Caderno do Aluno HISTÓRIA vol1 8ª/9º

 

Embed or link this publication

Description

para alunos que perderam seus cadernos e precisam do material para estudar.

Popular Pages


p. 1

8 SÉRIE 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL – ANOS FINAIS Caderno do Aluno Volume 1 a o HISTÓRIA Ciências Humanas

[close]

p. 2

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO MATERIAL DE APOIO AO CURRÍCULO DO ESTADO DE SÃO PAULO CADERNO DO ALUNO HISTÓRIA ENSINO FUNDAMENTAL – ANOS FINAIS 8a SÉRIE/9o ANO VOLUME 1 Nova edição 2014 - 2017 São Paulo

[close]

p. 3

Governo do Estado de São Paulo Governador Geraldo Alckmin Vice-Governador Guilherme Afif Domingos Secretário da Educação Herman Voorwald Secretário-Adjunto João Cardoso Palma Filho Chefe de Gabinete Fernando Padula Novaes Subsecretária de Articulação Regional Rosania Morales Morroni Coordenadora da Escola de Formação e Aperfeiçoamento dos Professores – EFAP Silvia Andrade da Cunha Galletta Coordenadora de Gestão da Educação Básica Maria Elizabete da Costa Coordenadora de Gestão de Recursos Humanos Cleide Bauab Eid Bochixio Coordenadora de Informação, Monitoramento e Avaliação Educacional Ione Cristina Ribeiro de Assunção Coordenadora de Infraestrutura e Serviços Escolares Ana Leonor Sala Alonso Coordenadora de Orçamento e Finanças Claudia Chiaroni Afuso Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Educação – FDE Barjas Negri

[close]

p. 4

Caro(a) aluno(a), Neste volume estudaremos temas relacionados à primeira metade do século XX, que têm profunda relação com a expansão no capitalismo europeu, por meio da difusão do processo de industrialização que ocorreu a partir da segunda metade do século XIX. Assim, Imperialismo e Neocolonialismo no século XIX apresenta o processo de ocupação, partilha e exploração do continente africano por parte de nações europeias; A Primeira Guerra Mundial aborda o desenvolvimento tecnológico que ocorreu no início do século XX e suas consequências; A Revolução Russa e stalinismo problematiza a tendência que se tem em acreditar que todos os processos ocorrem de forma homogênea, em todo o mundo; A República no Brasil traz para discussão os movimentos de contestação da ordem oligárquica que vigorava no Brasil até aquele momento; A propaganda no nazismo, que influenciou a produção cultural do período; O impacto da Grande Depressão trabalha com fontes históricas iconográficas; A Resistência judaica, a partir de um documento produzido durante a Segunda Guerra Mundial, auxilia a compreensão da importância daquele momento histórico e das ideias ali expressas; e por fim, a última Situação de Aprendizagem, “Pai dos pobres” ou “Mãe dos ricos”? apresenta um dos políticos brasileiros mais conhecidos do século XX que governou o Brasil de 1930 a 1945, e de 1951 a 1954. Bom estudo! Equipe Curricular de História Área de Ciências Humanas Coordenadoria de Gestão da Educação Básica – CGEB Secretaria da Educação do Estado de São Paulo

[close]

p. 5



[close]

p. 6

História - 8a série/9o ano - Volume 1 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1 IMPERIALISMO E NEOCOLONIALISMO NO SÉCULO XIX Nesta Situação de Aprendizagem, vamos discutir a história da ocupação e exploração europeias no continente africano, antes e depois da Conferência de Berlim de 1885, o que nos auxiliará na compreensão dos conceitos de Imperialismo e Neocolonialismo. África – Político África - Político 10º O EUROPA Ceuta (Esp) 0º 10º E 20º E 30º E 40º E 50º E Argel Estreito de Gibraltar Ta ng er Is. Madeira (POR) Casablanca Safi Marrakech Oran Constantina Batna Gabes Ghardaia Túnis Sfax Rabat 30º N Is. Canárias (ESP) MA El Aaiún RR OC OS TUNÍSIA Trípole M a r M e d i t e r r â n e o El Beida Bangasi Alexandria Port Said Misurata Cairo EGITO (Parte Asiática) Suez 30º N ARGÉLIA Sebha El-Giza SAARA OCIDENTAL (ESP e MAR) L Í B I A Asyut Á S I A M ar EGITO Assuan TRÓPICO DE CÂNCER Tamanrasset Ve rm Nil o el Rio ho 20º N Atar 20º N MAURITÂNIA Nouakchott Saint-Louis MALI Tombouctou NÍGER Agadez Bilma Porto Sudão S U D Ã O CHADE Abechê Omdurman Atbarah ERITRÉIA Kassala Dacar SENEGAL Caolak Kayes Cartum El Obeid Asmara Aseb Banjul GÂMBIA Bamako BURKINA FASO Niamei Zinder Gondar Dese 10º N Port Lomé TOGO oN ovo Bobo Ouagadougou GUINÉ U Dioulasso SA Kankan BENIN BIS Kindia Tamale Parakou NIGÉRIA Geroua INÉ Conacri SERRA COSTA DO GANA Sokode Abuja GU Freetown LEOA MARFIM Ogbomosho LIB Bouaké Ibadã ÉR Lagos Cumasi IA Porto Monróvia CAMARÕES Bissau Cano Ndjamena Região de Abyei Moundou DJIBUTI Djibuti Diredaua Golfo de Áden I. Socotra Adis Abeba Berbera 10º N SOMÁLIA REP. CENTRO-AFRICANA Bambari Acra jan Buchanan Harcourt S U D Ã O D O S U L Juba ETIÓPIA Duala Bangui Abid Malabo (GUINÉ EQUAT.) Iaundê 0º EQUADOR SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE São Tomé Bata GUINÉ EQUAT. Libreville Kisangani UGANDA Campala Mbale QUÊNIA Nacuru Mogadíscio Merka Porto Gentil GABÃO CONGO 0º Brazaville Pointe-Noire Cabinda (Angola) Matadi REP. DEM. DO CONGO (Zaire) RUANDA Bukavu Lago Vitória Nairóbi Kinshasa Cananga BURUNDI Quigali Muanza Bujumbura DODOMA Mombassa Zanzibar Dar Es Salaam TANZÂNIA Mbuji Mayi Luanda 10º S SEICHELES Vitória 10º S ANGOLA Lobito Benguela Huambo Lubumbashi Kitue Ndola COMORES Moroni b iq çam ZÂMBIA Lusaca Livingstone Ondangua Lilongue MOÇAMBIQUE Blantyre de Mo ue MALAUÍ ZIMBÁBUE Bulawayo nal O C E A N O 20º S ASC Harare Quelimane Beira Ca AR Antananarivo 20º S Capital de país Cidade principal MA A T L Â N T I C O TRÓPICO DE CAPRICÓRNIO Walvis Bay NAMÍBIA BOTSUANA Windhoek Gaborone DAG Fianarantsoa fronteira internacional ferrovia GREENWICH Pretória Luderitz Johanesburgo Maputo Mbabane Bloemfontein (cap. jurídica) SUAZILÂNDIA 30º S LESOTO Maseru Durban O C E A N O 30º S rodovia rio ÁFRICA DO SUL Cidade do Cabo (cap. legislativa) Í N D I C O East London Porto Elizabeth MAURITÂNIA 15º N Kayes Gao 215 0 430 km 10º O 0º 10º E 2 SENEGAL Tambacounda 20º E 30º E MALI N íg er 40º E Tamba NÍGER 50º E Niamei PROJEÇÃO CILÍNDRICA EQUIDISTANTE MERIDIANA N íg er Bamako BURKINA FASO Ouagadougou Bobo Dioulasso 1 2 GUINÉ BISSAU 1 CABO VERDE 10º N GUINÉ Kankan Korhogo BENIN GANA Tamale Sokode Lago Volta Bouaké Cumasi Parakou Conacri Praia Nota: A situação política da região de Abyei, entre o Sudão e Sudão do Sul, ainda não está determinada. 5º N Acra 10º O 5º O 0º IBGE. Atlas geográfico escolar. 6. ed. Rio de Janeiro: IBGE, 2012. p. 45. Mapa original. Adaptado (supressão de escala numérica). Observando o mapa do continente africano, responda às questões propostas. 5 La Abidjan Lomé go LIBÉRIA s 1 Cabo Verde 2 Países da África O C E A N O A T L Â N T I C O F re e to w n SERRA LEOA Man COSTA DO MARFIM TOGO Porto Novo Monróvia N IG É R IA

[close]

p. 7

História - 8a série/9o ano - Volume 1 1. Quais são suas primeiras ideias quando você ouve falar no continente africano? 2. Você sabe qual idioma é falado em Angola e em Moçambique? 3. Na África do Sul, uma das línguas oficiais é o inglês, outra é o zulu. Por quê? 4. No Senegal, além das línguas nativas, como o uólofe, fala-se o francês, que é o idioma oficial. Por quê? 5. Procure lembrar-se ou pesquise uma notícia recente sobre algum país africano e registre no espaço a seguir. 6

[close]

p. 8

História - 8a série/9o ano - Volume 1 Leitura e análise de mapa Para a análise comparativa dos dois mapas históricos a seguir, seu professor vai propor uma discussão com toda a classe. Depois de estabelecidas as conclusões oralmente, realize a síntese, respondendo individualmente às questões neste Caderno. Redija respostas completas, ou seja, retome a proposição na resposta, de maneira que cada uma delas tenha um significado completo, como um pequeno texto explicativo. Mapa 1 – A ocupação da África por volta de 1830 HERNANDEZ, Leila Maria Gonçalves Leite. A África na sala de aula: visita à história contemporânea. 2. ed. rev. São Paulo: Selo Negro, 2008. p. 52. Mapa original (sem escala; sem orientação de norte geográfico; mantida a grafia). 7

[close]

p. 9

História - 8a série/9o ano - Volume 1 Mapa 2 – África em 1902 HERNANDEZ, Leila Maria Gonçalves Leite. A África na sala de aula: visita à história contemporânea. 2. ed. rev. São Paulo: Selo Negro, 2008. p. 68. Mapa original (sem escala; sem orientação de norte geográfico; mantida a grafia). 8

[close]

p. 10

História - 8a série/9o ano - Volume 1 Dicas para a análise cartográfica Verifique a posição do continente africano em relação à Europa e à Ásia, identifique os mares e oceanos que banham as terras africanas e indique onde está posicionado o continente americano, que não aparece nos mapas. Localize a costa oriental e a ocidental, a porção meridional e a setentrional da África. Compare esses mapas com um mapa físico do continente africano e com o atual mapa político, e estabeleça as semelhanças e diferenças entre eles. 1. Qual é o título de cada um dos mapas? Mapa 1: Mapa 2: 2. A qual século cada um dos mapas históricos se refere? Mapa 1: Mapa 2: 3. Que informações podemos obter com a análise das legendas? Mapa 1: Mapa 2: 4. No próprio mapa, existem símbolos ou nomes que também trazem informações sobre a presença europeia? Quais são? Mapa 1: Mapa 2: 5. Que mudanças você pode observar entre os dois mapas? 9

[close]

p. 11

História - 8a série/9o ano - Volume 1 6. Comparando os dois mapas, que permanências você pode observar? LIÇÃO DE CASA Os povos que sofreram a ação imperialista das potências industriais organizaram diversos movimentos de resistência, como a Guerra do Ópio, a Revolta dos Cipaios e a Revolta dos Boxers. Cada aluno, segundo critérios do professor, deve ficar responsável por realizar uma pesquisa sobre uma das revoltas, na qual devem constar: o nome, a data, o local, as causas, a liderança, os principais acontecimentos e o desfecho. Depois, compartilhe as pesquisas com os demais colegas, de maneira que todos fiquem com o Caderno completo. Nome: Data: Local: Causas: Liderança: Principais acontecimentos: Desfecho: 10

[close]

p. 12

História - 8a série/9o ano - Volume 1 Nome: Data: Local: Causas: Liderança: Principais acontecimentos: Desfecho: Nome: Data: Local: Causas: 11

[close]

p. 13

História - 8a série/9o ano - Volume 1 Liderança: Principais acontecimentos: Desfecho: VOCÊ APRENDEU? 1. O poeta britânico Rudyard Kipling, em 1899, publicou um poema intitulado O fardo do homem branco, a respeito da conquista dos Estados Unidos da América sobre as Filipinas. Apesar de seu poema alertar sobre os perigos e os custos envolvidos na ação de conquista, tornava-a, ao mesmo tempo, um nobre empreendimento, sob o ponto de vista da “missão civilizatória da raça branca”. Leia a sua primeira estrofe: O fardo do homem branco Tomai o fardo do Homem Branco Envia o melhor da tua raça Vão, obriguem seus filhos ao exílio Para servirem às necessidades dos seus cativos Para esperar, com pesados arreios, Com agitadores e selvagens Seus recém-cativos povos entristecidos, Metade demônio, metade criança. KIPLING, Rudyard. The white man’s burden. Disponível em: . Acesso em: 20 maio 2013. Tradução Eloisa Pires. 12

[close]

p. 14

História - 8a série/9o ano - Volume 1 Conforme o que você já estudou sobre o Imperialismo, no que consistia a “missão civilizatória da raça branca”? 2. Leia o artigo a seguir, que faz parte da Ata Geral da Conferência de Berlim, de 27 de fevereiro de 1885. Capítulo II – Declaração relativa ao tráfico de escravos “Artigo 9. Em conformidade com os direitos dos indivíduos, tais como são reconhecidos pelas potências signatárias, sendo proibido o tráfico de escravos e devendo as operações que, na terra ou no mar, forneçam escravos para o tráfico ser igualmente consideradas proibidas, as potências que exercem ou exercerão direitos de soberania, ou uma influência nos territórios que formam a bacia convencional do Congo, declaram que esses territórios não poderão servir nem como mercado nem como via de trânsito para o tráfico de escravos, de qualquer raça. Cada uma dessas potências se compromete a empregar todos os meios em seu poder para colocar um termo a esse comércio e punir seus responsáveis.” Ata Geral da Conferência de Berlim de 1885. Disponível em: . Acesso em: 20 maio 2013. Tradução Célia Gambini. Segundo esse artigo, qual foi a posição das potências que participaram da Conferência de Berlim no que se refere à escravidão? O que poderia explicar esse posicionamento? 13

[close]

p. 15

História - 8a série/9o ano - Volume 1 3. As afirmações a seguir são referentes ao Imperialismo. Assinale a alternativa correta. I. A necessidade de novos mercados consumidores para seus produtos levou as potências industrializadas à expansão imperialista durante o século XIX. II. A expansão imperialista do século XIX ocorreu, basicamente, em virtude do esgotamento das minas de metais preciosos na Europa. III. As potências industrializadas necessitavam de novas áreas nas quais pudessem aplicar o capital excedente gerado pela expansão capitalista durante o século XIX. Estão corretas: a) todas as afirmações. b) apenas I e II. c) apenas I e III. d) apenas II e III. e) nenhuma das afirmações é correta. 4. Cecil John Rhodes (1853-1902) foi um inglês, homem de negócios e o fundador da Rodésia, atuais Zimbábue, Zâmbia e Malauí, na África. Ele sonhava construir uma estrada de ferro que faria a ligação entre a cidade do Cairo, no Egito, e a Cidade do Cabo, na África do Sul. A ele são atribuídas as seguintes frases: “O mundo já está totalmente loteado, e o pedaço que sobrou está sendo dividido, conquistado e colonizado. [...] Eu conquistaria os planetas, se pudesse; sempre penso nisso. Entristece-me vê-los tão claros e ainda tão distantes.” Cecil Rhodes. Apud: “The Last Will and Testament of Cecil John Rhodes, organizado por W.T. Stead, London “Review of Reviews” Office 1902. Disponível em: . Acesso em: 18 jul. 2013. Tradução: Eloisa Pires. Segundo suas ideias, e observando-se o período no qual Rhodes viveu, pode-se dizer que ele: a) foi um dos pioneiros na “corrida espacial” inglesa. b) foi um dos líderes da resistência africana ao capitalismo inglês. c) foi um dos missionários protestantes no continente africano. d) foi um dos agentes do Imperialismo inglês no continente africano. e) foi um dos críticos do Imperialismo inglês no continente africano. 14

[close]

Comments

no comments yet