Revista Saúde em 1º Lugar - Setembro 2014

 

Embed or link this publication

Description

Revista Cruz Azul Saúde

Popular Pages


p. 1

Saú Sa úde em lugar Revista da Cruz Azul de São Paulo Ano I – N° 3 – Setembro/2014 Distribuição gratuita 89 anos de dedicação à saúde Por dentro da Pediatria e UTI Pediátrica Cardiologia Intervencionista Pediátrica Cesárea dobra o risco de obesidade infantil Implante cerebral 4 7 10 16

[close]

p. 2

Sumário Expediente Revista Saúde em Primeiro Lugar É uma publicação trimestral da 4 6 7 8 Por dentro da Pediatria e UTI Pediátrica da Cruz Azul Brinquedoteca Cardiologia Intervencionista Pediátrica Testes em recém-nascidos Cesárea dobra o risco de obesidade infantil Cruz Azul de São Paulo Corpo Diretivo Cel PM Julio Antonio de Freitas Gonçalves Superintendente Cel PM Renato Aldarvis Coordenador de Saúde 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 Dra. Joyce Mari Stocco Coordenadora Clínica Descoberta sobre obesidade pode gerar pílula antiapetite Cel PM Renato Perrenoud Coordenador de Educação Cel PM Márcio Matheus Coordenador de Logística Disciplina e vontade são os principais “exercícios” para Dores nas costas manter a forma no inverno Cel PM Vicente Antonio Mariano Ferraz Coordenador de Finanças Cel PM Marcos Roberto Chaves da Silva Coordenador de Sustentabilidade E vem aí o “gesso do futuro” Óculos detectam células cancerígenas Implante cerebral Michelle Obama retoma guerra contra a obesidade infantil Cel PM Silvio Roberto Montagner Chefe de Gabinete Publicação desenvolvida pela equipe da Gerência de Comunicação Corporativa Elisabeth Diniz, Rosana Rodrigues, Bianca Maciel, Marina Saraiva, Sabrina Tono e Victor Resende. Jornalista Responsável: Walter Mazar - MTb.: 16.431/SP Fotos Banco de imagens da Cruz Azul e Shutterstock Tiragem 20.000 exemplares comunicacao@craz.com.br www.craz.com.br Setembro/2014 Conheça a OPAS/OMS no Brasil Brasil é o 5° no ranking mundial de obesidade Unidades de Saúde Cruz Azul 2 Revista Saúde em Primeiro Lugar - N° 3 - Setembro/2014

[close]

p. 3

Editorial 89 anos de dedicação à Saúde E xatamente no último dia 28 de julho, a Associação Cruz Azul de São Paulo completou 89 anos de compromisso com a Saúde e a sociedade, oferecendo serviços eficazes e de qualidade. Para interpretar a necessidade histórica que deu origem à Instituição, faz-se necessário uma viagem no tempo para compreender o contexto de seu período embrionário. Em 1924, teve início a “Revolta Paulista”, também denominada “Segundo 5 de Julho” ou, simplesmente, Revolução de 24. O movimento de jovens oficiais Tenentes de São Paulo pretendia se contrapor ao governo de Artur Bernardes, que mais uma vez decretou estado de sítio no País e autorizou o bombardeio da cidade de São Paulo. Imediatamente após o conflito, ainda em 1924, senhoras da sociedade paulista, apoiadas por representantes civis e autoridades militares, decidiram pela criação de uma entidade filantrópica e beneficente para atender e acolher as famílias dos soldados da Força Pública do Estado de São Paulo, atual Polícia Militar do Estado de São Paulo. No ano seguinte, foi constituída a Associação Cruz Azul. Hoje, no âmbito da Saúde, a Cruz Azul disponibiliza um Complexo Hospitalar de referência e sete Ambulatórios Descentralizados, na capital e cidades vizinhas, que realizam a média mensal de 47 mil consultas, em 52 especialidades médicas; 1,6 mil internações, 800 cirurgias e 250 partos, além de 22 mil atendimentos no pronto-socorro. Sem dúvida, números que impressionam e nos incentivam a fazer cada vez mais, em todos os momentos. Cruz Azul de São Paulo 3

[close]

p. 4

Cruz Azul em detalhe Priscila Raquel Dias, colaboradora da Cruz Azul, que faz a alegria das crianças no papel de “Palhaça Pequenina” 4 Revista Saúde em Primeiro Lugar - N° 3 - Setembro/2014

[close]

p. 5

Cruz Azul em detalhe Por dentro da Pediatria e UTI Pediátrica da Cruz Azul A Pediatria do Complexo Hospitalar Cruz Azul de São Paulo é destinada a tratamentos intensivos, semi-intensivos, internações, urgências e emergências de pacientes de zero a 13 nos, em casos clínicos, cirúrgicos ou oncológicos. Os profissionais são altamente capacitados em suas especialidades e preparados para oferecer atendimento acolhedor às crianças, pais e responsáveis. A Unidade Pediátrica também conta com o apoio de assistentes sociais e psicólogos e disponibiliza Brinquedoteca e um espaço reservado para pais ou responsáveis. A UTI Pediátrica – Unidade de Terapia Intensiva – dispõe de equipes multiprofissionais: médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, nutricionistas, psicólogos e assistentes sociais, que atuam de forma contínua para oferecer assistência qualificada e individualizada. Especialidades • • • • • Hematologia Cardiologia Nefrologia Pneumologia Cirurgia pediátrica • • • • Endocrinologia Infectologia Neurologia Gastrologia Pronto-socorro O Pronto-socorro da Cruz Azul, integrante do Complexo Hospitalar, realiza atendimento pediátrico especializado e oferece infraestrutura e serviços completos: consultórios, farmácia, salas de sutura e gesso, salas de urgência e postos de enfermagem, além de setor de radiologia convencional e sala de repouso para medicação e observação, com leitos para repouso prolongado. O Pronto-socorro utiliza o sistema de triagem conhecido como Protocolo de Manchester. Ele identifica o grau de gravidade dos pacientes e determina o tempo necessário e seguro para o atendimento. A partir do diagnóstico dos profissionais de plantão do Pronto-socorro, as crianças são encaminhadas para a Pediatria ou UTI Pediátrica, que determina os procedimentos e tempo para o restabelecimento. Ludicidade Atividades lúdicas são essenciais para o restabelecimento das crianças. Por isso, a Unidade Pediátrica Cruz Azul, além da Brinquedoteca (veja matéria na página 6), recebe visitas da Palhaça Pequenina (colaboradora da Capelania), Contadores de Histórias e Cães Terapeutas do Projeto INATAA – Instituto Nacional de Ações e Terapias Assistidas por Animais. As sessões de decoupage – técnica terapêutica de recorte e colagem – também são muito concorridas entre as crianças atendidas. Conforto dos Pais Atenuar o momento delicado por que passam os pais ou responsáveis é uma preocupação constante da Cruz Azul. Por isso, foi criado o Conforto dos Pais, um local reservado para que possam usar celular, ler, alimentar-se, descansar e tomar um banho restaurador (pais e responsáveis com crianças na UTI). Cruz Azul de São Paulo 5

[close]

p. 6

Cruz Azul em detalhe Brinquedoteca Diversão, alegria e felicidade também fazem parte da cura A equipe da Brinquedoteca conta com profissionais das áreas de pedagogia e psicopedagogia, que atuam em parceria com os demais profissionais de Saúde da Cruz Azul para oferecer um atendimento totalmente voltado à recuperação integral da criança. Localizada na Pediatria do Hospital, 14° andar do Bloco A, a Brinquedoteca da Cruz Azul funciona de segunda a sexta, das 8h30 às 17h30, com a assistência de brinquedista, e sábados e domingos, das 8h às 17h, sem brinquedista. A Brinquedoteca do Hospital Cruz Azul é um espaço para a criança hospitalizada brincar livremente, ampliando seu desenvolvimento emocional, social, físico e cognitivo. Neste sentido, a Brinquedoteca prioriza um atendimento lúdico, que contribui para o bem-estar do paciente, pais ou responsáveis. Os objetivos específicos da Brinquedoteca são amenizar a dor e o estresse das crianças hospitalizadas, socializar e integrar pacientes e acompanhantes, por meio de jogos interativos e atividades pedagógicas, e proporcionar momentos de descontração e alegria durante todo o período de internação. As crianças que não podem se locomover, recebem brinquedos no leito. 6 Revista Saúde em Primeiro Lugar - N° 3 - Setembro/2014

[close]

p. 7

Palavra de Médico Cardiologia Intervencionista Pediátrica cateteres ou agulhas especiais, além das valvuloplastias pulmonar e aórtica, realizadas na sala de hemodinâmica, com cateter balão. O tratamento da coarctação de aorta, estreitamento da artéria aorta, ainda tem a cirurgia aberta como primeira opção neste período de vida, porém, hoje, existem materiais como os stents bioabsorvíveis, que deverão mudar este critério em pouco tempo, assim como o tratamento da persistência do canal arterial em prematuros, que, com o avanço dos materiais, permite a sua oclusão já em neonatos acima de 1,5kg. Em lactentes e crianças maiores, todos esses procedimentos continuam a ser realizados, porém, como primeira opção para uma grande parte dos pacientes que necessitam de tratamento para oclusão de comunicações intercamerais: atriais, ventriculares, fístulas, valvuloplastias, angioplastias das artérias e ramos pulmonares, aortoplastia com stent e uma gama de situações para tratamento de defeitos residuais em pósoperatório de cardiopatias complexas e malformações. Dr. Pedro Abujamra e a pequena Catarina P. Xavier - colocação de um dispositivo oclusor para fechamento do canal intra arterial Há mais de cinquenta anos, foi realizada a primeira intervenção por cateter em humano portador de doença congênita cardíaca, para aliviar a estenose valvar pulmonar. Durante todo esse período e até hoje, uma busca incansável por melhorias em materiais e técnicas para um tratamento menos invasivo e eficiente das várias malformações e patologias do coração. Nos últimos 20 anos, e principalmente na última década, o método percutâneo por cateterismo alcançou nível de sofisticação e eficiência comparável à cirurgia cardíaca a céu aberto, sendo menos agressivo e, consequentemente, com menor morbimortalidade, ao ponto de cirurgião e cardiologista intervencionista tratarem ao mesmo tempo pacientes com defeitos complexos demais para um ou outro especialista, como a síndrome do coração esquerdo hipoplásico. A intervenção cardíaca fetal já é uma realidade em alguns centros, porém, ainda há passos importantes a serem dados para a sua incorporação no nosso dia a dia. A intervenção no neonato cardiopata é realizada à beira do leito, guiada pela ecocardiografia, para procedimentos salvadores, como a atriosseptostomia (abertura do septo interatrial) , realizada com cateter balão específico para cardiopatias complexas, quando é necessária a mistura sanguínea em nível atrial e drenagem pericárdica, com Dr. Pedro Abujamra Escola Paulista de Medicina, 1991 Residência Médica em Cardiologia, Cardiopediatria e Cardiologia Intervencionista Pediátrica: Escola Paulista de Medicina 1993 a 2000 Anualmente Congresso/cursos da SBHCI. PICCS (EUA) e CSI (Alemanha) Treinamento em Oclusões Percutâneas de Comunicação Interventricular: Gouanzhou, China 2012 Cruz Azul de São Paulo 7

[close]

p. 8

É bom saber Testes em recém-nascidos São incontáveis ou indecifráveis as preocupações dos futuros pais. A saúde do bebê, naturalmente, está no topo da lista, e isso faz muito sentido, pois ela poderá determinar como será toda a vida do recém-nascido. Por isso, devem ser realizados determinados testes logo após o parto, para se detectar, precocemente, os problemas que poderão interferir no desenvolvimento da criança, como o Teste do Pezinho, Teste do Olhinho, Teste da Linguinha, Teste da Orelhinha e Teste do Coraçãozinho. O Hospital e Maternidade Santa Maria, da Cruz Azul, dispõe de todos esses testes. O Teste da Linguinha está em fase de implantação. Teste da Linguinha Teste da Linguinha é a avaliação do frênulo, uma membrana que conecta a língua ao “assoalho” da boca. Uma vez diagnosticada a “língua presa”, é realizado o procedimento simples de corte. A Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia defende a importância do teste, pois o problema pode dificultar a amamentação e provocar dificuldades na fala. Um projeto de lei que tramita no Congresso determina a obrigatoriedade do Teste da Linguinha em todas as maternidades do País. Teste do Coraçãozinho O Teste do Coraçãozinho ou Oximetria de Pulso deve ser realizado nas primeiras 24 horas e é um excelente instrumento de triagem neonatal para o diagnóstico de cardiopatias congênitas críticas. A incidência destas patologias, segundo o Ministério da Saúde, é de 2 em cada mil recém-nascidos. As cardiopatias necessitam de intervenção ou tratamento imediato para que a criança tenha uma vida plena. A realização do teste consiste na aplicação de um sensor (oxímetro) na pele do bebê, para medir a oxigenação dos membros superiores e inferiores. 8 Revista Saúde em Primeiro Lugar - N° 3 - Setembro/2014

[close]

p. 9

É bom saber Teste do Olhinho Teste do Olhinho ou Teste do Reflexo Vermelho deve ser realizado nos primeiros dias de vida. Ele pode diagnosticar doenças como retinopatia da prematuridade, glaucoma, catarata congênita, retinoblastoma, infecções, cegueira e traumas de parto. Essas alterações atingem cerca de 3% dos bebês em todo o mundo. Cerca de 60% das causas de cegueira ou problemas visuais podem ser prevenidos ou tratados quando detectados rapidamente. Os prematuros devem, obrigatoriamente, realizar esse teste visual para o diagnóstico da retinopatia da prematuridade, uma das principais causas da cegueira infantil. Teste da Orelhinha O Teste da Orelhinha ou Triagem Auditiva Neonatal consiste na aplicação de fone de ouvido no bebê e análise das reações aos sons de baixa intensidade, por meio de gráfico. O teste tem como finalidade descobrir se o recém-nascido apresenta surdez e/ou otite (infecção). Ele deve ser realizado até o sexto mês de vida e se o diagnóstico de surdez for positivo, o tratamento adequado permitirá que a criança desenvolva a linguagem de forma próxima a de uma criança ouvinte. Teste do Pezinho O Teste do Pezinho é um exame laboratorial realizado por meio da análise de amostras de sangue coletadas do calcanhar do bebê e tem como finalidade detectar doenças que poderão causar lesões irreversíveis, como a deficiência intelectual. Ele deve ser realizado nas primeiras 48 horas do nascimento. As enfermidades pesquisadas podem ser tratadas com sucesso se forem identificadas antes de manifestar os primeiros sintomas. O teste é obrigatório para certas doenças definidas pelo Programa Nacional de Triagem Neonatal, do Ministério da Saúde, como hipotireoidismo congênito, anemia falciforme, fenilcetonúria e fibrose cística. Vários hospitais privados realizam o Teste do Pezinho ampliado, que pode compreender mais de 40 doenças. Cruz Azul de São Paulo 9

[close]

p. 10

Saúde e Pesquisa Cesárea dobra o risco de obesidade infantil A constatação de que parto por cesariana dobra o risco de crianças se tornarem obesas faz parte de um estudo realizado pelo Hospital da Infância de Boston Os indícios de que parto por cesariana pode dobrar o risco de crianças se tornarem obesas faz parte de estudo realizado por especialistas do Hospital da Infância de Boston (EUA), e publicado na revista científica Archives of Disease in Childhood, ligada ao British Medical Journal, um dos mais conceituados do mundo. Pesquisas anteriores já descobriram a ligação da cesariana com outros problemas, como asma e rinite alérgica. A explicação para a cesariana aumentar o risco de obesidade infantil pode estar relacionada a mudanças na flora intestinal do feto. Bebês nascidos por parto normal adquirem das mães algumas bactérias essenciais para a boa digestão. Os nascidos por meio de cesárea, além de apresentar menos bactérias que auxiliam na digestão, possuem micro-organismos associados à obesidade, pois prejudicam a absorção de açúcar. O resultado do estudo do Hospital de Boston indicou que, no terceiro ano, 15,7% das crianças nascidas por cesárea apresentaram obesidade, contra 7,5% das crianças nascidas por parto natural. O trabalho não pode ser considerado conclusivo porque avaliou pouco mais de 1.200 crianças. No entanto, serve de alerta e motiva novas pesquisas para o combate à obesidade em todo o mundo. A cesariana deveria ser indicada, tecnicamente, nos casos em que há impedimentos para o parto normal, como uma mãe hipertensa ou um bebê em posição inadequada. Muitos médicos criticam o grande número de cesarianas eletivas no País, assim como a Organização Mundial da Saúde (OMS), que recomenda o teto de 15%. Hoje, na rede privada, 82% dos partos são por cesárea e, na rede pública, 37%. 10 Revista Saúde em Primeiro Lugar - N° 3 - Setembro/2014

[close]

p. 11

Saúde e Pesquisa Descoberta sobre obesidade Foi descoberta uma molécula que diz ao corpo quando se deve parar de comer. Isto pode dar origem a novos medicamentos contra a obesidade, segundo pesquisadores do Imperial College, de Londres (Inglaterra), que publicaram o estudo, recentemente, na revista Nature. O segredo é uma substância chamada “acetato”, liberada no intestino durante a digestão de fibras presentes em frutas, legumes e verduras. A partir desta descoberta, acredita-se que medicamento com a molécula poderá ajudar as pessoas a diminuírem a ingestão de comida sem se submeter a dietas rigorosas. O maior desafio será desenvolver uma droga que possa liberar a quantidade de acetato necessária para controlar a saciedade de forma aceitável e segura. Como a molécula permanece ativa por pouco tempo no organismo, os pesquisadores antecipam que, muito provavelmente, o medicamento somente poderá ser apresentado na forma de “pílula”, para prolongar o efeito da substância. pode gerar pílula antiapetite Pesquisa O estudo analisou a fibra “inulina”, que vem da chicória e beterraba. Os experimentos, realizados pelos cientistas do Imperial College em camundongos, revelaram que aqueles que foram submetidos a uma dieta rica em gordura, com adição de inulina (na qual está presente a molécula de acetato), comeram menos e ganharam menos peso do que as cobaias que ingeriram os mesmos alimentos, mas sem adição de inulina. Cruz Azul de São Paulo 11

[close]

p. 12

Saúde e bem-estar Disciplina e vontade são os principais “exercícios” para As academias registram, em média, queda de 30% na frequência durante o inverno. Para estimular os treinos e concorrer em condições de igualdade com chocolates, fondues e todas aquelas receitas deliciosas de inverno, professores desenvolvem novidades e atividades alternativas, além de tentar conscientizar seus alunos de que disciplina e força de vontade são os principais “exercícios” para quem deseja manter a saúde e a forma em tempos de altas calorias e muita disposição para não sair do cobertor. Constantemente, surgem informações sobre novos exercícios milagrosos para quem quer conseguir ou manter o corpo perfeito e, no inverno, algumas academias criam até eventos especiais para não perder os alunos para o frio. Durante os períodos de baixa temperatura, o mais importante é conversar com os professores para identificar quais são os treinos com maior capacidade de queima de calorias, independentemente se são novidades ou tradicionais, os horários mais adequados e estabelecer metas estimulantes para manter o pique. manter a forma no inverno veja uma fórmula para criar e não abandonar o hábito de estar sempre bem, faça frio ou faça frio Objetivo Meta Estabeleça o que você realmente quer: perder peso, ter mais músculos e/ou força, ser mais rápido. Quer estar em forma para o Natal, Ano Novo, Carnaval ou sempre; quer correr a São Silvestre, fazer 10 quilômetros sem perder o fôlego ou fazer uma escalada com os amigos. Não importa o que seja, o importante é que não seja uma meta fantasiosa demais. Plano Você já tem um objetivo e uma meta. Agora, vamos ao plano para fazer tudo isso acontecer. Nessa hora, é muito importante a participação do seu professor. Siga o plano Nenhum objetivo, meta ou plano adianta muito se você não segue o planejado. É aqui que disciplina e força de vontade têm que prevalecer. Está com preguiça, arrastese, diriam os mais entusiastas. Aliados Algo que ajuda muito é realizar treinos com alguém ou uma turma que já tenha o hábito de se exercitar e que também queira manter a saúde e a forma durante o inverno. Período O melhor período é o da manhã, pois a falta de vontade ainda não tomou completamente conta de seu corpo e mente. Mas isto é relativo e você precisa descobrir o horário mais conveniente para o seu estilo de vida. Aplicativo Existem vários aplicativos que ajudam a desenvolver metas e planos de exercícios físicos. Alguns, inclusive, estabelecem desafios para mexer com o lado competitivo de todos nós. 12 Revista Saúde em Primeiro Lugar - N° 3 - Setembro/2014

[close]

p. 13

Saúde e bem-estar Dores nas costas É a maior queixa no mundo A maior causa de incapacidade física no mundo é a dor nas costas. Ela acomete, principalmente, pessoas na faixa etária entre 35 e 65 anos. De forma geral, o problema inicia-se com uma crise, o famoso “travamento”, que, na realidade, é uma forma de proteção do organismo para evitar uma lesão mais grave na coluna. Uma das principais dificuldades para a cura é a falta de regularidade do tratamento, pois as pessoas costumam abandoná-lo na primeira melhora. As crises exigem medidas imediatas, como medicamentos e, às vezes, injeções específicas, assim como fisioterapia. Em muitos casos, são sugeridas acupuntura e quiropraxia – técnica de terapia manual e orientação postural. A lombalgia é considerada a principal causa da dor nas costas. Ela ocorre na região lombar da coluna vertebral e é uma das doenças osteomusculares. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), entre 70% e 80% da população mundial deverá ser acometida de lombalgia em algum momento da vida. As dores na cervical (pescoço) estão se tornando as principais concorrentes da lombalgia, e isto se deve à modernidade. O uso de computadores, celulares e outros equipamentos do gênero exigem determinados posicionamentos da cabeça que acarretam tensão na região. A principal providência, se as dores se tornarem persistentes, é o diagnóstico correto, por meio de exames específicos, para verificar se existe alguma lesão grave. Em seguida, exercícios e métodos de correção de postura são os mais recomendados. As intervenções cirúrgicas, geralmente, são pouco indicadas, inclusive nos casos de hérnia de disco. Coluna cervical O sedentarismo e a postura incorreta, por exemplo, ao usar equipamentos eletrônicos, são as principais causas do problema na coluna cervical. Coluna torácica A falta de exercícios físicos é a principal causa do problema na coluna torácica. No entanto, na maioria das vezes, as dores na região são musculares. Coluna lombar Esta região concentra a maior parte das queixas. Geralmente, a origem é mecânica e/ou postural: movimentos repetitivos, esforço físico e posições viciosas. Cruz Azul de São Paulo 13

[close]

p. 14

Saúde e Inovação E vem aí o “gesso do futuro” A tecnologia inovadora substitui o gesso, apresenta uma série de vantagens e acelera o tempo de cura das lesões O gesso é uma unanimidade: funciona, mas incomoda demais. Ele impede a ventilação, o odor é desagradável, coça, sacrifica a pele, não pode ser exposto à água e provoca uma série de limitações ao paciente. Pensando nisso, o designer industrial turco Deniz Karasahin idealizou o Osteoid, que promete quebrar paradigmas na ortopedia. O que vem sendo chamado de “gesso do futuro” é produzido sob medida, por meio de impressora 3D. Ele apresenta diversos orifícios para a ventilação e pode ser utilizado em conjunto com o sistema Lipus: eletrodos aplicados na pele enviam impulsos de ultrassom que podem auxiliar na recuperação do osso em até 38%. O Osteoid é totalmente personalizável (tamanho, formato e cores), é produzido a partir da digitalização do membro a ser imobilizado e pode ser confeccionado com diversos materiais, desde que sejam rígidos o suficiente para manter a imobilização. A inovação foi premiada com a medalha de Ouro no último A’Design Award, na categoria Impressão 3D e Design de Produtos. A sua entrada no mercado, agora, depende do barateamento das impressoras 3D, de testes conclusivos e investimentos. 14 Revista Saúde em Primeiro Lugar - N° 3 - Setembro/2014

[close]

p. 15

Saúde e Inovação Óculos detectam células cancerígenas Nos Estados Unidos, pesquisadores desenvolveram óculos especiais para os cirurgiões poderem distinguir células cancerígenas das saudáveis. Desta forma, é garantida a remoção de todo o tecido comprometido durante a retirada de tumores. A nova tecnologia é creditada à equipe do Dr. Samuel Achilefu, conhecido no meio por sua dedicação à criação de métodos de visualização e detecção de enfermidades. O equipamento apresenta uma nova tecnologia de vídeo e display. Para a identificação, é injetado contraste no paciente. Uma vez em contato com as células cancerígenas, a substância produz um brilho azulado que pode ser visualizado por meio dos novos óculos. Testes realizados em cirurgias de câncer de mama e de pele foram bem-sucedidos. Atualmente, os especialistas querem ampliar a funcionalidade do equipamento em testes clínicos para a rápida detecção e precoce tratamento da doença. Cruz Azul de São Paulo 15

[close]

Comments

no comments yet