CATALOGO JAN. 2015

 

Embed or link this publication

Description

catálogo actualizado 2015

Popular Pages


p. 1

p poética edições | CAT Á LO G O | “A escrita tem as suas próprias leis de perspectiva, de luz e de sombras, como a pintura e a música. Se nasces com elas, perfeito. Se não, aprende-as. Em seguida, reorganiza as regras à tua maneira." Truman Capote ___________________________________ Em nome da Palavra

[close]

p. 2



[close]

p. 3

p poética edições | Poesia | ___________________________________ Em nome da Palavra

[close]

p. 4

p “Este livro é uma ilha de palavras. Palavras crescidas que são pedras rugosas de um caminho onde a luz abre fendas nas sombras que nos doem. Este é um livro que nos percorre e nos ensina os passos de uma certa procura.” Virgínia do Carmo a nossa vez Reflecte-se a vida neste copo: o astro que se afasta e traz gelo aos restos que nos restam de vidro. E há uma voz seca – árida até – que nos reencontra sentados à mesma mesa de sempre. Erros de cálculo ou outra coisa qualquer Miguel Pires Cabral Edição: Outubro de 2013 PVP: 11€ O esboço de uma vida por escrever: nós de silêncio. Porque é noite no deserto que atravesso. Ao balcão de serviço resta o nosso pedido, a nossa vez? Um rasto que nos rastra por dentro a sede que nos rasga o coração. ________________________________________________________________ Em nome da Palavra

[close]

p. 5

p “(…) Trata-se, de uma escrita incisiva e inquietante, disposta em poema branco, que nos questiona, amiúde, sobre o propósito da viagem, sobre os caminhos e as margens, sobre as esquinas e os contornos, apelando à justiça, à linearidade clarificadora das coisas, à “verdade dos instantes sem sombra”.”- assim a leio.(…)" Mel de Carvalho “(…)Reflexos na desordem das sombras” é uma janela aberta num dia de sol radioso, e Rosário Alves um nome que, estou certa, marcará de forma singular a poesia contemporânea. (…)” Maria João Martins Reflexos na desordem da sombras Rosário Ferreira Alves Edição: Outubro de 2013 PVP: 12.90€ “urgente cerrar os olhos ante o prenúncio de uma visão inteira” excerto do poema "Lapso" ________________________________________________________________ Em nome da Palavra

[close]

p. 6

p “[...] Dividida entre o desejo de imortalidade que, tantas vezes, leva o poeta a reconhecer que "temos os olhos no mesmo rio/ e cobrenos o mesmo céu/ onde a lua teima / em não se dar a beber" (Cap, Dos Amigos, p. 60) e o desejo de ressurreição, volto a Otávio Paz (La Otra Voz, Poesia y Fin de Siglo, Seix Barral, 1990, p.88), leio (e registo) em Sementes Daqui : "Não desistas já de mim, Poesia" (p.28), Lídia Borges, bem ao modo da figura tutelar que, como ela, aprendeu a ter as palavras emalta consideração, pois que todo o eu poético não é reflexo de narcisismo, usamno os poetas, como preconizou Stendhal: "(...) porque não há outro meio para contar a vida." (Mémorires d'un touriste) [...]” Vergílio Alberto Vieira Poesia Sementes Daqui Lídia Borges Obra vencedora do Concurso Literário Maria Ondina Braga Edição: Novembro de 2013 PVP: 13.50€ De súbito, um trinado do interior da folhagem. Mil desejos de entoar primaveras sobem em sorvos ao coração onde um pássaro com toda a bondade exposta se põe a engolir as sombras. Em nome da Palavra ________________________________________________________________

[close]

p. 7

p "[...] As palavras são escadas escorregadias que sobem dos lugares de penumbra, casas sem janelas, ecos de palavras que nunca chegaram a nascer. Não me lembro o que te disse. Vestias tão devagar a última peça de roupa: e depois disseste o amor é uma flor subitamente nada. [...]” Excerto do poema “Súbitas flores” O Nome das Árvores Rui Miguel Fragas Edição: Março de 2014 PVP: 12.90€ ________________________________________________________________ Em nome da Palavra

[close]

p. 8

p “[…] quando o homem se respira intimamente respira-se na bainha da Poesia. seja grito denúncia anseio ou lástima. é como levantar a pele do coração e deixar que as asas do verbo lancem luz no invisível. assim faz Manuel Veiga. ao arrepio do facilitismo cómodo ou de um romantismo falsamente embrulhado no celofane das modas. é uma poesia em taça de fé com conteúdo espiritual e de uma estética apurada. […]” Isabel Mendes Ferreira Poemas Cativos Manuel Veiga Edição: Maio de 2014 PVP: 12.90€ ______________________________________________________________ Em nome da Palavra

[close]

p. 9

p “[…] Além do que, creio, ficou patente quanto ao valor literário da poesia de Virgínia do Carmo, gostaria de referir pormenores que me não passaram desapercebidos. Falo da riqueza vocabular por vezes conseguida pela inusitada adjectivação (liquidez inabraçável do mar; gritos angulares; um anseio vertical; flores acéfalas; aresta áspera e estrídula) pelo recurso a termos eruditos (atérmico, admonição; disfásicas; assíncronos; ambular), pela pluralidade de léxicos relativos a áreas do saber convocadas como a geologia, a geografia, a psicologia e a filosofia, a física e a química e, sobretudo, a geometria. Não se trata de intromissões abusivas e arbitrárias, antes surgem como elementos de clarificação de ideias […].” Hercília Hagarez Relevos Virgínia do Carmo Edição: Setembro de 2014 PVP: 12.90€ ______________________________________________________________ Em nome da Palavra

[close]

p. 10

p “[…] Mas se, na poética desta autora, o mar representa o lugar de todos os perigos e, também, de todos os fascínios, a natureza apresenta-se toda ela inteira, lugar de apelo e de convocação à leitura e à escuta, à observação, como no poema da página 17: “Em cima dos rochedos aprendi a observar/ as migrações dos pássaros, a descobrir/ pelas estrelas a direcção dos navios”. E essa aprendizagem é inóspita, dolorosa pela sua crueza, “semelhante a uma emboscada”. Lugar de peso, de saturação de símbolos que importa decifrar, a natureza, sobretudo quando ligada à forma feminina, é leveza absoluta, como no caso do poema dedicado a Maria Augusta Silva, na página 24: “Deixa-te flutuar sobre as algas./És aragem. És nómada do vento”. […]” Maria João Cantinho Espaço livre com barcos Graça Pires Edição: Setembro de 2014 PVP: 11€ ______________________________________________________________ Em nome da Palavra

[close]

p. 11

p “Sopro. Que palavra bonita. Parece-me ser a palavra mais bonita para definir a poesia do Eufrázio. Quem o lê sabe que se eleva num sopro e que ao regressar ao chão jamais o seu corpo terá a mesma densidade. Os braços hão-de ter-se alongado à procura do céu e perdido o peso das coisas que carregamos. Os lábios hão-de ter esboçado o silêncio mais depurador e um suspiro imperceptível há-de ter levado para longe os ruídos inúteis do nosso peito. O coração há-de ter reassumido a sua forma original e os olhos libertado para sempre a visão das coisas feias deste mundo.” Virgínia do Carmo Presos a um sopro de vento Eufrázio Filipe Edição: Novembro de 2014 PVP: 12,90€ ______________________________________________________________ Em nome da Palavra

[close]

p. 12

p “O livro da Vera está recheado de alusões às histórias do quotidiano, com os seus personagens reais-imaginados, nos seus trabalhos, nas suas pequenas e grandes tragédias. No hálito morno da tarde que finda Os cães ladram, ao longe, Ao tractor vermelho do tio António. A mulher, uma velha muito velha, De mão calejada, vai acenando, de tempo a tempo, Ao marido que na distância desbrava o solo, A ceifar securas de um chão que se deu, Desfazendo torrões, fragmentos exaustos, Para que a terra de novo seja mãe. Em “ Fora do Mundo“, nota-se a preocupação de quem escreve em descobrir a forma que lhe trará o poema, interrogando a própria natureza do texto poético.” Fora do Mundo Vera de Vilhena Ilustrações de Vanessa Bettencourt Edição: Dezembro de 2014 PVP: 14,90€ Licínia Quitério ______________________________________________________________ Em nome da Palavra

[close]

p. 13

p Há entre mim e o outro, a linha de um lugar comum. gisela gracias ramos rosa * "É do início que aqui se fala. De como as coisas, na sua inviolável nudez, ousam principiar, insinuando-se ao esplendor das palavras. De como estas depois se avizinham do coração inaugural de quem, assim desarmado, as lê. Esta é uma poesia genesíaca, em que a linguagem se assume, de pleno direito e sem concessões, como sopro vital, magma demiúrgico, respiração pulsante." Ricardo Gil Soeiro, excerto do prefácio As palavras mais simples gisela gracias ramos rosa Aguarelas de Rui Paes Edição: Dezembro de 2014 PVP: 14,90€ ______________________________________________________________ Em nome da Palavra

[close]

p. 14

p Ensaio ______________________________________________________________ Em nome da Palavra

[close]

p. 15

p Raúl Rêgo - O Jornalista e o Político Autora: Natália Neves dos Santos Prefácio: Luís Reis Torgal Lançamento: Abril de 2014 Páginas: 342 Encadernação: capa mole com badanas ISBN: 978-989-98509-4-1 PVP: 17.50€ Celebrar o 25 de Abril é, pois, abrir as portas à consciência crítica e à esperança. Por isso, recordar personalidades como Raul Rego é cantar outra vez os cânticos de Liberdade, de Igualdade e de Fraternidade. Com realismo e não como uma mera ladainha de populismo e de espectáculo, que caracteriza estes tempos sombrios. Luís Reis Torgal (Excerto do Prefácio) ______________________________________________________________ Em nome da Palavra

[close]

Comments

no comments yet