jornal 1814 - 22 maio 2015

 

Embed or link this publication

Description

jornal 1814 - 22 maio 2015

Popular Pages


p. 1

ISSN - 2182-0104 1,00 Euro (c/ IVA) Telf. 289 463 054 Fax: 289 417 150 ANO 62º - N.º 1814 22 de maio de 2015 Desde 1952 Diretora: Nathalie Dias Siga-nos em www.avozdeloule.com | Rua 1.º de Dezembro, nº 26B 8100-615 | Email: geral@avozdeloule.com e leia “A Voz de Loulé” online! | GPS: N 37º8’13’’ W 8º1’22’’ Quinzenal Pague a sua assinatura através do Adelino Campina Empresário Empresário louletano louletano de de sucesso sucesso Vale do Lobo Torneio de Golfe & Dia de Caridade em Família 30 maio Pág.3 Pág.8 “Não conheço democracia sem partidos, quando se fala de política, mantenho-me pelos meus amigos.” Série da BBC gravada em Loulé Pág. 8 e 9 Pág.10 CDOS e BAL ficam no Concelho de Loulé Pág.4 Fonte Benémola Inaugurado novo Lar Ribeira da Tôr Pág.12 À descoberta da Avifauna 30 maio Pág.11 Special Olympics Equitação Adaptada 22 maio Pág.7 Conferência “Algarve no Tempo dos Dinossauros” Pág.10 Bolsa de Terras Mais um ano de Pág.9 isenção de custos Pág.15 1 de junho

[close]

p. 2

2 22 de maio 2015 A VOZ DE LOULÉ VOX POPULI in Metáforas da Vida Real O fácil, o difícil e o impossível Encontra-se em vigor desde dezembro de 2014, o Regulamento nº 1169/2011, relativo à prestação de informação aos consumidores sobre os géneros alimentícios, que obriga a que sejam transmitidas aos consumidores, sempre que necessário, informações relativas aos bens de consumo alimentar servidos no estabelecimento em causa. Concorda que os restaurantes sejam obrigados a ter essa informação? Nathalie Dias Diretora Lic. Turismo Administrativo diretora@avozdeloule.com Olhem para isto! Está tudo estragado… Não sobrou nada, tanto esforço, tantos anos de dedicação e agora isto! Ninguém imagina o trabalho que deu! Foram muitos anos de labuta, devoção e sacrifício para contruir tudo isto, as coisas estavam no seu devido lugar, tudo estava classificado por cores, por secções, por tamanhos, por estilos, nada se misturava inconvenientemente... Até dava gosto, todos partilhavam, davam ideias, aceitavam comentários, respeitavam, havia uma hierarquia, e cada qual ocupava o seu lugar. E assim é que tem de ser… Porque, quando há um orientador, todos sabem que têm um comando, tem rumo, tem norte. Têm um capitão no barco, um barco que não anda à deriva, pois ele sabe sempre tomar uma decisão acertada, no momento certo. Nunca ninguém viu um barco andar p’ra frente se todos tiverem no porão!? Mas quando todos mandam é assim… Um põe, outro tira, um põe outro dispõe! E agora, como amarrar todas as pontas soltas? Como consigo fazer com que acreditem que tudo vai voltar à normalidade num curto espaço de tempo? Todos desacreditam na retoma, na ressuscitação! Voltar ao que antes era é assim como pretender que a beleza do cristal se mantenha depois de colado! Foi só dar de costas, para trazerem para cá, quem pensasse que sabia deste ofício. Claro, estava tudo tão ordenado que achavam que era fácil a sua manutenção! Ao jogar a mão ao pouco que restou, consigo ver, que, com muito amor, carinho e sacrifício, talvez ainda consiga recuperar alguma coisa. Não houve prudência, não respeitaram o pousio. O fácil já foi feito. O difícil está a ser feito. Já o impossível vai demorar um pouco mais. Mas como dizia William Shakespeare “Um homem só envelhece quando nele os lamentos substituem os seus sonhos!” Assim, agora só nos resta replantar tudo outra vez, ajeitar e construir os canteiros, adubar a terra, regar, selecionar as mais finas sementes. Esperar várias luas, e só depois de algum tempo, quando tudo começar a florir outra vez, só ai, é que se vão lembrar deste humilde jardineiro! Arménio Francisco 59 anos Comerciante Este regulamento mostra que nós, aqui em Portugal, não estamos atrás de ninguém em termos de legislação. Aliás, estamos até muito à frente comparativamente com outros países estrangeiros. A questão é que as pessoas nem sempre estão informadas, ou não há fiscalização adequada. E depois falta alguma formação, ou a prática, porque esse público ainda é uma minoria, sem grande expressão, na rotina do nosso serviço. António Nobre 52 anos Comerciante Eu acho que é uma lei um bocado disparatada. Na minha opinião, faria mais sentido, o cliente saber o que lhes faz mal e perguntar-nos quais as alternativas. Como as coisas estão a ser feitas, temos de expor informação sobre todos os nossos produtos, o que nos obriga a ementas novas, e a uma série de investimentos que talvez fossem desnecessários. Já basta o IVA, o HCCP, e todos os encargos que o Estado nos mete em cima. Carla Prado 35 anos Comerciante Eu concordo com o novo regulamento, pois penso que se estamos a servir alimentos, a que as pessoas podem ser alérgicas, é importante que estejamos minimamente informados, para que saibamos explicar o que cada produto contém e que opções existem. Claro que traz mais trabalho e encargos, mas penso que se justifica uma vez se trata de uma questão de saúde. Francisco Olímpio 56 anos Técnico Industrial Eu estou completamente de acordo que se possa ter essa informação sobre os produtos alimentares que consumimos nos estabelecimentos de restauração. Há pessoas que podem ser alérgicas e não saber que produtos compõem as refeições servidas… Por isso é importante que haja informação que a pessoa que está a servir ou alguém do estabelecimento possa esclarecer o cliente. Assim era... o Hotel Toca do Coelho Quarteira 1960-1961 Início da tasca Toca do Coelho que daria origem ao hotel Quarteira 1964 Inauguração do Hotel Toca do Coelho

[close]

p. 3

A VOZ DE LOULÉ 22 de maio 2015 3 Atualidade 12º Festival Med já tem Cartaz completo Este ano o evento presta homenagem às três expressões da cultura portuguesa declaradas como Património Cultural Imaterial da Humanidade pela UNESCO Ação de Solidariedade em prol da Fundação António Aleixo Recolha de Brinquedos e Bens de Higiene para crianças 1 junho das 9h30 às 18h30 Quatro dias de música e culturas do mundo com a diversidade de sempre e, este ano, a associação ao Património Cultural Imaterial da Humanidade, vão marcar a 12ª edição do Festival MED, que decorre na Zona Histórica de Loulé, de 25 a 27 de junho, com um dia aberto ao público (28 de junho) dedicado exclusivamente à Dieta Mediterrânica. Alamedadosoulna (Espanha), Brass Wires Orchestra (Portugal) e Babylon Circus (França) são os últimos nomes divulgados e que fazem parte da lista de artistas que irão passar por Loulé. No total serão 42 bandas, de 15 nacionalidades, distribuídas por seis palcos que levarão o melhor da World Music ao coração do Algarve. A par dos três palcos principais – Matriz, Cerca e Castelo –, o Bar Bafo de Baco irá apresentar uma programação de nove bandas para o Palco Bica, enquanto que a Casa da Cultura de Loulé levará ao Palco Arco seis projetos. Durante os três dias de Festival, o MED Classic propõe uma programação para a Igreja Matriz, às 19h30, que contará com os concertos do Ensemble MED, do Ensemble de Flautas de Loulé e Ensemble de Alaúdes de Évora e o projeto musical Symbiosis de Lilia Donkova e Gonçalo Pescada. Mas a grande novidade em termos musicais vai ser o MED Fado, a recriação de uma Casa de Fados, nos Claustros do Convento, por onde vão passar fadistas locais. Esta pretende ser uma homenagem ao Fado enquanto Património Cultural Imaterial da Humanidade. É também neste âmbito, enquanto elementos integrantes da cultura portuguesa distinguidos pela UNESCO, que o Cante Alentejano e a Dieta Mediterrânica vão estar em destaque. O primeiro inserido no programa de animação do recinto, com grupos em vários pontos do recinto que levarão esta expressão popular do Alentejo ao MED, a segunda no dia de entrada livre, domingo, 28 de junho, que será integralmente dedicado à gastronomia e aos sabores e saberes da alimentação da Bacia do Mediterrâneo, distinguida em 2013 como Património Imaterial da Humanidade, reconhecimento para o qual a região algarvia também deu o seu contributo. Ao nível da animação de rua, 5 grupos vão estar espalhados pelo recinto diariamente, interagindo com os visitantes, com muitas surpresas e momentos musicais improváveis como um concerto de serrotes. A gastronomia de países como Grécia, Marrocos, Itália, Líbano ou Espanha é outra das componentes importantes do MED, tal como o artesanato nacional e internacional representado por 80 expositores. Nas artes plásticas o programa propõe 4 exposições em vários pontos do recinto. O Grupo Maxidomus, com agências Remax em Quarteira, Vilamoura, Almancil e Parede, está a organizar, uma ação de Solidariedade para o dia 1 de junho (dia da Criança), com recolha de brinquedos, alimentos, fraldas, papas, toalhitas, etc, para benefício da Fundação António Aleixo. Os interessados em colaborar nesta ação de solidariedade deverão entregar os artigos na loja de Quarteira, Av. Sá Carneiro, Torre Algarve r/c dtº, 8125-139 Quarteira (junto dos Correios em Quarteira). O Grupo Maxidomus e a Fundação António Aleixo, agradecem a sua participação. Wolf Valley volta a promover Torneio de Golfe & Dia de Caridade em Família No próximo dia 30 de maio, a Associação WoIf VaIIey Charity Fund volta a realizar o Torneio de Golf & Dia da Caridade em Família, em Vale do Lobo, iniciativa repleta de atividades e animação, que farão as delícias de miúdos e graúdos. Insuflável, pinturas faciais e modelagem de balões serão algumas das diversões disponíveis para os membros mais novos da família. Paralelamente, haverão diversas bancas, com muitas ofertas à altura dos adultos, sem esquecer o Torneio de Golfe, que o ano passado contou com mais de centena e meia de participantes. Desde a sua fundação em 1999 que a Associação de Caridade Wolf Valley conseguiu angariar perto de 900.000 euros que lhe tem permitido apoiar e ajudar importantes e prementes causas sociais locais tais como: UNIR, Existir, Banco Alimentar, Sociedade St. Vincent de Paul, ASCA, ASMAL, Casa da Primeira Infância de Loulé, Associação Esperança e Paz, centros comunitários e de dia para idosos em Benafim e Querença, bem como a Associação Oncológica do Algarve (AOA).

[close]

p. 4

4 22 de maio 2015 A VOZ DE LOULÉ Política Ministra homologou protocolo para criação de novos edifícios do CDOS e BAL Delegação Regional do Algarve CONSULTÓRIO DO CONSUMIDOR / DECO “Recebi uma fatura de água de 300,00 euros. Após consultar o respectivo período de faturação verifiquei que o valor era referente ao ano de 2013. Isto é legal?” CDOS e BAL ficam no Concelho de Loulé A Ministra da Administração Interna esteve no dia 17 de maio em Quarteira para homologar dois protocolos que se revestem de especial importância para o Concelho de Loulé e para a região do Algarve: a construção do Comando Distrital de Operações de Socorro de Faro e a construção da Base de Apoio Logístico de Loulé (BAL). No que diz respeito ao novo edifício da Proteção Civil no distrito, o mesmo irá localizar-se junto ao Quartel de Bombeiros de Loulé, beneficiando de uma centralidade com acesso às principais vias de comunicação do Algarve. “A localização do futuro Comando, fora do centro urbano, junto a uma via penetrante no distrito com grande capacidade de escoamento de distribuição de recursos, trará uma eficácia que é ainda exponenciada pela localização junto à Base de Helicópteros de Serviço Permanente e de um Corpo de Bombeiros, promovendo a criação de um polo de proteção e socorro altamente operacional”, referiu o presidente da Autoridade Nacional de Proteção Civil, Francisco Grave Pereira.Esta obra tem um custo estimado de 1 milhão e 250 mil euros. Relativamente à BAL de Loulé, uma das cinco previstas em todo o país, as instalações irão localizar-se em frente ao Cemitério de Quarteira, num edifício que se encontra em escombros. “Foi possível encontrarmos uma solução para resolver um problema que nos envergonhava. A instalação desta infraestrutura em Quarteira será uma mais-valia”, salientou o presidente da Autarquia, Vítor Aleixo. Esta unidade logística dará apoio e suporte direto ao desenvolvimento e sustentação das operações de proteção e socorro, servindo toda a região. A Autoridade Nacional de Proteção Civil irá apresentar uma candidatura para cofinanciamento de ambas as obras, através do Fundo de Coesão no âmbito do domínio “Eixo II – Promover a adaptação às alterações climáticas e a prevenção e gestão de riscos” do Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (PO SEUR). Refira-se que a nova sede do CDOS e a BAL integram-se no dispositivo que a Proteção Civil dispõe e do qual fazem parte os Comandos Distritais de Operações de Socorro, mas também outras instalações como os Quartéis da Força Especial de Bombeiros, os Centros de Meios Aéreos, as Bases de Apoio Logístico e as Unidades de Reserva Logística. “A criação desta nova malha de Comandos Distritais conta, em cada distrito, com a parceria de uma Autarquia, procurando a obtenção de sinergias entre instalações de proteção e socorro de diversa natureza”, disse o presidente da Autoridade Nacional Também a Ministra Anabela Rodrigues enalteceu a parceria entre o poder local e o governo central no âmbito da Proteção Civil. “Mais do que uma visão purista das competências de cada um, dos níveis de administração do Estado, impõe-se uma ação conjunta, de todos, assente em colaboração estreita e frutuosa, em benefício do país e dos cidadãos. Esta colaboração entre a Autoridade Nacional de Proteção Civil e a Câmara Municipal de Loulé reflete uma visão integrada do país e do Estado, onde a otimização de recursos e a parceria entre entidades culmina num melhor serviço público. É um bom exemplo desta cooperação entre o poder central e o poder local e que está a dar uns bons frutos por todo o país”, considerou a responsável governamental. A inauguração das novas instalações de apoio à Base de Helicópteros em Serviço Permanente de Loulé, há cerca de um mês, constitui a “materialização desta cooperação. Recorde-se que ainda em 2014, na altura em que Miguel Macedo era responsável pela pasta da Administração Interna, a Autarquia celebrou um protocolo homologado por Miguel Macedo, na altura o Ministro responsável pela pasta da Administração Interna, através do qual serão investidos pelo Município cerca de 1 milhão e 200 mil euros na adaptação e recuperação das instalações para os militares da GNR em todo o Concelho. A DECO INFORMA… Trata-se de uma questão extremamente pertinente, já que a DECO tem recebido muitos contactos de consumidores surpreendidos com faturas de serviços públicos essenciais - água, luz, gás e telecomunicações, cobrando valores elevados referentes a consumos e faturas já com vários meses e até mesmo anos. Temos vindo, assim, a verificar que os comercializadores de serviços públicos essenciais cobram valores com mais de seis meses. Alertamos que o direito ao recebimento do preço do serviço prestado prescreve no prazo de 6 meses após a sua prestação. Por isso, os consumidores podem opor-se ao pagamento destas quantias, invocando expressamente a prescrição e solicitando a anulação dos valores exigidos. Essa prescrição deve ser invocada pelo titular do contrato junto da empresa, por escrito, podendo, para esse efeito utilizar a carta tipo que a Associação disponibiliza no seu site em www.deco.proteste.pt, por carta registada com aviso de receção, ficando com cópia da carta e guardando os registos de envio. O consumidor deve invocar a prescrição antes de efetuar o pagamento da fatura reclamada, já que, caso o faça não poderá invocar a prescrição e, com isso, ser reembolsado do valor já pago. A DECO continuará a acompanhar esta situação, diligenciando no sentido da correta informação aos consumidores, para que os mesmos exerçam os seus direitos de forma adequada e atempada, invocando a prescrição junto das empresas e, simultaneamente, a sua rápida correção e anulação dos valores prescritos. Caso não veja a sua pretensão reconhecida, poderá sempre solicitar a nossa mediação, isto é, a intervenção da DECO junto das empresas para a resolução deste tipo de conflitos, em proteção dos direitos e legítimos interesses dos consumidores. Município de Loulé com trabalho vasto na área da Proteção Civil Sendo os incêndios florestais e o risco da atividade sísmica as principais vulnerabilidades do Concelho de Loulé, num extenso território, a Autarquia tem levado a cabo um “exigente e responsável” trabalho na área da Proteção Civil, assente em três eixos, de acordo com o presidente da Câmara Municipal. Em primeiro lugar, através de uma “via formal ou legal”, com a aprovação do Plano de Emergência Municipal, como resultado do trabalho realizado pelo Serviço Municipal de Proteção Civil. Outro dos eixos diz respeito à “via formativa” e pretende promover e desenvolver uma cultura de segurança. A realização anual de um Seminário sobre Proteção Civil que tem reunido ao longo das edições especialistas, num fórum de partilha de experiências e conhecimentos, as ações de sensibilização junto da comunidade escolar, o projeto de auto proteção em condomínio habitacional, as ações de divulgação de medidas de autoproteção e dos procedimentos a tomar em caso de incêndios florestais junto dos aglomerados populacionais rurais do interior e ainda a adesão ao Projeto ClimAdaPT.Local são algumas das áreas de intervenção do Município tendo em vista o envolvimento da comunidade nesta matéria. “Queremos informar os munícipes acerca dos riscos a que estão sujeitos no local onde vivem e explicar-lhes como devem reagir a esses mesmos riscos é indispensável quando se quer melhorar a eficácia dos sistemas de prevenção com vista a atenuar as consequências sempre que ocorrem eventos de extrema gravidade”, explicou Vítor Aleixo. O edil referiu ainda uma terceira via no trabalho do Município e que diz respeito à cooperação institucional, nomeadamente com a Autoridade Nacional de Proteção Civil.

[close]

p. 5

A VOZ DE LOULÉ 22 de maio 2015 5 Mendes Bota e Seruca Emídio condecorados pelo Embaixador da República da Polónia Por ocasião do Dia Nacional da Constituição de 3 de Maio de 1791, considerada a primeira Constituição Nacional da Europa e a segunda mais antiga no mundo, foram condecorados por Eugeniusz Grzeszczak, VicePresidente do Parlamento da República da Polónia, no passado dia 12 de maio, os louletanos Mendes Bota, membro do Gabinete do Comissário Europeu Carlos Moedas, e Seruca Emídio, ex-Presidente da Câmara Municipal de Loulé, com a Grande Ordem de Mérito, a mais alta condecoração da Polónia, em reconhecimento pelos esforços de ambos na aproximação entre Portugal e a Polónia. A cerimónia contou com a intervenção do Embaixador da República da Polónia Prof. BronisBaw Misztal e do VicePresidente do Parlamento da República da Polónia, Eugeniusz Grzeszczak. A par dos louletanos foi homenageado também o diretor do Centro de Estudos Sociais e Políticos da Universidade Católica Portuguesa. A noite terminou com um concerto do conceituado pianista polaco de jazz, Artur Dutkiewicz. É verdade o Lar da Ribeira da Tôr está aberto O sonho dos Torenses foi realizado, É verdade, depois de haver muitas dúvidas, o sonho tornou-se realidade. O Sr. Presidente e todos os elementos da direção atual, encontraram muitas dificuldades nas negociações, mas, com Sérgio Guerreiro muita força de vontade da Silva sem diminuir um cm a favor do Lar nas negociações, conseguiram concretizar o sonho. Foram encontradas as condições necessárias para a abertura desta maravilhosa casa, que tanta falta fazia neste meio rural do Barrocal Algarvio. Visita Técnica às Fruteiras Tradicionais do Algarve Decorre no dia 27 de maio, quartafeira, uma Visita Técnica às Fruteiras Tradicionais do Algarve, pelas 10h00, no CEAT - Centro de Experimentação Agrária de Tavira situado na Estação Agrária de Tavira no Largo de Santo Amaro (perto da Estação de Comboios de Tavira). Esta visita será acompanhada pelo Engº João Costa e Eng.º Armindo Rosa. A visita tem um limite de 60 participantes. Os interessados deverão inscrever-se através do e-mail cordaoverde2013@gmail.com. A entrada é livre mas está sujeita a inscrição. As coleções de Alfarrobeira, Amendoeira, Oliveira e Figueira foram instaladas com o apoio do Programa PRODER –Nº 18 642 Projeto FRUTALG. DOM FINÓRIO E, desta vez, parece que em definitivo … aí temos o Acordo Ortográfico … essa espécie de imperialismo linguístico … que parece trazer de volta e ressuscitar os velhos tiques do colonialismo de má memória … só que desta vez, e como se diz por aí … não sendo já possível aportuguesar o Brasil, nos resignámos a abrasileirar Portugal! Obra de dois ou três linguistas (?) e de meia dúzia de políticos dominados pela surdez intelectual … e a contragosto de mais de três a quatro centenas de milhões de falantes da Língua portuguesa que, perplexos e desgostosos, vão continuar a interrogar-se … porquê?! … e para quê?! … A rigidez e a falta de elasticidade mental, próprias da minha idade, já não permitem assimilar regras ortográficas, a maioria das quais sempre escapou e repugnou ao meu modesto entendimento, mesmo quando ainda as capacidades do meu intelecto beneficiavam de algum vigor! Dito isto … aqui fica o laudo … a partir de hoje autorizo e peço à Redacção deste prestigioso Jornal que corrija os meus inevitáveis “erros ortográficos” … que ao longo da minha vida sempre me orgulhei de não cometer … a não ser por distracção! Mutilada para sempre … vai ficar a Língua Portuguesa! Mutilado para sempre … vai ficar o orgulho da nossa Pátria! … Nos seus venerados e sagrados túmulos … ou talvez lá no assento etéreo … quem sabe … advinham-se e pressentem-se as convulsões e o estremecer do espírito eterno e universal dos nossos maiores e gloriosos linguistas … Luís de Camões e Fernando Pessoa … F Inez O Sr. Presidente Jorge Renda não baixou os braços nas primeiras negociações, arregaçou as mangas da camisa e foi ao encontro das entidades sociais sem medo e com o auxílio do Sr. Presidente da Câmara Municipal de Loulé, conseguiu obter os meios necessários para a abertura do lar. O “Lar Ribeira da Tôr” é um dos mais importantes do Barrocal Algarvio. Tem uma capacidade para 71 idosos. O acordo de comparticipação com a Segurança Social, contempla 57 utentes. O “Lar Ribeira da Tôr” está localizado num sítio muito alto com uma vista panorâmica maravilhosa e onde se pode ainda respirar o ar puro da serra. O sonho foi realizado graças à boa vontade de todos os que participaram, de longe ou de perto, para a realização deste projeto. Agradecemos ao Ex Senhor Presidente da Câmara Municipal de Loulé, Dr. Seruca Emídio, ao Ex Senhor Presidente da Associação Social e cultural da Tôr Sr. Diamantino, e a todos os que faziam parte da direção; ao Ex Senhor Presidente da Junta de Freguesia, Sr. Carlos Grade. Não podia esquecer o atual presidente da Câmara, Vítor Aleixo e ao seu Vicepresidente Hugo Nunes, pelo trabalho exemplar a favor desta casa, e não podia esquecer a Presidente da Assembleia Municipal, Drª Teresa Reis Viegas, pelo trabalho extraordinário que tem feito desde do princípio, até a abertura desta maravilhosa casa. Mas sem a força de vontade do Sr. Presidente Jorge Renda e toda a direção atual, este sonho nunca era realizado. Muito obrigado Sr. Presidente. Deve continuar com a mesma força de vontade por muitos anos, porque a maioria da população da Aldeia da Tôr e arredores estão ao vosso lado.

[close]

p. 6

6 22 de maio 2015 A VOZ DE LOULÉ História Desporto Luís Simões, vencedor absoluto do 10º Open Supino LDC Loulé Concelho Luís Simões foi o vencedor do 10.º Open Supino LDC, que se realizou no passado dia 9 de maio. Com 46 repetições de 85 kg, Luís Simões (MaxiGym) alcançou o 1.º lugar desta prova, seguido por Pedro Ribeiro (CyberGym) , que conquistou o 2º lugar com 43 repetições de 75 Kg, e Pedro Pontes (CyberGym), em 3º lugar, com 44 repetições de 65kg. Organizado pelo Departamento de Ginástica e Arte Marciais do Louletano, através da sua secção de Musculação, o 10.º Open Supino contou com quase duas dezenas de atletas em representação de vários ginásios e academias nacionais, Ginásio Clube da Povoa, Louletano D.C., CyberGym, MaxiGym, Altas Gym, ALF Gym e Só Dureza Team, tendo como destaque a presença de atletas de relevo internacional em provas realizadas além-fronteiras. A ocasião serviu também para reconhecer a dedicação ao clube enquanto dirigente e atleta, de Aníbal Pereira, atual Vice- Presidente do LDC, e de Francisco José, médico de profissão e ex- futebolista do LDC. “O LDC, através do técnico Armando Seruca agradece a todos que de forma voluntária colaboraram na organização e realização do evento, nomeadamente ao Prof. Norberto Duarte, e patrocinadores (CM Loulé, Juntas de Freguesia, Direcção do LDC e Empresas/Particulares ). A todos o meu Muito Obrigado!” O Dia Em Que Conheci Um Príncipe Era uma tarde quente de Agosto de 2011. E ele deslocava-se, mais uma vez, à livraria Travessa, no Shopping do Leblon, em pleno Rio de Janeiro, para apresentar aquele que seria o seu último livro. Esse livro compilava João Romero Chagas Aleixo dezasseis desenhos e Investigador Integrado do projetos de capelas, I.H.C - F.C.S.H. / U.N.L. igrejas, basílicas e chagassporting@hotmail.com catedrais que ele tinha projetado ao longo da vida (cf. NIEMEYER, Oscar, As Igrejas de Oscar Niemeyer, 1.ª edição, Rio de Janeiro, Nosso Caminho, 2011, 56 páginas). Sendo ele, desde 1945, militante do Partido Comunista do Brasil, muito se orgulhava de ter projetado esses espaços religiosos um pouco por todo o mundo. Tal facto só teria sido possível, segundo ele, por ter tido uma educação católica, tendo, na sua infância, frequentado sempre colégios católicos. Na apresentação da obra, o autor disse: «Eu senti que deveria dar uma explicação, por que sou comunista e estou fazendo tantas igrejas. Mas nasci em uma família muito religiosa. Meu avô era religioso. Na casa em que eu morei tinha cinco janelas, uma delas transformada em oratório pela minha avó. Tinha missa lá em casa. É uma coisa muito natural». Eu estava nervoso. Algo tímido. O suor escorria-me, como um rio, pelas mãos. Mas não podia falhar aquele momento. Aquele histórico momento. Digno de ser contado a netos. Afim de ganhar confiança emborquei duas caipirinhas. Que, por sinal, estavam fracas. Enchi-me de coragem e fui falar com ele. Com o velho Mestre. Que se encontrava sentado numa cadeira de rodas. Algo debilitado. Observei que ouvia mal. Então, optei por cumprimentá-lo. Simplesmente cumprimentálo. Mas, mesmo assim, fiquei todo orgulhoso. Ele tinha, na altura, 103 anos cheios de vida. Não uma vida cheia de anos, mas, sim, muitos anos cheios de vida. Completaria 104 anos passados quatro meses. E morreria a dez dias de completar os 105. Foi um dos maiores arquitetos do século XX. No Brasil e em todo o Mundo. Deixou-nos mais de 500 projetos da sua autoria. O seu nome era Oscar Niemeyer (Rio de Janeiro, 15.12.1907- Rio de Janeiro, 05.12.2012). E, tal como ele, torcíamos pelo mesmo time: o grande Fluminense! Da sua arquitetura disse, como só ele sabia dizer, o sábio Eduardo Galeano (Montevideo, 03.09.1940- Montevideo, 13.05.2015): «É uma arquitetura livre, como as nuvens. Livre e sensual. Muito parecida com a paisagem do Rio de Janeiro. Com as montanhas do Rio de Janeiro, que parecem corpos de mulheres deitadas, desenhadas por Deus, no dia em que Deus achou que era Niemeyer». CLASSIFICAÇÕES Resultados Finais – Vencedores por Categorias - peso / nº repetições / % Lev. Absoluto Pedro Pontes CyberGym peso 65kg / nº de rep. – 44 / 41.99% Pedro Ribeiro CyberGym peso 75 Kg / nº de rep. – 43 / 42.49% Luís Simões MaxiGym peso 85 Kg / nº de rep. – 46 / 44.43% Bruno Santos Ginásio da C. Povoa peso 95 / nº de rep. – 36 / 36.57% Florindo Figueiredo MaxiGym peso 105 Kg / nº de rep. – 36 / 37.8% Nota: % Lev Absoluto- Formula que envolve peso do atleta com o peso levantado e nº de repetições Vencedores Absolutos do Torneio 1º Luís Simões 2º Pedro Ribeiro 3º Pedro Pontes

[close]

p. 7

A VOZ DE LOULÉ 22 de maio 2015 7 Baja Cidade Europeia do Desporto 2015 No dia 30 de maio, arranca a Baja Cidade Europeia do Desporto 2015, cabendo à cidade de Loulé acolher o pelotão dos principais campeonatos nacionais de TT. Nesta edição, os participantes da Federação Portuguesa de Motociclismo são os primeiros a entrar em ação. A prova começa com um prólogo de 7,8 Km desenhada nas proximidades da Cidade de Loulé, num misto de estradão rápido com bom piso e zonas mais sinuosas e técnicas. Foi criada uma zona de espetáculo para o público de fácil acesso, com boa visibilidade, onde se incluem dois grandes saltos, que permitem aos participantes exibirem-se. No domingo, 31 de maio, a prova é constituída por dois traçados usando os trilhos do triângulo Loulé, Alcoutim e Almodôvar, com 173 e 72 quilómetros. O percurso selecionado é bastante rolante, maioritariamente com bom piso e características muito similares a troços de rali. No maior setor, estão previstas mais duas zonas de assistência, no sítio da Barrada e em Martim Longo. Esta prova está aberta a Automóveis, Motos, Quads, UVT-Buggy e classe Hobby Organizada pelo Clube Automóvel do Algarve, a Baja Cidade Europeia do Desporto 2015 conta com o apoio ativo das Câmaras Municipais de Loulé, Alcoutim e Almodôvar e o patrocínio de Solverde-Casinos do Algarve. Para mais informações consulte o www.clubeautomovelalgarve.pt. Equilíbrio e Redução do Stress João Pery de Lind Fundador do IEPA - Instituto de Energia Piramidal Aplicada e da Terapia Piramidal Portugal. terapeutapiramidal@gmail.com Moneris | Special Olympics Equitação Adaptada Terá lugar hoje, 22 de maio, às 9h30, no Centro Hípico Pinetrees, em Almancil, a iniciativa MONERIS | SPECIAL OLYMPICS EQUITAÇÃO ADAPTADA, iniciativa para pessoas com deficiência do Algarve, contando com uma Prova de Equitação Adaptada. Este evento, que não será só um encontro desportivo, mas também uma oportunidade de interação entre cavaleiros especiais, suas famílias, parceiros diversos e a comunidade em geral, tem como objetivo dar o primeiro passo para a introdução de um modelo mais justo, mais adequado e que permita o ajustamento da competição a cada um dos atletas, respeitando o princípio de equidade. A receção dos atletas inicia-se às 9h00 e as provas às 9h30. Às 13h00 haverá uma pausa para almoço, seguindo-se às 15h00 a entrega de prémios. Esta iniciativa é promovida pela Associação Algarvia de Pais e Amigos de Crianças Diminuídas Mentais (AAPACDM) e pelo Special Olympics Portugal, em parceria com a Associação Portuguesa de Paralisia Cerebral (APPC), Associação para a Intervenção e Reabilitação de Pessoas Deficientes e Desfavorecidas (Existir), Núcleo Especializado para o Cidadão Inclusivo (NECI), Agrupamento de Escolas de Almancil, Centro Hípico Pinetrees, Clube Hípico de Loulé, Associação de Equitação Adaptada do Barlavento, Associação de Equitação para Deficientes do Algarve, e a Vilamoura Equestrian School . Há cada vez mais Pessoas a dormirem dentro de Pirâmides Terapêuticas. Os resultados obtidos por quem dorme “Dentro duma Pirâmide” não podem ser mais positivos! De Viana do Castelo a Faro em Bicicleta adaptada em prol de um “Portugal Sem Barreiras” Jorge Pereira, professor de educação física de 43 anos, e presidente da associação Mobilitas, irá partir de Viana do Castelo, no próximo dia 23 de maio, rumo a Faro, em bicicleta adaptada. O jovem, tetraplégico desde 2013 na sequência de um acidente quando praticava surf, irá percorrer mais de 1.200 quilómetros para “sensibilizar a população portuguesa para as dificuldades vividas pelas pessoas com mobilidade reduzida, e promover a sua integração na sociedade”. Trata-se de uma campanha de solidariedade, intitulada “Portugal Sem Barreiras” que se destina a angariar verbas para comparticipar tratamentos, adquirir equipamentos e melhorar as condições de vida dos que se encontram ligados à associação que Jorge Pereira fundou. “Tenho recebido excelente «feedback» de todo o país, quer seja das autarquias quer das pessoas, através das redes sociais. Há um grupo de pessoas que se está a mobilizar e, por exemplo, em Sesimbra vai ser uma iniciativa de apoio a uma menina que ficou tetraplégica. Esta adesão é muito importante para dar visibilidade ao projeto “Portugal Sem Barreiras” e para divulgação desta causa”, explicou. A Mobilitas, associação sem fins lucrativos criada por Jorge Pereira em 2014, pretende ainda “sensibilizar a comunidade para a autonomia, força de vontade e capacidade de superação de barreiras físicas e mentais”. Após o grave acidente que Jorge Pereira sofreu na praia de Afife, em Viana do Castelo, em julho de 2013, e após meses de recuperação, este tem vindo a promover várias iniciativas “para influenciar positivamente e contagiar a comunidade”. A viagem será transmitida, em direto, diariamente, entre as 13:00 e as 14:00, num endereço da ‘web’ criado para o efeito. Regulação do sono (adormecer de forma instantânea ao deitar no interior da Pirâmide), permitindo atingir a 4ª Etapa do sono ou ondas Delta lentas. Completar todo o ciclo do sono é fundamental para a Saúde e para um despertar revigorado. Redução do Stress, pelo alívio que é exercido da tenso atividade do Sistema Nervoso Central, o que origina a sonolência, quase imediata, ao dormir dentro duma Pirâmide. Regulação do metabolismo, e dos mais variados Sistemas Orgânicos que nos compõem, conseguindo regulações há muito, disfuncionais (Função Renal, p. ex. Sistema Urinário). Eliminação sistemática de Vírus, Bactérias, Radicais-Livres, Parasitas e Protozoários a par do fortalecimento do Sistema Imunitário. Quem dorme dentro duma Pirâmide Terapêutica não se constipa, sequer! Por tudo isto cada vez mais Pessoas estão a dormir dentro de Pirâmides Terapêuticas, beneficiando de todas as suas Virtudes para a Saúde Humana. Mais informações em: www.terapiapiramidalemportugal.blogspot.com E-mail: terapeutapiramidal@gmail.com

[close]

p. 8

8 22 de maio 2015 A VOZ DE LOULÉ Entrevista Adelino Campina Adelino Campina, 58 anos, natural de Loulé, é um dos proprietários do Restaurante “Alambique” situado na Quinta do Lago, e um exemplo de sucesso e conquista, perante os tempos mais complicados da economia, sem esquecer as medidas duras aplicadas à restauração. Juntamente com o seu cunhado e sócio, Paulo Alfredo, 46 anos, Adelino Campina mantém há 18 anos, o negócio de família com 38 anos de vida, dedicado à classe média-alta. A entrega pessoal é o segredo deste empresário de sucesso que não se imagina a trabalhar de outra forma. A Voz de Loulé – A SolGolf iniciou a sua atividade no restaurante “Alambique” há 18 anos. Nessa altura iniciava-se a época de ouro do turismo no Algarve. Comparando esses tempos áureos com a atualidade, que diferenças encontra? Adelino Campina – Começámos na época em que o Turismo do Algarve se começou a diferenciar nos vários mercados que o suportam. Porque o turismo do Algarve não é só o segmento alto, é também o segmento baixo e médio, e todos são necessários. Mas nessa altura começaram-se a definir áreas de mercado. Quanto às diferenças, são algumas. Há 18 anos podíamos pensar em crescimento, em inovação. Há 18 anos podíamos pensar na política da empresa… Hoje não. Hoje pensamos como havemos de satisfazer as necessidades diárias, porque as necessidades correm mais depressa do que a nossa capacidade de pensar e de fazer política de empresa. Por isso, corremos para solucionar os problemas no diaa-dia e para manter o restaurante ao nível que merece. V.L. – O que diferencia o “Alambique” dos outros restaurantes? Qual tem sido o segredo do sucesso, nestes tempos menos áureos? A.C. – Não há muito para diferenciar. Nem segredos. Essencialmente o Restaurante “Alambique” ganha algum valor por nós, eu e o Paulo, estarmos aqui, mantermos uma relação pessoal, humana e de amizade com os clientes. Cultivamos essa relação e essa proximidade. Trabalhamos essencialmente com o segmento médio-alto e temos muito público nacional, principalmente na época alta, mas são os clientes estrangeiros que suportam maioritariamente a nossa atividade, até de uma forma mais regular, nos outros meses do ano, sem que da nossa parte haja qualquer iniciativa de marketing. Por sua vez, a confeção é uma confeção regular, consistente, com produtos de qualidade… e depois há a dedicação. As compras faço-as eu. Quando eu digo a um cliente que algo é bom, é porque sei exatamente o que está em cima da mesa. Vejo todos os lombos que chegam diariamente, todos os peixes …tudo o que acontecer aqui de mal na parte alimentar é da minha responsabilidade. A parte dos vinhos é do Paulo, que normalmente é ele que controla e muito bem. A margem de erro aqui, se existir, é nossa. Eu controlo completamente tudo o que entra aqui, até a cor do legume quando vai para a mesa. Aposto essencialmente na qualidade do produto, na cozinha consistente, e depois casa um bocadinho com a apresentação no fim. Mas não sobreponho a apresentação, o aspeto, o show off, ao significado do produto, se não teria um restaurante para cinco anos e este já tem 36. V.L. – É esse relacionamento próximo com as pessoas, não só com os clientes, mas também com os colaboradores, que vos leva a manter a mesma equipa ao longo dos anos? A.C. – Tentamos…e cerca de 90% da equipa mantém-se a mesma. Depois, além da nossa equipa núcleo, temos também aproveitado para dar oportunidade a jovens que vêm das escolas técnicas, porque as escolas técnicas vieram trazer algo novo e alguma riqueza, que está na relação com a prática, com o cliente, com a vida. Anteriormente, os colaboradores, sem querer falar mal das escolas hoteleiras, vinham excessivamente direcionados para a especialização. E hoje a especialização morre no tempo. Ainda estamos um bocadinho atrasados nisto aqui em Portugal, mas já começamos a perceber que a multiplicação de conhecimentos e funções aumenta a capacidade de trabalho das pessoas, a capacidade de rentabilizar as empresas, a produtividade do trabalho e a qualidade do trabalhador. V.L. – Em termos de cozinha, qual é a vossa aposta? A.C. – Tenho um misto de cozinhas, mas não prescindo da minha cataplana, do meu arroz de tamboril, do meu peixinho grelhado no carvão… não prescindo da qualidade original do produto. Se transformar, puser algum molho, é exclusivamente para criar algum valor adicional. Há duas escolas hoteleiras que são muito importantes no ramo da alimentação, a escola Suíça que também é comum à Francesa, que trabalha especialmente a transformação total do alimento. Estas são escolas que não se aprendem no Algarve, mas do qual eu também não sou muito defensor, embora respeite. Por exemplo, se fizermos Tamboril de Marisco e pusermos um bom Bechamel com três pimentas, e em vez de Tamboril fresco utilizar Maruca congelada, quanto esta descongelar os poros ficam mais abertos e irá absorver o molho… Eu prefiro apostar muito mais na qualidade natural do alimento. Transformo um bocadinho a cozinha francesa, naquilo que entendo que devo transformar, adaptando alguns pratos para manter a qualidade natural do alimento e ponho o molho ao lado, para que a pessoa possa usufruir das duas coisas. E é ali, no meio, no casamento das duas coisas que me parece estar alguma virtude. O que acontece é que alguns juízes avaliadores não sabem por exemplo avaliar o peixe grelhado. Um peixe grelhado no carvão, para mim, tem tanta técnica ou mais do que fazer um bom Dyane Steak. Parece-me a mim que mantenho a qualidade natural do alimento e este é como uma mensagem. Uma mensagem sem significado perde-se no tempo. Um bom alimento tem significado regular para toda a vida. V. L. – A questão das intolerâncias alimentares é atualmente um assunto muito em voga. Pretende incluir essa preocupação nos vossos menus? A.C. – Quando eu vou ao médico, digo-lhe quais são os meus sintomas patológicos. Quando vou à farmácia, sou eu que tenho de dizer na farmácia, quais são os medicamentos a que sou alérgico, não é a farmácia que tem de perguntar todo o conjunto de patologias que suportam a venda daquele medicamento… Por isso, não tenho nada contra, mas parece-me que essa questão irá construir um conjunto de dificuldades à hotelaria, onde cada vez há mais dificuldades, sem que ninguém nos crie alguma facilidade. Penso que tudo quando vier de novo tem de criar um grande valor para o consumidor final para justificar mais esforço ainda da hotelaria. Considerarei fazê-lo se assim for. Mas não se for como aquela legislação em que não há supervisão, que não passa de um conjunto de burocracias, onde a relação causa efeito Empresário louletano de sucesso

[close]

p. 9

A VOZ DE LOULÉ com o consumidor é zero, ou ainda pior, porque a atenção, a disponibilidade, o tempo que os empresários hoteleiros deviam dedicar ao cliente, fica de tal forma absorvido por novas burocracias sem relação causa efeito, que algumas delas já começam a parecer preocupantes. V.L. – Como têm vivido os últimos 5 anos, mais conotados com a crise e o aumento do IVA para 23%? A.C. – Tem sido a resolver problemas de tesouraria sem perder a qualidade. Talvez tivéssemos que reduzir um bocadinho o investimento, talvez tivéssemos que recorrer a instrumentos financeiros… isto porque também não quisemos comprar a guerra com o alojamento, que eu podia ter comprado e comprava com algum sucesso… Mas aí era lutarmos uns contra os outros sem qualquer vencedor. Nenhuma indústria no mundo, tirando a petrolífera, pode sofrer 10% de aumento tão rápido. Nenhuma! E sendo o turismo a terceira indústria do mundo, a caminhar para a segunda, um aumento de 10% é de uma irracionalidade de quem não tem o mínimo de conhecimento organizado sobre a indústria. V.L. – Qual seria, na sua opinião, a solução ideal para esta questão? A.C. – Na minha opinião o que se poderia fazer era pôr o IVA paralelo, ou seja, em vez de aumentar 10% a restaurantes e similares, aumentar 5 % nestes e os outros 5% no alojamento. Mas aí também era estarmos uns contra os outros e no fim todos saiamos derrotados porque o alojamento é que traz as pessoas cá. V.L. – O alojamento tem-se defendido melhor? A.C. – Não. O que me parece é que o alojamento criou lobbies menos bonitos que têm conseguido e têm estado próximos dos centros de decisão de uma forma tendenciosa. V.L. - Espera continuar por muitos mais anos? A.C. – Sim, não espero fazer mais nada atualmente, não tenho jeito para a política, embora tenha grandes amigos na política local. Na política nacional tenho alguma dificuldade em ter amigos, porque convivo muito mal com os partidos. Acho que os partidos são o coração da democracia, mas também são o cancro da democracia. E como não tenho alternativa aos partidos, não conheço democracia sem partidos, quando se fala de política, mantenho-me pelos meus amigos. Vou só pelos amigos e pela pessoa que respeito e não pelos partidos. V.L. – Alguma vez pensou em expandir o negócio? Porque não abriu outros restaurantes? A.C. – Cometi um erro que não mo permitiu, o meu contributo pessoal, a minha presença. Esse cunho pessoal, meu e do Paulo, que é um excelente relações públicas, leva-nos a fechar o restaurante quanto, por alguma razão não podemos estar presentes. Não quero com isto tirar qualquer valor aos nossos colaboradores, mas nós tivemos a política errada, em vez de fazermos um restaurante, fizemos uma gestão de capitais humanos através do contacto sensível, afável, a amizade e isso exige de nós. Sublinhando o grau de comunicabilidade afetiva e profissional dos nossos colaboradores. V.L. – Quais as suas expetativas para o próximo verão? A.C. – Eu acho que Portugal deixou de usufruir de dois instrumentos muito importantes para valorizar e crescer com outros mercados. Primeiro foram os problemas na Croácia, na Jugoslávia, na Turquia... Como sabemos o turismo emergente era o turismo alemão, com hábitos de “meia pensão” e criámos aqui um crescimento do produto “meia pensão”, que permitiu crescermos nesta industria em 10%. Mas transformamos a “meia pensão” e “pensão completa” num produto financeiro e perdemos. Agora temos a seAdelino Campina e Paulo Alfredo gunda oportunidade, porque grandes mercados concorrenciais puseram em causa a segurança, que é só a coisa mais importante nesta indústria. E estou a falar de segurança em termos de comportamento político, de segurança militar, em termos de luta estratégica. Não quero dizer os países, porque não quero prejudicar ninguém, mas todos sabemos que são países que são concorrentes connosco em turismo. Dando um exemplo muito rápido, no Egipto há zonas extremamente ricas, destinadas ao segmento alto, mas certamente que, quando as pessoas pensam viajar para esses países, têm de pensar 3 vezes. V.L. – O que recomendaria a alguém que queira abrir uma casa no ramo da restauração? A.C. – Como hoteleiro digo que, enquanto Portugal não estabilizar, e o Estado não for uma pessoa de bem, qualquer investimento em Portugal é de risco. Como português, diria: venham todos, criem valor, tragam coisas novas, tragam para cá pessoas… mas o problema é que trazer pessoas, criar valor, pode ser a vacina para criar hábitos de necessidade a tipos sociais que realmente não criam valor. São custos, e por vezes são custos pela negativa. V.L. – Que mensagem gostaria de deixar aos seus amigos e clientes? A.C. – Gostaria de deixar uma mensagem para todos os louletanos. Loulé tem sido um Concelho muto privilegiado, porque tem tido uma classe política de uma seriedade que não deixa dúvidas a ninguém. Os que estão, os que tiveram. Quanto às decisões que tomam… os Governos locais são tão dependentes do poder central e de outros instrumentos de decisão, que às vezes aquilo que, a nós público face, nos pa- 22 de maio 2015 9 rece incompreensível, às vezes tem um suporte político e formal que nós desconhecemos, pondo as pessoas, por vezes, em causa. Agora quanto à restauração, também gostaria de deixar uma mensagem. Gostava que o legislador tivesse uma experiência de restauração de pelo menos 15 dias… pelo menos para conhecer o significado daquilo que legisla. O legislador não faz legislação, o legislador faz as leis que o executivo manda, o que altera completamente o princípio da Democracia… Se o legislador não conhece o significado daquilo que está a legislar, e ainda por cima fica vulnerável a um executivo que não domina, nem pouco mais ou menos, aquilo que é legislado, as consequências são negativas por muitos e muitos anos. E aproveito para fazer uma pergunta ao Ministério das Finanças. Pergunto se conhece alguma indústria do mundo, nas primeiras 10 indústrias, excluindo o petróleo, que sofra 10% de aumento e consiga não ter problemas na sua operação. Se conhecer fico calado para o resto da vida. Agradeço a qualquer pessoa, qualquer decisor político, que me possa mostrar essa indústria. A restauração é uma indústria transformadora e os impostos são superiores aos custos com o pessoal. Daí tirem as ilações. Já agora, não quero deixar de dar os Parabéns à persistência que têm mantido à frente do jornal, A Voz de Loulé, onde eu ainda tive o privilégio de trabalhar quando era puto, com 10 ou 11 anos, com o Sr. José Maria. Lembro-me o quão difícil era naquela altura. Cálculo que hoje, com todas as inovações que existem, seja ainda mais difícil manter o jornal. Por isso dou os meus parabéns a toda a Imprensa Regional e a todos aqueles que ainda lutam por ela. Nathalie Dias

[close]

p. 10

10 22 de maio 2015 A VOZ DE LOULÉ Poesia Suspenso programa da SIC gravado no Zoomarine As gravações do programa de Televisão da SIC, “Golfinhos com as Estrelas”, cujo início estava previsto para o dia 19 de Maio, foi suspenso, tanto pelo Zoomarine como pela SIC, no seguimento de dois pareceres desfavoráveis do ICNF e DGAV, entidades que regulam a atividade do Zoomarine em Portugal. As gravações do programa já se encontravam a decorrer no Zoomarine, onde os participantes, várias figuras conhecidas, tinham vindo a receber formação para interagir e melhor compreender os mamíferos aquáticos. Bárbara Guimarães iria ser a apresentadora deste programa familiar, que pretendia dar a conhecer melhor a vida marinha. Em Comunicado, o Zoomarine esclarece que “É convicção, tanto do Zoomarine como da SIC, que estes conteúdos iriam sensibilizar ainda mais os portugueses para esta magnífica espécie marinha, dar-lhes um pouco mais de conhecimento e ajudar as pessoas a mudarem um pouco mais os seus comportamentos, como forma de ajudar à conservação dos ecossistemas marinhos”, acrescentando ainda que “Não esteve nem está em causa, qualquer precedência legal, ou ausência de licenciamento por parte do Zoomarine. Também as condições de segurança e de BemEstar dos animais estão amplamente salvaguardadas, pois esta é a prioridade primeira do Zoomarine no passado, presente e futuro, assegurada por uma equipa de técnicos, dedicada e apaixonada pela sua profissão e pela vida animal.” Condições Natália Dias Pereira Salvador Sousa Fonte de Boliqueime Seja qual for a entidade, Seja o individuo quem fôr, Perde toda a dignidade, Quando perdido o seu pudor. Criatura indefesa, Sem meios para se defender, Facilmente será presa, Nos dentes que a queiram comer. Para onde irá o passarinho, Que do perigo se queira livrar, Foge aflito do seu ninho, Apanha um tiro no ar. A riqueza, não é honra, A arrogância não é bravura, Na honestidade é onde mora, O que eleva a criatura. Geme o pobre p’lo desconforto, Pouco tem para ser feliz, Mas o ganancioso louco, Morre e nunca teve, o quanto quis. Grandes diferenças nas qualidades, Grandes diferenças de condições, Sejam os simples abençoados, E livres das garras, dos leões. Série Documental Histórica da BBC arranca no Concelho de Loulé Uma equipa da BBC iniciou no Concelho de Loulé a rodagem da série «Celts». As filmagens decorreram no passado dia 5 de maio, na Praia do Trafal, com a colaboração do Loulé Film Office, que também passaram pelo Concelho de Almodôvar, tiveram como ponto principal a filmagem das estelas com Escrita do Sudoeste. “Celts” é um novo documentário histórico de três episódios sobre os Celtas, que irá ser apresentado até ao final do ano. Coproduzido com a germânica ZDF, esta série será sobre o mundo e a história dos Celtas ao longo do tempo e a sua área de influência. A realização destas filmagens no Algarve e Alentejo deve-se às novas teorias, que apontam evidências linguísticas entre a Escrita do Sudoeste e a língua Celta. A Escrita do Sudoeste é um dos mistérios e um dos maiores tesouros da arqueologia europeia, uma realidade arqueológica de cariz excecional. Este património cultural e arqueológico, com mais de 2500 anos, apareceu durante a Idade do Ferro e é a primeira manifestação de escrita da Península Ibéria e uma das mais antigas da Europa. Ainda hoje por decifrar, pode-se encontrar no Baixo Alentejo e na Serra do Algarve, onde se conhecem cerca de uma centena de exemplares. Na elaboração do programa aproveitou-se ainda para testar uma nova tecnologia de documentação das estelas. Em colaboração com Marta Díaz-Guardamino da Universidade de Southampton, aplicou-se o Reflectance Transformation Imaging que é o registo de um objeto arqueológico através de várias fotografias onde varia o ângulo de incidência de luz. Após tratamento digital, o processo revela pormenores não visíveis ao olho humano. A produção teve o apoio do Projeto ESTELA, das Câmaras Municipais de Loulé e Almodôvar, da Direção Regional de Cultura do Alentejo, e da Direção Geral do Património Cultural. Na edição de 27 março 2015, no poema «Percursos», houve um lapso no último verso: Foi posta a palavra comprar onde tinha que ser posta a palavra comparar sendo a forma correta do verso a seguinte: O percurso da nossa vida, Quero ao do sol comparar, Só que, ao cair a nossa vida, Não há mais vida para voltar. “Algar ve no tempo dos Dinossauros”: Descoberta de Anfíbio vai ser tema de conferência Amanhã, 23 de maio, pelas 16h00, o Museu Municipal de Loulé recebe a Conferência “Algarve no tempo dos dinossauros”, apresentada pelo paleontólogo Octávio Mateus. Nesta iniciativa será abordado o estudo recentemente publicado sobre a descoberta na freguesia de Salir, Concelho de Loulé, de uma nova espécie de anfíbio (Metoposaurus algarvensis) que viveu no Período Triásico, há cerca de 200 milhões de anos, altura em que viveram alguns dos primeiros dinossauros. Recorde-se que, além deste paleontólogo da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa e do colaborador do Museu da Lourinhã, o estudo inclui ainda investigadores das Universidades de Edimburgo, Birmingham e Museu de História Natural de Paris. Octávio Mateus é professor no Departamento de Ciências da Terra, Faculdade de Ciências e Tecnologia, da Universidade Nova de Lisboa. Esta iniciativa tem entrada livre.

[close]

p. 11

A VOZ DE LOULÉ 22 de maio 2015 11 Imobiliária Moradia V4 – Vale da Rosa - Loulé Ref.CL 1287 Apartamento T1–Quinta do Lago Ref. CL 1255 Loulé-Goncinha Ref.320 Genealogia 545.000 euros Moradia V3+1 com excelente vista mar e campo, situada a pouca distância do centro de Loulé numa zona muito valorizada. Constituída por três quartos, um em suite, três casas de banho, cozinha... www.citylook.com.pt AMI: 7056 Tlf. 289 411 389 Loulé Ref. 917 159.000 euros Apartamento T 1 inserido em condomínio privado situado na Quinta do Lago a poucos metros das melhores e exclusivas praias da Europa. Vista mar e lago, condomínio fechado com piscina, bonitos jardins e segurança. www.citylook.com.pt AMI: 7056 Tlf. 289 411 389 Almancil Ref. 657 V3 Nova desde 350.000 euros Moradia geminada V3, 178m 2 perto de Loulé. 1 suite, 3 WC, amplas varandas, piscina e domótica. GPS:N 37º 7’ 20’’ W 8º 0’ 56’’ www.goldenhouse.pt Tm. 919 692 013 Manuel da Silva Costa Engenheiro Agrónomo pelo Inst. Superior da Agronomia de Lisboa mscosta2000@hotmail.com AMI: 7299 Baião Ref. 936 Almancil 495.000 euros Moradia situada perto de Loulé com 4 Quartos (2 em suite, 1 com vestiário). Garagem, Piscina e Jardim. Aquecimento central, Ar condicionado e Lareira. www.vilas-bota.com AMI: 3360 Tlf. 289 391 625 Redução de preço: 250.000 euros - 150.000 euros 240.000 euros MORADIA TRADICIONAL com 4 quartos. Lareira, BBQ e garagem com espaço para 2 carros.Zona muito tranquila. Terreno 5.200m². Perto de ALMANCIL (5 minutos), PRAIAS e CAMPOS DE GOLFE 5 minutos. www.vilas-bota.com AMI: 3360 Tlf. 289 391 625 Moradia com 3 Quartos, 1 Casa de banho, Sala de estar, Cozinha e Armazém. Anexo com várias divisões. Excelente oportunidade. Precisa de algumas obras. Área do terreno: 7.240m² www.vilas-bota.com AMI: 3360 Tlf. 289 391 625 Ornitologia À Descoberta da Avifauna da Fonte Benémola A Associação “Os Barões” da Nave do Barão, Freguesia de Salir, organiza no próximo dia 30 de maio, uma visita guiada na Paisagem Protegida Local da Fonte de Benémola, à descoberta da fauna e flora. A iniciativa tem especial foco na observação de aves, assistindo a uma atividade de anilhagem de aves nesta área protegida. A visita contará com a colaboração de um técnico da Divisão de Ambiente, Espaços Públicos e de Transportes da Câmara Municipal de Loulé e com a colaboração de António Marques, anilhador credenciado pelo Instituto de Conservação da Natureza e Florestas, responsável da Estação de Anilhagem N.º 11 da Fonte Benémola. As inscrições são limitadas a 40 participantes e podem ser feitas na Nave do Barão, na sede da Associação ou pelo mail associacaoosbaroes@gmail.com ou pelo telemóvel 962638117, até ao dia 24 de maio. Vende-se SondaLoulé Sondagens e Captações de Água, Ld.ª Manuel António Guerreiro O apelido Baião vem da vila no Porto com o mesmo nome. Foram das cinco principais famílias de infanções, tal como Sousas, Braganças, Maias e de Ribadouro, que “andaram a filhar o reino de Portugal” (Livro Velho, 1270). A linhagem Baião remonta ao Conde Ero Fernandes de Lugo (895, 926) que seria filho do Conde Fernan “Niger” de Castrosiero (+927) e de Gontiña Diaz (E. Sáenz, 1948). Fernan era filho do Juíz de Castela Munio Nunez “Rasura” de Brañozera (+860) e de Argilona; neto de Nuno Rodriguez; bisneto do Conde Rodrigo Froilaz de Castela; trineto do Duque Fruela Perez da Cantábria e pentaneto do Duque Pedro da Cantábria (+730)... Pedro descendia, por sua vez, dos Reis Visigodos Recaredo (586-601) e Leovigildo (568-586). Gondesendo Eriz (910-947) foi filho de Ero Fernandes e de Ausenda e fundou os mosteiros de Azevedo, Sanguedo, Santa Marinha e Dides na Galiza. Desposou Inderquina Mendes “Pala” (+<947), filha do Conde de Coimbra Hermenegildo Guterres e de Ermesenda Gatones e tiveram Soeiro. Soeiro Gondesendes (947, +<964) fundou o Mosteiro de Sever do Vouga. Do casamento com Goldregodo nasceu Gondesendo. Gondesendo Soares (964) foi pai de Arualdo (J. Mattoso, 1987). Arualdo Gondesendes do Baião (983, 1020, 1027) foi senhor do Baião e de Azevedo. Morreu de uma seta no cerco de Viseu (1027). Casou com Ufa filha do Duque Gasoindo e de Mona dos Godos e foram pais de Goido Arualdes e de Gosendo Arualdes do Baião. Gosendo Arualdes do Baião foi senhor de Baião e de Penaguião e Vicarius regis de D. Fernando “Magno” (1037-1065). Foi pai de Egas (D. Pedro Conde de Barcelos, 1344). Egas Gosendes do Baião , Mordomo (1116) de D. Teresa de Portucal, casou com Useo Viegas, filha de Egas Hermiges “o Bravo” e de Gontinha Eriz, que fundou o Mosteiro de Freixo em Amarante. Foram pais de Godinho Viegas de Azevedo e de Hermígio Viegas do “Baião” que continuou a linhagem. A família é conhecida em Loulé desde 1291, quando João Baião demarcou o relego de Alcaria (M. F. Botão, 2009). Moradia a pouca distância do centro de Loulé, perto da estação Rodoviária, com ampla vista panorâmica mar e campo. 6 quartos, sala, cozinha, 3 WC s, terreno 9.000 m2, CE - F. 475 000 euros Contacto do próprio 963 519 907 e 934 252 343 Vale da Rosa - Caixa 198 A 8100-331 Loulé Telf.: 289 41 57 12 Fax: 289 435 034 Tlm: 91 7268 792

[close]

p. 12

12 22 de maio 2015 A VOZ DE LOULÉ Naturalmente Inaugurado novo Lar Ribeira da Tôr Ciclo de Investimentos em Equipamentos Sociais no Município de Loulé completo Foi inaugurado no passado dia 7 de maio, com a presença do Secretário de Estado da Solidariedade e da Segurança Social, Agostinho Branquinho, a Estrutura Residencial para Idosos “Lar Ribeira da Tôr”. Trata-se de mais um importante equipamento social cuja conclusão encerra o ciclo de investimentos realizados no Município de Loulé em matéria de novas construções sociais, e que rondou os 4,5 milhões de euros de financiamento da Autarquia. “Com esta estrutura residencial fecha-se um ciclo que procurou colmatar as carências ao nível dos equipamentos sociais, seja na criação de Lares de Idosos, de Centros de Dia e de Centros de Acolhimento, seja de outras medidas de apoio temporário ou permanente às IPSS’s sedeadas no Município”, referiu o presidente da Câmara Municipal de Loulé, Vítor Aleixo. Com capacidade para albergar 71 utentes, distribuídos por 12 quartos simples, 19 duplos e 7 triplos, o Lar Ribeira da Tôr permitirá o apoio domiciliário a 40 novos utentes, assegurando a permanência dos idosos na sua residência, com o devido apoio técnico e institucional. Como explicou o presidente da Associação Social e Cultural da Tôr, entidade responsável pelo espaço, “este será um equipamento social de excelência para a prestação de apoio social, de cuidados de saúde e para o desenvolvimento de atividades adequadas à promoção da qualidade de vida dos idosos, preservando e fortalecendo os laços familiares”. “Aqui os idosos têm a oportunidade de residir num local privilegiado, junto da natureza. Daremos primazia ao trabalho de qualidade que desenvolvemos junto de cada um deles, tranquilizando os familiares e garantindo que aqui serão tão bem tratados como em suas casas”, garantiu Jorge Renda. Por outro lado, este equipamento irá criar 35 novos postos de trabalho, numa freguesia marcada pela desertificação e envelhecimento da população. Este investimento realizado no âmbito do POPH - Programa Operacional do Potencial Humano teve um investimento total, incluindo terrenos, projetos, construção e equipamento fixo que rondou os 2,3 milhões de euros, suportados pela Segurança Social e fundos comunitários (1.465 mil euros), Câmara de Loulé (606 mil euros), antiga Junta de Freguesia da Tôr (46 mil euros) e Associação Social e Cultural da Tôr (185 mil euros). Neste momento o presidente da Câmara Municipal de Loulé, Vítor Aleixo, sublinhou o papel das instituições de solidariedade social do Concelho que têm dado um importante contributo para a resolução dos problemas “ligados maioritariamente à atenuação da pobreza e exclusão social”. Esta disponibilidade destas entidades em colaborar está, de resto, presente no recente trabalho de campo realizado pela Universidade do Algarve, no âmbito do estudo “Loulé Incluso”. A título de balanço realizado na área social, o autarca falou não só dos 4,5 milhões de euros investidos nos “numerosos equipamentos sociais construídos no território louletano, praticamente em todas as freguesias” mas também de ações como o programa “Loulé Solidário”. “Este programa tem constituído uma singularidade da nossa ação política que bem evidencia o quão problemáticas são as desigualdades sociais no nosso Concelho e o quanto precisamos de pôr em marcha uma política pública de solidariedade ativa, como de há muito não havia memória”, frisou Vítor Aleixo. Apesar de considerar que neste momento a taxa de cobertura no Concelho “é bastante satisfatória”, o autarca mostrou-se preocupado quanto ao futuro já que a tendência é que o índice de envelhecimento suba de 1,33 para 1,95 em 2031. Mª José Dias Instruída em Alimentação Saudável mj_naturalmente@sapo.pt Leite Condensado (caseiro) Muitas vezes deparamo-nos a fazer contas, quando percebemos que algumas receitas utilizam ingredientes que as tornam dispendiosas. O leite condensado, utilizado em muitas sobremesas de Verão, como gelados, bavaroises, mousses, etc, é um desses produtos. Assim, hoje trago-vos esta receita caseira de leite condensado, super rápida e económica, para que possam fazer saborosas sobremesas. - 1 Taça de chá de leite em pó - 1 Taça de chá de açúcar branco - 1/2 Taça de chá de água a ferver - 2 Colheres (sopa) de manteiga - 2 Colheres (sopa) de maizena Coloque no liquidificador, os ingredientes pela seguinte ordem: a água a ferver, a manteiga, o açúcar, o leite em pó e a maizena. Bata por 5 minutos na velocidade máxima, ou mais um pouco até obter a consistência desejada. Se desejar poderá adicionar mais um pouco de leite em pó para engrossar o preparado.

[close]

p. 13

A VOZ DE LOULÉ 22 de maio 2015 13 Passatempos Quebra - Cabeças N.º 32 Desafie a sua mente Reflexões Palavras Cruzadas N.º 29 Artesanato as tradições de um povo «Deus sonha, o homem quer, a obra nasce. É assim quando a imaginação e a persistência comandam a mão humana e levam a traçar verdadeiras obras de arte. Os materiais servem de Luís Simões cobaias e a sovela de Comunicador sapateiro, a agulha e o teor não são mais do que meros instrumentos de uma mensagem maior, que não necessita de livros para ser bem transmitida. A força interior, o trabalho das mãos, a sabedoria da experiência e a paciência para fazer trabalhos demorados e laboriosos são as armas secretas dos trabalhos desvendados. Da costa verde minhota, às terras áridas do sul ou às ilhas dos arquipélagos, o percurso é o de um verdadeiro mosaico e de “manta de retalhos” de formas artesanais. Os materiais são os mais variados: desde os da terra como o barro, o linho, o couro, a madeira, o cobre, a pedra... aos do rio e do mar como o vime, o esparto, o bunho ou o osso de baleia. O que é importante caros leitores d’ “A Voz de Loulé”, é ter imaginação para dar formas ao que se pretende fazer. E isso os portugueses do país real têm! in Sopas de Letras in Multi Cruzadas Benzeduras Soluções Palavras Cruzadas N.º 28 O Padre Nosso às avessas Amém mal o todo de Senhor, livrai-nos mas tentação em cair deixeis nos não ofendido, tem nos quem a perdoamos nós como assim, ofensas nossas as Senhor perdoai-nos hoje dai nos dia cada de nosso pão o Céu no como terra na assim vontade vossa a feita seja, reino vosso o nós a venha, nome vosso o seja santificado. Céu no estais que nosso Pai. Comparações e semelhanças Classificados VENDE-SE Apartamento T4 Muito Central, c/ garagem Impecável. 289 438 186/964 540 004 -----------------------------------Apart. T3, 2 wc, 2 terraços em Loulé. Telf. 0049 1781 7077 52 -----------------------------------Lote 720 m2, Urb Res. do Parque, em Loulé. Telf. 0049 1781 7077 52 -----------------------------------VENDE-SE Roulote Bar, Marca Pyc, pronta a funcionar 917 284 522 -----------------------------------PROCURA-SE | ARRENDAR T1 ou T2, rés-do-chão ou 1.º andar, com cozinha equipada, no centro de Loulé. 918 947578 - 289 489 674 -----------------------------------Armazém com 150 m2 na Rua da Marroquia, S. Sebastião, Loulé. 964 961 040 - 289 413 369 -----------------------------------DIVERSOS Sr.ª cuida de idosos em suas casas e/ou Cuida de casas vazias. Contactar Fátima Silva 918 990 632 -----------------------------------PROCURA RENTABILIZAR A SUA PROPRIEDADE? Somos uma empresa especialista em gestão de arrendamento de curta e longa duração. HSR Gest 915 735 443 -------------------------------------PRECISA-SE / ALGARVE POLIVALENTE para hotel 289 388 288 in O Verdadeiro Livro de Benzeduras Fases da Lua LUA Lua Nova Quarto Crescente Lua Cheia Quarto Minguante DIA 18 maio 25 maio 2 junho 9 junho As coisas do mundo são como a lua, que nunca permanece de uma mesma maneira, antes para cada dia têm sua figura. Assim como a terra, que não é lavrada, cria espinhos e cardos: assim a alma, que não é exercitada na virtude, cria Tomás Fernandes malícia e maus Aldeia da Tôr pensamentos. Assim como os alamos sobem muito para cima, mas não dão fruto: assim as palavras dos vangloriosos sobem em seus louvores, sem aproveitarem em seus costumes. Assim como a planta cortada do tronco logo se seca: assim a virtude separada da humildade não dura. Assim como o rio nos campos vai rompendo e cavando a terra: assim nos cobiçosos o discurso das riquezas vai roendo e cortando a consciência por onde passa. Assim como o cavalo rege pelo freio e a nau pelo leme: assim o homem se há-de regar pela razão e pela verdade. FICHA TÉCNICA Propriedade/Editor: Goldenhouse – Med. Imob. Edição e Comércio de Jornais, Lda; NIF. 505 139 260; ISSN – 2182-0104; Inscrição na ERC nº. 119251; Sede, Redacção e Administração: Rua 1º de Dezembro nº 26 B · 8100-615 Loulé; Tel: 289 463 054; Fax: 289 417 150; E-mail: geral@avozdeloule.com; Tiragem por número: 6800 Exemplares; Diretora e Administradora: Nathalie Dias, CPJ Nº TE-808; Grafismo e Paginação: Isaura Inácio e Verónica Chapuça; Jornalistas: Verónica Chapuça, N.º 9764; Impressão: CORAZE – Oliveira de Azeméis; E-mail: geral@coraze.com; Distribuição: Portugal, Europa, América do Norte, América do Sul, África, Austrália Quinzenalmente às sextas-feiras MRW, CTT, Iberomail Colunistas: António Grosso Correia, Carlos Cupertino, Carlos Manso, Ciência na Imprensa Regional, DECO, Francisco Bota Inez, Hélio Ramos, Isidoro Cavaco, Ivone Dias Ferreira, João Chagas Aleixo, Johnson & Johnson LifeScan, Luís Mendes Guerreiro, Luís Simões, Manuel da Silva Costa, Manuel Mendes Farias, Maria João Portela, Maria José Dias, Martins & Echevarria, Mira, Natália Sousa, Neto Gomes, Pedro Pimpão, Quirino Mealha; Tiago Martins. Registado no Ministério da Justiça; (Secretaria Geral sob o n.º 119521); Depósito Legal N.º 108766/97.

[close]

p. 14

14 22 de maio 2015 A VOZ DE LOULÉ Barão, Salir. - Com 61 anos, faleceu no dia 12 de abril, José de Azevedo Rodrigues, residente em Quarteira. - Faleceu no dia 18 de abril, com 95 anos, Serafina Batista Mogo, residente em Salir. - Com 90 anos, faleceu no dia 19 de abril, Luísa da Silva Deodato, residente em Boliqueime. - Faleceu no dia 19 de abril, com 98 anos, Alice Guerreiro Cavaco, residente em Benafim. - Com 90 anos, faleceu no dia 23 de abril, Maria do Carmo Cavaco, residente em Boliqueime. - Faleceu no dia 25 de abril, com 58 anos, Rogério Manuel Nobre Sério Dias, residente em Loulé. - Com 77 anos, faleceu no dia 25 de abril, Celeste Viegas Matias, residente em Salir. - Faleceu no dia 25 de abril, com 86 anos, Maria de Lurdes Cabrita, residente em Alte. - Com 59 anos, faleceu no dia 25 de abril, Diamantino Soares Cordeiro, residente em Alte. - Faleceu no dia 25 de abril, com 92 anos, Joana da Silva Afonso, residente em Loulé. Estes funerais foram realizados pela Agência Funerária José Rosa & Filhos, Lda, Tel. 289 462 271 - Com 59 anos, faleceu João Manuel Martins da Fonseca, residente em Loulé. - Faleceu com 52 anos, Francisco Manuel Durão Martins Leitão, residente em Almancil. - Com 73 anos, faleceu Vitorino Maria Francisco, residente em Loulé. - Faleceu com 86 anos, Maria Rosa dos Santos, residente na Alfarrobeira, Loulé. - Com 94 anos, faleceu Leonor Rodrigues Baeta, residente no Vale da Venda, Almancil. - Faleceu com 86 anos, José Pontes Vida Errada Sequeira, residente em Boliqueime. - Com 75 anos, faleceu Manuel Guerreiro da Silva, (Manuel Palhinha), residente em Quarteira. - Faleceu com 71 anos, Maria Graciete Dias Silva, residente em Loulé. - Com 90 anos, faleceu Belmiro Gomes Martins, residente no Parragil. Funerais Trasladações de todo o tipo para o País e Estrangeiro Necrologia LOULÉ TANCREDO JESUS DOS SANTOS 76 anos Loulé Obra na Rua Serpa Pinto adiada para setembro As obras de Repavimentação da Rua Serpa Pinto em Loulé, cujo arranque estava inicialmente previsto para o dia 4 maio, só terão início no mês de setembro. Esta decisão foi tomada após reunião entre o executivo municipal, comerciantes e residentes nesta artéria e nas ruas adjacentes. Considerando que se aproxima o verão, altura de maior dinamismo comercial na cidade de Loulé, e por sugestão dos comerciantes, os responsáveis AGRADECIMENTO Filho, companheira e restante família desejando evitar qualquer falta involuntária por desconhecimento de moradas, servem-se deste meio para tornar público o seu mais profundo reconhecimento a quantos se dignaram acompanhar o seu ente querido à última morada, ou que por qualquer outro meio lhes manifestaram o seu pesar, amizade e solidariedade. Para todos o testemunho sincero da nossa gratidão. Agência Funerária João & Vítor Tel. 800 209 254 BENAFIM JOÃO DOS RAMOS GRAÇA 91 anos AGRADECIMENTO Esposa, filhas, genro, netos, bisnetos e restante família agradecem a todas as pessoas que testemunharam a sua amizade acompanhando o seu ente querido até à sua última morada ou que de qualquer outro modo manifestaram o seu pesar por este doloroso acontecimento. Para todos a nossa gratidão. Agência Funerária João & Vítor Tel. 800 209 254 - Faleceu no dia 30 de abril, com 66 anos, Aristides Conceição Santos, residente em Loulé. - Faleceu no dia 3 de maio, com 74 anos, Maria da Graça Nunes de Sousa Aquino, residente em Quarteira. - Com 77 anos, faleceu no dia 5 de maio, Maria da Natividade Afonso Rodrigues, residente em Quarteira. - Faleceu no dia 6 de maio, com 74 anos, Reinaldo Arvela Veiga, residente em Alte. - Com 74 anos, faleceu no dia 6 de maio, Reinaldo Arvela Veiga, residente em Alte. - Com 66 anos, faleceu no dia 7 de maio, Álvaro Veiga, residente em Quarteira. - Faleceu no dia 8 de maio, com 81 anos, Manuela Jesus Raiado, residente em Loulé. - Faleceu no dia 9 de maio, com 76 anos, Tancredo Jesus dos Santos, residente em Loulé. - Com 70 anos, faleceu no dia 11 de maio, Gracinda Coelho Guerreiro Dionísio, residente em Quarteira. - Faleceu no dia 14 de maio, com 91 anos, Maria Martins Machado, residente na Tôr. - Com 92 anos, faleceu no dia 15 de maio, Vitória de Sousa Carapeto, residente em Loulé. Estes funerais foram realizados pela Agência Funerária João & Vítor Tel. 800 209 254 - Faleceu no dia 6 de abril, com 99 anos, José da Silva Soares, residente em Boliqueime. - Com 73 anos, faleceu no dia 7 de abril, Amândia Jorge Domingos, residente em Betunes. - Faleceu no dia 8 de abril, com 89 anos, Deolinda Martins, residente na Nave do da Câmara Municipal de Loulé decidiram adiar a obra já que os trabalhos levarão a alguns condicionalismos na circulação rodoviária e pedonal, não só na Rua Serpa Pinto mas também noutras artérias circundantes. Recorde-se que face à degradação desta importante via ao nível do pavimento e, sobretudo, das suas infraestruturas, esta obra consistirá na remoção total dos pavimentos e infraestruturas existentes (rede de abastecimento de água e rede de drenagem de esgotos domésticos e pluviais), com a consequente criação de novas infraestruturas e repavimentação. AGÊNCIA FUNERÁRIA GIL BARRETO , Unip, Lda Av. Marçal Pacheco, 112 Telf. 289 462 946 Telf./Fax 289 414 269 8100 - 505 LOULÉ Urb. Carreira de Tiro, Bl.I Praceta Salgueiro Maia Tel. 289 118 521 8000 - 189 FARO E-mail: agenciafungilbarret@sapo.pt Site: www.agenciafungilbarreto.pt 289 462 946 - 289 118 521 (24 HR.) Agência Funerária José Rosa & Filhos, Lda ARTIGOS FÚNEBRES E RELIGIOSOS Tratamos de toda a documentação Tel. 289 462 271 Fax 289 416 845 Praça D. Afonso III, 21 e 23 965 805 506 -968 033 276 8100 LOULÉ FERREIRAS / ALBUFEIRA - 289 548 039 ALGOZ - Tel./Fax 282 575 572 - 966 340 239 - 964 283 736

[close]

p. 15

A VOZ DE LOULÉ 22 de maio 2015 15 Algarve ACRAL realça importância do lançamento da pós-graduação em Dieta Mediterrânica A criação na Universidade do Algarve, já no próximo ano letivo, de uma pós-graduação em Dieta Mediterrânica é para o presidente da associação empresarial ACRAL, Victor Guerreiro, “um passo fundamental na consolidação da região como porta-estandarte da classificação de Portugal enquanto Património Imaterial da Humanidade no âmbito da Dieta Mediterrânica”. “Temos de realçar esta iniciativa da Universidade do Algarve enquanto resposta prática à necessidade de criar no terreno condições para o máximo aproveitamento da classificação da UNESCO atribuída a Portugal e que tem como comunidade representativa Tavira e, por via desta, o Algarve”, refere o presidente da ACRAL. “Vemos esta aposta da universidade como mais um passo que pode efetivamente ser aproveitado a curto / médio prazo pela economia real para valorizar a classificação atribuída pela UNESCO. “ No caso da ACRAL, diz Victor Guerreiro, “o lançamento do projeto Produto Algarve, nas suas vertentes de certificação e de potenciador da exportação de produtos regionais, está, também, a pôr em prática um meio efetivo de valorização dos produtos regionais, muitos deles representativos das tradições produtivas, transformadoras e de consumo da Dieta Mediterrânica”. Poesia SALIR E A TRADIÇÃO (Festa da Espiga 2015) Isidoro Cavaco Poeta local isidorocavaco@gmail.com Há quarenta e oito anos Que neste lugar mostramos: As tradições do passado, E vamos continuar, P’ra que possam recordar E reviver com agrado. Todos os anos se faz, Esta festa que nos traz À memória as tradições; Por isso aqui se recria, Artes que o povo sabia E hoje são recordações. Esta terra já antiga Faz a Festa da Espiga, P’ra mostrar a toda a gente, Como era o seu viver E p’ra dar a conhecer A vida de antigamente. E assim desta maneira, Desfilamos sem canseira, P’ra manter a tradição. Vamos ver a desfilar, Artesões a trabalhar Como nos tempos de então. O povo vem com vaidade Mostrar a realidade Da cultura e tradições; Para alguns é novidade, Para muitos só saudade, P’ra outros recordações. O tempo está a mudar, Mas Salir teima em mostrar P’ra não deixar esquecer, Como era o dia a dia E como aqui se vivia E a tradição não morrer. Prolongado por mais um ano a isenção de custos de gestão da Bolsa de Terras Foi prorrogado por mais um ano o período inicialmente previsto para a isenção das taxas de gestão da bolsa de terras. A bolsa de terras foi criada em dezembro de 2012 e pretende facilitar o acesso a terrenos agrícolas a quem desejar investir na atividade, sobretudo aproveitando terrenos que se encontram abandonados. Neste período de funcionamento já foram efetuadas bastantes operações e, só por vezes, as burocracias do estado têm atrasado alguns processos. A isenção de taxas de gestão tem sido um grande incentivo para levar os proprietários que pretendem vender os seus terrenos a colocaremnos na bolsa de terras e executar as suas transações através desta estrutura. Tornava-se, portanto, importante prorrogar a sua isenção de taxas de gestão, o que foi agora feito pelo governo, através da portaria 128/2015. A bolsa de terras é um instrumento que visa potenciar o máximo aproveitamento dos terrenos agrícolas portugueses, tornando-se numa ferramenta fundamental para o aumento da produção agrícola, que nos pode levar à autossuficiência alimentar. Outro contemplado com jackpot de 10.277,00 euros no Casino de Vilamoura Cliente que frequenta o Casino com alguma assiduidade foi contemplada com Jackpot no dia 17 de maio, na máquina 76302 – jogo “Return of the Phoenix” no valor de 10.277,00 euros. Este prémio é resultante de um Jackpot associado a 8 máquinas ligadas em link.Os Casinos do Algarve continuam a surpreender na atribuição de prémios, através de apostas mínimas, e a provar que simples moedas podem mudar completamente uma vida!

[close]

Comments

no comments yet