A Advocacia agora faz parte do Simples Nacional.

 

Embed or link this publication

Description

Cartilha sobre a Inclusão da Advocacia no Simples Nacional

Popular Pages


p. 1



[close]

p. 2

Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Santa Catarina – OAB/SC Cartilha sobre a Inclusão da Advocacia no Simples Nacional Aprovada em 01/12/2014 pela Comissão Estadual de Direito Tributário da OAB/SC Presidente: Gustavo Amorim. Vice-Presidente: Leandro Guerrero Guimarães. Comissão de Redação: Gustavo Amorim e Patrícia Soares Stopazzolli. Componentes da Comissão: Alexandre Blasi, Caio Renato Souza de Oliveira, Carlos Henrique Machado, Carolina Sena Vieira, Cleide Regina Furlani, Fabiano Ramalho, Felipe Silva Xavier de Brito, Fernando Martins Barreto, Gustavo Amorim, Iran José de Chaves, Jose Aluizio de Andrade, Leandro Guerrero Guimarães, Luana Regina Debatin Tomasi, Lucas Calafiori Catharino de Assis, Luiz Augusto Cavaler da Silva, Luiz Gonazaga Bertoncini Junior, Luiz Paulo Bratti, Patricia Fogaça, Patricia Soares Stopazzolli, Raphael Francalacci Schambeck Luz, Romerito Greschuk Moser, Samuel Ribeiro Lorenzi, Solon Sehn, Taise Lemos Garcia, Tania Maria Françosi, Ubaldo Cesar Balthazar, Velocino Pacheco e Vinícius Loss. 1. Inclusão da Advocacia no Simples Nacional A inclusão da advocacia no regime tributário Simples Nacional e de forma diferenciada é considerada uma conquista histórica da categoria e decorre de grande articulação política de toda OAB. Em conjunto com o Conselho Federal, as Seccionais buscaram incansavelmente o apoio das bancadas parlamentares de todos os Estados, em mobilização paralela a de outros setores de serviços interessados na inclusão no Supersimples. Procurou-se num primeiro momento assegurar a inclusão da advocacia no Simples Nacional e num segundo momento o enquadramento mais adequado às necessidades da maioria dos escritórios de advocacia. Com o empenho pessoal da diretoria da OAB/SC junto aos parlamentares catarinenses e também dos outros Estados foi afastada a tendência inicial de inclusão da atividade na nova tabela criada pela legislação (Anexo VI da LC 123/2006 com alíquotas de 16,93% a 22,45% incluindo a contribuição previdenciária patronal), para consolidar a inclusão dentro da tabela constante no Anexo IV da LC 123/2006 (com tributação de 4,5% a 16,85% sem a inclusão da contribuição previdenciária patronal), com o objetivo de beneficiar os escritórios em formação e os pequenos e médios escritórios. Segundo projeções da OAB Federal, os estímulos dados pela nova legislação devem fazer com que as sociedades passem das atuais 20 mil para 126 mil em até cinco anos. 2

[close]

p. 3

Em Santa Catarina o objetivo maior é estimular a criação de novas sociedades, formalizar aquelas estabelecidas de fato, bem como reduzir a tributação das sociedades já inclusas no regime do lucro presumido, inclusive no que se refere às obrigações acessórias (simplificação). Dentro desse contexto, a presente cartilha pretende destacar os principais aspectos que devem ser considerados para opção do regime de tributação do Simples Nacional. 2. Fundamento constitucional e legal: O artigo 146, inciso III, alínea “d” da Constituição Federal atribui à lei complementar a competência para estabelecer normas gerais em matéria de legislação tributária, especialmente acerca da definição de tratamento diferenciado e favorecido para as microempresas e para as empresas de pequeno porte. Muito embora um escritório de advocacia não se qualifique como uma empresa, poderá ser beneficiado pelo regime de tributação do Simples Nacional em razão do artigo 15, § 5-C, inciso VII da LC 123/2006, com a redação dada pela LC 147/2014, que determina: Artigo 18. § 5º-C Sem prejuízo do disposto no § 1º do art. 17 desta Lei Complementar, as atividades de prestação de serviços seguintes serão tributadas na forma do Anexo IV desta Lei Complementar, hipótese em que não estará incluída no Simples Nacional a contribuição prevista no inciso VI do caput do art. 13 desta Lei Complementar, devendo ela ser recolhida segundo a legislação prevista para os demais contribuintes ou responsáveis: VII - serviços advocatícios. 3. O Simples nacional e a tributação dos serviços jurídicos: A escolha do regime de tributação dos serviços jurídicos envolve a análise entre o regime de tributação da pessoa física e os regimes de tributação disponíveis para as pessoas jurídicas. Constitui escolha entre alternativas previstas na legislação com o objetivo de reduzir a carga tributária e de facilitar o cumprimento de obrigações principais ou acessórias. Como a advocacia constitui atividade de prestação de serviços está sujeita a tributos Federais e Municipais, a depender da forma como é exercida a atividade. Porém pode se dizer, de uma maneira geral, que no âmbito federal envolve o IRPF para pessoa física ou IRPJ, CSLL, PIS e COFINS para pessoa jurídica, além das contribuições Ordem dos Advogados do Brasil – Seção de Santa Catarina Rua Paschoal Apóstolo Pítsica, 4860 – Agronômica – 88025-255 – Florianópolis – SC Telefones: (48) 3239-3500 – Fax: (48) 3239-3500 3

[close]

p. 4

previdenciárias, enquanto que na esfera municipal envolve o ISS. Para avaliar os impactos decorrentes da adesão ao Simples Nacional é necessário que sejam feitos comparativos com as demais opções da legislação. 3.1. Tributação dos serviços jurídicos na pessoa física: Via de regra a pessoa física está sujeita ao regime de tributação na parte federal pelo Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF), mediante utilização de livro caixa onde são computadas receitas e despesas dedutíveis e o saldo é tributado com alíquotas que chegam a até 27,5%, com recolhimento de carnê leão mensal, a depender do resultado obtido, e declaração anual de ajuste (DIRPF). Além disso, também está sujeita ao recolhimento de contribuições ao INSS como contribuinte individual, na qualidade de segurada obrigatória, com pagamento de 20% sobre o rendimento da atividade. Na esfera municipal poderá recolher o ISS fixo, nos termos da legislação de cada município, com valor médio de R$ 750,00 ao ano. Quanto ao livro caixa da pessoa física do advogado, dele poderão ser deduzidas despesas de custeio indispensável à atividade, tais como aluguel, água, luz, telefone, material de expediente ou de consumo, a remuneração paga a terceiros com vínculo empregatício e os respectivos encargos trabalhistas e previdenciários, além dos emolumentos pagos a terceiros (despesas de atos cartorários, judiciais e extrajudiciais). Os investimentos e gastos efetuados deverão estar devidamente escriturados no livro-caixa e comprovados com documentação idônea, que deverá ficar à disposição da fiscalização enquanto não ocorrer a decadência ou a prescrição. 3.2. Tributação dos serviços jurídicos na pessoa jurídica: Já a pessoa jurídica tem como opções de tributação: (3.2.1) - Lucro real: regra geral, com IRPJ/CSLL de 34% sobre o lucro, PIS/COFINS de 9,25% de alíquota descontando créditos, com aplicação obrigatória para escritórios com receita superior a R$ 78.000.000,00 ao ano, o recolhimento do ISS fixo em relação ao número de advogados do escritório, muito embora alguns municípios exijam indevidamente o tributo variável em um percentual sobre o faturamento. Distribuição dos lucros aos sócios isenta. (3.2.2) - Lucro presumido: regime opcional, com IRPJ/CSLL/PIS/COFINS de 11,33% a 14,53%, a depender da receita, que não pode ser igual ou superior a R$ 78.000.000,00 ao ano, além do recolhimento do ISS fixo em relação ao número de advogados, com problemática semelhante a do lucro real em alguns municípios. A distribuição dos lucros aos sócios é isenta, mas depende de comprovação (contabilidade) para distribuir mais do que 32% da receita depois de deduzidos os tributos. 4

[close]

p. 5

(3.2.3) - Simples Nacional (NOVA OPÇÃO): Na parte aplicável aos escritórios de advocacia, constitui sistema unificado de pagamento dos tributos federais (IRPJ/CSLL/PIS/COFINS) e municipais (ISS), com uma carga tributária que varia de 4,50% a 16,85% sobre a receita bruta da sociedade, não incluindo a contribuição previdenciária patronal (CPP), nos termos do Anexo IV da LC 123/2006. Constitui também regime simplificado para o cumprimento das obrigações acessórias. 3.2.3. Regime de tributação do Simples Nacional (Anexo IV): O anexo aplicável aos escritórios de advocacia varia de acordo com a receita nas proporções contidas no Anexo IV, onde a alíquota (segunda coluna) corresponde ao somatório das alíquotas dos tributos inclusos (IRPJ/CSLL/COFINS/PIS/ISS): Receita Bruta em 12 meses (em R$) Até 180.000,00 De 180.000,01 a 360.000,00 De 360.000,01 a 540.000,00 De 540.000,01 a 720.000,00 De 720.000,01 a 900.000,00 De 900.000,01 a 1.080.000,00 De 1.080.000,01 a 1.260.000,00 De 1.260.000,01 a 1.440.000,00 De 1.440.000,01 a 1.620.000,00 De 1.620.000,01 a 1.800.000,00 De 1.800.000,01 a 1.980.000,00 De 1.980.000,01 a 2.160.000,00 De 2.160.000,01 a 2.340.000,00 De 2.340.000,01 a 2.520.000,00 De 2.520.000,01 a 2.700.000,00 De 2.700.000,01 a 2.880.000,00 De 2.880.000,01 a 3.060.000,00 De 3.060.000,01 a 3.240.000,00 De 3.240.000,01 a 3.420.000,00 De 3.420.000,01 a 3.600.000,00 Alíquota 4,50% 6,54% 7,70% 8,49% 8,97% 9,78% 10,26% 10,76% 11,51% 12,00% 12,80% 13,25% 13,70% 14,15% 14,60% 15,05% 15,50% 15,95% 16,40% 16,85% IRPJ 0,00% 0,00% 0,16% 0,52% 0,89% 1,25% 1,62% 2,00% 2,37% 2,74% 3,12% 3,49% 3,86% 4,23% 4,60% 4,90% 5,21% 5,51% 5,81% 6,12% CSLL 1,22% 1,84% 1,85% 1,87% 1,89% 1,91% 1,93% 1,95% 1,97% 2,00% 2,01% 2,03% 2,05% 2,07% 2,10% 2,19% 2,27% 2,36% 2,45% 2,53% Cofins 1,28% 1,91% 1,95% 1,99% 2,03% 2,07% 2,11% 2,15% 2,19% 2,23% 2,27% 2,31% 2,35% 2,39% 2,43% 2,47% 2,51% 2,55% 2,59% 2,63% PIS/ Pasep 0,00% 0,00% 0,24% 0,27% 0,29% 0,32% 0,34% 0,35% 0,37% 0,38% 0,40% 0,42% 0,44% 0,46% 0,47% 0,49% 0,51% 0,53% 0,55% 0,57% ISS 2,00% 2,79% 3,50% 3,84% 3,87% 4,23% 4,26% 4,31% 4,61% 4,65% 5,00% 5,00% 5,00% 5,00% 5,00% 5,00% 5,00% 5,00% 5,00% 5,00% Ordem dos Advogados do Brasil – Seção de Santa Catarina Rua Paschoal Apóstolo Pítsica, 4860 – Agronômica – 88025-255 – Florianópolis – SC Telefones: (48) 3239-3500 – Fax: (48) 3239-3500 5

[close]

p. 6

Quanto ao cálculo dos valores devidos no Simples Nacional: - O valor devido mensalmente será determinado mediante a aplicação das alíquotas constantes da tabela do Anexo IV. - Para efeito de determinação da alíquota, o sujeito passivo utilizará a receita bruta total acumulada nos 12 (doze) meses anteriores ao do período de apuração. - No caso de início de atividade no próprio ano-calendário da opção pelo Simples Nacional, para efeito de determinação da alíquota no primeiro mês de atividade, o sujeito passivo utilizará, como receita bruta total acumulada, a receita do próprio mês de apuração multiplicada por 12 (doze). - A base de cálculo é a receita bruta da sociedade, assim descrita “§ 1º Considera-se receita bruta, para fins do disposto no caput deste artigo, o produto da venda de bens e serviços nas operações de conta própria, o preço dos serviços prestados e o resultado nas operações em conta alheia, não incluídas as vendas canceladas e os descontos incondicionais concedidos.” (LC 123, artigo 3º). - A base de cálculo para a determinação do valor devido mensalmente será a receita bruta total mensal auferida (Regime de Competência) ou recebida (Regime de Caixa), conforme opção feita pelo contribuinte. (Lei Complementar nº 123, de 2006, art. 18, caput e § 3 º). - A opção pelo Regime de Caixa servirá exclusivamente para a apuração da base de cálculo mensal, aplicando-se o Regime de Competência para as demais finalidades, especialmente, para determinação dos limites e sublimites, bem como da alíquota a ser aplicada sobre a receita bruta recebida no mês. 4. Comparativos de tributação entre a pessoa jurídica optante pelo regime do lucro presumido e pessoa jurídica optante pelo regime do Simples Nacional: A tributação pelo lucro presumido envolve o IRPJ/CSLL/PIS/COFINS com alíquotas que somadas vão de 11,33% a 14,53%, a depender da receita, além do recolhimento do ISS fixo em relação ao número de advogados. Dentro do Simples Nacional os escritórios de advocacia estarão sujeitos à primeira alíquota de 4,5% sobre a receita quando esta não ultrapassar o total de R$ 180.000,00 ao ano (média de R$ 15.000,00 ao mês), e aumentará progressivamente, podendo chegar a até 16,85% quando a receita chegar em R$ 3.600.000,00 ao ano (valor médio de R$ 300.000,00 ao mês). Como a comparação mais próxima possível do ideal deve considerar as mesmas grandezas 6

[close]

p. 7

foram feitas simulações considerando os tributos federais incidentes sobre o faturamento da pessoa jurídica (IRPJ/CSLL/PIS/COFINS) e também o valor fixo de ISS anual de R$ 750,00 por advogado. Abaixo a tabela comparativa dos regimes considerando a mesma receita anual de R$ 180.000,00 (média de R$ 15.000,00): Receita Anual Receita Mensal I R P J Percentual do Lucro Presumido para a Atividade Lucro Presumido para Atividade Alíquota do IRPJ IRPJ Devido Percentual Efetivo do IRPJ Lucro Presumido para a Atividade Lucro Valor excluído da tributação Valor sujeito ao adicional Alíquota do Adicional do IRPJ IRPJ Devido Percentual Efetivo do IRPJ Lucro Presumido para a Atividade Valor Sujeito à Base presumida (Receita) Alíquota da CSLL CSLL Devida Percentual Efetivo da CSLL Alíquota (percentual efetivo) PIS Devido Alíquota (percentual efetivo) COFINS Devida ISS Fixo (R$ 750,00 ano / p/ profissional / 1 cada R$ 7,5 mil) Alíquota ISS Variável ISS Variável 1. Valor Total dos Tributos Federais 1.1. Percentual Efetivo Tributos Federais 2. Valor Tributos Municipais 2.2. Percentual Efetivo Tributos Municipais 3. Total Tributos (Federais e Municipais) 3.1. Percentual Efetivo Economia Mensal em Valores (Benefício Presumido X Simples) Economia Anual em Valores (Benefício Presumido X Simples) PRESUMIDO SIMPLES 180.000,00 180.000,00 15.000,00 15.000,00 32% 4.800,00 15% 720,00 4,80% 32% 4.800,00 20.000,00 10% 0,00% 32% 4.800,00 9% 432,00 2,88% 0,65% 97,50 3,00% 450,00 125,00 2,00% 300,00 1.699,50 11,33% 125,00 0,83% 1.824,61 12,16% 375,00 2,50% 300,00 2,00% 675,00 4,50% 1.149,61 13.795,36 1,28% 192,00 15.000,00 1,22% 183,00 1,22% I R P J C S L L PIS CO FI NS I S S R e s u m o Ordem dos Advogados do Brasil – Seção de Santa Catarina Rua Paschoal Apóstolo Pítsica, 4860 – Agronômica – 88025-255 – Florianópolis – SC Telefones: (48) 3239-3500 – Fax: (48) 3239-3500 7

[close]

p. 8

Nesta simulação que considera a primeira faixa de tributação há uma troca de alíquota do lucro presumido de 12,16% (IRPJ/CSLL/PIS/COFINS de 11,33% + ISS estimado) por uma alíquota no Simples Nacional de 4,5% (IRPJ/CSLL/PIS/COFINS + ISS), o que representa uma redução de R$ 1.149,61 ao mês (R$ 13.795,36 ao ano), com diminuição da carga tributária em praticamente 70%. Considerando os mesmos critérios nas simulações chegou-se à conclusão de que em regra o Simples Nacional ainda poderá ser benéfico para escritórios com receita de até R$ 1.440.000,00 ao ano (média de R$ 120.000,00 ao mês), porque substitui o percentual do lucro presumido de 13,70% (IRPJ/CSLL/PIS/COFINS de 11,33% + ISS estimado) por 10,76% (IRPJ/CSLL/PIS/COFINS + ISS) pelo percentual do Simples Nacional de 13,70% (com ISS fixo calculado de maneira estimada), o que representa uma redução de R$ 3.524,13 ao mês (R$ 42.289,54 ao ano). O benefício do Simples Nacional reduz em proporção inversa ao aumento da receita, sendo que com uma receita R$ 3.600.000,00 ao ano (média de R$ 300.000,00 ao mês) o prejuízo é de R$ 6.459,86 ao mês (R$ 77.518,34 ao ano). Este gráfico demonstra a diferença de tributação entre a primeira (R$ 180.000,00 ao ano) e a última faixa de receita anual (R$ 3.600.000,00 ao ano): Este gráfico detalha melhor a diferença entre a tributação da primeira (R$ 180.000,00 ao ano) e a nona faixa de receita anual (R$ 1.440.000,00 ao ano): 8

[close]

p. 9

5. Principais perguntas e respostas relacionadas ao Simples Nacional: 5.1. É necessária a alteração da razão social para incluir a expressão ME ou EPP? Para uma pessoa jurídica normal migrar para o Simples Nacional a Receita Federal exige que seja feita previamente uma alteração denominação para incluir ao final a expressão ME ou EPP (artigos 3º, 12, 17 e 72 da LC 123/2006). Contudo, essa exigência não se aplica aos escritórios de advocacia, pela vedação expressa à natureza empresarial (artigo 16 da Lei n. 8.906/1994). Não obstante esse posicionamento, a OAB Federal solicitou uma posição oficial da Receita Federal, de modo que aguardamos uma dispensa expressa dessa obrigação nos próximos dias. Segundo informações obtidas em 01/12/2014, será expedida uma resolução do Comitê Gestor do Simples Nacional em 08/12/2014 esclarecendo essa questão. 5.2. Após adesão ao Simples Nacional ainda será possível o recolhimento do ISS fixo pelas sociedades de advogados (uniprofissional por advogado incluso na sociedade), Ordem dos Advogados do Brasil – Seção de Santa Catarina Rua Paschoal Apóstolo Pítsica, 4860 – Agronômica – 88025-255 – Florianópolis – SC Telefones: (48) 3239-3500 – Fax: (48) 3239-3500 9

[close]

p. 10

conforme previsto no art. 9°, § 3°, do Decreto-Lei n° 406/68? Em princípio não porque a Lei Complementar 123/2006 determina o recolhimento na forma do Anexo IV, que inclui o ISS variável em seu cálculo. Contudo, a mesma Lei Complementar 123/2006 permite que os Municípios estabeleçam valores fixos mensais para o recolhimento do ISS de determinadas sociedades, na forma do § 18 do artigo 18 (“Artigo 18, § 18. Os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, no âmbito das respectivas competências, poderão estabelecer, na forma definida pelo Comitê Gestor, independentemente da receita bruta recebida no mês pelo contribuinte, valores fixos mensais para o recolhimento do ICMS e do ISS devido por microempresa que aufira receita bruta, no ano-calendário anterior, de até o limite máximo previsto na segunda faixa de receitas brutas anuais constantes dos Anexos I a VI, ficando a microempresa sujeita a esses valores durante todo o ano-calendário, ressalvado o disposto no § 18-A.”), sendo que a segunda faixa de tributação é aquela com receita de até R$ 360.000,00 ao ano (média de R$ 30.000,00 ao mês). Os contribuintes devem diligenciar junto às Prefeituras dos seus respectivos Municípios para verificar se a legislação municipal permitirá o recolhimento do ISS fixo. 5.3. É necessário o recolhimento de contribuição previdenciária no regime do Simples Nacional? Sim, o recolhimento da contribuição previdenciária patronal é de 20% sobre a folha de salário. Sobre esse aspecto não há diferença entre uma pessoa jurídica optante pelo lucro presumido e uma pessoa jurídica optante pelo Simples Nacional. 5.4. É necessário ser sócio de uma sociedade de advogados? Sim. O Simples não alcança pessoas físicas, apenas pessoas jurídicas. Neste caso será necessária a pluralidade de sócios, constituição da sociedade (há modelos no site da OAB/ SC e em outras Seccionais), registro na OAB, contratação de contador, inscrição no CNPJ, inscrição municipal, cadastramento em sistema de emissão de notas fiscais eletrônicas (ou em papel) e abertura de conta corrente em banco em nome da sociedade. 5.5. Como se faz a opção pelo Simples Nacional? A opção deve ser realizada pela internet, por meio do portal do Simples Nacional, no site da Receita Federal na internet (www.receita.fazenda.gov.br). A adesão deste regime deve ser efetuada até o último dia do mês de janeiro de 2015. 10

[close]

p. 11

Segundo informações constantes no portal do Simples Nacional, para as empresas que exercem as novas atividades autorizadas pela Lei Complementar 147/2014, como é o caso da advocacia, não será possível realizar o agendamento. A solicitação de opção poderá ser feita em janeiro/2015, até o último dia útil (30/01/2015), sendo que em caso de deferimento retroagirá a 01/01/2015. 5.6. É possível o cancelamento, depois de realizada a opção pelo Simples Nacional? A opção pelo Simples Nacional é irretratável para todo o ano-calendário, podendo a optante solicitar sua exclusão, por opção, com efeitos para o ano-calendário subsequente. Entretanto, é possível realizar o cancelamento da solicitação da opção enquanto o pedido estiver “em análise”, ou seja, antes do seu deferimento, e desde que realizado no Portal do Simples Nacional dentro do prazo para a opção. Esta hipótese de cancelamento não se aplica às sociedades de advogados em início de atividade. 5.7. A partir de quando os tributos devem ser recolhidos com base na sistemática do Simples Nacional? Para as sociedades de advogados já constituídas, a partir da competência de janeiro de 2015, nos termos do §2°, do art. 16, da Lei Complementar 123/2006. Em relação às novas sociedades de advogados que vierem a ser constituídas depois de janeiro de 2015, o ingresso poderá ocorrer em até 30 dias após o deferimento do Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ). 5.8. Quais as principais vedações à opção pelo Simples relacionadas aos serviços jurídicos? Não poderão aderir ao Simples: – sociedade de advogados com receita bruta anual superior a R$ 3.600.000,00 (três milhões e seiscentos mil reais); – sociedade de advogados de cujo capital participe pessoa física que seja inscrita como empresário, ou seja, sócia de outra empresa que receba tratamento jurídico diferenciado nos termos desta Lei Complementar, desde que a receita bruta global ultrapasse o limite acima; – sociedade de advogados cujo titular ou sócio participe com mais de 10% (dez por cento) do capital de outra empresa não beneficiada pela Lei Complementar, desde que a receita Ordem dos Advogados do Brasil – Seção de Santa Catarina Rua Paschoal Apóstolo Pítsica, 4860 – Agronômica – 88025-255 – Florianópolis – SC Telefones: (48) 3239-3500 – Fax: (48) 3239-3500 11

[close]

p. 12

bruta global ultrapasse o limite acima; – sociedade de advogados cujo sócio ou titular seja administrador ou equiparado de outra pessoa jurídica com fins lucrativos, desde que a receita bruta global ultrapasse o limite acima; – sociedade de advogados que participe do capital de outra pessoa jurídica; – sociedade de advogados resultante ou remanescente de cisão ou qualquer outra forma de desmembramento de pessoa jurídica que tenha ocorrido em um dos 5 (cinco) anos-calendário anteriores; – sociedade de advogados cujos titulares ou sócios guardem, cumulativamente, com o contratante do serviço, relação de pessoalidade, subordinação e habitualidade. Observa-se que algumas das situações já são vedadas pelo próprio Estatuto da OAB. De qualquer modo devem ser analisadas atentamente todas as hipóteses de vedação à opção e também as hipóteses de exclusão do Simples Nacional constantes na LC 123/2006. 5.9. Quais as obrigações acessórias do Simples Nacional (fiscais)? - Declarar mensalmente os valores relativos a tributos abrangidos pelo Simples Nacional através do aplicativo de cálculo PGDAS-D (Programa Gerador do Documento de Arrecadação do Simples Nacional – Declaratório), incluindo informações acerca das receitas dos meses anteriores; e, - Informações socioeconômicas e fiscais exigíveis anualmente por meio da DEFIS (Declaração de Informações Socioeconômicas e Fiscais), incluindo informações econômico fiscais da pessoa jurídica (ganhos de capital, empregados, parcela do lucro não isenta, ganhos líquidos em operações de renda variável), rendimentos dos sócios (isentos e/ou tributáveis), participação societária e imposto de renda retido na fonte pago ao sócio. 5.10. Quais as obrigações contábeis de escritório no Simples Nacional (contábeis)? Apesar de a legislação permitir a contabilidade simplificada (“Art. 27. As microempresas e empresas de pequeno porte optantes pelo Simples Nacional poderão, opcionalmente, adotar contabilidade simplificada para os registros e controles das operações realizadas, conforme regulamentação do Comitê Gestor.”), uma contabilidade detalha permitirá a distribuição de lucros isenta de imposto de renda em proporção superior a 32% da receita, depois de deduzidos os valores pagos ao Simples (“Art. 14. Consideram-se isentos do imposto de renda, na fonte e na declaração de ajuste do beneficiário, os valores efetivamente pagos ou distribuídos ao titular ou sócio da microempresa ou empresa de pequeno porte optante pelo Simples Nacional, salvo os que corresponderem a pró-labore, aluguéis ou serviços 12

[close]

p. 13

prestados.§ 1o A isenção de que trata o caput deste artigo fica limitada ao valor resultante da aplicação dos percentuais de que trata o art. 15 da Lei no 9.249, de 26 de dezembro de 1995, sobre a receita bruta mensal, no caso de antecipação de fonte, ou da receita bruta total anual, tratando-se de declaração de ajuste, subtraído do valor devido na forma do Simples Nacional no período.§ 2o O disposto no § 1o deste artigo não se aplica na hipótese de a pessoa jurídica manter escrituração contábil e evidenciar lucro superior àquele limite.”) 5.11. Ocorre retenção no Simples Nacional? Nos termos da Instrução Normativa RFB nº 1.234, de 11 de janeiro de 2012, não haverá retenção de tributos no Simples Nacional: Art. 1 º A retenção de tributos nos pagamentos efetuados pelos órgãos da administração pública federal direta, autarquias e fundações federais, empresas públicas, sociedades de economia mista e demais pessoas jurídicas que menciona a outras pessoas jurídicas pelo fornecimento de bens e serviços, obedecerá o disposto nesta Instrução Normativa. Art. 2 º Ficam obrigados a efetuar as retenções na fonte do Imposto sobre a Renda (IR), da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) e da Contribuição para o PIS/Pasep sobre os pagamentos que efetuarem às pessoas jurídicas, pelo fornecimento de bens ou prestação de serviços em geral, inclusive obras, os seguintes órgãos e entidades da administração pública federal: Art. 4 º Não serão retidos os valores correspondentes ao IR e às contribuições de que trata esta Instrução Normativa, nos pagamentos efetuados a: [...] XI - pessoas jurídicas optantes pelo Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Simples Nacional), de que trata o art. 12 da Lei Complementar n º 123, de 14 de dezembro de 2006, em relação às suas receitas próprias; A OAB/SC oficiará aos Presidentes do TJSC, TRT e TRF4 solicitando a expedição de orientação normativa informando a impossibilidade de retenção na expedição de alvarás. 5.12. Quais os principais aspectos que devem ser considerados na opção pelo Simples Nacional? - A adesão ao Simples para os escritórios de advocacia não engloba a CPP (INSS-Empresa de 20% sobre os salários). - Particularidades do escritório podem interferir no enquadramento tributário mais adequado, o que deve ser analisado em cada caso. Ordem dos Advogados do Brasil – Seção de Santa Catarina Rua Paschoal Apóstolo Pítsica, 4860 – Agronômica – 88025-255 – Florianópolis – SC Telefones: (48) 3239-3500 – Fax: (48) 3239-3500 13

[close]

p. 14

5.13. Quais os aspectos negativos que se destacam? - Restrições à participação em outras sociedades, dentre outras espécies de causas de exclusão ou de impedimentos à adesão. - Restrições à continuidade no programa na existência de débitos em aberto (parcelamentos em até 60X). 5.14. Quais os aspectos positivos que se destacam? - Redução efetiva da carga tributária para pequenos e médios escritórios, assim como de obrigações acessórias, o que incentivará a abertura de novos e a formalização de escritórios já existentes. - Distribuição de lucros isenta de imposto de renda, se cumpridas as formalidades. - Recolhimento de contribuições previdenciárias sobre o salário que for fixado pelos sócios. - Formalização da atividade jurídica com baixo custo tributário, permitindo a comprovação de renda e regularidade fiscal. 14

[close]

Comments

no comments yet