Revista RADAR - Edição 106 - Online

 

Embed or link this publication

Description

Revista de Presidente Venceslau/SP

Popular Pages


p. 1



[close]

p. 2



[close]

p. 3



[close]

p. 4



[close]

p. 5



[close]

p. 6



[close]

p. 7



[close]

p. 8

CARTA AO LEITOR Mais uma edição de Radar chega até você. Estamos sempre preocupados com a sua informação e com as notícias que acontecem em Presidente Venceslau e região. Este é o exemplar de número 106 de Radar. Já estamos consolidados no mercado e somos sempre lembrados quando o assunto é jornalismo, e é isso que pretendemos continuar fazendo aqui. Nosso trabalho gira em torno da notícia e do que pode fazer parte do campo histórico das cidades. Sempre digo que cada exemplar é como se estivéssemos um capítulo do roteiro de uma comunidade. Na capa destacamos o Deputado Federal de Presidente Venceslau Sérgio Olimpio Gomes, conhecido no cenário político como Major Olimpio. É uma honra para Presidente Venceslau ter um representante no Congresso Nacional. Ele chega com cara de quem vai ficar um bom tempo por lá, pelo seu estilo combativo e fidelidade do eleitorado que aumenta a cada pleito. Falamos de sua história, suas pretensões em Brasilia e também mostramos a relação enorme de projetos que já foram apresentados por ele nesses primeiros meses de mandato. Na entrevista, o assunto é psicopedagogia clínica. Fomos conversar com uma especialista no assunto, Rosiani Tortola Bonini para levar as informações desta área até as famílias que precisam deste tipo de trabalho junto às crianças. Esta edição ainda destaca o trabalho de diversos vereadores em Presidente Venceslau, o cenário noticioso doméstico atual desses três primeiros meses, o lançamento da Campanha “Eu compro aqui” da Associação Comercial e Industrial de Presidente Venceslau e a importância da realização de cursos do Empretec na cidade. A parte trágica fica para as mortes ocorridas em acidentes que abalaram a sociedade venceslauense durante o mês de março. Ainda mostramos diversas mensagens alusivas às mães. No mês que vem tem mais. Um abraço para todas as mamães pela passagem de Maio. Boa leitura 8 11 12 ENTREVISTA Rosiane Tortolla explica como a psicopedagogia auxilia na educação. TUFY JR. Preocupações com o funcionalismo público. CURTINHAS Revitalizando o PMDB A volta do pátio. Telefonia celular SEGURANÇA 25 Oste paulista a região 38 mais segura do estado. recursos para Presidente Venceslau. COMÉRCIO Empretec forma terceira turma em Venceslau. Venceslau é campeão em Estrela do Norte. QUALIDADE Folha Ribeirinha realiza jantar de premiação para empresas e SOCIEDADE EM MOVIMENTO Confira a movimentação da sociedade regional. 27 Eliseu Bayer busca 28 40 PRÊMIO TOP DE 44 personalidades de 2014. 13 A volta do pátio. CAPA 14 Major Olímpio o segundo venceslauense a ocupar uma cadeira no Congresso Nacional. ENIGMA Vereador Mestre Tota lança gincana cultural “Enigma do dias das Mães”. 29 TRÂNSITO Acidentes de trânsito causam perdas irreparáveis. COMÉRCIO 30 Aciprev lança campanha “Eu compro aqui”. 31 RAPHAEL DO FÓRUM Um mandato diferente. 17 32 LITERATURA 34 REGIÃO Móveis, como 18 João tudo começou. Cão na Linha - Dica Pet. ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Nove dias sem água no Jardim Ipanema. Professor Pimenta lança seu primeiro livro. Chuvas alagam rodovia Raposo Tavares. 20 36 ESPORTE Secretaria de Esportes movimenta cidade. EXPEDIENTE PROJEÇÃO Revistas e Prop LTDA-ME Direção: Isabel Cristina M. D. Moré Rua: Henrique Dias, 163 Fone: (18) 3271-6795 E-mail: isabel.more@hotmail.com CNPJ: 19.492.054/0001-40 PRESIDENTE VENCESLAU-SP CTP, Impressão e acabamento CIPOLA - Inteligência Gráfica Rua: Átila Bitencourt, 152 Fone: (18) 3311-0510 www.cipola.com.br PRESIDENTE PRUDENTE-SP Direção de Jornalismo Toninho Moré Designers Jonathan Bispo / Thadeu Arias Diagramação Jonathan Bispo / Thadeu Arias Fotografia Mauricio Barbosa / Toninho Moré Publicidade Carlos Breith / Homero Silva / Toninho Moré Redação Claudio Almeida / Juliana Garcia / Toninho Moré Jornalista Responsável Gustavo Dantas L. Moré MTB 54.156/SP Tiragem 1.500 exemplares Término desta edição 16h20 do dia 04/05/2015 Toninho Moré

[close]

p. 9



[close]

p. 10

ROSIANI TORTOLA BONINI PSICOPEDAGOGA CLÍNICA Rosiani_tortola@hotmail.com Rosiani – Sou Especialista em Psicopedagogia Clínica e Institucional, pelo CEVEA - Presidente Venceslau, Especialista em Educação Especial – Deficiência Intelectual, pela UNIFAC – Botucatu, Graduada em Letras e Pedagogia, pela FAFIPREV em Presidente Venceslau. Atuo como Psicopedagoga Clínica em consultório particular e sou professora da pós-graduação em Psicopedagogia Clínica e Institucional. Radar - O porquê do interesse pela psicopedagogia clínica? Rosiani – O interesse pela Psicopedagogia se deu por dois motivos principais: um é o fato de gostar muito de crianças, elas são uma caixinha de surpresas, isso em qualquer idade, e o outro é o fato de que eu já tive dificuldades para aprender e precisei de ajuda, mas naquele tempo eram poucas as opções de tratamento, então meus pais preocupados comigo começaram a me ajudar e incentivar com os estudos, e tive uma professora de matemática que começou a olhar diferente para mim e me ensinar de maneira individual, assim fui pegando gosto pelos estudos e entrei no grupo das melhores alunas da sala. Tanto que comecei a ajudar meus amigos com as lições e os estudos para a prova. Vários deles começaram a frequentar a minha casa para que eu os ajudasse com os estudos, e o melhor era ver os resultados positivos. Lembro-me que quando eu fazia CEFAM, passávamos o dia na escola, e no horário do almoço, na semana de provas, meus amigos pediam para eu explicar os conteúdos da prova, e por várias vezes o professor chegava e eu estava na lousa ensinando-os. Até os amigos das salas vizinhas pediam para ouvir as explicações, e nós deixávamos é claro! Radar - A senhora esteve um tempo atuando no setor público. Como foi essa experiência? E agora a senhora mantém um consultório próprio? Rosiani – Olha, foi uma boa experiência trabalhar no setor público. Foram 10 anos de trabalho. Iniciei no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), e tive a oportunidade de trabalhar com uma equipe de especialistas como terapeuta ocupacional, enfermeiros, assistentes sociais e psicólogos, e este fato colaborou com minha experiência profissional. No CAPS, trabalhava com adultos através de grupos terapêuticos, cujas patologias eram esquizofrenia, deficiência intelectual, depressão, síndrome do pânico, transtorno obsessivo compulsivo e dependentes químicos. Assim que me formei em Psicopedagogia Clinica, recebi a proposta de trabalhar no Ambulatório de Saúde Mental (ASM), que faz parte do CAPS, mas meu trabalho seria voltado para o atendimento com crianças e adolescentes com dificuldades e distúrbios em aprendizagem, como TDAH, dislexia, autismo, TOC, entre outros transtornos, embora gostava do trabalho anterior, aceitei, pois estava crescendo profissionalmente. Enquanto estava no serviço Publico, já atendia em consultório e dividia a sala com uma amiga, hoje devido a procura, tenho meu consultório próprio que fica na Clínica Interação. Radar - Fale-nos sobre a psicopedagogia. Rosiani – A psicopedagogia é uma área do conhecimento que estuda a construção do conhecimento, como acontece o processo de aprendizagem nos indivíduos. Através da psicopedagogia, podemos avaliar a criança e verificar o que está atrapalhando o seu desempenho, e Foto: Maurício Barbosa Radar - Qual a sua origem? Rosiani – Sou natural de Presidente Venceslau, filha de João Tortola Neto e Maria Rosa Tortola; irmã de Rosemeire Tortola Rodrigues e Reginaldo Tortola, e sou casada com José Carlos Bonini. Radar - Porque a residência em Piquerobi? Rosiani – A residência em Piquerobi se dá pelo fato do meu esposo ter suas origens lá. Há aproximadamente oito anos quando me casei, decidimos que devido aos nossos horários de trabalho seria mais fácil eu viajar ao invés dele, então, mudamos, mas estou todos os dias em Venceslau, incluindo finais de semana. Radar - A senhora tem um currículo extenso. Fale sobre ele.

[close]

p. 11

a partir daí descobrir caminhos de como esta aprendizagem pode acontecer. Até porque costumo dizer por onde passo que aprender é um processo natural, é algo é nato ao ser humano, pois qualquer pessoa pode aprender, mas em ritmos diferentes. O trabalho da psicopedagogia está voltado para prevenção e reabilitação das dificuldades e distúrbios da aprendizagem. Radar - Porque os pacientes estão situados na faixa etária de crianças, adolescentes e jovens? Rosiani – A minha clientela está direcionada a esta faixa etária, pois está ligada ao processo de aprendizagem. Atendo crianças, adolescentes e jovens com dificuldades para acompanhar os estudos que consequentemente apresentam problemas emocionais. Geralmente, estes são os que mais investem nas terapias justamente por estarem ligados ao processo escolar. Já atendi uma senhora que estava estudando no EJA e não conseguia aprender, e os resultados foram maravilhosos. Também atendi um jovem que não conseguia tirar carta de motorista, e outro para fins de benefício, mas a procura é mínima. Foto: Maurício Barbosa dades também na escrita, trata-se de um modo diferente de processar as informações), Autismo e alguns casos simples com dificuldade para aprender. Sem contar que existem os casos com comorbidades, ou seja, mais de uma patologia no mesmo indivíduo, como por exemplo a dislexia mais TDAH. Sobre a cura é complicado falar, mas vamos lá, a aprendizagem humana está totalmente aberta às novas aquisições e as sinapses neurais são efetivamente aumentadas quando temos boas metodologias e planejamentos, sendo assim, os casos de dificuldades simples podem voltar a ser assintomáticos, geralmente precisa de ajuda por curto prazo devido ao contexto em que está vivendo, já os casos que se enquadram como distúrbio, ou seja, TDAH, dislexia, autismo e deficiência intelectual entre outros, não existe cura, mas existe reabilitação, caminhos, muitas vezes com ou sem medicação, que permite que o paciente apresente melhoras e aprenda conviver com o distúrbio apresentado. Porém, esta melhora em qualquer um dos casos é de extrema importância a participação da família, do próprio indivíduo e da escola. coisas como: andar, falar, pegar objetos, entre outras que vão acontecendo conforme a idade. Ao notar algum atraso no desenvolvimento, a família já pode buscar orientação médica a fim de verificar se há indícios de algum problema. Outra possibilidade de perceber é quando a criança apresenta comportamento diferente dos demais, não conseguindo por exemplo, ficar sentado por muito tempo, ser muito agitado, falar demais, dificuldade em esperar sua vez, grande necessidade de mexer mãos ou pernas, dificuldade em seguir regras e/ou instruções, evitar atividades que exijam esforço mental, querer sempre desafiar o outro, não conseguir dar um recado, ser dependente dos pais para desempenhar atividades, não conseguir se alfabetizar, não ter bom relacionamento com os amigos, ter dificuldade para aprender, recusar-se de ir à escola e assim por diante. Estes eu diria que são os mais comuns e fáceis de perceber. Radar - Qual a duração de um tratamento? Rosiani – A duração do tratamento depende de cada caso. Casos que se enquadram como dificuldades simples podem durar em torno de 6 a 8 meses, dependendo do atraso. Quando a família e a escola percebem que tem algo errado e buscam ajuda mais cedo, com certeza o tratamento é mais rápido, mas quando o atraso é maior, pode-se estender um pouco mais. Casos mais graves como autismo, TDAH, dislexia e deficiência intelectual, demoram um pouco mais, até porque a terapia estimula as habilidades que faltam ao paciente e servem como suporte. Destes a maioria fica em atendimento por dois anos e quando necessário retornam num futuro para atendimento. Porém, tenho crianças que fazem terapia em torno de 3 anos. Quando acontece do prazo ser maior, procuro deixar estas crianças num período de férias acompanhando as férias escolares (julho, dezembro e janeiro). Existem muitos casos que a terapia é necessária durante todo o processo escolar. É importante destacar que as dificuldades podem ser momentâneas, enquanto que os distúrbios são para a vida toda. Radar - Ao que a senhora atribui dentro da sociedade o surgimento destes distúrbios e dificuldade? Rosiani – Os estudos mostram que existem diversos fatores que colaboram com É importante que a família esteja sempre atenta às fases do desenvolvimento da criança. Radar - Entre os distúrbios, qual é o mais frequente? Existe cura para vários deles? Rosiani – Dentre os distúrbios mais frequentes no consultório está o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), Deficiência Intelectual, Dislexia (distúrbio na leitura que acarreta dificulRadar - Como uma família consegue perceber algum problema comportamental ou neurológico na criança? Rosiani – É importante que a família esteja sempre atenta às fases do desenvolvimento da criança. A partir do nascimento, a criança começa a se relacionar com o mundo e precisa aprender uma série de

[close]

p. 12

as dificuldades e distúrbios de aprendizagem, como os fatores neurológicos ou orgânicos, específicos, emocionais e ambientais. Os fatores orgânicos podem ser decorrentes da genética, ou até mesmo após o nascimento do bebê, ou ainda decorrente de algum trauma que deixou sequelas. Os fatores específicos muitas vezes parecem ser orgânicos, mas não são comprovados, são aqueles relacionados à coordenação motora. Os fatores emocionais estão ligados ao contexto em que a criança vive e como ela age diante dos problemas, pois cada criança responde emocionalmente de maneiras diferentes diante de situações como divórcio, abandono dos pais, super proteção, morte de pessoas próximas, e assim por diante, colaborando com o surgimento de insegurança, baixa tolerância à frustração, ansiedade, baixa autoestima e até mesmo depressão infantil. Como fatores externos tem se a escola, família, e sociocultural. Todos os fatores citados podem afetar negativamente a vida de um indivíduo, trazendo-lhe problemas em sua vida escolar, familiar e social. Radar - Existe a falta deste profissional na área pública? Rosiani – Sim, depois que eu saí do serviço público em Presidente Venceslau não foi contratado outro Psicopedagogo, sinto muito por isso, pois a cada ano aumenta o número de crianças que necessitam de tratamento na área da psicopedagogia. Muitas vezes quando vou nas escolas acompanhar os casos de pacientes que eu atendo, seja em Venceslau, Marabá, Anastácio ou Piquerobi, os educadores sempre pontuam a necessidade de muitos alunos serem encaminhados para terapia psicopedagógica, mas não são devido ao fator financeiro por parte das famílias e falta deste profissional pelo SUS. Radar - Psicopedagogia Clínica tem muito a ver com a inclusão social? Rosiani – Sim, tem tudo a ver! A inclusão traz uma nova proposta, um novo paradigma para a educação. Fala-se na inclusão de crianças, adolescentes e jovens com necessidades educacionais especiais, com deficiências específicas, em escolas comuns, na rede regular de ensino, seja ela municipal ou estadual. Mas sabese que esta clientela necessita de muito apoio individualizado dificultando de certa forma, o trabalho do professor. Mas para a inclusão de fato acontecer é necessário que todos os profissionais que fazem parte da saúde e da educação e os familiares também mudem seus pensamentos e principalmente suas atitudes em relação à inclusão, e mudar não é fácil. Muitas vezes na prática psicopedagógica é preciso fazer orientações e propor mudança de metodologia para a escola dependendo do caso, como por exemplo, provas orais, ledor para prova, letras maiores nas atividades, e percebo que muitas escolas já estão se movimentando para atender às minhas solicitações, mas ainda a passos lentos, mas também é preciso entender que situações de inclusão muda toda a rotina da escola e esta ainda não se encontra preparada. Radar - Está satisfeita com a sua profissão e trabalho? Rosiani – Com certeza estou! Amo o que faço. E a cada dia estou mais apaixonada. É muito gratificante você saber que pode colaborar, ajudar alguém a ser uma pessoa melhor, ganhar confiança, autoestima, e superar os problemas e dificuldades enfrentados. Tenho pacientes que fizeram tratamento comigo devido ao TDAH e dislexia, por exemplo, que ingressaram em Faculdade e mesmo com dificuldade se dedicam aos estudos e tenho certeza de que vão se dar muito bem na vida. Da mesma forma, pacientes com limitações intelectuais que ganharam autonomia e trabalham no comércio e desempenham suas funções muito bem. Radar – Faz planos para continuar os estudos? Rosiani – Com certeza. Estou sempre buscando me aprofundar nos estudos. Faço cursos que me interessam e que vão me ajudar na prática profissional. Recentemente fui para Cuiabá conhecer um novo protocolo de avaliação - o PLIN, e ainda pretendo me especializar em Neuropsicopedagogia Clínica. Meus planos são para este ano, ou mais tardar em 2016 iniciar os estudos. Já estou buscando os lugares que oferecem esta pós graduação, e sei que em Cuiabá, Bauru e São José do Rio Preto, estão oferecendo, já entrei em contado com as faculdades e aguardo confirmação. Radar - Qual a sua mensagem? Rosiani – Não desistir nunca! Todo ser humano pode aprender, cada um de uma maneira muito particular. Uns precisam estudar mais, outros menos, mas todo aquele que quer e se receber a ajuda adequada, com certeza vai conseguir. O desejo é tão importante quanto à atitude. É preciso valorizar cada passo alcançado mesmo que pequeno. Aos pais e responsáveis, digo com toda certeza: um filho, deficiente ou não, necessita de regras, limites, carinho, amor, dedicação na dosagem certa. Tanto o excesso quanto a falta podem prejudicar e muito a vida de um indivíduo. É preciso sabedoria e esta conquistamos diariamente.n Não desistir nunca! Todo ser humano pode aprender, cada um de uma maneira muito particular. Foto: Maurício Barbosa

[close]

p. 13

Tufy Junior pede informações sobre cargos comissionados Preocupado com os gastos excessivos da folha de pagamento da Prefeitura Municipal de Presidente Venceslau, o vereador Tufy Nicolau Jr. (PSDB) apresentou requerimento na Câmara Municipal solicitando ao Poder Executivos se há possibilidade de substituir todos os cargos comissionados por servidores de carreira com exceção dos secretários. Tufy vê desta forma, de que o prefeito municipal possa desonerar a folha de pagamento, modernizá-la e ainda valorizar e incentivar o servidor de carreira. Há um dado importante nesta reinvindicação, pois se um cargo for ocupado por um servidor de carreira no lugar do comissionado, a prefeitura pagará o salário que ele já recebe mais a complementação do cargo que exerce. “Imagine que hoje a prefeitura tenha 100 cargos comissionados e cada um receba R$ 1.500,00, a administração teria em torno de R$ 120.000,00 de economia, quantia que poderia ser utilizada de obras, manutenção de obras ou mesmo atendimento da saúde”, disse Tufy Junior. Esse requerimento foi enviado no dia 4 de maio para o executivo que deve respondê-lo em um prazo de 15 dias. “Entendo que se trata de um assunto polêmico, mas precisamos valorizar e incentivar os nossos funcionários públicos e com isso economizar para o município”, conclui o vereador. postos em dia. De acordo, com pesquisa realizada em cidades que já implantaram o PROAGRIDA houve uma diminuição em até 30% na inadimplência dos imposto municipal e desta forma aumento na arrecadação. Vale Educação Outra preocupação do vereador Tufy Nicolau Junior é relativa ao auxilio financeiro a compra de materiais e uniformes dos estudantes municipais de Presidente Venceslau. O vereador enviou o requerimento ao prefeito para saber quais são os trâmites em torno desse auxilio financeiro e pretende fazer uma indicação ao executivo para que o mesmo crie o “Vale Educação”, que seria uma forma de equalizar a compra em torno de um valor único, feita apenas nas empresas credenciadas, especificamente de Presidente Venceslau. “Esse vale já foi implantado em vários municípios com sucesso, pois além de incentivar o aluno a ir para a escola, ainda desenvolve um espirito de cidadania em cada família, além de fomentar o comércio local.n Inclusão Digital Outro requerimento enviado para o executivo de autoria do vereador Tufy Nicolau Junior é para que o prefeito estude a possibilidade de efetuar a inserção digital nos lares de Presidente Venceslau. Para tanto, o prefeito teria que criar um projeto de lei atrelado ao recebimento do IPTU. Teriam acesso gratuito à internet os munícipes que estivessem em dia com o imposto, pois além do benefício seria e estímulados a quitar suas dividas com a municipalidade. A prefeitura economizará e arrecadará mais em função da regularização das dividas dos que aderirem à campanha e assim mantiverem seus im- “Entendo que se trata de um assunto polêmico, mas precisamos valorizar e incentivar os nossos funcionários públicos e com isso economizar para o nosso município”

[close]

p. 14

Foto: Mauricio Barbosa REVITALIZANDO O PMDB Presidente Venceslau O prefeito Jorge Duran, notou que poderia revitalizar um dos mais importantes partidos políticos de Presidente Venceslau. O PMDB estava em ritmo lento na política venceslauense. Seus ex-líderes trocaram de partido, deixando o espaço para os vereadores Nilson Scalon e Serafim Gomes. Duran está promovendo o realinhamento do partido que poderá ser comandado a partir de agora pelo seu chefe de gabinete Élcio Gomes Júnior. Desta forma, com o PMDB ao seu lado o prefeito Jorge Duran ganha mais representatividade na Câmara Municipal, com mais dois vereadores em sua bancada de apoio.n ÍNDICE LARVÁRIO Em todas as cidades da região, neste ano, foram anotados muitos casos de Dengue. Em Presidente Venceslau a situação não foi diferente. Notamos no entanto, de que houve um desgaste muito forte entre o setor de endemias com a população. Depois de muitos anos, vimos novamente, o carro de nebulização passando pela ruas da cidade. A reclamação do pessoal da Sucen ficou por conta do descaso que a população tem com os seus quintais. Os agentes de endemias disseram que mesmo com a realização de diversos mutirões de limpeza, passam alguns dias e o morador deixa sujar tudo de novo. Com isso fica difícil derrubar o índice larvário em vários pontos da cidade.n Presidente Venceslau A VOLTA DO PÁTIO Presidente Venceslau Em junho deve voltar a funcionar em Presidente Venceslau o pátio de recolhimento de veículos. O retorno deste serviço foi solicitado ao prefeito Jorge Duran para que o trabalho auxilie no policiamento de veículos da cidade. Duran deve instalar o novo pátio com recursos da prefeitura, e o serviço de guincho terceirizado. O local escolhido para ser instalado o novo pátio é no espaço de fundo da FAIVE. O local onde funcionava o pátio antigo era alugado e deve ser entregue ao dono. Atualmente a maioria dos carros que estava apreendido no pátio de recolhimento era do Judiciário e todos os veículos serão encaminhados para o espaço do estado que fica na cidade de Regente Feijó. n Fonte: Google/imagens Foto: Thadeu Arias

[close]

p. 15

ALÔ, ALÔ, NÃO CONSIGO TE OUVIR!... A telefonia celular continua em petição de miséria em Presidente Venceslau. Em alguns pontos da cidade, é preciso fazer muito exercício para conseguir completar e fazer o diálogo total em uma ligação. Muitos falam que a questão é a presença dos presídios e os bloqueadores, mas não, o problema está na falta de investimentos e colocação de mais torres de propagação e recepção do sinal pela cidade.n Fonte: Google/imagens Foto: Mauricio Barbosa SAÚDE NA ESTRADA Presidente Venceslau O Posto Kaó de Presidente Venceslau realizou nos dias 29 e 30 de abril o programa “Saúde na Estrada” em parceria com a Secretaria de Saúde de Presidente Venceslau e a Ipiranga. Este tipo de promoção reúne pessoas que estão viajando pela rodovia Raposo Tavares além de muitos caminhoneiros. Foram feitos exames de audiometria, glicose, IMC, AIDS, exames de vista, consulta com dentistas, massagem, corte de cabelo, ginástica aula livre e outros. Além desses exames e atendimento ao público foram sorteados uma TV de 32 polegadas fogareiro, termolar, lâmpadas, rádios px, óleo e promoções com combustível e lubrificantes. Também foram instalados cama elástica, distribuição de sorvete, algodão doce e pipoca. Os organizadores comentaram que o Programa Saúde na Estrada da Ipiranga é importante, ocorre em todo país e através dos anos vem sendo elemento importante de auxílio a população em geral.n ESTAÇÃO DE ESGOTO Correria na administração municipal de Presidente Venceslau. O prefeito Duran e a Secretaria de Saneamento trabalham rápido na Estação de Esgoto Norte, que já está pronta para o serviço de recuperação da água, mas falta energia e água potável para o pessoal que trabalhará no local e por isso, precisa da instalação de um transformador e da perfuração de um poço. A pressa é que a mesma seja inaugurada o mais rápido possível.n Presidente Venceslau Foto: Mauricio Barbosa

[close]

Comments

no comments yet