Sindi 2015 janeiro

 

Embed or link this publication

Description

Sindi 2015 janeiro

Popular Pages


p. 1



[close]

p. 2



[close]

p. 3



[close]

p. 4

Editorial Diretoria Presidente: Domingos Martins Vice-presidente: Claudio de Oliveira Secretário: Olavio Lepper Tesoureiro: João Roberto Welter Suplentes: Luiz Adalberto Stabile Benicio, Ciliomar Tortola, Vallter Pitol e Roberto Kaefer Conselheiros fiscais Efetivos: Paulo Cesar Massaro Thibes Cordeiro, Dilvo Grolli e Edno Guimarães Suplentes: Rogerio Wagner Martini Gonçalves, Celio Batista Martins Filho e Marcos Aparecido Batista Delegados representantes efetivos: Domingos Martins e Luiz Adalberto Stabile Benicio Suplentes: Ciliomar Tortola e Paulo Cesar Massaro Thibes Cordeiro Ano de oportunidades Todos os dias, a nossa indústria transforma o milho e a soja em proteína animal. E, no ano de 2014, provou que também é capaz de transformar o pessimismo em oportunidade. Isso porque nem mesmo os grandes recessos provocados pela Copa do Mundo, tampouco as turbulências decorrentes das eleições presidenciais mais disputadas de nossa história foram capazes de impedir o crescimento da indústria avícola paranaense. Como você pode acompanhar a partir da página 24 desta edição, as exportações de nosso estado cresceram 12,5% em volume em relação a 2013, o que representa quatro vezes a média do crescimento do segmento avícola nacionalmente. E se conseguimos isso em um ano extremamente atípico, por que não esperar resultados ainda melhores em 2015? Devemos considerar também que as projeções são, em sua maioria, bastante favoráveis: as carnes bovina e suína deverão permanecer com preços maiores, enquanto que o custo dos insumos possivelmente continuará reduzido. Além disso, deveremos ter a continuidade das relações comerciais com a Rússia. E como se tudo isso não bastasse, temos a competência ímpar do conquistas, oferecendo um produto que apresenta qualidade, sanidade e competitiviFoto: Sindiavipar empresário paranaense em buscar novas Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas do Estado do Paraná Av. Cândido de Abreu, 140 - Salas 303/304 Curitiba/PR - CEP: 80.530-901 Tel.: 41 3224-8737 | sindiavipar.com.br sindiavipar@sindiavipar.com.br dade imbatíveis. Por esses motivos, acredito que 2015 será certamente um ano com ainda mais oportunidades. Um forte abraço e uma ótima leitura. Fale conosco Se você tem alguma sugestão, crítica, dúvida ou deseja anunciar na revista Avicultura do Paraná, escreva para nós: revista@sindiavipar.com.br. Ed. nº 44 - Jan/Fev 2015 Domingos Martins Presidente do Sindiavipar Expediente Produção: Centro de Comunicação centrodecomunicacao.com.br selo SFC Jornalista responsável: Guilherme Vieira (MTB-PR: 1794) Colaboração: Allan Oliveira, Bruna Robassa, As matérias desta publicação podem ser reproduzidas, desde que citadas as fontes. Giórgia Gschwendtner Design e diagramação: Cleber Brito Comunicação e Marketing: Mônica Fukuoka Impressão: Maxi Gráfica Camila Tsubauchi, Gabriela Titon e

[close]

p. 5

14 Foto: Sindiavipar Entrevista Alexandre Mendonça de Barros Engenheiro agrônomo membro do Conselho Superior de Agronegócio da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo e sócio consultor da MB Agro, Barros acredita que cautela é a palavra mais importante para o setor avícola em 2015. Seções Sindiavipar..........................................06 Radar...................................................10 Agenda..................................................12 Observatório........................................12 24 Capa Entrevista............................14 Crescimento Os resultados da avicultura do Paraná em 2014 geram expectativas otimistas para este ano. De acordo com analistas, diversos fatores convergem para que 2015 seja ainda melhor para toda a indústria avícola. Confira os detalhes na matéria de capa desta edição. Fiep......................................................16 Mercado externo................................18 Insumos.................................................20 Ciência...................................................22 Capa.....................................24 30 Bem-estar Foto: Valemais Comunicação Bem-estar............................30 Apanha Os graxains deram lugar à modernização do processo de apanha. No entanto, é importante relembrar algumas medidas para o manejo consciente. Tais fatores são fundamentais para atingir níveis cada vez mais elevados de bem-estar animal na avicultura. Negócios.........................................32 Ciência e tecnologia..........................34 Associados............................................36 38 Campo.................................38 Campo Foto: Free Images A questão da sucessão Entre os anos de 2000 e 2010, cerca de dois milhões de pessoas deixaram de compor a população rural no Brasil. Os números chamam a atenção para o planejamento sucessório, essencial para que a indústria agropecuária brasileira continue se desenvolvendo. Gastronomia........................................42 Resultados............................................44 Notas e registros.................................46

[close]

p. 6

Quem somos Destaque nacional e internacional na produção e exportação de frango, o Paraná tem a força de suas indústrias representada e defendida pelo Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas do Estado do Paraná (Sindiavipar). Fundado em 1992, o Sindiavipar defende os interesses coletivos e individuais das indústrias avícolas paranaenses, com ações voltadas à busca de bem-estar animal, sanidade, qualidade e legislação que assegurem o pleno desenvolvimento da atividade, buscando manter a harmonia entre associados, e órgãos governamentais, produtores, avicultores, quadro funcional, infraestrutura em relação aos custos dos insumos e na comercialização e produção da carne de frango. O que fazemos? Representar os interesses coletivos ou individuais de sua categoria econômica perante autoridades administrativas ou jurídicas; celebrar acordos e contratos coletivos de trabalho; colaborar com o Estado no estudo e solução dos problemas relacionados ao setor; impor contribuições a todos àqueles que participem da classe nos termos da legislação aplicável. Também são prerrogativas promover a participação de integrantes da categoria em colegiados de órgãos públicos, em que os interesses da categoria sejam objeto de discussão ou deliberação dentro da área de sanidade animal e de mercado; bem como manter intercâmbio e convênios com organizações nacionais ou estrangeiras, visando os interesses da categoria. 6 | sindiavipar.com.br

[close]

p. 7

Associe-se ao Sindiavipar e faça parte do Sindicato que está sempre pensando em você. Porque junto somos mais fortes! sindiavipar.com.br | 7

[close]

p. 8

O que já Paraná consolida a liderança na produção nacional de frango Veterinários do Mapa e de órgãos de Defesa Sanitária Animal de onze estados participam do Exercício Simulado no Paraná Promulgação da Lei n° 15.182/2006 que reduziu a base de cálculo do imposto incidente Sanção da Lei Brandão que igualou as condições tributárias das indústrias de carnes no Paraná com os demais estados do país Constituição do Sindiavipar Criação do Programa de Avicultura Noturna Aquisição da sede própria do Sindiavipar 1993 2001 2000 1992 Criação do Comitê Estadual de Sanidade Avícola (Coesa-PR) 2005 2007 2006 Criação do Fundo de Assistência Sanitária para a Avicultura do Estado do Paraná (Funasavi-PR) O secretário da Agricultura e Abastecimento, Orlando Pessuti, anuncia a aplicação do Programa de Regionalização Sanitária da Avicultura no Paraná 2008 2009 Paraná atinge conceito B no Plano Nacional de Prevenção à Influenza Aviária e Doença de Newcastle Criação do Grupo Unifrango 8 | sindiavipar.com.br Circulação da 1ª edição da revista Avicultura do Paraná

[close]

p. 9

conquistamos I Workshop Sindiavipar, em Foz do Iguaçu (PR) Paraná consolida liderança no faturamento das exportações brasileiras de carne de frango e torna-se o maior estado avícola do Brasil Expedição Avicultura, projeto do Agronegócio Gazeta do Povo com oferecimento do Grupo Unifrango e apoio técnico do Sindiavipar, sai a campo para traçar raio-X do setor Sindiavipar e Apavi selam parceria para realizar o Workshop da Avicultura Paranaense 2014, em Foz do Iguaçu (PR) Criação da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar) Desoneração da folha de pagamento engloba o setor avícola 2010 2011 2012 2013 2014 2015 Lançamento do portal Sindiavipar.com.br Mapa credencia o Centro de Diagnóstico Marcos Enrietti para exames e diagnósticos laboratoriais animal e vegetal II Workshop Sindiavipar, em Foz do Iguaçu (PR) Criação do Plano de Logística Reversa Sesi lança programa Saúde na empresa, para associados Sindiavipar Criação de câmeras técnicas de diferentes setores como jurídico, comercial e sanitário Paraná consolida a liderança nas exportações de frango Mandados de segurança para que os associados pudessem exportar normalmente mesmo com a greve dos portos 9 sindiavipar.com.br |

[close]

p. 10

Radar O que foi notícia A edição n° 38, de janeiro/fevereiro de 2013, da revista Avicultura do Paraná, trazia em sua capa matéria que abordava o fechamento daquele que foi considerado um bom ano pela indústria. A comemoração era especialmente única porque se seguia logo após a um período marcado pela crise da quebra da safra norte-americana, o que acarretou em inúmeras dificuldades para o nosso segmento. Mas se em 2013 nós já estávamos recuperados, o que dizer de 2014, em que conseguimos conquistar resultados ainda melhores? Os números comprovam que a indústria avícola do Paraná continua em franca expansão, oferecendo ao mundo um produto que apresenta qualidade, sanidade e competitividade. Além de ressaltar o quanto nossa avicultura está principalmente atenta ao seu contexto global, com a elevação da demanda pelo consumo da carne de frango. Tenha acesso a essa e outras informações também, Basta acessar sindiavipar.com.br/revistas para conhecer todas as edições da publicação. Não perca tempo, acesse já! ERRATA: Ao contrário do que publicamos, a foto que ilustra a página 22 da edição anterior de Avicultura do Paraná (n° 43, novembro/dezembro) é de autoria do Grupo Pioneiro. 19.08.10 14:42:15 19.08.10 14:42:15 fotos.indd 2 19.08.10 14:42:15 fotos.indd 2 19.08.10 14:42:15 Fotos: César Machado UMa Foto perfeita CaUsa UMa ótima impressão o melhor e mais completo banco de imagens do agronegócio. suínos, aves, bovinos, culturas, alimentos, carnes, maquinário, etc. fotos.indd 2 www.agrostoCk.CoM.br fotos.indd 2

[close]

p. 11

Agora suas aves metem o bico no que é bom para os seus resultados. Aditivo nutricional para a engorda de resultados. A tecnologia Ourofino acaba de chegar à avicultura. O aditivo melhorador de desempenho Enragold, à base de enramicina, atua na manutenção da microbiota intestinal, possibilitando maior volume de nutrientes disponíveis às aves, maior ganho de peso e melhora da conversão alimentar. Com Enragold, seus resultados valem ouro.

[close]

p. 12

Agenda Gulfood 2015 Data: 19 a 22 de fevereiro de 2015 Local: Dubai - Dubai World Trade Centre Realização: Gulfood E-mail: anisa@alphatoursdubai.com Informações: 971 4 294 98888 Website: gulfood.com Kátia Abreu assume Mapa Ao assumir o cargo de ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Kátia Abreu disse que recebeu da presidenta Dilma Rousseff a incumbência de dobrar a classe média rural nos próximos quatro anos. Para isso, a nova ministra pretende envolver órgãos federais como a Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Anater), o Sistema S e as universidades. A nova ministra, no seu discurso, também defendeu a ampliação da infraestrutura logística com a construção de ferrovias e hidrovias. Segundo Kátia, um dos desafios do ministério será desbravar as fronteiras agrícolas dos estados do Nor te e Nordeste, em especial Tocantins, Maranhão, Piauí e a Bahia. Avesummit 2015 – 360º da Avicultura Brasileira Data: 24 e 25 de março de 2015 Local: Ribeirão Preto (SP) Realização: Safeway E-mail: contato@sspe.com.br Informações: (19) 3305-2295 Site: avesummit.com.br XVI Simpósio Brasil Sul de Avicultura (SBSA) Data: 07 a 09 de abril de 2015 Local: Centro de Eventos / Chapecó (SC) Realização: Nucleovet E-mail: nucleovet@nucleovet.com.br Informações: (49) 3329-1640 Site: nucleovet.com.br Feira Internacional de Produção e Processamento de Proteína Animal (FIPPPA) Data: 28 a 30 de abril de 2015 Local: Expo Trade Convention Center / Curitiba (PR) Realização: Gessulli Agribusiness e G5 Promotrade E-mail: avesui@gessulli.com.br Informações: (11) 2118-3133 Site: fipppa.com Avícola investirá R$ 205 mi em abatedouros O Grupo GTFoods, do setor avícola, investirá R$ 205 milhões até 2016 em seu projeto de expansão, que inclui ampliação de abatedouros e fábricas de ração. Com o aporte, a capacidade de abate da companhia passará de 480 mil aves por dia para 650 mil – aumento de pouco mais de 35%. A produção de ração, por sua vez, avançará 19,6%: das atuais 56 mil toneladas por mês para 67 mil toneladas. A desaceleração econômica do país não deve modificar o planejamento do grupo, que vem crescendo a um ritmo mais acelerado que o Produto Interno Bruto (PIB). Quer divulgar seu evento aqui? Entre em contato conosco pelo e-mail revista@sindiavipar.com.br ou ligue (41) 3224-8737. 12 | sindiavipar.com.br

[close]

p. 13

Observatório Rússia é o mercado que mais expandiu para o Brasil A expectativa anterior de que a Rússia galgasse novas posições entre os principais importadores da carne de frango brasileira não se confirmou, visto que em novembro as importações daquele país recuaram cerca de 25% em relação ao mês anterior. Mesmo assim, no acumulado do ano, a Rússia manteve o oitavo posto conquistado em outubro (15º nos 11 primeiros meses de 2013), permanecendo como o mercado de maior expansão em 2014, visto que o volume a ela destinado aumentou perto de 160%, enquanto a receita cambial mais do que dobrou (120% de aumento). International FoodTec Brasil 2016 confirmada Conforme havia sido adiantado pela revista Avicultura do Paraná, a International FoodTec Brasil 2016 já tem data para acontecer. A feira, voltada para a indústria e tecnologia da alimentação, acontece a cada dois anos e está confirmada para os dias 2 a 4 de agosto de 2016, em Curitiba, no Paraná. Com o bom resultado da primeira edição, as inscrições estão acontecendo a todo vapor. Dentre os fornecedores pré-registrados estão alguns key players do mercado. Entre eles estão: Abipack, Bettcher, Bremil, Cozzini Middleby, Electra, Equindo Equipamentos, Fiedler Automação Industrial, Handtmann, Incomaf, Ishida, Jarvis, Klippa, Linco, Multivac, New Max Industrial, Poly-Clip System, Sunnyvale, Tecmaes, Usinox, Ulma Packaging e Vemag. A International FoodTec Brasil também impressionou os expositores diretos internacionais. Com isso, Bizerba (Alemanha), Cabinplant (Dinamarca), CPM Wolverine Proctor (EUA), DSI (Dinamarca) e PCM (EUA) já anunciaram a sua participação. sindiavipar.com.br | 13

[close]

p. 14

Entrevista Cautela é palavra de ordem Definições econômicas no início de 2015 indicam prudência na manutenção do crescimento O entusiasmo tomou conta do setor avícola em 2014, com isso, acendeu-se a luz para a oportunidade de ganho frente às altas valorizações no preço das carnes suína e os tos bovina. Entre acontecimenresponsáveis VII Encontro Técnico Unifrango, no qual o engenheiro agrônomo e doutor em economia aplicada, membro do Conselho Superior de Agronegócio da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP) e sócio consultor da MB Agro, Alexandre Mendonça de Barros, esteve entre os destaques da programação e avaliou positivamente o desenvolvimento do setor, mas alertou para a dependência do mercado exportador. Acompanhe a seguir as previsões do especialista para o ano. por esse otimismo está o incremento das exportações com o fim do embargo russo. O assunto permeou amplas discussões e uma delas ocorreu durante o Avicultura do Paraná: Os cus tos dos insumos são um desafio para a indústria. Com a perspectiva da nova safra, que tem um potencial alto, é pos sível indicar qual será o com portamento dos preços? Alexandre Mendonça de Barros: Acho que vamos ter um aperto até a entrada da safra, sem dúvidas, mas não me parece tenha um cenário que se exdiscutível preços plosivos. Sempre a outra variável que temos que colocar na equação dos insumos é o câmbio. Aí a faca é de dois 14 | sindiavipar.com.br

[close]

p. 15

Entrevista gumes. Toda vez que desvaloriza o real é bom pra exportar o frango, ruim para o preço do milho e soja, bem ou mal o câmbio afeta os preços aqui dentro. Então nós vivemos um momento de uma desvalorização, que me parece que é a tendência. Como avalia o comporta mento da avicultura no últi mo ano e o impacto da alta na moeda americana para o mercado interno? Nós precisamos cortar bastante. O setor está trabalhando com alojamento muito alto. Esse foi o desenho construído este ano, os preços bons, insumos mais baratos e as margens boas estão trazendo um ritmo de alojamento muito forte. Se não conseguir manter esse padrão de expansão da exportação, vai complicar o mercado interno. Quais são as virtudes do mercado interno nesse momento? Não é uma economia brilhante. Estamos meio pessimistas no crescimento econômico, mas as carnes concorrentes a do frango estão com problemas de oferta muito claros. O euro vai ficar alto muito tempo e isso ajuda a segurar a carne de frango, porque o consumidor começa a ter que achar fontes alternativas. O suíno brasileiro, também por restrições de oferta, tem apresentado preços recordes. Então, no geral, as duas carnes (bovina e suína) têm vivido, por razões diferentes, um momento de preços muito altos, e isso ajuda a segurar o preço do frango no mercado interno. Entretanto, qualquer problema que tenhamos nas exportações, pelo ritmo que o mercado está trabalhando, poderá provocar alguns engasgos de preços. É uma fase brilhante, exuberante, mas tem elementos de risco que sugerem repensar a indústria brasileira como um todo Há uma expectativa dos especialistas americanos que o frio trará de volta o problema de diarreia. Se isso acontecer, podemos ter um rebote no preço do suíno, que vai ajudar o frango também. Se olhar os dados internacionais, os preços já começaram a acomodar. O Brasil está como exceção a isso por causa da Rússia. Porque a carne a mais que estamos produzindo está saindo, então está segurando o preço, mas é uma coisa peculiar do momento. O que dizer da indústria de frango do Paraná? É uma fase brilhan- Nós contamos com a continuidade do embargo russo aos Estados Unidos, esse é um cenário que deve continuar, mas ninguém tem certeza sobre isso. te, exuberante, mas tem elementos de risco que sugerem repensar a indústria brasileira como um todo nesse padrão de crescimento. Fala-se em números de 5% de aumento. Somos grandes o suficiente para balançar oferta e demanda. Tendo a achar que será tudo muito bom, mas tem de dar tudo muito certo, como vem dando até agora. Em um cenário futuro é possível que tenhamos problemas com uma relação saudável en tre demanda e oferta? A carne de frango está caindo nos Estados Unidos e na China, é natural, normalmente quando o grão vem e abaixa o preço, leva de três a seis meses para a carne cair. Tivemos uma combinação única no último semestre, que teve muito a ver com a carne suína, porque o problema de diarreia em suínos nos EUA durante os nove meses do ano manteve a carne suína nos níveis mais altos da história. Isso possibilitou a indústria americana a trabalhar com alojamento muito alto e não obstante os preços de frango se sustentaram em patamares muito bons. Obviamente na hora que se desvia o comércio que ia para Rússia - não é algo tão grande para afetar o mercado americano, mas obviamente afeta um pouco. Já começamos a ver a queda do preço do frango nos EUA. sindiavipar.com.br | De que forma o senhor enxerga o futuro da carne de frango no âmbito global? É a carne que terá maior expansão, é a carne do futuro, é a carne de melhor conversão, é a carne com maior potencial de crescimento. São duas coisas, uma é apostar no futuro, e tenho certeza que o futuro é brilhante e o Brasil tem um posicionamento fantástico no mundo. Outra é olharmos em curto prazo. Acho que segue bem, mas nota-se que estamos assumindo um risco, o ritmo de exportação brasileira na ordem de 2%, 3 % se encaixa, já 5% é agressivo. Isso vai impactar em preço, se por acaso a conjuntura de exportação com a Rússia mudar. 15

[close]

Comments

no comments yet