beecha

 

Embed or link this publication

Description

plasti

Popular Pages


p. 1

Revista Hobby News Emerson Miura (Cybermodel)* Primeira impressão A GIIC é uma empresa que já atua no mercado há alguns anos produzindo kits em resina para montagem. Sua linha é voltada para a aviação brasileira, principalmente militar. Devido a características de produção dos kits da GIIC, seus produtos não são recomendados para modelistas iniciantes ou que não tenham experiência em kits de resina. Os kits da empresa requerem alguma habilidade do modelista e um pouco de paciência no acabamento. O kit do UC-45 (Beechcraft 18) vem acondicionado em uma caixa de papelão com uma folha impressa com uma imagem de um modelo montado e outras informações ao redor da caixa. As peças vêem acondicionadas em 9 sacos plásticos e uma folha de instruções com poucas informações. Nela existe apenas um desenho esquemático da montagem sem melhores explicações, precisando o modelista recorrer a outras fontes de informações tanto para a montagem como a pintura correta do modelo. O fabricante poderia ser mais atencioso nesse ponto. No total o kit é composto por 64 peças em resina, sendo 16 de metal, 2 transparências, 3 folhas de decais. Montagem Antes de iniciar a montagem, procurei verificar se todas as peças estavam em ordem ou com algum defeito. As peças metálicas vinham num saco plástico à parte. Apesar de algumas estarem bem tortas, não tive problemas ao corrigi-las. A dificuldade foram as rebarbas. As peças que ficam mais visíveis (trem de pouso, bequilha, hélices, etc.) foram as que dei um tratamento especial, foram limadas e lixadas. Por ser um kit artesanal, tive dificuldades em fixar algumas peças. Precisei lixar bastante o assoalho da cabine para que ele encaixasse dentro da fuselagem. Depois de colar as asas, lixei-as e apareceram bolhas, que provavelmente se formaram quando a resina ainda não estava seca. Solucionei o problema aplicando cola de Cianocrilato (Super Bonder®) nos buracos que apareceram e depois lixei. Ao colocar os trens de pouso, percebi que os mesmos não aguentariam o peso do modelo. Optei em trocar parte de onde seria a suspensão por um pino de aço do mesmo diâmetro. Serrei o garfo da roda do trem de pouso separando-o do restante da peça. Perfurei e colei o pino. O resultado foi satisfatório. Depois de fechar a fuselagem e colar as asas no modelo averiguei se tudo estava num ângulo correto. Mesmo assim o modelo estava muito torto. Fui limando e lixando aos poucos até obter a posição desejada. Depois de corrigido, colei as transparências. No kit existe a opção de deixar a porta de acesso aberta ou fechada. Optei em colar a porta de acesso na posição fechada, mas... A porta simplesmente não encaixava. Era muito menor! Sanei este problema refazendo a porta no diâmetro correto com um cartão telefônico usado. O canopy foi o que deu mais trabalho, pois para colá-lo eu tinha que deixar o corte dele maior para ter ponto de colagem. Canopy colado, mascarado e com a emenda coberta por Putty (massa de poliéster). 64

[close]

p. 2

Decais Por fim, tudo lixado e perfeitamente posicionado! Antes de pintar, dei uns pequenos toques para que o modelo ficasse com um ar mais elegante. Fiz alguns rebites, corrigi algumas linhas de painel e coloquei uns tubos no trem de pouso simulando tubos de freio. Comentários finais Acompanham 3 folhas de decais, uma com os coloridos e duas com fundo branco. Apesar de o filme ser grosso e ter que recortar os decais um por um, não tive dificuldades ao aplicá-lo. O inconveniente foi colocar o fundo branco que era fino demais e quebrava com muita facilidade e a falta de instruções quanto ao local correto onde deveria ser aplicado. Tive que realizar uma boa pesquisa de imagens na internet para aplicar os decais nos locais certos. Levei 4 dias para finalizar este modelo. Foi uma experiência interessante para mim, já que só montava os kits plásticos comerciais. Kits em resina requerem além de experiência muita paciência. Dependendo do trabalho aplicado o resultado é muito satisfatório. Com soluções simples e com um toque de criatividade se supera os desafios na hora da montagem. *N do E: A revista Hobby News agradece a loja Hobby on Line (www.hobbyonline. com.br) e a GIIC pelo envio do kit para a realização da matéria. As fotos utilizadas da aeronave real pertencem aos acervos particulares de José Alvarenga (véio Alva) e Paulo Fernando Kasseb.

[close]

p. 3

Revista Hobby News Um pouco de história O Beechcraft 18 é um avião norte-americano bimotor monoplano de asa baixa, de construção metálica semi-monocoque, para seis passageiros e dois pilotos. O projeto da aeronave era bem convencional, exceto pela deriva dupla. Foi fabricado por trinta e três anos, entre 1937 e 1970, atingindo mais de 9.000 unidades. Por outro lado, a motorização sofreu várias modificações com o tempo, sempre buscando o aumento da carga útil e uma maior velocidade. Inicialmente, foi utilizado por companhias de transporte do Canadá. Seguiramse diferentes versões militares durante a Segunda Guerra Mundial. As principais foram a C-45 (ligação e transporte), a AT7 (treinamento de navegação), a AT-11 (bombardeiro de treinamento) e a F2 (fotografia e reconhecimento). Após a guerra, surgiu a primeira versão comercial denominada Model D18S. Esta versão estava equipada para transportar oito passageiros, possuía um alcance maior e aumento da carga útil. A Força Aérea Brasileira utilizou diversos modelos desta aeronave totalizando 115 aeronaves ao longo de 35 anos. As primeiras aeronaves foram adquiridas em 1942 e as últimas em 1964, sendo todas desativadas entre os anos de 1976 e 1977. A Marinha do Brasil adquiriu em 1948 um modelo D18S para realizar serviços de cartografia, mas como estava legalmente impedida de operar aeronaves, esta recebeu matrícula da FAB e era pilotada por pilotos da FAB com tripulação da Marinha. Esta aeronave se acidentou em novembro de 1952 causando quatro mortes e a perda da aeronave. JLA. Tabela Fonte: Aviação Militar Brasileira – Francisco C. Pereira Netto MODELOS C-18S T-7 C-18S D-18S E-18S H-18S QUANTIDADE 42 22 28 7 16 INCORPORAÇÃO 1942 1944 1946 1957 1964 DESATIVAÇÃO 1976 1976 1976 1976 1977 Transporte Transporte Transporte Transporte e Treinamento Bimotor UTILIZAÇÃO Treinamento de Navegação e Transporte 66

[close]

p. 4

Ago/Set - 2010 67

[close]

Comments

no comments yet