Sinpol Abril 2015

 

Embed or link this publication

Description

Sinpol Abril 2015

Popular Pages


p. 1

Informativo Oficial do Sindicato dos Policiais Civis - Ano XXI - Abril de 2.015 - nº 220 Foto: Feipol/SE CONTINUA A GUERRA CONTRA O Sinpol continua se mobilizando para pressionar o governo do Estado, sobretudo nas questões do efetivo, salário e das principais reivindicações da categoria. No início do mês, o presidente do sindicato, Eumauri Lúcio da Mata, participou de reunião na Feipol/SE. O vice-presidente Célio Antonio Santiago e os diretores Júlio César Machado e Fátima Aparecida Silva, por sua vez, reuniram-se com o deputado estadual Welson Gasparini, para cobrar apoio à categoria. Leia na página 08. ALCKMIN INVESTIGADOR PRESIDE CÂMARA DE  DIG Ribeirão apreende grande quantidade de anabolizantes;  Sinpol participa de reunião da Comissão de Segurança Pública; Jurídico conquista novas vitórias em aposentadorias;  Policiais civis de Araraquara solucionam morte de menor;  DISE Ribeirão descobre drogas em carro apreendido;  Policiais civis de Franca desmontam fábrica clandestina de bebidas alcoólicas;  Veja o que foi destaque nos DPs da região em Radar e Parabólica;  DISE São Carlos prende traficantes e apreende drogas. E MAIS: DIG DE ARARAQUARA PRENDE AUTORES DE LATROCÍNIO Foto: Divulgação O policial civil Rogério Antonio ocupa, desde 01 de janeiro, a presidência da Câmara Municipal de Morro Agudo. Trabalhando na delegacia da cidade desde seus 14 anos, ele é investigador há 25 anos. Tem a Instituição no sangue: é filho e cunhado de carcereiros. Quando se elegeu pela primeira vez, foi o vereador mais votado, na ocasião, na história da cidade. Saiba mais na página 09. MORRO AGUDO Impresso Especial 9912250402 - DR/SPI Sinpol CORREIOS Foto: DIG Araraquara SINPOL - Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto Rua Goiás, 1.697 - Campos Elíseos - Ribeirão Preto - SP CEP: 14085-460 - Fone: (16) 3612-9008 Fone Jornal: (16) 3610-2886 - jornaldosinpol@uol.com.br Abril/2015 Morte de taxista que causou dor e revolta na cidade foi esclarecida pela DIG, que prendeu os suspeitos nos estados de Pernambuco e Bahia. Veja como foi na página 07.

[close]

p. 2

SÃO CARLOS Em dois casos distintos, policiais da especializada prenderam “mula” que levava droga para Fernandópolis e outro que escondia cocaína no vaso sanitário O ano de 2015 não tem sido fácil para os criminosos que se aventuram no tráfico de entorpecentes. A DISE tem realizado constantes operações e vem desenvolvendo várias linhas de investigações. Os resultados vêm sendo sentido nas últimas semanas, com apreensões e prisões de envolvidos. Numa delas, a equipe comandada pelo delegado titular da especializada, dr. Edmundo Ferreira Gomes, foram apreendidos 10 tijolos de maconha, pesando um quilo cada um, totalizando cerca de 10 quilos da droga. O caso passou a ser apurado quando os policiais civis receberam uma denúncia anônima dando conta que um homem iria embarcar com a maconha no terminal rodoviário de São Carlos, com destino à cidade de Fernandópolis, extremo norte do Estado, próximo às divisas com os estados de Mato Grosso do Sul e Minas Gerais. O denunciante informou que o homem faria o trabalho de “mula”, aquele que carrega a droga, a pedido do traficante, que vai encaminhar a “encomenda” para outra região. Ele descreveu a aparência do denunciante com riqueza de detalhes. Após receber a denúncia, dr. Edmundo coordenou a equipe para que se posicionasse na Rodoviária sem levantar suspeitas que pudessem alertar o portador da droga e afugentá-lo. O objetivo era prender o homem e apreender a droga. Uma vez traçada a operação, os policiais civis foram a campo e ficaram na Rodoviária até o horário em que teria a partida de um ônibus que passaria na cidade de Fernandópolis. Próximo à plataforma de embarque, a equipe da DISE identificou um homem com as características passadas pelo denunciante e efetuou a abordagem. O servente de pedreiro, A.C., de 25 anos, tentou negar que estivesse transportando droga. Ao ser revistado, os policiais civis nada encontraram. Porém, ao abrir uma mala que ele carregava, encontraram 10 tijolos de maconha escondidos em meio a peças de roupa. A. recebeu voz de prisão em flagrante e foi encaminhado à sede da especializada. Durante depoimento, ele admitiu que estava fazendo serviço de “mula”. Em entrevista à imprensa, o delegado revelou que ele receberia R$ 1.000 para realizar esse serviço. “Ele não informou o nome de quem o contratou, nem para quem entregaria. Disse que se desse qualquer informação, colocaria em risco a vida de toda a sua família. Ela já possuía passagens pelo mesmo crime”, informou o dr. Edmundo. O objetivo dos policiais civis da DISE é agora identificar o traficante que contratou A. e identificar o local onde o carregamento foi pego. O delegado quer saber para quais cidades as drogas são comercializadas e identificar outras possíveis mulas. O homem foi conduzido para o Centro de Triagem e, posteriormente, transferido para o Anexo de Detenção Provisória de Araraquara. Vaso sanitário Em outro caso, registrado no dia 19 de março, policiais civis da DISE prenderam um homem na Rua Nelson Fonseca, bairro São Carlos VIII. A equipe estava investigando um suposto traficante de drogas. Depois de realizar campanas, a equipe chefiada pelo dr. Edmundo concluiu que o local apresentava as características de ponto de venda de drogas. Imediatamente foi pedido mandado de busca e apreensão, devidamente atendido pela Justiça. Os policiais da especializada rumaram, então, para o local em questão e, ao chegarem, abordaram um homem de 25 anos. Ele até tentou negar que houvesse droga na casa, mas após revista no imóvel, os policiais civis localizaram maconha, cocaína, embalagens para venda de entorpecentes e uma pequena balança de precisão escondidas no vaso sanitário do banheiro da casa. Além disso, os policiais civis encontraram uma caderneta contendo a contabilidade do tráfico e uma quantia em dinheiro. O homem recebeu voz de prisão e foi encaminhado ao Centro de Triagem, sendo posteriormente levado para o Anexo de Detenção Provisória de Araraquara, onde vai aguardar à disposição da Justiça. Fotos: Dise São Carlos DISE APREENDE DROGAS Acima, equipe da DISE de São Carlos; ao lado parte da droga apreendida pelos policiais civis, que vêm realizando um grande número de prisões de envolvidos com o tráfico e apreensões de entorpecentes 02 Abril/2015

[close]

p. 3

FRANCA Durante ação que começou após conclusão de investigações de denúncia anônima, foram apreendidos mais de 120 mil produtos entre garrafas, caixas e maquinário Policiais civis do 3º DP (Distrito Policial) de Franca realizaram uma importante ação no dia 18 de março, na periferia da cidade. Eles descobriram um barracão que funcionava como uma verdadeira linha de produção de bebidas alcoólicas. Produtos como aguardentes e destilados à base de jurubeba e catuaba eram produzidos no local e comercializados em bares nas periferias de Franca e cidades da região. A ação foi desencadeada após os policiais civis receberem informações anônimas sobre a produção que ocorreria num barracão localizado na área rural, na zona norte da cidade. Imediatamente o titular do 3º DP de Franca, dr. Leopoldo Gomes Novais, reuniu os investigadores Diego, Rogério, Kauzio e Ademar e juntos foram até a área apontada na denúncia. Em pouco tempo localizaram um barracão, que encontrava-se fechado no momento da abordagem. Logo que entraram, os policiais civis constataram a existência da linha de montagem para bebidas alcoólicas e chegaram a se impressionar com o maquinário disponível. Analisando as máquinas para manufatura dos produtos, os policiais civis encontraram dispositivos de lavagem das garrafas, instalação de tampas metálicas e milhares de rótulos e tampas plásticas, que seriam amoldados nas embalagens para envasar a bebida. Em entrevista à imprensa, dr. Leopoldo informou que havia algo ainda pior do que a falsificação das bebidas alcoólicas. Era o fato de como o material ficava acondicionado. O delegado informou aos jornalistas que as bebidas produzidas estavam acondicionadas em galões de agrotóxicos, enquanto aguardavam para serem envasadas em seus respectivos recipientes plásticos e de vidros. Além disso, o local não tinha as mínimas condições de higiene. Estava infestado por mosquitos insetos em geral e animais peçonhentos. Diante do quadro encontrado, dr. Lepoldo requisitou perícia técnica e a presença de agentes da vigilância sanitária no sítio onde a linha de montagem foi descoberta. De acordo com o delegado, foram constatadas diversas infrações graves à legislação sanitária municipal. Isso motivou com que os produtos fossem imediatamente descartados, exceto aqueles que serão analisados pela perícia e vão servir de prova contra o dono da propriedade. No local não havia ninguém presente no momento das diligências, mas os policiais civis do 3º DP prosseguem nas investigações. Ele já é considerado foragido e, caso não se apresente à autoridade policial, dr. Leopoldo pretende pedir sua prisão preventiva junto ao poder Judiciário. Ele deve responder por crime contra a saúde pública - em decorrência da falsificação de bebidas alcoólicas, tornandoas nocivas à saúde humana. Crime que pode render de quatro a oito anos de reclusão. A equipe agora quer saber se os “botecos” que compravam as bebidas produzidas naquele local tinham conhecimento da situação precária em que eram produzidas e também se eram produtos falsificados. Durante a ação, foram apreendidos mais de 120 mil produtos, entre garrafas vazias, cheias, caixas para acondicionamento e todo o maquinário utilizado para a falsificação de bebida alcoólica. Foto: portal gcn.com.br POLICIAIS CIVIS DESMONTAM DESTILARIA CLANDESTINA Mais de 120 mil objetos foram apreendidos por equipe coordenada pelo dr. Leopoldo, o titular do 3º DP de Franca DIA DAS MÃES NA CHÁCARA DO SINPOL O Sinpol está preparando um domingo repleto de atrações para celebrar o Dia das Mães. A Chácara do Sinpol vai receber a Banda Beatriz e Gabriel. Além disso, brincadeiras com palhaços, pintura facial, pula-pula e muita diversão. E, para sacramentar o evento, a Tradicional Feijoada do Ano, com preços acessíveis. Participe do Dia das Mães na Chácara do Sinpol. Será em 17 de maio de 2015. Mais informações na Central de Atendimento Sinpol, fone (16) 3612-9008. Reservas antecipadas para a feijoada com o Paulo da Cantina, fone (16) 99398-6912. Garanta hoje mesmo sua presença. Abril/2015 03

[close]

p. 4

EDITORIAL Se perguntássemos a qualquer policial civil, nos anos 1970, qual sua maior necessidade, ele falaria sem sombra de dúvidas: reajuste salarial. Se fizéssemos a mesma pergunta na década seguinte, a resposta seria a mesma. E tornaria a se repetir nas duas décadas seguintes. Infelizmente, a partir dos anos 1970, o salário pago ao policial civil, em todas as carreiras e em todas as classes, foi sendo achatado pelos governos estaduais. Criou-se a “fórmula mágica” de culpar o servidor público, que sempre pede reajuste. A ponto de, nesse período, o então governador de São Paulo, Paulo Maluf, dizer que a professora não ganha mal, mas é mal casada, justificando o não pagamento de reposição salarial daquela categoria de servidor público. Pois a coisa mudou. Assim que nos distanciamos da virada do século, a situação se agravou a ponto de mudar a resposta. Não porque o policial civil esteja contente com seu salário. Pelo contrário. A cada ano que passa seu poder aquisitivo vem sendo aniquilado. Ele vem sendo expropriado em sua dignidade, ganhando cada vez menos. Mas de alguns anos para cá, se perguntarmos ao policial civil qual sua maior necessidade, não haverá dúvida da resposta: recursos humanos. Falta efetivo. E a situação está cada vez A EXPEDIENTE mais grave. Não falta muito para que a Polícia Civil feche, definitivamente, as portas de sua história de glórias e tradição. Principalmente no interior do Estado. Faltam policiais civis de todas as carreiras. Além de remunerar muito mal, o governo ainda se dá ao luxo de contratar sem o menor critério. Primeiro que o governo esquece-se de valorizar a vocação. Para seguir carreira da Polícia Civil não basta ser concurseiro. É necessário ter vocação. A Instituição chega a ser um sacerdócio. Ou se é policial civil 24 horas por dia, 365 dias por ano, ou não se é. Mas o governo demora a repor. Vem fazendo concursos de forma ineficiente. Há muito tempo notamos que os concursos anunciam muitas vagas, mas não preenchem. Em parte isso se dá por conta dos concurseiros. Pessoas que dedicam seu tempo aos estudos com o objetivo de ingressar numa carreira pública. E nunca estão satisfeitos. Mesmo tendo sido aprovado num, o concurseiro está de olho em outro concurso. E em parte, pela incompetência do governo estadual. Tomemos por exemplo os últimos concursos para oficial administrativo, escrivão e investigador. Cada um foi realizado em um prazo diferente do outro. Em datas distantes. Tivemos a contratação de vários oficiais administrativos. Muitos CONTA NÃO FECHA deles também foram aprovados para escrivão e investigador. Recentemente saiu o resultado para escrivão. Muitos oficiais administrativos vão pedir baixa, com vistas à carreira que remunera melhor. E esses mesmos candidatos, que devem iniciar a academia lá por volta de agosto, podem ter sido aprovados para investigador e estarem de olho nesta outra carreira. Resultado: o governo convocou oficiais administrativos, que vão deixar as vagas novamente em aberto para assumir na carreira de escrivão. Depois, se aprovados e chamados para investigador, vão deixar nova lacuna de escrivão para seguir outra carreira. Só pode ser brincadeira. As vagas nunca serão preenchidas, enquanto o governo não agilizar os concursos públicos e adotar critérios que evitem tamanha incompetência em preencher as vagas minimamente necessárias para que a Instituição possa funcionar. Também é necessário lembrar ao governo que, sem uma remuneração decente, candidatos vocacionados serão cada vez mais raros entre aqueles que estão prestando concurso. Senhor governador, deixe de falácia e salve a Polícia Civil. EUMAURI LÚCIO DA MATA Presidente do Sinpol (Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto) O Jornal do Sinpol é uma publicação oficial, de circulação mensal, do Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto. Rua Goiás, 1697 - Campos Elíseos CEP: 14085-460 - Ribeirão Preto - SP e-mail: sinpolrp@sinpolrp.com.br Diretoria: Presidente: Eumauri Lúcio da Mata Vice-Presidência: Célio Antonio Santiago, Darci Gonzales, João Gonçalo Palaretti, Dorlei Morales, Luís Henrique Maringolli de Lima e José Gonçalves Neto; Suplentes: Adilson Massei, Sérgio Ribeiro dos Santos, Luiz Henrique Batista, Carlos Henrique Carneiro Scarparo, Targino Donizete Osório, Adhemar Pereira da Costa e Cláudio Expedito Martins; Secretários: Fátima Aparecida Silva e Doracy Alves da Silva; Suplentes: José Álvaro Ament Júnior e Luís Henrique Zanoello. Diretores Financeiros: Júlio Cesar Machado e Carlos Henrique Pischiotini; Suplentes: José Angelo Marques e Josiane Kátia P. do Nascimento. Patrimônio: Arnaldo Vaz Ferreira; Suplente: Olavo Elias dos Santos. Conselho Fiscal: Prisclia Yoshi S. Hashimoto, Clévis Samuel Lors de Faria e Diva Rodrigues dos Santos; Suplentes: Robert Schmengler Guilhaume, Marisa Lelis Takata e Jefferson Pessoti; Delegados Sindicais: Antonio Carlos Schivo e Josiane K. P. de Souza; Suplentes: Décio Kury Marques e Hélio Augusto da Silva. O JORNAL DO SINPOL É UMA PUBLICAÇÃO EXCLUSIVA DO LABORATÓRIO DE NOTÍCIAS R. Paschoal Bardaro, 633-A - Jd. Irajá Ribeirão Preto - SP Fone/fax: (16) 3610-2886 DIRETOR DE JORNALISMO: Adalberto Luque - MTb 19.218 EDITOR CHEFE: Júlio Castro O Jornal do Sinpol não se responsabiliza por especificações ou informações que não estejam previstas no contrato de publicidade AS COBRANÇAS SERÃO FEITAS EXCLUSIVAMENTE POR: Sub Ten Res PM Oswaldo Bonfim Martha J. Araújo Luque DEPARTAMENTO COMERCIAL: CONTATOS EXCLUSIVOS DEVIDAMENTE AUTORIZADOS: Fernando Mendonça Antonio Pereira Alvin Aparecido Donizete Tremura Vanderlei Garcia da Costa Marco Aurélio Scridelli Marcos Antonio Fernandes Israel Leal de Souza EDITORAÇÃO ELETRÔNICA: Laboratório de Notícias Fone: (16) 3610-2886 e-mail: jornaldosinpol@uol.com.br Os artigos assinados não refletem, necessariamente, o conceito do jornal e são de inteira responsabilidade de seus autores. Falecimentos A diretoria do Sinpol comunica, com pesar, os falecimentos: + Antonio Carlos Ricoldi, escrivão em Matão, ocorrido no dia 21 de março de 2015; + Édio Gilberto Martinelli, investigador em Taquaritinga, ocorrido no dia 25 de março de 2015. O Sinpol manifesta seus sentimentos aos familiares. Notas Cantina para o Associado A Cantina da Chácara do Sinpol, sob o comando de Paulo e Cristina, tem agradado bastante aos associados. Além de porções, aos sábados e domingos estão sendo servidos pratos feitos. A cerveja, o suco e o refrigerante estão sempre na temperatura ideal e constantemente há muitas novidades para os associados. Maiores informações e reservas nos telefones (16) 99398-6912, com Paulo ou (016) 99398-8820 com Cristina. Pensionistas O Sinpol solicita às pensionistas que verifiquem seus holerites, pois há informações de que a SPPrev não tem efetuado corretamente os pagamentos no que diz respeito aos 7% de reajuste. Algumas pensionistas não têm direito ao aumento, porém a SPPrev tem cometido erros. Qualquer dúvida, entrar em contato com a Central de Atendimento do Sinpol, pelo telefone (16) 3612-9008, falar com Fátima, para esclarecer a situação. São Francisco Clínicas Atenção associados do Sinpol usuários do plano de saúde do Grupo São Francisco. Por motivos operacionais, as exclusões e inclusões de associados e dependentes do plano de saúde devem ser feitas, impreterivelmente, até o dia 02 de cada mês. Ação Judicial O departamento jurídico do Sinpol já está elaborando mandado de segurança contra a Instrução Conjunta UCRH/SPPREV nº 3, de 04/11/2014, publicado no DOE de 05/11/2014, que estabeleceu normas e diretrizes que muito prejudicam as aposentadorias dos policiais civis, por entender que não há amparo legal. O departamento entende que a referida instrução conjunta não está apenas instruindo os setores de pessoal de como se deve ser pautada a questão da aposentadoria, mas sim funcionando como legislação complementar, ao se basear em pareceres meramente consultivos da Procuradoria Geral do Estado e torná-los procedimento e normas a serem seguidas, dando status de Lei. A diretoria solicita aos associados que acompanhem a evolução deste tema pelo site do Sinpol. Novos Associados Associaram-se ao Sinpol em março os seguintes policiais civis: - Paulo Sérgio Beluzzo, investigador; - Odair Rodrigues de Freitas, fotógrafo pericial; - Sandra Regina Pereira, escrivã; - Francisco Carlos Cadurim Lima, investigador; - Carlos Henrique da F. Ferreira, investigador; - Leopoldo dos Santos Barcelos, investigador. A diretoria do Sinpol dá boas vindas aos novos associados e está à disposição de todos os policiais civis que quiserem integrar o quadro associativo do sindicato. Aposentados Associados do Sinpol que ingressaram no quadro de aposentados em março: - Benedito Gabriel Fernandes Pereira, perito criminal de Classe Especial; - Patrícia Barrella Cione, escrivã de 1ª Classe; - José Carlos de Moraes, investigador de 2ª Classe; - Paulo Sérgio Ramos da Conceição, auxiliar de papiloscopista de Classe Especial; - Iracema Aparecida da Silva, carcereira de 1ª Classe. A diretoria do Sinpol felicita os policiais civis por suas brilhantes carreiras, desejando-lhes poder usufruir seus merecidos descansos com muita saúde e alegria. 04 Abril/2015

[close]

p. 5

JURÍDICO UMA No mês de março cinco policiais civis da região se beneficiaram com vitórias garantindo-lhes o direito à paridade e integralidade em suas aposentadorias recepcionada pela CF de 1988 foi, definitivamente, sepultada. Mas muitos dos mandados de segurança em favor dos associados do Sinpol que estão sendo sentenciados agora foram alvo de ação iniciada em período anterior ao início da vigência da LCF 144/2014, portanto o parâmetro nestes casos, ainda é a LCF 51/85. Em março de 2015, beneficiaram-se com o direito à aposentadoria especial quatro associados do Sinpol. Um deles foi o escrivão em Barrinha, Antonio Carlos Schivo. Ele havia perdido em primeira instância. O jurídico do Sinpol recorreu e veio a vitória em segunda instância. Outro beneficiado foi o agente de telecomunicações de São José do Rio Pardo, Osmar Ignácio. Ele havia perdido em primeira instância. Com o recurso do jurídico do Sinpol, conquistou a vitória em segunda instância e tem direito à aposentadoria com paridade e integralidade, nos moldes da LCF 51/85. O investigador de Sertãozinho, Edmir Valera, ganhou em primeira e segunda instâncias. O governo do Estado entrou com embargos, mas eles foram rejeitados, ocasionando o acórdão e garantindo-lhe o direito à aposentadoria especial. O carcereiro de Araraquara, Edson Aparecido Bizarro, perdeu em primeira instância. Com o recurso, o jurídico do Sinpol garantiu a vitória em segunda instância e o governo ainda perdeu os embargos, resultando em acórdão e garantindo ao policial civil o direito à paridade e integralidade. Reversão O Sinpol também vem atuando em outra frente: o da reversão das aposentadorias pela LCE 1062/2008, para que os policiais civis que se sujeitaram a tal processo tenham direito à aposentadoria especial, nos moldes da LCF 51/85. No final do ano passado o jurídico começou a colecionar vitórias de associados que, graças à ação ordinária com antecipação de tutela em face da FESP (Fazenda Pública do Estado de São Paulo), pleitearam o direito ao recálculo dos proventos, nos termos da legislação em vigor, com paridade e integralidade. Em março, o agente policial de Ribeirão Preto, Josué Sampaio de Araújo, passou a integrar esta lista de felizardos. Apesar de perder em primeira instância, o Sinpol recorreu e ganhou em segunda instância. Além disso, o governo perdeu os embargos e o acórdão foi REVERSÃO E QUATRO APOSENTADORIAS ESPECIAIS favorável. Para Eumauri, as injustiças com os policiais civis vêm sendo corrigidas graças à ação do sindicato. “Temos centenas de casos de policiais civis que puderam se aposentar, através de mandado de segurança, com paridade e integralidade. Temos muitos outros colegas que, embora aposentados pela 1062/2008, conseguiram através de ações judiciais o direito à paridade e integralidade. E ainda estamos atentos às novas aposentadorias, pois mesmo pela Lei 144/2014, o governo continua insistindo em não atender à paridade e integralidade”, avisou Eumauri. O Sinpol continua levando vantagem na briga que vem travando há vários meses contra o governo do Estado em relação à garantia da aposentadoria especial para os policiais civis, com direito à paridade - onde o policial civil aposentado ganha o mesmo que seu companheiro da ativa - e integralidade - que garante ao aposentado os mesmos índices de reajustes praticados pelo governo aos policiais civis da ativa. A briga vem se estendendo desde que o governo passou a descumprir, na visão do presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, o que determinava a LCF (Lei Complementar Federal) 51/85. “O governo alegou que esta Lei não havia sido recepcionada pela Constituição Federal de 1988 e criou uma lei famigerada, que punia os policiais civis, a LCE [Lei Complementar Estadual] 1062/2008, tirando-lhes o direito à aposentadoria especial, com paridade e integralidade”, explicou Eumauri. Segundo o advogado Ricardo Ibelli, que integra o departamento jurídico do sindicato, somente o estado de São Paulo não adotava a LCF 51/85. “Todos os demais estados da Federação, inclusive o Distrito Federal, adotavam a lei federal. Por essa razão, entramos em entendimento com o presidente do Sinpol e iniciamos um trabalho que garante ao associado, através de mandado de segurança, o direito à aposentadoria com paridade e integralidade”, explica Ibelli. Em 2014, o governo federal criou a LCF 144/2014, com o objetivo de atualizar a ementa e alterar o artigo 1º da LCF 51, de 20 de dezembro de 1985, que dispunha sobre a aposentadoria do funcionário policial, nos termos do artigo 103, da CF, para regulamentar a aposentadoria da mulher servidora policial. Desta forma, o argumento de que a Lei não havia sido Eumauri e o advogado Ricardo Ibelli esperam novas vitórias e continuam orientando os policiais civis a brigarem por seus direitos, sobretudo em relação à aposentadoria Abril/2015 05

[close]

p. 6

R ADAR Operação em Descalvado... Policiais civis realizaram, no dia 05 de fevereiro, uma Operação na cidade de Descalvado, com o objetivo de cumprir mandados de prisão e de busca e apreensão. Durante a ação, foram presas seis pessoas, sendo duas com mandado de prisão temporária, uma preventiva, duas cíveis e uma criminal. Além disso, foram elaborados dois termos circunstanciais por porte de entorpecentes. ...rendeu bons resultados Houve ainda a apreensão de objetos, como uma motocicleta adulterada, um botijão de gás, uma bicicleta, aparelhos de televisão e DVD, além de drogas e materiais para embalagem. A ação contou com o apoio de quarenta policiais civis da região da Delegacia Seccional de São Carlos, que utilizaram 14 viaturas. A Operação foi comandada pelo delegado titular da cidade, dr. João Alaor Garcia e pelos chefes dos investigadores de Descalvado, Márcio Pinho Bertolino e da Seccional de São Carlos, Reginaldo Malimpensa. Toda a ação foi supervisionada pelo delegado Seccional de São Carlos, dr. Rogério Fakhany Vita. Os presos foram encaminhados para o Centro de Triagem de São Carlos. Ibaté... Policiais civis de Ibaté esclareceram, no dia 18 de março, um crime de “saidinha de banco”, registrado naquela pacata cidade, no dia 03 de fevereiro. O crime ocorreu próximo a uma agência bancária localizada na rua Visconde de Pelotas, centro da cidade. Um homem havia acabado de sacar R$ 8 mil quando, na rua, foi abordado por dois homens em uma motocicleta vermelha e outra preta. Depois de roubar o dinheiro, os dois fugiram. ...e as imagens... Imediatamente os policiais civis, chefiados pelo dr. Wilton Gonçalves Garcia Filho, iniciaram as investigações. Através de filmagens de estabeleciFotos: Polícia Civil mentos comerciais próximos ao local, conseguiram levantar informações sobre os suspeitos e sobre as motocicletas utilizadas no crime. Eles também descobriram que a dupla teria sido abordada pela Polícia Rodoviária na rodovia Washington Luís, na região de São José do Rio Preto, no mesmo dia do roubo. ...para identificar suspeitos Os policiais receberam fotografias dos suspeitos e apresentaram à vítima, que imediatamente reconheceu a foto de W.A.S., de 32 anos, que seria o piloto da durante operação motocicleta preta. O homem, que será acusado pelo crime, acabou sendo preso dias depois na cidade de Bocaina, onde tentou praticar crime semelhante. Ele já está cumprindo pena por outro crime no presídio de Bauru e será indiciado pelo roubo ocorrido em Ibaté. Cigarros Cigarros apreendidos pela DIG de Ribeirão Preto Policiais civis da DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Ele teria atirado contra Wesley e fugido Ribeirão Preto, na área do Deinter-3 (De- em seguida. Porém, testemunhas não quipartamento de Polícia Judiciária do Interi- seram colaborar com as investigações, or, apreenderam no dia 12 de março 101.280 por conhecerem o suposto autor. Além maços de cigarros, procedentes do disso, alegaram que Wesley era viciado Paraguai. A apreensão do material foi reali- em drogas, violento e desocupado. De zada na Rua Japurá, Ipiranga, zona norte acordo com o delegado titular da DIG, de Ribeirão Preto. Durante a ação, os poli- dr. Gilberto de Aquino, o crime teria sido ciais prenderam o comerciante R.D.B.C., de praticado depois que Wesley invadiu um 47 anos. Ele vai responder por contraban- imóvel pertencente aos familiares do acudo/descaminho. Todo material apreendido sado e não pagava energia. Além disso, teria tido a energia elétrica cortada e foi encaminhado para a Receita Federal. refez a ligação através de um “gato”. O São Carlos Policiais civis da DIG (Delegacia de delegado informou aos jornalistas que Investigações Gerais) de São Carlos con- Wesley teria, inclusive, agredido o autor seguiram esclarecer o homicídio de do homicídio achando que a energia eléWesley Gustavo Olegário Allien, de 32 trica teria sido cortada por denúncia anos, registrado no dia 27 de novembro. dele. R., todavia, não registrou qualquer O crime foi totalmente esclarecido no dia ocorrência das agressões que sofreu de 19 de março. O homem foi encontrado Wesley e, segundo informações do delecaído na calçada de uma rua na Vila gado à imprensa, resolveu agir com as Morumbi, periferia de São Carlos. Depois próprias mãos, ao invés de ter buscado de receber informações de que o autor os meios legais para se defender. Apesar seria o condutor de um veículo “quadra- do jovem ter negado a autoria do crime, do” da Volkswagen, os policiais civis dr. Aquino informou à imprensa que a DIG conseguiram identificar o gol prata, pla- deverá representar junto à Justiça pedincas de São Carlos e, consequentemente, do a prisão do acusado e vai apresentar chegar até o autor. R.P., de 21 anos, mora a conclusão do caso indiciando o suposna mesma rua onde o crime foi cometido. to autor. Policiais civis de Descalvado, 06 Abril/2015

[close]

p. 7

ARARAQUARA DIG Graças ao empenho de toda a equipe e a diligências realizadas nos estados de Pernambuco e Bahia, policiais civis esclareceram o latrocínio de taxista passou a contar com o auxílio dos policiais civis daquela cidade e as diligências foram imediatamente iniciadas. O ponto de partida foi o Sacolão Baratão, um local onde o cartão havia sido utilizado. Porém, na Junta Comercial da cidade, não havia registro daquele nome fantasia. Enquanto estavam na Junta, os policiais civis foram comunicados que havia sido feito um saque naquele instante numa agência do Banco do Brasil, no centro. A equipe se deslocou rapidamente ao local, porém os suspeitos não estavam mais por lá. Enquanto faziam buscas tentando localizar o táxi roubado após o latrocínio, nova compra foi feita e a equipe foi até o local. Porém, não havia sistema de monitoramento no local. O vendedor, todavia, fez uma descrição detalhada, com características do casal que utilizou o cartão de Valdir. O homem, branco, com uma argola na orelha e de estatura mediana, usava boné preto e anéis grossos nas mãos. O cartão foi usado em outras lojas, mas em nenhuma delas foi possível obter imagens. Finalmente a equipe chegou até uma loja de móveis, onde um guarda-roupas comprado foi pago com o cartão. A loja também não tinha imagens, mas o vendedor disse que o comprador colocou a mercadoria numa caminhonete utilitária tipo Saveiro de cor preta. No segundo dia de operações no Nordeste, os policiais se dividiram em duas equipes. Uma, com o dr. Elton, foi até a agência do Banco do Brasil à procura das imagens de quem efetuou o saque. A outra, com Amauri e Paulo Sérgio, seguiu para a periferia, no bairro João e Maria, onde ocorreu a maioria das compras feitas com o cartão da vítima. E, em Araraquara, os policiais civis seguiam monitorando e repassando informações em tempo real para os colegas que estavam em Petrolina. Graças ao trabalho conjunto com os policiais civis de Pernambuco, a equipe da DIG obteve as primeiras imagens na loja de móveis. Enquanto procuravam um carro preto, receberam a informação do dr. Elton de que novo saque havia sido feito em uma lotérica na região do bairro João e Maria. Ao procurar nas imediações, os policiais civis notaram um casal com as mesmas características passadas por um dos vendedores e fizeram a abordagem. Encontraram o cartão na carteira do suspeito. Os dois foram conduzidos à delegacia. P.R.S.C., de 39 anos, confessou que participou do latrocínio de Valdir. Com ele estava M.R.S.F., de 17 anos, sua amásia, que não participou do crime. em diligência na casa da menor, os policiais civis encontraram Foto: DIG Araraquara PRENDE, NO NORDESTE, ACUSADOS DE ASSASSINATO diversos produtos comprados com o cartão roubado, além de documentos do taxista morto. Depois de confessar, P. entregou seu comparsa, que estaria em Nova Fátima, Bahia, distante cerca de 400 quilômetros de Petrolina. Graças à cooperação dos policiais civis baianos, foi possível prender E.A.S., de 25 anos, e recuperar o táxi da Vítima. Além dos policiais civis da DIG de Araraquara que trabalharam na sede da especializada e do dr. Elton, Amauri e Paulo Sérgio, a colaboração dos policiais civis de Petrolina/PE, comandados pelo dr. José Renivaldo; e de Nova Fátima/ BA, pelo dr. Mozart, foi fundamental para a prisão dos suspeitos. A dupla foi presa e o caso foi devidamente esclarecido. Graças a um trabalho que contou com muita perspicácia e habilidade investigativa, policiais civis da DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Araraquara, conseguiram elucidar e prender os acusados pela morte do taxista Valdir de Paula, de 68 anos. Ele desapareceu na noite de 22 de fevereiro, depois de ter recebido um telefonema solicitando uma corrida de táxi. Era por volta de 23h00 e ele estava em seu ponto, localizado atrás da Igreja Matriz de São Bento, no centro da cidade. O local combinado para iniciar a corrida era em frente à Santa Casa. Depois que deixou o ponto para apanhar o passageiro, Valdir não foi mais visto com vida. Imediatamente a DIG foi acionada e, no dia 24 de fevereiro, um corpo foi encontrado na estrada que liga Rincão a Guatapará. A família identificou como sendo do taxista desaparecido e os policiais civis passaram a investigar o caso como latrocínio - roubo qualificado pela morte. O primeiro passo foi quebrar o sigilo bancário da vítima fatal. Imediatamente os policiais civis perceberam que o cartão foi utilizado para abastecimento do veículo, além de compras e gastos em restaurantes de beira de estrada, em trajeto rumo ao Nordeste. Ao monitorar os gastos, os policiais perceberam que a utilização se concentrou na cidade de Petrolina, Pernambuco. Por determinação superior, uma equipe foi destacada para atuar na identificação dos suspeitos do latrocínio. Seguiram para Petrolina o dr. Elton Hugo Negrini, o carcereiro Amauri Zanardi e o escrivão Paulo Sérgio Boldrin. Enquanto isso, na sede da especializada em Araraquara, os policiais civis, comandados pelo dr. Fernando Bravo, trabalhavam exaustivamente, levantando e repassando informações a todo instante. Ao chegar em Petrolina, a equipe da DIG A partir da esquerda, dr. Elton, Amauri e Paulo Sérgio foram ao Nordeste para elucidar o latrocínio e prender os responsáveis; no detalhe, delegados que atuaram no caso representando as Polícias Civis de São Paulo, Pernambuco e Bahia Abril/2015 07

[close]

p. 8

SINDICALISMO Encontros na sede da Feipol/SE e com o deputado estadual Welson Gasparini buscaram forçar o governo a negociar com os policiais civis O mês de março chegou ao fim como de costume para os policiais civis. Sem nenhuma novidade em relação a reajuste salarial. Até aí, não seria nada demais, não fosse por um único detalhe: março é o mês da data base dos policiais civis e, como de costume, o governador Geraldo Alckmin deu de ombros e não acenou com a possibilidade de nenhum índice de reposição, mesmo tendo sido o atual período o que apresentou maior índice de inflação oficial nas últimas décadas, desde a implantação do Plano Real. Cansados do que consideraram inércia e desprezo do governo para com a categoria e com a própria população, os representantes das 14 carreiras da Polícia Civil reuniram-se, no dia 05 de março, em Campinas, para uma reunião na Feipol/SE (Federação Interestadual dos Trabalhadores Policiais Civis da Região Sudeste). Representando o Sinpol, estiveram presentes seu presidente, Eumauri Lúcio da Mata, e o diretor-financeiro Júlio Cesar Machado. Neste encontro, os sindicalistas começaram a discutir a continuidade da campanha de reivindicações e qual providência será tomada a patir de então, já que o governo assumiu, nomeou secretários, trocou o DGP (Delegado Geral de Polícia) e até agora não acenou para qualquer possibilidade de atender sequer uma das várias reivindicações feitas pela categoria. Durante o encontro, Eumauri informou que já está se articulando, buscando apoio dos deputados da região de sua base de atuação. Relatou o primeiro encontro que promoveu, com o deputado Rafael Silva, e informou que o deputado Welson Gasparini, do mesmo partido do governador, será também abordado. “Declaramos guerra ao governador Geraldo Alckmin e sua equipe”, sentenciou o presidente do Sinpol, informando aos demais que recebeu ainda a visita do DGP, dr. Youssef Abou Chaim, nas obras da futura sede social do Sindicato e que fez questão de lembra-lhe das reivindicações. Gasparini No dia 22 de março, o Sinpol conseguiu realizar a tão esperada audiência com o deputado estadual Welson Gasparini, reeleito em outubro de 2014 e empossado oficialmente no dia 15 de março, pouco antes do encontro. Compareceram à reunião o vice-presidente do Sinpol, Célio Antonio Santiago, e a diretora-secretária Fátima Aparecida Silva. Durante o encontro, Célio e Fátima apresentaram ao deputado a pauta de reivindicações elaborada e apresentada pela Feipol e sindicatos que integram sua estrutura. “Essas reivindicações foram encaminhadas no dia 19 de janeiro e até agora não tivemos qualquer posicionamento da equipe de governo”, lamentou Célio ao deputado Gasparini. Entre as reivindicações apresentadas pelos diretores do Sinpol ao deputado estadual, as principais foram: definição da questão envolvendo o N.U. (Nível Universitário) para investigadores e escrivães, com remuneração de fato compatível às exigências das carreiras; reconhecer o direito à paridade e integralidade nas aposentadorias especiais, como ocorre em todos os demais estados da Federação, inclusive o Distrito Federal; garantia do fim da retroação na classe em que se está há menos de cinco anos quando da aposentadoria; remuneração adequada às carreiras de nível fundamental que passaram a ter exigência de nível médio para ingresso na Instituição; instituir finalmente DEJEC (Diária Especial para Jornada Extraordinária ao Policial Civil), nos moldes do DEJEM da Polícia Militar; equiparar o auxílio alimentação pago aos policiais civis com o valor que é pago aos policiais militares; cumprir com o pagamento do bônus por redução de criminalidade a todas as unidades da Polícia Civil, indiscriminadamente e o reajuste salarial. A principal reivindicação, todavia, foi em relação ao precário efetivo da Polícia Civil. “Levamos ao deputado o quadro caótico em que se encontra a Polícia Civil, com uma enorme falta de recursos humanos. em especial, para escrivão, mas também sentido demais entre investigadores e delegados e nas demais carreiras”, acrescentou Célio. “Pedimos apoio ao deputado para levar a nossas dificuldades ao governo, tentando sensibilizálo”, disse Célio a Gasparini. Apesar da promessa de Gasparini em dar encaminhamento às questões apresentadas pelo Sinpol, seu posicionamento não foi muito animador. “É óbvio que vou levar pessoalmente estas questões ao governador Geraldo Alckmin, mas não sei o que isso pode resultar. O governo anunciou que está em fase de contensão de despesas. Certamente vou tentar unir forças com outros deputados e o que garanto é que vai haver empenho de nossa parte”, concluiu Gasparini. Foto: Feipol/SE REUNIÕES MARCAM MOBILIZAÇÃO Acima, reunião da Feipol/SE em Campínas; ao lado Fátima, Célio, Gasparini e Júlio, durante encontro onde o deputado recebeu as reivindicações do Sinpol para os policiais civis 08 Abril/2015

[close]

p. 9

POLÍTICA Policial civil, que nas eleições de 2008 sagrou-se o vereador mais votado na história da cidade, atua na delegacia do município há 31 anos e está em seu segundo mandato na edilidade local A vontade de se tornar policial civil despertou muito cedo na vida de Rogério Antonio. Filho do carcereiro Nelson Antonio, de Morro Agudo - hoje aposentado -, ele sempre gostou da rotina que conheceu muito jovem e nunca teve dúvidas de que seguiria carreira na Polícia Civil. Aos 14 anos começou a trabalhar como office-boy, funcionário de um despachante, atuando no anexo da Delegacia de Polícia, junto ao Ciretran (Circunscrição Regional de Trânsito), emplacando veículos. Começou essa tarefa em 01 de junho de 1983. Logo em janeiro de 1984, o escrivão e o investigador, únicos em cada carreira que atuavam em Morro Agudo, saíram da Instituição, aprovados em concurso para Oficial de Justiça. Com o pai atuando como carcereiro, o adolescente Rogério passou a fazer o trabalho de escrivão, orientado pelo então delegado Renato Tortorelli - ex-delegado Seccional de São Joaquim da Barra, hoje aposentado. Um escrivão vinha de fora apenas para oficializar o trabalho feito por Rogério. Até que, em 1989, ele prestou concurso e foi aprovado na carreira de investigador. Começou a atuar em 1990, sempre na cidade onde nasceu, Morro Agudo. “Passei boa parte da carreira atuando na Ciretran e, por 20 anos, concorri em plantões aqui em Morro Agudo e na sede da Seccional de São Joaquim da Barra. Também sempre ajudei em diligências, fiz muita escolta. Enfim, sempre atuei como policial civil, que era meu sonho. Faço parte de uma família de policiais civis. Meu pai é carcereiro aposentado, atuou muitos anos. Meu cunhado, ‘Jorginho Carcereiro’, também é carcereiro na ativa”, pontua Rogério. Ele se orgulha da carreira e destaque que nunca sofreu nenhuma sindicância. Porém, hoje vê a Polícia Civil que tanto fez questão de integrar padecendo, sobretudo, com a falta de efetivo. “Recebemos uma viatura novinha, uma Pajero, aqui para Morro Agudo. Tempos atrás isso iria impressionar. Hoje o que vai impressionar mesmo é mais funcionários. Temos um efetivo muito baixo”, lamenta Rogério. Determinado a lutar pela Polícia Civil também no meio político, o investigador, que sempre foi pessoa conhecida, respeitada e querida na comunidade de Morro Agudo, decidiu candidatar-se a vereador. Em 2008, sua primeira legislatura, foi eleito na época como o vereador mais votado da história da cidade, conquistando 6% dos votos válidos. Uma vitória importantíssima. Em 2012, ele conseguiu reeleger-se e, diante de sua atuação na casa de Leis da cidade, tomou posse, no dia 01 de janeiro de 2015, como presidente da Câmara Municipal de Morro Agudo. Hoje Rogério Antonio ocupa um dos cargos mais importantes da cidade. E garante que a luta em favor da Polícia Civil continua. É de sua autoria, por exemplo, um projeto aprovado em outubro de 2013 que garante pró-labore aos policiais civis que trabalham em Morro Agudo. “Em média os policiais civis na cidade ganham mensalmente R$ 400 de pró-labore. Foi um projeto muito bem recebido pela população e pelos policiais civis que se beneficiaram da medida. Também lutamos para que a Polícia Civil tenha essa questão de efetivo resolvida. Em 2014, estivemos reunidos com o então secretário da Segurança Pública, dr. [Fernando Vieira] Grella. Pedimos reforços para a Polícia Civil em Morro Agudo e a vinda do GOE [Grupo de Operações Especiais] da Seccional de São Joaquim da Barra com o intuito de realizar rondas e auxiliar e apoiar os poucos funcionários de Morro Agudo no combate da criminalidade. Também pedimos mais recursos humanos. Ele prometeu nos atender, e nada. Agora já temos agendada nova visita para tratar deste assunto com o secretário Alexandre de Moraes. Vamos cobrar também melhoria do efetivo da PM”, revela o presidente da Câmara de Morro Agudo. História Com 25 anos de carreira e há 31 anos atuando na Delegacia de Morro Agudo, Rogério tem muita história para contar. Ele esteve ao lado dos policiais civis que, em 2006, ficavam agrupados em uma única sala após o incêndio que destruiu o prédio da Delegacia da cidade. A nova sede só foi entregue em 2009. Mas ele lembra que a equipe nunca desanimou e sempre realizou um bom trabalho junto à comunidade. Uma das histórias que Rogério costuma recordar ocorreu na década de 1980, ainda em sua adolescência. “Explodiam na região de Ribeirão Preto as greves dos boias frias. Em Morro Agudo, presenciei quando trabalhadores rurais tentaram invadir a DP, não conseguindo devido à ação do delegado, dr. Renato [Tortorelli], do meu mai, Nelson carcereiro e do escrivão Magalhães, que acabara de chegar na cidade para trabalhar. Logo em seguida, chegaram os investigadores da DIG de Ribeirão Preto, com o dr. Antonio [Martins Fontes] para reforçar a segurança do prédio”, lembra. Filiado ao Sinpol desde 1990 - logo que ingressou na Instituição -, Rogério lembra-se, todavia, dos tempos de Apocirp. “Sempre acompanhei o trabalho do Sindicato, da Apocirp. Sempre acompanhei o trabalho do Eumauri. É um trabalho sério, difícil, mas que tem grandes conquistas, como a Chácara, a nova Sede. Ele representa muito bem o Sinpol. E sabemos que a briga é grande. Sempre que preciso, estaremos ao lado do Sinpol, seja como policial civil, seja como vereador, ou como presidente da Câmara Municipal de Morro Agudo”, concluiu Rogério. Foto: Arquivo Pessoal INVESTIGADOR ASSUME PRESIDÊNCIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE MORRO AGUDO A partir da esquerda: o delegado adjunto de Morro Agudo, dr. Gustavo Almeida Costa; o investigador Rogério Antonio e o delegado titular da cidade, dr. João Baptistussi Neto, durante solenidade de posse na presidência da Câmara Municipal Abril/2015 09

[close]

p. 10

DROGAS Graças à experiência e perspicácia dos policiais civis da especializada, nova busca em veículo de homem acusado de tráfico rendeu a apreensão de mais drogas e armas Os policiais civis da DISE (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes) de Ribeirão Preto deram mais uma mostra de que nenhum detalhe pode ser deixado de lado. Em uma ocorrência que parecia já ter sido encerrada, houve um desdobramento e uma apreensão ainda maior e mais vultosa acabou ocorrendo, graças à sensibilidade e experiência da equipe da especializada. Na noite de 05 de março, um homem foi abordado na Vila Abranches, zona leste da cidade. Ele passava com um veículo Fox, quando foi parado por policiais militares na Rua Adhemar de Barros. D.M., de 30 anos, foi preso portando pouco mais de meio quilo de maconha. Os PMs, segundo boletim de ocorrência, fizeram uma revista no veículo e não encontraram mais drogas. Como o caso se trata de um crime, o veículo foi encaminhado para o pátio localizado na Rodovia Abrão Assed, km 47, local recentemente contratado por licitação para receber os carros envolvidos em crime e apreendidos por policiais civis e militares. Durante o flagrante, o homem não se cansava de dizer que só tinha aquela quantidade de entorpecentes. Porém, ele já vinha sendo investigado pela equipe da DISE, que já tinha um levantamento prévio da forma como agia. Desconfiados, os policiais civis resolveram novamente revistar o veículo. Comandados pelo dr. Samuel Zanferdini, a equipe da DISE solicitou a ajuda de um já fiel amigo: o cão farejador Hummer, da Penitenciária de Ribeirão Preto. O cão e seu treinador, o agente penitenciário Cristiano, foram até o local com policiais da especializada. Hummer imediatamente entrou em ação e, em pouco tempo, apontou para o painel do veículo. Num compartimento que ficava na saída de ar, do lado direito do painel, foi encontrado um fundo falso onde estavam dois tijolos de maconha inteiros, além de outra metade de tijolo da mesma droga. Encontraram ainda um pouco de crack e cocaína. Além disso, havia ainda um revólver calibre 38 municiado e uma pistola semi automática 9 mm. “Decidimos ir até o pátio onde estava o carro, contando com a ajuda do cão farejador. Felizmente conseguimos encontrar quase dois quilos de maconha, além de cocaína e crack e as duas armas. Isso reforçou a prisão do criminoso por tráfico. Além do que ele também vai responder por porte ilegal de arma de fogo”, revelou o dr. Zanferdini. D. já tinha passagens anteriores por associação para o tráfico. O delegado titular da DISE, dr. Ariovaldo Torrieri Júnior, fez questão de destacar a receptividade que a especializada vem obtendo junto aos administradores, facilitando na investigação e vistoria dos veículos apreendidos. “Devemos destacar também a administração da SAP [Secretaria de Assuntos Penitenciários] na região de Ribeirão Preto, que através de importante parceria, tem cedido sempre que necessário cães de faro, integrantes de seu canil, para realizar diligências conjuntas com essa especializada. Ressaltamos a qualidade e conhecimento que têm os agentes penitenciários responsáveis pelos aludidos cães, em especial ao agente penitenciário Cristiano, que não tem medido esforços para auxiliar nas diligências em que é acionado por nós, desta DISE”, concluiu o dr. Torrieri. DISE RIBEIRÃO ENCONTRA ARMAS ESCONDIDAS Foto: DISE Ribeirão Preto Acima, drogas e armas localizadas em veículo já recolhido pela equipe do dr. Zanferdini; abaixo, o titular da especialziada, dr. Torrieri, elogia participação do cão farejador cedido pela Penitenciária de Ribeirão Preto para a ação 10 Abril/2015

[close]

p. 11

MOBILIZAÇÃO Vice-presidente e Diretora-Secretária do sindicato participaram do encontro da Comissão Permanente de Segurança Pública na Câmara Municipal de Ribeirão Preto Pelo segundo ano consecutivo, o Sinpol foi convidado a participar da reunião anual da Comissão Permanente de Segurança Pública, criada pelo vereador e atual presidente da Comissão, vereador Maurício Gasparini, da qual também é membro integrante o delegado e vereador Samuel Zanferdini. A Comissão foi criada em 2014 com o objetivo de discutir caminhos para melhorar a questão da segurança pública em Ribeirão Preto. Na ocasião, o presidente Maurício Gasparini, que é filho do deputado estadual e ex-prefeito da cidade, Welson Gasparini, convidou o Sinpol e autoridades ligadas às Polícias Civil e Militar, para ouvir seus clamores. Também participaram na ocasião membros de associações de moradores e dos Consegs (Conselhos de Segurança dos Bairros), que trouxeram os problemas relativos à segurança enfrentados nas várias regiões da cidade. Em 2015, a reunião ocorreu na manhã de 16 de março de 2015, no Salão Nobre da Câmara Municipal. Segundo o vereador Gasparini, a Comissão tem a pretensão de se reunir sempre na segunda semana de cada mês, a partir deste primeiro encontro da cidade. A reunião ocorreu em forma de audiência pública e foram ouvidas diversas pessoas ligadas a órgãos e entidades que atuam na cidade. Inicialmente os representantes dos Conselhos Tutelares fizeram suas observações. A principal reivindicação deste segmento foi um melhor aparelhamento das bases dos Conselhos. Um dos conselheiros que pediu para não ser identificado, disse na reunião que há locais que sequer contam com computador. Em seguida, representantes dos Consegs foram ouvidos. E todos foram contundentes em solicitar uma intervenção por parte da Comissão Permanente para a instalação de diversas bases móveis na cidade, já que a Polícia Militar informou que não irá mais instalar - e até desativou algumas - bases fixas no município. Os membros dos Consegs também pediram ajuda para aumentar o número de conselhos de bairro atuantes. Atualmente Ribeirão Preto conta com apenas três dos cinco indicados como mínimos para um bom trabalho junto às Polícias Civil e Militar. Representando o Sinpol, estiveram presentes o vice-presidente Célio Antonio Santiago, e a diretora-secretária Fátima Aparecida Silva. Durante o tempo reservado para os representantes do sindicato, Fátima pediu apoio para cobrar mais investimentos na Instituição. Ela disse que hoje a Polícia Civil tem um efetivo menor do que tinha há 30 anos. Ela informou que, para prestar um atendimento mínimo e digno à população, a principal carência é de pessoal. Ao final do encontro, o vereador Gasparini informou que todas as propostas ouvidas serão encaminhadas para as autoridades competentes. Ele defendeu que haja mudanças nas leis criminais. E garantiu ainda que as autoridades, representantes e sociedade civil estão procurando definir demandas e solicitações. “Essas solicitações serão encaminhadas pela Comissão ao excelentíssimo senhor secretário da Segurança Pública do Estado de São Paulo, dr. Alexandre de Moraes, em audiência que será oportunamente apresentada”, concluiu Gasparini. SINPOL PARTICIPA DE EVENTO O vice-presidente do Sinpol, Célio Antonio Santiago (esq. ) e o vereador Maurício Gasparini, durante reunião na Câmara Municipal de Ribeirão Preto Abril/2015 11

[close]

p. 12

ANIVERSARIANTES A vida é um turbilhão de novos começos movidos pelo desafio sempre novo de viver e fazer todo sonho brilhar. Feliz Aniversário aos nascidos em maio! 1 Odair Fernandes Machado Ildon Pimenta de Pádua José Vitor Perissini Aloísio Mori de Carvalho Roseneide Bargas Ribeiro Júlio Cezar Pastori Sueli Regina Emiliano Wellington Francisco Caliman 3 Laércio Sostena Claudinei Iossi Marcelo Rodrigues da Silva Fernando Tadeu Viana 4 Eurico Ferreira de Souza Carlos Henrique Pischiotini Márcio Alves 5 Edilson Piovani Roberto Mário dos Santos Benivaldo Bastos de Santana Edgard Jorge Lauand Júnior Susiane Beatriz Filomena Alonso Zescaik 6 Roberto Carlos de Santi Antonio Hernandes Lopes Guilherme Valerini Damasio de Andrade Antonio Marcos Falvo 7 Antonio José Serrate de Campos Erick Walter Mouro Borba 8 Marco Antonio Sales Marcos Reginaldo de Souza Silva 9 José Carlos Florio Idalina Alves Ferreira Juliano Ferreira da Silva Conceição Aparecida Sales Girotto Leandro César Ferreira Silva Hélio Foz Ribaldo Nilton Antonio Gomes 10 Antonio Carlos Kociani 11 Arnaldo Vaz Ferreira Fábio José Branquinho Pereira 12 Sami Haddad Maria de Lourdes Chiaretti Valtecílio Lino Nascimento Maria José Balbino Geraldo Cascaldi Júnior Daniel Alfredo dos Santos Marcelo G. Lopes da Cunha 13 Edson Luiz Franco Cláudio Vargas Paulo Henrique Vianna Carlos Alberto Cordeiro Robinson Aparecido Carneiro 14 Luiz Silva Wilson Paulo de Oliveira 15 Roberto Bettini Paulo Roberto Barbosa Aparecido Aricrênio Ramos da Conceição José Antonio Passeto Queila Sara Pereira Martins 16 Antonio Paulo Bacan Júnior Ana Aparecida de Oliveira Ananias Ivone Pereira Crispin 17 Ricardo Marcelo de Paula Ferreira Mateus Azevedo Maria Inez da Silva Gerson Guido Mattioli José Jucélio Rodrigues Débora Aparecida Ciongolo Trentin Menuzzi Martins Filho Fernando Aparecido de Moraes 18 Roberto Fernandes Olésio Guimarães Marcelo Ferreira Francisco Dinessa Maira Alvares 19 Bernardo Silva Matheus Alexandre Saltarelli Ana Mary de Oliveira Antonio Granger Carlos Alberto Bertini 20 Mônica de Oliveira Carneiro Scarparo Maurício José Troiani Roberto Nascimento 21 Diva Rodrigues dos Santos Paulo Sérgio Fernandes da Costa Benedito Ferrante José Augusto Rodrigues Filho 22 Sebastião Otávio Ramos Antonio Sérgio Garcia Carlos Silva Vital 23 Nelson Orlando Érica Arrisse Esteves Dias Maria Alice Lopes da Cunha 24 Antonio Orival Salgado Antonio Cabral Sérgio Luiz Correa da Silva 25 José Gonçalves Neto Waldir Aparecido Ambrósio Angelo Jovenir Ulian Roberto Custódio Ribeiro 26 Antonio Carlos Schivo Antonio Aparecido Soares de Souza Renato Theodoro Walter Aparecido Lessem Wanir José da Silveira Junior Marcelo Cesarino Chahud Sabsud 27 Vanderlei Viola Elias Ferreira de Souza Jurema Francisco de Andrade Edmundo Ferreira Gomes 28 Rafael Camolesi Lílian Medeiros Luís Carlos Valentim 29 Mônica Cristina Marsico Lombardi Reginaldo Lonardi Elisabeth Aparecida Sutti Márcio Roberto Takatsui 30 Renato Tomasella Monteiro José Roberto Amâncio Reginaldo Boscolo Marcelo César Corcovia Aparecido Ailton Giansante 31 Cássio Roberto Marilhano Fabri Francisco Paulo Oliveira Lima Leandro Cesar Giora Elza Maria Gregorato MEMÓRIA DDM DE BATATAIS HÁ 11 ANOS No dia 16 de abril de 2004, era inaugurada a nova sede da DDM (Delegacia de Defesa da Mulher), na cidade de Batatais. Foi num imóvel do complexo policial, no bairro Riachuelo, que era utilizado pela DISE (Delegacia de Investigação Sobre Entorpecentes), daquela cidade. O objetivo foi proporcionar às usuárias da DDM maior comodidade em um ambiente especialmente planejado para atendê-las. A inauguração foi prestigiada por diversos policiais civis, autoridades e população de Batatais. O então diretor do Deinter-3 (Departamento de Polícia Judiciária do Interior), dr. José Roberto Ramada Spadafora; o então Seccional de Ribeirão Preto, dr. José Manoel de Oliveira; o então Seccional de Franca, dr. Luís Carlos da Silva e o então delegado titular de Batatais, dr. Adolfo Domingos da Silva Júnior, estiveram presentes à inauguração. Representando o Sinpol, esteve presente o vice-presidente à época, Darci Gonzales. Na foto acima, a equipe que inaugurou a nova sede. A partir da esquerda, o investigador Rodrigo, a escrivã Eliana, o auxiliar Jonas, a dra. Sílvia e a escrivã Ester. O Sinpol lembra aos aniversariantes que é preciso fazer o recadastramento anual junto ao Banco do Brasil, em qualquer agência ou naquela onde receber seus vencimentos ou, em caso de portabilidade, no banco em que o beneficiário optou. Quem não se recadastrar corre o risco de ter os vencimentos suspensos. O Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto está mantendo um acervo de imagens relacionadas à Polícia Civil. Para tanto, a Diretoria está incentivando a participação de associados que tenham em seus arquivos fotografias que possam ilustrar diferentes aspectos da história da Instituição. “Temos certeza que muitos colegas guardam várias fotos com lembranças de reuniões, eventos e de situações cotidianas dentro da Instituição, com um valor inestimável pelas lembranças que representam”, ressalta o presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata. Os interessados em colaborar com esse resgate da memória da Polícia Civil da região podem entrar em contato com a Secretaria do Sinpol, através dos telefones (16) 36129008, 3625-3890 e 3979-2627, ou do e-mail sinpolrp@sinpolrp.com.br. “As fotografias serão digitalizadas e prontamente devolvidas aos seus proprietários”, garante Eumauri. O material reunido pelo Sinpol será publicado no Jornal do Sinpol e no site da entidade (www.sinpolrp.com.br). DO FUNDO DO BAÚ 12 Abril/2015

[close]

p. 13

Garoto, que fazia programas sexuais, foi morto durante tocaia armada por três menores de idade em consequência de disputas nas ruas; uma das menores ainda foi ao velório para debochar de família da vítima A questão envolvendo a redução da maioridade penal deve ganhar fôlego após o esclarecimento da morte de um adolescente de apenas 13 anos, que foi encontrado morto no estacionamento do CEO (Centro de Especialidades Odontológicas), em Araraquara. Michel Lucas de Almeida Reginaldo era um adolescente transexual que fazia programas sexuais nas ruas da cidade. Ele foi encontrado morto depois de levar 15 facadas. Seu corpo estava caído no chão e o homicídio chocou a cidade pela forma violenta como foi cometido. Imediatamente a DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Araraquara, entrou no caso e passou a investigar o que poderia ter acontecido com o menor de idade. Em entrevista à imprensa, durante o velório, o avô de Michel disse que ele saiu de um abrigo há três meses. Ele teria ido para este abrigo porque foi denunciado por ajudá-lo no negócio da família, uma empresa de massas. Ele fazia as entregas. No abrigo, o garoto se rebelou. “Ele não obedecia ninguém, era um rebelde incontrolável”, disse o avô. Quando saiu, trocou as roupas masculinas pelas femininas e saiu de casa para se prostituir e usar drogas. Apenas dois dias depois da morte do adolescente, os investigadores da DIG chegaram aos responsáveis. A resolução do crime chocou Araraquara. Os autores são três menores de idade. O crime começou a ser desvendado quando a equipe da DIG chegou até uma menina, a última pessoa a ser vista na companhia de Michel, pouco antes de sua morte. Em entrevista à imprensa, o delegado responsável pelas investigações, Elton Hugo Negrini, contou como tudo ocorreu. “As investigações começaram logo após o corpo ter sido localizado. Foi um trabalho rápido e, através dos depoimentos de familiares, chegamos até os envolvidos. Muitas pessoas se perguntaram se era um crime homofóbico, mas pelo que apuramos, eram todos amigos que estavam envolvidos com tráfico e prostituição”, disse o delegado. Os policiais civis encontraram a menina, de 14 anos, em sua residência. Depois chegaram até dois garotos. Um apelidado Di Menor, de 15 anos e o outro, conhecido como Tripa, de 14 anos. Os três foram encaminhados à sede da DIG e confrontados em seus depoimentos, até que Di Menor teria caído em contradição e acabou confessando o crime em detalhes. Tripa, que é traficante, teria sido coautor do crime. Com ele os policiais civis localizaram a faca usada para atacar Michel, escondida debaixo de uma piscina velha, encostada no quintal de onde mora. Uma quarta pessoa, de 17 anos, está sendo investigada por uma possível participação. Porém, o caso foi devidamente esclarecido. Segundo a confissão dos menores, a garota combinou um encontro com Michel para resolverem de vez os desentendimentos que vinham ocorrendo no local onde eles faziam ponto para combinar programas sexuais. O local marcado foi a antiga sede do Pronto Socorri da Vila Xavier, onde hoje funciona o CEO. Durante a madrugada, Tripa, Di Menor e outro garoto esperaram a chegada da menina com Michel. Quando chegaram, o garoto recebeu 15 facadas. Em depoimento aos policiais civis, os menores de idade admitiram que tudo foi motivado por brigas envolvendo programas e drogas, além de um celular que a garota vendeu para Michel e não recebeu o valor combinado. Os policiais civis apuraram que a garota acompanhava os amigos nos programas de prostituição e ela era responsável de entregar os entorpecentes. Depois de ter participado da morte do amigo, a garota foi vista no velório dele e atraiu a atenção da família e da Polícia ao debochar do amigo morto. Segundo o dr. Elton, Di Menor já tem passagens por tráfico. Já familiares da garota haviam procurado a Polícia Civil, pedindo ajuda para controlá-la. Todos vão responder por homicídio, associação criminosa e tráfico de drogas e foram recolhidos em unidades que abrigam menores infratores na região. DIG ARARAQUARA A ÇÃO ESCLARECE MORTE DE MENOR Foto: www.jornalpp.com.br Dr. Elton foi o responsável pelas investigações e, graças ao trabalho dos policiais civis da especialziada, brutal homicídio foi rapidamente esclarecido Abril/2015 13

[close]

p. 14

ESCLARECIMENTO MOLÉSTIAS INCURÁVEIS ISENTAS DE ser requerida com atraso de cinco anos. A ABRACCIA (Associação Brasileira de Combate ao Câncer Infantil e Adulto), localizada em Ribeirão Preto à Rua Barão do Amazonas, 2388, atendendo pelo telefone 3621-2201 e pelo site www.abraccia.org.br, tem distribuído para pessoas interessadas, uma cartilha intitulada “Faça valer seus Direitos”, de autoria de Maria Cecília Mazzariol Volpe e editada pela SBOC (Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica). Logo em suas primeiras páginas, a cartilha aborda uma posição contundente da autora: “A Constituição Federal” assegura que saúde é direito de todos e dever do Estado. Significa que todos os cidadãos residentes no Brasil tem direito a receber tratamento pelos órgãos de assistência médica mantido pelos governos Federal, Estadual e Municipal (SUS). E a assistência inclui compreende o tratamento como um todo, incluindo consultas, cirurgias, exames laboratoriais, tomografias, raios-x, ultrassonografia, radio e quimioterapia, etc”. Infelizmente no Brasil, algumas coisas não funcionam exatamente como previstas na Lei. A autora destaca que a Saúde Suplementar (planos de saúde) também têm sua cota de responsabilidade nesse atendimento e se algo estiver sendo negado, a pessoa deve recorrer a alguns canais, como o telefone da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), 0800-701-19656, ou pelos sites: www.ans.gov.br , www.procon.sp.gov.br ou www.idec.org.br . “Procure um advogado para propor ações judiciais quando seus direitos forem negados. O Poder Judiciário tem dado liminares e ganhos de causa em quase todos os casos de ações contra planos ou seguros de saúde”, explica a autora. IR E ISENÇÃO PARCIAL DA - Isenção de IPTU (varia de cidade para cidade); - Tarifas do transporte público (também varia de cidade para cidade); - Saque de FGTS (consultar direitos junto à Caixa Econômica Federal - CEF); - PIS/PASEP (consultar CEF e Banco do Brasil); - Auxílio doença, aposentadoria por invalidez e renda mensal vitalícia (em todos os casos, de acordo com legislação do INSS e dependendo de vários fatores); - Renda por invalidez permanente (de acordo com normas da apólice de seguro ou plano de previdência privada) - Quitação de salto parcial ou total de financiamento da casa própria (de acordo com normas do SFH); - Andamento prioritário em processos. Caso o associado ainda tenha dúvidas, o presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, informa que o sindicato está à disposição, para sanar eventuais dúvidas, através dos telefones: (16) 3612-9008, 3625-3890 e 3979-2627, ou na sede social do Sindicato, à rua Goiás, 1697, em Ribeirão Preto. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA PARA SERVIDORES INATIVOS Em virtude de constantes consultas, o Sinpol (Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto) republica, a seguir, nota constante da edição de nº 34, de julho de 1998. Moléstia Incurável isenta de IR do sevidor inativo Como é um direito que retroage pelo prazo prescricional a cinco anos, a partir da data que a moléstia incurável foi diagnosticada, de acordo com o laudo médico, o servidor aposentado pode requerer ao SSPrev a sustação ou isenção do desconto do Imposto de Renda na fonte e contribuiçpão previdenciária parcial. O artigo 6º, inciso XIV, da Lei nº 7.713, de 22 de dezembro de 1.998, diz que “os proventos de aposentadoria ou reforma motivada por acidente em serviço e os percebidos pelos portadores de moléstia profissional, tuberculose ativa, alienação mental, neoplasia maligna, cegueira, hanseníase, paralisia irreversível e incapacitante, cardiopatia grave, doença de Parckinson, espondiartrose anquilosante, nefropatia grave, estado avançado da doença de Paget (oesteite deformante), síndrome da imunodeficiência adquirida, com base em conclusão especializada, mesmo que a doença tenha sido contraída depois da aposentadoria ou reforma”, essas pessoas físicas ficam isentas do pagamento ou do desconto na fonte do IR. As Leis 8.541, de 23 de dezembro de 1.992 e 8.250 de 26 de dezembro de 1.995, todas da União, garantem essa isenção. Também o decreto nº 1.041 de 11 de janeiro de 1.994, que trata da regulamentação de cobrança e fiscalização do Imposto de Renda para os proventos de qualquer natureza, a fim de evitar laudos falsos. A restituição pode Na cartilha, constam como classificadas pela legislação brasileira e com direitos especiais para os portadores as seguintes doenças graves: moléstia profissional; esclerose múltipla; tuberculose ativa; hanseníase; neoplasia maligna (câncer); alienação mental; cegueira; paralisia irreversível e incapacitante; cardiopatia grave; doença de Parkinson; espondilartrose anquilosante; nefropatia grave; estado avançado da doença de Paget (osteíte deformante); AIDS; fibrose cística (mucoviscidose); contaminação por radiação e hepatologia grave. Em todos os casos são necessários laudos médicos e exames comprobatórios. Direitos Saiba alguns dos direitos dos portadores das doenças graves: - Isenção de IR (Imposto de Renda) sobre proventos de aposentadoria/reforma e pensão; - Isenção da Contribuição Previdenciária, parcial ou total; - Isenção de impostos (IPI, ICMS, IPVA e IOF) na compra de automóveis, dependendo da moléstia); Eumauri lembra que o Sinpol está sempre à disposição do associado para sanar toda e qualquer dúvida 14 Abril/2015

[close]

p. 15

DIG RIBEIRÃO ESPECIALIZADA PRENDE HOMEM COM Os policiais civis da DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Ribeirão Preto, realizaram uma grande apreensão de comprimidos psicotrópicos e anabolizantes utilizados ilegalmente para ganhar massa muscular, principalmente por usuários de academias de ginástica. Segundo o titular da DIG, dr. Ricardo Turra, os policiais civis vinham trabalhando no caso há cerca de um mês e a prisão ocorreu no dia 06 de março. Assim que foi constatada movimentação suspeita na residência localizada no bairro Planalto Verde, zona oeste da cidade, a equipe da DIG solicitou mandado de busca e apreensão. Assim que o mandado foi expedido, os policiais civis Mateus e Cordeiro se deslocaram até o local. Lá chegando, encontraram J.A.P.L.P., de 51 anos, e sua ex-amásia, V.R.C., na residência. Ao abordarem o casal, os policiais civis exibiram o mandado de busca e apreensão e entraram na residência. “Temos informações de que esses medicamentos eram trazidos por outras pessoas para ele, do Paraguai. Ele revendia para pessoas de diversas cidades da região”, revelou o dr. Turra. Isso foi constatado após a apreensão de um caderno contendo anotações e balanços da venda de anabolizantes e outros medicamentos e de drogas psicotrópicas. Nos cadernos apreendidos, os policiais civis encontraram nomes de compradores das cidades de Ribeirão Preto, Jardinópolis, Pontal e até mesmo de Praia Grande, litoral paulista. Todo o material estava escondido em um guarda roupas, num dos cômodos da casa e J. não soube explicar nem a procedência, nem o que faria com todos aqueles produtos. Entre os medicamentos, além dos anabolizantes, havia também emagrecedores e estimulantes Prisão foi resultado de trabalho de investigação que consumiu um mês de intenso trabalho; suspeito vai responder por tráfico e contrabando de medicamentos proibidos sexuais, todos oriundos do Paraguai. Muitos medicamentos não possuem sequer o devido registro sanitário da ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Havia ainda milhares de comprimidos de medicamentos com as substâncias “Sibutramina” e “Femproporex”. A venda desses medicamentos é enquadrada como tráfico de entorpecentes. Especialistas apontam para os riscos na utilização destes medicamentos. Os psicotrópicos podem causar dependência. Já os anabolizantes podem causar graves danos ao organismo, como problemas cardíacos, câncer de fígado e falência renal. O homem recebeu voz de prisão e foi encaminhado à sede da DIG, onde o dr. Turra ratificou o flagrante. Ele vai responder por tráfico de drogas e contrabando de medicamentos proibidos. J. não tinha passagens anteriores pela Polícia. Drogas e armas No dia 04 de março a especializada também realizou uma prisão resultado de trabalho de investigação, originada após uma denúncia. Policiais da DIG realizaram campana e recolheram elementos que indicavam haver crime no local denunciado, principalmente porque o dono da casa era velho conhecido nos meios policiais. Diante das evidências, duas equipes se deslocaram até o local, um imóvel localizado no Parque Ribeirão Preto, zona oeste da cidade. Lá chegando, encontraram a amásia S.J.S., de 22 anos. Ela é companheira de T.H.G., de 28 anos, que já respondeu por tráfico de drogas. A mulher alegou que o rapaz não estava em casa, mas permitiu a entrada dos policiais. Durante a revista, encontraram duas armas Cherokee 45 mm, de fabricação israelense, de alto poder lesivo, além de 155 porções de maconha prontas para a venda ao usuário final. Segundo o chefe dos investigadores, Jesuíno, a droga foi encaminhada ao IC (Instituto Criminológico). “Estamos aguardando o resultado do laudo toxicológico, mas já identificamos o responsável pela droga e pelas armas”, informou Jesuíno. Segundo o dr. Eduardo Rodrigues Martinez, que integra a especializada e con- R$ 50 MIL EM ANABOLIZANTES E DROGAS duziu a ação, a operação foi altamente positiva. “Foi uma importante apreensão. O homem, que está sendo procurado, é considerado de alta periculosidade, já tem antecedentes por tráfico”, disse o dr. Eduardo. Os policiais civis acreditam que as armas seriam emprestadas para que outros criminosos pudessem cometer assaltos e outros crimes. T. será indiciado por tráfico de drogas e posse de arma de calibre restrito. Equipe da DIG de Ribeirão Preto Abril/2015 15

[close]

Comments

no comments yet