Gazeta Valeparaibana

 

Embed or link this publication

Description

Agosto 2015

Popular Pages


p. 1

Ano VIII - Edição 93 - AGOSTO 2015 Distribuição Gratuita Vale do Paraíba Paulista - Litoral Norte Paulista - Região Serrana da Mantiqueira - Região Bragantina - Região Alto do Tietê BIENAL DE CERVEIRA - PORTUGAL – 2015 RECICLE INFORMAÇÃO: Passe este jornal para outro leitor ou indique o site - Música Brasileira - Cultura - Cidadania - Sustentabilidade Social Agora também no seu .www.culturaonlinebrasil.net Artigos Recomendados O descaso com os Profissionais da educação A data é comemorada no dia 06 de agosto. Mariene Hildebrando Página 3 ******************** Breve Reflexão Sobre A Árvore da Vida Há um momento na vida do homem em que ele deve fazer vibrar o seu círculo mágico e assumir um comportamento despertando sua conduta de justiça. Loryel Rocha Página 6 ******************* FORTALEÇA-SE NO INIMIGO Genha Auga Promover a arte contemporânea no plano nacional e internacional, através da programação anual multidisciplinar, da organização das bienais de arte, da gestão e conservação do espólio da Fundação, da dinamização do Museu da Bienal de Cerveira e do apoio ao empreendedorismo criativo, constitui a missão da Fundação Bienal de Cerveira. A história da Bienal de Cerveira e a experiência adquirida em 35 anos constituem argumento e, concomitantemente, alavanca na persecução de uma programação cultural complementar e sustentada pela Fundação Bienal de Cerveira. Neste sentido, o projeto Museu Bienal de Cerveira pretende ser um repositório da arte contemporânea nacional e internacional das últimas três décadas, reunido num espólio com mais de 400 obras, representativo da maioria dos grandes artistas portugueses e alguns estrangeiros, permitindo ao simples visitante tomar conhecimento da evolução das artes plásticas nos últimos 35 anos. Neste âmbito, está a ser implementado um plano de estudo, preservação e divulgação das obras que integram o acervo do Museu da Bienal de Cerveira construído ao longo de 35 anos, organizando um ciclo de exposições, com caráter periódico, por forma a partilhar com o público as mais de 400 obras de Arte. A apresentação é faseada e definida de acordo com os critérios dos respectivos comissários de exposição. Segundo a Fundação Bienal de Cerveira, a inauguração daquela que será a 18.ª edição do certame, conta com a presença da artista grega Danae Stratou, que apresentará um trabalho de vídeo com textos de Yanis Varoufakis, seu marido e ex-ministro das Finanças da Grécia Vila Nova de Cerveira (conhecida frequentemente apenas por Cerveira) é uma vila portuguesa no Distrito de Viana do Castelo. Alberto Blanquet Página 7 ********************** O Fed começou a operar com A Lei 11.340/06, conhecida com Já faz algum tempo que discutimos a falta cerca de 300 pessoas e outros Lei Maria da Penha, ganhou es- Alimentos geneticamente modifide independência intelectual dos professo- bancos... te nome em homenagem à Mari- cados prometem um novo munres. Desde 2012 em que iniciamos o Proa da Penha Maia Fernandes, do. Será verdade? Continuação - Parte III grama E Agora José? ... Página 8 uma vítima da violência domésPágina 15 Ivan Claudio Guedes **************************** tica por muitos anos. Omar de Camargo PROFESSORES INDEPENDENTES? A MAIOR FRAUDE DA HISTÓRIA Lei Maria da penha Transgênicos e OGMs: diferenças e promessas Página 9 ********************** A infantilização dos cidadãos, a fada e o Peter Pan Os noticiários do rádio e da televisão Sendo bem educado, eu já estou com o saco cheio. Alberto Romano Schiesari Página 4 A lusofonia é uma ***************************** Bolha Você está enriquecendo A lusofonia depende da “narração de uma certa história os políticos corruptos? da colonização ... ***************************** Pais, filhos e escola – uma relação que dá certo! Página 11 Parte II Página 15 A pergunta deve ser respondida por todos, a começar por mim. Página 10 Página 5 E tem mais... Confira! www.culturaonlinebrasil.net /// CULTURAonline BRASIL /// www.culturasonlinebr.org

[close]

p. 2

Agosto 2015 Gazeta Valeparaibana Página 2 Editorial O QUE LHE INCOMODA? Muitas vezes, o que lhe incomoda no outro pode ser uma característica que você possui, mas que não aprova e não quer enxergar. Se isso não tivesse nada a ver com suas dificuldades, não lhe incomodaria e nem perceberia. Geralmente a forma como se encara a atitude e o comportamento de outra pessoa tem ligação com o que pensa acerca de você mesmo e quando alguém está lhe afetando, pode ser que isso esteja interferindo na ideia central de si mesmo. Às vezes, quem lhe perturba é porque de alguma maneira ache-o melhor que você, um acomodado, que não quer ou não consegue melhorar refletindo-lhe quem você gostaria de ser, pois nem tudo que vê é a sua própria imagem e, em outros casos, identifica-se com o que repudia causando-lhe revolta por enxergar ali alguém ir contra seus próprios valores. Por isso,fique atento ao que fala e pensa dos outros. Reflita o porquê daquela pessoa lhe incomodar, atrair, repudiar, admirar ou invejar.A sua visão sobre alguém pode ser limitada a você mesmo. As más palavras e uma vida vazia proliferam discursos raivosos, tendenciosos e desagradáveis.Atualmente, podemos observar muito disso, e de maneira exacerbada, nas redes sociais o que dá a entender que as pessoas estão tão fragilizadas que cada vez mais, precisam falar mal da vida alheia para não ter que lidar com suas dificuldades e complexos projetando no outro aquilo que está nela mesmo. Uma pessoa bem resolvida irá destacar no outro o lado mais positivo e, ao contrário, só encontrará os defeitos. Assim, a biografia ou as circunstâncias em que vive um ser humano irá determinar e condicionar seu julgamento naquele que ela admira ou inveja sem isenção de ânimos e, sem haver direito uma explicação; normalmente se fala mais mal do que bem. Pense nisso: Quando você estiver maldizendo outra pessoa, que de alguma forma lhe incomoda, estará mostrando quem é você... Bicho-de-sete-cabeças Tem origem na mitologia grega, mais precisamente na lenda da Hidra de Lerna, monstro de sete cabeças que, ao serem cortadas, renasciam. Matar este animal foi uma das doze proezas realizadas por Hércules. A expressão ficou popularmente conhecida, no entanto, por representar a atitude exagerada de alguém que, diante de uma dificuldade, coloca limites à realização da tarefa, até mesmo por falta de disposição para enfrentá-la. Com o rei na barriga A expressão provém do tempo da monarquia em que as rainhas, quando grávidas do soberano, passavam a ser tratadas com deferência especial, pois iriam aumentar a prole real e, por vezes, dar herdeiros ao trono, mesmo quando bastardos. Em nossos dias refere-se a uma pessoa que dá muita importância a si mesma. Ver (ou adivinhar) passarinho verde (MAS PODE SER AZUL, AMARELO, VERMELHO, ROXO E POR AÍ VAI!) Significa estar apaixonado. O passarinho em questão é uma espécie de periquito verde. Conta uma lenda que alguns românticos rapazes do século passado adestravam o bichinho para que ele levasse no bico uma carta de amor para a namorada. Assim, o casal de apaixonados tinha grandes chances de burlar a vigilância de um paizão ranzinza. Com a corda toda Antigamente, os brinquedos que possuíam movimento eram acionados torcendo um mecanismo em forma de mola ou um elástico, que ao ser distendido, fazia o brinquedo se mexer. Ambos os mecanismos eram chamados de “corda”. Logo, quando se dava “corda” totalmente num brinquedo, ele moviase de forma mais agitada e frenética. Daí a origem da expressão. Cor de burro quando foge A frase original era “Corra do burro quando ele foge”. Tem sentido porque, o burro enraivecido, é muito perigoso. A tradição oral foi modificando a frase e “corra” acabou virando “cor”. GenhaAuga – jornalista – MTB: 15.320 Quando você faz sucesso com uma banda de rock and roll, tem que conviver justamente com as pessoas de quem você queria fugir ao fundar uma banda de rock and roll. Renato Russo Rádio web CULTURAonline Brasil NOVOS HORÁRIOS e NOVOS PROGRAMAS Prestigie, divulgue, acesse, junte-se a nós ! A Rádio web CULTURAonline Brasil, prioriza a Educação, a boa Música Nacional e programas de interesse geral sobre sustentabilidade social, cidadania nas temáticas: Educação, Escola, Professor , Família e Sociedade. Uma rádio onde o professor é valorizado e tem voz e, onde a Educação se discute num debate aberto, crítico e livre. Mas com responsabilidade! Acessível no link: www.culturaonlinebrasil.net IMPORTANTE Todas as matérias, reportagens, fotos e demais conteúdos são de inteira responsabilidade dos colaboradores que assinam as matérias, podendo seus conteúdos não corresponderem à opinião deste projeto nem deste Jornal. A Gazeta Valeparaibana é um jornal mensal gratuito distribuído mensalmente para download Editor: Filipe de Sousa - FENAI 1142/09-J Gazeta Valeparaibana e CULTURAonline BRASIL Juntas, a serviço da Educação e da divulgação da CULTURA Nacional CULTURAonline BRASIL Ajude-nos a manter este projeto por apenas R$ 2,00 mensal Email: assinaturas@gazetavaleparaibana.com

[close]

p. 3

Agosto 2015 Gazeta Valeparaibana Página 3 Educação O descaso com os Profissionais da educação A data é comemorada no dia 06 de agosto. Sabemos que uma das classes mais desvalorizadas no Brasil, é a dos profissionais da Educação. Valorizar essa classe tão importante e fundamental para o desenvolvimento e o futuro de qualquer nação, deveria ser a prioridade de qualquer governo que preze a sua independência e o futuro de seus jovens. A valorização dos profissionais da educação passa por gestão, por aplicação dos recursos e investimento na formação desse profissional. A medida que nos sentimos valorizados, não tememos o futuro, pois conseguimos projetar a nossa existência de maneira digna. Um país só se desenvolve quando investe em Educação. Qualificar e dar ênfase a formação do docente é uma medida de fundamental importância para melhorar a qualidade da educação no Brasil. Bons salários, planos de carreira, investir em cursos de capacitação para professores, é condição fundamental para o avanço nessa área, valorizar o trabalho dos professores, essa deveria ser uma das metas do governo. A Educação de qualidade está diretamente ligada ao desenvolvimento econômico, precisamos de pessoas qualificadas para preencher as vagas de um mercado de trabalho cada vez mais exigente, e isso não se consegue com um ensino de baixa qualidade. Mais instrução, melhor salário, e consequentemente isso irá se refletir em uma melhor qualidade de vida. O baixo investimento na educação pública produz um quadro desolador que vem há anos se arrastando na educação brasileira. Está na hora da educação ser tratada com seriedade nesse país, ser prioridade, tirar a educação da situação de precariedade em que ela se encontra. Incentivos aos educadores é fundamental, para que ele tenha vontade de ir adiante, de buscar por mais instrução, por mais qualificação. A escola brasileira está doente. Nós educadores somos o agente principal da ação docente. O investimento em nossa qualificação deveria ser primordial para qualquer governo.Um ensino de qualidade passa pelas necessidades coletivas e individuais dos profissionais da educação que tem influência direta na aprendizagem do aluno, pela escola que ajuda a formar cidadãos e deve prepará-los para o exercício da cidadania. Dar o suporte através de cursos, seminários, para que o professor tenha o domínio sobre a teoria, se aproprie do saber e possa se utilizar de uma práxis forte e substancial onde sua capacidade e habilidade se desenvolvam em prol não só dele mesmo, como e principalmente para o desenvolvimento pleno do aluno. As condições em que os professores vem trabalhando , sem incentivos, salários dignos, planos de carreiras decentes, ou nenhum plano, os faz descrer de um futuro melhor, de uma vida digna. A Rotina de um professor é estafante. Trabalhar com educação sem as condições apropriadas e ainda se sentir desvalorizado, sem estímulo para continuar, constitui um agravante nessa rotina. Horas falando, se deparando com todo tipo de aluno e de situações difíceis, sobrecarregando a saúde mental e física. Condições de trabalho inadequadas, professores trabalhando 60 horas para aumentar sua renda, fazendo o papel de pais, além de educadores. Esse papel, está sendo passado para esses profissionais. Resultado? Doenças, e doenças significam professores a menos em sala de aula. Uma doença em que nós professores somos campeões chama-se Síndrome de Burnout, conhecida também como a síndrome do esgotamento profissional. Segundo o Dr. Drauzio Varella a principal característica da síndrome é: “O estado de tensão emocional e estresse crônicos provocado por condições de trabalho físicas, emocionais e psicológicas desgastantes.O sintoma típico da síndrome de burnout é a sensação de esgotamento físico e emocional que se reflete em atitudes negativas, como ausências no trabalho, agressividade, isolamento, mudanças bruscas de humor, irritabilidade, dificuldade de concentração, lapsos de memória, ansiedade, depressão, pessimismo, baixa autoestima.” Não é preciso dizer que isso reflete diretamente no aluno e na qualidade do ensino. A máxima de que a Educação é a base da sociedade continua valendo. Ajudar a formar cidadãos pensantes, reflexivos, atuantes, requer mudança na educação como um todo. Essa mudança passa pelos profissionais da educação também. Eis o grande desafio. O aperfeiçoamento profissional deve ocorrer em todas as áreas do conhecimento, em todas as profissões, mas quando se trata do educador a evolução tem que ser constante. Para isso faz-se necessário estar atualizado, se aperfeiçoando, aprendendo novos métodos, novas técnicas, trazendo a inovação para dentro da instituição. O mundo se transforma rapidamente, e devemos acompanhar essa evolução nos mantendo sempre informados, o que ocorre principalmente através de cursos, de estudos. Sabemos que para ser bom professor é necessário muito mais do que vocação e boa vontade. É necessário investir numa boa formação, capacitação e valorização desses profissionais. Precisamos recuperar a dignidade perdida. Lutar por uma educação de qualidade, inclui valorizar o docente. Estamos longe de atingir essa meta. A Educação é fundamental para o crescimento econômico e o desenvolvimento humano e social. O conhecimento transforma, liberta, nos faz seres pensantes e com opinião, talvez isso não seja prioridade porque não é interessante ter cidadãos atuantes e questionadores...quem sabe... Mariene Hildebrando Professora e especialista em Direitos Humanos Email: marihfreitas@hotmail.com Calendário do mês Principais feriados Datas Comemorativas 01– Dia Nacional do Selo 01– Dia Mundial da Amamentação 05– Dia Nacional da Saúde 06 - dia nacional dos profissionais da educação 07– Dia Sanção da Lei Maria da Penha (11.340/06) 09– Dia dos Pais 11– Dia da Televisão 11– Dia do Estudante 11– Dia Internacional da Logosofia 12– Dia Nacional das Artes 12– Dia da luta contra violência no campo 13– Dia do Pensamento 14– Dia da Unidade Humana 14– Dia do Controle da Poluição Industrial 15– Dia dos Solteiros 19– Dia Mundial da Fotografia 20– Dia do Amigo 22– Dia do Folclore 24– Dia da Infância 28– Dia Nacional do Voluntário DEMOCRACIA A verdadeira Democracia (onde o povo participe de alguma forma das decisões que interferem nas relações sociais) supõe uma prática pedagógica: educar para a cidadania. Educar é um ato que visa não apenas desenvolver nossas habilidade físico-motoras e psíquicoafetivas, mas igualmente à convivência social, a cidadania e a tomada de consciência política. A educação para a cidadania significa fazer de cada pessoa um agente de transformação social, por meio de uma práxis pedagógica e filosófica: uma reflexão/ação dos homens sobre o mundo para transformá-lo. Este é um dos objetivo do Jornal Gazeta Valeparaibana www.culturaonlinebrasil.net /// CULTURAonline BRASIL /// http://www.culturaonlinebr.org

[close]

p. 4

Agosto 2015 Gazeta Valeparaibana Página 4 Leis e Justiça Lei Maria da penha A Lei 11.340/06, conhecida com Lei Maria da Penha, ganhou este nome em homenagem à Maria da Penha Maia Fernandes, uma vítima da violência doméstica por muitos anos. Estudo do Instituto de Pes-quisa Econômica Apli-cada (Ipea) demonstrou que a Lei Maria da Penha (11.340/06) não diminuiu as taxas de mortalidade de mulheres por agressão no Brasil Apesar da lei estar em vigor desde 2006, o número de mortes de mulheres por agressão não diminuiu. Os motivos são vários. Desde a mulher que não procura ajuda, não conta o que está acontecendo por medo ou por questões econômicas, até mesmo por motivos culturais. O feminicídio aumentou por cada 100 mil mulheres agredida. Feminicídio é a morte de mulheres em decorrência do conflito de gêneros, ou seja, simplesmente por ser mulher. A morte é a máxima da violência contra a mulher. Normalmente perpretada por homens, aquele de convívio mais estreito, seu companheiro, parceiro… Desde março de 2015 o feminicídio é considerado crime hediondo,( crimes de extrema gravidade) é a morte da mulher provocada por razões de gênero, discriminação ou menosprezo. Está previsto também como crime no código penal, se enquadrando como homicídio qualificado ( assassinato de mulher por razões de gênero). A lei Maria da Penha abrange todo tipo de relações intimas de afeto. Vale dizer todas as relações que envolvem os laços de parentesco sanguíneo e também os laços de parentesco por afinidades, independente de conviverem ou não sob o mesmo teto. Essa proteção é extensiva também aos não parentes que convivem sob o mesmo teto; exemplo: (a secretaria do lar). A Lei não faz distinção quanto a orientação sexual da vítima, é para lésbicas, transexuais, travestis... especializado, falta de um acompanhamento de assistente social, psicólogos, e de proteção a essa mulher que está com medo e desamparada. A lei Maria da Penha prevê várias medidas protetivas após ser feita a denúncia, mas pela falta de estrutura de alguns desses locais de ajuda, algumas mulheres deixam de proceder a denúncia, por saber da precariedade da investigação. O art.22 da Lei 11340/06- Lei Maria da Penha elenca algumas medidas protetivas de urgência entre elas: suspensão da posse ou restrição do porte de armas, afastamento do lar, domicílio ou local de convivência com a ofendida; proibição de determinadas condutas, entre as quais: Aproximação da ofendida, de seus familiares e das testemunhas, fixando o limite mínimo de distância entre estes e o agressor; contato com a ofendida, seus familiares e testemunhas por qualquer meio de comunicação; frequentação de determinados lugares a fim de preservar a integridade física e psicológica da ofendida; restrição ou suspensão de visitas aos dependentes menores, ouvida a equipe de atendimento multidisciplinar ou serviço similar; prestação de alimentos provisionais ou provisórios, e outras medidas elencadas nos art. 23 e 24 da mesma lei. A cada 5 minutos uma mulher é agredida no Brasil segundo estudo do mapa da violência de 2012. Registre-se aqui que a violência sofrida pode ser psicológica, moral, sexual, patrimonial e não apenas física. 98% da população brasileira conhece a lei. Tivemos mais de 90 mil mulheres assassinadas nos últimos 30 anos. A lei é eficaz quanto às medidas de urgência, ela cumpre o seu papel. A morosidade ocorre por conta do número de processos, mas diz respeito ao processo em si. Cabe ao Estado procurar ser mais célere e competente para realmente garantir a proteção dessas mulheres vítimas de maus tratos. Houve um acréscimo no número de centros especializados com atendimento jurídico, social e psicológico, nos abrigos para mulheres, houve um aumento no número de delegacias, no número de juizados e de varas. Mas ainda é insuficiente. É necessário evoluir no campo das medidas educativas. Para que a lei seja cumprida a mulher tem que denunciar, tem que saber com o que pode contar quais serviços, onde ir buscar amparo. É um trabalho conjunto que envolve todas as pessoas e instituições que de uma maneira ou de outra estão envolvidas nesse processo. É necessário desfazer esse ranço de sociedade patriarcal que ainda predomina em relação a inferioridade e submissão das mulheres que ainda é vista como algo natural. Essa visão é prejudicial na medida em que muitas autoridades não acolhem mulheres vítimas de violência. É fundamental que a violação desses direitos seja constantemente vigiada para que realmente as mudanças ocorram e esses direitos sejam garantidos. Melhorar os serviços de proteção às vítimas, acompanhar essas mulheres após as denúncias e ajudá-las a recomeçar uma nova vida. É um grande desafio, fazer com que as instituições públicas caminhem juntas e unidas para fazer cumprir a lei. Pensar no futuro do nosso país inclui pensar em políticas públicas de proteção a mulher. A lei Maria da Penha é um grande avanço, mas há ainda muito a ser feito. Se queremos um futuro sem violência contra as mulheres precisamos estar atentas, e cobrar do Estado leis mais efetivas, que nos garanta um futuro melhor e mais digno, sem a opressão de ainda termos que ouvir que somos as culpadas por toda essa situação O Brasil deu um grande passo em termos de Direitos Humanos quando aprovou a criação dessa lei. A punição é rigorosa para os homens que maltratam suas mulheres( companheiras, cônjuge, namoradas,etc). Isso só é possível porque foi criado todo um mecanismo de apoio pelo poder público que inclui delegacias especializadas nesse tipo de violência, um trabalho conjunto com defensorias públicas, tribunais e promotorias e material humano com pessoas sensíveis ao problema. Infelizmente pessoas especializadas ainda são insuficientes, o que muitas vezes causa certo prejuízo no atendimento as vítimas, deve se contar com a sensibilidade dos funcionários desses setores .A mulher vítima de violência e humilhação é uma pessoa frágil, amedrontada, com o psicológico totalmente afetado, sem falar no próprio corpo aviltado e machucado. Romper com esse padrão, fazer a denúncia, não é algo fácil. Ela se torna um alvo para a ira do compa- Mariene Hildebrando nheiro, correndo quase sempre risco de vida. O que tem ocorrido é Especialista em Direitos Humanos que algumas cidades ainda enfrentam grandes problemas de infraes- Email: marihfreitas@hotmail.com trutura dos próprios locais de atendimento, insuficiência de pessoal www.culturaonlinebrasil.net /// CULTURAonline BRASIL /// http://www.culturaonlinebr.org

[close]

p. 5

Agosto 2015 Gazeta Valeparaibana Página 5 Corrupção isto não, você vai virar mais um desonesto (para não dizer coisa pior)”. Ou ainda, “o que você vai me dar para eu votar em você?” Bem, você também colabora para manter a corrupção, pois seu discurso atesta que a política é feita de pessoas desonestas e, por isto Você está enriquecendo os políticos mesmo, você somente vota em desonestos. Para que incentivar um honesto a ser político, se você não acredita em honestidade na políticorruptos? ca? Você pode até se dizer contra a corrupção, mas está perpetuanA pergunta deve ser respondida por todos, a do-a. começar por mim. Mais uma pergunta: VOCÊ É DO TIPO QUE DEIXA DE VOTAR POR Se você disse que não, então, faça a prova QUE NÃO ACREDITA EM NENHUM POLÍTICO, POIS TODOS SÃO dos 9 continuando a ler este artigo e refletindo IGUAIS? Este discurso é típico de Pilatos, que lava as mãos e entresobre a forma como podemos ajudar, sem per- ga Jesus aos seus algozes. Você entrega sua cidade, seu Estado e cebermos, a disseminar a corrupção e, é claro, seu país nas mãos de políticos que você não acredita e os considera o contrário também. corruptos, mas também, não faz nada para mudar esta situação. Sim, porque se você buscar informações, vai encontrar políticos hoMas, antes, temos que lembrar uma coisa: os salários dos políticos eleitos pelo povo e os cargos comissionados designados por estes nestos, sim, incorruptíveis, também. E mais, temos que acompanhar mesmos políticos são pagos com dinheiro dos nossos impostos e, nossos políticos eleitos para ver e saber tudo o que eles fazem. Se o em tese, eles seriam empregados do povo. Assim sendo, deveriam seu voto não tiver sido comprado, você tem todo o direito de cobrar trabalhar a favor do povo e não a favor do próprio bolso e de suas atitudes honestas dos políticos eleitos. famílias. Para começar nossa reflexão, a primeira pergunta é: nas últimas eleições, VOCÊ TEM VOTADO POR ALGUM BENEFÍCIO PRÓPRIO? Como por exemplo, para ter um cargo comissionado ou ser contratado pelo seu candidato? Ou seja, mesmo sabendo que o seu candidato não é o melhor para a cidade, mesmo assim vota nele, simplesmente, para garantir um “emprego”. Outra pergunta, que complementa esta primeira, ALGUMA VEZ VOCÊ VENDEU SEU VOTO, votando, literalmente, para ganhar uma cesta básica ou al- O que isto tem haver com a política? Tudo! Estas pequenas atitudes guns reais? tornar-se-ão grandes quando você estiver no poder e então será caSe você disse sim, com certeza, você votou contra um futuro melhor paz de fazer coisas corruptas. para sua cidade, seu Estado e seu país e, consequentemente, para seus filhos e netos. Numa simples analogia, você deu os tijolos da casa maravilhosa que um dos seus eleitos está fazendo com dinheiro vindo de corrupção (a propina que ele recebe para votar “de olhos fechados” a favor do Executivo, os desvios de verbas de gabinetes com notas fiscais falsas, e tantas outras formas “indiretas” que ele usa para aumentar o próprio salário). Lembre-se, não estou afirmando que todos são corruptos, e, sim, uma parte considerável. Ou seja, uma maçã podre no cesto, contamina as demais, se nada for feito para impedir o apodrecimento das demais. Última pergunta: VOCÊ JÁ BUSCOU ATESTADO MÉDICO PARA UMA FALTA DO TRABALHO SEM ESTAR DOENTE? OU MESMO, VOCÊ DEIXOU DE DEVOLVER UM TROCO ERRADO, MESMO PERCEBENDO NA HORA? RECEBEU O SEGURO DESEMPREGO ESTANDO TRABALHANDO? Vendeu um carro ruim como se você um verdadeiro possante? E existem ainda tantas outras perguntas, que eu poderia colocar aqui, para mostrar atitudes que corroboram com a corrupção. PRA FINALIZAR FICA AQUI UMA REFLEXÃO: a corrupção que vemos nos mais variados setores políticos, e até privados, é reflexo da sociedade, que pratica pequenos atos acreditando que os fins justificam os meios e/ou não faz nenhuma diferença se estas coisas acontecem? Mas, você está enganado, são atitudes que fazem diferença SIM nas nossas vidas! Então, comece fazendo a sua parte: SEJA CORRETO! INTEGRIDADE E COERÊNCIA ADVÊM DO CARÁTER CORRETO E NÃO PODEMOS PERDÊ-LAS. Outra pergunta: VOCÊ É DO TIPO QUE QUANDO UMA PESSOA, ACIMA DE QUALQUER SUSPEITA, HONESTA E TRABALHADORA, diz que vai se candidatar, você é incisivo e responde: “Não faz FONTE: http://www.jornalviverbemsaude.com.br/ SOBRE DEMOCRACIA REPRESENTATIVA Democracia representativa é o exercício do poder político pela população eleitora não diretamente, mas através de seus representantes, por si designados, com mandato para atuar em seu nome e por sua autoridade, isto é, legitimados pela soberania popular. VOCÊ TAMBÉM É RESPONSÁVEL! CARÁTER Tenho visto muito bom caráter em pessoas com comportamento tido como transgressor, polêmico ou depravado, e muita vileza escondida por trás de quem adora mostrar-se como pessoa de bons costumes... Augusto Branco Na rua, a pressão da opinião pública é capaz de fazer o que a lei não consegue Porque precisamos fazer a Reforma Política no Brasil? Seus impostos merecem boa administração. Bons políticos não vem do nada. Para que existam bons políticos para administrar o país, toda a sociedade precisa colaborar para que eles possam nascer e terem sucesso. É preciso um sistema eleitoral moderno para melhorar a qualidade da política. Os políticos "tradicionais" tem horror à reforma política, porque ela pode mudar a situação atual onde eles usam e manipulam o eleitor e são pouco cobrados ! www.culturaonlinebrasil.net /// CULTURAonline BRASIL /// http://www.culturaonlinebr.org

[close]

p. 6

Agosto 2015 Gazeta Valeparaibana Página 6 Sociedade que vai exigir o espírito de justiça para julgar a sua dimensão. Ninguém violenta suas raízes ou desarticula sua estabilidade prazerosamente. Errar na generalidade é uma agressão que Lignum Vitae responde outra agressão sofrida. Porém, a falha não anula a virtude e não é lícito conduzir um todo de densidade válida razoável por uma O anjo mostrou-me depois o rio das águas vivas, parcela deformada. que brilhava como cristal e saía do trono de Deus e Assim sendo, não podemos destruir uma verdo Cordeiro. No meio da praça da cidade e dos dade constatada para satisfazer a tirania de dois braços do rio crescia a árvore da vida, que nossa vontade. A vida é uma artesanato trabadava frutos doze vezes por ano, em cada mês o seu lhoso e o quando o exercemos em conjunto e a fruto. E as folhas da árvore servem de remédio favor de nosso grupo social todos nós somos para toda a gente. igualmente responsáveis pelas derrotas e peAPOCALIPSE 22,1-2 las vitórias conseguidas. Breve Reflexão Sobre A Árvore da Vida, PENSADORES Albert Einstein: “Só os estúpidos precisam de organização. Os gênios controlam o caos”. *** Goethe: “O homem de bom senso jamais comete uma loucura de pouca importância”. *** Humberto de Campos: “A evolução da sociedade é feita, aliás, não pela democratização das elites, mas pela aristocratização da plebe”. *** Afonso Schimidt: “As prostitutas têm sido mais úteis aos homens do que Moisés ou Zoroastro”. *** Juca Chaves: “Água morro abaixo, fogo morro acima e mulher quando quer dar, ninguém segura”. *** Camilo Castelo Branco: “Se começarmos a ver o mundo tal qual é, a poesia acaba toda”. *** Afrânio Peixoto: “De todas as incapacidades humanas a mais certa é a de prever”. *** Mae West: “Entre dois males, escolho sempre aquele que ainda não experimentei”. *** Júlio Ribeiro: “Dos insubmissos tem emanado todo o progresso social”. *** Dom Francisco Manuel de Melo: “Nunca me arrependi do que não disse”. *** Millôr Fernandes: “Psicanalista é uma espécie de mágico que tira cartolas de dentro dos coelhos”. *** Medeiros e Albuquerque: “Estudando as origens de quase todas as cerimônias religiosas, vê-se que elas são, ora pueris, ora grosseiras”. *** Marilyn Monroe: “Os homens passam, os diamantes ficam”. *** Filipe de Sousa: Deodoro da Fonseca nos dias de hoje se arrependeria? Há um momento na vida do homem em que ele deve fazer vibrar o seu círculo mágico e assumir um comportamento despertando sua conduta de justiça. Se o bem e o mal não são dois conceitos cósmicos, senão sociais, então, como compreender o termo “Justiça” e, ainda mais, fazer dela uma fase de comportamento? A justiça deve começar em nós mesmos, no penoso ato do auto-juízo. Julgar é um gesto de fé, julgar a si mesmo uma decisão de coragem que coloca o homem em confronto com sua consciência. Todos temos tendência à auto-comiseração e é-nos mais fácil atribuir ao próximo nossos próprios erros que definí-los nossos. Jamais procuramos analisar se nos erros dos que nos cercam tivemos interferência direta ou indireta, o que nos tornaria culpados ou contribuintes a ocorrência dos mesmos. É mais cômodo à consciência ignorar a análise afim de eximir-se e condenar à aquele que nos causou desagrado. O tempo é uma existência viva e homem algum pode sepultar a sua herança, pois, são seus elos que formam a cadeia da vida. Negar o que se viveu é condenar-se por estar vivo. Portanto, em toda a conduta humana deve haver uma justiça existencial que julgará as vivências passadas, pois, o agora em que estamos foram dependentes e são consequência delas. Tudo tem seu valor intrínseco e mesmo o mau momento deixa um saldo válido, pois, são as experiências mais duras que nos ensinam e alertam tornando-nos mais sábios e cautelosos. Diz o refrão popular que “errar é humano”, porém, o erro obedece uma origem nascida da razão e é sempre calcada em um motivo lícito ou ilícito sem extrair-se dele o razoável mínimo VIOLÊNCIA de quem? O que une as pessoas e as faz amigas é o elo vital comum na construção do cotidiano. Nem a distância nem os anos destroem o bem do afeto assim como as eras não sepultam a história. É preciso que haja um momento de reflexão a ver se é justo agraciar com as vinhas da ira a quem foi bom semeador e se algum dia falhou à seara foi ele mesmo, o semeador, a punir-se secretamente. O estado de sã consciência nos permite a descobrir o belo que está latente em tudo e o divino que se oculta em nós mesmos. Somos na escala da perfeição do mundo o mais- queperfeito e como tal devemos assumir nosso processo de filhos de Deus. Ser amigo dos homens, dos seres e do mundo é fundamental, pois, desse modo construímos um grande princípio e projetamos a base de uma catedral gigantesca e cada pedra que a ergue leva um valor absoluto irreversível. A amizade não é uma homenagem, é uma dívida com o Sagrado e cabe ao homem jamais esquecer o seu tributo de justiça. No dia-a-dia escrevemos o nosso evangelho sem nos afastarmos à ideia de que o Novo Testamento tem a sua iniciação no Velho Testamento, o Pentateuco de Moisés, receptáculo dos mistérios da vida. Não há nada mais belo para uma pintura nova do que uma moldura antiga. Assim sendo, urge o armistício completo entre homens-seres-mundo que sanará este hiato injusto no texto da Justiça. POR: Loryel Rocha Anna Maria Dutra de Menezes ( in memoriam) "Eu entendo a violência do assaltante: ele rouba. Mas e a violência de quem não está sequer praticando crime, mas se torna criminoso de momento, desrespeitando valores? É a banalização do mal. Esse é um problema penal? De repressão? É muito mais grave do que o sistema penal apresenta: é um problema patológico". A violência difusa tornou-se habitual, nos jogos de futebol, nas manifestações de rua, trazendo mais combustível na fogueira da violência institucionalizada do crime organizado e da polícia. O país está enfermo. E há muitas causas para essa enfermidade. "Está se assistindo a essa violência incompreensível e nós apenas bradando por cadeias. Que se prenda, mas que se discutam as razões disso". Antonio Carlos Mariz de Oliveira (criminalista) www.culturaonlinebrasil.net /// CULTURAonline BRASIL /// www.culturaonlinebr.org

[close]

p. 7

Agosto 2015 Gazeta Valeparaibana Página 7 Literatura FORTALEÇA-SE NO INIMIGO G Necessitamos de amigos para as horas difíceis e muitas vezes dependemos deles para sobrevivermos emocionalmente, mas, não podemos deixar de reconhecer que o inimigo será nosso melhor mestre, pois, para enfrentá-lo, precisaremos usar nossa inteligência e olhar nossos espelhos que refletirão o que nos incomoda. Os amigos nos reconhecem com aplausos,toleram nossos defeitos e com toda generosidade, isentam-se de críticas a nosso respeito, no entanto, por mais que tenham a intenção de nos ajudar, geralmente não contribuem em quase nada para nosso crescimento pessoal gerando uma distorção de nosso afeto condicionado a se fortalecer em quem não precisamos enfrentar. Embora dependamos de reconhecimentos para que nossos caminhos sejam sinalizados e direcionados para o certo, mesmo que não deveríamos dar importância aos pensamentos dos outros em relação à nossa pessoa, não vivemos isolados e nem somos autossuficientes para dispensar ou ignorar comentários que nos digam respeito, pois os elogios nos tornam seres de egos infláveis pelo combustível da vaidade e mesmo que um vazio permaneça dentro de nós e nos tornemos presas fáceis do amigo que nos perdoa de vãs futilidades, mas também seremos do inimigo que nos modela o comportamento graças a uma boa dose de rancor bem usada e isso é o que decide a nossa saída da inércia, utilizando o sentimento da fúria para renovarmos energias estáticas e improdutivas. Não faço apologia à inimizade, mas, os inimigos devem ser considerados indispensáveis,pois numa sociedade competitiva onde, inevitavelmente, teremos tantos rivais quanto inimigos, nessa trama da vida, estaremos todos juntos navegando no mesmo barco. Numa sociedade onde quem faz irrita a quem não é capaz de fazer, compreendamos então porque a arte de não ter inimigos torna-se medíocre. E é por isso que em todos os tempos estamos sempre a cultivar criteriosamente ótimos inimigos, pois esses existirão por toda nossa vida e já os amigos, tomarão seus rumos e nos deixarão confortavelmente em nossas vidas “mornas” porque dos amigos sabemos o que esperar, mas os inimigos nos dirão as piores coisas, nos colocarão à frente do que mais nos dói e deles sabemos que poderemos esperar o pior. Portanto, cuidemos dos amigos, mas, nunca negligencie do ato de preservar, cuidadosamente, o seu respeitável inimigo. Genha Auga – jornalista – MTB:15.320 ESTOS DE FÉ Abra caminhos com gestos de fé, em Deus estão as raízes do amor, filhos eternos, que como as músicas encantam, para “Ele”, nunca morrerão! Esse Deus que comanda o mundo e que um dia todos entenderão. Esse mistério, Allah, Jah, Jeová... Mistério de bravura e poesia, que mudará seu destino e o purificará. Coloque sua cabeça em cima do coração e tornar-se-á um imperador, desenhes o futuro com honras e gestos de fé. Seja um recriador das raízes do amor. Genha Auga Numa sociedade movida à dinheiro e hipocrisia, encontramos pessoas propensas aos mais diversos rumos incluindo-se a devassidão. Cuidado com quem andas, pois tua companhia sumariza quem és. Não tenha medo de lutar pelo que acredita, apenas seja você mesmo nos mais divergentes momentos que possam surgir. Fazendo isto, certamente afetará os que estão à tua volta que não gostam do que veem. Saberão fazer a triagem do joio e do trigo. Só tome cuidado com o lado com que ficará, pois uma escolha errada pode te afetar drasticamente. Pense no seu futuro. Sua escolha hoje, será o seu futuro amanhã. Seja feliz, haja com honestidade sempre. Mas acima de tudo, cuidado com o que te tornarás! Filipe de Sousa www.culturaonlinebrasil.net /// CULTURAonline BRASIL /// http://www.culturaonlinebr.org

[close]

p. 8

Agosto 2015 Gazeta Valeparaibana Página 8 Alimentação e Saúde introduziu nenhum material genético de outra espécie no material genético original, então esse organismo é considerado somente um OGM. Mas, caso tenha haviAlimentos geneticamente modificados prometem um do, durante essa alteração, a introdução de material novo mundo. Será ver- genético de uma espécie biológica diferente no material dade? genético original do organismo, então esse organismo Tem havido muita dis- passa a ser um organismo transgênico. cussão sobre a introdu- Assim, todo organismo transgênico é um OGM, já que ção crescente dos trans- sofreu alterações genéticas artificiais. Porém, um OGM gênicos e dos organis- só se torna um transgênico se houver recebido uma mos geneticamente mo- transferência genética de uma outra espécie nesse prodificados (OGMs) nas cesso de manipulação . Transgênicos e OGMs: diferenças e promessas nutritivos que os naturais - Têm normas de segurança estritamente seguras -Aumentam o rendimento das culturas - Reduzem o uso de pesticidas - Beneficiam os agricultores e tornam suas vidas mais fáceis - Propiciam benefícios econômicos - Beneficiam o meio ambiente - Ajudarão a alimentar o mundo diferentes instâncias da vida humana e no meio ambiente. Depois do advento da engenharia genética e com a consolidação da biotecnologia moderna – a tecnologia de obter benefícios e recursos utilizáveis a partir de organismos biológicos – o desenvolvimento de OGMs e transgênicos tornou-se um foco extremamente importante para a ciência e a indústria. As enormes perspectivas de manipulação e direcionamento das estruturas da vida (o material genético presente nas células) para produção de meios e bens de consumo prometem facilitar a vida humana e incrementar os negócios. Essas afirmações precisam ser mantidas na memória, porque as abordaremos de forma clara em nossos próxiEm princípio, a grande aplicação da técnica de produ- mos artigos, confrontando-as com os fatos e denúncias ção de transgênicos é a produção de alimentos, e em sobre as indústrias de transgênicos. especial de sementes (grãos), já que estas estão na De acordo com denúncias públicas, documentos e combase da produção e do consumo humano e formam a provações, a realidade tem se mostrado bastante difebase da economia do mundo. rente para comunidades, agricultores, criadores, que Sendo assim, os cientistas industriais alteram o material genético de sementes como o milho, a soja, a canola e outros, introduzindo-lhes material genético de animais, plantas, insetos etc, para que sejam mais resistentes a pragas e herbicidas, tornando-os, portanto, mais produtivos. Como diz o Ministério da Agricultura do Brasil, “Essas culturas são direcionadas para maior nível de proteção das plantações, por meio da introdução de códigos genéticos resistentes a doenças causadas por insetos ou vírus, ou por um aumento da tolerância aos herbicidas.” foram intimidados, usurpados em seus direitos e afetados economicamente por indústrias de transgênicos. Da mesma forma, de acordo com recentes pesquisas de cientistas idôneos e investigadores competentes, pessoas, animais e plantas sofreram doenças ou mutações genéticas aberrantes devido ao uso de transgênicos e de herbicidas fabricados por essas mesmas indústrias. Algumas denúncias são gravíssimas: patentes que levam à criação de monopólio dessas indústrias para o controle dos alimentos em escala mundial; alteração de leis que regulam os transgênicos (por coerção, intimidação e suborno); fraudes e alterações dos resultados de pesquisas sobre o consumo dos transgênicos na saúde; comprovações científicas sobre os riscos reais da alimentação transgênica, entre outras. Os assuntos são bastante sérios e precisam ser evidenciados e esclarecidos, já que suas implicações são cruciais para os atuais rumos da sociedade, das diferentes comunidades, da economia global e, especialmente, para evitarmos uma tirania sem precedentes no âmbito da alimentação mundial, além de um desastroso e irreversível resultado na saúde humana (que mostra seus primeiros sinais nos estudos científicos feitos sobre os alimentos em animais). Graças aos surpreendentes resultados inovadores obtidos pela biotecnologia, especialmente dentro da engenharia genética – com a criação dos OGMs e dos transgênicos – criaram-se expectativas e promessas sobre uma revolução tecnológica que ajudaria a resolver mui- Promessas e dúvidas tos problemas fundamentais da humanidade e transfor- Existe uma afirmação de que, depois de serem genetimaria a vida no planeta. camente modificadas, essas sementes transgênicas Mas, na verdade, quais têm sido os resultados reais dos serão mais resistentes às pragas e mais tolerantes ao OGMs e dos transgênicos para a vida humana, para as uso de herbicidas. Então, em princípio, isso parece um demais espécies e o planeta depois de sua introdução alento e tanto para os agricultores em todo o mundo, já na vida humana e no ecossistema? que o uso de herbicidas não afetará suas plantas e esPorém, antes de mais nada, precisamos esclarecer a sas serão mais resistentes às pragas. diferença e as similitudes entre os OGMs e os transgêni- De acordo com a ‘Earth Open Source’ – uma organizacos. ção sem fins lucrativos dedicada a garantir a sustentabilidade, a defesa e a segurança do sistema alimentar OGMs e transgênicos Em termos gerais, um OGM é um ser biológico global -, muitas outras promessas como essas sobre os (semente, planta, inseto, animal) que sofreu alguma mu- transgênicos e OGMs foram feitas pelas indústrias, endança artificial em seu material genético, mediante ma- tre elas: nipulação da engenharia genética. Se esta alteração - Eles não apresentam riscos diferentes dos das culturas POR: Alberto Fiaschitello Terapeuta naturalista e cientista social consistiu apenas em mudanças na estrutura ou na fun- naturais ção do próprio material genético do organismo, mas não - São seguros para o consumo e até podem ser mais www.culturaonlinebrasil.net /// CULTURAonline BRASIL /// http://www.culturaonlinebr.org

[close]

p. 9

Agosto 2015 Gazeta Valeparaibana Página 9 Professores PROFESSORES INDEPENDENTES? o que quiser. A liberdade deve ser entendida em que temos compreensão sobre a função enquanto a possibilidade de o professor expressar a sua opinião e discutir com seus alunos diferentes pontos de vista, diferentes concepções e ideologias (sem a imposição de uma “verdade”). Para tal, sabemos que para que o professor tenha tal liberdade e autonomia, ele deve primeiramente ser autônomo (algo que não se adquire com um curso ou com um diploma), a construção de um sujeito autônomo se dá ao longo de toda sua vida, a partir das diversas relações que abarcam sua formação acadêmica e não acadêmica. Ser autônomo e ser intelectualmente independente não é tarefa fácil, ainda mais se tratando de Brasil (onde historicamente nunca fomos “treinados” para sermos livres) e por sermos professores, ou seja, uma profissão que historicamente sempre foi cerceada por interesses políticos, sociais e econômicos (independentemente de variação historico-geografica). do “sistema escolar” estruturado com currículos e programas bem definidos, e estritamente supervisionado para que “tudo seja cumprido”, torna-se mais fácil compreender o real significado da escola e o ideal significado da escola. Deste modo, colocar em pauta a discussão sobre temas tais como “identidade de gênero”, “aborto”, “política” ou “direitos sociais” é confrontar a manutenção da ordem estabelecida historicamente pelos grupos dominantes. Obviamente que grupos denominados de “Direita” ou “conservadores” são contra a inserção desses conteúdos em sala de aula. Também são contra a discussão de problemas sociais e políticos (a não ser que seja para falar mal do partido diferente do deles). Notadamente, as pessoas que se opõem a esses e outros temas, em ambiente escolar, defendem a neutralidade do professor em sala de aula. Porém, conforme nos lembra Demerval Saviani, é impossível fazer com o que o professor seja neutro. Ele sempre vai ter uma posição. Professor, é pai, é membro da sociedade, é filho, é tio, ou seja, professor também é gente. Possui as mesmas qualidades e defeitos das outras pessoas. O que defendemos, na escola, é que o professor tenha a liberdade de tratar seus assuntos, a partir da sua ótica, mas sem impor sua verdade, ou seja, apresentando sempre os dois lados da moeda (o que muitas vezes também é atacado pelos conservadores, uma vez que isso poderia trazer a reflexão). Já faz algum tempo que discutimos a falta de independência intelectual dos professores. Desde 2012 em que iniciamos o Programa E Agora José? já nos debruçamos algumas vezes sobre temas em que envolviam o assédio moral sobre professores, a falta de independência intelectual e como os professores são cerceados diante da sua prática docente. Também discutimos recentemente, em um vídeo publicado em nosso canal do YouTube, a ideologização em sala de aula. Em todos os nossos textos e vídeos, sempre defendemos a Mas, por que a profissão de professor sempre liberdade de expressão, ainda que possamos foi alvo de interesses de governantes e estranão concordar com o tema tratado. tegistas sociais? Por que os professores semO fato é que vivemos em uma época de extre- pre foram formados e treinados para serem mos. A polarização partidária e religiosa tomou reprodutores de cartilhas e cumpridores de taconta das discussões que envolvem a educa- refa? ção. De um lado, apresentam-se defensores da liberdade de expressão, da discussão sobre gêneros, exploração de conceitos tratados dentro de uma perspectiva sociológica mais voltada à esquerda (se é que se pode afirmar isso). Do outro lado, figuram aqueles que defendem a mecanização do trabalho docente através de currículos engessados e padronizados, com conteúdo estanque, que reproduz o conhecimento sem adentrar em discussões polêmicas ou sem refletir sobre causas e efeitos de um determinado fato (aqui, entendemos como uma tendência à direita). De um lado, é possível afirmar que se figuram progressistas e do outro, tradicionais. Entretanto, independentemente de corrente filosófica, política ou religiosa em que se encontram tais grupos, o que nos interessa, considerando um período em que ainda estamos construindo a democracia no Brasil, o que devemos lutar veementemente é sobre o cerceamento da liberdade de expressão do professor em sala de aula. Tal liberdade jamais deve ser confundida com a libertinagem, em que se faz Desde que Comenius publicou a Didática Magna no século XVII que a formação em massa de professores tem servido para formar a massa, ou seja, formar um cumpridor de tarefas para que a massa cumpra tarefas. Assim, a manutenção do status quo sempre foi Omar de Camargo garantida. Professor em Química. Tal manutenção do status traz consigo valores decamargo.omar@gmail.com morais e éticos de um determinado grupo sociIvan Claudio Guedes al. Um grupo formado por detentores do poder Geógrafo e Pedagogo. (econômico, político e religioso). Desestruturar ivanclaudioguedes@gmail.com essa manutenção significa desestabilizar o status quo, ou seja, a manutenção da ordem. OUÇA-NOS Talvez daí venha o motivo sobre o “total conTodos os trole” sobre a formação do professor, uma vez Sábados 16 horas que ele formará a sociedade. Na Compreender a função da escola enquanto CULTURA um “Aparelho Ideológico de Estado” para criaonline BRASIL ção de “Corpos Dóceis” pode ser muito bem PROGRAMA: compreendida a partir dos trabalhos de AlthusE agora José? ser e Foucault. Não somente, também é possível compreender a escola diante da falsa ideia www.culturaonlinebrasil.net de que é a partir dela que se tem ascensão www.culturaonlinebr.org social (Bourdieu). Ora, a partir do momento www.culturaonlinebrasil.net /// CULTURAonline BRASIL /// http://www.culturaonlinebr.org

[close]

p. 10

Agosto 2015 Gazeta Valeparaibana Página 10 Desinformação e Manipulação midiática A infantilização dos cidadãos, a fada e o Peter Pan Os noticiários do rádio e da televisão Sendo bem educado, eu já estou com o saco cheio. Com todas as décadas que tenho nas costas, ainda sou tratado como criança. Neste inverno, basta pegar um resfriado daqueles que nos deixam como alternativa única de melhora a cama, para ficar zapeando os canais em busca de algo que não seja medíocre. Uma alternativa aparentemente honrosa é ficar de olho nos noticiários. E o que vemos e ouvimos? Uma infindável sequência de fatos que comprovam o quanto as instituições políticas e governamentais estão falidas, ineficientes, incompetentes e, pior de tudo,sendo infratoras. Parece que para qualquer fato novo a imprensa chega ao local do evento até antes de seus protagonistas, tal é a rapidez com que a notícia é veiculada. Os repórteres estão no ar antes que a polícia chegue, quase antes mesmo que os bandidos executem seus atos criminosos. Perseguições em tempo real são verdadeiros reality shows, mais apreciados do que os velhos big brothers. Às vezes imagino que a mídia em geral deve atribuir um orçamento bem maior para o jornalismo do que para novelas, esportes, entretenimento. Os repórteres rodam as cidades 24 horas por dia, 7 dias por semana. Deve ser um esquema gigantesco. O conhecimento que essas notícias nos trazem é de fato uma prestação de serviços à comunidade, e o “único” ponto negativo que isso gera para nós é que somos obrigados a ver mais propaganda do que matéria propriamente dita, para que os anunciantes possam cobrir os custos de produção. No entanto... A demagogia verborrágica ou a verborragia demagógica Do lado do serviço público as coisas são extremamente diferentes – e muito piores. Falta de pessoal, falta de agilidade, incapacidade de agir com discernimento, cara de pau para apresentar desculpas nas quais nem criancinha de colo acredita. Orçamento insuficiente para absolutamente tudo. Os entrevistados repetem frases-padrão que de forma alguma esclarecem como algum problema surgiu, como ele está sendo administrado, quando ele estará resolvido. Exemplos: “As obras estarão se iniciando em breve“, “Estamos fazendo todo o possível”. Maldito gerúndio, desculpa dos incompetentes. Ah! Não esquecer o famoso “Eu não sabia.” E outras pérolas que fazem José de Alencar sentir ódio no túmulo em que repousa, tamanha é a obviedade, repetição e idiotice dessas palavras. São mantras da maldade. São demagogias verborrágicas, formas explícitas de rotular o ouvinte-expectadoreleitor como sendo uma criatura idiota e infantilizada, que não tem capacidade de compreender fatos absolutamente claros e óbvios que a vida lhe mostra todos os dias de forma escancarada. Verborragia demagógica destinada a construir uma linha de raciocínio absolutamente caótica. Nós, pobres coitados, ingenuamente tentamos entender o que é dito, mas chegamos logo à conclusão de que nada há a compreender. É tudo um conjunto sem nexo de frases sem nenhuma estrutura de raciocínio. Em suma, as entrevistas e as respostas dadas aos jornalistas pelas “autoridades” têm apenas como objetivo: confundir, enganar, protelar. Cabe aos agentes públicos a fiscalização, a detecção de problemas, o diálogo com a comunidade, a análise de alternativas, gerenciamento de recursos, e outros aspectos de planejamento e de ação. Como cabe a qualquer gestor em qualquer negócio.Obom exemplo de conduta deve partir do topo da pirâmide, mas o que esse topo faz de forma eficiente é dar maus exemplos. Não é questão de o estado ser paternalista. Há um equívoco enorme quanto ao entendimento dessa questão. Durante as campanhas eleitorais os candidatos colocamse como pessoas capazes, competentes e que providenciarão a solução de todos os problemas caso sejam eleitos. Todos são “paizões” e “mãezonas”. Todos criam no eleitor a sensação de paternalismo, e essa postura é a causa de cidadãos terem a expectativa de o estado ser uma máquina de resolver problemas. Os candidatos chamam para si esse papel para chamar para si os votos. Para mudar essa realidade, é preciso que eles mudem de atitude e de discurso. Alguém crê nisso? Mas a realidade em nosso país é que os eleitos não apenas não resolvem os problemas, como são os responsáveis por criar mais problemas. Fica a cargo dos cidadãos e da mídia clamar para que essa realidade mude. Alguns exemplos de problemas “corriqueiros” Quando um crime é cometido, ao comentar o evento as autoridades exclamam:“Esse crime é inaceitável, e todos os envolvidos serão punidos com o rigor da lei”. E isso quase nunca acontece. Como se houvesse algum crime aceitável! Apesar de que, cá entre nós, as bordoadas morais que todos nós levamos todos os dias dos “representantes do povo” nos fazem aceitar quase que com complacência alguns tipos de crimes ! “Rouba mas faz”, “Mas Fulano1 roubou tão pouco comparando com Fulano2!”, “Rouba, mas não mata.”Aceitar o mal menor para não ter o mal maior. Neste nosso país o topo da pirâmide dá os piores exemplos possíveis alastrando mentiras e agindo de forma criminosa no trato dos bens públicos. Alguns condenados e aprisionados na Papuda demonstram isso. Escárnio ao tratar com o populacho. É a discriminação das maiorias. Quanto ao rigor com que são aplicadas as punições, a impressão dos cidadãos é que quanto maior o crime, menor é a punição. A seguir, algumas dicas de fatos já consumados que foram abertamente “cometidos” por quem deveria dar exemplos. Vocês se lembram dos esportistas cubanos repatriados a Cuba? E da acolhida paternal a um criminoso condenado na Itália? Não se esqueçam da sugestão de dialogar com o ISIS, o “exército” islâmico que a mídia chama de estado. Como explicar o silêncio de nossa política externa enquanto a liberdade de imprensa e de direitos humanos são desprezadas na Venezuela? Qual a razão da sui generis defesa da mandioca? Vejam na internet a respeito da aula de história que colocou os incas no México. Já escutaram falar do atraso no repasse de verbas, que não chegam às instituições no valor nem na data previstos? Neste país que é um dos que têm mais água no mundo, tanto água doce quanto do mar, o quilo do peixe de primeira frequentemente é mais caro do que carne de primeira. Esse é o resultado do “trabalho” de um ministério específico para a pesca?Talvez o próximo ministério seja o do Abate dos Bois, para fazer subir mais ainda o preço da carne. Vixi Maria! A lista de incompetências e maldades é tão longa que há o risco de ser infinita no tempo, no espaço e na sem-vergonhice. E ela abrange economia, administração, cultura, postura humanitária. Acho que todas as áreas do conhecimento humano. A verborragia do silêncio Que ninguém se esqueça das ocasiões em que palavras enganosas foram substituídas pelo silêncio. Eventualmente prefaciado por algo como “X não se pronunciará a respeito do ocorrido.” Quem cala consente. Um consentimento para receber críticas, e para que análises sejam feitas por quem não compartilha com ações que o bom senso, a lei, a moral e a ética condenam. Até quando cidadãos adultos serão tratados como crianças? Autoridades nos falam como se fôssemos crianças. Abusam de analogias, usam palavras e frases mentirosas para fazer cor de rosa uma realidade de escuridão. “Não minta, senão o bicho papão vem te pegar.” “Aguente, pois a crise é rapidinha.” “Essa injeção não vai doer nada.” “O ajuste fiscal, como proposto, vai ser extremamente benéfico.” “Papai e mamãe não estão brigando, só estamos conversando.” “É apenas uma marola.” “Ele não morreu, só foi passear no céu e vai demorar para voltar.” “Há agua, não haverá rodízio nem racionamento.” “Este ano você vai para escola pública” – dizem à criança o pai e a mãe, enquanto compram um carro novo. “Este ano o emprego vai retomar os ótimos índices de antigamente” – é dito aos desempregados, enquanto corre solta a farra com verbas públicas. Quem não aceita essa postura paternalista é acusado de derrotista, de participar de alguma conspiração para derrubar o governo. Mas não se preocupem: a fada madrinha logo logo vai salvar o Brasil. Ou quem sabe essa tarefa será do Peter Pan, do Chapolin Colorado, do Batman... Alberto Romano Schiesari Escritor/Prof. Universitário/ Consultor em Tec. da Inf. www.culturaonlinebrasil.net /// CULTURAonline BRASIL /// http://www.culturaonlinebr.org

[close]

p. 11

Agosto 2015 Gazeta Valeparaibana Página 11 Pais, Filhos e a Escola O pai deve participar ativamente da formação socioeducacional do filho É interessante a atitude dos pais perante o rendimento escolar de seus filhos. A maioria exige notas elevadas, e diante de uma situação envolvendo uma nota baixa, o desânimo e o descontentamento geram inúmeras cobranças. O aluno precisa ser tratado como um ser livre, e a figura desse modelo de pai, prescreve a ideia de que o filho é uma ferramenta manipulável que deve atender à sua satisfação. Esses pais visam somente aos resultados e se esquecem do processo de formação socioeducacional do adolescente A responsabilidade da decepção também é atribuída aos professores, que são taxados negativamente e vistos como os principais responsáveis pelo baixo rendimento de seu filho. O pai precisa ter consciência de que seu papel perante o exemplo paternal possui atribuições de educador, e de que o filho busca desde a infância, conciliar sua imagem àquela de seu pai. Os responsáveis pela criança devem empregar como aspecto principal, a educação voltada para o esforço, o trabalho, o compromisso e a responsabilidade, verificando diariamente o posicionamento do filho no ambiente educacional. Os resultados comprovados em notas são detalhes que deverão ser cobrados posteriormente. Um aspecto muito importante que deve ser identificado e colocado imediatamente em prática, é o respeito quanto ao limite do aluno. Muitos são educados, mas possuem dificuldades, tornando-se medianos. Enquanto outros são dotados de facilidades, tornandose aptos a atingirem notas elevadas. As comparações nesse aspecto não devem ser realizadas, pois os constrangimentos precisam ser evitados, situações negativas como essas, geram bloqueios psicológicos, alterando níveis comportamentais. A busca pela socialização educacional de um filho começa com mudanças no comportamento familiar, através de ações voltadas para a melhoria do rendimento escolar. Entre tais ações, citamos: monitoramento sistemático de atividades escolares, fornecimento de um ambiente favorável ao estudo, determinação de um horário exclusivo de estudos, controle sobre o acesso aberto a determinados meios de comunicação (televisão e Internet), restrição quanto a passeios particulares em dias próximos às avaliações e auxílio na resolução das tarefas escolares. Tais ações reforçam o vínculo afetivo, estabelecendo a confiança mútua entre pai e filho. POR: Por Marcos Noé Graduado em Matemática Equipe Brasil Escola Pais, filhos e escola – uma relação que dá certo! A criança passa boa parte do dia na escola em companhia da professora e das “tias” e “tios” ou praticamente o dia todo. A colaboração entre pais e professores tem que existir para o bem-estar do pequeno. O professor deve seguir as recomendações extras dos pais e estes devem depositar confiança no educador. Afinal, todos estão trabalhando em conjunto para a satisfação da criança. Contudo, os pais precisam trabalhar o dia todo ou meio período para prover o sustento, a segurança e a dignidade em casa. Com isso, boa parte dos pais não tem 24 horas para estar com seu(s) filho(s). Quando os progenitores, principalmente as mães, encontram seu filho têm a tendência de satisfazer todas as vontades da criança como meio de suprir a carência afetiva do tempo em que o pequeno esteve na escola. Porém, quando chegam à sala, as crianças não conseguem entender o valor de um “não” ou simplesmente ignoram qualquer limite a ser respeitado. A criança compreende quando os pais se sentem na posição de culpados e tentam ao máximo usufruir desta situação, pois dentro destas circunstâncias os pequenos é quem têm o poder, o domínio. O fato de dar muita liberdade ou liberdade total ao infante faz com que as oportunidades de aprender o que é viável do que não é não fique clara, mesmo depois na fase mais madura. A verdade é que o infante não precisa das 24 horas de dedicação porque, dessa forma, a autonomia da criança não é formada e pode ocasionar na formação de um indivíduo inseguro, influenciável a amizades. É importante que os pais percebam um fato: não é a quantidade de tempo o que faz diferença crucial, mas sim a qualidade desse tempo, ou seja, de que forma foi aproveitado e quais foram os pontos positivos observados. Um simples gesto de perguntar como foi o dia da criança e de mostrar interesse é bom, pois o pequeno se sente valorizado. Um convite para dormirem juntos às vezes, ou lerem uma história juntos ou de brincar um pouco antes de sair para o trabalho ou de almoçar, faz diferença para o bom convívio entre pais e filhos. Não é necessário que os pais se sintam culpados por não atender todas as vontades do seu filho, pois a criança estará crescendo de forma madura em casa, na escola, na interação com outras pessoas se sentir-se valorizada e amada no tempo disponível em cada momento da vida dela. POR: Sabrina Vilarinho Graduada em Letras Equipe Brasil Escola CURSOS PROFISSIONALIZANTES - GESTÃO DE CONFLITOS Tem como objetivo refletir sobre a necessidade da melhoria nos processos de trabalho envolvendo o relacionamento interpessoal, intrapessoal e intergrupal, respeitando as diferenças individuais e o desempenho efetivo das atividades pertinentes as atribuições de cada função, quando o conflito for sanado. Quando forem resolvidos e removidos os conflitos nota-se a melhoraria na autoestima, surgem pensamentos positivos, aumento da produtividade, melhoria no relacionamento interpessoal e grupal, e consequentemente reacende a motivação. Curso de 3 dias de 8 horas cada. Palestrante: Joaquim Fernando Baptista. - CURSO DEPARTAMENTO PESSOAL COM FOLHA DE PAGAMENTO O objetivo do curso de DP - Departamento Pessoal na prática - c/ Folha de Pagamento é executar as principais tarefas envolvidas na rotina de um departamento pessoal (DP). METODOLOGIA: No curso departamento pessoal, as aulas são práticas, onde cada conceito, é executado, através de exemplos dirigidos e exercícios práticos, otimizando e reforçando o aprendizado. Curso Presencial com Apostila. Curso de 3 módulos com total de 64 horas. Palestrante: Sandra Torres – Administradora de Empresas, com mais de 20 anos de experiência em depto pessoal e folha de pagamento. CURSOS PEDAGÓGICOS - Curso sobre Síndrome de Down Curso realizado em 3 módulos de dois dias cada módulo, totalizando 48 horas. - Mini Curso sobre Síndrome de Down Curso realizado em um dia de 8 horas - Curso TDAH Curso realizado em um dia de 8 horas - Curso sobre Autismo Curso realizado em 1 modulo de dois dias, totalizando 16 horas Palestrante: Neusa Venditte –Psicopedagoga CURSO SOBRE INCLUSÃO - Curso sobre Inclusão Social Curso realizado em 4 módulos de 12 horas semanais. Palestrante: Prof. Doutor Guga Dorea WORKSHOP - O poder público e a deficiência intelectual: limites e desafios do estado - Construção compartilhada de práticas inclusivas no cotidiano da família e da escola Palestrante: Prof. Doutor Guga Dorea Para maiores informações entre AM contato pelo email: contato@fb-st.com www.culturaonlinebrasil.net /// CULTURAonline BRASIL /// http://www.culturaonlinebr.org

[close]

p. 12

Agosto 2015 Gazeta Valeparaibana Página 12 Logosofia ? Doutrina ético-filosófica, fundada pelo pensador argentino González Pecotche, que busca ensinar o homem a conquistar sua autotransformação através da evolução consciente do pensamento, que assim se liberta de influências sugestivas. O que é Logosofia? Você já ouviu falar de Logosofia? A palavra Logosofia, de origem grega, foi adotada pelo pensador e humanista Carlos Bernardo González Pecotche em 1930 e significa “ciência da razão”. Visando explorar os campos do autoconhecimento, a proposta logosófica é emancipar o indivíduo ao focar principalmente na identificação, classificação e seleção dos próprios pensamentos. Logosofia é uma ciência nova, que revela conhecimentos de natureza transcendente e concede ao espírito humano a prerrogativa de reinar na vida do ser a quem anima. Conduz o homem ao conhecimento de si mesmo, de Deus, do Universo e de suas leis eternas. Apresenta uma concepção original do homem, em sua organização psíquica e mental, e da vida humana em suas mais amplas possibilidades e proporções. Qual a finalidade da Logosofia? Pode-se dizer que o conhecimento de si mesmo é um dos principais assuntos de estudo desta ciência do aperfeiçoamento humano. também seus semelhantes, é o que conduz o indivíduo ao conhecimento de si mesmo. Afinal, todo processo evolutivo deve ser assistido pelos próprios semelhantes, pois são estes os que realizam as observações e confrontações, tão indispensáveis para os reajustes internos individuais. A Logosofia é uma religião? Do ponto de vista logosófico, a crença sem reflexão foi e continua sendo uma das maiores responsáveis por entorpecer o desenvolvimento moral e espiritual do ser humano. Isso porque a fé, quando baseada pura e simplesmente na própria fé, produz uma certa inibição mental que dificulta o exercício da razão ao afirmar que a reflexão é o que expõe o homem ao engano, à heresia, ao paradoxo. A Logosofia institui, portanto, a necessidade da revisão de todo conceito – velho ou novo – admitido sem reflexão e análise, incluindo os formulados por esta própria doutrina filosófica. Através da experimentação e revisão contínua do compreendido, é possível assegurar-se um processo de aprendizagem em evolução, que irá preservar o homem dos mistérios de toda fórmula dogmática. Quem pode estudar os princípios logosóficos? Os ensinamentos logosóficos atraem um grande número de pessoas que buscam satisfazer as inquietudes espirituais e melhorar seus relacionamentos inter e intrapessoais. Para Sylvie Antonini, integrante da Fundação Logosófica do Brasil, a Logosofia é uma ciência eminentemente experimental: “Aquele que estuda e pratica os ensinamentos logosóficos aprende a conhecer seu mundo interior. A Logosofia também orienta o ser humano a adestrar-se na utilização das faculdades de sua inteligência, de modo a ser capaz de criar pensamentos próprios de índole construtiva.” vida, assim como a vida dos que o cercam, apresentando a gênese do homem em sua organização psíquica e mental, e da vida humana em suas mais amplas possibilidades e proporções. A Logosofia é a especialidade científica e metodológica que, procurando guiar o entendimento humano, ocupa-se da reativação consciente do indivíduo. Seus princípios levam o indivíduo a encontrar soluções dentro de si mesmo e possa, generosamente, contribuir com seus semelhantes, simplificando assim os complexos problemas que afligem a humanidade. Quais são os objetivos da Logosofia? Um dos maiores objetivos da Logosofia consiste em ajudar o homem a aperfeiçoar-se mediante a realização do processo de evolução consciente. Tal processo permite que o indivíduo edifique uma nova vida, através da reestruturação de seus sistemas mental e sensível. Por trabalhar com processos sucessivos de superação, a Logosofia confere ao homem a consciência de suas possibilidades humanas. Portanto, seus principais objetivos são: a evolução consciente do homem; o conhecimento de si mesmo; a integração do espírito; o conhecimento das leis universais; o conhecimento do mundo mental; a edificação de uma nova vida; o desenvolvimento e o domínio profundo das funções de estudar, aprender, ensinar, pensar e realizar. Logosofia prática A ciência logosófica convida o homem a realizar um estudo pleno de sua psicologia: seu caráter, suas tendências, seus pensamentos, suas qualidades, suas deficiências e tudo que, direta ou indiretamente, faz parte de suas faculdades mentais e diz respeito aos estados de seu espírito. Conhecer a si mesmo é uma tarefa incomensurável: é o homem frente a sua própria incógnita, buscando adentrar esse universo que, apesar de pessoal e único, ainda é desconhecido. que faz em direção à conquista desse grande e transcendente objetivo. Fonte: http://www.oqueelogosofia.com.br/ Seus objetivos centrais são a evolução consciente do homem, mediante a organização de seus sistemas mental, sensível e instintivo; o conhecimento de si mesmo, que implica o domínio pleno dos elementos que constituem o segredo da existência de cada um; o conhecimento do mundo mental, transcendente ou metafísico, onde têm origem todas as ideias e pensamentos que fecundam a existência humana; o desenvolvimento e o domínio profun- Conhecendo a Logosofia do das funções de estudar, aprender, ensinar, A Logosofia é uma ciência nova que conduz o pensar e realizar. homem ao conhecimento de si mesmo, de Deus, do Universo e suas leis. O ensinamento Para a escola de Logosofia, o próprio aperfei- logosófico busca conceder ao espírito humaçoamento, assistido pelo princípio de ajudar no a prerrogativa de compreender a própria ATENÇÂO A Gazeta Valeparaibana, um veículo de divulgação da OSCIP “Formiguinhas do Vale”, organização sem fins lucrativos, somente publica matérias, relevantes, com a finalidade de abrir discussões e reflexões dentro das salas de aulas, tais como: educação, cultura, tradições, história, meio ambiente e sustentabilidade, responsabilidade social e ambiental, além da transmissão de conhecimento. Assim, publica algumas matérias selecionadas de sites e blogs da web, por acreditar que todo o cidadão deve ser um multiplicador do conhecimento adquirido e, que nessa multiplicação, no que tange a Cultura e Sustentabilidade, todos devemos nos unir, na busca de uma sociedade mais justa, solidária e conhecedora de suas responsabilidades sociais. No entanto, todas as matérias e imagens serão creditadas a seus editores, desde que adjudiquem seus nomes. Caso não queira fazer parte da corrente, favor entrar em contato. Rádio web CULTURAonline Brasil Prestigie, divulgue, acesse, junte-se a nós. A Rádio web CULTURAonline BRASIL, prioriza a Educação, a boa Música Nacional e programas de interesse geral sobre sustentabilidade social, cidadania nas temáticas: Educação, Escola, Saúde, Cidadania, Professor e Família. Uma rádio onde o professor é valorizado e tem voz e, a Educação e o Brasil se discute num debate aberto, crítico e livre, com conhecimento e responsabilidade! Acessível no link: redacao@gazetavaleparaibana.com www.culturaonlinebr.org www.culturaonlinebrasil.net /// CULTURAonline BRASIL /// http://www.culturaonlinebr.org

[close]

p. 13

Agosto 2015 Gazeta Valeparaibana Página 13 Arte, Pensamento e Folclore A renovação aportada por Gramsci ao conceito de cultura atesta a vitalidade não adormecida de seu pensamento Giorgio Baratta “Cultura” – escreve Gramsci no 23º de seus Cadernos do Cárcere (1929-1935) – “é uma concepção de mundo e de vida, coerente, unitária e de difusão nacional; é uma religião laica. Uma filosofia que se tornou cultura gerou um modo de viver, uma conduta civil e individual”. Grande coisa? Uma definição, como se vê, por um lado muito ampla, mas por outro poderia parecer adequada apenas a uma elite de intelectuais. Gramsci, em outro lugar, recorda no entanto que “todos os homens são filósofos”. Mesmo o “folclore”, a “religião popular”, a cultura nos níveis mais imediatos e primitivos são considerados uma “concepção de mundo”, ainda que desagregada e incoerente. “Cultura” é, no pensamento de Gramsci, uma categoria extremamente diferenciada e móvel, um instrumento de transição, destinado a acompanhar ou sustentar aquela transformação do “senso comum” que deverá permitir a superação da oposição entre dirigentes e dirigidos, bem como entre intelectuais e não intelectuais, e representar o advento de uma “cultura mundial”, na qual o eurocentrismo ou o ocidentecentrismo serão apenas recordações do passado. Esse ambicioso e corajoso projeto não é fruto de um pensamento utópico, seja abstrato, seja concreto, mas uma resposta possível às mudanças de época na passagem do século. Giro conceitual Pode-se dizer que Gramsci, com os Cadernos, imprimiu ao conceito de cultura um giro análogo àquele que o filósofo Walter Benjamin (18921940), naqueles mesmos anos, introduziu no conceito de “arte na época de sua reprodutibilidade técnica”, com seu ensaio de 1936. Observações esparsas de Gramsci, como aquela sobre a importância do “‘sucesso’ internacional do cinematógrafo modernamente, e antes do melodrama e da música em geral” – a qual é a “linguagem mais universal hoje existente” e produz, dirá mais além, “imagens e impressões totais” – em relação “a uma política de cultura das massas populares”, aproximam a revolução cultural de Gramsci àquela artística de Benjamin. Trata-se da irrupção e do revolvimento que a sociedade de massas, caracterizada pela centralidade da técnica e da tecnologia, determina nos templos sagrados da arte, que perde sua “aura” (Benjamin), e da cultura que, como escreve o filósofo Herbert Marcuse (1898-1979) em um ensaio de 1937, perde seu tradicional “caráter afirmativo”, aquele “reino transcendente de fins e valores”. Gramsci universaliza a cultura alargando seu âmbito e poder, colocando-a em uma relação paritária de entrelaçamento com a produção e a política, fazendo-a circular sem solução de continuidade (a não ser aquela, por sua vez decisi- va, da contradição de classe) entre grupos ou estratos dominantes e subalternos. A cultura espraia-se em todas as direções além de seus confins habituais e, desse modo, arrisca-se a perder sua identidade. Esse risco permanente determina a ambivalência da novidade que a caracteriza. Ainda aqui vale a analogia com a análise de Benjamin. Submetidas aos processos de massificação, tecnificação, padronização, tanto a arte como a cultura – cada uma a seu modo – revelam uma destacada disponibilidade a uma funcionalidade totalitária ou “fascista” (como afirma Benjamin). Mas abremse, ao mesmo tempo, perspectivas democráticas e revolucionárias, desconhecidas no passado. Alta cultura e cultura popular Não existem mais cultura e incultura, mas alta cultura e cultura popular; uma distinção que reflete e reproduz a divisão social do trabalho e está destinada, como dissemos, a desaparecer com a superação (se houver) daquela divisão social. Aquilo que aqui é importante, a propósito do conceito de cultura, é sua difusão, pela qual ela investe, como dizia o antropólogo Edward B. Tylor (1832-1917) há quase um século e meio, “o complexo das atividades e dos produtos intelectuais e manuais do homem-em-sociedade”. Se é assim, evidentemente “cultura” não concerne a uma esfera separada da vida social, mas à própria vida social em geral, segundo uma curvatura particular que Gramsci chama de luta hegemônica. Detemo-nos sobre esse ponto porque tem origem aqui um arco histórico muito amplo, que vai da primeira obra que estuda os “povos primitivos”, no sentido mesmo que embrionário da moderna antropologia, isto é, desde Primitive Culture, de Tylor (escrito em 1871), e chega às populações, grupos sociais e indivíduos, objeto hoje dos subaltern studies, dos quais o trabalho levado a cabo pelo historiador Ranajit Guha na Índia a partir de 1982 é expressão orgânica e madura. O pensamento de Gramsci ocupa um ponto central nesse arco. Citamos Guha, que faz explícita referência a Gramsci, mas antes mesmo dele deveríamos fazer referência a Stuart Hall e Edward Said (1935-2003): um, jamaicano negro naturalizado inglês, fundador do Centro de Cultura de Birmingham e da Universidade Aberta de Milton Keynes, ainda produtivamente ativo; outro, palestino -americano, docente de literatura comparada, acadêmico de fama mundial da Universidade Columbia, falecido em 2003. Tanto Hall como Said sentiram na própria pele a formação, por enquanto germinal, de uma cultura “concretamente mundial”, para usar as palavras de Gramsci. Ambos, grandes intelectuais, deram em suas próprias obras um grande espaço ao “pensamento popular”, mas também criticando, em última análise dissolvendo aquilo que Gramsci denominava de “mumificada cultura popular”. Os cultural studies Estamos em presença de uma das maiores “contradições produtivas” do pensamento gramsciano, mas também de Hall e de Said. O ponto é recolher, analisar, combater as dicotomias inerentes ao conceito de cultura, na consci- ência de que os polos de cada uma dessas dicotomias assumem ou assumirão um sentido diverso – uma tradução – na perspectiva da superação dessas mesmas dicotomias. A fase que Hall e Said expressam talvez possa ser denominada de uma transição bloqueada. Entre as duas possibilidades existentes na mundializaçãomassificação-tecnificação da cultura, pressagiada como vimos por Benjamin e Gramsci, os pratos da balança parecem pender hoje para o lado totalitário-fascista mais do que para o democrático-revolucionário. Uma simples consideração parece agora oportuna a propósito do conceito de cultura na interpretação de Hall e Said. Os cultural studies, como são compreendidos por Hall, representam uma etapa ulterior com relação a Gramsci de desterritorialização ou colocação extradisciplinar ou a disciplinar da “cultura”. Cultura, para Hall, não é tanto um objeto de estudo quanto um modo para estudar fenômenos que possam ser especificamente “culturais”, sejam imediatamente sociais, políticos, econômicos etc. O escopo não é puramente cultural, mas político, no sentido de que os cultural studies consentem uma modalidade-movimento de reapropriação (por parte dos intelectuais “orgânicos”, ainda que sem partido ou grupo social de referência) dos processos que por outro lado restam apanágio de estudos separados, isto é, acadêmicos e elitistas, ou sociológicos e populistas, e assim por diante. Contraponto Said, por sua vez, conjuga cultura com “contraponto”. Retomando a terminologia do sociólogo estadunidense William Graham Sumner (1840-1910), se poderia dizer que Said estuda estruturalmente e comparativamente a conexão dinâmica, constitutiva da realidade, entre “nós” e os “outros”. Said escreve um século depois de Sumner, quando a tradicional relação entre centro e periferia entrou em crise e as periferias tornaram-se ou aspiram tornar-se centros. Os “outros” estão postos como “nós” (lógica póscolonial) em múltiplos modos, frequentemente imitando a pior face dos originais “nós”. Mas o processo é, enfim, definitivamente encaminhado, ainda que continue a dominar a dimensão ocidental do “nós” (imperialismo). A grandeza de Said está em assumir na metodologia científica todos os lados – velhos e novos; pacíficos e conflituosos; históricos e geográficos; disciplinares, interdisciplinares e adisciplinares – do “contraponto” entre nós e os outros. Ranajit Guha escreveu que o singular destino da obra de Gramsci é o de encontrar interpretações e usos criativos “fora de casa”, e mesmo muito longe de casa, ou seja, da Itália e da Europa. O que existe de verdade nessa afirmação é atestado pela vitalidade não adormecida desse pensamento. Creio que seja propriamente a América Latina, e particularmente o Brasil – onde Gramsci tem, pelo menos no contexto político da esquerda, estimulado tendências críticas e democráticas –, a região na qual seja possível medir essa vitalidade. A renovação aportada por Gramsci ao conceito de cultura não é pouca coisa nesse processo. Fonte: http://revistacult.uol.com.br/ www.culturaonlinebrasil.net /// CULTURAonline BRASIL /// http://www.culturaonlinebr.org

[close]

p. 14

Agosto 2015 Gazeta Valeparaibana Página 14 Voluntariado O voluntariado educativo é uma proposta que visa estimular a cultura do voluntariado, com caráter pedagógico, a partir do desenvolvimento de projetos que potencializam a principal função da escola: promover a aprendizagem, preparando o aluno para a vida e para o trabalho. Atuações sociais integradas ao currículo escolar têm também o objetivo de melhorar a qualidade de vida da comunidade onde a escola está inserida. A importância do Voluntariado Educativo A Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) privilegia “processos formativos que se desenvolvem na vida familiar, no trabalho, nas instituições de ensino e pesquisa, nos movimentos sociais e organizações da sociedade civil e nas manifestações culturais.”. Além disso, “a educação deverá vincular-se ao mundo do trabalho e à prática social.” O voluntariado educativo possibilita que alunos, professores, funcionários, pais e demais agentes se envolvam com a escola, vivenciando valores tais como solidariedade, comprometimento, respeito às diferenças, por meio da atuação em projetos e ações articuladas com o currículo escolar; dá novos significados aos conteúdos curriculares e potencializa a formação de cidadãos envolvidos com a solução de problemas de suas realidades, sejam eles sociais, educacionais, de saúde, ambientais, entre outros. Neste contexto, a cidadania, entendida como efetiva participação social e política, observância de direitos e deveres, é exercida plenamente por meio de atuações voluntárias que assumem caráter educativo. Uma vez que estas experiências possam ser vivenciaComunidade – Escola das desde a infância, há enorme probabilidade que este tipo de atuação e compromisso social e político perpetuem-se ao longo da vi- A presença da comunidade na escola é muito bem-vinda desde que não substitua ou se da dessas pessoas. Desenvolvendo o Voluntariado Educativo confunda com as atividades dos funcionários da própria escola, e não prejudique as atividaOs projetos de voluntariado educativo desen- des escolares. volvidos pelas escolas devem estar alinhados A presença de membros da comunidade atuaos seus projetos pedagógicos, pois, do con- ando na escola precisa ser planejada, coordetrário, serão apenas trabalhos voluntários dis- nada, além de perfeitamente vinculada à sua proposta político-pedagógica. Deve ter como sociados do contexto educativo. objetivo principal, a melhoria da educação. O voluntariado educativo pode acontecer de A escola deve avaliar suas necessidades, setrês formas: jam elas pedagógicas ou de infra-estrutura, e Escola – comunidade definir como será a participação dos voluntáComunidade – Escola rios, os objetivos, as diretrizes e estratégias. Escola – Escola Os voluntários devem ser bem acolhidos, devem ter clareza do que se espera deles e deEscola – Comunidade vem ser motivados para a execução dos trabalhos. Estes aspectos são fundamentais paAlunos, professores, direção, coordenação e/ ra o sucesso e permanência das ações. ou funcionários identificam e trazem problemas vivenciados por eles, pelos pais ou por Escola – Escola vizinhos, ou ainda situações-problema relativas ao seu entorno, ao seu ambiente. A partir Num primeiro caso, são projetos realizados desse diagnóstico, pode-se desenvolver um por integrantes de uma comunidade escolar projeto de voluntariado educativo que contex- voltados para ações e atividades dentro da tualize conteúdos curriculares alinhando-os a própria escola, tais como monitorias, reforço ações ou projetos sociais que tenham por ob- escolar, infra-estrutura entre outros. São chajetivo atenuar ou resolver os problemas identi- mados intra-escolares. ficados. Nos chamados intra-escolares, os projetos Tais projetos são muito relevantes, pois atri- são realizados entre duas ou mais instituições buem novos significados aos conteúdos ao de ensino e podem ter os mesmos propósitos mesmo tempo em que viabilizam a vivência dos projetos intra-escolares. de valores; complementam os trabalhos de sala de aula; facilitam e enriquecem as possi- Neste caso, os ganhos poderão ser muito sigbilidades de trabalhos com temas transver- nificativos caso se estabeleçam parcerias que sais; permitem aos alunos o desenvolvimento visem à formação de redes escolares. de sua capacidade crítica e a buscar soluções construtivas, criativas e solidárias para diver- Fonte: http://www.facaparte.org.br/ sas situações-problema. Poluição Industrial O termo “poluição” referese à degradação do ambiente por um ou mais fatores prejudiciais à saúde deste. Ela pode ser causada pela liberação de matéria, e também de energia (luz, calor, som): os chamados poluentes. Poluição sonora, térmica, atmosférica, por elementos radioativos, por substâncias não biodegradáveis, por derramamento de petróleo e por eut rof iza ção , sã o a lgu ns e xemp lo s. Problemas neuropsíquicos e surdez; alterações drásticas nas taxas de natalidade e mortalidade de populações, gerando impactos na cadeia trófica; morte de rios e lagos; efeito estufa; morte por asfixia; destruição da camada de ozônio; chuvas ácidas e destruição de monumentos e acidificação do solo e da água; inversão térmica; mutações genéticas; necrose de tecidos; propagação de doenças infecciosas, dentre outras, são apenas algumas das consequências da poluição. O marco desse problema foi a Revolução Industrial, trazendo consigo a urbanização e a industrialização. Com a consolidação do capitalismo, propiciado por este momento histórico, o incentivo à produção e acúmulo de riquezas, aliada à necessidade aparente de se adquirir produtos novos a todo o momento, fez com que a ideia de progresso surgisse ligada à exploração e destruição de recursos naturais. em detrimento da riqueza de outros, mostra que nosso planeta realmente não está bem. Em um mundo onde a maior parte de lixo produzido é de origem orgânica, muitas pessoas têm, como única fonte de alimento, aquele oriundo de lixões a céu aberto. Assim, para que consigamos garantir um futuro digno ao nosso planeta e, consequentemente, às gerações de populações vindouras, devemos repensar nossa forma de nos relacionarmos com o mundo. O simples fato de, por exemplo, evitarmos sacolas e materiais descartáveis feitos de plástico, poderia ter impedido a formação da camada flutuante de 1000 km com 10 metros de profundidade que Como se não bastasse este fato, a grande compromete a vida de organismos que têm o produção de lixo gerado por esta forma de O c e a n o Pacífico como habitat. consumo ligada ao desperdício e descarte, faz com que tenhamos consequências sérias. POR: Mariana Araguaia A fome e a má qualidade de vida de alguns, Graduada em Biologia www.culturaonlinebrasil.net /// CULTURAonline BRASIL /// http://www.culturaonlinebr.org

[close]

p. 15

Agosto 2015 Gazeta Valeparaibana Página 15 Os donos do mundo (artigo continuado) A MAIOR FRAUDE DA HISTÓRIA Continuação - Parte III "Os judeus, que são algo como nômades, nunca até agora criaram uma forma cultural por si mesmos, e até onde eu posso ver, nunca o farão, uma vez que todos os seus instintos e talentos requerem uma nação mais ou menos civilizada como hospedeira para o seu desenvolvimento “ Hanover National Bank, New York Jacob Schiff Chase National Bank, New York Thomas F. Ryan Paul Warburg William Rockefeller Levi P. Morton M.T. Pyne George F. Baker thschild e preparados para esse desfecho em 1913. Já famoso e muito rico, J.P. Morgan, que circulava com desenvoltura em todos os altos escalões do governo americano, começou a procurar um futuro presidente que apoiasse as idéias dos moneychangers de criar um banco central privado, com a finalidade primígena de lucro. Foi assim que conheceu Woodrow Wilson, então reitor da universidade de Princeton, no estado de Nova Jérsei. O Federal Reserve System foi o desdobramento direto dessa aproximação de Morgan com Woodrow Wilson, mesmo diante das várias e infrutíferas tentativas de criar um banco central nos EUA ao longo do século XIX e que resultaram em pelo menos dois presidentes assassinados por oporem-se a essa idéia. O simples apoio de Wilson às idéias dos moneychangers constituiu um ato de alta traição. Um dos comentários públicos de Wilson sobre o assunto teria sido o seguinte: "Todos os nossos problemas econômicos seriam solucionados se apontássemos um comitê de seis ou sete figuras públicas e homens espirituosos como J.P. Morgan para cuidar dos assuntos de nosso país." Essa assertiva confirmou as circunstâncias da verdadeira usurpação que os moneychangersestavam prestes a praticar para adquirir o controle fiscal e monetário dos Estados Unidos. O Fed começou a operar com cerca de 300 Percy Pyne pessoas e outros bancos que adquiriram quo- Mrs. G.F. St. George tas de US$ 100.00 (a empresa é fechada, não J.W. Sterling negocia ações em bolsa) e se tornaram proprietários do Federal Reserve System. Cria- Katherine St. George ram uma mastodôntica estrutura financeira H.P. Davidson internacional com ativos incalculáveis, na caJ.P. Morgan (Equitable Life/Mutual Life) sa dos trilhões de dólares. Edith Brevour O sistema FED arrecada bilhões de dólares em juros anualmente e distribui os lucros aos seus acionistas. Some-se a isso o fato de que o congresso americano concedeu ao FED o direito de emitir moeda através do Tesouro Americano (Dept. of the Treasury) sem cobrança de juros. O FED imprime dinheiro sem lastro, sem qualquer cobertura, e empresta-o a todas as pessoas através da rede de bancos afiliados, cobrando juros por isso. A instituição também compra dívidas governamentais com dinheiro impresso sem lastro e cobra juros ao governo americano que acabam incidindo sobre as contas do cidadão comum pagador de impostos. O Federal Reserve Bank (Banco Central Americano) é, na realidade, a ponta-líder de um conglomerado de bancos internacionais e pessoas físicas unicamente dedicados a perseguir o lucro, todos a seguir identificados, o que constituiu a revelação de um dos maiores segredos dos últimos 100 anos: Rothschild Bank of London Warburg Bank of Hamburg Rothschild Bank of Berlin Lehman Brothers of New York (*) Lazard Brothers of Paris Kuhn Loeb Bank of New York Israel Moses Seif Banks of Italy Goldman, Sachs of New York Warburg Bank of Amsterdam Chase Manhattan Bank of New York First National Bank of New York James Stillman National City Bank of New York Mary W. Harnman National Bank of Commerce, New York A.D. Jiullard T. Baker (*) A Lehman Brothers pediu concordata em setembro de 2008, através da Seção Onze do U.S. Bankruptcy Code (Chapter Eleven) Veio o Vigésimo Século e os moneychangers, sempre representados pelos Rothschilds e seus áulicos, já estavam firmemente estabelecidos com seus bancos centrais e sua prática do fractional reserve lending (empréstimo sem lastro) em todas as grandes capitais européi- O deputado republicano Charles A. Lindbergh, do estado de Minnesota, declarou: "Aqueles as. que não simpatizam com o poder financeiro Era a hora de devotar atenção total aos Estadessa turma serão banidos dos negócios e a dos Unidos da América, a nova nação emerpopulação será atemorizada com as mudangente do mundo. Ainda não existia um banco ças nas leis bancárias e monetárias." Os inocentral americano, pois as várias tentativas de centes cidadãos americanos foram mais uma estabelecê-lo ao longo do século XIX foram vez tragados para a noção da criação de um infrutíferas. banco central e a conseqüente escravização Finalmente, em 23.12.1913, durante um re- econômica. O senador Nelson Aldrich, de cesso de Natal do congresso em que apenas Rhode Island, se tornou o líder da National três senadores retornaram à capital, Washing- M o n e t a r y Commission, composta ton, para votar, foi perpetrado um dos maiores de moneychangers fiéis a J.P. Morgan. atos de vilipêndiocontra o povo americano de A finalidade desta comissão era estudar e reque se tem notícia. comendar ao congresso americano mudanças Sob a presidência de Woodrow Wilson, um no sistema bancário do país para eliminar democrata que chegou ao cargo alardeando a quaisquer problemas que surgissem da oposibandeira de nunca permitir a criação de um ção à intenção primordial de lucro financeiro. banco central, foi promulgado o Federal Re- O senador Aldrich era o porta-voz das mais serve Act (Ato da Reserva Federal), que insti- abastadas famílias da América, estabelecidas tuiu um banco central privado, "disfarçado", na costa leste. não apenas para dominar a emissão de moeSua filha casou-se com John D. Rockefeller da mas também para cobrar juros sobre essa Junior e deles nasceram cinco filhos: John, emissão. Nada mais do que a milenar prática Nelson (que se tornou vice-presidente em da usura. 1974), Lawrence, Winthrop e David, depois Uma verdadeira quadrilha estava em ação na- dono e chairman do Chase Manhattan Bank. quela época, dedicada a alimentar o sucesso Assim que a comissão foi instalada, o senador da prática do fractional reserve len- Aldrich embarcou num tour de dois anos pela ding (empréstimo sem lastro), que incluía J.P. Europa, para consultas com os bancos cenMorgan (John Pierpont Morgan)5 e que servi- trais do velho continente (Inglaterra, França e ria de fundamento para a passagem tranqüila Alemanha). Somente a viagem custou aos coda legislação que criou o Federal Reserve fres públicos americanos cerca de US$ Bank, o banco central dos Estados Uni- 300,000.00, uma soma fabulosa para aqueles dos.Todos foram escolhidos a dedo pelos Ro- tempos. CONTINUA NA PRÓXIMA EDIÇÃO www.culturaonlinebrasil.net /// CULTURAonline BRASIL /// http://www.culturaonlinebr.org

[close]

Comments

no comments yet