Pop O Pulguento - Péricles Augusto de Cenço e Carla Pilla

 

Embed or link this publication

Description

Pop O Pulguento - Péricles Augusto de Cenço e Carla Pilla

Popular Pages


p. 1



[close]

p. 2

POP O PULGUENTO CENÇO E PÉR D ICLES AUGUSTO ILUSTRAÇÃO CARLA PIL LA Editora Mediação Porto Alegre 2013

[close]

p. 3

PO P NHECIDO CO AMBÉM CO T MO P . E L OP, O PU ERA O NOME DE LGUENTO. ERA UM CACHORRO DE TAMANHO MÉDIO. NEM GORDO, NEM MAGRO.

[close]

p. 4

E PUL GA S . TIN H A O LO OOOOOOOOOOO S O O OOOOONGA OR ELHAS

[close]

p. 5

MUITAS PULGAS.

[close]

p. 6

POR ISSO, NENHUM CACHORRO DO BAIRRO ERA AMIGO DELE. NEM CHEGAVAM PERTO POR CAUSA DAS PULGAS.

[close]

p. 7

MA S ADO E NEM LIGAVA MAIS. M U T S O ELE JÁ ESTAVA AC ANDAVA SOZ INHO. UM DIA ELE VIU UM CACHORRO CORRENDO ATRÁS DE UNS POMBOS.

[close]

p. 8

MAGRO, E D FO E DE PELO IN H O C ERA UM CACHORRO GRANDE, FIN O CINZA . OU MELHOR, AQUILO NÃO ERA BEM PELO, ERA MAIS UMA PENUGEM.

[close]

p. 9

POP FICOU OLHANDO AQUELE CACHORRO SE DIVERTINDO, TAMBÉM SOZINHO. FICOU OLHANDO DE LONGE, AFINAL NINGUÉM QUERIA ELE POR PERTO. CORRIA ELE CA OU M EN E Q BOS M O SP O ATRÁS D UE FUGIAM DE LE . T L

[close]

p. 10

E POP FICOU ASSIM OLHANDO P O R ... U N S ... B O N S ... C I N C O ... M I N U T O S ... ATÉ QUE O OUTRO PERCEBEU QUE ESTAVA SENDO OBSERVADO. ELE PAROU DE CORRER E COMEÇOU A OLHAR PARA POP.

[close]

p. 11

E COMEÇOU A SE APROXIMAR. POP FICOU MEIO SEM JEITO, MAS COMEÇOU A CAMINHAR EM DIREÇÃO A ELE TAMBÉM.

[close]

p. 12

QUANDO UM CHEGOU PERTO DO OUTRO, O CACHORRO MAGRO PERGUNTOU: – QUAL É O SEU NOME? – O MEU É POP, E O SEU? – O MEU É PELADINHO. O PESSOAL ME CHAMA ASSIM PORQUE EU NÃO TENHO PELO. QUER DIZER, TENHO ESSA PENUGEM, NÉ? VOCÊ QUER BRINCAR?

[close]

Comments

no comments yet