e da arte como transmissão da fé. O contacto direto com um dos maiores centros da Cristandade, serviu para aferir a importância da religião e da espiritualidade no crescimento integral do Homem, na relação com o outro e na sua construção enquanto ser social. Os professores de realçam o comportamento dos alunos durante a viagem de estudo que foi muito satisfatório. Exposição “Símbolos Pascais” Os alunos do Agrupamento de Escolas de Santa Comba Dão do 6º ano de escolaridade, demonstraram muito empenho e dedicação na construção do Presépio “reciclado” de Turma, no âmbito do projeto proposto pela disciplina de EMRC, o qual irá ser oferecido a uma Instituição do concelho de Santa Comba Dão. Os alunos selecionaram as seguintes instituições: Bombeiros Voluntários de Santa Comba Dão, Lar da Santa Casa de Misericórdia de Santa Comba Dão, Lar de Idosos do Vimieiro, Lar de Idosos de São Joaninho e a APPACDM de Vila Pouca. página 14

[close]

p. 15

! a p i c i t r Pa Visita a Holíè na Eslováquia Entre sete e quinze de março deste ano, oito alunos e dois professores da Escola Secundária de Santa Comba Dão participaram num programa de intercâmbio, inserido no Programa Erasmus+, na cidade de Holíè, na Eslováquia. O Projeto liderado pelas questões ambientais promoveu uma série de workshops e visitas temáticas pela Eslováquia, não esquecendo os lugares mais emblemáticos do país como Bratislava ou as Montanhas Tatra. Tendo como anfitriões os seus colegas da escola “Gymnázium, Obchodní akademie a jazyková škola správem státní jazykové zkoušky Hodonín”, esta iniciativa envolveu ainda mais quatro países europeus como a Áustria, Turquia, Itália e a República Checa. No próximo mês de maio, um grupo de cerca de 47 alunos e 17 professores das diferentes escolas envolvidas irão reunir-se em Santa Comba Dão para debaterem as questões ligadas às boas práticas energéticas e para conhecerem melhor o nosso país. Neste programa de intercâmbio o Agrupamento de Escolas de Santa Comba vai promover uma série de iniciativas dedicadas aos visitantes e, para o efeito, tem agendadas uma série de atividades para divulgar o património natural e cultural da nossa região. Aos alunos que ainda pretendam participar basta contactar o professor coordenador. Prof.coordenador Luís Reis Testemunho de aluna participante no Erasmus+ Este projecto, Erasmus +, foi sem quaisquer dúvidas uma das melhores experiências da minha vida, conheci e aprendi imensas coisas (lugares, costumes, receitas, pessoas, línguas) e experienciei algumas atividades que nunca tinha feito. Os sítios que eu e o resto do grupo visitámos deixaram-nos de bocas abertas e deslumbrados, o que deixou muitos de nós sem bateria nas câmaras fotográficas no primeiro dia. Tivemos o privilégio de conhecer Viena, na qual adorei a cidade, não só por ser bonita, mas também a civilização e a limpeza das ruas, que apesar de toda a agitação, é bom ter em consideração esse factor. Já em Holíc, Eslováquia, o que mais nos surpreendeu foi a neve, algo não muito comum em Portugal, mas divertimo-nos imenso, e foi algo que fez com que os grupos se aproximassem mais. Mas não só a neve fez essa ligação com os grupos dos diversos países, mas também os workshops, as visitas aos castelos, os jantares/almoços deliciosos concebidos pelos alunos da Escola, e de outras actividades, como a da produção de receitas típicas de cada país, no nosso caso tivemos a ajuda dos alunos da Turquia, o que fez com que criássemos amizade. O melhor de tudo, é o facto de continuarmos a ter contacto com maior parte deles, estamos todos os dias a trocar mensagens, e esperamos um dia encontrarmo-nos todos, pois o que criámos não foi só uma simples amizade, criámos uma “família” que esperamos nunca esquecer. A minha participação neste projeto, fez com que eu abrisse novos horizontes, e quem sabe abrir portas para o meu futuro. Este tipo de projetos é excelente para os alunos para que possam fazer o mesmo que eu, e enriquecer o conhecimento. Queria agradecer ao professor Luís Reis por ter avançado no projecto, e pelo êxito que foi, ao professor António Ferraz, à Senhora Diretora Madalena Dinis por ter colaborado e aprovado o projecto e outros docentes pela colaboração, pois “sem trabalho nada se faz”. Mariana Ferraz 11ºD nº14 página 15

[close]

Comments

no comments yet