Revista Tai Chi Brasil - Edição Nº 1

 

Embed or link this publication

Description

Revista Tai Chi Brasil - Edição Nº 2

Popular Pages


p. 1

www.RevistaTaiChiBrasil.com.br - Distribuição gratuita e dirigida Edição Setembro/Outubro 2009 - Ano 1 - Nº 1 - Ano Chinês do Boi Tai Chi Brasil Ba xi tai ji za zhi Revista Liu Pai Lin A Arte do Tai Chi, Sua Filosofia de Vida, Seu Estilo de Ser e de Viver Os Cinco Mestres Tradicionais de Tai Chi Chuan

[close]

p. 2

Pratique Tai Chi! Detalhe da foto: apresentação do professor do estilo Wu de Tai Chi, Cid Vicentini, em comemoração ao Dia Mundial do Tai Chi. Curitiba, Paraná. Abril/2008. Foto/Arquivo: Acervo/Cid Vicentini. Locais de prática no Brasil e no mundo: www.fotoserumos.com/aipt_locais.htm Mestres chineses das Cinco Famílias Tradicionais de Tai Chi Chuan . Estilo Chen Chen Zhenglei . Estilo Yang Yang Zhenduo . Estilo Wu/Hao Wu Wenhan . Estilo Wu Ma Hailong . Estilo Sun Sun Yongtian Foto: http://taichisymposium.com

[close]

p. 3

revistataichibrasil.com.br Caixa Postal 2233 Curitiba - PR - Brasil - cep 80011-970 Edição nº 1 set/out 2009 ® Todos os direitos reservados 4° ofício de registro de documentos Revista Tai Chi Brasil Sumário 6 Companheiros do Tao, a herança de Liu Pai Lin Cem Anos Pai Lin Registro nº 401.197 editor levis litz 15 Simpósio Internacional de Tai Chi Chuan A experiência na arte do tai chi chuan é suprema Política nacional de promoção da saúde Forma longa tradicional estilo Yang Os 10 princípios de Yang Cheng Fu albert hemsi, ana maría díaz, anderson rosa, antonio moreira, aparecido lira, arthur dalmaso, bruno davanzo, césar pereira da silva, chang yuan chiang, cláudia moises gonzaga, corral, j., david roberto, eduardo molon, eliane cardoso, fernando de lazzari, inge strobel, jorge jefremovas, josé onofre nunes, lídia vaz nunes, marcelo sato, marcio zaqueu, marli sayomi kubota, miriam liu, nelson tarruze, niall o´floinn, octávio augusto contatore roque severino, tarcísio tatit sapienza e valesca giordano litz adriane smythe, augusto svolenski, estevam ribeiro, marcio miguel, moizes torquato, nelson luis smythe-jr, nilton cezar tridapalli, renate dela bruna, ronise santiago e silvana martinelli colaboraram nesta edição 16 É Fato... 17 Tai Chi Chuan - Forma 20 Tai Chi Chuan - Princípios 21 Aprendendo Chinês agradecimentos Traço a traço: tai ji quan (tai chi chuan) Forma do pequeno círculo 22 Tai Chi Chuan - Encadeamento 24 Tai Chi Chuan - Tratado O 1º tratado de Cheng Man-Ching Os cinco níveis de habilidade revisão viviane giordano assinantes desta edição 1.783 contato | publicidade levislitz@gmail.com revistataichibrasil@hotmail.com jornalista responsável diplomado levis litz - mtb 3865/15/52v pr Distribuição gratuita e dirigida. A reprodução parcial ou total dos textos é permitida desde que citada a fonte e autoria. Não são de responsabilidade desta revista os artigos de opinião e também as opiniões emitidas em entrevistas e depoimentos, por não representarem, necessariamente, o pensamento do editor. Por questões de espaço, objetividade e clareza, a equipe editorial reserva-se o direito de resumir os textos recebidos. Foto com pouca definição é de responsabilidade do autor. Os exemplares impressos em papel desta publicação serão doados para bibliotecas públicas. 26 Tai Chi Chuan - Níveis 29 Para a Ciência... Os efeitos da prática do tai chi em pacientes com diabetes SEÇÕES 4 CARTAS 5 EDITORIAL 18 RÁDIO CORREDOR 23 TRAJETÓRIA 25 OPINIÃO 28 LIVROS 30 PONTO DE VISTA

[close]

p. 4

Cartas Revista Tai Chi Brasil: Caixa Postal 2233, Curitiba - Paraná - Brasil. CEP: 80011-970. levislitz@gmail.com ou revistataichibrasil@hotmail.com Por questões de espaço, a equipe editorial reserva-se o direito de resumir mensagens, depoimentos e textos recebidos. “Parabéns pela iniciativa!” Nelson Tahuze Professor de Tai Chi Chuan Terapeuta de Tui Na Santos, SP “Parabéns por mais este objetivo alcançado. Sucesso! Que este novo “empreendimento” traga muita alegria e realização e fortaleça o Tai Chi Brasileiro. Chi.” Silvana Martinelli Fonoaudióloga Curitiba, PR “Meus parabéns por mais este grande e útil trabalho.” Fernando De Lazzari Professor de Tai Chi Chuan Ribeirão Preto, SP “Olá Levis, como você consegue? rs... fonte inesgotável de ideias e ações... muito chi... paz...” Bruno Davanzo Professor de Tai Chi Chuan Curitiba, PR “Muito boa a tua iniciativa. Conte comigo no que precisar para ajudar a levar adiante essa tua proposta. Precisamos de um meio que atualize e informe as pesquisas e achados correlacionando a prática do tai chi com a teoria.” Jorge Jefremovas Professor Curitiba, PR “Parabéns, tenho certeza que a Revista Tai Chi Brasil dará muito certo!” Maurício Bastos Fisioterapeuta Mariscal, Bombinhas, SC “Congratulações, melhor sorte do mundo com a revista.” Niall O`Floinn Professor de Tai Chi Chuan Galway, Irlanda Que boa notícia, parabéns! Carlos Andrade Recife, PE --------------------------- “Lo felicito por el emprendimiento de la Revista Tai Chi Brasil.” Ana María Díaz Professora de Tai Chi Pai Lin Mar del Plata, Argentina “Queremos parabenizar os organizadores desta publicação pela iniciativa. O taijiquan é, antes de tudo, um “local” de encontro e intercâmbio - entre interno e externo, terapêutica e esporte, idosos e novos, exercício físico e meditação, “li” e “qi”. Assim desejamos que seja este espaço proporcionado pela revista: um local de crescimento para todos. Parabéns e sucesso!” Francis Melvin Lee “Já era necessária esta revista” Prof. Roque --------------------------“Oi Levis, parabéns, você está realizando não só o seu sonho, mas o de muitos que anseiam por isso, o sucesso há de te acompanhar.” Estevam Ribeiro Professor de Tai Chi Chuan Rio de Janeiro, RJ “Parabéns. Sucesso!” Sergio Villasboas Professor de Tai Chi Chuan e Chi Kung, Shiatsuterapeuta e Mestre Reiki Niterói, RJ Federação Paulista de Kung Fu Árbitra da Confederação Brasileira de Kung Fu São Paulo, SP “Parabéns!” Diretoria de Estilos Internos da FPKF Elizabeth Meira Professora de Tai Chi Chuan Uberlândia, MG “Já era necessária esta revista, muita sorte, parabéns!” Prof. Roque E. Severino Diretor Sociedade Brasileira de Tai Chi Chuan São Paulo, SP “Parabéns por mais esse projeto.” Elli Nowatzki Professora de Tai Chi Chuan Curitiba, PR 4 www.RevistaTaiChiBrasil.com.br

[close]

p. 5

EDITORIAL Primeiros Momentos É com imensa alegria que colocamos à sua disposição a Revista Tai Chi Brasil, cujo objetivo é informar, entreter e apresentar os mais variados assuntos de interesse permanente e comum. Aqui você vai encontrar uma leitura com atualidades, fatos, perfis, opiniões, dicas e muitos outros assuntos que despertarão o seu interesse. Cultivar o bom preceito de uma vida melhor e auxiliar na formação de pessoas mais conscientes de seu papel na sociedade, são também partes do ideal desta revista. A Revista Tai Chi Brasil curiosamente nasceu bem longe do nosso país. Foi necessário que estivéssemos no Velho Mundo para que percebêssemos o quanto poderíamos contribuir com o Brasil quando o assunto é o Tai Chi. A ideia foi unir a nossa experiência em jornalismo e Tai Chi para fazer algo eficiente, simples e útil para ser compartilhado com os que apreciam esta arte. Revista Tai Chi Brasil Seja Assinante. É Grátis! Peça seu exemplar digital gratuito! levislitz@gmail.com revistataichibrasil@hotmail.com Palavra ao Leitor Esta revista foi feita para todos, indistintamente, praticantes de Tai Chi ou não. Esperamos que você, amigo leitor, aprecie isso. Nosso trabalho será a de, por meio de artigos, entrevistas e depoimentos, tornálo um leitor mais bem informado sobre o assunto. Por isso seja um agente multiplicador de informação: leia a Revista Tai Chi Brasil. Se achar interessante, você pode imprimi-la e encaderná-la. Folheie suas páginas, divulgue as matérias que mais lhe agradar. Encaminhe por e-mail aos seus amigos. Enfim, participe! A Revista Tai Chi Brasil é uma publicação gratuita, mantida com trabalho voluntário, doações e publicidade. Para que haja continuidade a longo prazo, pedimos aos nossos leitores que não deixem de mencionar a Revista Tai Chi Brasil quando contactar nossos anunciantes. Assim, esta revista será sempre grátis e nós seremos sempre gratos. A propósito, nesta edição, você vai notar que a matéria principal é uma homenagem ao mestre Liu Pai Lin, um dos precursores do Tai Chi no Brasil. Entre outros assuntos, destacamos também dicas de movimentos de alguns estilos de Tai Chi, seus princípios, tratados e níveis. Enfim, a Revista Tai Chi Brasil é muito mais do que uma mera referência à arte do Tai Chi, emerge como um veículo multiplicador ímpar, diferente e especial, produzida com muito carinho. Os profissionais e colaboradores destas páginas têm o nosso profundo respeito e gratidão. Você vai perceber que a partir desta primeira edição, cada ideia resultará numa ação de rabiscar uma nova realidade do Tai Chi no Brasil, e, para isso, contamos com a sua apreciação. Sinceramente! Levis Litz O editor Cultura Chinesa Saúde - Ciência História - Opinião Livros - Imagem Fatos - Notícias Ponto de Vista Participe! Escreva sua opinião, comentário, depoimento ou sugestão. Fale conosco! www.revistataichibrasil.com.br www.RevistaTaiChiBrasil.com.br 5

[close]

p. 6

Cem Anos Pai Lin Companheiros do Tao, a herança de Liu Pai Lin O homem segue a Terra. A Terra segue o Céu. O Céu segue o Tao. O Tao segue o Natural. Mestre Liu Pai Lin “Em 2007, quando houve a celebração dos 100 anos do meu avô, organizada pela Jerusha Chang e pelo Liu Chi Ming, fiquei emocionada ao ver quantas pessoas estavam lá, mais de mil. Percebi que todo o esforço valeu a pena. Pessoas de todo o Brasil tinham mais saúde, mais amor pela vida e esperança, graças aos ensinamentos dele. Acho que transmitir esses conhecimentos para o povo brasileiro foi o destino do meu avô. Para isso ele cruzou o oceano, de Taiwan ao Brasil, para conhecer o Brasil e ensinar as práticas da longevidade.” Miriam Liu Neta do Mestre Liu Pai Lin Textos, depoimentos, fotos e fontes: Albert Hemsi, Ana María Díaz, Antonio Moreira, César Pereira da Silva, Cláudia Moises Gonzaga, David Roberto, Inge Strobel, José Onofre Nunes, Levis Litz, Lídia Vaz Nunes, Marli Sayomi Kubota, Miriam Liu, Nelson Tahuze, Octávio Augusto Contatore, Roque E. Severino e Tarcísio Tatit Sapienza. A trajetória de um mestre Seu nome de nascimento é Liu Jen Yu, mas no Brasil ele é conhecido, venerado e respeitado como o Mestre Liu Pai Lin. Nasceu na China em 1907, mas depois naturalizou-se brasileiro. Os ensinamentos do taoísmo (um dos pilares filosóficos da China) lhe foram introduzidos por seu tio-avô, um respeitado mestre taoísta chinês. Na arte do Tai Chi Chuan, Liu Pai Lin foi discípulo de dois grandes mestres: Yang Chen-Fu, do Estilo Yang e Chang Chin Lin conhecedor do Estilo Yang e outro estilo taoísta. O Mestre “Pai Lin”, nome adotado que significa “Cem Anos” - para expressar seu desejo de que todas as pessoas possam ter uma vida longa e com saúde - foi um dos que introduziu a MTC: Medicina Tradicional Chinesa no Brasil. Fundou o Instituto Pai Lin de Cultura Chinesa em São Paulo e foi Diretor de Instrução de Longevidade da Universidade da Paz, em Brasília. Em 1990 a Câmara Municipal de São Paulo homenageou o Mestre Liu Pai Lin com a Medalha Anchieta e o Diploma de Gratidão da Cidade, lhe atribuindo o título de Cidadão Paulistano. Com a colaboração de Jerusha Chang, Pai Lin cria, em 1991, a Associação Tai Chi Pai Lin. Recebeu em 1993 o título de Presidente de Honra da Associação Internacional de Tai Chi Chuan de Taiwan. No ano seguinte, em 1994, recebeu o Diploma de Honra ao Mérito da Cidade de Belo Horizonte. Foi agraciado em 1997 com o título de Cidadão Brasiliense e reconhecido em 1999 como cidadão de Ribeirão Preto, SP. O Mestre Liu Pai Lin faleceu no dia 02 de fevereiro de 2000, aos 93 anos. Seu filho, o Mestre Liu Chih Ming, renomado acupunturista, dedica-se como o pai à transmissão dos conhecimentos recebidos da cultura chinesa. Ele foi o fundador do Centro de Estudos da Medicina Tradicional e Cultura Chinesa – CEMETRAC, em São Paulo, onde há um memorial em homenagem ao Mestre Liu Pai Lin com objetos de seu uso pessoal. Anualmente há celebrações em sua memória. 6 www.RevistaTaiChiBrasil.com.br

[close]

p. 7

O Mestre Liu Pai Lin - a visão de quem o conheceu “Sinto um privilégio por ter conhecido e convivido com o mestre Liu. O mestre sempre estava alegre e disposto, feliz e brincalhão. Cumprimentava a todos, principalmente as mocinhas bonitas. “Tem que ter cara feliz”, dizia ele. O mestre sempre falava que o objetivo do Tai Chi Pai Lin é a saúde e a longevidade, e seu caminho é a serenidade. Mas para que viver tanto, se ele mesmo dizia que viver depois dos 90 anos era difícil? Treinar o corpo para treinar o espírito, permitir que seu espírito evolua. Era fácil flagrar o mestre treinando, seja caminhando, meditando ou brincando com os movimentos do Tai Chi ou do Pa Kua. O mestre sempre estimulava a treinar muito e ser persistente, treinar sempre. Nos ensinou a observar o tai chi na natureza e ter o tai chi vivo, aquele que se mantém consigo. Ele sempre foi o exemplo vivo de sua filosofia – olhos brilhantes e perfeitos, pele lisa e firme, e a disposição de um menino. Durante mais de quatro anos ele anunciou aos discípulos que queria partir, seu corpo era pesado e não permitia que seu espírito alçasse voos mais altos. E assim, na hora que sentiu que sua missão na terra estava cumprida, ele se foi, numa madrugada do início do ano de2000, na maior serenidade.” Marli Sayomi Kubota Instrutora de Tai Chi Pai Lin desde 1990. marlisayomi@hotmail.com Paranaguá, PR “Ter conhecido, convivido e trabalhado diariamente com o Mestre Liu Pai Lin foi uma sorte celestial, é imensurável a gratidão e o amor que tenho por ele. Vi ao longo dos anos de convivência dentro do Tai Chi e em sua clínica, atuando como médico taoista, o amor e o carinho que ele tinha pelos seus instrutores, alunos e pelo ser humano. Desejava que todos tivessem a iluminação, saúde, inteligência e longa vida. Todos os dias, em minhas orações, agradeço aos céus por ter colocado em meu caminho e em nosso país essa alma iluminada que trouxe e continua trazendo benefícios para tantas pessoas através de seus conhecimentos taoístas, pela prática da meditação e do Tai Chi Chuan.” Nelson Tahuze Estudou diretamente com o Mestre Liu Pai Lin. Instrutor de Tai Chi Santos, SP “Conheci o Mestre Liu Pai Lin pessoalmente em fevereiro de 1978. Naqueles tempos o Mestre Liu estava vivendo com o seu filho numa floricultura na Av. Domingos de Moraes (acho), perto do metrô Vila Mariana. Lá nos encontrávamos com Jerusha Chang, Lucia Lee e Augusto. O Mestre sempre nos atendia com muitíssimo carinho e nos instruía sobre os conceitos do Taoísmo. Naquele ano, em São Paulo, Campinas, Santos e São José dos Campos, comecei a ensinar a forma tradicional da Familia Yang e, apesar das formas de tai chi serem um pouco diferentes, o Mestre Liu Pai Lin sempre me ajudava com os meus alunos, vindo até a nossa escola oferecer seus ensinamentos sobre Taoísmo, I Ching (o Livro das Mutações) e o Tao In (meditação taoísta). Ao final de 1979, tive que viajar por um ano para fora do país, e foi naquele momento que redirecionei todos os meus alunos aos cuidados do Mestre Liu, gesto que para o Mestre foi a demonstração de meu afeto por ele e o Mestre Liu Chi Ming. A partir de 1980, continuei meus estudos com o Mestre Liu, em especial sobre o Tao In, Tui Na e I Ching, mantendo nossa amizade e colaborando com ele em tudo o que eu podia. Mestre Liu Pai Lin, até os seus últimos dias, sempre me ajudou muitíssimo junto aos meus alunos. Por último, como uma forma de carinho e como selo de nossa amizade, o Mestre Liu Chi Ming escreveu o prefácio do meu livro de I Ching, publicado depois pela editora Icone. Até hoje sempre mantemos contato com o Mestre Liu Chi Ming.” Professor Roque E. Severino Diretor da Sociedade Brasileira de Tai Chi Chuan www.sbtcc.org.br São Paulo, SP www.RevistaTaiChiBrasil.com.br 7

[close]

p. 8

O mestre Liu ensinou durante aproximadamente 25 anos em São Paulo e divulgou as práticas taoístas no Brasil e pela América Latina, mas seu maior legado foi “os companheiros do Tao”, encontro de praticantes para passar o dia, treinar e divulgar o conhecimento taoísta de modo informal. Esses encontros quinzenais ou mensais, muitas vezes realizados na casa do mestre, no bairro do Cambuci, tinham como característica a amizade em torno das práticas. Como nada era cobrado, os participantes traziam comidas, bebidas ou se aventuravam na cozinha da casa. Os “companheiros do Tao” nasceram do gesto espontâneo do mestre Liu em estimular a fala dos anciões chineses que praticavam o Tai Chi aos domingos, no salão de festas da Missão Católica Chinesa, na Vila Olímpia. Ao reconhecer as experiências e os conhecimentos dos velhos praticantes, o mestre Liu abria as possibilidades do aprender além da relação mestrediscípulo. Nesses encontros sentava-se em roda e se faziam interpretações pouco ortodoxas do Tao The King, antigos tratamentos de saúde eram evidenciados, a experiência militar de alguns membros era recordada e hexagramas do I Ching eram relidos conforme os treinamentos da alquimia taoísta. Até o canto da ópera chinesa tinha seu espaço de escuta e reflexão. Embora os alunos mais jovens, em sua maioria ocidentais, permanecessem em silêncio absorvendo essa exótica culinária do conhecimento, alguns se arriscavam a contar a transformação vivida após a prática do Tai Chi nas suas experiências profissionais ou artísticas. Imbuídos pela necessidade de expressão e de comunhão e quebrando um pouco as fronteiras geográficas do conhecimento, geravam um círculo de cultura plural. Esse espírito de celebração associado ao conhecimento pode ter sido inspirado por uma troça realizada pelos alunos ocidentais dos treinos da igreja, no final do ano de 1979. Com intenção de agradecer o mestre e retribuir pelo aprendizado, estes organizaram uma festa surpresa de fim-de-ano: a pessoa encarregada de trazer o mestre pela manhã perdeu o caminho e os alunos prepararam uma mesa de petiscos e se esconderam atrás do balcão do salão de festas, onde se praticava todos os dias. O Mestre Liu, um pouco agitado pelo atraso involuntário, se deparou surpreso com o salão vazio e, em seguida, com os alunos saindo do esconderijo e aplaudindo. Eles ofereceram uma cadeira para o mestre se sentar e apresentaram a forma longa do Tai Chi Chuan, única que se praticava na época. Esse modo de confraternização acabou por ser realizado anualmente, envolto a apresentações, depoimentos e fala espontânea do mestre, comidas e bebidas. Com o crescimento do número de participantes nas práticas regulares de Tai Chi, o mestre Liu passou a contar com a colaboração dos alunos mais antigos para orientar os novos no início de seus treinos. Esse grupo e outros mais envolvidos e frequentes eram comumente convidados para o café da manhã na padaria e para um banquete de final de “ ano em um restaurante chinês. Foi esse grupo que, em abril de 1982, na comemoração do nascimento do lendário criador do Tai Chi, Chang San Fan, ajudou a fundar a Escola de Tai Chi Pai Lin, no salão de festas da igreja. Mas se a prática diária na Missão Católica Chinesa já estava consolidada, por que fundar uma escola? Talvez pelo reconhecimento de que a transmissão recebida era um conjunto consistente e unitário e pela vibração energética em torno dos ideais do Tai Chi expressos pela figura e modo de ser do mestre Liu. Foi com esse espírito que alunos acompanharam o mestre em encontros variados: o festival de música de Águas Claras em 1981, a IX Conferência Mundial pela Unidade Humana, em Foz do Iguaçu em 1982, a viagem ao sul de Minas em 1983, os seminários em Buenos Aires e na Cidade do México; além do cuidado cotidiano de acompanhar o mestre, levá-lo e trazê-lo, em São Paulo, nas diversas atividades em que era convidado. Após algum tempo, com o casamento do mestre e a reestruturação da Escola nos moldes convencionais, uma instituição privada, o Instituto Pai Lin de Cultura e Ciência Oriental, os encontros dos companheiros do Tao se tornaram secundários. Nesse período eram os próprios praticantes que buscavam se reunir conforme a ocasião; em torno de um jantar num restaurante chinês, se possível com a presença do mestre, um treino no final de semana no parque do Ibirapuera ou do Cambuci, um aniversário, um dia de sábado num sítio próximo a São Paulo, ou uma saída para Santos para o evento de um dos discípulos. No Instituto, foi a vinda das Dras. Hu a São Paulo, em 1991, duas irmãs especialistas em Chi Kun e filhas de um reconhecido mestre, amigo do mestre Liu, que mobilizaram alunos antigos e solidários ao acolhimento do conhecimento taoísta. Os ideais de companheirismo, troca desinteressada, alegria e júbilo ressurgiram. Esses ideais, que se manifestavam de tempos em tempos, acompanharam a reunião do mestre Liu com o mestre Ma Tzu Kuen, radicado na Argentina, no centro esportivo da USP, permitiram a realização da demonstração de práticas taoístas no Vale do Anhangabaú, em setembro de 1992, e motivaram alguns alunos a comprar um terreno fora de São Paulo para um projeto de escola junto à natureza, além da organização de uma associação que abrigaria os praticantes do Tai Chi Pai Lin. No embate entre a rotina, a utopia e o sonho, permaneceu, entre os companheiros do Tao, a busca pelo “vazio interior” à maneira taoísta, o desejo da transmissão amiga e da popularização das práticas - muitas vezes possibilitadas por projetos de prefeituras - e também os encontros, as conversas, as viagens eventuais, e o entendimento de que a união entre o mundo espiritual e o material se dá através da transformação da própria energia com a energia do grupo. Albert Hemsi São Paulo, SP ” 8 www.RevistaTaiChiBrasil.com.br

[close]

p. 9

Quando conheci o Mestre Liu, já trabalhava com Acupuntura, era “discípulo” do Dr. Cooper, fazia Triatlon e era dono de uma academia. Foi recomendado por professores a procurar “o Mestre idoso que logo iria parar de ensinar”. Como já tinha o conhecimento da visão ocidental (e oriental) sobre a Medicina Tradicional Chinesa, ao invés de fazer um curso acadêmico na China, resolvi aproveitar a oportunidade e continuar os estudos com um Mestre Taoísta aqui mesmo, no Brasil. Um tipo de conhecimento que não se encontra em livros. Aprendi com o Mestre que o esporte deveria ser encarado como uma fonte de preservação e promoção de saúde, para melhorar a qualidade de vida e não como algo para superar os próprios limites ou mais um meio de disputas. Que o individuo, além de manter a forma física, também deveria cuidar da parte energética, porque uma dependia da outra para haver o equilíbrio no organismo. E também que cada pessoa deveria buscar uma integração com a natureza; conceitos que não havia aprendido até então. Ele aconselhava dar a devida importância ao progresso pessoal, mas sempre cuidar da saúde, a base de tudo. E, mais do que ensinar, praticava o que pregava! Mestre Liu considerava o Tao como “mãe da ciência”, pregava a união das duas formas de Medicina (a tradicional e a moderna), incentivava as pesquisas sobre o conhecimento tradicional e tinha o Tao In e Chi Kung como o mais alto nível da MTC. Mestre Liu mantinha um padrão de educação internacional de alto nível, devido a seus raros conhecimentos sobre o Tao. Apesar de hoje o ambiente mundial ser favorável e a saúde global receber uma atenção sem precedentes, ainda há uma gigantesca lacuna neste país na área acadêmica da MT, “ Medicina Tradicional. Se o Brasil está na vanguarda latino americana por inserir oficialmente a Medicina Tradicional no sistema nacional de saúde há mais de três anos, garantindo o acesso da população a estas técnicas no SUS, boa parte dos créditos devem ser atribuídos ao Mestre Liu que, com muito esforço, paciência e dedicação, como um orientador acadêmico, educou e formou profissionais de elevado nível técnico, divulgando e ampliando a comunicação entre o tradicional e o moderno, promovendo uma cooperação entre Brasil e China. Como a ênfase hoje em dia está nos cuidados primários de saúde, técnicas como o Chi Kung (Tai Chi Chuan incluso) serão extremamente importantes no SUS, para uma verdadeira prevenção e promoção de saúde, além da Acupuntura, Fitoterapia e da Homeopatia, que também estão contempladas na política de estado de saúde. Passados alguns anos, a OMS e a UNESCO reconheceram a Medicina Tradicional com um patrimônio científico e cultural da humanidade e um dos recursos dos serviços de atendimento médico básico para aumentar o acesso e a disponibilidade, pedindo que ela seja mais promovida e integrada aos sistemas de atendimento médico dos países membros. Os conhecimentos das MTs, seus tratamentos e práticas são propriedades dos povos que lhes deram origem e devem ser respeitados, conservados, promovidos e divulgados ampla e apropriadamente. A OMS elaborou uma estratégia mundial para as MTs e já criou uma Comissão de Direitos de Propriedade Intelectual, Inovação e Saúde Pública. Ainda segundo a OMS, os governos, que têm o dever de cuidar da saúde do povo, devem ter políticas, regulamentos e normas para garantir o uso adequado, seguro e eficaz das MTs, estabelecendo sistemas de qualificação, credenciamento ou autorização para os profissionais da MT e programas de capacitação para os profissionais de saúde, reforçando a comunicação entre os profissionais destas duas vertentes, tradicional e moderna. Como preconizava o Mestre. Ao Mestre Liu que alterou profundamente nossa história, nossa eterna gratidão. David Roberto ” www.RevistaTaiChiBrasil.com.br 9

[close]

p. 10

O Tai Chi Pai Lin de Formação Taoísta para a Saúde e Longevidade (que aconteceu do início de 1995 até final de 1999). Dessa forma pudemos beber diretamente da fonte do Taoísmo e do Tai Chi Chuan. Assim, participando dos encontros com o Mestre Liu Pai Lin, pude perceber quão acertada foi a decisão em iniciar a prática do Tai Chi Chuan, pois o caminho desvendado pelo Mestre se mostrou de uma beleza e de uma profundidade inesgotáveis. Percebi que a vida toda devotada ao estudo e prática nessa arte não esgotariam as descobertas e as explicitações de fatos mesmo já vistos, tornando dessa forma o tempo vivido mais pleno e feliz. A oportunidade que tive de ouvir os ensinamentos do Mestre Liu e participar das práticas conduzidas por ele, me impactou decisivamente para que eu elaborasse um projeto de vida voltado para o trabalho com as artes corporais chinesas; também me deu a certeza de que a constância nos treinamentos que ele ensinou iria permitir uma boa qualidade de vida, com bastante saúde e muita paz. A profundidade dos ensinamentos transmitidos pelo Mestre Liu me impressionam cada vez que retorno aos estudos das anotações e apostilas baseadas nas aulas que o Mestre ministrou. Trata-se, portanto, de um conhecimento que vai se descortinando a cada nova consulta dos resumos e anotações realizados por ocasião dos encontros com o Mestre Liu. José Onofre Nunes Professor de Tai Chi Pai Lin www.harmoniaemovimento.com.br Curitiba, PR. O conhecimento do Mestre Liu se deu inicialmente através do Prof. Hélio, um gaúcho que escolheu Curitiba para viver e iniciar sua vida de dedicação a Medicina Tradicional Chinesa e ao treino das artes corporais chinesas – o Tai Chi Chuan, Tai Chi Espada, o Baguá e também o Tui Shou. Ao mesmo tempo que se aprofundava no conhecimento do Tai Chi Chuan através da convivência direta com o Mestre Liu, Hélio também se dedicava ao estudo do Taoísmo, do I Ching e da Medicina Tradicional Chinesa (acupuntura e tui na - no qual tornou-se um expert). Assim, através do Prof. Hélio, chegamos ao Mestre Liu Pai Lin e pudemos participar por vários anos dos workshops – verdadeiros retiros Taoístas – do Mestre, realizados em finais de semana (em São Roque – SP e também em São Paulo - capital). Nesses encontros o Mestre transmitia a filosofia de Lao Tze, o Taoísmo, a Medicina Chinesa, o I Ching e as práticas corporais do Qi Gong e do Tai Chi Chuan. Tais workshops faziam parte do curso “Meu encontro com o Tai Chi Pai Lin aconteceu como resultado de um chamado interno. Reconheci os benefícios que esses treinos já traziam para mim e para pessoas que acompanhei durante o tempo de prática, pois iniciei meus estudos em 1992, em outra linha de Tai Chi. Ao longo do tempo, um certo vazio começou a acontecer em mim, como se faltasse algo. Era uma sensação de poder ir muito além, em significado e essência nessa arte para longevidade. Já escutava falar do Mestre (Liu Pai Lin). Tão logo comecei a me aprofundar nas práticas, tive oportunidade de conhecer pessoas que aprenderam diretamente com ele. Também por intermédio de algumas dessas pessoas me chegavam materiais didáticos, como apostilas escritas por seguidores do Mestre Pai Lin e fita gravada com apresentação feita pelo próprio Mestre. Algo de certa forma singular e raro, já que Mestre Liu transmitia seus conhecimentos pela tradição oral. Esses fragmentos de ensinos já me tocaram de forma especial. Mesmo assim, não tive a oportunidade de conhecê-lo pessoalmente. Mas logo que pude, busquei beber de sua fonte, iniciando a formação com Jerusha Chang, pessoa que abraçou a missão de dar continuidade de uma forma muito fidedigna aos ensinamentos desse Mestre. Pela lealdade e humildade na forma de sua transmissão, também merece minha profunda admiração. Foi então que senti ter encontrado o que procurava: um veio profundo “ ” do fino conhecimento da ciência de transmutar a própria energia através do cultivo do coração, do refinamento do olhar em relação aos ciclos da vida, seus movimentos e o quanto tudo isso interfere diretamente na qualidade de nossa existência. Mestre Liu ensinou muitas preciosidades que hoje são transmitidas por aqueles que se deixaram tocar pela profunda e genuína forma de ensino que ele deixou, como os segredos da auto-transformação através da ligação com as leis da natureza, recebendo como resultado um descortinar da beleza existente na verdadeira saúde, que é estar em harmonia com o Todo. Em um momento da atualidade em que cada vez se faz mais necessário o cuidado, o respeito e a ética para com a vida, seguimos tendo como relembrar e vivenciar verdadeiros valores, como viver em paz, em harmonia com a vida e a natureza, fonte de equilíbrio e de tudo quanto precisamos para que seja plena nossa existência. Assim seguimos, tendo a certeza de que há muito ainda a aprender, mas já podendo desfrutar de cálidas transformações inspiradas por essa prática que reúne em essência o ser conectado com o verdadeiro poder, que é o amor inerente à vida.” Cláudia Moises Gonzaga Instrutora de Tai Chi Pai Lin Tel: (48) 3879 6520 / 991217 05; ctaomoises@gmail.com Florianópolis, SC 10 www.RevistaTaiChiBrasil.com.br

[close]

p. 11

Conhecer o Mestre Liu foi uma grande sorte e conviver diariamente com ele um grande desafio. Em 1982, quando me tornei seu aluno, estava aterrorizado com os fatos de minha vida, os homens da minha família morriam sucessivamente e eu me via, aos 21 anos de idade, doente, cercado de viúvas, sem uma profissão e principalmente atolado em diversos ideais – espiritualista, naturalista, anarquista, pregando a chegada eminente da sociedade alternativa. Resumindo, ao pensar em mim naquele momento poderia definir-me como um “crente da nova era” como tantos que haviam naqueles idos tempos, em que se acreditava na queda do capitalismo e no momento tão esperado do surgimento de um ser humano melhor, digno de seu potencial e merecedor do planeta em que habitava. Naquela época se acreditava fortemente numa solução aos problemas da humanidade, pautada na prática de uma vida natural. O Mestre Liu, ao mesmo tempo em que nos trazia um conhecimento prático e eficaz de cuidar da saúde, falava do ideal Taoísta de comunhão com a natureza criadora e mantenedora da vida. Era maravilhoso ouvir tal fala e, mais ainda, ver alguém que diariamente vivia o que ensinava. Para mim era pôr terra sob meus pés. Muitas histórias me vem à mente sobre este emblemático mestre Taoísta, algumas de arrepiar o cabelo de seus alunos crentes mais recentes, que o cercavam e idolatravam nos seus últimos anos de vida. Temo que elas possam ferir e aparentemente macular a aura com que estas pessoas revestiam a figura de nosso mestre querido, mas acredito que, ao inverso disto, estas histórias falam do homem presente por detrás do mestre, o que só o engrandece, dando a dimensão de sua humanidade, transcendência e exemplo vivo dos seus ensinamentos. Para isso, como dizia o Mestre Liu “é preciso abrir a viseira do burro”, às vezes tão obtusa. Na tentativa de atender a gregos e troianos, vou contar algo que aconteceu comigo e que ilustra um pouco das muitas facetas da aprendizagem com o Mestre Liu e sua curiosa forma de ensinar. As pessoas que se consultavam com ele eram atendidas com a maior gentileza e estímulo à sua recuperação, como fazem os grandes médicos. Em compensação, para nós, seus ajudantes, era dito que: “alguém que se atreve a cuidar da saúde dos outros, deve no mínimo saber cuidar de sua própria”. Esta frase, que me ecoava, fazia com que evitasse procurá-lo quando não estava bem e também a ser discreto quando caía na gandaia e ia para a escola direto da farra, para não perder as suas aulas. Num desses dias em que emendei uma saída na noite com o dia seguinte e não queria perder uma palestra especial que era dada às sextas feiras de manhã, entrei devagarinho e sentei atrás de todo mundo, de forma que o Mestre Liu não me visse. Num determinado momento, alguém fez a inteligente pergunta se o cigarro fazia mesmo mal à saúde, e o mestre, com toda gentileza, começou respondendo que sim e, utilizando dos conceitos da medicina chinesa, afirmou que o cigarro prejudicava o sangue e a energia, algo que poderia ser percebido em alteração na cor da pele do fumante. Então, apontou para o moço que fez a pergunta e exemplificou dizendo: “uma pessoa que não fuma, como o Otávio”, e virou-se totalmente para trás, apontando para mim, que literalmente deveria estar com a cara acabada, por conta da noitada. Imediatamente eu pensei: “Como ele me viu? Eu que estava aqui tão escondido”. A pessoa muitas vezes ficava lisonjeada com a resposta à sua pergunta, sem saber que ele sempre falava o que queria e adaptava a sua fala a do outro, mesmo frente a perguntas tolas. O Mestre Liu tinha um sexto sentido muito apurado e constantemente o mostrava com a sua capacidade de ver e falar sobre algo que havia acontecido, o que, às vezes, era desconcertante. O interessante é que ele nunca me dizia o que fazer ou para onde ir, apenas oferecia um período de silêncio quando eu abusava do direito de ser chato, e como o silêncio dói. A pior coisa do mundo era ele o elogiar, você queria morrer. Os que já tinham aprendido esta lição, encolhiam ao ouvir o próprio nome e ter que se ver no espelho que nos era apresentado, os iniciantes se pavoneavam sem saber que quanto mais subiam com os elogios, maior seria o tombo. Aprender com um mestre nem sempre é como a gente fantasia. Octávio Augusto Contatore Campinas, SP “ O Mestre Liu Pai Lin e sua influência ” “A cultura popular do Tai Chi Chuan nos é transmitida pelo Oriente, com um grande teor de conhecimento, tradição e espiritualidade. Este curioso e completo exercício (o Tai Chi Chuan) chegou ao nosso continente via São Paulo, mais ou menos na década de 60, se propagando pelo Brasil e também por Curitiba, aqui já em l980. Foi assim... Liu Pai Lin, militar aposentado chinês, numa visita a parentes que residiam em São Paulo, se encantou com o Brasil e com os brasileiros e resolveu ficar entre nós. Ficando, passou a praticar e ensinar aos vizinhos esse tipo de exercício muito popular em seu país de origem. Tudo começou em praças, cresceu para academias e através de seus seguidores, para cursos mais avançados. Um de seus discípulos, de quinze em quinze dias, vinha a Curitiba e nos ensinava. Muitos foram os que se encantaram e participaram, mas poucos os que com o tempo perseveraram. Destas sementes brotaram divulgadores empenhados, que se multiplicaram com os anos; o resultado é que hoje a popularidade do Tai Chi Chuan em nossa cidade é enorme e seus benefícios amplamente reconhecidos.” Inge Strobel Tel: (41)3252-4921 inge.taichi@gmail.com Curitiba, PR www.RevistaTaiChiBrasil.com.br 11

[close]

p. 12

Minha iniciação na cultura chinesa se deu em 1973, quando conheci e me apaixonei pelo I Ching. Em 1984 comecei a dar consultas e ensinar as pessoas a interpretar as respostas do Livro, mas nunca tinha encontrado um professor, e queria muito me aprofundar nesse conhecimento. Em 85, dois velhos amigos elogiaram a excelência do Mestre Liu Pai Lin na Medicina Tradicional Chinesa, e outra pessoa elogiou os seus profundos conhecimentos do I Ching. No início de 86, atraído por essas indicações, marquei uma consulta com ele. Poucos dias depois participei da sua aula de Tao Yin (Meditação e Alquimia Interior Taoísta), fiquei deleitado com seus comentários sobre dois dos hexagramas das Mutações e impactado com o poder do treinamento de energia que ensinou. Na manhã seguinte fui à sua aula de Tai Chi, fiquei encantado, e logo estava frequentando, além dessas, todas as outras aulas que oferecesse — Chi Kung, Tui Ná e os princípios da Medicina, Espada Tai Chi, Pa Kua Tsan, I Ching. Em 1999 fui iniciado pelo Mestre Liu como discípulo taoísta, e, a partir de então, aprofundar-me no caminho do Tao passou a ser cada vez mais a minha prioridade maior. O Tai Chi taoísta e as outras artes que nos transmitiu trouxeram transformações profundas ao meu corpo — naquela época, aos 33 anos, rígido, travado, com alguns desequilíbrios crônicos —, e hoje, apesar dos vinte e três anos a mais — flexível, ágil, e muitíssimo mais saudável. Mas não se pode soltar e equilibrar o corpo sem flexibilizar e serenar a psique, ou, na linguagem taoísta, esvaziar a cabeça e o coração; isso foi sendo feito paralelamente, à medida que ia assimilando os princípios da visão de mundo do Tao, praticando o Tai Chi e depois de 1990 também ensinando e praticando a meditação e a partir de 1995 também ensinando. Mestre Liu dizia: “O Tai Chi é uma filosofia de vida”, e eu o sentia e aceitava assim, me esforçando para incorporar essa filosofia o mais profundamente possível. Sua presença na minha vida foi a de um verdadeiro Mestre, que me orientou e ajudou até no maior dos desafios, a luta para libertar-me “ Admiração, homenagem e respeito ao Mestre Liu Pai Lin de mim mesmo: pelos ensinamentos, pelo exemplo, pelos conselhos passados nas consultas pessoais e passados também nas aulas — quando nos dizia o que precisávamos ouvir, assegurando-nos do endereço do recado pelo olhar, acompanhado pelo sorriso amoroso, quase sempre pelo riso aberto em alguns casos, em outros pela expressão de preocupação ou desagrado. Tinha uma firmeza imensa, fruto da luminosidade do seu espírito e da sua experiência militar como general e comandante de milhares de homens na Segunda Guerra Mundial. Mas, ao mesmo tempo, seu semblante, seu gesto, seu movimento, sua voz, sua atitude, eram modelos de suavidade, leveza e delicadeza. Um autêntico Ser Verdadeiro taoísta, Mestre Liu encarnava com perfeição a plenitude e o equilíbrio dos princípios cósmicos yin e yang. Quando dizia “o Tai Chi é uma prática para o sentimento do amor”, estava realmente falando com o coração (a íntegra dessa sua palestra de 1987 está disponível na página www.antoniomoreira.pro.br/palestra_mestre. htm). Sua interação conosco podia ser mais doce ou mais dura, conforme sentisse que necessitávamos; mas, fosse como fosse, era sempre e acima de tudo amorosa, por isso nossos corações invariavelmente se abriam na sua presença. Hoje, transmitindo aos meus alunos os ensinamentos que recebi do Mestre, me deparo com sua permanência de Ser Iluminado. Um aluno, Felipe, desde os poucos meses de aprendizado, recebeu algumas vezes sua orientação; num momento mais difícil, o seu estímulo; e até, noutra ocasião, sua visita médica (seu depoimento está disponível na página: www.antoniomoreira.pro.br/depoimentos2.htm). O Mestre Lao Tsé, no poema 16 do Tao Te Ching, dizia: [...] Retornar à raiz quer dizer serenar / Serenar quer dizer retornar à vida / Retornar à vida quer dizer permanecer / Permanecer quer dizer iluminar-se. [...] Tao traz eternidade: A morte do corpo não o ameaça. Antonio Moreira São Paulo, SP ” “Sou discípulo do Mestre Liu Pai Lin desde 1984/85. Falar sobre o Mestre é uma coisa muito difícil, acho até melhor falar sobre os atos e mensagens, e até passagens da convivência com Ele. Uma que me marcou muito e que mostra como Ele pensava e agia é sobre a não interferência ou Wu wei. Um dia eu observava discípulos mais antigos conversando com Ele e conjecturando sobre a possibilidade de abrir uma “escola” formal, para ensinar a Cultura e a Ciência de fundo Taoísta, apesar de já existir o Instituto que leva seu nome. Na época sentíamos a necessidade de formar pessoas de uma forma mais criteriosa, pois havia pessoas que se autointitulavam professores e que não tinham uma base sólida nem mesmo tempo de vivência para a divulgação, podendo desvirtuar este conhecimento. Num determinado momento o Mestre disse que quem iria cuidar destas pessoas seria o Tao e que nós não deveríamos nos preocupar com isto. Toda vez que vou passar algo aos meus alunos sempre tenho em mente que não devo interferir no aprendizado deles. Até mesmo nos meus treinos procuro agir sutilmente sobre a minha energia e sobre a minha vontade para não contrariar o Tao, lembrando sempre que sou este pequeno ladrão do vazio, e que apesar de tudo devo seguir o caminho, mas de uma forma a ludibriá-lo gentilmente como me ensinou o Mestre Liu.” César Pereira da Silva e-mail gyas@uol.com.br; São Paulo, SP 12 www.RevistaTaiChiBrasil.com.br

[close]

p. 13

Palavras de uma neta... Comecei a estudar o Taoísmo aos 22 anos, queria aprender mais sobre os valores da minha própria família. Frequentei por um tempo os cursos que o meu tio, Liu Chi Ming, ministrava sobre acupuntura quando pude aprender mais sobre Taoísmo e MTC. Para mim foi como redescobrir a vida, ter uma visão holística sobre o universo e o homem. Comecei a aprender Tai Chi com 8 anos, no Instituto Pai Lin. Confesso que as aulas não eram fáceis para mim, a sincronia dos movimentos exigia muita concentração. Hoje pratico o abraçar a árvore, o alongamento dos tendões e automassagem. O meu avô era uma pessoa adorável, sempre de bom humor e comprometido com a prática do Tai Chi. Ele tinha muita leveza no seu pensamento, mas muita força no seu caráter e nas suas atitudes, isso era algo extraordinário nele. Outra coisa que me chamava a atenção era a rotina que ele seguia entre práticas de Tai Chi e meditações, tudo tinha um horário certo, ele vivia o que ele acreditava, ele comia e bebida o Taoísmo, a sua alma era habitada pelo espírito do Tai Chi, daí vinha a serenidade que ele irradiava, assim como a alegria de viver e o amor pelo mundo. Acho que o Tai Chi traz isso às pessoas que o praticam. O meu avô sempre foi muito amoroso, nunca tivemos um relacionamento de aluna-professor. Ele me ensinou muito com a sua forma de agir, sempre nos incentivava, elogiava e dava muito amor. Quando eu era pequena ele começou a ensinar Tai Chi e chinês, mas de uma forma muito amável e paternal, nada formal. Nasci numa família em que a vida era voltada para o Taoísmo, MTC. Minha mãe fazia Tui Ná, meu avô dava aulas de Tai Chi e o meu tio fazia acupuntura. Esse era o ar que eu respirava. Desde criança nós fazíamos Tui Ná em casa. Todos os sábados nos reuníamos e trocávamos massagem, era muito relaxante e revitalizador. Sem perceber, cresci com muita saúde, nunca precisei tomar remédios. Agradeço muito minha família por isso. Os tendões e a consciência sobre os cinco elementos também estão sempre presentes “ em minha vida. Por exemplo: nunca durmo depois das 23 horas, para que o elemento madeira possa crescer e renovar as energias para o dia seguinte. Hoje, se ocorre de eu dormir tarde, sinto que não estou tão descansada como quando se tivesse dormido mais cedo, o dia não rende. Assim como sinto que a prática dos “tendões” me trouxe mais flexibilidade ao corpo, e isto se traduz em um corpo mais revitalizado e com um melhor fluxo de energia. São diversos pequenos hábitos da cultura chinesa que aprendi com o meu avô e com a minha mãe, que em conjunto me ajudam a ter uma qualidade de vida melhor. Creio que aqueles que conhecem e praticam o legado do Mestre Liu Pai Lin são pessoas inteligentes e de muita sorte. São ensinamentos preciosos, que mudam a nossa forma de ver e de interagir com o mundo. É como um click que ocorre em nossas mentes, quando finalmente entendemos o significado de muitas coisas. Aqueles que praticam o Tai Chi e a MTC tem uma compreensão ampla sobre a vida, sobre a integração do Homem, do Céu e da Terra, sobre como o universo interfere no nosso corpo e mente. Descobrir a medicina tradicional chinesa é talvez o maior presente de nossas vidas. A marca que o meu avô me deixou é que ele chegou ao Brasil com quase 70 anos, sem falar português. Nessa idade e circunstâncias, muita gente já pensaria em se aposentar e passar o resto dos dias adormecidos para a vida. Nesses 20 e poucos anos de Brasil, o meu avô foi o precurssor e divulgador do Tai Chi. Ele teve centenas de discípulos, deu palestras sobre longevidade no Brasil, Argentina e México. Trabalhou até o seu último dia e transformou a vida de muita gente. Isso tudo já nos seus 80 anos de idade e sempre com muita força, energia e bom humor. O meu avô é uma inspiração para mim, um exemplo de que “nunca é tarde demais”, “nunca somos velhos demais”, de que a vida é muito bonita pra deixar de ser vivida e que ela independe da idade física. Miriam Liu Neta do Mestre Liu Pai Lin Munique, Alemanha ” www.RevistaTaiChiBrasil.com.br 13

[close]

p. 14

Realizei meus treinamentos há mais de 20 anos, to afetivo do Mestre e de seus discípulos. Fiz uma mudança com o Mestre Liu Pai Lin, seu filho Mestre Liu Chih Ming da alimentação total, passando do vegetarianismo radical a e com Jerusha Chang. Relato sobre a remissão total de um comer de tudo, com moderação. Esta mudança foi indicada adenoma de hipófise, confirmada por resultados de tomo- também pelo Mestre Liu Chi Ming, com quem fiz tratamengrafia axial computadorizada. No ano de 1985 iniciei com o tos complementares de acupuntura e de fitoterapia. Destaco Mestre Liu Pai Lin as práticas do tai chi e dos treinamentos o aprendizado da massagem “Tui Na da Barriga”, que apreninteriores taoístas. Vivi na cidade de São Paulo por mais de di a realizar em mim mesma diariamente e pratico até hoje. um ano. Um ano antes recebera o diagnóstico de um Ade- Após aproximadamente quatro meses de treinamentos e de noma (tumor benigno) de hipófise, confirmado por uma terapia, recomecei a menstruar, ainda com algumas intertomografia computadorizada. Os principais rupções. A partir dos seis meses a menstruação retornou ao normal, prosseguindo com sintomas eram interrupção da menstruação, “Agradeço à fraqueza e falta de energia. O diagnóstico inregularidade até hoje. Assim, a cirurgia foi Linhagem e aos descartada. Atualmente vivo na Argentina, dicava “um provável Adenoma de hipófise”, que ocuparia 1/3 do lado direito da “sela túr- Mestres por todos os onde ensino Tai Chi. Mais tarde, estimulada cica” (formação óssea no interior do crânio). benefícios que recebi por minha médica clínica, fiz uma nova tomografia computadorizada. O resultado foi O diagnóstico foi apresentado e confirmado nestes anos” “impressão sem evidências de alterações enpor quatro instituições reconhecidas da cicefálicas”. Foi uma surpresa, pensei que o dade de Buenos Aires. Todas coincidiram ao indicar como tratamento um tipo de cirurgia inovadora adenoma poderia ainda existir, mesmo sendo assintomático. nessa época, realizada através do nariz, sem a abertura do A doutora disse que não seriam necessários mais estudos crânio. Com muitas dúvidas sobre a operação, consultei o neste momento. Este depoimento sintetiza uma história viviMestre Liu Pai Lin através de uma amiga residente em São da desde 1983, quando participei do primeiro seminário com Paulo. Ele disse: “Como não é um tumor maligno, é impor- o Mestre Liu Pai Lin na Argentina. Agradeço à Linhagem e tante fazer um cura natural pelos exercícios e treinamentos aos Mestres por todos os benefícios que recebi nestes anos. interiores taoístas.” Se conseguisse recuperar a menstruação Minha afeição a todos os companheiros de práticas. e mantê-la constante durante pelo menos 6 meses, poderíaAna María Díaz mos falar de evitar a cirurgia. Foi assim que cheguei ao BraProfessora de Tai Chi Pai Lin em Mar del Plata, Argentina sil. Isto tudo mudou minha vida, realizei muitas mudanças http://centenariomaestroliupailin.blogspot.com com o apoio do entorno emocional propício e do acolhimen- “ ” Liu Pai Lin: Referências - Para saber e conhecer mais Bibliografia LIU, Pai Lin ; HAYASHI, Yoshitsugu; e SHIODA, Kenichi. “Chi Kong Pai Lin Energização e Quiropraxia - Seitai com Energização”; São Paulo: Paolo´s Comunicação, 2008. LIU, Pai Lin; Saúde e Longevidade; São Paulo (Brasil); Espaço Luz; 4. ed; 2002. LIU, Pai Lin ; HAYASHI, Yoshitsugu; e SHIODA, Kenichi. “Chi Kong Pai Lin Energização e Quiropraxia - Seitai com Energização”; São Paulo: Paolo´s Comunicação, 2008. LIU, Pai Lin; Saúde e Longevidade; São Paulo (Brasil); Espaço Luz; 4. ed; 2002. HEMSI, Albert. Taiji-quan e Educação: trajetórias de alunosprofessores da escola Liu Pai Lin Tese de Doutorado em Educação - Universidade de São Paulo, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Roseli Fischmann. (não publicado), 2000. Internet ASSOCIAÇÃO TAI CHI PAI LIN - ESPAÇO LUZ. Disponível em: . Acesso em: 05 ago 2009. CENTRO DE ESTUDOS DE MEDICINA TRADICIONAL E CULTURA CHINESA - CEMETRAC. Disponível em: . Acesso em: 02 ago 2009. CENTRO DEL TAI CHI - EL MAESTRO - Ana María Díaz. Disponível em: . Acesso em: 25 ago 2009. HOMENAJE AL MAESTRO LIU PAI LIN - Ana María Díaz. Disponível em: . Acesso em: 25 ago 2009. LIU PAI LIN – Wikipédia. Disponível em: . Acesso em: 05 ago 2009. TAI CHI PAI LIN - Antonio Moreira. Disponível em: . Acesso em: 05 ago 2009. Vídeos LEE, Maria Lucia; Tai Chi Chuan: Movimento, Saúde, Longevidade; São Paulo (Brasil): Tapiri Vídeo; 1989. LEITÃO, Augusto. Ginástica Tai Chi: Sistema Integral de Treinamento para a Saúde. Santos (Brasil); Associação de Tai Chi Chuan Baixada Santista - Mestre Augusto Leitão; 2003. CEMETRAC; Homenagem ao Grande Mestre Liu Pai Lin; São Paulo (Brasil): Avalon; 2006. CEMETRAC; Arte Marcial Taoísta dos Mestres Liu Pai Lin e Liu Chih Ming; São Paulo (Brasil): Avalon; 2006. CEMETRAC; “Espada Tai Chi com o Mestre Liu Chih Ming.” (vídeo); São Paulo (Brasil): Avalon; 2006. 14 www.RevistaTaiChiBrasil.com.br

[close]

p. 15

Simpósio Internacional de Tai Chi Chuan A Experiência na Arte do Tai Chi Chuan é Suprema De 05 a 10 de Julho de 2009, os maiores Mestres chineses das cinco Famílias Tradicionais de Tai Chi Chuan (Estilo Chen: Chen Zhenglei; Estilo Yang: Yang Zhenduo; Estilo Wu/Hao: Wu Wenhan; Estilo Wu: Ma Hailong; e Estilo Sun: Sun Yongtian), autoridades mundiais nesta arte, assim como grandes praticantes e profissionais de Tai Chi Chuan, pesquisadores e estudiosos participaram do Simpósio Internacional de Tai Chi Chuan para a Saúde, Educação e Intercâmbio Cultural, que foi realizado na Universidade de Vanderbilt, na cidade de Nashville, no estado do Tennessee, nos EUA. os ensinamentos e a sabedoria do Tai Chi Chuan para beneficiar as pessoas do mundo todo. Na China tem um ditado que diz: “Sob o céu, todos os praticantes de Tai Chi Chuan são uma grande família”. Para mim foi uma honra e um prazer enorme estar na presença dos maiores Mestres dos cinco estilos tradicionais de Tai Chi Chuan. Ver, praticar e aprender um pouco com estes Mestres foi uma experiência inesquecível, uma realização na senda do Tai Chi Chuan. Outra grande vantagem foi conhecer novos amigos praticantes e pessoas que dedicam suas vidas ao desenvolvimento e difusão da arte. Como foi dito no Simpósio: a experiência na arte do Tai Chi Chuan é suprema. Quando aprendemos, é um tesouro que pode durar a vida toda. --------------------------------------------Prof. Fernando De Lazzari Diretor do EQUILIBRIUS Centro de Tai Chi Chuan, Acupuntura e Cultura Oriental e do Yang Chengfu Tai Chi Chuan Center - Brasil Ribeirão Preto-SP Fone: (16) 3911-1236 www.taichichuan.com.br --------------------------------------------Foto: Mestre Yang Zhenduo e esposa, Mestre Yang Jun e praticantes de Tai Chi Chuan de Ribeirão Preto, São Paulo, no Simpósio em Nashville, Estados Unidos. Acervo/Fernando De Lazzari. --------------------------------------------Veja as fotos do Simpósio no site: www.taichichuan.com.br O tema do Simpósio teve o objetivo de aliar a sabedoria da cultura chinesa com a precisão da ciência moderna, através de evidências baseadas em pesquisas acadêmicas, workshops com os Mestres das cinco Escolas Tradicionais e outros eventos especiais destinados a promover um intercâmbio de conhecimentos e culturas. O Simpósio proporcionou encontros, palestras e vivências com os Mestres e Acadêmicos para apresentar e discutir as últimas investigações e provas científicas que analisa o uso do Tai Chi Chuan Tradicional como um meio de intervenção e prevenção de muitas doenças, bem como um meio de promover saúde, bem-estar e qualidade de vida. Foi um evento especial que reuniu mestres, professores e praticantes de vários estilos, de vários países, proporcionando intercâmbio, integração e troca de experiências com o objetivo de promover a arte do Tai Chi Chuan, sem rivalidades, sem separações. Este é o grande exemplo dos Mestres que devemos seguir, respeitando e aprendendo com os outros estilos e praticantes. Os mestres deixaram claro no evento que devemos formar uma grande família de praticantes, caminhando na mesma direção, transmitindo www.RevistaTaiChiBrasil.com.br 15

[close]

Comments

no comments yet