Jornal Ascovv - Fevereiro 2015

 

Embed or link this publication

Description

Jornal Ascovv - Fevereiro 2015

Popular Pages


p. 1

FEVEREIRO2015 A UNIÃO é a base para novas conquistas e pela valorização da classe. ENTREVISTA Confira entrevista sobre as alterações do Simples Nacional. págs. 03 e 04 ARTIGO Artigo do Prof. Roberto Dias. pág. 05

[close]

p. 2

EDITORIAL Só com lutas há vitórias SEFAZ/ES Novo ano, novos desafios. Já iniciamos 2015 com muitas ações e reuniões em busca de benefícios para toda a classe. Assim como, nosso principal objetivo é conquistar o real valor do profissional contábil, que ainda enfrenta muitas dificuldades nos processos do dia a dia. Estamos juntando forças, conhecimentos e contatos para alcançar novas vitórias e agregar mais facilidades junto aos órgãos públicos. Um exemplo dessa união que já está tendo resultados positivos é o FEEVV – Fórum das Entidades Empresarias de Vila Velha, que reuniu várias instituições para lutar e trabalhar pelos empresários e por seu maior consultor, o contador. Acompanhe nosso trabalho, nossa Os presidentes das Associações de Contabilistas de Vila Velha e Vitória, juntamente com a diretoria do SESCON-ES e o vice-presidente da Região Sudeste da FENACON, Jacintho Soella Ferrighetto, se reuniram com a secretária da Fazenda do Estado do Espirito Santo, Ana Paula Vescovi. O foco da pauta era a apresentação das ações realizadas pelos profissionais contábeis e, também, demandas da classe representada pelas instituições. FEEVV participação nos grupos em prol da classe e faça parte também com sugestões e críticas. Rodrigo Sangali Presidente JORNAL ACOVV - FEVEREIRO/2015 2

[close]

p. 3

ENTREVISTA HUGO TOFOLI “Com isso, essas alterações, mais que uma medida econômica, vieram ao encontro de uma justiça social com os pequenos empresários. Atingiram assuntos de extrema relevância, como a desvinculação do Alvará de funcionamento do Habite-se; vantagens nas compras governamentais; pontos importantes sobre as Obrigações Acessórias, como a redução das multas; a questão do Cadastro Único; Ampliação da Fiscalização Orientadora, com destaque para a dupla visita; e, principalmente, sobre a Universalização do Simples Nacional” A força dos pequenos é que faz o País crescer As recentes mudanças na Lei Geral das MPEs vieram para fortalecer ainda mais o desenvolvimento dos pequenos negócios, que ocupam quase 100% nas negociações comerciais no Brasil. Sem falar num outro ponto de fundamental importância das MPEs, que está no grande número de empregos gerados durante o ano todo. Dessa forma, a Femicro – Federação das Associações de Micro e Pequenas Empresas e Empreendedores Individuais do Estado do ES, juntamente com o Instituto Sindimicro, possuem um planejamento de ações voltadas para a qualificação dos empreendedores, levando informações relevantes, por meio de capacitações, palestras, cursos etc. Além, também, de fomentar a força do associativismo entre os pequenos empresários, que necessitam de apoio para fazer valer o tratamento diferenciado e favorecido conquistado em lei. A seguir, uma entrevista com o secretário geral da Femicro e coordenador geral do Sindimicro, Hugo Tofoli, que tem realizado encontros com grupos de empreendedores por todo o Estado e vivenciado de perto a força dos pequenos negócios. JORNAL ACOVV - FEVEREIRO/2015 3

[close]

p. 4

ENTREVISTA HUGO TOFOLI 1. Quais as ações da Femicro e do Sindimicro em prol dos pequenos empresários? Nossa atuação está em fortalecer os micro e pequenos empresários, com ações ligadas diretamente na gestão dos negócios e no desenvolvimento dos empreendedores de uma forma geral. Trabalhamos pela qualificação e atualização dos empresários, atingindo todas as áreas ligadas à administração das empresas. Em todas as nossas ações há um destaque para o estímulo ao empreendedorismo, à inovação e ao aperfeiçoamento tecnológico. Visando qualificar os empreendedores nas diversas áreas do mercado de trabalho, para a promoção de pequenos negócios e, assim, proporcionar a ampliação dos postos de trabalho nas comunidades locais e fortalecer o comércio da região onde o empreendedor se qualifica. O Instituto Sindimicro também atua na defesa e preservação do meio ambiente, com um trabalho intenso junto às Associações de Catadores de Materiais Recicláveis, promovendo a sustentabilidade, além do desenvolvimento social feito pelo engajamento dos participantes que se tornam empreendedores e agregam mais qualidade de vida e perspectiva de futuro. Além disso, a Federação tem um papel fundamental representando as Associações de Micro e Pequenas Empresas do Estado do Espírito Santo num cenário nacional, junto com a CONAMPE – Confederação Nacional das MPEs e dos Empreendedores Individuais, realizando um trabalho forte de busca por mudanças positivas que fortaleçam o crescimento sustentável das MPEs e diminuam a burocratização nos processos. Quais as principais alterações no SIMPLES que mais beneficiaram as MPEs? Não há como negar que os pequenos empreendedores atuam no mercado com ações positivas e que incentivam a valorização da economia brasileira. Além disso, é um setor que gera renda e empregos em qualquer período do ano, movimentando o mercado e favorecendo as famílias. Dessa forma, os pequenos negócios necessitam de um espaço mais favorável para empreender, com menos burocracia e mais liberdade para ousar e crescer. Todas as alterações foram para estabelecer a simplificação nos processos, com destaque para a desburocratização. Assim como, todos os benefícios da Lei visam a garantia do tratamento diferenciado e favorecido que as MPEs possuem de direito, além de criar um melhor ambiente de negócios. Com isso, essas alterações, mais que uma medida econômica, vieram ao encontro de uma justiça social com os pequenos empresários. Atingiram assuntos de extrema relevância, como a desvinculação do Alvará de funcionamento do Habite-se; vantagens nas compras governamentais; pontos importantes sobre as Obrigações Acessórias, como a redução das multas; a questão do Cadastro Único; Ampliação da Fiscalização Orientadora, com destaque para a dupla visita; e, principalmente, sobre a Universalização do Simples Nacional. E agora o que esperar do futuro do Simples Nacional? A equipe da Secretaria Nacional das Micro e Pequenas Empresas, em parceria com o Fórum Permanente, que reúne profissionais de todo o País envolvidos diretamente com os pequenos empresários, continuam analisando as alterações já realizadas, lutando pela implementação total das mesmas e estudando novas mudanças. Dentro dessas mudanças está a apresentação de um projeto, que já está no Congresso, com a reformulação das tabelas, incluindo a redução das faixas de faturamento e a elevação do teto. Caso seja aprovado, a partir de 2016, o limite para enquadramento no Simples Nacional subirá dos atuais R$ 3,6 milhões ao ano para R$ 14,4 milhões. Vale ressaltar que essas novas alterações facilitam o crescimento das micro e pequenas empresas dentro do Simples, diminuindo as diferenças nas cargas tributárias cobradas e contribuindo diretamente para a total Universalização do sistema com a possibilidade de participação de todas as MPEs registradas e das novas que irão abrir. 2. 3. JORNAL ACOVV - FEVEREIRO/2015 4

[close]

p. 5

ARTIGO Inovação e estratégia impulsionam novo ciclo virtuoso no setor Roberto Dias Duarte (*) Embora o Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) já esteja “na estrada” há quase dez anos, salta aos olhos a preocupante situação de boa parte dos profissionais de contabilidade e escritórios contábeis ativos em nosso país. Complexa, a sistemática tem gerado uma verdadeira corrida por cursos oferecendo os subsídios necessários para o correto atendimento das novas obrigações acessórias, visto que parcela considerável do setor ainda não se sente totalmente preparada para tal. O caos se manifesta na prática, e é comprovado pelos constantes alertas publicados pelas autoridades tributárias sobre a má qualidade dos arquivos eletrônicos transmitidos, quando não simplesmente enviados vazios. O gargalo está na gestão da troca de informações entre empresas e contadores, bem como na precária administração dos empregadores ou clientes por eles atendidos. Já as organizações contábeis devem caminhar para um novo conceito de gestão, mais estratégico, inovador, com foco no atendimento ao mercado, além da eficiência no cumprimento das obrigações legais e com forte base tecnológica. A cadeia produtiva do agronegócio vem buscando melhorias de eficiência por meio de boas práticas de gestão e atitudes inovadoras há pelo menos duas décadas. Não por acaso, tem sido honrosa exceção no tímido crescimento da nossa economia, justamente por ter percebido a tempo a necessidade de uma ampla reestruturação. O setor contábil igualmente tem pela frente grandes oportunidades para adotar um novo modelo, processo que deve contar com a participação de todos: entidades, organizações contábeis, faculdades e escolas de cursos livres que realmente primem pela qualidade. Num país empreendedor como o nosso, o solo neste campo também é fértil restando apenas lançar desde já sobre ele as melhores sementes possíveis. SAFRA PROMISSORA NA CONTABILIDADE (*) Roberto Dias Duarte é sócio e presidente do Conselho de Administração da NTW Franchising, primeira franquia contábil do país. JORNAL ACOVV - FEVEREIRO/2015 5

[close]

p. 6

ATUALIZE-SE CURSOS E PALESTRAS CONHEÇA A PROGRAMAÇÃO DE CURSOS, PALESTRAS E OFICINAS QUE O SEBRAE PREPAROU PRA VOCÊ PRESIDENTE: RODRIGO SANGALI JORNAL ASCOVV 1º TESOUREIRO: JOSÉ SILVA VIEIRA 2º TESOUREIRO: JORGE FERNANDES DELAVI VICE PRESIDENTE: LEONARDO FRANÇA MARQUEZINI 1º SECRETARIO: 2º SECRETARIO: RUBENS DO ROSARIO CARDOSO ADMILSON NOBRE CONSELHO FISCAL: JOSÉ MARIA HUPP PAULO MARTINS DE OLIVEIRA JUNIOR EDIS LUIZ PRATIS SUPLENTES: ELIANE RODRIGUES RIBEIRO AURELIANO RAMOS STEVENS TAGLIATE FRAGA Produção Jornalista Responsável Danielle Rodrigues ascovv.contato@gmail.com Editoração Wekson Barbieri ascovv.org.br 27 3062-2057 facebook.com/Ascovv Rua Dom Pedro II, 775 Sala 302, CEP: 29122-300 - Vila Velha/ES JORNAL ACOVV - FEVEREIRO/2015 6

[close]

Comments

no comments yet