F&N#159

 

Embed or link this publication

Description

F&N#159

Popular Pages


p. 1



[close]

p. 2



[close]

p. 3

Figuras&Negócios - Nº 159 - MARÇO 2015 3

[close]

p. 4

N CARTA DO EDITOR ção a que os angolanos não podem ficar de fora. Não adianta, no meio de opiniões divergentes, perder a coragem para a abordagem desse e de outros temas candentes vividos na nossa Sociedade e que não podem ser escamoteados com o risco de, se assim fôr, os resultados, amanhã, serem muito mais nocivos na esteira da construção de uma sociedade plural onde se deve respeitar o direito e as opcões de cada um. É com esse propósito que elegemos a homossexualidade como assunto de destaque numa edição onde outras materias de âmbito nacional e internacional também merecem, como é a problemática dos vistos para a entrada em Angola que, dificuldades criadas pelos serviços de emigração permitiu o engendrar de esquemas de autorizações falsas que começa em Angola e se enraiza em países que se constituiram em bases para a entrada de milhares de estrangeiros, como é o caso de Portugal, Brasil, China e Nigéria. É um problema grave que exige medidas pertinentes, pois o alastrar da situação-de entrada em massa para Angola de milhares de pessoas que se recusam a obedecer as regras da legalidade,-monta-se o cenário para amanhã se atentar contra a soberania de Angola. E quando se fala de soberania, no campo internacional não ignoramos o que se passa na Nigéria e noutros países vizinhos onde o grupo extremista islâmico Boko Haram mata, rapta pessoas, destroi infra-estruturas e coloca a paz na região em perigo. Na Europa, na Ucrânia a paz está tremida e é evidente um conflito que coloca de um lado os americanos e os europeus e do outro os russos que têm a Ucrânia como um bocado do seu pedaço que não pode ser desligado para que aquela antiga potência mundial não se sinta ameaçada em todos os cantos das suas fronteiras. Enfim, uma edição onde se fala, tambem das conquistas que os angolanos vão tendo no mundo da Moda onde valores jovens despontam nas passarelles internacionais. Boa Leitura a presente edição trazemos um tema que se apresenta muito delicado na abordagem pública mas que se sabe ganha espaços na Sociedade, que é a homossexualidade. Aproveitamos o embalo do alarido que se gerou por causa de um beijo entre dois homens, protagonizado em horário nobre numa telenovela angolana, o Jikulumessu, em exibição no canal publico de televisão, a TPA. Várias opiniões foram produzidas à propósito ressaltando-se entre elas a necessidade de se abordar um tema que se enraiza e que hoje já não pode ser ignorado porquanto reclama-se tomada de posição no sentido de se clarificar ou o consentimento da sua prática ou o banimento fazendo vincar os valores que, na opinião de muitos, o homossexualismo atenta contra a maneira de ser e estar do angolano enquanto povo africano de origem bantu. Há outras vozes que alinham ao contrário recordando a globaliza- 4 Figuras&Negócios - Nº 159 - MARÇO 2015

[close]

p. 5

Figuras&Negócios - Nº 159 - MARÇO 2015 5

[close]

p. 6

7. EDITORIAL A RESPOSTA QUE SE ESPERA 10. PÁGINA ABERTA CARMO NETO, SECRETÁRIO GERAL DO UEA "NEM TODA GENTE QUE ESCREVE UM LIVRO É ESCRITOR" 16. LEITORES MAKA DO EXCESSO DE LIXO SEM SOLUÇÃO 19. PONTO DE ORDEM QUEM TEM DE MUDAR? 32. FIGURAS DE CÁ 37. MUNDO REAL TRAGÉDIA DO LOBITO E LIÇÕES PARA O FUTURO 40. DOSSIER HOMOSSEXUALIDADE NO MUNDO PORTUGUÊS 61. NA ESPUMA DOS DIAS TRAGÉDIA NO LOBITO A CULPA VAI MORRER SOZINHA? 62. CULTURA CABO VERDE TEATRO MOVIMENTA MINDELO 66. ECONOMIA & NEGÓCIOS OGE (2015) RECTIFICADO 89. FIGURAS DE JOGOS E A UNIDADE AFRICANA? 96. VIDA SOCIAL BURITY CANTA E ENCANTA NO DIA DAS MULHERES VISTOS E NACIONALIDADE COMPRADOS COMO FRUTAS NO MERCADO REPORTAGEM 20. 74. MUNDO NIGÉRIA BOKO HARAM EM METAMORFOSE 100. FIGURAS DE LÁ CAPA: BRUNO SENNA 6 Figuras&Negócios - Nº 159 - MARÇO 2015

[close]

p. 7

BASQUETEBOL ANGOLANOS CONFIANTES PARA COMPROMISSOS INTERNACIONAIS DESPORTO 86. MODA & BELEZA 90. MODELO AMILNA ESTÊVÃO UMA FLOR QUE DESPONTA NA MODA 104. RECADO SOCIAL O PESADELO DE SER GOVERNADOR DE LUANDA Publicação mensal de economia, negócios e sociedade Ano 15 - n. º 159, Março – 2015 N. º de registo 13/B/97 Director Geral: Victor Aleixo Redacção: Carlos Miranda, Júlia Mbumba, Sebastião Félix, Suzana Mendes e Venceslau Mateus Fotografia: George Nsimba e Adão Tenda Colaboradores: Édio Martins, Juliana Evangelista, João Barbosa (Portugal), Manuel Muanza, Rita Simões, Ana Kavungu, D.Dondo, Wallace Nunes (Brasil), Alírio Pina e Olavo Correia (Cabo-Verde), Óscar Medeiros (S.Tomé) e Crisa Santos (Moda). Design e Paginação: Humberto Zage e Sebastião Miguel Publicidade: Paulo Medina (chefe) Portugal e Europa: Venda/Assinatura e Publicidade: Rita Simões Rua Rosas do Pombal Nº15 2dto 2805-239 Cova da Piedade Almada Telefone: (00351) 934265454 Assinaturas (geral): Katila Garcia Revisão: Baptista Neto Brasil: Wallace Nunes Móvel: (55 11) 9522-1373 e-mail: nunewallace@gmail.com Londres: Diogo Júnior 12 - Ashburton Road Royal Docks - London E16 1PD U.K Produção Gráfica: Imprimarte (Angola) Cor Acabada, Lda (Portugal) Tiragem: 10.000 exemplares Direcção e Redacção: Edifício Mutamba-Luanda 2º andar - Porta S. Tel: 222 397 185/ 222 335 866 Fax: 222 393 020 Caixa Postal - 6375 E-mails: figurasnegocios@hotmail.com artimagem@snet.co.ao Site: www. figurasenegocios.co.ao Facebook: Revista Figuras&Negócios Angola 7 Figuras&Negócios - Nº 159 - MARÇO 2015

[close]

p. 8

8 Figuras&Negócios - Nº 159 - MARÇO 2015

[close]

p. 9

A RESPOSTA QUE SE ESPERA A EDITORIAL tragédia que se abateu sobre a cidade do Lobito que, em função das chuvas que alí caíram no início de Março, provocou uma enxurrada com casas construídas em locais pouco proprios a ficarem completamente destruídas e a perderem a vida mais de 70 pessoas, provou aos poderes constituídos que, se ainda existiam dúvidas, o povo angolano é solidário. Na verdade, o apoio solidário aos irmãos vítimas da tragédia do Lobito foi rápido e total proveniente de todos os pontos do País, independentemente das filiações partidárias, credos que cada um professa ou outros quejandos. Tudo e todos se confluiram para uma preocupação unica: levar o conforto aos irmãos do Lobito num momento delicado de dor e de luto muito longe ainda de se concentrarem nas causas que estiveram na base da tragédia. Consumada a desgraça, até certo ponto minimizada pela onda de solidariedade nacional, é altura de se apurar responsabilidades sobre as causas da tragédia que não pode morrer solteira e, desde logo, trabalhar-se para, no mais curto espaço de tempo restituir-se a dignidade e vida condigna aos sinistrados. Vozes da sociedade apressaram-se em identificar o principal culpado da situação apontado o dedo as autoridades da Província que permitiram a construção de habitações em zonas de risco, a obstrução de valas de drenagens de águas criando caminhos para o não funcionamento regular das infra-estruturas básicas, que se apadrinhou, directa ou indirectamente, acções desenfreadas de vendas de terreno com o fim único de especulação imobiliária,... Não fica bem na fotografia qualquer dirigente que se preze vir a terreiro acusar a população, alguns dos quais perderam, inclusive, a sua própria vida, por terem desrespeitado qualquer lei que impedia construir em zonas de risco quando se sabe que, no exercício de acções governativas, o poder é para ser exercido com verticalidade. Por isso mesmo, na base desse desiderato, a solidariedade de toda nação ante a tragédia que se abateu sobre a cidade do Lobito exige que se separe o trigo do joio e sejam penalizados os negligenciadores mas, mais do que isso, coloca nas mãos do governo res- ponsabilidades acrescidas para, em prazo recorde, se arranjar soluções condignas para os habitantes hoje penalizados que não pode ser a situação provisória encontrada, de os colocar em tendas sem se definir timings para o fim dessa vida precária. Ora bem, existindo já terreno talhonado e diante de ajudas recebidas, entre elas algum material de construção, porquê que as autoridades governamentais não assumem o compromisso de conduzir, elas mesmo, a empreitada de construção de um bairro social que possa albergar os desalojados permitindo-lhes, assim, recomeçarem uma vida com mais dignidade e esperança para melhor encararem os desafios do futuro? Ocorreu-nos recuar no tempo e questionar onde andam as empresas que em Luanda, um dia, prometeram publicamente ao Chefe de Estado capacidade para produção de vinte casas sociais diárias? Mesmo que não se respeita esse número, sabemos que a tecnologia hoje permite construção recorde de casas sociais, o que seria, se o governo assim procedesse, uma forma de se familiarizar com a onda de solidariedade nacional partindo para soluções mais realistas. Algumas experiências já vividas noutros pontos e concernente ao alojamento de populações após a destruição, por motivos diversos, das suas habitaçães precárias aconselham a não acreditar que soluções provisórias que agora se encontram possam ser de pouca duração, numa atitude que jogará desabonatoriamente contra os órgãos do governo, quer municipal, provincial e, porque não, nacional. Com os ingredientes todos reunidos, está-se diante de uma oportunidade para se poder reforçar a aliança entre os poderes constituídos e a sociedade materializando-se no caso, uma relação biunívoca, pois, se todos se levantaram em gesto de solidariedade efectiva para com as vítimas, agora pede-se como resposta um engajamento mais decidido e, porque não dizer, patriótico e oportuno do governo. Não da para aplaudir paliativos, situações provisórias que podem arruinar ainda mais milhares de pessoas que psicologicamente estão traumatizadas ou por perderem os seus ente-queridos, ou os seus haveres e têm de recomeçar as suas vidas. E isso exige tranquilidade de espírito!   Figuras&Negócios - Nº 159 - MARÇO 2015 9

[close]

p. 10

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES REPÚBLICA DE ANGOLA LISTA DE AGENTES DO CNC Contact: Mrs. Ilse Fliege Martinistrasse.29 D-28195 Bremen Telf: (49) 421 339 365 Fax: (494) 213 393 699 Email: management@asa-services.net/ bremen@asa-services.net Germany, Poland, Lithuania, Latvia, estonia, Russia, Ukraine, England, Ireland and Scotland ASA GMBH HEISEI SHIPPING AGENCY Contact: Mr. Sawamoto Shiba Nishi Bldg, 6F 9-1 Shiba 4-Chome, Minato KU Tokyo Telf: (81)354765771/(81)354765710 Fax: (81) 354 765 711 Email: ops@hship.co.jp Japan FRABEMAR BEACON & SOUTH ATLANTIC AGENCIAMENTOS LTDA Contact: Mr. Franco Bernardini Ms Sara Pizzo Viale Brigate Partigiane 16/2 16129 Genoa Italy Telf: (390) 105 533 011 Fax: (39) 010 541 458 Email: dbernardini@frabemar.it/mbernardini@frabemar.it Italy and spain Contact: Sr. Thiago Lima, Srª Ana Quast, Sr.José Vela D. Silva Rua do Comércio 55 - SI. 61/63 / CEP: 11010-141 - Santos - SP / Brasil Telf: (55) 13 30234255 Fax: (55) 13 30234270 Email: thiago@beaconsouth.com.br/ana@beaconsouth.com.br/ marilinda@beaconsouth.com Brazil SCC Contact: Mr. Duarte Miranda Mr Miguel Camelier Silva R. de Moscavide, Lt 4.28.02, Loja A - Parque das Nações - 1990-198 Lisboa Telf: (351) 218 947 140 Fax: (351) 218 945 145 Email: lisboa@scc.com.pt/m.camelier@scc.com.pt Portugal MITCHELL COTTS Contact: Ms.Marisa Sidorak Calle Lima 29, Piso 3, Oficina I. Buenos Aires Argentina Telf: (54) 11 48780668 / (54) 11 48780669 Fax: (541) 143 811 713 Email: marisa@angomar.com.ar/luis@angomar.com.ar Argentina, Bolivia, Colombia, Ecuador, Peru, Ungria Paraguay and Venezuela ANGOMAR AGENCIA MARÍTIMA SRL Contact: Ms.Nadia Titton 11th Floor, Grindrod House 108 Victoria Embankment Durban P.OBOX 1021 Durban 4000, South Africa Telf: (27) 313 027 189 Fax: (27) 313041752 Email: nadia@mitchellcotts.co.za;/nigels@mitchellcotts.co.za Republic of South Africa, Namibia, Swaziland, Zimbabwe, Mozambique, ilhas Mauricias, Tanzania and Kenya SEAWAY EXPRESS CO, LTD OIC SERVICES INC. Contact: Ms.Phornsri Simavanichkul 718/6 Soi Suanplu, South Sathorn Road, Sathorn, Bangkok 10120 Telf: (66)267933456 (66) 67947979 (66) 26794019 Fax: (66)26794018/ (66)22131125 Email:phornsri@ksc.th.com Thailand, Myanmar and Laos Contact: Mrs. Veronique Durnerin B.P 5208 Pointe Noire - Republique du Congo Telf: (18) 329 126 820 Fax: (18) 329 126 864 Email: vdurnerin@oicservices.com/info@oicservices.com USA and Mexico TECHNIMAR Contact: Mr.Sylvain Lepage Mr. Hugo Bourassa 1695 Boul. Laval, Suite 330 - Laval, QC - H7S 2M2 Telf: 1 (450) 975 2058 Fax: (14) 509 752 125 Email: s.lepage@transgloballogistics.ca/h.bourassa@transgloballogistics.ca Canada TRANSGLOBAL Contact: Mr. Schreurs Philippe Square de Meeus 38/40 - 1000 Bruxelles, Belgique Telf: (32)24016139 Fax: (3) 224 016 140 Email: office@technimar.net Belgium, Netherlands and Luxemburg 10 Figuras&Negócios - Nº 159 - MARÇO 2015

[close]

p. 11

Contact: Mr. Willy Deku P.O. BOX CT 2878 CANTONMENTS ACCRA Fax: Telf: (23)322210509 (23)3243715976 (23)3208116762 Fax: (23) 322 210 509 Email: wilmardel@ighmail.com/ wildeku@yahoo.com Benim, cameron, Ivory Coast, Gabo, Ghana, Equatorial, Equatorial, Guinea, Nigeria, Senegal and Togo WILMARDEL LTD TIME OCEAN SHIPPING LIMITED Contact: Ms.Wang Yue I 19/F, International Ocean Shipping & Finance Center, No. 720 Pudong Avenue, Pudong New District, Shanghai - China Telf: (86)2150366097/ (86)2150366098 Fax: (86) 21 50366095 / (86) 21 50366100 Email: operationsh@timeocean.net China WILHELMSEN HYPWOON SHIPS SERVICE LTD Contact: Mr.K.S. Lee 12th floor, Doryeom Bldg., 60 Doryeom-Dong, Jongno-Gu, Seoul Korea Telf: (82)237030801 Fax: (8) 227 388 130 Email: k-s.lee@wilhelmsen.com South Korea ALADIN SERVICES CONGO Contact: Mrs.Diane Carole Makiza B.P 5208 Pointe Noire - Republique du Congo Telf: (2) 426 481 016 Email: aladin.services.congo@yattoo.com Congo SAGA SHIPPING Contact: Mr.Leo Mikkelsen Auktionsvej 10 9990 Skage Dinamarca Telf: (4) 598 443 311 Fax: (4) 598 450 029 Email: saga@saga-shipping.dk/ Denmark, Finland, Norway and Sweden Contact: Mrs.Yasemin Uyar ISTOC 18 ADA NO:120 BAGCILAR ISTANBUL-TURKEY Telf: (902) 124 823 743 Fax: (902) 124 827 757 Email: info@dsf-cnca.com/ yasemin.uyar@dsf-cnca.com Turkey DSF DOLPHIN CHARTERING SERVICES PVT. LTD Contact: Mr.Subodh Joglekar 405, Gokul Arcade. A-Wing. Vile Parle (East). Mumbai 400 057, INDIA Telf: (91)2228368825/ (91)2228368827 Fax: (912) 228 361 849 Email: dolphin@dolphinchart.com India WAB CORP MARINE TRANSPORT SERVICES (L.L.C.) Contact: Ms. Vivian Fernandez Mr. Hussein El Zein Platinum Business Center Offices No 606/607, 6th Flr. Bagdad Road, Al Nahda 2nd P.O Box 172203 DUBAI - United Arab Emirates Telf: (97) 142 583 529 Fax: (9) 611 456 688 Email: abeer@wabcorporation.com/ wab@wabcorporation.com Lebsnon, Iraq, Iran, Saudi, Arabia, Egypt, Jordan, Qatar and Syria FOREMOST LINE LIMITED Contact: Mr. ST Chen Chuang Thio Beijing Office 2708-07, Tower C, Office Park 5, Jianghai South Street, Chaoyang District, Beijing China 100020 Tel: (85) 225 418 671 Email: foremosthk@foremostline.com China WAB CORPORATION Contact: Mr. Hassan Yahfoufi, Ms. Abeer Ashour 2931, Airport Business Center, 4th Floor #402 Beirut, 2814-4105 Lebanon Telf: (9) 611 458 825 Fax: (9) 611 456 688 Email: abeer@wabcorporation.com/ wab@wabcorporation.com Lebsnon, Iraq, Iran, Saudi, Arabia, Egypt, Jordan, Qatar and Syria SIN CHIAO SHIPPING AGENCY PTE LTD MARITRADE SHIPPING CONSULTANT SAS Contact: Ms.Nadia Berkane 10,Rue du Colisée, 75008 Paris Telf: (330) 156 591 640 Fax: (330) 156 591 642 Email: maritradesas@yahoo.fr France Contact: Mr.Thio.S.T 12 Prince Edward Road #03-13 Podium B Bestway Building Singapore 079212 Telf: (6) 562 241 011 Fax: (6) 562 242 775 Email: sinchiao@pacific.net.sg;/sthio@pacific.net.sg Australia, Indonesia, Malaysia, New Zealand, Philippines, Singapore, Bangladesh, Pakistan and Srilanka HT TRADE-COOPERATION AND TRANSPORT JOINT STOCK COMPANY Contact: Mr.Le Thiet Thao 31ª, Rua Nguyen Khuyen, Destrito Dong Da, Hanói, Vietnam Telf: (04) 374 783 47 Fax: (04) 374 716 42 Email: sociedade_ht@cnca.vn Vietnam and Cambodja SAN LIAN SHIPPING Contact: Mr.Lu Suen Yu 11/F, Ngan House, - 206/210 Des Voeux Road Central - HONG KONG Telf: (86)2150366097/ (86)2150366098 Fax: (86) 21 50366095 / (86) 21 50366100 Email: operationsh@timeocean.net China Figuras&Negócios - Nº 159 - MARÇO 2015 11

[close]

p. 12

PÁGINA ABERTA DESTAQUE O Secretário-Geral da União dos Escritores Angolanos (UEA), Carmo Neto, apontou em entrevista à F&N o talento, leitura e criatividade como elementos essenciais para quem quer entrar no mundo das letras Por: Venceslau Mateus (Texto) Fotos: Arquivo F&N F iguras&Negócios (F&N) - Está no seu segundo mandato. Que análise faz deste período à frente dos destinos da UEA? Carmo Neto (CN) - Muito mais produtivo relativamente ao período anterior, porque em razão da experiência acumulada, outras situações vão se resolvendo. Falo das nossas makas à quarta-feira, edições de livros. Neste momento, a meio do mandato, já vamos muito para além de livros editados, durante o meu primeiro mandato. Isto é, mais de 50 títulos. As nossas acções de promoção da literatura angolana no estrangeiro também ganharam  novo fôlego com a participação em eventos internacionais. Os livros editados pela UEA  encontram felizmente boa recepção em todo espaço onde são vendidos. Neste momento todos estabelecimentos comerciais Keros comercializam muito bem livros editados pela União dos Escritores Angolanos, em todas as províncias, onde operam. O prémio literário Quem Me Dera Ser Onda agora é nacional. Queremos com isto dizer que estabelecemos um vínculo de parceria com o Ministério da Educação que leva os professores e coordenadores da disciplina de língua a promover e divulgar o regulamento do referido concurso literário nas mais recônditas escolas do país. E, assim, todos os estudantes interessados da faixa etária regulamentada, dos 13 aos 17 anos de idade, participam. Em termos de publicações temos em agenda várias obras em parceria com a Leya (Texto Editores). Os lançamentos acontecerão entre Angola e Portugal e noutros países de língua oficial portuguesa. Estamos também a tratar da reedição de livros cujos conteúdos preenchem os programas. Refiro-me a obras de Luandino Vieira, Óscar Ribas, António Jacinto, José Luís Mendonça, João Maiomona, Roderick Nehone, Fragata de Morais, entre outros autores que preencherão cerca de quarenta títulos no âmbito das reedições. É um projecto que está a ser realizado  em parceria com a editora Letras. Relativamente à promoção da literatura e dos escritores angolanos no exterior, a UEA tem apostado forte também no processo de tradução da literatura angolana em outras línguas, nomeadamente italiano, francês, inglês e alemão, árabe, espanhol, cujas antologias também em português serão encaminhadas para o Instituto de Literatura Universal. F&N- Há mais interacção entre a direcção da UEA e os escritores? CN - Certo. Já o escritor Dario de Melo fez referência pública e também temos sentido maior interacção entre a UEA e a sociedade civil, na medida em que todas às actividades programadas contam com a presença de um vasto público. A maior parte dos prelectores são activos cidadãos de reconhecido mérito. Aliás, é notório o facto de se registar actualmente a existência de mais obras para editar e menos espaço para acolhimento de tais actividades no âmbito da programação da UEA. A título de exemplo, devo dizer que dentro de dias receberemos cinco títulos infantis, nomeadamente da escritora Cremilda Lima, e três dos primeiros classificados do concurso CARMO NETO, SECRETÁRIO-GERAL DA UEA "NEM TODA GENTE QUE ESCREVE UM LIVRO É ESC 12 Figuras&Negócios - Nº 159 - MARÇO 2015

[close]

p. 13

PÁGINA DESTAQUE ABERTA CRITOR" Figuras&Negócios - Nº 159 - MARÇO 2015 13

[close]

p. 14

PÁGINA ABERTA DESTAQUE literário Quem Me Dera Ser Onda. E teremos ainda o livro do vencedor do Prémio Sonangol de Literatura, bem como os livros da Colecção destinados ao sistema de ensino (10 títulos) e outros 10 que estão a chegar do Brasil. A actividade é de facto fluente, activa e representativa, mas esta interacção tem fundamentação. Nos últimos tempos vendem bem os livros editados pela UEA. Á par destas acções, a UEA tem também sabido proteger os seus membros, prestando os apoios necessários em questões de saúde, direitos de autor, sala para o lançamento das suas obras, entre outras. F&N - Qual é a diferença que se estabelece entre um texto literário e um texto de especialidade? CN - Devo dizer que o literário versa uso estético da linguagem. A ideia generalista de que tudo expresso em livro é literatura e que todo o autor de um livro é escritor não cabe nos nossos conceitos. Não cabe em nós, de forma alguma, atribuir o adjectivo de escritor aos autores de livros sobre biografias, literatura médica, jurídica, sociológica, linguística e que privilegiam marcas pessoais, opiniões, juízos, etc. Pelo menos até este tempo e enquanto os conceitos e a fronteira entre o literário e não literário for visivelmente invisível, não os poderemos ver como escritores, com todo o respeito que merecem. A UEA assume um conjunto de responsabilidades que lhe permitem granjear respeito e prestígio por meio da sua contribuição na regulação da qualidade da produção literária. Supõe-se que alí onde a UEA coloca o seu selo cultural existe não apenas qualidade, mas, acima de tudo, prestígio. Entretanto, porque o mundo da literatura não se regula com fronteiras físicas entre o estético e o não estético; literário e  o não literário, tanto podemos estar a pecar por defeito ao não apoiar certas produções, como podemos estar a pecar por excesso ao apadrinhar obras julgadas literárias. Para nós a literatura é ainda uma manifestação artística cuja matéria-prima é a palavra. F&N - Quantas obras são necessárias para que alguém possa ser considerado escritor e faça parte do grupo de membros da UEA? CN - É indefinível. Há autores que, de forma extraordinária são escritores de mérito com uma obra apenas, há alguns exemplos no mundo. Mas nós tratamos de casos ordinários. O candidato deve ter duas obras literárias publicadas, entre outros requisitos, recomendação de três escritores membros da UEA é indispensável.  Temos recebido algumas candidaturas. F&N - Já escreveu seis obras literárias. Sente-se um escritor maduro?  CN - Não. Não porque continuo ciência impede-me de "parir" textos indigestos  para o consumo público. É necessário criar, criar, mais em condições certas. F&N– A sua condição de Secretário-Geral da UEA impede-o, alguma forma, de trabalhar nos projectos literários individuais? CN - A condição de Secretário-Geral da UEA perturba o labor criativo. O tempo funciona como um implacável semáforo  de sentido proibido. E os partos quase sempre acabam em abortos. Há compromissos e prioridades que tenho que honrar em função do exercício do cargo. Auguro pela minha reforma para ganhar a liberdade de flutuar e com o tempo criar. Não quer dizer que não estou a escrever. F&N - Quais são as suas principais fontes de inspiração? CN- A vida e aquilo que nos inquieta a alma,   o amor, as lágrimas, a riqueza e a pobreza, a política e a politiquice. Em livro fica o registo para a partilha com o eventual leitor.   F&N - Como caracteriza o estado actual da literatura Angolana? CN - Já esteve pior. Agora a literatura angolana caminha melhor, quer em termos quantitativos como qualitativos. É verdade que temos ainda algum percurso a percorrer, mas estamos muito bem encaminhados. Melhorou a quantidade e a qualidade de livros literários no mercado. Devem baixar os preços dos livros. Que sejam inferiores ao custo de uma cerveja. Precisamos de mais livrarias e bibliotecas no país para melhor promoção do livro e da literatura angolana.  F&N - O elevado preço do livro não está a contribuir, também, para que a juventude deixe de ter o livro como um amigo predilecto? CN - É uma questão preocupante, porque a produção é cara. A UEA vende os livros abaixo do preço real, tendo em consideração o seu custo de produção. Os nossos livros infantis são todos vendidos a mil kwanzas, para incentivar os pais a comprá-los e ajudarem os filhos a “ Melhorou a quantidade e a qualidade de livros literários no mercado. Devem baixar os preços dos livros. Que sejam inferiores ao custo de uma cerveja. Precisamos de mais livrarias e bibliotecas no país para melhor promoção do livro e da literatura angolana” a escrever e a buscar a melhor forma e conteúdo. O desempenho administrativo é uma actividade que perturba  a  criatividade artística, sobretudo no domínio da escrita, que deve ser permanente. Vou augurando pelo meu futuro na reforma. Espero que tenha tempo para usufruir da leitura e da escrita. Aí sim, poderei amadurecer. Ainda estou em fase de crescimento. F&N – O seu último livro foi publicado em 2007. A que se deve esta ausência prolongada do mercado literário? CN - O compromisso com a UEA é uma dentre várias razões. Continuo a escrever sem publicar. A cons- 14 Figuras&Negócios - Nº 159 - MARÇO 2015

[close]

p. 15

PÁGINA DESTAQUE ABERTA Figuras&Negócios - Nº 159 - MARÇO 2015 15

[close]

Comments

no comments yet