Eco Agosto 2015

 

Embed or link this publication

Description

Informativo MTG

Popular Pages


p. 1

ECO DA TRADIÇÃO - ANO XIII - Nº 168 - AGOSTO DE 2015 Mais um bom motivo para optarmos por hábitos saudáveis e cevarmos um mate bem topetudo Páginas 2 e 12 81ª Convenção simplifica Dep. Pompeo de Mattos, um regras, normas e regulamentos poeta com o pé no estribo Foto: Anijane Varela Foto: Liliane Pappen Chama Crioula e a história do Gaúcho Página 02 EDITORIAL ECO ENTREVISTA Conheça as 3ª prendas e peões do RS Páginas 14 e15 CITG Página 03 Página 20 Manollo assume a presidência Página 07 Chama foi acesa em Colônia-UY Página 10 Foto:TV Divulgação Foto: Tradição Foto: Odila Savaris Ordem dos Cavaleiros do Rio Grande do Sul, liderada pelo seu presidente, Airto Timm, e o vice-presidente da Fundação Cultural Gaúcha, Gustavo Bierhals, encararam,com seus companheiros gaúchos e uruguaios, a difícil incumbência de transladar a Chama Crioula de Colônia até o Chuí, em 30 dias.

[close]

p. 2

2 Ano XIII - Edição 168 EDITORIAL Manoelito Savaris - Presidente Agosto de 2015 OPINIÃO Por: Mauro Gimenez Médico Rua Guilherme Schell, 60 Porto Alegre / RS CEP: 90640-040 Email: ecodatradicao@mtg.org.br www.mtg.org.br mtg-rs.blogspot.com wp.clicrbs.com.br/mtg Contato: 51. 3223-5194 A chama crioula e a história do gaúcho O acendimento anual da Chama Crioula marca o início das atividades comemorativas da Revolução Farroupilha, o que atualmente denominamos “festejos farroupilhas”. Trata-se de momento importante e com alto grau de significação, mesmo porque o local escolhido é sempre um ponto histórico e que se presta a estudo e reflexão. Neste ano de 2015 o acendimento ocorreu no sítio histórico da Colônia do Santíssimo Sacramento, hoje cidade de Colônia no Uruguai. Quem esteve na cerimônia, no dia 12 de julho, sentiu a emoção de estar participando de um momento único e transcendente. A presença dos cavaleiros, o fogo crepitando no centro da praça maior, as pessoas emocionadas, tudo contribuiu para que pudéssemos realizar um ato histórico importante. No entanto, isso que fizemos, mais a cavalgada de Colônia ao Chuí, o desfile em Montevidéu e tudo o mais que ainda será feito, precisa servir para melhorar nosso conhecimento sobre o gaúcho, sua história e a herança cultural que recebemos. Fernando Assunção, um dos maiores historiadores do Uruguai, escreveu: “Conhecer o gaúcho é como por a mão sobre o peito aberto da pátria, sentir viva e quente a batida de seu coração”. Isso serve para todos que se sentem parte daquilo que se tem denominada “pátria gaucha ou gaúcha”. O mesmo historiador, em seu livro “El Gaucho”, afirma que “el gaucho es el producto axial de la cultura ganadera cimarrona de las pampas húmedas atlántico-platenses en la América del Sur. Es el habitante de la última gran frontera que constituyó dicha región”. Há quem diga simplesmente: “o gaúcho é filho do boi”. Não há dúvidas de que a estrutura social e cultural da pampa é uma consequência dessa atividade humana centrada na caça e depois na criação e exploração do gado vacum, sempre utilizando como meio de locomoção o cavalo. Aceitando essas premissas, voltamos à Colônia e lembramos que foi lá o surgimento dos primeiros gaúchos de influência portuguesa. O gaúcho com influência espanhola já tinha aparecido no Paraguai e na Argentina. Entre o surgimento de Colônia, 1680, e a fundação do Forte Jesus-Maria-José, 1737, há duas gerações de homens e mulheres de várias descendências (charruas, minuanos, guaranis, espanhóis, portugueses, mamelucos brasileiros e platinos) espalhados por um largo território que passou a ser disputado entre as duas coroas ibéricas. Cristóvão Pereira de Abreu – primeiro tropeiro do Rio Grande – levou as primeiras tropas de gado para o centro do Brasil, saindo de Colônia. Isso antes de haver qualquer ocupação portuguesa em território sul-rio-grandense. O Gaúcho nasce antes do Rio Grande. O gaúcho que cultuamos, que idealizamos, que cantamos e decantamos, nasce na pampa – esse espaço físico, sem delimitação precisa, que traz em si conceitos de apego à terra, de liberdade, de valentia, de guerra, de cavalo e de muito boi – se forma, se consolida e se transforma. O Gaúcho original não existe mais, não por ter desaparecido como ocorreu com o povo charrua, mas por ter se adaptado e se transformado. Daí a convicção de que o gaúcho de hoje é um conceito cultural. É produto de uma história única que teve a participação de várias culturas no momento da formação e que assimilou outras (especialmente a açoriana, a alemã e a italiana) no período de transformação que sucede a Revolução Farroupilha, episódio fundador da identidade da sociedade sul-rio-grandense. A Chama Crioula de 2015 que vem abençoada pelo Patrono do festejos farroupilhas Pe. Amadeu Canellas, quando chegar às praças públicas, aos CTGs, às escolas, aos acampamentos do Rio Grande do Sul, deve ser saudada como a representação da história do gaúcho que brotou da terra, que nasceu da pampa, que fez pátria entre Colônia e Laguna. O risco do uso excessivo de energéticos Os energéticos surgiram na década de 80, quando o austríaco Dietrich Mateschitz, vendedor de uma empresa de cosméticos notou que vários motoristas de táxi de Bangcoc tomavam um tônico chamado Kraeting Daeng (“touro vermelho” ou em inglês “Red Bull”) e resolveu lançar na Europa criando o mercado de bebidas energéticas. Infelizmente estas bebidas estão sendo utilizadas de maneira equivocada e até de forma desregrada, principalmente pelos jovens na atualidade. Os energéticos tem em sua composição a cafeína, e outras substancias estimulantes tais como a taurina e a glucoronolactona que potencializam a resposta do cérebro aos estímulos, deixando o corpo mais ativo ou acelerado. Isto pode acarretar sérios efeitos colaterais tais como: insônia, aceleração ou irregularidade dos batimentos cardíacos, irritabilidade, agitação etc. O grande problema que vejo, é que o uso deste tipo de produto mascara a fadiga do corpo. Todos sabemos que necessitamos obrigatoriamente de períodos de descanso para repor a energia do nosso organismo. Além destes problemas, pessoas que tenham alguma patologia cardíaca e que porventura ainda não as saibam, correm o sério risco inclusive de ataques cardíacos, a saber: taquicardias, arritmias severas e até ata- EXPEDIENTE: SUPERVISÃO: Manoelito Carlos Savaris DIREÇÃO GERAL: Nairioli Callegaro DIREÇÃO DE REDAÇÃO: Rogério Bastos DIAGRAMAÇÃO E DESIGN: Liliane Pappen CONSELHO EDITORIAL: Nairioli Callegaro, Odila Paese Savaris e Gustavo Bierhaus JORNALISTAS RESPONSÁVEIS: Rogério Bastos (16.834) Liliane Pappen (16.835) Fúlvio Lopes (16.200) COLUNA FALA TCHÊ: Ticiana Leal COMERCIAL E EXPEDIÇÃO: Emeli Duarte IMPRESSÃO: Zero Hora TIRAGEM: 3 mil exemplares “Insônia, aceleração ou irregularidade dos batimentos cardíacos, irritabilidade, agitação são alguns dos efeitos colaterais dos energéticos” ques cardíacos mais graves como o infarto. Outro motivo de preocupação é a ingestão de energéticos associados a bebidas alcoólicas. Nos Estados Unidos está sendo investigado o caso de 05 mortes associadas ao uso desta bebida, e em Nova Iorque já está sendo controlada e inclusive desaconselhada a mistura com álcool. Infelizmente no meio tradicionalista também estamos vendo o uso destas substancias sem o mínimo controle, principalmente durante competições de dança. Obviamente que o uso controlado de energético, em pessoas saudáveis, pode não afetar a saúde. Mas, sabemos se temos o coração em perfeitas condições? A minha sugestão é que não façam de um encontro de danças uma ultramaratona que possa prejudicar a saúde. Tenham alimentação balanceada, períodos decentes de descanso e principalmente, vivam o tradicionalismo gaúcho com prazer e admiração, sem stress ou exagero competitivo. Atendimento 09 às 12 horas e das 13 às 18 horas De segunda a sexta-feira Valores da Anuidade R$ 965,92 Plena R$ 830,03 Parcial R$ 512,96 Especial Estudantis R$ 150,59 40% do valor é repassado às RTs. Agosto Valor MTG: PRESIDENTE: Manoelito Carlos Savaris VICE PRESIDENTE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS: Nairioli Callegaro VICE PRESIDENTE DE CULTURA: Elenir Winck VICE PRESIDENTE ARTÍSTICO: José Roberto Fischborn VICE PRESIDENTE CAMPEIRO: José A. Araújo VICE PRESIDENTE ESPORTES: Martim Guterres Damasco Não nos responsabilizamos pelas opiniões publicadas no jornal

[close]

p. 3

Ano XIII - Edição 168 81ª CONVENÇÃO TRADICIONALISTA Agosto de 2015 3 MTG decide pela simplificação de regras, normas e regulamentos Fotos: Rogério Bastos Fotos: Rogério Bastos 22ªRT foi uma das regiões que veio em comitiva para Convenção Autoridades presentes na abertura da 81ª Convenção Conselheiros Beneméritos receberam seu mais novo membro, Carlos Volkart (C), ex-coordenador da 22ª RT 18ª e 29ªRTs representadas no conclave estadual Nairo Callegaro se pronunciando logo após o anuncio de sua candidatura à presidência do MTG, em 2016 Exemplo de democracia: Meninos decidiram o que era melhor para eles na modalidade “Vaca parada” Prendas juvenis de todo o estado se reuniram com as prendas juvenis do RS durante a 81ª Convenção O Movimento Tradicionalista Gaúcho realizou em Porto Alegre, no sábado, 24 de julho, a 81ª edição da Convenção Tradicionalista, evento que reúne coordenadores regionais, conselheiros e tradicionalistas de todo o Rio Grande do Sul para discussão de novas proposições nas áreas cultural, campeira, esporte e artística, regulando a criação e realização de eventos, projetos e cursos, entre outros. O Teatro Dante Barone, da Assembleia Legislativa, esteve lotado para analisar 41 propostas, com a participação de mais de 600 pessoas. As atividades foram mediadas pelo presidente do Movimento, Manoelito Savaris. Em formato que primou pela democracia, com explanação de autores, relatores e convencionais, o evento proporcionou a ampla participação dos tradicionalistas na decisão dos rumos do MTG. Nesse sentido, no centro das discussões estiveram as atividades competitivas, tanto na área artística como campeira. Segundo o presidente do Movimento, a crescente qualidade das apresentações fez com que com o passar do tempo fossem sendo elevados os critérios de avaliação, a partir de novas e novas regras. “Hoje vivemos o desafio de simplificar o funcionamento de todas as atividades e a convenção evidenciou esse desejo, que é da diretoria e é também de toda a base de tradicionalistas, que hoje soma mais de 800 mil pessoas”, afirma. A diretoria do MTG ficou satisfeita com a participação expressiva dos tradicionalistas, demonstrando assim o crescimento do Movimento no estado. “O MTG é constantemente renovado com o ingresso de novos tradicionalistas, principalmente de jovens”. Segundo ele, novas ideias oxigenam as atividades do MTG e eventos como a Convenção e o Congresso Tradicionalista são os principais palcos para que novas proposições sejam apresentadas. Durante o evento, o presidente Savaris apresentou seu candidato à sucessão, o atual vice-presidente de Administração e Finanças, Nairioli Antunes Callegaro. Deputado Federal Pompeo de Mattos(E) posou para fotos Nicanor Castilhos apresentou propostas campeiras Aline(E) 2ª Prenda do RS com a Coordenadora Lauri Almeida, a 1ª prenda da 8ªRT e com Marilia Dornelles Prendas adultas realizaram trabalhos com prendas estaduais Prendas e Peões do RS marcaram presença no evento Prendas mirins regionais ao lado das mirins do RS Caroline Lemos (D) entregou a faixa de 1ª Prenda do RS, mas permanece ativa no Movimento Tradicionalista

[close]

p. 4

4 PROSEANDO COM TENÊNCIA Ano XIII - Edição 168 Agosto de 2015 MOVIMENTO TRADICIONALISTA GAÚCHO Casos e Acasos Por Rogério Bastos Dicas para falar bem em público Apresentar trabalho Teste tudo com antecedência suficiente para corrigir problemas; leve sempre material sobressalente (nunca confie em uma só mídia) – coloque sua palestra na “nuvem”; Repasse toda apresentação; Uma das providencias que deverá ser tomada é prever na elaboração do seu roteiro de apresentação o uso de recursos audiovisuais. Familiarize-se com os equipamentos. Cuide sua voz, sua respiração, relaxe (sem exagerar), beba muita água, preferencialmente, sem gás, evite comer demais antes da sua fala, durma bem, entre 7 ou 8 horas, não grite, nem force a sua voz, lembre-se que álcool de cigarro não combinam com uma boa voz, evite falar durante um processo de gripe ou resfriados, lembre-se que boa dicção é pronunciar corretamente as palavras. Ter estado em Uruguaiana, dia 18 de julho, para palestrar foi gratificante. Vi muitos amigos e fiz novas amizades. Conheci novas entidades e descobri um pouco da historia de cada uma delas. Fizemos um exercício na palestra de história do RS, onde cada uma delas escreveu a sua própria linha do tempo (timeline). Doze entidades estiveram representadas e escreverama sua história: Piquete Lourival Dias de Freitas (2012); CTG Candinho Bicharedo (1961); CTG Sinuelo do Pago (1956); CTG Tríplice Aliança (2000); DTG Clube Juventude, do Alegrete (1998); Grupo Nativista Ibirapuitã (1981); CTG Sentinela da Fronteira (1970); Piquete Saraguá (1990); CTG Patrulha do Oeste (1954); DTG Emilio Zuñeda (1998); CTG Vaqueanos da Fronteira (1960); e o Centro Farroupilha de Tradições Gaúchas (1954). Como presidente do Conselho da Comissão Gaúcha de Folclore não posso deixar de lembrar meus amigos que temos de organizar eventos referentes à semana do folclore. O folclore gaúcho é muito rico e diversificado, com nossas lendas, contos, brincadeiras, receitas, e o dia de se comemorar é 22 de agosto. E para encerrar, fica minha homenagem ao dia dos pais, exatamente no ano, em que pela primeira vez, passarei sem o meu. Virgilino Bastos foi um homem campeiro, humilde, nascido na região das Palmas, distrito de Bagé, e que, até seus 74 anos, repassou ensinamentos a todos os que o rodeavam. Que ele descanse em paz, e que sua trajetória tenha sido de inspiração para aqueles que aprenderam com ele. Feliz dia dos pais! Calendário do MTG - 2º Semestre DATA 15/08 22 e 23/08 29/08 14 a 20/09 26 e 27/09 03/10 10 e 11/10 17 e 18/10 20/10 31/10 31/10 31/10 31/10 31/10 07 e 08/11 14 e 15/11 20 a 22/11 21/11 28/11 09/12 09/12 12/12 EVENTO Distribuição da Chama Crioula 1ª Inter-Regional do Enart 5ª Reunião Conselho Diretor Semana Farroupilha 2ª Inter-Regional do Enart 5ª Reunião de Coordenadores Regionais e Diretores Culturais 3ª Inter-Regional Enart 2º Fegadan Sorteio da Ordem de Apresentação da Final do Enart 2015 49º Aniversário do MTG Apresentação dos Homenageados - Medalha Barbosa Lessa Apresentação dos Homenageados - Medalha João Carlos de Moura Apresentação dos Homenageados - Comenda João de Barro Apresentação dos Títulados Orcav Aberto de Esportes 19º Congresso Nacional da Tradição Gaúcha - (CBTG) Final do Enart 2015 - Encontro de Arte e Tradição Gaúcha 16ª Mostra de Arte e Tradição Gaúcha 6ª Reunião do Conselho Diretor e 6ª Reunião de Coordenadores Regionais e Diretores Culturais Frederico Westphalen/RS Caxias do Sul/RS Sede-MTG Camaquã/RS Camaquã/RS Camaquã/RS Camaquã/RS Camaquã/RS Tramandaí/RS Sapezal/MT Sta. Cruz do Sul Sta. Cruz do Sul Porto Alegre Venâncio Aires CIDADE Chuí/RS São Jerônimo/RS Cfor Patronagem em Uruguaiana Semana do Folclore Prazo Final - Eleições Coordenadorias Regionais Prazo Final - Apresentação Proposições 64º Congresso Tradicionalista Gaúcho Reunião de Encerramento - Confraternização Natalina Um adeus a meu pai O Gaúcho como patrimônio imaterial da humanidade Preservação: MTG apoia iniciativa que busca reconhecer a �igura do gaúcho como Patrimônio Imaterial da Humanidade. O Movimento Tradicionalista Gaúcho do Rio Grande do Sul é solidário ao projeto empreendido por sociedades tradicionalistas e crioulas de Brasil, Argentina e Uruguai, que fecharam um acordo para trabalhar no sentido de que a figura do gaúcho seja declarada Patrimônio Imaterial da Humanidade pela Unesco. A iniciativa foi lançada no final de semana, quando aconteceu em Montevidéu, no Uruguai, o Congresso Internacional da Tradição Gaúcha, no qual o MTG esteve representado pelo presidente Manoelito Savaris e demais tradicionalistas. No Uruguai o projeto já foi apresentado ao Ministério da Educação e Cultura, onde foi aconselhado a trabalhar conjuntamente com Brasil e Argentina na elaboração da proposta de Patrimônio da Humanidade. No Brasil, o presidente da CBTG (Confederação Brasileira da Tradição Gaúcha), João Melo, levará a pauta ao deputado Carlos Marun, que coordena a formação da Bancada do Gauchismo, para que a proposta seja da Bancada. Foi prometido em 2013, lutamos, nos reunimos, foi aprovada a emenda do Deputado Federal Paulo Ferreira, (PT), de R$1.000.000,00 para o tradicionalismo gaúcho. Façamos justiça: O Edital que está sendo disputado no estado para os festejos farroupilhas foi uma iniciativa deste deputado, que, depois de conversar comigo e ver as necessidades que haviam neste setor, entendeu destinar este recurso que, penso, é de grande valia em um ano que não existe verbas para nada. Méritos, também, do IGTF que não desistiu. Emenda parlamentar Deputado Paulo Ferreira “ Três conselhos: Nunca tome atalhos em sua vida! Não seja curioso para aquilo que é mal! pois o a curiosidade poderá ser-lhe mortal. Jamais tome decisões em momentos de ódio e de dor! ´poderá arrepender-se e ser tarde de mais” . (André Mansur) Por ir Elom a Malt REFLEXÃO REFLEXÃO Texto: Sandra Veroneze

[close]

p. 5

Ano XIII - Edição 168 DEPARTAMENTO JOVEM Agosto de 2015 5 Marcel Heinrich – Diretor do Dpto Jovem do MTG Os jovens de hoje, tem nas mãos o MTG do amanhã Construindo o futuro: A renovação e o legado do tradicionalismo às novas gerações. ‘’Tenha a origem que tiver, o gaúcho, surgido nesta terra que tem na generosidade de seus horizontes o símbolo de sua própria liberdade, há de ser sempre gaúcho, bastando, às prerrogativas desse título, que ame, como nós amamos, o Rio Grande e o Brasil, e cultue, como nós cultuamos, a língua e as tradições que nos dão um caráter aparte no convívio dos povos continentais.” Com estes versos de Manoelito de Ornellas, o Julho trouxe para nós, vários eventos, desde o acendimento da Chama Crioula na cidade uruguaia de Colônia do Sacramento e seguiu em comitiva para cidade do Chuí, na fronteira com o Brasil, onde em 15 de agosto será distribuída a todo o pampa gaúcho. Entrando Agosto os dois eventos mais importantes e esperados para a nossa juventude gaúcha, o Tchêncontro e o Acampamento Estadual que reúne num mesmo momento e em um mesmo local, jovens tradicionalistas de todos os pagos do Rio Grande. O Jovem Tradicionalista é mais que o futuro, ele se destaca por fazer existir o presente do Movimento Tradicionalista Gaúcho. Desde o 36° Congresso Tradicionalista Gaúcho, ocorrido no ano de 1991, na cidade de Júlio de Castilhos, no CTG de mesmo nome, onde o jovem Luis Henrique, do CTG Tiarayú, levou a frente a proposição para criação de tal data comemorativa relembrando os fatos de 47. Onde em 05 de setembro, é comemorado anualmente o dia do Jovem Tradicionalista, dia daqueles que lutam e defendem de peito aberto a cultura e a preservação da nossa tradição. Cada um ao seu modo e a seu tempo, honra e se dedica a trabalhar pela tradição nas suas regiões, nas suas entidades, trabalho voluntário, como muito bem tem frisado o Presidente Savaris, trabalho do jovem que, mais que se identificar com o movimento e vivencia-lo, tem a clareza de perceber a dimensão e a importância de ser um jovem tradicionalista dentro da sociedade em que vive, em um meio que tem como esteio a família, base de tudo, e consequentemente a grande família tradicionalista. Somos jovens em formação, jovens que com a orientação dos mais experientes, se transformarão nos líderes que terão nas mãos o movimento logo ali adiante. Jovens que são a grande força presente e atuante no movimento tradicionalista gaúcho, e que juntos, somos o Rio Grande! Foto: Mauro Heinrich 1ª RT seleciona representantes na fase regional do ENART 2015 ENART 30 anos: Entidades da 1ª RT participaram da fase regional que de�iniu os representantes para a próxima etapa em Venâncio Aires. A 1ª Regiao Tradicionalista através de seu Departamento Artístico e em parceria com a entidade CTG Rancho da Saudade realizaram nos dias 18 e 19 a fase REGIONAL DO ENART 2015. A classificatória regional dos 30 anos do ENART na 1ª RT abrilhantou a cidade de Cachoeirinha e movimentou nos dois dias de evento mais de quatro mil tradicionalistas das diversas entidades. As atividades aconteceram nas modalidades individuais no sábado e Danças Tradicionais Forças A e B no domingo, nas dependências do CTG Rancho da Saudade, tendo a frente as diversas equipes de trabalho e comissões avaliadoras, o Diretor Artístico Rodrigo Adriano Maciel. A coordenação do evento foi dirigida com muita tranquilidade e pontualidade, seguindo a risca a programação. O evento foi amplamente elogiado por autoridades, coordenadores, patrões, concorrentes e demais tradicionalistas pela a organização em todas as atividades, e pelas inovações elaboradas nesta fase, que contou com um efetivo de trabalho de mais de 53 pessoas responsáveis por orientar, acolher e desempenhar as atividades Desfile com as bandeiras valorizou as entidades participantes propostas. A abertura oficial do evento ocorreu as 13h30min no domingo e teve a participação de 26 entidades da 1ª RT, além de autoridades do poder público, privado de entidades tradicionalistas. Peões e prendas, acompanhados por seus respectivos patrões, apresentaram a bandeira, representando suas entidades na solenidade. Entre os diferenciais das fases de outras edições, o evento contou com a comissão Avaliadora da 1ª Região Tradicionalista, sendo esta, uma das comissões mais preparadas e alinhadas ao MTG. “Pois esta comissão artística já esteve por diversas regiões apresentando o trabalho dela em prol do MTG, e mostrou-se totalmente capacitada à execução do trabalho”, avalizou Nairo Callegaro, Vice-presidente do MTG. Outro ponto forte, foi a visão desta nova gestão na entrega das planilhas ao final do evento, via pendrive. Além da rapidez para finalizar os resultados, as entidades recebem os mesmos, logo após a divulgação dos classificados, minimizando danos ao meio ambiente e inovando o movimento na era digital que vivenciamos. “Não podemos ficar estáticos ao passado, não é admissível em pleno 2015 termos que trabalhar somente com papel”, afirmou o diretor artístico, Rodrigo Maciel. Visando o bem estar e zelando pelo timbre mais frágil das prendas, esta edição da fase regional mudou os individuais declamação feminino e interprete vocal feminino para o período da tarde, iniciando as atividades com a categoria masculina no período da manhã. A organização do evento mobilizou as entidades a participarem voluntariamente com doações de alimentos e agasalhos para serem destinados aos desabrigados, por conta das fortes chuvas na região metropolitana. E uma grande quantidade foi arrecadada. Relato do Coordenador Arnildo de Mello ao Jornal de Cachoeirinha: “Fico muito feliz em finalizar este evento no CTG Rancho da Saudade, na cidade de Cachoeirinha, com a certeza que não tivemos nenhum problema sério e atendemos de maneira exemplar todos que por aqui passaram. Pois a organização do evento e os trabalhos apresentados por todos estão de parabéns”. Fotos: Rogério Bastos Equipe de avaliadores da 1ªRT junto com a coordenadoria CTG esteve permanentemente lotado para as apresentações TEMA ANUAL: PARA CADA COMPETIÇÃO, MOMENTO DE CONFRATERNIZAÇÃO.

[close]

p. 6

6 NOTÍCIAS Ano XIII - Edição 168 ESPAÇO DO IGTF Agosto de 2015 Por: Ivo Ladislau - Diretor Técnico da FIGTF 3ª e 20ª RT’s realizaram Festa Junina da Integração O CTG Chama Crioula, de Santa Rosa, 3ª RT, realizou no dia 04 de julho, a Festa Junina de integração, com a 20ª RT. O objetivo foi divulgar as verdadeiras festas juninas gaúchas, que foram as mostras folclóricas da 45ª Ciranda Cultural de Prendas. Estiveram na organização: Diana Juciéli Ribeiro, 3ª Prenda do RS, Yasmin de Castro Reinehr, 2ª Prenda mirim do RS, Leônidas Augusto da Silva e Gabriel Kruger Macht - 2º e 3º Piás do estado, respectivamente. A festa contou com o apoio da RBS TV Santa Rosa, Coordenadoria e entidades da 3º e da 20ª RT . A atividade buscou chamar a atenção para este festejo que, infelizmente, perdeu muito de suas características tradicionais nas últimas décadas. Também foi um momento de integração entre os tradicionalistas das duas regiões. Em um espaço cultural, onde os organizadores puderam esclarecer as diferenças entre a festa junina gaúcha e a caipira, também explanaram sobre os santos dos festejos, fogueiras, brincadeiras e comidas típicas. A festa contou com cerca de 200 tradicionalistas que foram trajados com a pilcha gaúcha. Houve apresentações artísticas das Invernadas do CTG Carreteiros de Horizonte - Horizontina e Tropeiros do Buricá - Três de Maio/RS. Cada tradicionalista levou um prato típico para socializar e a bebida foi servida pela entidade que sediou. A primeira festa junina de integração foi um sucesso e um exemplo para outras regiões. Foto: Divulgação Açores, Tavares e a Afro-açorianidade Açores - nove ilhas multiplicadoras de cultura. O povo e os artistas fazem com que a arte popular encontre o seu tempo e o seu lugar. O arquipélago tem uma população aproximada de 250 mil pessoas e uma atividade cultural de fazer inveja. Dentre tantas manifestações destacamos as filarmônicas que ultrapassam uma centena. (uma para cada 2.500 pessoas) O que bem demonstra o desenvolvimento cultural do povo ilhéu. Entretanto, me arrisco a apontar a cidade de Tavares-RS, entre os campos de mar a mar, com uma população de 5.000 habitantes, que, guardando as devidas proporções da sua cultura popular, é motivo de destaque por manter vivos os seus três riquíssimos folguedos: Os Ternos Juninos com seus cantares a Santo Antônio, São João e São Pedro, coincidem com as Sanjoaninas a festa maior da ilha Terceira nos Açores. Os Ternos também enaltecem, durante o ano, com suas singelas cantorias, os santos padroeiros da região, São Miguel, Senhora de Santana e São Luiz. O espetáculo das cavalhadas que segue o rito da celebração portuguesa tradicional e recria a batalha entre cristãos de Azul e mouros de Vermelho, dos tempos medievais, que encantam os assistentes com sua agilidade, teatralidade, beleza e plasticidade envolvendo na encenação doze cristãos e doze mouros e também guias; contra-guias; embaixadores; princesa floripa; espias (palhaços) etc. Todos os acontecimentos desenrolam-se em meio a evoluções equestres e este enredo está bem descrito no livro “Carlos Magno e os doze pares de França”, uma tradução portuguesa feita a partir de um escrito castelhano, por Jerônimo Moreira de Carvalho, editada em Coimbra, em 1728, e depois ampliada e reeditada em Lisboa, em 1737. E os quicumbis e seu Ensaio de Pagamento de Promessa, uma manifestação do sentimento religioso dos negros, cuja presença na região remonta a 1820. Sempre que alguém está em dificuldades sérias recorre confiante a Nossa Senhora do Rosário fazendo uma Promessa de Ensaio. O Ensaio que inicia ao entardecer e amanhece, une o místico, o religioso e o profano que interagem entre si nos seus diversos cantares e numa teatralidade e ludicidade sem precedentes na qual se sobressai a mais pura energia e a grande magia das “embaixadas”. Segue pulsando nos Açores a tradição familiar e cultural, sendo repassada geração após geração e de lá olhares “acadêmicos” miram para o nosso Sul, precisamente para Tavares, que é motivo de estudo e de pesquisas da fantástica interação entre o Açoriano e o Negro, que se “emparceiraram”, pelo isolamento cá no cone sul, por mais de 200 anos e assim permearam entre si, suas “gentes” e suas heranças, na construção deste ventre cultural onde nasceu a pulsante afro-açorianidade, dando tonalidade as cantorias, danças e teatralidades de seu povo e vida aos padrões de seu comportamento cultural. Que Tavares consiga manter acesas suas ricas manifestações, oremos! Ideia dos piás e prendas estaduais de unir as regiões foi um grande sucesso Luis Grisólio está de volta ao Correio do Povo Luis Grisólio, 52 anos, Gerente Comercial do Metro, do grupo Bandeirantes, recebeu uma proposta tentadora do Jornal Correio do Povo e também o desafio de alavancar o desempenho do veiculo que ele já trabalhou no passado, pelo Grupo Record - Rio Grande do Sul. Grisólio já foi executivo da área de Eventos e de Circulação no Correio do Povo, durante 10 anos, antes de ir para o Grupo Bandeirantes. No jornal Metro, estudou muito o negócio do jornal impresso, e diz hoje que “o jornal tem que se renovar continuamente, e é isso que vamos tentar fazer no Correio”. O Presidente do MTG, Manoelito Carlos Savaris manifestou seu contentamento com a ação do Correio do Povo, enviando mensagem ao Presidente do grupo: “Tomo a liberdade d e me dirigir a sua senhoria para expressar o meu contentamento pessoal e a minha posição como líder institucional, no sentido de parabenizar à RECORD e o Correio do Povo pela “repatriação” de um dos profissionais mais qualificados da gestão jornalística. Falo de Luiz Grisólio, um paulista que conquistou o povo gaúcho mercê do seu trabalho, postura firme, simplicidade, amizade e por ter compreendido e abraçado o tradicionalismo gaúcho”. Luis Grisólio foi palestrante no último Encontro de Comunicadores organizado pelo MTG, em Guaporé, no ano de 2012, onde ficou conhecido pela gurizada na época. De poucas palavras, mas muito valor Gabriel Kruger Macht, 11 anos, cursa o 6º ano do ensino fundamental, é natural de Giruá e pertence ao CTG Querência Crioula, da 3ª RT. Eco: Qual foi a emoção de ter conquistado o crachá de 3º Piá do estado? Foi muito grande, pois realizei um sonho de fazer parte da 1ª gestão estadual de Pias farroupilhas do Rio Grande do Sul. Eco - Como Foi a tua preparação para o estadual? Muita dedicação nos estudos e na realização da campeira e muito esforço na artística. Eco - O que tu fazes quando não está labutando pelo tradicionalismo? Me dedico aos estudos escolares, jogo futebol e ando a cavalo. Comida: Carreteiro Livro: História do Rio Grande do Sul para Jovens Filme: Árvore dos Sonhos. Foto: Rogério Bastos

[close]

p. 7

Ano XIII - Edição 168 ESPAÇO DA CBTG Por: Aline Kraemer - Asses. de Imprensa MTG/MS Agosto de 2015 ESPAÇO DA CITG 7 Por: Dorvilio Calderan - Presidente da CITG 26º Fegams reuniu cinco mil pessoas em São Gabriel do Oeste/MS Evento tradicionalista: CTG Chama Crioula e MTG/ MS realizaram o maior encontro da tradição gaúcha do Mato Grosso do Sul Dorvílio Calderan se despede da presidência da CITG Foi realizado no dia 17 de julho de 2015, na sede da Sociedade Crioula Elias Regules, em Montevidéu, Uruguai, a mais antiga de todas as entidades de tradição gaúcha do mundo, o 12º. Congresso Internacional da Tradição Gaúcha da Confederação Internacional da Tradição Gaúcha – CITG. Estiveram presentes o Presidente da CITG – Dorvilio José Calderan e, Conselheiros, Presidente da CBTG – João Ermelino Mello, Presidente do MTG-RS - Manoelito Carlos Savaris, com toda sua delegação, Presidente do MTG-MT, Roberto Basso, a Presidente do MTG-Planalto Central, Loiva Lopes Calderan, o Presidente da Sociedade Elias Regules, Manuel Rodriguez Marghieri (Manolo), representante da UASTU – União de Aparcerias y Sociedades de Tradicionalistas del Uruguay, vários dirigentes e integrantes de Sociedades Crioulas do Uruguai e o representante da CGA – Confederação Gaúcha da Argentina, Eduardo Torres, também tivemos a apresentação de Grupo Folclórico local e Payadores. Todos foram unanimes em destacar a abrangência da cultura gaúcha como integração dos países da América do Sul e enalteceram a reconstituição da Confederação Internacional. Também foi destacada a presença de Nei Zardo e Raul Iturria, que foram aclamados por estarem presente ali e lembrando que estiveram presentes também em 04 de maio de 1991, no Congresso de Florianópolis. Esta retomada da CITG e o Acendimento Internacional da Chama Crioula, momento histórico, sem dúvida alguma teve grande repercussão nas Sociedades Crioulas do Uruguai, e fortaleceu o interesse na organização e união das entidades de tradição gaúcha naquele país, inclusive, com a aprovação de Regulamentos e Código de Ética, o qual contou com o apoio do MTG-RS na orientação desta normatização. Sem duvida alguma para o Uruguai, o retorno das atividades da CITG, foi muito importante, levando a criação da UASTU, que busca unir todas as Sociedades tradicionalistas, em um trabalho de convencimento de que isto é um objetivo comum, que não é politico, e nem econômico, mas sim a defesa dos próprios interesses de algo forte para todos e, a união para preservar o meio ambiente para que todos possam desfrutar. Foto: Divulgação O Senhor Arezo referindo-se a importância da cultura gaúcha falou sobre dois projetos no Congresso: A proposta de criação do “Instituto Internacional de Integracion del Tradicionalismo Criollo” a ser apresentado junto ao “El Fondo para la convergência estrutural del Mercosur (FOCEM), como “Centro de Estudios tradicionalistas, artesanales y lúdicos”, tendo como público alvo estudantes provenientes dos países do Mercosul. E o outro projeto refere-se a promoção de “Declaracion nacional de proteccion patrimonial a “El gaúcho y las sociedades criollas”, e, reafirmou a necessidade de tradicionalistas do Uruguai, Brasil e Argentina se unirem para conseguirmos o titulo ao “Gaúcho de Patrimônio Cultural da Humanidade”, pois a nação gaúcha supera os limites dos países e, esta união é necessária para reconhecimento da UNESCO do gaúcho como patrimônio cultural da humanidade como outras culturas já são reconhecidas. MTG-MS: O Movimento Tradicionalista Gaúcho do Mato Grosso do Sul (MTG/MS) e o CTG Chama Crioula realizaram de 16 a 19 de julho, em São Gabriel do Oeste/ MS, o 26º Festival Sul-Mato-Grossense de Folclore e Tradição Gaúcha (Fegams) com o tema “Da Tertúlia Sul-mato-grossense ao Pampa Gaúcho”. De acordo com a comissão organizadora o Fegams recebeu em torno de cinco mil visitantes e integrantes dos CTG`s durante os quatro dias de encontro. Natal José Marchioro, Presidente do MTG-MS, explica que o Festival é o maior encontro da tradição gaúcha no Estado e acontece anualmente. “Preparamos juntamente com a equipe do CTG Chama Crioula a organização de mais uma grandiosa edição do Fegams. Foram intensos quatro dias de festival, onde integrantes dos CTG’s confraternizaram-se constituindo uma grande família. Além disso, fortalecemos os valores de cultivar uma tradição repassada em cada entidade tradicionalista, especialmente integrando os jovens neste grande intercâmbio cultural”, enfatiza Marchioro. O evento realizou em torno de 60 provas e congregou aproximadamente 800 concorrentes de doze Centros de Tradições Gaúchas do Estado. Os integrantes dos CTG`s participaram de provas das modalidades de danças tradicionais, chula, birivas, danças gaúchas de salão, declamação, música e esportes tradicionalistas. Os CTG’s mantém um trabalho que envolve pesquisa, difusão e vivência com a cultura gaúcha e sul-mato-grossense por meio da dança, música, literatura, artesanato, culinária, usos e costumes além de esportes e tradições campeiras. “Essas atividades são desenvolvidas pelos CTG’s com grupos nas categorias mirim, juvenil, adulto, xirú (acima 30 anos) e veterano (acima 60 anos)”, complementa o Presidente do MTG-MS. Para este Fegams foi acrescentada uma nova modalidade - Danças Gaúchas de Salão - aprovada e incluída ao regulamento do festival. “O Fegams carrega a essência da Carta de Princípios do movimento tradicionalista gaúcho, valorizando o folclore e a tradição gaúcha”, pontuou Vilso Tonetto, Patrão do CTG Chama Crioula. O 26º Fegams foi uma realização do MTG/MS e CTG Chama Crioula com o apoio do Governo do Estado de Mato Grosso do Sul, por meio da Secretaria de Estado de Cultura e Prefeitura Municipal de São Gabriel do Oeste. AS ATIVIDADES DAS CONFEDERAÇÕES A Senhora Maria Teresa Barbat Perez falou sobre o Monumento ao “Payador Pelegrino Torres, na cidade de Montevidéu e considerado patrimônio cultural e imaterial do Mercosul. O representante da CGA – Confederação Gaúcha da Argentina falou sobre os eventos e festividades realizados naquele país, destacando a eleição da Primeira Paysana Nacional (Prenda); as Festividades do Bicentenário da Província de La Plata, envolvendo todos os habitantes do rio da prata, para valorizar a história, e, a integração entre os tradicionalistas da Argentina, Bolívia e Paraguai. O Presidente da CITG Dorvílio ao apresentar seu relatório do período 2012 a 2015 destacou, principalmente, as decisões tomadas no 11º. Congresso realizado em Porto Alegre, como a aprovação do Regulamento Interno, bandeira, logo da CITG, página da internet, e os eventos declarados de interesse da Confederação Internacional, entre eles o Acendimento Internacional da Chama Crioula, que se realizou com grande sucesso em Colônia do Sacramento no dia 12 de julho de 2015, seguindo em cavalgada pelo Uruguai para chegar até o Chuí. Trabalho de reorganizar a CITG deu resultado. Dirigentes reunidos no Uruguai elegeram nova diretoria

[close]

p. 8

8 TCHÊNCONTRO Ano XIII - Edição 168 Agosto de 2015 Fotos da pagina: Rogério Bastos Tchêncontro e Acampamento da Juventude são sucesso em Ametista do Sul Consolidação: Eventos que completaram 25 e 14 edições, respectivamente, levaram mais de 500 jovens até o norte do estado, em Ametista do Sul, 28ªRT para jogos, brincadeira e apresentação de trabalhos. Resultado pode ser visto nas redes sociais, comemorando o sucesso das atividades. Fotos: Rogério Bastos 23ª Região apresentou a modalidade gaita botoneira com mais de oito baixos A loja da Fundação Cultural Gaúcha presente no Tchêncontro, em Ametista A 7ªRT apresentou uma homenagem ao “Tio Menna”, que deu 8 títulos à região A 26ª RT e a 4ª RT lembraram as trovas que tem pouca participação ainda Não havia nenhum tipo de competição, a distancia era enorme para algumas regiões, mas os mais de 500 jovens que estiveram em Ametista do Sul para o 25º Tchêncontro da Juventude Gaúcha e 14º Acampamento Jovem, saíram de lá satisfeitos com o resultado. O tema para as regiões era, mostrar no palco, as modalidades do ENART que tem menor procura, como as gaitas (de boca, apianada, oito baixos e mais de oito baixos, bandoneon), violino ou rabeca, viola e algumas que já não mais existem como o assovio. O cerimonial foi montado pelos jovens, seguindo as criteriosas regras e protocolos, orientados e supervisionados pela vice-presidência de cultura do MTG. A apresentação foi feita pela 2ª prenda do RS, Aline Almeida de Souza e pelo 2º peão do estado, Marco Antônio Saldanha Júnior. Região, após região, os jovens foram apresentado de diversas formas (musical, teatro...) as modalidades. O troféu, que cada uma recebeu pela participação, lembrava uma árvore feita de pedras preciosas da região. Os vice-presidentes do MTG, Nairo Callegaro, de Administração e Finanças, e Elenir Winck, de Cultura, bem como a Diretora de Cultura Interna, Iara Vanice Rott, permaneceram o tempo todo no ginásio com os jovens, sem arredar o pé um instante. O jovem Uriel Colombo Pereira, 10 anos, (foi matéria do Eco da Tradição do mês de julho), da 3ª RT, que recebeu um premio especial, Piá Pioneiro, ao participar do concurso regional de 2015, participou ativamente do Tchêncontro, dançando, cantando ao lado de seus pares regionais. E o Acampamento Jovem contou com uma gincana repleta de brincadeiras e atividades de integração. O evento terminou no domingo com uma missa crioula, rezada pelo Padre Valdir Formentini, que estava presente com seu ônibus que divulga o projeto: Fé Gaúcha. Fotos: Rogério Bastos O jovem Carlos Eduardo foi o competentíssimo presidente e organizador do evento A 9ª Região homenageou Nico Fagundes com o Galpão Crioulo e a viola A 1ª Região tratou da chegada da gaita no Rio Grande do Sul com os italianos Padre Valdir Formentini celebrou a missa crioula no domingo TEMA QUINQUENAL: O MTG ENGAJADO NA CAMPANHA DE COMBATE À CORRUPÇÃO - “LAÇANDO A CORRUPÇÃO”

[close]

p. 9

Ano XIII - Edição 168 NOTÍCIAS Agosto de 2015 TURISMO NO SUL 9 Por Jeandro Garcia Fonte: Marcelo Ribeiro Editor do blog+jornal Caderno7 Coordenadoria Tradicionalista Municipal realiza 11º Sarau de Integração A Coordenadoria Tradicionalista Municipal (CTM) de São Gabriel realizou no último sábado, o 11º Sarau de Integração da Prenda Jovem, com uma grande participação de jovens que foram apresentadas à sociedade, sob a bênção do tradicionalismo. Em torno de 32 jovens foram apresentadas à sociedade gabrielense no evento que aconteceu no CTG Tarumã. O evento trouxe uma inovação, que foi o “Jantar das Massas”, com vários tipos de massa e que foi aprovado pelos presentes. A Coordenadoria apresentou as jovens, cada uma com seus padrinhos e par de honra. A animação do baile foi a cargo do grupo Cambonaço, de Caçapava do Sul. A CTM é presidida pelo patrão Márcio D’Ávila e como capataz, Adair Lopes. O Sarau sempre ocorre nesta época do ano, com uma entidade abrigando o evento a cada realização. Caçapava do Sul, a porteira do pampa gaúcho Raízes pampeanas: Com costumes arraigados e preservação da lida campeira, Caçapava do Sul é um município destaque na vivência das tradições gaúchas. Em Caçapava do Sul existe uma forte manifestação em todos os campos do gauchismo, assim, o culto às tradições gaúchas faz parte da vida de nossa gente. As entidades tradicionalistas são promotoras de bailes, apresentações, encontros e rodeios. O tradicionalismo é cultuado através dos Centros de Tradições Gaúchas em uma das maiores festas do município, a Semana Farroupilha. Para vivenciar a cultura e a tradição presentes em Caçapava do Sul é preciso conhecer atrativos como: Casa dos Ministérios: casa de reunião dos farroupilhas durante a Revolução. Neste prédio, foram instalados os Ministérios do Governo da República Rio-grandense, em 1839, quando Caçapava foi a 2ª Capital Farroupilha. Centro Municipal de Cultura: o prédio histórico hoje abriga a Biblioteca Pública Domingos José de Almeida, o Arquivo Histórico e o Museu Lanceiros do Sul. A partir da Farrapofesta de 2003, encontra-se hasteada permanentemente, a Bandeira Farroupilha. Casa Borges de Medeiros: casa onde nasceu Antônio Augusto Borges de Medeiros. Igreja Matriz: acolheu, em seu interior, a alma farrapa fremente de fé e patriotismo, em solenes ocasiões quando Caçapava foi Capital Farroupilha. Forte Dom Pedro II: é o único forte militar existente no sul do Brasil. Possui a forma de um polígono hexagonal, tem a altura de 8 a 10 metros, com mais de um metro de espessura. Além disso, para o visitante Foto: Marcelo Ribeiro Pedro do Segredo é local de turismo Sarau de prendas foi sucesso em São Gabriel Turma do CFor Avançado se reúne na serra gaúcha O grupo de estudos “Eu Sou do Sul”, dos integrantes do Curso CFOR Avançado, do ano de 2014, esteve reunido no final de semana de 18 e 19 de julho, na cidade de Gramado. O grupo foi recebido pelo CTG Manotaço, na serra gaúcha, e ocupou sua sede campeira. O encontro teve por objetivos, estreitar a amizade e a convivência, o aprendizado conjunto e o desafio de manter viva a ânsia de conhecer cada vez mais os valores e a história do povo gaúcho. A reunião dos amigos teve visita ao Parque do Gaúcho e palestra sobre o tema dos Festejos Farroupilhas 2015. “A visita ao Parque Gaúcho foi mais do que especial”, conta Haroldo Teixeira, integrante do grupo. Com atendimento diferenciado por parte dos guias do parque, o grupo pode aprimorar seus conhecimentos nos aspectos abordados por este empreendimento, que tem recebido muitos elogios desde sua abertura, pela preservação e divulgação de nossa história. Ao findar o evento, o grupo se mobiliza para programar o encontro do final do ano, ainda sem data e local definidos. Foto: Divulgação apreciar a cultura local, não deve deixar de conhecer a gastronomia típica campeira, as danças, a música e o artesanato em lã de ovelha, característico da região e destaque em todo o Brasil. Algumas festas e eventos revelam a cultura local como as Cavalhadas; a Festa do Divino Espírito Santo; diversos Rodeios com destaque para o Rodeio Crioulo Estadual que ocorre anualmente em janeiro; a Sentinela da Canção Nativa, a Feira do Livro em maio de cada ano; a Expofeira Agropecuária e a Festa Mundial do Folclore promovida pelo Grupo de Arte Nativa os Chimangos, que ocorre a cada dois anos, reunindo grupos de dança de diversos países, sobretudo, da Europa e da América Latina. Fonte: www.turismocacapavadosul.com.br Mesmo depois do CFor, turma continuou se encontrando para estudar e se divertir Igreja Matriz é um dos pontos que merece ser visitado na 2ª Capital Farroupilha

[close]

p. 10

10 Ano XIII - Edição 168 Agosto de 2015 A Chama Crioula marcou os 335 anos da Co Fotos desta página: Odila Savaris; Pedro Milton Couto e Sandra Abech Evento histórico uniu, brasileiros e uruguaios, em torno das comemorações do aniversário de Colônia, e, além disso, re O mês de julho de 2015 foi marcado pelo acendimento da Chama Crioula na cidade de Colônia, no Uruguai, local da antiga Colônia do Santíssimo Sacramento, fundada pelo português, Dom Manuel Lobo, em 1680. A presença dos portugueses na região provocou a vinda de José da Silva Paes, que fundou Rio Grande e deu inicio à ocupação oficial do território que mais tarde se tornaria nosso estado. O acendimento da Chama Crioula no dia 12 de julho de 2015, foi gerada no sítio histórico de Colônia com o objetivo de homenagear e relembrar a história, através de atos alusivos aos 335 anos da Colônia do Sacramento. Esta chama, gerada e acesa na Colônia, seguirá em cavalgada até a cidade do Chuí onde, no dia 15 de agosto, em ato solene será realizada a distribuição das centelhas para as 30 regiões tradicionalistas. Do Chuí a Chama Crioula se espalhará pelo estado, até atingir os 497 municípios. A sua chegada em cada localidade marcará o início dos Festejos Farroupilhas deste ano. MOMENTOS PARA FICAR NA HISTÓRIA Diversas comitivas originárias do Brasil, em especial do Rio Grande do Sul, chegaram na cidade histórica para o evento. O padre Amadeu Canellas, Patrono dos festejos Farroupilhas do estado se fez presente e conduziu a geração da Chama, que, pela primeira vez, aconteceu fora do território brasileiro. A equipe formada pela Ordem dos Cavaleiros do Rio Grande do Sul tinha à frente o seu presidente, Airto Timm e, na equipe uruguaia, a coordenação era de Pancho Ariarte. Da geração da chama partiram em direção à capital, Montevidéu. Além da chama conduzida pelos cavalarianos, eles levam em um lampião, uma Foto: Divulgação centelha da original, pois as intempéries do tempo, ou qualquer outra de ordem natural, como vento e chuva, venham a causar prejuízo ao candeeiro crioulo. O CONGRESSO INTERNACIONAL DA TRADIÇÃO GAÚCHA No dia 17 de julho, sexta-feira, na capital uruguaia, os tradicionalistas das três pátrias se reuniram para realizar o 12º Congresso Internacional da Tradição Gaúcha e escolher o novo presidente da CITG. A retomada da Confederação Internacional e o acendimento da Chama Crioula no Uruguai, teve grande repercussão nas Sociedades Crioulas país vizinho, e fortaleceu o interesse na organização e união das entidades de tradição gaúcha naquele país, conhecidas como sociedades crioulas (como nossos CTGs) e aparcerias (seriam aqui no sul, os piquetes). ELEIÇÕES NA CITG No 12º. Congresso ocorreu a eleição da Diretoria da CITG para o Biênio 2015/2017, que ficou assim constitui: Presidente: Manuel Rodrigues Marghieri (Manolo) – Sociedade Elias Regules (Montevideo- Uruguai); Vice-Presidentes: Brasil - João Ermelino Melo – (CBTG – Brasil); Argentina : Adolfo Caballero (CGA – Argentina); Uruguai – Mariana Luque. Conselheiros do Brasil: Dorvilio José Calderan (Brasília); Nei Antonio Zardo (Bento Gonçalves-RS) ; Roberto Basso (Querência - Mato Grosso), Manoelito Carlos Savaris (Caxias do Sul-RS). Conselheiros da Argentina: Frederico Lopes Alsogaray; Eduard Alberto Souto. Con guai – Carlos Arezo Rivero, e Jorge Alv de Relações Intern Rodrigo Antonio Za “Reafirmam tisfação em pode dência da CITG ao presidente da So mais antiga do m munhar o entusi cionalistas do Uru a união e fortalec ção gaúcha naqu Dorvilio. “Assim, se sucesso a propos lito Savaris, em T de 2011, de retom da Confederação Tradição Gaúcha zar o Acendimen da Chama Crioula Sacramento, no emocionante Cav vando a “Chama campos do Urugu do Sul, e durará m dias, como uma para todos aquel samente cultivam concluiu. O DESFILE D PATRIA G Imagem histórica mostra Paixão Cortes e seus companheiros desfilando em Montevidéu, no ano de 1949. Fato repercutiu na história do tradicionalismo Patrono dos Festejos Farroupilhas do RS, o Padre Amadeo Canellas, na geração da Chama, no Uruguai Integração das danças folclóricas do RS e do Uruguai Gustavo Bierhals(E), ex-presidente da OrCav, ao lado dos companheiros, na cidade de San Carlos, acampados na Sociedade Criolla Los Coronillas No dia 18 d sinatura da Constit os cavalarianos ga uma façanha, ho Uruguai e sendo por ele. Lá estava nos uruguaios na a vos 20 gaúchos, momento da histó década de 40 (1949 Cortes e seus ami ticiparam de tal at à Sociedade Criou que Paixão e Less vidades para o Rio A dança e a prese galpões. Novidade daram o rumo da cionalismo gaúcho Presidente da OrCav, Airto Timm, conduz a Chama Crioula Internacional por Montevidéu Trecho à caminho da capital uruguaia, Montevidéu/UY Trecho entre Capilla de Cella até Pan de A

[close]

p. 11

Ano XIII - Edição 168 Agosto de 2015 FEGGART - EDIÇÃO DE OURO 11 olônia do Sacramento A DISTRIBUIÇÃO DA CHAMA Os bravos gaúchos, enfrentando os rigores do tempo, no sul da América, colocarão à disposição dos tradicionalistas, no dia 15 de agosto, a Chama Crioula, gerada na histórica Colônia. Para isso não estão medindo esforços e, pelas redes sociais é possível acompanhar o trajeto, as dificuldades, sentir inveja das paisagens, e saber exatamente onde e quando eles chegam ou saem dos acampamentos. eavivou a chama das tradições gaúchas no Uruguai União Gaúcha vence “Edição de Ouro” do FEGGART, em Farroupilha O FEGGART, que aconteceu entre 24 e 26 de Julho, foi um evento comemorativo na forma de homenagear o que já foi “Festival do Mobral”, FEGART e hoje ENART, fazendo parte das comemorações dos 80 anos de emancipação política de Farroupilha As pessoas, nas redes sociais, comemoravam cada participação no palco em Farroupilha, na “Edição de Ouro” do FEGGART, que era transmitido pela TV Com, do grupo RBS, e teve a parceria do Movimento Tradicionalista Gaúcho. Ao longo dos três dias, mais de 1200 artistas estiveram no Parque Cinquentenário para participar das provas artísticas: danças tradicionais, chula, declamação, interprete solista vocal e trova. Soma-se a isto o público visitante, que compareceu em grande número, lotando os locais onde aconteciam as provas, a Multifeira “Potencialidades do Sul” e o Salão Gastronômico. Fotos: Divulgação/FEGGART do Peres Torres e nselheiros do Uruo Posada, Brigido ves Costa. Diretor nacionais da CITG ardo. mos nossa saer passar a Presio Senhor Manolo, ociedade gaúcha mundo, e, testeiasmo dos tradiuguai em buscar cimento da tradiuele país” – Disse e concretiza com sição de ManoeTaquara em julho mar as atividades Internacional da a – CITG e realinto Internacional a em Colônia do Uruguai, com a valgada que, lea”, percorrerá os uai e Rio Grande mais de sessenta luz e esperança les que orgulhom a tradição” - Um grupo de homens, do lombo do cavalo, que entram para a história MOMENTOS INESQUECÍVEIS DO DIA DA GAUCHA de julho, dia da astuição do Uruguai, aúchos realizaram omenageando o o homenageados am 400 cavalariaavenida e, os brarelembrando um ória, passado na 9), quando Paixão igos também parto. Foi desta visita ula Elias Regulles, sa, trouxeram noio Grande do Sul: ença feminina nos es estas que mua história do tradio. “Quanta alegria e emoção em vivenciar este momento de grande representatividade para o tradicionalismo gaúcho mundial. Um momento histórico, onde o país irmão Uruguai foi homenageado pela luta em preservar a tradição gaúcha desde o século XIX. O acendimento internacional demonstra exatamente isso: a luta pela preservação da tradição gaúcha baseada nos princípios tradicionalistas”, pontuou emocionado o Presidente da CBTG, João Ermelino de Mello. “Todas essas atividades que tivemos a honra de participar no Uruguai demonstram a grandiosidade do nosso movimento tradicionalista gaúcho. A emoção em acender a Chama Crioula e participar do Desfile da Pátria Uruguaia foi extraordinária e comprova a essência dos princípios tradicionalistas. É um sentimento de muito orgulho em cultivar a tradição gaúcha”, comentou João Ermelino de Mello. Presidente do MTG, Manoelito Savaris(E), ao lado do prefeito e do presidente do FEGGART Nas danças tradicionais a centenária União Gaúcha João Simões Lopes Neto foi a grande vencedora, seguida pelo CTG Aldeia dos Anjos (o maior vencedor de todos os tempos do ENART – 10), Ronda Charrua, Tiarayu e Heróis Farroupilhas. O Grupo mais popular do FEGGART foi o CTG Joao Sobrinho, de Capão da Canoa. No biênio simoniano, União Gaúcha deixa sua marca de campeão no FEGGART - Edição de Ouro A Cavalgada que conduz a Chama Crioula entra no Departamento de Rocha/UY Segundo acordo feito, entre o Movimento Tradicionalista Gaúcho e a Prefeitura de Farroupilha, esta foi a edição especial e comemorativa, não interferindo no evento ENART (contagem ou títulos) e que, durante o ano, será encontrado outro nome para o evento que, se for do interesse da municipalidade de Farroupilha poderá integrar o calendário anual da 25ª RT, contando, desta forma, com o apoio institucional do MTG, por se tratar de evento que valoriza as tradições e a cultura gauchesca. Azucar - Faltando 239 km para o Chuy/UY Cavalgada passando por Canelones, e o céu se fechando

[close]

p. 12

12 NOTÍCIAS Ano XIII - Edição 168 Agosto de 2015 Os malefícios dos energéticos para o coração Vendidos para aumentar o vigor e a disposição, os energéticos fazem sucesso entre jovens, mas andam com a popularidade em baixa nos rodeios gaúchos. A descoberta do uso excessivo entre jovens de invernadas de danças revelou que o número de atendimentos em emergências por consumo abusivo dessas bebidas aumentou muito nos últimos anos. Red Bull pode “lhe dar asas”, ou não. Mas juntamente com outros tipos de bebidas energéticas contendo cafeína e taurina, ela pode fazer com o seu coração trabalhar mais ativamente do que precisa, demonstra um novo estudo alemão. Os pesquisadores monitoraram os corações de 18 homens e mulheres jovens e saudáveis antes e depois deles consumirem bebidas energéticas. Uma hora após o consumo, as taxas de contração do coração aumentaram significativamente entre os participantes do estudo. Especificamente, o ventrículo esquerdo do coração — que extrai o oxigênio dos pulmões antes de bombeá-lo para o restante do corpo — trabalhou mais do que o habitual, explica o coautor, Jonas Dörner, MD da Universidade de Bonn. O coração é o mais afetado pelo efeito estimulante da cafeína. A substância acelera o órgão, causando uma sobrecarga de trabalho. Fígado e sistema nervoso central são outros que sofrem quando há consumo exagerado. Estudos anteriores associaram as bebidas energéticas à insônia, dores de estômago, dores de cabeça, palpitações cardíacas e arritmias, convulsões e até mesmo morte súbita, afirma o Dr. Dörner. Embora sua pesquisa não revele nada tão alarmante, ele enfatizou que sua experiência analisou apenas os efeitos a curto prazo do consumo de bebidas energéticas. E, apesar de incomum, ele afirmou que o aumento das taxas de contração — pelo menos entre adultos saudáveis — não é algo perigoso. “Essas mudanças significam uma carga de trabalho maior para o coração”, diz ele. Mas “como ou se isso afeta as pessoas mais velhas ou pessoas com doença cardíaca ainda é desconhecido”. No Brasil, também é comum jovens precisarem de atendimento de urgência devido ao abuso de energéticos. O problema se agrava porque essas bebidas geralmente são misturadas com álcool. Em resumo, a pesquisa mostra que o seu coração trabalha mais após consumir pequenas quantidades de bebidas energéticas, provavelmente por causa da taurina, acrescenta o Dr. Dörner. (Ele diz que a taurina, aparentemente, aumenta a liberação de cálcio nas fibras musculares do coração, o que pode aumentar a força das contrações.). Então você deve ficar longe das bebidas energéticas? A resposta é sim para crianças e pessoas com qualquer tipo de doença cardíaca, aconselham os médicos. Mas para adultos saudáveis, seu estudo não revelou quaisquer riscos imediatos, apesar do aumento da carga de trabalho do coração. tomar antes de dançar, em todos os rodeio, e podiam tomar a vontade. Até que passou uns 3 rodeios fazendo isso e um guri passou mal foi no hospital e não sabiam o que era. Até que mais um passou mal. E os pais começaram a desconfiar, até que descobriram que davam energético para as crianças em todos os rodeios antes de elas dançarem.” Conta o peão. O Dr. Mauro Gimenez, que foi diretor de música do MTG em meados da década passada, sugere um acompanhamento dos pais nestas questões: “Todos nós sabemos que necessitamos obrigatoriamente de períodos de descanso para repor a energia do nosso organismo. O grande problema que vejo, é que o uso deste tipo de produto mascara a fadiga do corpo.” Recentemente ouvimos falar e, o jornal Eco da Tradição, foi atrás da informação de que havia consumo de energético em excesso no meio dos grupos de danças, em especial, os juvenis. Um adolescente, que pediu para que seu nome não fosse revelado, declarou ter abusado no consumo durante o JuvEnart de 2013: “Eu acabei abusando e tomando umas 3 latinhas antes de dançar e depois que sai do tablado passei mal do estomago, acabei no hospital pendurado no soro.”- relata “Também sei de grupos que os coordenadores compravam energéticos para a gurizada Nos Rodeios pelo Rio Grande OS EFEITOS DO EXCESSO DE ENERGÉTICO PELO CORPO Contrações musculares A descarga de adrenalina e noradrenalina no organismo pode desencadear contrações involuntárias nos músculos. Fasciculação Os níveis elevados de hormônios estimulantes correndo pela circulação fazem as pálpebras tremerem. Infarto e AVC As substâncias que conferem excitação também geram endurecimento das artérias. No cérebro, o aperto pode levar a um derrame. No coração, a um ataque cardíaco. Erosão dentária O pH baixo dos energéticos fomenta um desequilíbrio bucal. Assim, o cálcio sai dos dentes, alterando a superfície do esmalte. Gastrite Os hormônios liberados por causa da cafeína da bebida favorecem a produção de ácidos no estômago. Isso explica a possibilidade de queimação. TEMA QUINQUENAL: O MTG ENGAJADO NA CAMPANHA DE COMBATE À CORRUPÇÃO - “LAÇANDO A CORRUPÇÃO”

[close]

p. 13

Ano XIII - Edição 168 NOTÍCIAS Agosto de 2015 13 3ª RT lança projeto “CTG Núcleo de Fortalecimento da Cultura Gaúcha” “A competição é saudável. Ela nos faz crescer nas esferas intelectual e emocional, desde que não ultrapasse os limites da razoabilidade das regras que limitam a convivência social.” Através desta afirmativa da Vice- presidente de cultura do Movimento Tradicionalista Gaúcho, Elenir de Fátima Dill Winck em justificativa ao tema anual a ser trabalhado nas 30 regiões tradicionalistas ao longo de 2015, definido no 63º Congresso Tradicionalista Gaúcho: “Para cada competição, momento de confraternização”, as prendas e peões da 3ª Região Tradicionalista gestão 2015/2016 coordenados pelas prendas Carolina Amaral Ehlert – 1ª Prenda, Luana Raquel Wojciechowski – 1ª Prenda Juvenil e Nathalia Jacob Muller – 1ª Prenda Mirim, deram o abraço inicial a essa campanha, lançando o projeto no dia 19 de julho de 2015 no ERART, evento promovido pela 3ª RT na cidade de Giruá – RS. As prendas colocaram para todos os participantes durante a abertura oficial do evento a proposta de trabalho do projeto: “CTG Núcleo de Fortalecimento da Cultura Gaúcha” que também trás por título: “Os Missioneiros te convidam: Vamos sorver o Mate da Confraternização? Nesta oportunidade a nova gestão de regionais distribuíram um vira-mate divulgando o projeto, com mensagem de paz e comunhão, o mesmo foi entregue para as autoridades presentes e posteriormente para todos os premiados nas modalidades individuais, de danças e para cada entidade participante. Visando inicialmente as ações de conscientização de paz e harmonia antes, durante e após os eventos e lembrando que o trabalho não se restringe nos bretes, palcos, mesas ou canchas e sim, permanentemente em todas as ações dos CTGs, ao término do evento a gestão Foto: Divulgação Ele é o orgulho do “Gildo Véio” Orgulho: Natural de Porto Alegre, estudante da ETA, em Viamão, Pablo Schelski é a prata da casa que vale ouro no CTG Gildo de Freitas Há cerca de 5 anos adentra no galpão do CTG Gildo de Freitas, uma mãe e um pai com um guri pela mão de seus 10 para 11 anos, dizendo que era gaiteiro, de gaita ponto, e que ele queria tocar e representar o “Gildo Véio”. “Como o nosso galpão tá sempre de porteira aberta, prontamente acolhemos o piá e seus pais, Tatiana e Gelson, e nunca nos arrependemos de tal ação. O guri já tinha o titulo de campeão do Rodeio de Osório e não parou mais de ganhar títulos”, conta orgulhoso o patrão do CTG, Gedeon Oliveira. O tempo foi passando, e o guri, de nome Pablo Schelski, é agora, um dos maiores vencedores de rodeios e festivais do Rio Grande do Sul. No ENART 2014, aos 15 anos, sagrou-se campeão na categoria gaita ponto até oito baixos e vice-campeão na gaita ponto acima de 8 baixos. No ultimo final de semana de julho comprovou o seu talento ao ser Campeão da Edição de Ouro do FEGGART, na gaita ponto. Pablo é, ainda, detentor dos títulos: Bi-campeão da Vacaria; Penta campeão de Osório; Tetra-campeão de Rolante Bi-campeão do Rodeio do Mercosul; Campeão do Rodeio Campo dos Bugres. Foto: Divulgação 3ª Região tem departamento Cultural muito ativo regional convidou todas as entidades, prendas e peões da 3ª RT para a realização da 1ª ação da 1ª ATIVIDADE do projeto, esta 1ª atividade está intitulada como: “Incentivando a Competição com Cultura e Confraternização.” O evento contou com a participação da atual 3ª Prenda do estado, Diana Juciéli Ribeiro, e da 2ª Prenda Juvenil do RS, gestão 2014/2015, Andressa Motter, que deram importante colaboração no desenvolvimento dos trabalhos. A tarde foi regada de muita cultura, com aulas de geografia e história do RS e com dinâmicas, brincadeiras e lanches, aumentando assim os laços de amizade e aproximação dos participantes das Cirandas e Entreveros das entidades da região. A 2ª ação foi realizada no dia 27 de julho, no CTG Os Legalistas de Santo Ângelo, e a 3ª ação teve sua realização no dia 31 de julho, no CTG Passo do Ijuí, na cidade de Entre-Ijuís. É importante salientar o grande aumento do número de participantes da primeira para a segunda ação. Pablo Schelski (E) ao lado do Patrão Gedeon Oliveira MTG realizou o 2º Encontro de Promotores de Rodeios do estado União: Encontro reuniu os maiores promotores de rodeios, festas campeiras e torneios de laço do estado no Parque da Harmonia, na capital Pela segunda vez, nos últimos 15 anos, o Movimento Tradicionalista Gaúcho do Rio Grande do Sul reuniu os promotores de rodeios de todo o estado para debater e refletir sobre a situação da atividade cultural que movimenta a economia e as tradições gaúchas. Inscreveram-se mais de 700 pessoas para participar do evento, estima-se que estiveram presentes, no centro de eventos, em torno de mil pessoas, tendo em vista a lotação das cadeiras e mais a galeria (mezanino) do local. Na abertura oficial, o Presidente do Movimento Tradicionalista Gaúcho, Manoelito Carlos Savaris, deu as boas vindas e destacou a importância do encontro para sanar as dúvidas daqueles que fazem a verdadeira tradição gaúcha se movimentar pelo mundo, que são os tradicionalistas. Savaris enalteceu a convivência entre gerações promovidas pelos rodeios e pelas atividades afins do tradicionalismo que permite que o neto vista-se igual ao seu avô, e o mesmo acontece em relação aos pais. “Não podemos nos dobrar aos modismos, por que as coisas que a moda lança viram descartáveis. Um exemplo são os celulares, quando estragam ninguém mais concerta, simplesmente jogam fora e compram um novo”, lembrou. Ações são desenvolvidas dentro de grandes rodeios e até mesmo no ERART Evento lotou a “Casa do Gaúcho” no Parque da Harmonia em Porto Alegre TEMA ANUAL: PARA CADA COMPETIÇÃO, MOMENTO DE CONFRATERNIZAÇÃO.

[close]

p. 14

14 TROPEANDO VERSOS Ano XIII - Edição 168 Agosto de 2015 ECO ENTREVISTA Por: Carlinhos Lima - Diretor de Manifestações Poéticas Dos galpões ao mundo novo Nascida nos galpões das estâncias, a declamação gaúcha passou a ser uma das principais artes da nossa cultura. Inserida não só ao redor de um fogo grande, em rodas de chimarrão, prosa e cantoria, o recitado de versos chegou também à cidade tomando os salões e os eventos culturais. É claro que, ao longo do tempo, a nossa arte passou por muitas fases e estilos, afinal, quem não para ao escutar o mestre Dom Jayme, com seus versos metricamente perfeitos e falando das nossas lidas e sentimentos? Com certa rudeza, sim, mas com muita perfeição literária e não é à toa que se perpetuou como um dos ícones da poesia. Poesia crioula, mas, universal. Jayme tinha um talento nato como poeta, pajador e recitador, mas, além disso, ele tinha uma boa voz e era uma figura carismática que compunha toda a sua imagem galponeira. Esse conjunto nos dá a certeza de que devemos muito a ele pelo que temos na atualidade. É bem verdade que nos concursos, nos rodeios e nos festivais, notamos a busca por novos estilos, novas escolas, múltiplas facetas da universalidade da nossa cultura tradicional, afinal, tudo é uma busca constante pelo novo. O tempo mudou, mas a tradição é a mesma. Ainda encontramos, pelos fundões deste Rio Grande imortal, muitos homens de melenas brancas encarando um “Bochincho”, na roda de mate, ou ainda, um piá “metendo verso” com um “Galo de Rinha”. Mesmo que alguns conceitos tenham mudado, nosso jeito peculiar de interpretar chama, e muito, a atenção, pois há sentimento, emoção e acima de tudo, há a vivência de quem é do campo ou, sendo da cidade, encarnou a essência da nossa tradição campeira, tornando-se simplesmente gaúchos. Talvez, pela busca dessa essência, tenhamos hoje um respeito maior pela poesia e por isso tentamos ser mais velosos ao verso. Cuidamos mais da sua forma, da pontuação, da escrita, mas principalmente do sentimento, pois ele brota da alma do poeta e nós, declamadores, temos que vivenciar, mesmo que sejam dores, amores e histórias. Por isso é fundamental que tenhamos, além do respeito com o seu criador, um bom envolvimento com o texto poético (e seus personagens), com o palco e com a plateia. Ah! E um bom amadrinhador faz a diferença em todo este contexto. Não pioramos, nem regredimos, apenas mudamos conceitos. E isso é que faz uma tradição se perpetuar, alicerçada nos costumes antigos, mas acompanhando o tempo de cada coisa. Porém, não nos esqueçamos destes fundamentos: simplicidade e autenticidade, pois é isso que nos define como gaúchos declamadores, com sentimento à toda prova, a exemplo de Jayme Caetano Braun. Do Clube Juventude, do Alegrete, vem o 3º Guri do estado Victor Matheus Machado da Conceição, 16 anos, cursa o 2º Ano do Ensino Médio da Escola Estadual de Ensino Médio “Demétrio Ribeiro”. Natural de Alegrete , pertence ao Departamento de Tradições Gaúchas do Clube Juventude da 4ª Região Tradicionalista. Eco: Qual foi a emoção de ter conquistado um dos crachás do estado? Foi um dos grandes sonhos realizado; pois venho de uma família tradicionalista que sempre atuou no Movimento Tradicionalista Gaúcho e, pelo exemplo fui me inserindo neste movimento cultural que considero muito importante na sociedade Rio-grandense. Neste contexto, defendo que para conseguir temos que nos sentir orgulhoso independente do crachá se 1º, 2º ou 3º é a importância de fazer parte de uma gestão estadual porque temos a oportunidade de conhecer muitas pessoas de outras regiões do nosso estado e fazer novas amizades. Nesta perspectiva com muita humildade, modéstia fortalecemos que cada emoção é o resultado de uma confraternização e alegria, pois considero que a disputa pelo título fica nas entrelinhas, pois nossos companheiros de Entrevero se tornam ótimos amigos para conversarmos e trocar ideias nos vários eventos que participamos no Movimento tradicionalista Gaúcho. Portanto considero este momento uma oportunidade de aprender ainda mais e ao mesmo tempo levar conhecimentos da nossa vivência tradicionalista identificada com a região que somos oriundos. Eco: Como foi tua preparação para o estadual? Foram muitas leituras, muitas interpretações e a mediação deste processo de aprendizado gostaria de agradecer a tia Miriam Antunes e a minha amiga Milena Antunes que não mediram esforços tornando – se fundamentais na minha preparação para o 27º Entrevero Cultural de Peões do estado que aconteceu no mês de abril na cidade de Marau. Então foi uma preparação com bastante dedicação, persistência e muito foco em se apresentar bem, para que após o concurso sentir a sensação de dever cumprido, pois afinal quão é importante este momento. Eco: O que tu fazes quando não está labutando pelo Tradicionalismo? Tenho muitas atividades e dentre elas destaco a minha dedicação aos meus estudos na escola que são importantes para o conhecimento e preparação da vida profissional, venho de uma família que sempre me incentivou pela educação e o respeito como base para o sucesso. Ensaio no DTG do Clube Juventude e a carga horária de ensaios e apresentações são muito extensas.. Nos momentos de lazer gosto muito de andar a cavalo e laçar em rodeios junto com meu pai, o qual me incentiva cada vez mais. Então percebem que tenho uma vida envolvida que como minha família diz “ é importante estarmos envolvidos em várias atividades porque é importante preparação para a vida e o mundo trabalho adquirindo compromissos importantes”. E, ao me referir ao mundo do trabalho vou citar que estou trabalhando como “menor aprendiz” no SENAI (Sistema Nacional de Aprendizagem Industrial ) no Curso de “ Auxiliar de Marceneiro “ que exerço no período da tarde . Comida: Churrasco . Livro: Rio Grande do Sul - História e Identidade - de Manoelito Carlos Savaris. Filme: O Tempo e o Vento. Colaboração: Fabrício Vargas O patrão do CTG Rancho da Saudade, da cidade de Cachoeirinha, Henio Vallandro, sofreu uma tentativa de assalto, no domingo, 19 de julho, na área rural de Gravataí, conhecida como Costa do Ipiranga. Segundo o Comando Rodoviário da Brigada, os assaltantes o esperavam próximo a entrada de um sítio, na estrada Henrique Closs. Vallandro acabara de sair do CTG, onde aconteceu a etapa regional do ENART da 1ª RT, que ele foi presidente da Comissão Executiva e é vice-coordenador. Ao pressentir o assalto, Henio tocou seu carro adiante abrindo espaço para a fuga, mas os bandidos efetuaram muitos disparos e um atingiu o patrão no tórax, que mesmo ferido, conseguiu chegar no posto da Policia Rodoviária Estadual e foi levado para o hospital Dom João Becker, em Gravataí. Henio já está em casa se recuperando e passa bem. Foto: Rogério Bastos Henio é patrão do CTG Rancho da Saudade e Vice-Coordenador da 1ª Região Tradicionalista TEMA QUINQUENAL: O MTG ENGAJADO NA CAMPANHA DE COMBATE À CORRUPÇÃO - “LAÇANDO A CORRUPÇÃO” Foto: Rogério Bastos Patrão do CTG Rancho da Saudade sofre tentativa de assalto

[close]

p. 15

Ano XIII - Edição 168 ECO ENTREVISTA Agosto de 2015 15 Ela é de Ijuí, mas começou em Catuipe Daiana Dal Ros, 16 anos, natural de Ijuí, cursa o 3º ano do Ensino Médio no Colégio Sagrado Coração de Jesus, iniciou sua trajetória no CTG Tropeiros do Rio Branco, de Catuípe – 3ªRT, mas agora pertence ao CTG Clube Farroupilha, de Ijuí – 9ª RT Eco: Quem é você longe do vestido de prenda? Sou uma menina simples; procuro me dedicar ao máximo às tarefas que me proponho a realizar, seja em relação aos estudos, às obras que publico como jovem escritora, ao canto, enfim, às mais diversas formas artísticas e culturais das quais sou adepta, o que inclui as propostas pelo Movimento Tradicionalista Gaúcho. Em todos os momentos da minha vida, estando ou não usando um vestido de prenda, procuro ser alguém cordial e simples, que luta por seus objetivos, valoriza aos que sempre estão ao seu lado e auxilia aos que precisam, deixando sua marca positiva no mundo. Nos momentos de lazer, gosto de ler, assistir filmes e conversar com meus amigos. Eco – Como foi a tua preparação para a ciranda 2015? Foram intensos anos de planejamento, estudos acerca de temas relacionados ao tradicionalismo (principalmente no que tange à leitura completa da Bibliografia indicada pelo MTG), treinos e participação em eventos. Procurei, enquanto prenda do CTG Clube Farroupilha e, posteriormente, da 9ª Região Tradicionalista, por duas oportunidades, desenvolver meu papel junto à juventude tradicionalista da melhor forma possível. Sacrifiquei inúmeros momentos de lazer, sem mesmo ter a certeza de que seria suficiente; ao menos, saberia que teria dado o melhor de mim para a realização deste objetivo, que se tornou também o sonho de muitas pessoas que acreditaram em meu potencial. Eco – O que representou para ti atingir esse objetivo? Este resultado é uma realização pessoal, e reflete todo o conhecimento, a experiência e as verdadeiras amizades por mim adquiridos nesta trajetória. A tão sonhada faixa que agora ostento só vem a comprovar que, quando temos um sentimento verdadeiro e um objetivo em prol do bem, neste caso, não apenas individual, mas sim de um coletivo, e lutamos para que ele se concretize de maneira honesta, a recompensa vem da melhor forma. Agraciar a minha Entidade, que há muito tempo não tinha conquista semelhante, e trazer para a cidade de Ijuí, junto ao Bernardo, dois títulos estaduais em um mesmo ano, três, somando-se o do peão Jardelino, completando a representação de nossa Gestão Regional perante o Estado, é algo que engrandece o meu ser, e, com o reconhecimento obtido, faz-me ver que tudo valeu à pena, e muito. Eco – Qual o planejamento para a gestão? O cargo que hoje ostento tem tido marcas inspiradoras ao longo das gestões que se passam. “Eu espero que você, 3ª Prenda Juvenil do Estado do Rio Grande do Sul, Gestão 2015/2016, prossiga trilhando a mesma história, e se dedicando com amor, humildade e responsabilidade em prol do Movimento.” Este foi o desejo de minha antecessora, Caroline Borges de Lemos, expresso em sua despedida, e farei o máximo que puder para realizá-lo. Pretendo andar por este Rio Grande sem perder minha essência, e, assim como fui auxiliada e tive exemplos maravilhosos para chegar aonde cheguei, quero trabalhar e ajudar outras prendas e peões que desejam poder também ocupar um honroso cargo como este, unindo-me aos queridos colegas de gestão nesta árdua, mas incrivelmente prazerosa tarefa, assim como foram os passos já dados. Comida: Churrasco, risoto, lasanha. Livro: Se eu ficar – Gayle Forman Filme: Escritores da Liberdade Frase: “A virtude não está no conhecimento, mas no que o homem faz com o conhecimento que possui”. (Manoelito Carlos Savaris) De Tuparendí a 3ª Prenda do RS Diana Juciéli Ribeiro, 22 anos, natural de Tuparendi. Formada no Curso Normal e atualmente cursando Licenciatura em Letras – Português e Espanhol, na Universidade Federal da Fronteira Sul, campus Cerro Largo pertence ao quadro de associados do CTG Fronteira da Amizade, de Tuparendi. Eco - Quem é você longe do vestido de prenda? Difícil esta pergunta... Longe do vestido sou a mesma de dentro do vestido. Seja qual for o âmbito, os princípios são sempre os mesmos. Sou uma jovem curiosa, com sede de aprender e conhecer, que aceita desafios, que sonha muito e que procura sempre o lado bom das situações. Tenho como meta, me empenhar apenas em ações nas quais acredito e sinto prazer em realizar... O objetivo é fazer parte de atividades que sei que são positivas para as pessoas e para o mundo e que, com toda a certeza, me farão realizada e feliz. Eco – Como foi a tua preparação para a ciranda 2015? Acredito que minha preparação começou em 2009, quando decidi que queria ser uma das prendas da 3ª Região. Foi no momento em que sonhei receber uma faixa de prenda regional, quando passei a participar de eventos em outros níveis, não apenas internos, como até então, que comecei a conhecer a magnitude e grandiosidade do tradicionalismo gaúcho. Depois de buscar novos aprendizado, reiniciei a caminhada e, para a minha felicidade e para a felicidade daqueles que me apoiaram, sagrei-me a 1ª Prenda da 3ª RT 2014-2015. Minha preparação enquanto 1ª prenda regional foi apenas um segmento do que eu já vinha fazendo desde que iniciei neste caminho. Preparei-me bastante para a fase estadual da Ciranda, mas sei que tudo o que eu estudei nos anos anteriores, me deu a segurança e a tranquilidade que, com toda a certeza, foram fundamentais para a conquista do título de 3ª Prenda do Rio Grande do Sul. Eco – O que representou para ti atingir esse objetivo? Representou a concretização de um sonho que, inicialmente, parecia muito distante de minha realidade. Se volto meus olhos para a menina que passou a fazer parte de um Centro de Tradições Gaúchas no final de 2002 ou para a adolescente que descobriu que tradicionalismo ia muito além do que o seu CTG em 2009, sinto um orgulho muito grande, não apenas pelo título que conquistei, mas pela história que construí. Ter ouvido meu nome sendo chamado para buscar uma das faixas do estado foi mágico. Eco – Qual o planejamento para a gestão? Planejo ensinar tudo o que aprendi, sem jamais parar de aprender. Adoro a troca de informações e conhecimentos que conversas com outros tradicionalistas possibilitam. Neste sentido, já cito minha gestão estadual: nós, mesmo à distância, mantemos contato, conversamos sobre assuntos cotidianos, sobre temas sérios e estabelecemos relações que já passam do plano do coleguismo... Já são além de parceiros de causa, amigos. Comida: churrasco Livro: impossível eleger apenas um SoFilme: ciedade dos poetas mortos Foto: Marco Turki Foto: Marco Turki

[close]

Comments

no comments yet