Revista-Comercio-Industria-Agosto-2015

 

Embed or link this publication

Description

Revista-Comercio-Industria-Agosto-2015

Popular Pages


p. 1

1

[close]

p. 2

2

[close]

p. 3

3

[close]

p. 4

ÍNDICE CAPA Uniodonto HOMENAGENS Três grandes empresas RESPONSABILIDADE Novos horizontes DOCUMENTO As corridas de carro na 36 8 Os doutores Álvaro Serra, Gustavo Loria Leoni e João Francisco Franco Filho hoje direcionam a Uniodonto para uma elevada ascensão com o uso da tecnologia. 12 As empresas Morada Transportes, Welmar Confecções e Mercúrio Móveis para Escritório entram para a história da ACIA no momento em que ela completa 81 anos de fundação. 24 A Helibombas, empresa araraquarense, dá mostra da qualidade do seu trabalho e produz 6 conjuntos Motobombas DE 500cv e 10 painéis Elétricos para a SABESP . 28 Por obra do vereador Mário Ananias, Araraquara viveu momento especial dentro do automobilismo nos anos 60, com provas em circuito de rua. Ah, se eu fosse prefeito 40 | Prefeituráveis de 2016 falam o que fariam para a cidade se assumissem em 2017 seu controle administrativo Sebastião Mesquita 44 | Empresário comemora 50 anos de profissão e escreve sua história Ecomercio 46 | Parceiros se unem para estimular a sustentabilidade no comércio de Araraquara a partir de agora Dia do Agricultor 49 | Data é comemorada com grande festa para Nicolau de Souza Freitas, presidente do Sindicato Rural da cidade O novo livro de José Maria Viana O foco do livro de acordo com o jornalista e escritor, é a intervenção realizada por um grupo político que ocasionou avanços importantes na cidade. Ele atribui este progresso aos políticos Roberto Massafera, Dimas Ramalho e Marcelo Barbieri. José Maria Viana lembra que o grupo em questão está no poder praticamente há 25 anos, mesmo que o PT tenha assumido a Prefeitura Municipal por 8 anos. Ainda assim deu as cartas durante todo este período. Shopping Jaraguá deve repensar Anúncio da cobrança de estacionamento no Jaraguá causou impacto negativo entre os consumidores. Situação econômica do país não é confortável para se criar regras deste tipo, ainda que a modernidade empresarial conduza a isso. Shopping em Ribeirão cobra menos. Valores são considerados abusivos pelo tempo de estacionamento 4

[close]

p. 5

DA REDAÇÃO Sônia Maria Marques TECNOLOGIA O olhar de um drone MARIBEL CHEGOU Jornalista começa na RCI Cidade começa a discutir o que fazer com os trilhos Termologia mais sofisticada que Parque dos Trilhos, sem dúvida, seria Orla Ferroviária. Porém, tanto um, quanto o outro, ainda são supostas figurações para o que haverá de vir e acontecer nos próximos meses, pois os trilhos da região central ainda não foram e nem se sabe quando serão retirados. O que fazer no local ainda é dúvida. Chico Santoro, um dos mais badalados arquitetos é objetivo: “não se pode tomar qualquer decisão, antes de uma avaliação sobre o que sobrará do patrimônio histórico”. É verdade que há uma necessidade de se apurar o que é importante, pois tudo ali se resume em espaços e traços característicos de ferrovia. De um lado está a preservação, do outro, o que colocar nos espaços vazios. Já se falou na construção do novo Paço Municipal abrigando todas as secretarias, Câmara Municipal, outros órgãos importantes de atendimento à comunidade, quem sabe a própria Associação Comercial e Industrial de Araraquara, descentralizando suas atividades. Tudo isso no entanto caminha no campo das suposições, pois qualquer atitude que venha a ser tomada, sempre haverá alguém levantando a bandeira do conservacionismo, dando palpite desnecessário e colocando em risco a expansão da cidade, bem como sua revitalização em uma área que sempre esteve coberta de mato. Paralelamente segue outra dificuldade: construção de prédios na área não vai gerar problemas por conta das áreas pluviais, causando impactos na Via Expressa? Daí a necessidade de ser uma conversa muito mais técnica com profissionais qualificados do que - acho que vai dar certo fazer assim... 35 Nosso repórter Rafael Zocco convida Manoel Gonçalves e Tiago Supesche para mostrar como é Araraquara vista de cima por um drone. 84 A partir desta edição, a jornalista Maribel Santos inicia uma bela cobertura sobre a vida social e os eventos que acontecem em nossa cidade. Canasol 58 | Antiga Associação dos Fornecedores de Cana inicia publicação das suas atividades na RCI Grandes Clubes 71 | ADA entrou como furacão na história esportiva da cidade a partir de 1952 Sebrae busca aproximação de capacitação em empreendedorismo. “Além de cursos e palestras, podemos divulgar ações de empreendedorismo pela TV Câmara”, disse Chediek. Para Edna Martins, que é presidente da Escola do Legislativo, por meio dessa parceria com o Sebrae, o empreendedorismo poderá ser levado aos bairros da cidade dentro do planejamento de cursos da Escola do Legislativo. O gerente do Sebrae disse que em Araraquara já existem 5 mil microempresas individuais, mas que ainda há muitos na informalidade. “É necessário mais conscientização para que as pessoas conheçam melhor os benefícios de abrir uma MEI e sair da informalidade”, afirmou. EDIÇÃO N°121 - AGOSTO / 2015 Diretor Editorial: Ivan Roberto Peroni Supervisora Editorial: Sônia Marques Redação: Rafael Zocco Depto. Comercial: Gian Roberto, Silmara Zanardi, Marcos Assumpção, Heloísa Nascimento Design: Carolina Bacardi, Bete Campos Tiragem: 5 mil exemplares Impressão: Grafinew - (16) 3322-6131 A Revista Comércio & Indústria é distribuida gratuitamente em Araraquara e região * INFORMAÇÕES ACIA: (16) 3322 3633 * COORDENAÇÃO, EDITORAÇÃO, REDAÇÃO E PUBLICIDADE Em julho, os vereadores Elias Chediek e Edna Martins, se reuniram com o gerente do Sebrae-SP , regional de Araraquara, Daniel Palácio Alves e o coordenador Paulo José Justino Viana. Na ocasião, foi aberto diálogo para estabelecer parcerias visando projetos em cooperação conjunta para estimular o empreendedorismo em Araraquara. O Sebrae propôs parceria com a Câmara para iniciar um projeto piloto Fone/Fax: (16) 3336 4433 Rua Tupi, 245 - Centro Araraquara/SP - CEP: 14801-307 marzo@marzo.com.br 5

[close]

p. 6

6

[close]

p. 7

EDITORIAL A chegada do food truck e o adeus aos lancheiros No mês em que Araraquara comemora 198 anos e vê o país mergulhado, desgraçadamente, em uma crise econômica que agora atinge praticamente todos os setores - comércio, indústria e serviços - são anunciadas por aqui ações que a primeira vista podem ser interpretadas como antipopulares. Uma delas, a saída dos carrinhos de lanche da Avenida Bento de Abreu, que ao longo dos anos se perpetuaram em pontos estratégicos, sem jamais serem incomodados pela Vigilância Sanitária que sempre considerou a higienização dos ambientes como dentro das normalidades. Comerciantes simples, sem poder econômico para investimentos, estes “fazedores de lanches” vão para um lugar único, desocupando uma área comercial altamente privilegiada. Coincidentemente, o avanço dos food truk, aqueles veículos adaptados com cozinha para o fornecimento dos mais variados cardápios, leva Araraquara a se apresentar como parceira da modernidade e da higiene absoluta. Em nota, a Câmara Municipal diz que “o modelo disputará espaço com outro segmento tradicional no município: os carrinhos de lanche, que também devem passar a obedecer a mesma determinação para a venda de alimentos”. Isso significa que - neste momento em que o governo afunda o país - o pequeno hamburgueiro, também mergulhado na crise, não terá recursos para competir com o investidor que virá disposto a tomar conta do mercado. Não discordamos absolutamente das medidas a serem adotadas pelo município, pois normas, higiene, moralização dos pontos comerciais, tudo caminha em uma só direção visando o bem-estar do consumidor. Lei é lei, deve ser criada e obedecida, o consumidor paga e deve ter como contra-partida a qualidade do que ingere, no caso, as coisas que vêm do setor alimentício. Só que, o comportamento que se anuncia hoje já deveria ter ocorrido muitos anos atrás, pois o mesmo x-salada feito na atualidade, é o x-salada de 30 anos, Por causa de um passado desleixado as mudanças devem ocorrer para que o choro não seja maior incorrendo apenas na diferença de se perguntar: “Completo?”. A esta altura não sei o que é completo ou incompleto, pois as questões de higiene são as mesmas e deveriam ter sido adotadas já nos anos 70, quando os carrinhos de lanche ganharam forma nas ruas de Araraquara. A mesma nota da Câmara diz que - “O food truck deve seguir as exigências da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) municipal e estadual, Prefeitura, Departamento Estadual de Trânsito (Detran) e Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro)”. Em sã consciência, por mais limpo e delicioso que seja o lanche do Bahia, alguém pode responder se ele estará ajustado a tudo isso que se pede e se terá condições econômicas de competir com o tal foof truck que se aproxima? Estamos nos apegando ao simples exemplo de um homem trabalhador que chega ao seu ponto no Parque Infantil às 7 da noite, com chuva ou não, frio ou não, para limpar a chapa, montar sua geladeira de chão que deixou guardada com cadeado sobre a calçada na madrugada anterior. Não bastasse, pouco à frente ele deixa estacionada sua perúa Kombi com o escrito nas laterais - “Faço carreto”, garantindo-lhe renda extra. Vejo o Bahia sucumbir diante dos food truck da mesma forma que açougues, padarias, quitandas, vendinhas e armazéns, quando aqui chegaram os grandes supermercados. Talvez não fosse esse o momento de se mudar a regra do jogo, mas com suor e sangue os fragilizados pela economia também pagam em nome do progresso. Isso já acontece desde os tempos da ferrovia em que se abriram as estradas e deram a elas o conforto para que os caminhões passassem. Mais de 50 anos já se foram e agora tentam ao contrário: privilegiar as ferrovias em nome de uma política de benefícios. Mas a vida é engraçada e lembro aqui o que foi dito dia desses: João do Pulo e Osmar Santos sofreram acidentes. João do Pulo foi recordista mundial do salto triplo e medalhista olímpico e perdeu a perna direita. Osmar Santos, o mais famoso locutor esportivo do Brasil, num acidente perdeu a voz. João do Pulo não poderia ter perdido a voz e Osmar Santos, a perna direita. Deus explicará um dia, pois o futuro a Ele pertence... 7

[close]

p. 8

REPORTAGEM DE CAPA Nos orgulhamos em ser uma das singulares de p A nossa mensagem no mês em que Araraquara comemora mais um aniversário de fundação, só poderia ser de reconhecimento aos valores históricos da cidade que abriga uma cooperativa odontológica, considerada modelo em todo território nacional; também de valorização aos nomes que ajudaram na construção e fortalecimento da abençoada terra que vivemos. A caminho do segundo século de vida, Araraquara completa este mês 198 anos de existência. Data a ser comemorada com muita alegria e festividade! Época que também nos recordamos com enorme carinho e admiração do saudoso Dr. Theophilo Perche, há um ano de seu passamento. A três meses de completar 25 anos, a Uniodonto de Araraquara orgulha-se também de estar consolidada no mercado de Planos Odontológicos e esmera-se por possuir em seu quadro de Cooperados, grandes profissionais, cerca de 140 entre Cirurgiões-Dentistas Cooperados e Credenciados nas mais diversas especialidades. A Singular de Araraquara tem como área de ação 13 cidades assistidas, perto de 20.000 (vinte mil) Beneficiários, oferecendo planos empresariais, individuais e familiares. Participante do Sistema Nacional Uniodonto, atende em regime de intercâmbio Beneficiários em todo território nacional. Na incessante busca pelos aprimoramentos e inovações tecnológicas da Odontologia, a Uniodonto de Araraquara hoje é uma das pioneiras no uso de câmeras intraorais, com o objetivo de se capturar imagens iniciais das propostas de tratamentos pelos Cirurgiões-Dentistas e imagens finais usadas para controle de qualidade dos tratamentos realizados. Além disso, agiliza-se o processo para autorizações, tornando-se, em vários momentos, “aprovação on time”, ou seja, de aprovação imediata do tratamento. Esse processo facilita a vida do Beneficiário pois elimina, em muito, a necessidade de deslocamento do mesmo até a sede da Cooperativa para aprovação de seu tratamento. Nesta linha tecnológica, em breve e já em fase de testes, um sistema de Biometria será implantado pela Coopera8 A tecnologia presente em cada procedimento da cooperativa Theophilo Perche, imagem eternamente lembrada pela Uniodonto Araraquara tiva, agilizando o processo de cadastro do Beneficiário nos consultórios. É momento de comemorar! Araraquara, cidade historicamente aparelhada com grande número de faculdades e potencialmente representativa no setor da Odontologia, que há 92 anos forma Cirurgiões-Dentistas e hoje fortalecida também por profissionais de excelência em seu grupo, constituindo, abrilhantando e elevando o nome da Uniodonto Araraquara como referência de qualidade em seus atendimentos aos Beneficiários. Além disso, a atuação de Colaboradores altamente preparados, Diretores engajados e Cooperados qualificados, configuram a Singular Uniodonto de Araraquara como uma das melhores operadoras dentro do sistema Nacional Uniodonto, bem

[close]

p. 9

Uniodonto Araraquara, ponta em nosso País ANS 316997 Área Administrativa: Paulo Henrique, Vanessa, Patrícia, Nereide, Andréia, Willian, Joice e Regina Atendimento e Departamento Comercial: Silvana, Dilsa, Flávio, Daiane e Doutora Rosângela (auditora) como demonstram as avaliações da ANS, órgão do governo Federal criado para avaliar o setor. Tudo isso com um objetivo maior de proporcionar saúde bucal e espelhar uma das coisas que temos de mais bonito, o nosso sorriso! Somado a isso, deixamos aqui nosso parabéns também para a atuação da municipalidade, sempre com determinismo e afinco, pautada na promoção da saúde como um todo, através da Secretaria de Saúde, que atua em seus variados pontos de assistência: escolas, postos de saúde, UPAs e outros... em paralelo, e acrescendo, lembremos de outras instituições com for- te representação em nosso município e região: faculdades de Odontologia, APCD e Cedeface. Todos estes órgãos fazem seu papel a favor da Odontologia, à saúde bucal e sistêmica, a favor do crescente estudo implícito através das pesquisas, ancorando aqueles menos favorecidos. Consulório destinado para a realização de auditorias clínicas É com grande louvor que a Uniodonto Araraquara deixa aqui seu parabéns a todos que de alguma forma fazem, participam e representam nosso município. Salve, salve Araraquara! Dr. João Francisco Franco Filho Presidente Gustavo Loria Leoni Diretor de Administração e Finanças Dr. Álvaro Serra de Lacerda Silva Diretor de Operações 9

[close]

p. 10

Morada Transportes (Ricardo Magnani), Mercúrio Móveis Para Escritório (Luiz Henrique e Luiz Belotti) e Confecções Welmar (Ana Maria Alves Ferreira Pascoalato), foram empresas homenageadas na comemoração de mais um aniversário da Associação Comercial e Industrial de Araraquara em julho HOMENAGENS ACIA 81 ANOS Festa para três grandes empresas Renato Haddad, presidente da ACIA , durante saudação aos homenageados Oitenta e um anos depois, a Associação Comercial e Industrial de Araraquara se reuniu em 18 de julho para comemorar mais um ano de fundação (1934), dois dias após ter também vivido o Dia do Comerciante. A ACIA é inegavelmente uma força na defesa dos direitos das empresas associadas e uma das entidades de classe mais antiga do Brasil, sempre presente através da sua representatividade 10 na discussão das questões econômicas, sociais e políticas de uma cidade. Em 2015, três empresas conceituadas no comércio e na prestação de serviços foram homenageadas pela diretoria da associação: Morada Transportes, associada da ACIA desde 10 de abril de 1970; Welmar Confecções (11 de outubro de 1965) e Mercúrio Móveis Para Escritório, associada desde primeiro de outubro de 1965.

[close]

p. 11

11

[close]

p. 12

ACIA 81 ANOS Mesa diretiva na festa de aniversário em julho: Paulo Viana (SEBRAE), Paulo Luiz Pecin (SINCOAR), Gino José Torrezan (FACESP), Renato Haddad (ACIA), Elias Chediek (Poder Legislativo), Orlando Bonifácio Martins (JUCESP) e Marcos Henrique Duó (AESCAR) A HISTÓRIA ACIA, belo exemplo para futuras gerações A Associação Comercial e Industrial de Araraquara vive intenso período de desenvolvimento e segue como uma das mais expressivas entidades de classe do interior. Fundada em junho de 1934 com o objetivo de fortalecer o movimento de combate a alta de impostos após a Revolução de 32, a ACIA, além de ser uma das mais antigas afiliadas da FACESP, se transformou em uma instituição participativa na discussão das questões políticas e sociais da cidade. A festa de aniversário em julho mostrou a importância do seu quadro associativo, formado por empresários do comércio, indústria e serviços – setores que propiciam sustentação à economia do município. Além dos benefícios oferecidos, a ACIA sempre foi uma bandeira a defender os interesses dos seus associados. O ideal de seus fundadores jamais foi esquecido pelos dirigentes atuais que, serena, mas decididamente, lutaram e lutam em favor do desenvolvimento de uma cidade que é maravilhosa para se viver. À diretoria eleita em 1942, se deve a aquisição da sede social; nos anos 60, a entidade adquiriu uma área ao lado para ampliar suas instalações e que hoje abrigam dois auditórios para 100 e 40 lugares, no piso superior sempre à disposição das empresas associadas para a realização dos seus eventos, além de salas para reuniões e manter no térreo todo atendimento administrativo. Nos últimos anos, a implantação de uma política de desenvolvimento realizada pelo presidente Renato Haddad e seus companheiros de diretoria, voltada principalmente para médias e pequenas empresas, acelerou o fortalecimento dos corredores comerciais e tornou Araraquara uma cidade destinada a receber grandes investimentos. Assim, no crescimento econômico que passou a atingir os bairros de Araraquara, a ACIA tem dado enorme contribuição, e suas ações, sempre estão voltadas para a manutenção deste perfil, através de cursos, palestras, workshops, eventos que permitem a troca de informações entre colegas e a capacitação para expansão dos negócios de forma sustentável. 12 Saudação de Elias Chediek em nome da Câmara Municipal Os elogios de Gino Torrezan (FACESP), à sua afiliada ACIA na noite de aniversário

[close]

p. 13

13

[close]

p. 14

O PRIMEIRO CAMINHÃO Representando o Grupo Morada, o filho de Ivo Magnani, Renato Magnani (esposa Gabriela), recebeu o Certificado de Mérito Empresarial e a Comenda ACIA Mérito Empreendedor, do presidente Renato Haddad (esposa Léa, que fez a entrega das flores) Foi com este caminhão que Ivo Magnani iniciou a construção de uma empresa considerada exemplo no setor de transporte em nosso país Ivo Magnani, uma lenda em transporte rodoviário Como empresário, Ivo Magnani deixou exemplos maravilhosos para a nossa cidade, qualidades herdadas por seus filhos que dão sequência à expansão do Grupo Morada. Em 1957, Ivo Magnani, um homem cheio de sonhos e apaixonado por estrada, juntou suas economias e comprou um caminhão para transportar café da região de Araraquara até o Porto de Santos. Passou por algumas dificuldades no começo, mas um ano depois, começou a transportar leite para a Nestlé. Toda a sua dedicação e competência no trabalho fizeram com que cada vez mais as encomendas crescessem e, com isso, surgiu a necessidade de ampliar seu negócio. Em 1962, já com 5 caminhões em sua frota, foi fundado oficialmente o Rodoviário Morada do Sol, constituindo a base de uma empresa promissora e com muitas conquistas e sucessos por virem. Ivo era inquieto e curioso, estava sempre buscando meios para crescer e proporcionar um serviço melhor para seus parceiros. Um dia, teve uma ideia e, olhando para as tendências e necessidades do mercado local, desenvolveu um sistema inovador para o transporte de suco de laranja. Ele tinha visão de futuro e enxergava longe. Muitas outras ideias surgiram ao longo dos anos, e todas elas abriram novos caminhos. Com o apoio da família e de seus funcionários, o empresário transformou aquele pequeno negócio em uma das maiores transportadoras de cargas especiais do país, transportando sucos, produtos cítricos – farelo, óleos e aromas – gases e combustíveis. Foi a realização de um MORADA TRANSPORTES Primeiro grande negócio: transportar leite para a Nestlé A primeira base da empresa Morada Transportes em nossa cidade Transportando suco para a Cutrale 14

[close]

p. 15

ACIA 81 ANOS sonho, compartilhado com centenas de parceiros. Não podemos deixar de citar a diversificação dos negócios do Grupo Morada. Em 1982, Ivo adquiriu sua primeira fazenda no estado de Goiás, fundando a Agropecuária Guaicá. Em 1995, com foco na expansão do Grupo Morada, foi adquirida uma franquia da Localiza, em Bebedouro. Em 2006, houve a substituição da franquia Localiza pela marca própria “Let’s Rent a Car”. Três anos depois, as lojas foram fechadas e a empresa focou em terceirização de frota. Este ano a Let’s completa 20 anos e está consolidada como uma das principais locadoras de automóveis, com mais de 7.000 carros e atendendo clientes em todo o Brasil. Em 2011, um ano antes da Morada Transportes completar 50 anos, Ivo Magnani faleceu, deixando um legado que é mantido pelos familiares com muito orgulho. Até hoje a cultura de aproximação e valorização dos colaboradores é percebida por todos que fazem parte do Grupo Morada, mantendo viva a história desse homem que foi exemplo para muitas pessoas. Pai e filho sempre participativos na expansão dos negócios da empresa Frota da Morada Transportes Fachada atual da sede da Morada Transportes em Araraquara Primeira fazenda da Agropecuária Guaicá, em Goiás Parte dos colaboradores da Morada Transportes Em 1995, o Grupo Morada adquiriu franquia da Localiza em Bebedouro; 11 anos depois, houve a substituição pela marca própria Let’s Rent a Car, que está comemorando 20 anos de atividades, focando seus negócios neste momento em terceirização de frota, com mais de 7 mil carros 15

[close]

Comments

no comments yet