aerografos

 

Embed or link this publication

Description

ricardo

Popular Pages


p. 1

Revista Hobby News Aerógrafos SAGYMA A Revista Hobby News testou esta nova marca de aerógrafos que estão chegando ao marcado pela empresa Yamar Ferramentas. Veja o resultado dos testes. Ricardo Gasparini Mattua Yamar Ferramentas sempre atuou no mercado pneumático, distribuindo e comercializando marcas já em território nacional. Devido ao crescimento, desde 2007 passa a importar e distribuir com exclusividade algumas marcas que com pouco tempo fariam grande sucesso devido à alta qualidade de fabricação quanto ao trabalho profissional que foi almejado por toda a empresa de forma direta e indiretamente ligadas ao interesse comercial da Yamar Ferramentas. Surge então a Sagyma Pneumatics, de procedência chinesa, fabricante especializado em ferramentas pneumáticas e ferramentas de pintura (aerógrafos). Os aerógrafos Sagyma ganharam mercado através dos plastimodelistas, usuários com muita exigência em produtos de altíssimo nível. A empresa investiu em linha, peças de reposição e hoje é um dos catálogos mais modernos e completos do país e o consumidor já conta com o que existe de mais moderno em aerografia internacional. A Revista Hobby News recebeu, da importadora Yamar, três modelos de aerógrafos para teste; o SW110, o SW770 e o SW775. Realizamos os testes usando tinta Tamiya preta brilhante X-1, diluída em Thinner da marca General de uso geral, o compressor usado foi de motor de geladeira com reservatório e a pressão de saída variou conforme o indicado para cada aerógrafo. Vamos aos testes... SW110 O SW110 é um aerógrafo de simples ação por sucção, o que significa que ao apertar o gatilho neste tipo de aerógrafo você não tem como variar a quantidade de tinta na saída no bico, mas este modelo de aerógrafo de simples ação tem uma regulagem no bico da tinta, que permite regular a quantidade da saída da tinta. Ou seja, o fluxo da saída do ar é constante e você pode variar a quantidade de tinta que usara em seu modelo antes de começar a pintura e não durante, como nos aerógrafos de dupla ação. Acompanha o aerógrafo dois potes de vidro, um com tampa simples e o outro com tampa com o encaixe para ser usado embaixo do aerógrafo, uma mangueira com adaptador de ½ polegada e um adaptador para ser usado com garrafas de ar. Fotos: Maurício Togawa A Modelo SW110 Todo aerógrafo de simples ação exige uma pressão de ar maior para ser usado, em torno de 30 psi, o que desaconselha seu uso com compressores de inalação, pois estes têm uma pressão de saída em torno de 14 psi. O aerógrafo mostrou-se muito bom para uso em cobertura de áreas simples, tais como carrocerias de carros ou tanques e aviões de uma só cor, mas nos teste que realizamos podemos notar que apesar das limitações do uso deste tipo de aerógrafo, com um pouco de prática, o modelista conseguirá fazer, até mesmo, uma camuflagem um pouco mais elaborada, pois como mostra a folha de teste conseguimos fazer uma linha relativamente fina. Os testes a seguir foram feitos usando dois aerógrafos de dupla ação; o SW775 e o SW770. Aerógrafos de dupla ação são os modelos nos quais ao se apertar o gatilho estes tem dupla função: No movimento vertical, apertando-se para baixo, você libera o fluxo de ar, quanto maior a amplitude do curso do gatilho, mais ar sai do aerógrafo. Ao puxar o gatilho para trás o mecanismo interno puxa a agulha e a folga interna desta com o bico do aerógrafo liberam a tinta, que por ação da sucção do ar é espalhada pelo modelo como um vapor. Eu realizei testes com estes aerógrafos usando vários tipos de tinta, tais como esmalte sintético, acrílica solúvel em água e em thinner, vinílicas, tintas automotivas acrílica, nitrocelulose (Duco), poliéster e poliuretano. Os aerógrafos reagiram bem a todas elas e nenhuma vedação interna foi afetada por estes vários solventes. Apesar de sua simplicidade, o SW110, durante os testes demonstrou boa capacidade de cobertura e bons resultados nas linhas finas. 62

[close]

p. 2

Ago/Set. - 2008 Modelo SW775 SW775 Este tipo de aerógrafo é encontrado em dois modelos muito semelhantes no uso, mas que diferem na posição dos copos de tintas que têm a capacidade de receber 7cc de tinta. O SW775 tem o copo lateral fixado através de rosca e contra-rosca e pode ser fixado na posição que mais agradar ao usuário. O SW440A tem o copo fixo na parte superior do aerógrafo o que limita um pouco o movimento e posição de pintura. A opção entre um e outro modelo varia somente devido à opção pessoal de cada um. Este aerógrafo não conta com o limitador do curso da agulha, que outros modelos têm no fim do cabo, este recurso ajuda ao iniciante limitar a quantidade de tinta a ser usada em pintura delicada, mas acredito que para manter o custo final mais baixo o fabricante optou por retirar este acessório. Este modelo é a opção ideal para quem quer começar a usar um aerógrafo de dupla ação no modelismo, ele cobre praticamente toda a necessidade na pintura de um kit. A abertura mínima do bocal é de 0,30 mm; para pintura de áreas grandes usei pressão de 25 psi e a tinta flui sem nenhum problema. Reduzi a pressão para 15 psi para fazer linhas finas como as que aparecem mais regularmente em camuflagem e a pintura foi realizada sem problema, não necessitando nem mesmo aumentar a diluição da tinta. SW770 É um aerógrafo de dupla ação com mais recursos que o modelo anterior; a abertura mínima do bocal é menor: 0,25 mm o que permite realizar linhas mais finas na pintura. O copo é fixo na parte superior do aerógrafo e tem capacidade de 9 cc. Com o copo nesta posição a tinta desce por gravidade o que permite uma pressão de trabalho menor para realizar a sucção da tinta permitindo, assim, trabalhos muito mais delicados. Este modelo conta também com um limitador do curso da agulha no final do cabo, que permite ao modelista “travar” este curso na quantidade máxima de tinta desejada e fazer a pintura sempre igual, com a mesma espessura se a distância do aerógrafo ao modelo for sempre constante. O cabo tem um recorte que permite a regulagem externa da guia da agulha e, o mais interessante, na parte frontal existe uma pequena válvula embaixo do bico, que nos possibilita aumentar ou diminuir a pressão de saída do ar, possibilitando rápida alteração na pressão sem necessitar mexer no manômetro do compressor, nem sempre facilmente à mão. É um modelo muito bom para o mo- 63

[close]

p. 3

Revista Hobby News delista que deseja fazer trabalhos mais elaborados pela quantidade de recursos que oferece, nos impressionou em nossos testes tanto sua versatilidade em pintar grandes áreas como em riscos e manchas mínimas como você pode notar em nossa folha de teste. Sem duvida nenhuma uma grande escolha. O fabricante também nos oferece o modelo SW670 muito parecido com o SW775, mas com o diâmetro mínimo do bocal 0,2 mm e um copo na parte superior com capacidade de 2 cc, é o modelo SW772 derivado do SW770 com o diâmetro mínimo do bocal também de 0,2 mm, só que estes modelos têm todas as vantagens do seu irmão maior. Sem dúvida a Yamar ao trazer para o Brasil estes aerógrafos encontrou um mercado carente, pois pela primeira vez temos tantas opções de modelos a preços realmente convidativos. Muitos modelistas estão tento a oportunidade de comprar seu primeiro aerógrafo. O SW770 oferece muitos recursos para uma boa pintura. Solução de Problemas Embora a maioria dos aerógrafos seja simples de usar com apenas um botão, é fácil esquecer que os mesmos são instrumentos de precisão, com diminutas passagens e delicadas regulagens. De uma forma geral, são pequenos detalhes que resultam em grandes problemas. Devemos dar graças que a maioria dos problemas relacionados com os aerógrafos são fáceis de diagnosticar e de correção. Vamos enfocar os problemas mais comuns e mostrar como colocar tudo de volta nos trilhos. “Olhos de Peixe” O problema dos olhos de peixe, também chamados às vezes de olhos arregalados ou de fendas, é comum em modelos confeccionados com resinas moldadas. Diminutas quantidades ou mesmo traços de agentes destinados a soltar as fundições de suas matrizes, ocasionam a formação de espaços, que se assemelham a forma das crateras, nas superfícies que acabaram de ser pintadas. Os locais com contaminantes tendem a afastar a tinta destas regiões, deixando curiosos e estranhos padrões de círculos não pintados. Outros contaminantes, tais como graxa, sabão, cera e óleo também podem ocasionar este tipo de problema. A adequada limpeza do modelo antes de iniciar a pintura pode ajudar na eliminação das causas do surgimento de tal problema. Recomenda-se a lavagem das peças. No caso de peças em resina prepare uma solução de detergente neutro e água e deixe de molho por um período de doze horas. Já para peças em estireno basta apenas uma lavagem com detergente neutro ou sabão. “Aranhas” Um borrão circular que apresenta a forma de traços escapando de um círculo, com certa semelhança a uma aranha, significa o seguinte: - “muito de tudo”. Existe muita tinta com muito diluente e ainda a condição do modelista estar mantendo o aerógrafo numa mesma posição por um tempo excessivo. Feche o bico de tinta do aerógrafo de forma tal que somente uma pequena quantidade de tinta seja expelida quando o gatilho é acionado. Mantendo o gatilho apertado, desloque lentamente o bico em direção a uma superfície de teste (pode ser um retalho de algum modelo descartado ou outro objeto similar). A medida que for aproximando o bico da superfície, se o aerógrafo ainda produzir um ponto que se transforma numa aranha: A mistura esta muito rala ou esta sendo empregada muita pressão de ar, ou ainda as duas causas juntas. Reduza a pressão do ar e adicione ao aerógrafo tinta sem diluição para “encorpar” a tinta que esta no recipiente. A regulagem do bico da tinta também pode ajudar e ainda busque a distância ideal do aerógrafo para o objeto que esta sendo pintado. 64

[close]

p. 4

Ago/Set. - 2008 Padrão estranho e desigual Caso esteja pintando uma linha fina e observar que o padrão da pulverização é desigual, ou formando borrões num dos lados, possivelmente o bico do aerógrafo ou a agulha foram danificados ou tortos. Limpe o aerógrafo com “thinner” e desmonte o mesmo. Observe com cuidado o bico e a agulha, sendo que uma lente de aumento ajuda de forma considerável. Caso o bico esteja rachado ou a sua abertura estiver fora de centro, a solução é a substituição deste por outro novo componente. O manual de instruções deve conter o número deste componente para as eventuais substituições. Uma agulha ligeiramente empenada pode ser reparada. Atuando com delicadeza, tracione a ponta danificada por cima de uma lixa média e verifique os resultados a cada passagem. Quando a ponta da agulha apresentar um aspecto satisfatório, limpe este componente com “thinner” e torne a montar o aerógrafo. Caso a ponta esteja seriamente torta ou quebrada, adquira outra para substituir a que foi danificada. Porém se você não se sentir seguro para realizar estas operações, procure um modelista mais experiente ou consulte o fabricante ou o representante técnico de seu aerógrafo. Gotículas de água no acabamento Gotículas de água no acabamento são provenientes da fonte de ar comprimido. Os compressores para os aerógrafos podem condensar a umidade do ar e estas gotículas acabam chegando ao modelo durante a fase da pintura. Um condensador de água na linha de ar, colocado a disposição pela maioria dos fabricantes dos aerógrafos, é fácil de ser instalado e geralmente soluciona o problema. A instalação deste equipamento na linha de ar e próximo ao aerógrafo irá aumentar a eficácia. É possível concluir que também deve-se evitar trabalhos de pintura nos dias chuvosos. Algumas fontes alternativas de ar seco podem igualmente eliminar este problema. O dióxido de carbono (CO2) e o nitrogênio (N) bem servem a este propósito. Tantos os reservatórios para o CO2 como os destinados ao nitrogênio são regulados facilmente e ainda oferecem uma fonte de propelente silenciosa para os aerógrafos. Aspecto empoeirado ou arenoso Este tipo de acabamento surge quando a tinta no seu aerógrafo não foi diluída de forma adequada ou ainda se a tinta seca no ar durante o trajeto até o modelo. Quando a pintura seca muito rápida, a mesma tende a se acumular na superfície que esta sendo pintada, deixando um aspecto desagradável. Comece verificando a mistura de tinta e de diluente e, em seguida, reduza a pressão do ar. Na hipótese de tais providências não surtirem efeito, tente aproximar o aerógrafo do modelo que esta sendo trabalhado. A tinta lançada pelo aerógrafo deve apresentar aspecto de estar ainda um pouco úmidas quando aplicadas a superfície, mesmo com tintas sem brilho. Escorrimento e Poças Caso a sua pintura tende a escorrer ou formar poças no modelo, a causa é que esta passando pelo bico tinta em excesso ou ainda que o aerógrafo não esta sendo movimentado o suficiente para evitar a formação de poças num único ponto. Mantenha o constante movimento do aerógrafo e ainda reduza a quantidade de ar/tinta que esta passando pelo bico do aerógrafo. É bom lembrar que é sempre melhor aplicar diversas camadas finas do que tentar pintar superfícies numa única passagem.

[close]

Comments

no comments yet