ISOARES

 

Embed or link this publication

Description

ISOARES - SOLUÇÕES EM EPS

Popular Pages


p. 1



[close]

p. 2

Índice Apresentação ...................................................... 03 Política de Empresa – Visão – Valores ................. 04 Indicações ........................................................... 05 Dados Técnicos .................................................... 13 Encerramento ..................................................... 25 Mensagem Final .................................................. 26 Contatos .............................................................. 27

[close]

p. 3

Apresentação • Soluções em EPS (Poliestireno Expansível), esse é o compromisso da ISOARES, empresa transformadora nesse mercado. Localizada em Gravataí – RS, nossa empresa utiliza recursos avançados para a fabricação de produtos de EPS, que vão desde placas, bolas, até blocos para a construção civil. Fundada em 2005 pelos sócios Alex Soares e Mogar Soares, mantém uma política de investimentos em novas tecnologias e ampliação das instalações para atender a sua crescente demanda de produção. • No seu início, fabricando placas e embalagens de EPS, a empresa ocupava 300m², atualmente tem uma capacidade fabril instalada em 5.000m², tendo ainda uma área de expansão de 65.000 m². Nosso objetivo é um bom atendimento, e para isso colocamos uma equipe de vendas treinada e especializada em nossos produtos. Dispomos de frota própria e uma logística de distribuição, onde o comprometimento de nossa equipe faz a satisfação dos nossos clientes. ISOARES – SOLUÇÕES EM EPS 03

[close]

p. 4

Nossa Missão Ser a melhor empresa no fornecimento de produtos e serviços de EPS, buscando excelência na qualidade. Visão Tornar-se líder no mercado, com soluções práticas em produtos de EPS, buscando a eficiência e eficácia nos negócios, com o objetivo de atingir a Valores  Satisfação do cliente  Profissionalismo  Trabalho em equipe  Comprometimento  Gratidão  Lealdade satisfação dos clientes e colaboradores. 04

[close]

p. 5

INDICAÇÕES Absorção de Impactos • O EPS, quando aplicado como pavimento flutuante, torna-se um excelente absorvedor de impactos (passos) de um andar para outro da edificação. O pavimento flutuante é construído de maneira que a placa de EPS seja colocado sobre a laje bruta conforme mostra o esquema a seguir: • Método de aplicação do EPS para absorção de impactos e impermeabilização 05

[close]

p. 6

INDICAÇÕES ALVENARIA LEVE • Para as análises a seguir foram usadas os seguintes parâmetros: Laje nervurada com alvenaria em EPS Laje nervurada com alvenaria em tijolo furado Laje maciça com alvenaria em EPS Laje maciça com alvenaria em tijolo furado Alvenaria EPS – 600 kg/m³ – kg/m³ parede de 15cm Elemento de separação de nervuras – EPS com 12kg/m³ Tijolos para separação das nervuras – 800kg/m³ Pé direito – 2,8m Número de andares – 15 Resumo de carga nos pilares Laje nervurada com alvenaria em EPS – 5131 toneladas Laje nervurada com alvenaria em tijolo furado – 6811 toneladas Laje maciça com alvenaria em EPS – 5495 toneladas Laje maciça com alvenaria em tijolo furado – 6562 toneladas Ao compararmos a laje nervurada com alvenaria em EPS e com alvenaria com tijolo furado, temos 32% a menos de carga nos pilares. Ao compararmos a laje maciça com alvenaria em EPS e com alvenaria com tijolo furado, temos 19% a menos de carga nos pilares. Resumo de aço nos pilares Laje nervurada com alvenaria em EPS – 12898 toneladas Laje nervurada com alvenaria em tijolo furado – 22437 toneladas Laje maciça com alvenaria em EPS – 13118 toneladas Laje maciça com alvenaria em tijolo furado – 18005 toneladas Ao compararmos a laje nervurada com alvenaria em EPS e com alvenaria com tijolo furado, temos 73,9% a menos de aço nos pilares. Ao compararmos a laje maciça com alvenaria em EPS e com alvenaria com tijolo furado, temos 37% a menos de aço nos pilares. 06

[close]

p. 7

INDICAÇÕES ALVENARIA LEVE - CONTINUAÇÃO • Resumo de aço na laje Laje nervurada com alvenaria em EPS – 21150 toneladas Laje nervurada com alvenaria em tijolo furado – 21150 toneladas Laje maciça com alvenaria em EPS – 29505 toneladas Laje maciça com alvenaria em tijolo furado – 32730 toneladas Ao compararmos a laje nervurada com alvenaria em EPS e com alvenaria com tijolo furado, não há diferença diferença de aço na laje. Ao compararmos a laje maciça com alvenaria em EPS e com alvenaria com tijolo furado, temos 10,9% a menos de aço na laje. Resumo de aço na viga Laje nervurada com alvenaria em EPS – 31365 toneladas Laje nervurada com alvenaria em tijolo furado – 40665 toneladas Laje maciça com alvenaria em EPS – 16800 toneladas Laje maciça com alvenaria em tijolo furado – 19920 toneladas Ao compararmos a laje nervurada com alvenaria em EPS e com alvenaria com tijolo furado, temos 29,6% menos aço na viga. Ao compararmos a laje maciça com alvenaria em EPS e com alvenaria em EPS e com alvenaria com tijolo furado, temos 18,5% a menos de aço na viga. Resumo Geral de aço na obra Laje nervurada com alvenaria em EPS – 65413 toneladas Laje nervurada com alvenaria em tijolo furado – 84252 toneladas Laje maciça com alvenaria em EPS – 59423 toneladas Laje maciça com alvenaria em tijolo furado – 71255 toneladas Ao compararmos a laje nervurada com alvenaria em EPS e com alvenaria com tijolo furado, temos 28% menos aço na obra total. Ao compararmos a laje maciça com alvenaria em EPS e com alvenaria com tijolo furado, temos 19,9% menos aço na obra total. 07

[close]

p. 8

INDICAÇÕES CONCRETO LEVE • O concreto leve com EPS da ISOARES oferece múltiplas oportunidades de aplicação na construção civil, graças à sua boa resistência, seu excelente comportamento sob cargas, seu poder de isolamento térmico e porque é fácil de ser elaborado pelos maquinários e processos habituais. Podemos citar, entre inúmeras aplicações, a fabricação de elementos prémoldados, isolamento e enchimento de lajes, brises, blocos de concreto leve, etc. Como as pérolas de EPS são vendidas por Kg, com volume de 11Kg/m³, e como as dosagens nas obras são feitas em unidades de volume, • deve-se condiderar que 1Kg de EPS equivale a 83 litros. Como o EPS é repelente à água, deverá receber uma preparação prévia, usando-se 2Kg de aglutinante por m³ de concreto leve diluído em 40 litros de água. Com isso, teremos a superfície das pérolas “pegajosas”, o que evitará a sua desagregação durante o preparo do concreto. Recomenda-se que para as densidades de até 900Kg/m³ deve ser usada a areia fina. Acima disto, usar a areia com granulometria normal. 08

[close]

p. 9

INDICAÇÕES FUNDAÇÃO PARA ESTRADAS • A principal característica do EPS que o faz adequado para o uso em aterros e estabilização de encostas, é seu baixo peso aliado à boa resistência mecânica, sobretudo à compressão, além de proporcionar execução fácil e rápida. O EPS pode ser até cem vezes mais leve que outros materiais tradicionalmente utilizado para tal fim. Por isso é especialmente adequado quando utilizado sobre solos inconsistentes, minimizando as possibilidades de recalques. A densidade do EPS recomendada é de no mínimo 19kg/m³, porém a densidade a ser utilizada será sempre determinada pelo projeto executado por calculista e de responsabilidade deste. O EPS tem bom comportamento ao envelhecimento, apresentando, em alguns casos, uma melhora em sua resistência a compressão. O projeto deve definir as dimensões dos blocos e sua modulação. É importante levar em conta o melhor aproveitamento, a possibilidade de carregamento e deslocamento na obra, as possibilidades de transporte e as dimensões máximas de sua produção. São bastante utilizadas dimensões máximas de sua produção. As dimensões mais utilizadas são 4080x1250x600mm. Sendo o poliestireno expandido sensível a algumas agressões químicas ou mecânicas, é recomendado: – a dissolução de hidrocarbonetos: é evitada utilizando-se de filme protetor de polietileno e laje de concreto armado de espessura de 10cm que contribui no suporte de cargas; – utilização de proteção lateral: em terra argilosa pouso permeável e com uso de vegetação; – a cobertura de concreto e terra: torna impossível que o EPS pegue fogo. Em caso de risco (material exposto), é necessário utilizar material da classe F (auto-extinguivel). No canteiro de obras é proibida a presença de fogo e de fumantes; – a incidência prolongada de raios U.V. (ultra violeta) atacam o poliestireno expandido: é preciso evitar estocá-lo por tempo prolongado à luz solar. Depois de protegido não há risco de danos; – em caso de estocagem por longo período: prever proteção ao vento; 09

[close]

p. 10

INDICAÇÕES FUNDAÇÃO PARA ESTRADAS - CONTINUAÇÃO • – o EPS não é comestível: Não há registro de ataques de roedores. É conveniente tratamento prévio contra cupins caso o local seja suscetível a estes; – o EPS resiste a agressões biológicas (bactérias, enzimas); – a absorção de água é de menos de 1% se imerso esporadicamente: o assentamento do EPS deve ser acima do lençol freático para evitar fenômenos de sub pressão; – no canteiro de obras: pode ser recortado com serra; – em geral, dois homens podem carregar um bloco; – para a construção de aterros novos: o pré carregamento do solo não é dispensável para se atingir os recalques advindos da sobrecarga resultante ou variação do lençol freático; – uma camada de areia seca estabilizada e compactada é necessária para assegurar a colocação da primeira camada de blocos, além de servir de filtro sob o aterro; – o assentamento dos blocos é feito conforme modulação de projeto: deve-se evitar juntas ou vazios entre blocos de mais de 2cm; – compactação: os aterros laterais e de cabeceira serão compactados utilzando-se de um compactador com vibrador. Essa compactação não pode danificar (amassar) os blocos, daí a impossibilidade de se utilizar um compactador com vibrador pesado para a primeira camada. Utilizar um cilindro vibrante de carga estática fraca, 5 a 8t, e de frequência de vibração elevada; – estabilidade: em muitos canteiros de obra cola-se os blocos (utilizar cola apropriada). É possível a utilização de fixação mecânica, metálica, entre os blocos para previnir eventuais deslocamentos de blocos externos. Em geral somente os blocos da última camada e os laterais são fixados ou colados; – é necessário o controle rígido da produção quanto às características volumétricas e de massa. Os blocos poderão ser identificados. Em alguns casos é feito controle tecnológico no canteiro. 10

[close]

p. 11

INDICAÇÕES JUNTAS DE DILATAÇÃO • Toda a estrutura de concreto com mais de 35 metros de extensão deve ter juntas de dilatação. A execução destas juntas fica facilitada se o material usado for durável e elástico, para poder permanecer no local após a concretagem. Nada se aplica melhor a isso que o EPS. Elástico, resistente, durável, impermeável e de baixo custo, é o material ideal para esta finalidade. • Ao se concretar uma estrutura com junta de dilatação, o primeiro lance a ser concretado utiliza fôrmas convencionais. Ao se concretar o segundo lance, usam-se placas de EPS como fôrma entre as partes. 11

[close]

p. 12

INDICAÇÕES TAVELAS / LAJES EM EPS • Nos edifícios de vários pisos, as lajes respondem por elevada parcela do consumo de concreto. No caso de lajes maciças, esta parcela chega usualmente a quase 2/3 do volume total da estrutura. O desenvolvimento tecnológico que levou à criação de novos materiais, como armaduras treliçadas e os blocos leves de EPS, tornou o emprego das lajes nervuras uma solução espontânea para a concepção das estruturas dos edifícios de múltiplos pisos, em virtude das qualidades técnicas e econômicas • que estas lajes apresentam. As lajes nervuradas constituíram uma evolução natural da laje maciça, resultante da eliminação da maior parte do concreto abaixo da linha neutra, permitindo aumento econômico da espessura total das lajes pela criação de vazios em um padrão rítmico de arranjo. As lajes nervuradas foram idealizadas para se ter um alívio do peso próprio da estrutura e um aproveitamento mais eficiente do aço e do concreto. 12

[close]

p. 13

Dados Técnicos O EPS é um polímero que contém um agente de expansão e pertence ao grupo dos termoplásticos. Para a aplicação das placas de EPS, é necessário o conhecimento das suas propriedades, a fim de garantir o seu emprego e a limitada duração do produto. As propriedades dos outros materiais de construção já são bastante conhecidas: o ferro oxida, a madeira apodrece e o vidro quebra. Com o EPS é diferente: suas propriedades não são conhecidas. Para garantir o uso das placas, sua limitada durabilidade e a permanência de todas as suas propriedades e vantagens, elaborou-se a presente informação técnica. 13

[close]

p. 14

Dados Técnicos • EPS é a sigla internacional do Poliestireno Expandido, este plástico celular rígido foi descoberto pelos químicos Fritz Stastny e Karl Buchholz quando trabalhavam nos laboratórios da Basf na Alemanha. O poliestireno é constituído por uma cadeia de polímeros (estireno) formada pelo carbono. O termo expandido refere-se à expansão sofrida pelas cápsulas de estireno – pérolas de 0,4 a 2,5 mm de diâmetro, podendo ser ampliadas até 50 vezes, quando em uma câmara hermeticamente fechada e aquecida, aplicando-se o vácuo. As cápsulas expandem-se e moldam-se ao recipiente em que foram colocadas e como este recipiente está sob calor, suas esferas expandidas aderem-se umas às outras, formando um objeto leve e com relativa dureza. Nasce então, o poliestireno expandido. Sem estar em um recipiente de molde, as cápsulas transformam-se em esferas soltas que são utilizadas para enchimento e nos mais diversos tipos de acondicionamento para transporte. Expandidas, as pérolas são constituídas de até 98% de ar e apenas 2% de poliestireno. Em 1m³ de EPS expandido, por exemplo, existem de 3 a 6 bilhões de células fechadas e cheias de ar. Os produtos finais de EPS são inodoros, não contaminam o solo, água e ar. São 100% reaproveitáveis, recicláveis e podem voltar à condição de matéria-prima. O EPS tem inúmeras aplicações: em embalagens industriais, artigos de consumo (caixas térmicas, pranchas, bolas etc.), decoração (chapas de EPS, sancas, etc.), na agricultura e na construção civil. É comprovadamente um material isolante, sem ele os países mais evoluídos não construiriam de modo atualizado e econômico, visando a economia de energia. Nos últimos anos esse material ganhou uma posição estável na construção civil, não apenas por suas características isolantes mas também por sua leveza, resistência, facilidade de manuseio e baixo custo. Os sistemas construtivos em EPS são atualmente o que há de mais avançado na construção civil na Europa, Estados Unidos e Canadá, onde sua aplicação alcança índices de crescimento acima do normal para economias estáveis como os países do primeiro mundo. 14

[close]

p. 15

Dados Técnicos • Sistemas monolíticos, ICF (Insulating Concrete Forms), SIP (Strutural Insulating Panels) são soluções para a construção civil moderna, preocupada com o meio ambiente, redução de custos, racionalização de energia, além de conforto térmico acústico dos usuários. Em um recipiente de molde, o poliestireno expandido toma a forma que nossa imaginação desejar. Sua forma pode ser de placas planas, tão conhecidas nas forrações de escritórios até peças de encaixe para acondicionamento de produtos, como eletrodomésticos e motores. Neste mercado o poliestireno expandido é perfeito, pois é leve, absorve choques mecânicos, facilita o transporte e reduz o espaço físico para armazenamento e seu custo é baixo. Com o avanço da tecnologia o poliestireno expandido cada vez mais faz parte das nossas vidas. Atualmente, está sendo utilizado na substituição da cerâmica da laje de concreto, sob a forma de caixão perdido e formas para concreto. Aos poucos esta tecnologia está revolucionando a construção civil, facilitando a edificação, pois é muito mais leve (98% do seu volume é constituído de ar), além de ser térmico, ter alta resistência à compressão, à vibração mecânica e baixa absorção de umidade. Mas o grande atrativo está na queda dos custos para edificação de uma laje, seja ela de cobertura ou piso. Com corpos moldados com densidades diferentes (20 a 25 kg/m3), podemos ampliar ainda mais utilização do poliestireno expandido, como pallets de armazenamento e acondicionadoras de alimentos para transporte e armazenagem. Sob o ponto de vista ecológico, o poliestireno expandido atende as regulamentações governamentais quanto à segurança e saúde. O EPS é um plástico celular rígido, resultante da polimerização do estireno em água. Em seu processo produtivo não se utiliza e nunca se utilizou o gás CFC ou qualquer um de seus substitutos. Como agente expansor para a transformação do EPS, emprega-se o pentano, um hidrocarbureto que se deteriora rapidamente pela reação fotoquímica gerada pelos raios solares, sem comprometer o meio ambiente. 15

[close]

Comments

no comments yet