A VOZ DA UMEN_ano 4_numero 13_2014

 

Embed or link this publication

Description

Boletim Informativo Eletrônico da União da Mocidade Espirita de Niterói

Popular Pages


p. 1

Boletim Informativo da União da Mocidade Espírita de Niteroi - UMEN - ano 4 - nº 13 - Dezembro/2014

[close]

p. 2

Boletim Informativo da União da Mocidade Espírita de Niteroi - UMEN - ano 4 - nº 13 - Dezembro/2014 NESTA EDIÇÃO: EDITORIAL U m ano termina e outro se inicia. Novas perspectivas, esperanças e sonhos. O Natal e a mudança de ano costumam imprimir nas pessoas a Raul Muniz Editorial Perante o Criador A formação do leitor Mensagens da Espirualidade Natal - Origem e Significado Miguel Tavares de Gouveia Espíritos Diversos Carla Antunes Francisco Rebouças Raul Muniz Biografia - Mesmer Lúcia Barbosa Tito Versiani Consumismo e o Natal Foi Notícia na UMEN Equipe do DIV idéia de renovação. Vamos aproveitar este momento e fazer um questionamento mental do tempo que já vivemos neste planeta. Sempre é tempo de reavaliarmos as nossas vidas e pensarmos no que estamos fazendo neste limiar da nova era. “Conhece-te a ti mesmo”. Os Espíritos citam esta regra a Kardec na pergunta 919 de O Livro dos Espíritos, como a forma mais prática e eficaz de se melhorar nesta vida e resistir à atração do mal. Que Jesus possa continuar em nossos corações, nos inspirando na busca do conhecimento e no caminho do amor. Neste exemplar da Voz da UMEN, estamos trazendo um texto escrito pelo companheiro Miguel Tavares de Gouveia, presidente de nossa casa por muitos anos e que nos fala da história do Natal. Carla nos mostra a importância da leitura, Francisco nos brinda com um texto sobre Jesus e Lucia Barbosa fez uma pesquisa sobre Mesmer, que, como Espírito, foi o responsável pelo lançamento da pomada do Vovô Pedro. Tito aborda a comemoração do Natal atual e o esquecimento da figura principal, Jesus. As notícias continuam sobre a coordenação de Carla e Elaine. Trouxemos uma experiência nova: um quadro com algumas palavras de Jesus colocadas por Humberto de Campos e Chico Xavier no livro Boa Nova e outras mensagens da Espiritualidade. A Voz continuará sendo enviada por e-mail, estando disponível também no site www.umen.org.br e no Facebook. Estamos trazendo uma versão impressa em tamanho pequeno, testada no último trimestre e com melhor acabamento este mês. Críticas e sugestões de assuntos continuam podendo ser enviadas para o email: umen.divulgacao@gmail.com . Órgão de divulgação da Coordenação: Raul Muniz Boa leitura. Colaborador: Elaine Passos UNIÃO DA MOCIDADE ESPÍRITA DE NITERÓI Revisão: Lúcia Martins Barbosa Colaboração e Editoração eletrônica: Carla Antunes Nilza Barroso Manutenção WEB: Maurício Pessanha Site: http://umen.org.br/ Facebook: UMEN - União da Mocidade Espírita de Niterói

[close]

p. 3

Perante o Criador Francisco Rebouças S Madalena, não lhe maldiz a condição de mulher e houve alguém na terra com suficiente equivocada e sofredora, procura fortalecer-lhe o conhecimento de causa para definir o Supremo bom ânimo; junto aos enfermos de todos os Criador do Universo, esse alguém foi Jesus, que o matizes, não lhes destaca os erros e compromissos, representava, de forma fiel e sublime, diante da simplesmente estende as mãos dadivosas para humanidade ignorante e sofredora. ajudá-los; perante a triste atitude de negação de Exercendo com amor e sabedoria sua Pedro, não lhe condena a fraqueza, aguarda a divina missão de revelá-Lo a nós outros, não se oportunidade para ampará-lo com seu imenso perdeu em demonstrações da inteligência, e sim na carinho; quando se vê diante de seu grande sinceridade de seus atos e palavras simples e de perseguidor Saulo de Tarso, não lhe amaldiçoa a fácil entendimento para tantos quantos o alma, nem lhe deseja os sofrimentos infernais da escutavam e seguiam, investindo na consciência culpada, procede com bondade e exemplificação do que ensinava para renovação transforma-o em servidor da causa do bem. O Mestre procedeu dessa forma em todos moral do indivíduo. Não se fazia presunçoso, não utilizava a os acontecimentos em sua passagem por nosso violência, o Mestre incomparável serviu apenas, planeta, mostrando-nos que somente através do amor proposto e vivenciado por elegendo o amor puro e irrestrito, Ele é que conseguiremos, de como recurso irresistível de sua alguma forma, sentir a grandeza mensagem inesquecível. da paz que ele possuía. Buscava extrair dos Foi o próprio Jesus quem indivíduos a melhor parte para nos convidou a segui-lo, exaltar suas qualidades e estabelecendo como norma para incentivá-los a procura dos dons nossa vida as mensagens da Boa que os fariam encontrar um dia a Nova que Ele trazia das esferas gloria excelsa da pureza superiores em nome da Soberana espiritual. Ensinando com Sabedoria, ensinando que a simplicidade os doutores do felicidade que tanto almejamos Templo, não lhes menosprezando desfrutar, não está subordinada à a cultura, ao contrário, utilizavaquantidade de bens materiais que se de seus conhecimentos para possuímos, e sim, no cultivo do melhor esclarecê-los; no lindo e amor, e do respeito a Deus e ao histórico contato com Zaqueu, próximo.♥ não lhe maldiz os haveres conquistados, mas ensina-lhe A filha de Jairo como usá-los; diante de Maria Madalena enxuga os pés de Jesus

[close]

p. 4

A formação do leitor Carla Antunes N Se gostamos das refeições saborosas que auxiliam a conservação da nossa saúde, procuremos também as páginas que cooperam na defesa de nossa harmonia interior, a fim de nunca fugirmos ao correto procedimento. ( Meimei- O Alimento Espiritual)1 a atualidade, encontramos uma avalanche de novos títulos literários a serem lançados, tanto espíritas quanto na literatura universal, mas cabe-nos averiguar sempre qual tipo de alimento espiritual estamos consumindo. Paulo, na sua epístola aos Tessalonicenses2 , sinaliza que é importante examinarmos tudo para saber o que vale a pena ser retido, ser absorvido. Em outro momento, na sua epístola aos Coríntios3 , Paulo ainda diz: Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm , assinalando que embora todas as coisas estejam Léon Denis disponíveis, não quer sobre o tema. André Luiz5 , por dizer que devemos acatar exemplo, no livro Conduta a todas, e o mesmo se Espírita nos diz que: “Sem exclusão de autor aplica as obras literárias. ou de tema versado, Léon Denis em seu livro analisar minuciosamente O Problema do Ser, do as obras que venha a Destino e da Dor4, fala do ler, para não excesso de informação a sedimentar no próprio qual estamos suscetíveis. íntimo os tóxicos Ele sinaliza que é intelectuais de falsos necessário escolhermos conceitos, tanto com cuidado nossas leituras, quanto as absurdidades depois amadurecê­las e literárias em torno das assimilar­lhes a quintessência. quais giram as Em geral lê­se demais, lê­se conversações enfermiças depressa e não se medita. ou sem proveito. Denis cita o jornal, como Os bons e os maus inimigo do nosso equilíbrio podem nascer de mental, que traz muitas notícias composições do mesmo distintas que o leitor não tem alfabeto.” tempo suficiente para digerir Emmanuel, no livro Pão todas as informações, e dessa 6 forma nosso espírito fica mais Nosso , também nos explica que instável e harmonicamente o exame sincero esclarecerá desequilibrado. Hoje em dia contamos com meios de propagação da informação os mais variados e velozes possíveis, que nos deixa cada vez mais vulneráveis a esse excesso de informação. Denis chama esse processo de "anemia intelectual", essa busca desenfreada pela Yvonne Pereira informação e a falta de estudos sérios, e hoje em dia isso é muito imediatamente a que esfera comum, pois muito de nós pertence, no circulo de atividade habitualmente se interessam destruidora no mundo ou no mais pelas obras que estão na centro dos esforços de edificação moda, livros com muitas para a vida espiritual. páginas, mas vazios em seu No livro Recordações da conteúdo ou com conteúdo de Mediunidade7 , Yvonne Pereira e baixo nível, do que por aquelas Dr. Bezerra falam sobre a que exigem um pouco mais de importância dos romances estudo e reflexão. espíritas, enfatizando que estes Se verificarmos a opinião são hoje como as parábolas eram dos espíritos em relação aos no tempo de Jesus, ou seja, são critérios para escolha literária, histórias que se utilizam de fatos encontraremos referências claras, e ocorrências do dia a dia, para

[close]

p. 5

dos temas, vocabulários rebuscados, etc. são obras de fundamental importância para nossa iluminação interior. Busquemos sempre manter nosso olhar e discernimento atentos ao escolhermos as nossas leituras, tendo sempre vivo em nossa memória a importância do bom alimento para nosso espírito. transmitir-nos ensinamentos de Lembremos sempre das palavras caráter evangélico que nos iluminadas de Emmanuel8: cada esclarecerão e nos auxiliarão a livro edificante é porta lidarmos com nossas mazelas e libertadora. ♥ imperfeições espirituais, não ajudando a refletir de maneira mais clara sobre os temas 1 XAVIER, Francisco abordados. Cândido. Pão Nosso. Pelo Além destes, contamos espírito Emmanuel. Rio de com as Passagens Evangélicas Janeiro: Federação Espírita 2012. do Velho e do Novo Testamente Brasileira, 2Paulo (I Tessalonicenses, e as obras básicas da Doutrina Espírita – o Pentateuco –, que 5:21) 3 Paulo (I Coríntios, 6:12) embora muitos apresentem 4DENIS, Léon. O considerações e dificuldades na Problema do ser, do destino leitura devido à complexidade Rio de Janeiro: Federação Espírita Brasileira, 2012. 5 VIEIRA, W.; LUIZ, André (Espírito). Conduta Espírita. RJ: FEB, 2009. Cap. 41. 6XAVIER, Francisco Cândido. Pão Nosso. Pelo espírito Emmanuel. Rio de Janeiro: Federação Espírita Brasileira, 2012. Cap. 14. 7 PEREIRA, Yvonne A. Recordações da mediunidade. RJ: FEB, 2010. Cap. 06. 8 XAVIER, Francisco Cândido. Mentores e seareiros. Autores diversos. e da dor.

[close]

p. 6

NATAL: ORIGEM E SIGNIFICADO Miguel Tavares de Gouveia (Niterói, RJ) N Cena do filme "Jesus: A história do Nascimento" o sentido lato, significa a localidade (torrão natal) ou a data do nascimento de alguém; no sentido figurado, com inicial maiúscula, vem a representar o dia do nascimento de Jesus, a festividade relativa a este evento. Inexiste registro evangélico que caracterize a data exata do nascimento de Jesus. A descrição do cenário da natureza, feita por alguns evangelistas (pastores com os seus rebanhos, à noite, no campo etc.) faz acreditar o que o fato aconteceu na primavera, razão pela qual as primitivas comemorações em 25 de março, abril ou maio. No 3° Século de nossa Era, há referência de que Hipólito, bispo de Roma, determinou no dia 2 de janeiro para a aludida celebração, entretanto sua intenção era comemorar o batismo de Jesus por João Batista, ou seja, o nascimento espiritual. relacionada ao solstício de inverno, o 25 de dezembro, quando o deus Sol era cultuado, culto, aliás, bastante alimentado pelas ideias trazidas pelos soldados romanos relativas a adoração a Mitras, o deus solar persa. Um dos argumentos dos que defendiam a ideia era de que Jesus se declarou a “luz do mundo” e o sol é dissipador de luz e calor na vitalização da agricultura. A partir daí, a forte tendência humana de materializar as mensagens espirituais fez eclodir outras práticas oriundas do sincretismo religioso. Nos países do extremo norte da Europa (escandinavos) surge a prática de acender enormes fogueiras na comemoração do Natal. Nos agrupamentos celtas/germânicos, temos a prática do simbolismo das árvores, uma vez que, na época do Natal, ocasião de inverno na região norte, todos os arvoredos perdem suas folhas, exceto as “sempre-vivas”, simbolizando a vida eterna. Glade jul by Viggo Johansen (1891) A data em que atualmente é comemorado o Natal foi estabelecida pelo imperador Constantino, muito preocupado com a unidade do Cristianismo e do Império Romano. Escolheu ele o dia dedicado a uma festa pagã muito popular em Roma, Busto do Imperador Constantino Conta-se que o símbolo da arvore de Natal, da forma com penetrou nos povos de origem protestantes, surgiu de uma experiência de Lutero em uma noite de Natal, quando, ao atravessar um bosque ficou embevecido com o cenário encantador: a beleza das estrelas brilhando entre os galhos dos pinheiros. Ao chegar em casa, ornou uma mesa com galhos de “sempre-vivas” e velas a representar as estrelas. Esse simbolismo espalhouse com intensidade por todo o mundo, pela força do cinema americano. No meio católico, há a representação do presépio, atribuído a São Francisco de Assis, no século XIII.

[close]

p. 7

A figura de Papai Noel não tem raízes apostólicas nem na vivência dos primeiros grupamentos cristãos. Ela representa São Papai Noel (Santa Claus) Nicolau, personagem que no século IV foi bispo na região da Ásia Menor. A ele a tradição atribui ter ajudado um certo nobre decadente a conseguir dote para casar suas filhas, jogando ocultamente em suas residência presentes em forma de peças de ouro, de onde veio o costume da distribuição de presentes na noite de Natal. Sua figura gorda, jubilosa, cheia de espontaneidade, é inspirada na literatura americana, destacando as obras de Washington Irving e Clemente Moore, principalmente Visit from St. Nicholas. A apresentação física de Papai Noel, seus trajes típicos, o trenó, a penetração nas casas pelo telhado, têm origem em 1863, inspirada nos desenhos do cartunista americano Thomas Nast. A partir daí, o Natal se tornou uma festa de excepcional alegria para a criançada. Fato singular se observa na Holanda e na Bélgica, onde a tradição do Natal fez estabelecer uma data diferente em dezembro – dia 6 – ocasião em que se realizam as festividades ostensivas, denominadas “Feriado das Crianças”, com jubilosas reuniões familiares, distribuição de presentes e grande regozijo entre os jovens. No dia 25 de dezembro, limita-se apenas a eventos religiosos nas igrejas e singela reunião familiar nos lares, com direito a lanche e ao tradicional chocolate. Na visão espírita, todo esse simbolismo pode ter o esplendor dos fogos de artifícios, mas são fugazes como a onda que passa, deixando como positivo apenas a oportunidade de confraternização dos homens, sobretudo entre os familiares. Tenhamos, entretanto, em nossa vida, um espírito de permanente Natal, na legítima confraternização do dia-a-dia, desarmando-nos das mágoas e ressentimentos, lembrando que a manjedoura, “a noite silenciosa” é mensagem de união, proclamada por aquele cuja “palavra profunda, enérgica e misericordiosa, refundiu todas as filosofias, aclarou o caminho das ciências e já teria irmanado todas as religiões da Terra se a impiedade dos homens não fizesse valer o peso da iniquidade na balança da redenção” (Emmanuel).♥

[close]

p. 8

BIOGRAFIA ESPÍRITA FRANZ ANTON MESMER 1734 - 1815 sobre os doentes, para estender o benefício a maior número de pessoas, magnetizava água, pratos, cama, etc., cujo contato submetia os enfermos. Mesmer praticou durante anos o seu método de tratamento em Viena e em Paris, com evidente êxito, mas acabou expulso de ambas as cidades pela inveja e incompreensão de muitos. conhecida. A sua popularidade prosseguiu por muitos anos, mas outros médicos o taxavam de impostor e charlatão. Em 1784, o governo francês nomeou uma comissão de médicos e cientistas para investigar suas atividades. Benjamin Franklin foi um dos mem-bros dessa comissão, que acabou por constatar a veracidade das curas, porém as atribuíram não ao magnetismo animal, mas a outras causas fisiológicas desconhecidas. Em 1792, Mesmer vê-se forçado a retirar-se de Paris, vilipendiado, e instala-se em pequena cidade suiça, onde vive durante 20 anos sempre servindo aos necessita-dos e sem nunca desanimar nem se queixar.Em 1812, já aos 78 anos, a Academia de Ciências de Berlim convida-o para prestar esclarecimentos, pois pretendia investigar a fundo o magnetismo. Era tarde; ele recusa o convite. A Academia encarrega o Prof. Wolfart de entrevistá-lo. O depoimento desse professor é um dos mais belos a respeito do caridoso médico: "Encontrei-o dedicandose ao hospital por ele mesmo escolhido. Acrescente-se a isso um tesouro de conhecimentos reais em todos os ramos da Ciência, tais como dificil-mente acumula um sábio, uma bondade Lucia Barbosa M esmer foi o médico criador da teoria do magnetismo animal conhecido pelo nome de mesmerismo. Nasceu a 23 de maio de 1734 em Iznang, uma pequena vila perto do Lago Constance. Estudou teologia em Ingolstadt e formou-se em medicina na Universidade dede Viena. Em 1775, após muitas experiências, Mesmer reconhece que pode curar mediante a aplicação de suas mãos. Acredita que dela desprende um fluido que alcança o doente; declara: "De todos os corpos da Natureza, é o próprio homem que com maior eficácia atua sobre o homem". A doença seria apenas uma desarmonia no equilíbrio da criatura, opina ele. Mesmer, que nada cobrava pelos tratamentos, preferia cuidar de distúrbios ligados ao sistema nervoso. Além da imposição das mãos Depois de cinco tentativas para conseguir exame judicioso do seu método de curar, pelas academias, é que publica, em 1779, a "Dissertação sobre a descoberta do magnetismo animal", na qual afirma que este é uma ciência com princípios e re-gras, embora ainda pouco

[close]

p. 9

imensa de coração que se revela em todo o seu ser, em suas palavras e ações, e uma força maravilhosa de sugestão sobre os enfermos." No início de 1814, ele regressou para Iznang, sua terra natal, onde permaneceria os seus últimos dias até falecer em 05/03/1815. Assim foi Mesmer. Durante anos se-meou a cura de enfermos doando de seu próprio fluido vital em atitude digna daqueles que sacrificam-se por amor. calúnia, passam in-cólume escudado pelo dever retamente desempenhado. Seu nome jamais se desligar do vocábulo "fluido" e sua vida valiosa pelos frutos que gerou, jamais ser esquecida por aqueles cuja honestidade de propósitos for o ornamento de seus espíritos. A sua obra foi decisiva para demonstrar a realidade da imposição das mãos como meio de alívio aos sofrimentos, tal como a utilizavam os primeiros cristãos antigamente e os espíritas atualmente. seu interesse desde 1820. (...) O magnetismo, escreve Kardec em 1858, preparou o o caminho do Espiritismo e os rápidos progressos desta última doutrina são devidos incontestavelmente, à vulgarização dos conhecimentos so-bre a primeira. Dos fenômenos do magnetismo, do sonam-bulismo e do êxtase às manifestações espíritas, não há mais que um passo."( MOREIL, 1986, p.47) Suas teorias atravessaram décadas e seu exemplo figura luminoso entre os missionários que sob o açoite das críticas descabidas e as agressões da A noção de um éter primordial está presente em "O Livro dos Espíritos" e em "A Gê-nese", ampliada e discutida com o nome de "Fluido Universal ou Fluido Cósmico". Em ambos Kardec também trata de temas como letargia, sonambulismo, dupla vista, conMesmer e Kardec vulsionários e outros temas As influências do importantes ao mesmerismo.♥ mesmerismo na obra de Kardec são claras "Allan Kardec reconhece que o estudo do magnetismo des-pertou o

[close]

p. 10

O VERDADEIRO MOTIVO DAS COMEMORAÇÕES NATALINAS Tito Versiani O Natal se aproxima! E todo ano é aquela correria nas lojas, nos shopping-centers, nas barraquinhas dos camelôs, nos sites da internet, seja onde for, dependendo das condições financeiras de cada um. Nas repartições públicas, nas empresas, nas famílias e nas instituições de toda espécie temos a tradição do “Amigo oculto” (e são tantos!) e todos têm que comprar seus presentes para não serem considerados antissociais, mesmo que não tenham dinheiro para isto, recorrendo a empréstimos (e o orgulho?). Além disso, por ocasião do Natal, recebemos os cartõezinhos do entregador de jornais e revistas, dos lixeiros, dos porteiros dos prédios e por aí vai. Nos condomínios a despesa é maior porque temos os “livros de ouro” para atender a um grande número de empregados. E a ceia de Natal? Verdadeiros banquetes, comidas exóticas, frutas estrangeiras, bebidas de todo teor. E a decoração das festas? A grande árvore de Natal, com tantas bolas e enfeites que chega a envergar, a sala das casas toda enfeitada e engalanada com lâmpadas coloridas, tudo preparado para a grande festa! Afinal, o que vamos comemorar? Ah! O nascimento de Jesus! E para que tantos presentes? Se Ele é o aniversariante, quem tem que ganhar presentes é Ele e não nós. Hoje em dia é difícil achar nas decorações das casas para o Natal um cantinho para o presépio, que representa a chegada deste Ser maravilhoso em nosso planeta, numa manjedoura de uma estrebaria, ensinando-nos a simplicidade e a humildade, que dispensa as libações e comilanças neste dia. O maior presente para Ele seria aceitarmos a vivência de Seu evangelho de amor em nossas vidas e fazermos uma oração em família pedindo pela paz mundial. Poderíamos também visitar um orfanato, um hospital ou um asilo, levando, em Seu nome, contribuições para minorar o sofrimento e as dificuldades daqueles que estão privados da convivência familiar. O nosso Natal seria muito mais gratificante. Aí, então, poderíamos começar a entender e a viver o verdadeiro espírito do Natal! Natal de amor, natal de fraternidade, natal de luz, natal de JESUS! ♥

[close]

p. 11

FOI NOTÍCIA NA UMEN Inauguração do Bazar Florescer Equipe de Divulgação oi realizada no último domingo, dia 07 de setembro, a inauguração e ampliação do Bazar Fraterno da UMEN o qual recebeu o nome de FLORESCER. A abertura do evento aconteceu com uma exposição doutrinária informal, realizada no inicio da manhã, com o tema "A Caridade Material e a Caridade Moral" sob a coordenação de Jano Alves, presidente da nossa Casa. Ao longo desse maravilhoso domingo o Bazar FLORESCER ofereceu aos seus convidados artigos à venda, quitutes deliciosos, doces e salgados, além de lindas apresentações musicais de companheiros da UMEN e um maravilhoso coral de crianças que enterneceu os corações de todos os presentes. A equipe da UMEN do Bazar FLORESCER agradece a todos que estiveram presentes nesse dia tão importante na história da nossa Casa, pelo carinho e apoio a esse trabalho que desabrocha tantos sorrisos. F Ciclo de Palestras de Divaldo Franco no Rio Equipe de Janeiro de Divulgação o dia 03 de setembro na Casa de Espanha aconteceu o 20º Seminário Beneficente pró-Mansão do Caminho, instituição fundada por Divaldo Franco, juntamente com Nilson de Souza Pereira, na cidade de Salvador, e a UMEN mais uma vez marcou presença no evento. “O ônibus da UMEN" teve todos os lugares preenchidos e o percurso até Humaitá e a volta para Niterói, foi em clima de muita harmonia. No seminário, Divaldo falou sobre a existência de Deus. Ele citou uma pesquisa que lista os dez motivos que comprovam a existência de Deus, comentando cada motivo, desde os mais científicos até os morais. No dia 10 de setembro, foi promovida pela SEF, Sociedade Espírita Fraternidade, uma palestra de Divaldo Franco aqui em Niterói. A palestra aconteceu no Clube Português em Niterói, onde ele discorreu sobre assuntos relacionados ao tema “Perdão e Auto Perdão”. Mais uma vez muitos Umenistas estiveram presentes no Clube Português evento. N

[close]

p. 12

Seminário: "A Gênese" m um clima harmonioso, foi realizado no dia 21 de setembro, pela manhã o Seminário A Gênese, coordenado por Carmem Silveira. A expositora nos trouxe algumas reflexões sobre esta obra de extrema importância para a Doutrina Espírita – A Gênese – que nos esclarece acerca de várias questões no âmbito científico, filosófico e religioso, sobre Deus e o universo. Carmen ressaltou a importância e necessidade do estudo das cinco obras de Kardec na Casa Espírita – o Pentateuco – salientando que na obra A Gênese existem alguns capítulos que são fundamentais – sua leitura e entendimento – para qualquer tarefeiro espírita, notadamente os capítulos II, XIV, XV e XVIII que tratam de assuntos que precisam nortear nossos pensamentos e postura perante o trabalho. De igual modo, destacou Jesus como organizador e governador da Terra, nosso exemplo, guia e modelo perfeito a ser seguido. E Equipe de Divulgação Cosme Massi na UMEN Reunião de Estudo do UMEN iniciou um novo estudo coordenado pela direção de nossa querida casa espírita. Este estudo inaugurou o ciclo de estudos na casa anexa à sede principal, chamada de "Casa FLORESCER". Kardec. A aula inaugural foi Cosme Massi é idealizador do GEAK (Grupo de realizada no dia 25 de Estudos Allan Kardec) e do IPEAK (Instituto de outubro e teve como convidado o Professor de Pesquisas Espíritas Allan Kardec), e, distinguem-se, em suas palestras, artigos e livros, pelo estímulo ao História Da UFRuRJ, Luís Eduardo Lobianco, estudo e entendimento das obras de Allan Kardec. abordando o tema “Judeia Romana, Jesus Histórico e Os Evangelhos”. N Equipe de Divulgação o último dia 19 de outubro, a UMEN recebeu em suas dependências o companheiro Cosme Massi para um estudo no horário da reunião pública. O tema abordado foi “Escala Espírita” em que Massi discorreu sobre a ordem dos Espíritos, fazendo um estudo mais aprofundado da obra O Livro dos Espíritos, de Allan Novo Testamento A Equipe de Divulgação

[close]

Comments

no comments yet