maia

 

Embed or link this publication

Description

ricardo

Popular Pages


p. 1

Revista Hobby News S.L.C. “Maiale” – Siluro Lenta Corsa Ricardo Gasparini Mattua e José Airton de O. Custódio Jr. Fotos: Maurício Togawa MAS. Em razão da natureza do seu uso e em razão de absoluto A o estudar a WWII é difícil imaginar uma situação em que um pequeno grupo de homens infligiu tantos danos aos navios inimigos tais os quais obtidos pela Decima Flottiglia segredo, poucos documentos e fotos relatando a construção e uso de naves de assalto sobreviveram ao termino da guerra. Por sorte alguns destes barcos foram salvos e hoje estão em museus para nos contar sua história e a valentia de seus operadores. 52

[close]

p. 2

Ago/Set. - 2008 O “Maiale” em dois momentos: acima: sendo lançado ao mar para uma missão, provavelmente em 1944; ao lado: durante uma parada militar no ano de 2006, em Roma – Itália. (fotos: Arquivo Nacional – Itália) O KIT O Siluro a Lenta Corsa SLC (torpedo de baixa velocidade) geralmente conhecido como “Maiale” (Porco) foi baseado no torpedo de 533 mm aumentado para 6,70 m e depois para 7,30 m. Ele tinha uma cabeça explosiva de 230 Kg. A teoria de operação era bem simples, apesar da dificuldade de realizá-la em período de guerra. O SLC era levado até o mais próximo possível do barco inimigo por um submarino modificado ou por outro meio, os operadores então assumiam o controle e navegavam através de redes de proteção e barragens até se acharem sob a quilha do barco alvo. Então a cabeça explosiva era presa a um cabo e solta do resto da embarcação após ser ativado o aparelho de tempo da explosão. Durante a WWII três navios de guerra inimigos totalizando mais de 60.000 toneladas e 12 navios mercantes (81.000 toneladas) foram afundados, incluindo os encouraçados HMS Valiant e HMS Queen Elizabeth. O kit é muito bem detalhado, acompanhado inclusive por photo-etched e duas figuras, muito boas alias, apesar de injetadas em plástico o que sempre limita a quantidade de detalhes em uma figura. O modelo tem 47 peças, 21 de photo-etched e, ainda, o modelista recebe um livreto com a história, marcações e fotos históricas do “Maiale”. Há duas opções de cabeça explosiva; a simples e a dupla que aumenta o comprimento do modelo. A riqueza de detalhes no pequeno cockpit é impressionante, tais como os pequenos volantes e canos de comando. A proteção da hélice é de photo-etched e o kit acompanha um gabarito para moldá-lo ao formato da cauda. As pedaleiras dos operadores também são de photo-etched e dão ao modelo uma grande fidelidade e delicadeza. O kit foi pintado em dark green tal qual manda a instrução. Acompanha o kit um suporte para exposição do modelo. Sem dúvida uma grande aquisição a qualquer coleção militar da WWII e que pode ser acompanhado pela lancha de assalto MTM Barchino. O autor e o editor agradecem ao Sr. Elie Soffer da HTC pelo exemplar do modelo cedido para montagem neste artigo. O Diorama Uma coisa que sempre gostei em um diorama, é um cenário bem elaborado, onde os mínimos detalhes fazem à diferença, pois ajuda a valorizar o modelo e torna-se mais agradável aos olhos. 53

[close]

p. 3

Revista Hobby News Quando o Ricardo convidou-me para este projeto, confesso que achei muito interessante, um pequeno porto Italiano para complementar este simpático submarino (Maiale), apenas um detalhe, teria que ser todo “scrath”, pois não há nada deste tipo a venda nas lojas!!! Porto Mãos a obra! Um material ótimo de trabalhar é o gesso, onde foi feito o piso do porto, e as paredes. Após definir o tamanho, fiz uma forma em plástica e joguei o gesso. Com um estilete, realizei seus detalhes como o piso de paralelepípedo e as pedras do cais. A casa de Comando foi feita da mesma forma, sendo cortado o espaço para as janelas e a porta. Madeira balsa nos batentes para dar um acabamento e aproveitei o telhado da GPG models. Pequenos desgastes como tijolos a vista são bem legais de fazer, pois ajuda a dar um ar de desgaste com o tempo. A caixa de fusível foi feita com chapa plástica e a fiação com fio de solda, ótimos materiais para trabalhar. Outro detalhe realizado também com os mesmos materiais, foi argola de amarração para barcos. Um material que sempre abuso nos dioramas, é a madeira balsa, não só para usar de acabamento, mas também ajuda em detalhes como a cerca, sendo cortada em tiras e coladas com um pequeno vão, para transmitir certo abandono. Pintura A pintura do cais foi feita com acrílico Buff da Tamiya, sendo que em algumas pedras misturei um pouco de marrom, verde e cinza, para dar uma “vida” e tirar o aspecto chapado de uma só cor. Da mesma forma para o calçamento: cinza neutro como base e tons mais claros e escuros de cinza. Um wash em tinta óleo, Raw Umber, em todo o porto. Dry em Buff com um pouco de branco e no calçamento cinza bem claro. Para imitar o limo acumulado nas paredes fui dando washs em tons de verde com um pouco de preto. Uma dica: é bom fazer esses washs bem diluídos para deixar certa transparência nas paredes em verde. Para as ferrugens usei tinta óleo Burt Sienna com um pouco de preto e apliquei com um pincel sem diluir; com um Cotonete® limpei de cima para baixo formando, assim, uma ferrugem escorrida com o tempo. Água Massa de modelar da marca Das, uma argila italiana de fácil manuseio, onde apliquei sem misturar com água e com uma pequena colher fiz as marolas. Após a secagem, misturei tinta óleo verde e azul, esperei secar um pouco e tirei o excesso com um pano. Tinta óleo branca para simular as espumas feitas nas ondas e nas paredes do cais. Após a secagem completa, verniz brilhante para dar um efeito de profundidade. Esta massa é fácil de achar em papelarias e casas de pintura. Detalhes Caixas de madeira, barris e latões bem envelhecidos ajudam a compor o cenário, assim como uma âncora abandonada, cartazes de campanha, correntes, garrafa boiando e um gato a espreita de sua vítima no barril! Porto pronto, hum... Porque não colocar uma pequena iluminação, só para dar um charme? Isso mostra o quanto os dioramas podem ser detalhados, basta dar asas a criatividade. Pequenos Léds e uma bateria de relógio facilmente achados na Rua Santa Ifigênia (SP), papel vegetal nas janelas para conter um pouco a iluminação e... FINITO NOSTRO PORTO!!! 54

[close]

Comments

no comments yet