O mundo Assombrado pelos Demonios Carl Sagan byAngelH

 

Embed or link this publication

Popular Pages


p. 1

carl sagan o mundo assombrado pelos demÔnios a ciÊncia vista como uma vela no escuro tradução de dores Üdina

[close]

p. 2

planeta coleção a linha do horizonte título original the demond-hunted worid © cari sagan 1995 © pela tradução dores udina 1997 © editorial planeta s a 2000 córsega 273279 08008 barcelona espanha desenho da coleção joan batalhei ilustração da sobrecubierta foto © steven puetzer/photonica agradecemos a permissão para reimprimir material previamente publicado a addison-wesley publishing company inc extrato do lectures on physics commemorative issue 3 volume package do richard p feynman robeit b leighton e matthew sands copirraite © califórnia instituto of technology 1964 reimpreso com permissão do addison-wesley publishing company inc crown publishers inc extrato do the enciclopédia of witchcraft ana demonology do rossell hope robbins copirraite © crown publishers inc 1959 reimpreso com permissão do editor dover publications inc extrato do on the electrodynamics of moving bodies do albert einstein do the principie of relativity ao collection of original memoirs on the special and general theory of relativity do h lorentz a einstein h minkowski e h weyí reimpreso com permissão encyclopaedia britannica inc percepção na encyclopaedia britannica 15.a edição copirraite © enciclopaedia britannica inc 1985 reimpreso com permissão fms foundatton extrato do memory with ao grain of sait do ulric neisser fms foundation newsletter vol 2 não 4 reimpreso com permissão international association of chiefs of pólice extrato do satanic occult and ritualistic creme do kenneth v lanning the police chief vol lvi não 10 outubro de 1989 copirraite em poder da international association of chiefs of pólice 515 n washington street alexandria vai 22314 está estritamente proibida uma nova reprodução sem a permissão escrita ex-professo do iacp reimpreso com permissão joumal of abnormal psychology extrato do cióse encounters an examination of the ufo experience do nicholas p spanos patricia a cross kirby dixon e susan c debreul vol 102 1993 p 631 reimpreso com permissão journal of american folclore extrato do ufo abduction reports the supernatural kidnap narrative retums in technological guise do thomas e bullard vol 102 não 404 abril-junho de 1989 reimpreso com permissão da american anthropological asociation não se permitem mais reproduções harold ober associates inc extrato do the fifty-minute hour do robert lindner holt rinehart copirraite © robert lindner 1954 reimpreso com permissão do haroíd ober associates inc penguin uk extrato do buddhist scriptures traduzido ao inglês pelo edward conze penguin classics 1959 copirraite © edward conze 1959 reimpreso com permissão point foundation c/o brockman inc extrato do confessions of ao parapsychologist da susan blackmore e extrato do the science of spirituality do charles tart ambos os extratos do the fringes of reason ao whole earth catalog copirraite © point foundation 1989 reimpreso com permissão do point foundation princeton university press extrato da appa-ritions in pulsa medieval and renaissance spain do william a christian jr copirraite © prin-ceton university press 1981 reimpreso com permissão de princeton university press rutgers university press extrato das páginas 33 e 78 do science and its critics do john passmore copirraite © rutgers universidade estatal de nova pulôver 1978 reimpreso com permissão do rutger university press tickson music três linhas do cta102 do roger mcguinn e robert j hippard copirraite © tickon music bmi 1967 todos os direitos reservados reimpreso com permissão primeira edição nesta apresentação março de 2000 depósito legal b 7.474-2000 isbn 84-08-03515-0 composição víctor igual s l impressão a&m gráfic s l encuademación servéis grafios 106 s l printed in spain impresso na espanha este livro não poderá ser reproduzido nem total nem parcialmente sem o prévio permissão escrita do editor todos os direitos reservados Índice

[close]

p. 3

ao tonio meu neto desejo-te um mundo livre de demônios e cheio de luz,

[close]

p. 4

esperamos a luz mas contemplamos a escuridão isaías 59 9 É melhor acender uma vela que praguejar contra a escuridão adágio popular

[close]

p. 5

indice

[close]

p. 6

prefÁcio meus professores era um dia de tormenta no outono de 1939 fora nas ruas ao redor do edifício de apartamentos as folhas caíam e formavam pequenos redemoinhos cada uma com vida própria era agradável estar dentro de casa a salvo e quente enquanto minha mãe preparava o jantar na cozinha ao lado em nosso apartamento não havia meninos maiores que implicassem com os menores sem motivo precisamente na semana anterior me havia visto envolto em uma briga não recordo depois de tantos anos com quem possivelmente fora com o snoony Ágata do terceiro piso e depois de um violento golpe meu punho atravessou o cristal da vitrine da farmácia do schechter o senhor schechter se mostrou solícito não se preocupe tenho seguro disse enquanto me lubrificava o pulso com um anti-séptico incrivelmente doloroso minha mãe me levou a médico que tinha a consulta na planta baixa de nosso bloco com umas pinças extraiu um fragmento de vidro e provido de agulha e linha aplicou-me dois pontos dois pontos tinha repetido meu pai de noite sabia de pontos porque era cortador na indústria da confecção seu trabalho consistia em cortar com uma temível serra elétrica moldes as costas por exemplo ou mangas para casacos e trajes de senhora de um montão de tecido continuando umas intermináveis fileiras de mulheres sentadas diante de máquinas de costurar agradava-lhe que me tivesse zangado tanto para vencer minha natural timidez Às vezes é bom devolver o golpe eu não tinha pensado exercer nenhuma violência simplesmente ocorreu assim snoony me empurrou e no momento seguinte meu punho atravessou a vitrine do senhor schechter eu me tinha lesado a pulso tinha gerado um gasto médico inesperado tinha quebrado uma vitrine de vidro laminado e ninguém se zangou comigo quanto ao snoony estava mais simpático que nunca tentei elucidar qual era a lição de tudo aquilo mas era muito mais agradável tentar descobri-lo no calor do apartamento olhando através da janela da sala a baía de nova iorque que me arriscar a um novo contratempo nas ruas minha mãe se trocou de roupa e maquiado como estava acostumado a fazer sempre antes que chegasse meu pai quase se tinha posto o sol e ficamos os dois olhando além das águas enfurecidas.

[close]

p. 7

ali fora há gente que luta e se matam uns aos outros disse fazendo um sinal vago para o atlântico eu olhei com atenção sei respondi os vejo não não pode vê-los repôs ela quase com severidade antes de voltar para a cozinha estão muito longe como podia saber ela se eu os via ou não perguntei-me forçando a vista tinha-me parecido discernir uma fina franja de terra no horizonte sobre a que umas pequenas figuras se empurravam pegavam e brigavam com espadas como em meus gibis mas possivelmente tivesse razão possivelmente se tratava só de minha imaginação como os monstros de meia-noite que em ocasiões ainda despertavam de um sonho profundo com o pijama empapado de suor e o coração palpitante como se pode saber quando alguém só imagina fiquei contemplando as águas cinzas até que se fez de noite e me mandaram a me lavar as mãos para jantar para minha delícia meu pai tomou em braços podia notar o frio do mundo exterior contra sua barba de um dia ooo um domingo daquele mesmo ano meu pai me tinha explicado com paciência o papel do zero como ponto de origem em aritmética os nomes de som malicioso dos números grandes e que não existe o número maior sempre pode acrescentar mais um dizia de repente me entrou uma compulsão infantil de escrever em seqüência todos os números inteiros do um aos mil não tínhamos nenhuma caderneta de papel mas meu pai me ofereceu o montão de cartões cinzas que guardava quando lhe traziam as camisas da lavanderia comecei o projeto com entusiasmo mas me surpreendeu quão lento era quando me encontrava ainda nas centenas mais baixas minha mãe anunciou que era a hora do banho fiquei desconsolado tinha que chegar a mil interveio meu pai que toda a vida atuou de mediador se me submetia ao banho sem pigarrear ele continuaria a seqüência por mim eu não cabia em mim de contente quando saí do banho já estava perto do novecentos e assim pude chegar a mil só um pouco depois da hora habitual de me deitar a magnitude dos números grandes nunca deixou de me impressionar também em 1939 meus pais levaram-me a feira mundial de nova iorque ali me ofereceu uma visão de um futuro perfeito que a ciência e a alta tecnologia tinham feito possível tinham enterrado uma cápsula cheia de artefatos de nossa época para benefício de gente de um futuro longínquo que assombrosamente possivelmente não soubesse muito da gente de 1939 o mundo do amanhã seria impecável limpo racionalizado e por isso eu podia ver sem rastro de gente pobre veja o som ordenava de modo desconcertante um pôster e certamente quando o pequeno martelo golpeava o diapasão aparecia uma bela onda sinosoidal na tela do osciloscopio escute a luz exortava outro pôster e quando o flash iluminou a célula fotoelétrica pude escutar um pouco parecido às interferências de nosso rádio motorola quando o dial não dava com a emissora simplesmente o mundo encerrava uma série de maravilhas que nunca me tinha imaginado como podia converter um tom em uma imagem e a luz em ruído meus pais não eram cientistas não sabiam quase nada de ciência mas ao me

[close]

p. 8

introduzir simultaneamente no ceticismo e o assombroso ensinaram-me os dois modos de pensamento de tão difícil convivência e que são à base do método científico sua situação econômica não superava em muito o nível de pobreza mas quando anunciei que queria ser astrônomo recebi um apoio incondicional apesar de que eles como eu só tinham uma idéia rudimentar do que faz um astrônomo nunca me sugeriram que talvez fosse mais oportuno que me tornasse médico ou advogado eu adoraria poder dizer que na escola elementar ou secundário tivera professores de ciências que me inspiraram mas por muito que mergulho em minha memória não encontro nenhum tratava-se de uma pura memorização da tabela periódica dos elementos alavancas e planos inclinados a fotossíntese das plantas verdes e a diferença entre a antracita e o carvão betuminoso mas não havia nenhuma elevada sensação de maravilha nenhuma indicação de uma perspectiva evolutiva nada sobre idéias errôneas que todo mundo tinha acreditado certas em outra época supunha-se que nos cursos de laboratório do instituto devíamos encontrar uma resposta se não era assim suspendiam-nos não nos animava a aprofundar em nossos próprios interesses idéias ou enganos lhes conceitue ao final do livro de texto havia material que parecia interessante mas o ano escolar sempre terminava antes de chegar a dito final era possível ver maravilhosos livros de astronomia por exemplo nas bibliotecas mas não na classe nos ensinava a divisão larga como se tratasse de uma série de receitas de um livro de cozinha sem nenhuma explicação de como esta seqüência particular de divisões curtas multiplicações e subtrações dava a resposta correta no instituto nos ensinava com reverência a extração de raízes quadradas como se tratasse de um método entregue tempo atrás no monte sinai nosso trabalho consistia meramente em recordar o que nos tinha ordenado consegue a resposta correta não importa que entenda o que faz em segundo curso tive um professor de álgebra muita capacitada que me permitiu aprender muitas matemática mas era um valentão que desfrutava fazendo chorar às garotas em todos aqueles anos de escola mantive meu interesse pela ciência lendo livros e revistas sobre realidade e ficção científica a universidade foi a realização de meus sonhos encontrei professores que não só entendiam a ciência mas também realmente eram capazes de explicá-la tive a sorte de estudar em uma das grandes instituições do saber da época a universidade de chicago estudava física em um departamento que girava ao redor do enrico fermi descobri a verdadeira elegância matemática com o subrahmanyan chandrasekhar tive a oportunidade de falar de química com o harold urey durante os verões fui aprendiz de biologia com o h j muller na universidade de indiana e aprendi astronomia planetária com o único praticante com plena dedicação da época g p kuiper no kuiper vi pela primeira vez o chamado cálculo sobre guardanapo de papel te ocorre uma possível solução a um problema agarra um guardanapo de papel apela a seu conhecimento de física fundamental rabisca umas quantas equações aproximadas substitui-as por valores numéricos prováveis e comprova se a resposta pode resolver de algum modo seu problema se não ser assim deve procurar uma solução diferente É uma maneira de ir eliminando disparates como se fossem capas de uma cebola.

[close]

p. 9

na universidade de chicago também tive a sorte de me encontrar com um programa de educação geral desenhado pelo robert m hutchins no que a ciência se apresentava como parte integral da maravilhosa tapeçaria do conhecimento humano considerava-se impensável que um aspirante a físico não conhecesse o platón aristóteles bach shakespeare gibbon malinowski e freud entre outros em uma classe de introdução à ciência nos apresentou de modo tão irresistível o ponto de vista do tolomeo de que o sol girava ao redor da terra que muitos estudantes tiveram que repensar sua confiança em copérnico a categoria dos professores no programa do hutchins não tinha quase nada que ver com a investigação ao contrário a diferença do que é habitual nas universidades norte-americanas de hoje valorava-se aos professores por sua maneira de ensinar por sua capacidade de transmitir informação e inspirar à futura geração neste ambiente embriagador pude preencher algumas lacunas de minha educação me esclareceram muitos aspectos que me tinham parecido profundamente misteriosos e não só na ciência também fui testemunha de primeira mão da alegria que sentiam os que tinham o privilégio de descobrir algo sobre o funcionamento do universo sempre me hei sentido agradecido a meus mentores da década de 1950 e tenho feito o possível para que todos eles conhecessem minha avaliação mas quando jogo a vista atrás me parece que o mais essencial não o aprendi de meus professores de escola nem sequer de meus professores de universidade mas sim de meus pais que não sabiam nada absolutamente de ciência naquele ano tão longínquo de 1939.

[close]

p. 10

capÍtulo 1 a coisa mais preciosa toda nossa ciência comparada com a realidade é primitiva e infantil é no entanto a coisa mais preciosa que temos albert einstein 1879-1955

[close]

p. 11

quando desembarquei do avião ele me esperava com um pedaço de cartão no que estava escrito meu nome eu ia a uma conferência de cientistas e comentaristas de televisão dedicada a aparentemente impossível tarefa de melhorar a apresentação da ciência na televisão comercial amavelmente os organizadores me tinham enviado um motorista incomoda-lhe que lhe faça uma pergunta disse-me enquanto esperávamos a mala não não me incomodava não é uma confusão ter o mesmo nome que aquele cientista demorei um momento em compreendê-lo estava-me tirando sarro finalmente o entendi eu sou aquele cientista respondi calou um momento e em seguida sorriu perdoe como esse é meu problema pensei que também seria o seu tendeu-me a mão meu nome é william f buckley bom não era exatamente william f buckley mas levava o nome de um conhecido e polêmico entrevistador de televisão o que sem dúvida havia lhe valido grande número de inofensivas brincadeiras enquanto nos instalávamos no carro para empreender o comprido percorrido com os limpador de pára-brisas funcionando ritmicamente disse-me que se alegrava de que eu fora aquele cientista porque tinha muitas perguntas sobre ciência incomodava-me não não me incomodava e nos pusemos a falar mas não de ciência ele queria falar dos extraterrestres congelados que adoeciam em uma base das forças aéreas perto do santo antonio de canalização uma maneira de ouvir o que há na mente dos mortos que não é muito pelo visto de cristais das profecias do nostradamus de astrologia do sudário do turim apresentava cada um destes prodigiosos temas com um entusiasmo cheio de otimismo eu me via obrigado a lhe decepcionar cada vez a prova é insustentável lhe repetia uma e outra vez há uma explicação muito mais simples em certo modo era um homem bastante lido conhecia os distintos matizes especulativos por exemplo sobre os continentes fundos da atlântida e lemúria sabia-se muito bem quais eram as expedições submarinas previstas para encontrar as colunas quedas e os minaretes quebrados de uma civilização antigamente grande cujos restos agora só eram visitados por peixes luminescentes de alto mar e gigantescos monstros marinhos só que embora o oceano guarde muitos segredos eu sabia que não há a mais mínima base oceanográfica ou geofísica para deduzir a existência da atlântida e lemúria por isso sabe a ciência até este momento não

[close]

p. 12

existiram jamais a estas alturas o disse a contra gosto enquanto viajávamos sob a chuva me dava conta de que o homem estava cada vez mais taciturno com o que eu lhe dizia não só descartava uma doutrina falsa mas também eliminava uma faceta preciosa de sua vida interior e entretanto há tantas coisas na ciência real igualmente excitantes e mais misteriosas que apresentam um desafio intelectual maior além de estar muito mais perto da verdade sabia algo das moléculas da vida que se encontram no frio e tênue gás entre as estrelas tinha ouvido falar dos rastros de nossos antepassados encontrados em cinza vulcânica de quatro milhões de anos de antigüidade e da elevação do himalaia quando a Índia se chocou com a Ásia ou de como os vírus construídos como seringas hipodérmicas deslizam seu dna além das defesas do organismo do anfitrião e subvertem a maquinaria reprodutora das células ou da busca por rádio de inteligência extraterrestre ou da recém descoberta civilização da ebla que anunciava as virtudes da cerveja da ebla não não tinha ouvido nada de todo aquilo tampouco sabia nada nem sequer vagamente da indeterminação quântica e só reconhecia o dna como três letras maiúsculas que apareciam juntas com freqüência o senhor buckley que sabia falar era inteligente e curioso não tinha ouvido virtualmente nada de ciência moderna tinha um interesse natural nas maravilhas do universo queria saber de ciência mas toda a ciência tinha sido expurgada antes de chegar a ele a este homem tinha falhado nossos recursos culturais nosso sistema educativo nossos meios de comunicação o que a sociedade permitia que se filtrasse eram principalmente aparências e confusão nunca lhe tinham ensinado a distinguir a ciência real da áspera imitação não sabia nada do funcionamento da ciência há centenas de livros sobre a atlântida o continente mítico que conforme dizem existiu faz uns dez mil anos no oceano atlântico ou em outra parte um livro recente o localiza na antártida a história vem de platão que o citou como um rumor que lhe chegou de épocas remotas há livros recentes que descrevem com autoridade o alto nível tecnológico moral e espiritual da atlântida e a grande tragédia de um continente povoado que afundou inteiro sob as ondas há uma atlântida da nova era a civilização legendária de ciências avançadas dedicada principalmente à ciência dos cristais em uma trilogia titulada a ilustração do cristal da katrina raphaell uns livros que tiveram um papel principal na loucura do cristal na américa do norte os cristais da atlântida lêem a mente transmitem pensamentos são depositários da história antiga e modelo e fonte das pirâmides do egito não se oferece nada parecido a uma prova que fundamente essas afirmações poderia ressurgir a mania do cristal depois do recente descobrimento da ciência sismológica de que o núcleo interno da terra pode estar composto por um cristal único imenso quase perfeito de ferro alguns livros lendas da terra do dorothy vitaliano por exemplo interpretam compreensivamente as lendas originais da atlântida em términos de uma pequena ilha no mediterrâneo que foi destruída por uma erupção vulcânica ou uma antiga cidade que se deslizou dentro do golfo de corinto depois de um terremoto por isso sabemos essa pode ser a fonte da lenda mas daí à destruição de um continente no que tinha surto uma civilização técnica e mística

[close]

p. 13

sobrenaturalmente avançada há uma grande distancia o que quase nunca encontramos em bibliotecas públicas bancas de revistas ou programas de televisão em horas ponta é a prova da extensão do chão marinho e a tectônica de placas e do traçado do fundo do oceano que amostra de modo inconfundível que não pôde haver nenhum continente entre a europa e américa em uma escala de tempo parecida com a proposta É muito fácil encontrar relatos espúrios que fazem cair ao crédulo na armadilha muito mais difícil é encontrar tratamentos céticos o ceticismo não vende É cem mil vezes mais provável que uma pessoa brilhante e curiosa que confie inteiramente na cultura popular para informar-se de algo como a atlântida se encontre com uma fábula tratada sem sentido crítico que com uma valoração sóbria e equilibrada possivelmente o senhor buckley deveria aprender a ser mais cético com o que lhe oferece a cultura popular mas além disso é difícil lhe jogar a culpa ele se limitava a aceitar o que a maioria das fontes de informação disponíveis e acessíveis diziam que era a verdade por sua ingenuidade via-se confundido e enganado sistematicamente a ciência origina uma grande sensação de prodígio mas a pseudociência também as popularizações dispersas e deficientes da ciência deixam uns nichos ecológicos que a pseudociência se apressa a encher se chegasse a entender amplamente que qualquer afirmação de conhecimento exige provas pertinentes para ser aceita não haveria lugar para a pseudociência mas na cultura popular prevalece uma espécie de lei de gresham segundo a qual a má ciência produz bons resultados em todo mundo há uma enorme quantidade de pessoas inteligentes inclusive com um talento especial que se apaixonam pela ciência mas não é uma paixão correspondida os estudos sugerem que noventa e cinco por cento dos americanos são analfabetos cientistas É exatamente a mesma fração de afro-americano analfabetos quase todos os escravos justo antes da guerra civil quando se aplicavam severos castigos a quem ensinasse a ler a um escravo certamente nas cifras sobre analfabetismo há sempre certo grau de arbitrariedade tanto se aplica à linguagem como à ciência mas um noventa e cinco por cento de analfabetismo é extremamente grave todas as gerações se preocupam com a decadência dos níveis educativos um dos textos mais antigos da história humana datado na suméria faz uns quatro mil anos lamenta o desastre de que os jovens sejam mais ignorantes que a geração imediatamente precedente faz dois mil e quatrocentos anos o ancião e malhumorado platão no livro vii das leis deu sua definição de analfabetismo científico o homem que não pudesse discernir o um nem o dois nem o três nem em geral os pares e os ímpares ou o que não soubesse nada de contar ou quem não fora capaz de medir o dia e a noite ou carecesse de experiência a respeito das revoluções da lua ou do sol ou de outros astros o que terá que dizer que é mister que aprendam os homens livres em cada matéria é todo aquilo que aprende no egito junto com as letras a inumerável grei dos meninos em

[close]

p. 14

primeiro lugar por isso touca ao cálculo inventaram-se uns singelos procedimentos para que os meninos aprendam jogando e a gosto eu quando em tempos me inteirei tardiamente do que nos ocorre em relação com isso fiquei muito impressionado e então me pareceu que aquilo não era coisa humana a não ser própria mas bem de bestas porcinas e senti vergonha não só por mim mesmo mas também em nome dos helenos todos não sei até que ponto a ignorada da ciência e as matemáticas contribuiu ao declive da antiga atenas mas sei que as conseqüências do analfabetismo científico são muito mais perigosas em nossa época que em qualquer outra anterior É perigoso e temerário que o cidadão médio mantenha sua ignorância sobre o aquecimento global a redução do ozônio a contaminação do ar os resíduos tóxicos e radiativos a chuva ácida a erosão do chão o desmatamento tropical o crescimento exponencial da população os trabalhos e salários dependem da ciência e a tecnologia se nossa nação não pode fabricar a sob preço e alta qualidade os produtos que a gente quer comprar as indústrias seguirão deslocando-se para transferir um pouco mais de prosperidade a outras partes do mundo considerem-nas ramificações sociais da energia gerada pela fissão e fusão nucleares as supercomputadores as auto-estradas de dados o aborto o radônio as reduções maciças de armas estratégicas o vício a intromissão do governo na vida de seus cidadãos a televisão de alta resolução a segurança em linhas aéreas e aeroportos os transplantes de malha fetal os custos da sanidade os aditivos de mantimentos os medicamentos para tratar as manias a depressão ou esquizofrenia os direitos dos animais a supercondutividade as pílulas do dia seguinte as predisposições antisociais supostamente hereditárias as estações espaciais a viagem a marte o achado de remédios para a aids e o câncer como podemos incidir na política nacional ou inclusive tomar decisões inteligentes em nossas próprias vidas se não podermos captar os temas subjacentes no momento de escrever estas páginas o congresso está tratando a dissolução de seu departamento de valoração tecnológica a única organização com a tarefa específica de assessorar à casa branca e ao senado sobre ciência e tecnologia sua competência e integridade ao longo dos anos foram exemplares dos quinhentos e trinta e cinco membros do congresso dos estados unidos por estranho que pareça com finais do século xx só um por cento tem uns antecedentes científicos significativos o último presidente com preparação científica deveu ser thomas jefferson como decidem esses assuntos os americanos como instruem a seus representantes quem toma em realidade estas decisões e sobre que base ooo hipócrates do cós é o pai da medicina ainda lhe recorda 2500 anos depois pelo juramento do hipócrates de que existe uma forma modificada que os estudantes de medicina pronunciam quando se licenciam mas principalmente lhe recorda por seus esforços por retirar o manto de superstição da medicina para levá-la à luz da ciência em uma passagem típica hipócrates escreveu os homens

[close]

p. 15

acreditam que a epilepsia é divina meramente porque não a podem entender mas se chamasse divino a tudo o que não podem entender haveria uma infinidade de coisas divinas em lugar de reconhecer que somos ignorantes em muitas áreas tendemos a dizer coisas como que o universo está impregnado do inefável atribui-se a responsabilidade do que ainda não entendemos a um deus do ignorado À medida que foi avançando o conhecimento da medicina a partir do século iv cada vez era mais o que entendíamos e menos o que tínhamos que atribuir à intervenção divina tanto nas causas como no tratamento da enfermidade a morte no parto e a mortalidade infantil diminuíram o tempo de vida aumentou e a medicina melhorou a qualidade de vida de milhões de pessoas em todo o planeta no diagnóstico da enfermidade hipócrates introduziu elementos do método científico exortava à observação atenta e meticulosa não deixem nada à sorte controlem tudo combinem observações contraditórias lhes conceda o tempo suficiente antes da invenção do termômetro fez gráficas das curvas de temperatura de muitas enfermidades recomendou aos médicos que a partir dos sintomas do momento tentassem predizer o passado e o provável curso futuro de cada enfermidade dava grande importância à honestidade estava disposto a admitir as limitações do conhecimento do médico não mostrava nenhum recato em confiar à posteridade que mais da metade de seus pacientes tinham morrido por causa das enfermidades que ele tratava suas opções certamente eram limitadas os únicos medicamentos de que dispunha eram principalmente laxantes eméticos e narcóticos praticava-se a cirurgia e a cauterização nos tempos clássicos se fizeram avanços consideráveis até a queda de roma enquanto no mundo islâmico florescia a medicina na europa se entrou realmente em uma idade escura perdeu-se a maior parte do conhecimento de anatomia e cirurgia abundava a confiança na oração e as curas milagrosas desapareceram os médicos seculares usavam-se amplamente cânticos poções horóscopos e amuletos restringiram-se ou ilegalizaram a dissecação de cadáveres o que impedia que os que praticavam a medicina adquirissem conhecimento de primeira mão do corpo humano a investigação médica chegou a um ponto morto era muito parecido ao que o historiador edward gibbon descreveu para todo o império oriental cuja capital era constantinopla no transcurso de dez séculos não se fez nem um só descobrimento que exaltasse a dignidade ou promovesse a felicidade da humanidade não se tinha acrescentado nenhuma só idéia aos sistemas especulativos da antigüidade e toda uma série de pacientes discípulos se converteu em seu momento nos professores dogmáticos da seguinte geração servil a prática médica pré-moderna não conseguiu salvar a muitos nem sequer em seu melhor momento rainha anne foi a última monarca stuart da grã-bretanha nos últimos dezessete anos do século xvii ficou grávida dezoito vezes só cinco meninos lhe nasceram vivos só a gente sobreviveu à infância morreu antes de chegar à idade adulta e antes da coroação da rainha em 1702 não parece haver nenhuma prova de transtorno genético contava com os melhores cuidados médicos

[close]

Comments

no comments yet