baleias

 

Embed or link this publication

Description

guilherme

Popular Pages


p. 1

Revista Revista Hobby Hobby News News C Guilherme Perdomo de Castro co, que estabelecia que a FAB operasse aeronaves de asa fixa, e a Marinha as de asas rotativas, sendo que os aparelhos que não estivessem nesse contexto, seriam repassados à FAB, que em contra partida, cederia seus SH-34J à Marinha. Assim sendo, os 6 SH-34 foram “trocados” por 6 Pilatus P-3 e 6 North American T-28R1 e 1 Taylorcraft BC-12D. ANUJÁS DO HS-1 E OS BALEIAS om a aquisição do Navio Aeródromo Ligeiro Minas Gerais (A-11) pela Marinha do Brasil no final dos anos 50, à Força Aérea Brasileira (FAB), foi dada a missão de adquirir aeronaves especializadas na função anti-submarino, a fim de guarnecer o porta aviões e colaborar com a Marinha nas operações aeronavais, já que esta não estava autorizada, desde a criação do Ministério da Aeronáutica, no ano de 1941, a operar aeronaves de qualquer tipo. Dentre os equipamentos adquiridos, 6 eram helicópteros anti-submarinos do tipo SIKORSKY SH-34J SEABAT, que equipariam o Segundo Esquadrão do Primeiro Grupo de Aviação Embarcada (GAE). Nesse espaço de tempo, o relacionamento entre FAB e Marinha se deteriorou, pois esta adquiriu em segredo aeronaves de diversos tipos, sendo algumas aptas para operar no navio aeródromo Minas Gerais, desrespeitando a legislação vigente, já que tal tarefa era de exclusividade da aeronáutica. Impossibilitados de operar embarcados, os H-34 da FAB só operavam a partir de bases em terra. O impasse entre as forças de mar e ar só terminou com o Decreto 55.627, assinado no dia 26 de janeiro de 1965, pelo então presidente Humberto de Alencar Castelo Bran- O Primeiro Esquadrão de Helicópteros Anti-Submarino surgiu com a ativação do aviso número 0830 de 28 de maio de 1965, que tinha por função “Prover os meios necessários para detectar, localizar, acompanhar e atacar submarinos e alvos de superfície, a fim de contribuir para a proteção de nossas Forças Navais”. De maneira embrionária operou por algumas semanas na Base Aérea de Santa Cruz, sendo transferido em definitivo em junho de 1965 para Base Aeronaval de São Pedro da Aldeia (BAeNSPA), localizada no norte Fluminense. Os 6 helicópteros receberam as matrículas da Marinha N-3001 a 3006 e foram batizados carinhosamente com o nome de “Ba56 foto: José Alvarenga - Coleção particular

[close]

p. 2

Fev / Mar - 2009 leia” dado ao seu perfil característico. Por problemas logísticos, toda a manutenção dos SH-34J foi realizada no Parque de Material Aeronáutico de São Paulo (PAMASP), até a sua desativação. Os “BALEIAS” foram de fundamental importância no contexto de Guerra Anti-Submarino de nossa Marinha, pois era um vetor apropriado para a função, robusto e confiável, sendo o pioneiro no lançamento de torpedos por helicóptero, em 21 de junho de 1967. “AD ASTRA PER ASPERA” - Este é o lema do HS-1 da Marinha, que significa, “É Árduo o Caminho Para os Astros”, ou seja, é muito difícil a vida a bordo e os problemas a serem vencidos para se alcançar a qualificação e desempenho eficaz nas missões de busca e ataque anti-submarino com qualquer tempo. A primeira “bolacha” do Esquadrão HS-1 foi uma criação da própria FAB, sendo modificada pela Marinha quando recebeu os SH-34J. No distintivo, um Anujá (que é um pássaro da Amazônia, da família do Martim Pescador), equipado com fones, rede e sonar, representam a atividade do HS-1 no mar, localizando alvos submersos. O emblema só foi alterado no início dos anos 70 com a chegada dos modernos SH-3D Seaking. Esta matéria é uma justa homenagem aos militares que compõe o HS-1 cujo espírito de luta, abnegação, profissionalismo e vontade de vencer, representam à digna e seleta casta dos aviadores navais da Marinha do Brasil. A SAGA DOS H-34 Com as lições aprendidas durante a guerra da Coréia (1950/53), a US NAVY requisitou com urgência, um helicóptero especializado na função de guerra anti-submarino (ASW). O Departamento de Defesa abriu concorrência, sendo esta disputada entre a Bell e a Sikorsky, tendo a segunda declarada vencedora com o modelo HSS-1, posteriormente designado H-34. Sua produção começou em 1954, equipando de imediato várias unidades da Marinha e do Exército dos EUA. O aparelho foi um sucesso dada sua versatilidade, potência e alto grau de operacionalidade. A empresa inglesa Westland produziu sob licença 398 unidades batizadas de “WESSEX”, já a França, envolvida na guerra da Argélia, produziu 186 exemplares pela empresa SNCASE. Os franceses foram os pioneiros em instalar forte armamento a bordo dos H-34 (unidades artilhadas), que serviu de inspiração aos americanos na guerra de Vietnã, quando operavam com batalhões de “Cavalaria Aérea”, utilizando os UH-1 Bell e até os próprios UH-34 Choctaw (nome dado aos modelos do US Army). Foram produzidas mais de 1.800 unidades, sendo sua linha de montagem desativada somente no meio dos anos 70. UH- 34 A – HOBBY BOSS 1/72 Com o código n° 87215, o kit é moldado em plástico cinza, em baixo relevo e consiste de 54 peças, sendo 5 transparentes. Os encaixes são ótimos proporcionando horas agradáveis de montagem. O único ponto a ser ressaltado de maneira negativa é o conjunto de peças transparentes, que necessitam de um bom polimento com um chumaço de algodão, pois são ligeiramente opacas. Seguindo a folha de instruções, iniciei a montagem pelo interior que foi todo pintado na cor cinza claro. Os assentos dos passageiros (peças A-9 e A-11) foram pintados de verde folha e os encostos (B-9 e B11) na cor vermelha, sendo os suportes pintados na cor metálica. Para montar o modelo “J” usado pela nossa marinha, descarte a peça B-8 e feche com plasticard o local de sua instalação. Use as fotos desta matéria como referência e abra um orifício na lateral do nariz da peça A-1 para a instalação do escapamento triplo, que vem no kit, mas não é mencionado nas instruções. Quando a fuselagem for fechada, faça um reforço com filetes de plasticard nas extremidades ocas das mesmas, para que o alçapão ventral (peça A-13) encaixe sem problemas. Quando comecei a lixar e a nivelar o conjunto da fuselagem, notei que as linhas de relevo da parte frontal (capô de proteção do motor) estavam irregulares, devido a problemas de injeção da peça matriz. Nas partes prejudicadas passei massa plástica e reforcei com cola cianoacrilato (bonder), refazendo as linhas de relevo com a ajuda de fita crepe e “scriber”. Depois de isolar as partes transparentes com fita adesiva, apli- quei “primer” em todo o kit, para corrigir falhas de montagem. Usando tinta branca pintei o nariz, corcova e leme. Apliquei as cores verdes, amarelo e azul da cauda, isolando o local depois de seco. Cortando fita adesiva na largura de 1 mm, isolei as partes do nariz e corcova, que seriam a linha branca, depois, apliquei a cor FS-12215 (international orange). Após esperar secar e proteger a cor aplicada pintei a parte inferior na cor FS-36622, que depois de algumas horas, foi isolada para a pintura da parte superior na cor FS-16187. Em seguida, todas as “máscaras” (exceto das partes transparentes) foram retiradas recebendo o kit uma boa mão de verniz brilhante. O próximo passo foi pintar as pontas das pás do rotor principal e auxilia (acima) Peça antes da correção com cola de cianocrilato (Bonder) e, ao lado, a peça corrigida 57

[close]

p. 3

Revista Hobby News 58

[close]

p. 4

Fev / Mar - 2009 59

[close]

p. 5

Revista Hobby News auxiliar, nas cores branco e vermelho com o restante das pás em preto. As peças B-28, B-14 e B-15 foram pintadas na cor prata adicionando um pouco de preto. As partes que representam grelhas/telas metálicas do nariz, parte inferior, superior e base do leme foram pintadas na cor preta bem diluída e encobertas com pó grafite 01. Os decais utilizados foram da FCM, série Aviação militar, Set-72/07, que no momento estão em falta, mas uma nova tiragem esta sendo providenciada, conforme informações da FCM. Em seguida um leve “wash”, só para dar um pequeno efeito, nova camada de verniz semi-fosco e pronto, o SH-34J - Baleia do valoroso HS-1 esta finalizado. Recomendo sem ressalvas este kit, que irá deixar a sua coleção de modelos muito mais vistosa. O kit foi cedido pela HOriginal Modelismo (www.horiginal.com.br), que é a distribuidora dos produtos Hobby Boss no Brasil. NE. As fotos de época pertencem a coleção particular do modelista José Alvarenga, que gentilmente as cedeu para ilustrar esta matéria. H-34 Kits Airalex 1/144 / Revell alemã 1/48 / Hobby Boss 1/72 / Revell alemã 1/72 / Italeri 1/72 / FCM Decais - Decais 60

[close]

Comments

no comments yet