Figuras&Negócios #161

 

Embed or link this publication

Description

Figuras&Negócios #161

Popular Pages


p. 1



[close]

p. 2



[close]

p. 3

Figuras&Negócios - Nº 161 - MAIO 2015 3

[close]

p. 4

CARTA DO EDITOR Miss Angola 2015, Whitney Shikongo é a capa desta edição numa altura em que ela começa a materializar o seu projecto social, de “emprestar” a sua imagem para iniciativas de apoio aos mais carenciados. Ela escolheu um lar de crianças no município de Viana e angariou bens diversos (alimentar, vestuário e brinquedos) numa manifestação que sensibilizou as crianças do lar que sorriram como agradecimento pelo gesto mas também os responsáveis da instituição que encontraram um alívio no atenuar do mundo de dificuldades em que vivem envolvidos para diariamente darem o conforto aos petizes, muitos deles já sem pais em vida. O acto em si demonstra o quanto figuras públicas podem desempenhar papel de reconhecido valor e solidário em causas úteis à sociedade. Bonita e esbelta, Whitney Shikon- A go, a jovem da Huíla que desde Dezembro ostenta a coroa de Miss Angola, tem consciência da sua beleza e acredita que pode representar condignamente as cores do seu País nos concursos de beleza que, por obrigação do título que ostenta, terá de participar sendo o Miss Universo o mais relevante. Linhas mestras os países membros da região dos Grandes Lagos, reunidos em cimeira, na cidade de Luanda decidiram traçar para o combate ao terrorismo que, quando penetra, inviabiliza o desenvolvimento seguro dos países. Angola, cujo Presidente, o Engenheiro José Eduardo dos Santos lidera a presidência do CIRGL, tem se assumido na linha da frente dessa luta pela concertação de estratégia entre os estados primando pelo diálogo fluído pela paz como um dos caminhos que permite eliminar espaços para as praticas terroristas. Ao crime não se deve dar espaço de penetração, e é isso que acontece no Brasil onde há uma determinação evidente de se apurar e punir os implicados na "salgadeira da Petrobras", a petrolifera brasileira que viu “invadido” os seus cofres para enriquecer pessoas que se acobertavam em cargos de responsabilidade pública, quando hoje se reclama por governação mais transparente e participativa dos estados. E dentro dessa bitola Angola ainda não assinou o Acordo Ortografico da Língua Portuguesa, juntamente com Moçambique, porque entendem, ambos os países, que enquanto falantes, é importante que haja uma contribuição mais relevante de todos os integrantes do mundo falante do português para que o documento seja mais rico e o vocabulário mais vitaminado. Estas e outras materias o caro leitor enontrará na presente edição pelo que auguramos uma Boa Leitura. 4 Figuras&Negócios - Nº 161 - MAIO 2015

[close]

p. 5

Figuras&Negócios - Nº 161 - MAIO 2015 5

[close]

p. 6

7. EDITORIAL PAZ ETERNA BANGÃO! 16. LEITORES UNIÃO AFRICANA NÃO TEM VERGONHA PARA NADA.... 19. PONTO DE ORDEM CRISE DE VALORES 20. PAÍS CABINDA, MUDANÇA DE PARADIGMA PARA (RE) GANHAR O FUTURO! 28. FIGURAS DE CÁ 26. POLÍTICA GRANDES LAGOS NÃO QUEREM DAR ESPAÇO PARA O TERRORISMO 33. MUNDO REAL (IR)RESPONSABILIDADES FAMILIAR 36. ECONOMIA & NEGÓCIOS AS REGRAS DE OURO NO COMERCIO INTERNACIONAL 46. DESTAQUE QUEM É QUE NOS MULTA SE NÃO O USARMOS? 53. NA ESPUMA DOS DIAS O ALAMBAMENTO, CULTURA OU EXTORSÃO E OPORTUNISMO? 56. CULTURA MORREU O MÚSICO BANGÃO 62. REPORTAGEM VENDA DE CARTÕES TELEFÓNICOS O NEGÓCIO ESTÁ NA RUA! 76. MUNDO HAVANA - REAPROXIMAÇÃO COM EUA AINDA É POUCO SENTIDA 84. DESPORTO FALTA APOIO MINISTERIAL AOS CAMPEÕES DE “LUTA” CAPA: BRUNO SENNA 6 PÁGINA ABERTA 10. JOSÉ ZECAMUTCHIMA QUER AUTONOMIA DA LUNDA 96. VIDA SOCIAL WHITNEY SHIKONGO, MISS ANGOLA 2015 VISITOU O LAR HORIZONTE AZUL 89. FIGURAS DE JOGO APOIOS PARA FILEMON 92. MODA & BELEZA CLAREAMENTO DA PELE: AUTENTICA DEVASTAÇÃO Figuras&Negócios - Nº 161 - MAIO 2015

[close]

p. 7

SÃO TOMÉ JÁ TEM ORÇAMENTO ÁFRICA 66. FIGURA DO MÊS PEDRO PINOTES “UM ATLETA DE OURO” 90. 100. FIGURAS DE LÁ RECADO SOCIAL 104. STOP. PAUSA PARA A INDIGNAÇÃO POPULAR!!! Figuras&Negócios - Nº 161 - MAIO 2015 Publicação mensal de economia, negócios e sociedade Ano 15 - n. º 161, Maio – 2015 N. º de registo 13/B/97 Director Geral: Victor Aleixo Redacção: Carlos Miranda, Júlia Mbumba, Sebastião Félix, Suzana Mendes e Venceslau Mateus Fotografia: George Nsimba e Adão Tenda Colaboradores: Édio Martins, Juliana Evangelista, João Barbosa (Portugal), Manuel Muanza, Rita Simões, Ana Kavungu, D.Dondo, Wallace Nunes (Brasil), Alírio Pina e Olavo Correia (Cabo-Verde), Óscar Medeiros (S.Tomé) e Crisa Santos (Moda). Design e Paginação: Humberto Zage e Sebastião Miguel Publicidade: Paulo Medina (chefe) Portugal e Europa: Venda/Assinatura e Publicidade: Rita Simões Rua Rosas do Pombal Nº15 2dto 2805-239 Cova da Piedade Almada Telefone: (00351) 934265454 Assinaturas (geral): Katila Garcia Revisão: Baptista Neto Brasil: Wallace Nunes Móvel: (55 11) 9522-1373 e-mail: nunewallace@gmail.com Londres: Diogo Júnior 12 - Ashburton Road Royal Docks - London E16 1PD U.K Produção Gráfica: Imprimarte (Angola) Cor Acabada, Lda (Portugal) Tiragem: 10.000 exemplares Direcção e Redacção: Edifício Mutamba-Luanda 2º andar - Porta S. Tel: 222 397 185/ 222 335 866 Fax: 222 393 020 Caixa Postal - 6375 E-mails: figurasnegocios@hotmail.com artimagem@snet.co.ao Site: www. figurasenegocios.co.ao Facebook: Revista Figuras&Negócios Angola 7

[close]

p. 8

8 Figuras&Negócios - Nº 161 - MAIO 2015

[close]

p. 9

Q PAZ ETERNA BANGÃO! uando, em 2005, a revista Figuras & Negócios homenageou o músico Bangão como uma das figuras de realce da sociedade angolana pelo seu contributo na música, mais propriamente no cultivo do semba ritmado que só ele sabia fazer com mestria, nada, mas absolutamente nada fazia prever que 10 anos depois, o homem, o músico querido deixaria de fazer parte do mundo dos vivos. A notícia entrou fulminante nos nossos ouvidos e ficamos presos no choque de tamanha pancada que cobardemente tirou do nosso seio uma das vozes mais queridas, mais referênciadas da música angolana. Morreu Bangão, morre um estilo, uma maneira de ser e estar no palco de um artista que se destacava pela forma vaidosa e aprumada como Bangão se apresentava em palco. Apetece-nos cantar e gritar Cuidado! como tão bem o artista cativava os seus fãs num jeito que agora se eterniza, mas falta-nos coragem, força para, pelo menos, podermos imitar o talento de um músico simpatia que cobardemente decidiu deixar-nos sem aviso prévio. Ou melhor, pode ter dado o primeiro sinal de que iria partir para o outro mundo quando foi hospitalizado, ainda em Luanda e, depois, evacuado para a África do Sul. Viemos a saber agora o diagnóstico da doença que o apoquentou e foi mais forte: um câncro, o maldito câncro fulminante que, infelizmente quando faz morada no nosso seio, se não detectado em tempo oportuno e devidamente atacado, é mesmo mortal. Perdeu Angola um actor principal da cultura angolana, perderam os músicos um colega de primeira linha que vai se juntar a outros que também muito recentemente deixaram o mundo dos vivos. Zecax, Beto de Almeida e Bel do Samba integram a lista dos que mais recentemente partiram para o mundo dos vivos, curiosamente todos eles cultivadores do estilo semba. Na hora da tua partida, Bangão, derramamos lágrimas mas procuraremos não sucumbir para que possamos registar os passos que os teus colegas, sempre solidários e muito sentidos com a tua inesperada partida, saberão dar cantando para honrar e dignificar a música angolana, os esforços que continuarão a empreender para que cada vez mais os músicos sejam reconhecidos pela sociedade, que os poderes instituidos possam criar molas protectoras para o melhor desempenho das suas actividades. O País não vive sem música, a música é uma força viva, razão porque faz todo sentido que se preste hoje, amanhã e sempre o apoio e a atenção aos seus cultivadores, os músicos, muitos deles com o micro na boca, com as suas canções, colocaram o seu tijolo neste edifício, Angola, que agora completa 40 anos de independência. Descanse em Paz, Bangão. EDITORIAL Figuras&Negócios - Nº 161 - MAIO 2015 9

[close]

p. 10

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES REPÚBLICA DE ANGOLA LISTA DE AGENTES DO CNC Contact: Mrs. Ilse Fliege Martinistrasse.29 D-28195 Bremen Telf: (49) 421 339 365 Fax: (494) 213 393 699 Email: management@asa-services.net/ bremen@asa-services.net Germany, Poland, Lithuania, Latvia, estonia, Russia, Ukraine, England, Ireland and Scotland ASA GMBH HEISEI SHIPPING AGENCY Contact: Mr. Sawamoto Shiba Nishi Bldg, 6F 9-1 Shiba 4-Chome, Minato KU Tokyo Telf: (81)354765771/(81)354765710 Fax: (81) 354 765 711 Email: ops@hship.co.jp Japan FRABEMAR BEACON & SOUTH ATLANTIC AGENCIAMENTOS LTDA Contact: Mr. Franco Bernardini Ms Sara Pizzo Viale Brigate Partigiane 16/2 16129 Genoa Italy Telf: (390) 105 533 011 Fax: (39) 010 541 458 Email: dbernardini@frabemar.it/mbernardini@frabemar.it Italy and spain Contact: Sr. Thiago Lima, Srª Ana Quast, Sr.José Vela D. Silva Rua do Comércio 55 - SI. 61/63 / CEP: 11010-141 - Santos - SP / Brasil Telf: (55) 13 30234255 Fax: (55) 13 30234270 Email: thiago@beaconsouth.com.br/ana@beaconsouth.com.br/ marilinda@beaconsouth.com Brazil SCC Contact: Mr. Duarte Miranda Mr Miguel Camelier Silva R. de Moscavide, Lt 4.28.02, Loja A - Parque das Nações - 1990-198 Lisboa Telf: (351) 218 947 140 Fax: (351) 218 945 145 Email: lisboa@scc.com.pt/m.camelier@scc.com.pt Portugal MITCHELL COTTS Contact: Ms.Marisa Sidorak Calle Lima 29, Piso 3, Oficina I. Buenos Aires Argentina Telf: (54) 11 48780668 / (54) 11 48780669 Fax: (541) 143 811 713 Email: marisa@angomar.com.ar/luis@angomar.com.ar Argentina, Bolivia, Colombia, Ecuador, Peru, Ungria Paraguay and Venezuela ANGOMAR AGENCIA MARÍTIMA SRL Contact: Ms.Nadia Titton 11th Floor, Grindrod House 108 Victoria Embankment Durban P.OBOX 1021 Durban 4000, South Africa Telf: (27) 313 027 189 Fax: (27) 313041752 Email: nadia@mitchellcotts.co.za;/nigels@mitchellcotts.co.za Republic of South Africa, Namibia, Swaziland, Zimbabwe, Mozambique, ilhas Mauricias, Tanzania and Kenya SEAWAY EXPRESS CO, LTD OIC SERVICES INC. Contact: Ms.Phornsri Simavanichkul 718/6 Soi Suanplu, South Sathorn Road, Sathorn, Bangkok 10120 Telf: (66)267933456 (66) 67947979 (66) 26794019 Fax: (66)26794018/ (66)22131125 Email:phornsri@ksc.th.com Thailand, Myanmar and Laos Contact: Mrs. Veronique Durnerin B.P 5208 Pointe Noire - Republique du Congo Telf: (18) 329 126 820 Fax: (18) 329 126 864 Email: vdurnerin@oicservices.com/info@oicservices.com USA and Mexico TECHNIMAR Contact: Mr.Sylvain Lepage Mr. Hugo Bourassa 1695 Boul. Laval, Suite 330 - Laval, QC - H7S 2M2 Telf: 1 (450) 975 2058 Fax: (14) 509 752 125 Email: s.lepage@transgloballogistics.ca/h.bourassa@transgloballogistics.ca Canada TRANSGLOBAL Contact: Mr. Schreurs Philippe Square de Meeus 38/40 - 1000 Bruxelles, Belgique Telf: (32)24016139 Fax: (3) 224 016 140 Email: office@technimar.net Belgium, Netherlands and Luxemburg 10 Figuras&Negócios - Nº 161 - MAIO 2015

[close]

p. 11

Contact: Mr. Willy Deku P.O. BOX CT 2878 CANTONMENTS ACCRA Fax: Telf: (23)322210509 (23)3243715976 (23)3208116762 Fax: (23) 322 210 509 Email: wilmardel@ighmail.com/ wildeku@yahoo.com Benim, cameron, Ivory Coast, Gabo, Ghana, Equatorial, Equatorial, Guinea, Nigeria, Senegal and Togo WILMARDEL LTD TIME OCEAN SHIPPING LIMITED Contact: Ms.Wang Yue I 19/F, International Ocean Shipping & Finance Center, No. 720 Pudong Avenue, Pudong New District, Shanghai - China Telf: (86)2150366097/ (86)2150366098 Fax: (86) 21 50366095 / (86) 21 50366100 Email: operationsh@timeocean.net China WILHELMSEN HYPWOON SHIPS SERVICE LTD Contact: Mr.K.S. Lee 12th floor, Doryeom Bldg., 60 Doryeom-Dong, Jongno-Gu, Seoul Korea Telf: (82)237030801 Fax: (8) 227 388 130 Email: k-s.lee@wilhelmsen.com South Korea ALADIN SERVICES CONGO Contact: Mrs.Diane Carole Makiza B.P 5208 Pointe Noire - Republique du Congo Telf: (2) 426 481 016 Email: aladin.services.congo@yattoo.com Congo SAGA SHIPPING Contact: Mr.Leo Mikkelsen Auktionsvej 10 9990 Skage Dinamarca Telf: (4) 598 443 311 Fax: (4) 598 450 029 Email: saga@saga-shipping.dk/ Denmark, Finland, Norway and Sweden Contact: Mrs.Yasemin Uyar ISTOC 18 ADA NO:120 BAGCILAR ISTANBUL-TURKEY Telf: (902) 124 823 743 Fax: (902) 124 827 757 Email: info@dsf-cnca.com/ yasemin.uyar@dsf-cnca.com Turkey DSF DOLPHIN CHARTERING SERVICES PVT. LTD Contact: Mr.Subodh Joglekar 405, Gokul Arcade. A-Wing. Vile Parle (East). Mumbai 400 057, INDIA Telf: (91)2228368825/ (91)2228368827 Fax: (912) 228 361 849 Email: dolphin@dolphinchart.com India WAB CORP MARINE TRANSPORT SERVICES (L.L.C.) Contact: Ms. Vivian Fernandez Mr. Hussein El Zein Platinum Business Center Offices No 606/607, 6th Flr. Bagdad Road, Al Nahda 2nd P.O Box 172203 DUBAI - United Arab Emirates Telf: (97) 142 583 529 Fax: (9) 611 456 688 Email: abeer@wabcorporation.com/ wab@wabcorporation.com Lebsnon, Iraq, Iran, Saudi, Arabia, Egypt, Jordan, Qatar and Syria FOREMOST LINE LIMITED Contact: Mr. ST Chen Chuang Thio Beijing Office 2708-07, Tower C, Office Park 5, Jianghai South Street, Chaoyang District, Beijing China 100020 Tel: (85) 225 418 671 Email: foremosthk@foremostline.com China WAB CORPORATION Contact: Mr. Hassan Yahfoufi, Ms. Abeer Ashour 2931, Airport Business Center, 4th Floor #402 Beirut, 2814-4105 Lebanon Telf: (9) 611 458 825 Fax: (9) 611 456 688 Email: abeer@wabcorporation.com/ wab@wabcorporation.com Lebsnon, Iraq, Iran, Saudi, Arabia, Egypt, Jordan, Qatar and Syria SIN CHIAO SHIPPING AGENCY PTE LTD MARITRADE SHIPPING CONSULTANT SAS Contact: Ms.Nadia Berkane 10,Rue du Colisée, 75008 Paris Telf: (330) 156 591 640 Fax: (330) 156 591 642 Email: maritradesas@yahoo.fr France Contact: Mr.Thio.S.T 12 Prince Edward Road #03-13 Podium B Bestway Building Singapore 079212 Telf: (6) 562 241 011 Fax: (6) 562 242 775 Email: sinchiao@pacific.net.sg;/sthio@pacific.net.sg Australia, Indonesia, Malaysia, New Zealand, Philippines, Singapore, Bangladesh, Pakistan and Srilanka HT TRADE-COOPERATION AND TRANSPORT JOINT STOCK COMPANY Contact: Mr.Le Thiet Thao 31ª, Rua Nguyen Khuyen, Destrito Dong Da, Hanói, Vietnam Telf: (04) 374 783 47 Fax: (04) 374 716 42 Email: sociedade_ht@cnca.vn Vietnam and Cambodja SAN LIAN SHIPPING Contact: Mr.Lu Suen Yu 11/F, Ngan House, - 206/210 Des Voeux Road Central - HONG KONG Telf: (86)2150366097/ (86)2150366098 Fax: (86) 21 50366095 / (86) 21 50366100 Email: operationsh@timeocean.net China Figuras&Negócios - Nº 161 - MAIO 2015 11

[close]

p. 12

PÁGINA ABERTA DESTAQUE “Pela autonomia da Lunda José Mateus Zecamutchima é o Presidente do Movimento do protectorado Lunda Tchokwe que há sensivelmente 13 anos reivindica a autonomia administrativa e financeira das quatro províncias que integram o reino Lunda (Kuando Kubango, Moxico, Lunda Norte e Lunda Sul), ou seja 8 milhões de habitantes de acordo com dados do último Censo Nacional. Uma pretensão que Zecamutchima diz já ter feito chegar ao Presidente da República, José Eduardo dos Santos, mas sem resposta. Resposta negativa recebeu sim o do Parlamento Nacional, numa acção que Zecamutchima não concorda. Em Página Aberta, ele fala da implantação do Movimento nas províncias, dos vários casos que enfrenta na justiça e jura que levará até ao "caixão o desejo da autonomia da Lunda". Na véspera da entrevista, José Mateus Zecamutchima e sua delegação tinham sido recebidos pelo representante do Secretario Geral da ONU em Angola. Ingredientes suficientes para este processo ter pernas para andar? Entrevista: Víctor Aleixo Fotos: Adão Tenda José Zecamutchima vou até ao caixão” F iguras & Negócios - Há mais de dez anos que vocês reivindicam a autonomia das lundas. O que já evoluiu positivamente? José Zecamutchima (JM) - Evoluiu bastante o processo, subiu 45% de temperatura positivamente. Desde 2009 a 2015 conseguimos instalar a missão externa, hoje temos representantes na Europa, temos estatutos e uma serie de documentos orientadores do próprio Movimento como uma instituição organizada. Hoje, o Movimento de Protectorado não é uma comissão mas sim um movimento estruturado com um comité executivo nacional, secretários provinciais e municipais. F&N - Então não têm cofres vazios. Há muito dinheiro para gerir essa estrutura? JM - A vontade do povo sempre vence, e quando o processo tem razão ele não precisa de dinheiro. Há um patriotismo muito forte dos nossos compatriotas e está todo mundo a favor do processo. Nós temos consciência de que o dinheiro não faz tudo. F&N - Como se abre delegações no exterior do Pais sem dinheiro? JM - É graças aos patriotas filhos lundas, muitos deles residentes há muito tempo naquelas paragens, outros são estudantes e abraçaram os ideais do Movimento para com um único objectivo de fazer ouvir ao mundo o que era o Reino da Lunda e o que estamos a reivindicar diante dos nossos irmãos angolanos. F&N - Exactamente, o que vocês defendem? JM - Nós estamos a defender a autonomia da nação Lunda Tchokwe e esta defesa não está a ser de forma empírica. Em 2002 fizemos chegar ao gabinete do Presidente da República, o Engenheiro José Eduardo dos Santos o estatuto de autonomia da Lunda que eu acredito que foi este documento que a comissão de relações exteriores da Assembleia Nacional teve como base para fazer a sua rejeição à autonomia da Lunda. Nesse documento estão espelhados os objectivos que preconizamos e o que pretendemos. F&N - E, em traços gerais, o que pretendem? JM - Autonomia Administrativa e Económica da Lunda tal e qual como a Escócia do Reino Unido e outras experiências já existentes no mundo. Nós não estamos a advogar a separação, estamos a dizer ao governo de Angola, a comunidade internacional, que independentemente do nosso direito de reclamarmos a independência, o que deveria ser o lógico, queremos conviver com os angolanos. É isso que dizemos no nosso manifesto e outros documentos que fizemos chegar ao Presidente da República. F&N - O senhor fala de experiencias de realidades completamente diferentes das de Angola, com um povo de maior preparação académica e intelectual... JM - Sim, temos consciência que são realidades completamente diferentes, a nossa realidade também é completamente diferente e por isso é que estamos ate a entregar um modelo que pode ser discutido, e o importante é o dialogo. A Lunda precisa do diálogo com os angolanos, e nós 12 Figuras&Negócios - Nº 161 - MAIO 2015

[close]

p. 13

aceitamos quando o Presidente da República disse em 2013 que os conflitos de dimensão muito forte devem ser resolvidos pelo diálogo, que se encontrem consensos. É este consenso que estamos a lutar para ser encontrado desde que o MPLA não feche as portas. Porque milhares de pessoas já se envolveram com o Movimento desde 2006, e não podem ser ignoradas. Estamos quase há 13 anos da nossa existência, temos representações no estrangeiro e isso não pode ser ignorada de dia para a noite. F&N - Mas o parlamento rejeitou os vossos argumentos e... JM - Eu não diria que o parlamento rejeitou os nossos argumentos, esse foi o comunicado tornado publico, mas há aqui uma contradição muito grande dessa instituição. Nós fomos recebidos no dia 4 de Novembro de 2014, na 10ª comissão da Assembleia Nacional em que nos foi informado que o processo de reivindicação da autonomia da Lunda Tchokwe (Kuando Kubango, Moxico, Lundas Sul e Norte) não era da competência da Assembleia Nacional e em Angola não haveria nenhum outro órgão com competência para o efeito já que era matéria reservada exclusivamente ao Presidente da Republica. Independentemente desse encontro da Assembleia Nacional, já teríamos trocado comunicações escritas com o Ministério da Justiça e dos Direitos Humanos. Portanto, a nossa admiração foi quando ouvimos a comissão de relações exteriores da Assembleia Nacional rejeitar a autonomia do reino da Lunda. Por outro lado, também o processo é complexo, pelo que não deveria nem poderia ser uma comissão da Assembleia Nacional a decidir. Este é um processo que mexe com a politica nacional, e com Angola no seu todo. Portanto, os outros partidos com assento parlamentar têm de tomar conhecimento e haver uma discussão inclusiva. Logo, o MPLA é que está a tomar a decisão unilateral. Eu penso que o MPLA, em questões de Nação, não deve particularizar-se. Deve sim consultar todas as forças vivas. No caso da Lunda, o povo não foi consultado. F&N - E vocês já consultaram o povo? JM - Nós somos da Lunda e vivemos na Lunda. F&N - E o povo disse que quer autonomia? Como se garante isso? JM - Porque vivemos com eles, ninguém está fora disso. F&N - Sim, mas qual a base científica que sustentaou para dizer que o povo quer a autonomia? JM - A base cientifica é a presença do Mo- Figuras&Negócios - Nº 161 - MAIO 2015 13

[close]

p. 14

PÁGINA ABERTA DESTAQUE vimento no terreno e, se não fosse assim, não haveria de vez em quando esses choques com as autoridades no local e, também o próprio regime não estaria a fazer campanha muito forte para denegrir o nosso trabalho. É muito forte o trabalho para desacreditar-nos, o regime utiliza as igrejas e sobretudo nas aldeias tenta desencorajar as populações, mas temos dito que eles não estão a fazer campanha para destruir-nos mas sim a ajudar-nos na mobilização, porque o povo não está distraído. São esses pontos que jogam a nosso favor. F&N - Não seria mais pratico vocês se transformarem em partido politico? JM - Não existe uma lei de partidos regionais e eu não estou a concorrer para os poderes de Angola. Estou a reclamar pura e simplesmente os poderes da Lunda dentro da sua história, como fomos criados. F&N - Qual a vossa relação com o PRS, um partido que tem a sua base nas Lundas e que defende o federalismo como sistema de governo? JM - Não temos nenhuma ligação politica com o PRS nem com os propósitos da sua reivindicação, e muitos dirigentes do PRS já disseram também que não têm nada com o nosso processo. Temos ligações familiares com algumas pessoas que militam no PRS e eventualmente alguns membros do nosso Movimento também podem ser militantes do MPLA. Aliás, dentro do Movimento há militantes do MPLA, da UNITA, do PRS, da Casa CE, quer dizer somos um amplo movimento por uma causa concreta, a autonomia da Lunda Tchokwe. F&N - O senhor foi militante do MPLA. Porque saiu? JM - Fui militante do MPLA, sim senhor. Eu não abandonei o MPLA, ele é que nos abandonou ao dizer que quem opta pela diferença de pensamento já não pode ser militante dele. Aliás eles dizem que é militante quem merece e não quem quer. Neste sentido, eu sou angolano entre aspas mas um cidadão da Lunda que defende a autodeterminação das Lundas de acordo com os pressupostos históricos naturais., F&N - Diz-se que a vossa luta é inglória e oportunística. JM - Eu respeito a opinião das outras pessoas. No passado chamaram-nos de esfomeados ou que estávamos sem dinheiro e queríamos mexer com o MPLA para nos dar dinheiro. Enfim, entrego esta posição ao tempo que vai dizer a verdade se somos ou não somos oportunistas. A sociedade tem de divergir com as suas opiniões, cada um tem a sua visão dos factos. F&N - O senhor não acha que a autonomia como pretendem, sem um trabalho prévio, pode minar a unidade dos angolanos? conjunto a fôrmula definitiva que poderá ser o maior exemplo em África, consubstanciada na autonomia da Lunda. F&N - A vossa luta centra-se apenas na Lunda Norte? JM - Não, e ai é que somos mal entendidos. Nós não somos da Lunda Norte, somos lundas que engloba o Cuando Cubango, Moxico, Lundas Norte e Sul. Há aqui um problema que tem estado a acontecer: no Cuando Cubango, Moxico e Lunda Sul as acções das autoridades contra as populações têm sido poucas e ponderadas, falamos muito da Lunda Norte porque alí o problema mistura-se com uma presença massiva de garimpeiros, empresas de segurança mineira, a polícia e forcas armadas que vão sempre em choque contra as populações e nós, por uma questão de direitos humanos, temos de denunciar o que alí acontece. Mas também denunciamos o que acontece no Moxico, Cuando Cubango e Lunda Sul porque temos secretariados alí criados. Por isso falo do povo lunda tal como Deus o concebeu e os tratados retratam exactamente esse território. Lunda Norte para nós é inexistente porque ela foi criada como província em 1978. F&N - Decorrente de uma visão de Estado? JM - Não! O Estado fez porque havia interesses económicos. Aliás, o Presidente Agostinho Neto disse, na altura que queria uma Lunda de exploração mineira e uma outra para as questões de agricultura. No fundo, enganaram-se porque hoje temos diamantes no Moxico, no Cuando Cubango e o kimberlito maior apareceu na Lunda Sul e não na Lunda Norte. Foi um erro da história e do tempo. Os partidos políticos todos, inclusive o MPLA, já conversaram com o Movimento, não na profundeza, porque a 10ª comissão que me recebeu é coordenada por uma presidente que é do MPLA e aquilo que tratamos foi transportado para o MPLA. E se foi conversa de distracção para eles, para nós não foi porque estamos a falar de um processo complexo de Angola. F&N - O senhor acredita que os vossos objectivos possam ser atingidos proximamente? Nós não estamos a advogar a separação, estamos a dizer ao governo de Angola, a comunidade internacional que independentemente do nosso direito de reclamarmos a independência, o que deveria ser o lógico, queremos conviver com os angolanos.” JM - Não acho que possa minar e acredito que o próprio governo tem esse receio. F&N - E não é de ter? JM - Bom, o governo pode dizer "os nossos irmãos lundas hoje querem a autonomia, amanha vão pedir referendo e por aí adiante", mas o processo é dinâmico e há um ditado que diz que quando o fogo pega apaga-se para ele não se alastrar. O que quero dizer é que se esperamos pela preparação das pessoas para poderem entender o processo não poderemos saber a dinâmica dos que virão amanhã. Eu acho que não deve existir receios, se não falarmos a verdade, estamos a minar o futuro. Essa região dos Grandes Lagos de que faz parte a maior parte da região das lundas, por causa da descolonização é um pico de guerras e violências continuadas; hoje Angola assume a presidência dos Grandes Lagos e é justo que se tente resolver os problemas e a única forma, no caso da Lunda, é sentarmos numa mesa, discutirmos e encontrarmos em “ 14 Figuras&Negócios - Nº 161 - MAIO 2015

[close]

p. 15

PÁGINA DESTAQUE ABERTA Figuras&Negócios - Nº 161 - MAIO 2015 15

[close]

Comments

no comments yet