Boletim das Bibliotecas Escolares - 3.º período 2012/13

 

Embed or link this publication

Description

Notícias da Biblioteca

Popular Pages


p. 1

Agrupamento de Escolas de Vila Nova de Cerveira Boletim das Bibliotecas Escolares Editorial Ano letivo 2012/2013 março NESTA EDIÇÃO: Atividades das Bibliotecas Escolares dos Centros Escolares Atividades da Biblioteca Escolar da Escola Básica e Secundária Importância ecológica e económica dos morcegos Sugestões de leitura 2 2 Quando somos crianças e olhamos o mar pela primeira vez, ele dá-nos a sensação de infinito. 3 4 Precisar de dominar os outros é precisar dos outros. O chefe é um dependente. (Fernando Pessoa) Quando começamos a exercitar a nossa imaginação, ela também nos dá a sensação de infinito. Só que o mar afinal tem fim. Mas a imaginação, não. É preciso navegar. É no barco das palavras que é sempre hora de navegar, ora prolongando a viagem por misteriosas enseadas e altas ondas de aventura, ora chegando prestes a porto seguro. São as palavras a levar -nos onde nós nem sabemos que podemos chegar, mas podemos. Elas, levamnos pela mão, a descobrir não apenas o mundo conhecido, mas também o mundo que está continuamente à espera que o descubram: muitas vezes ao nosso lado, muitas vezes dentro de nós próprios. Descobrir é estar sempre a partir e a chegar, e de novo a partir e de novo a chegar, e de novo a partir... São as palavras que nos saberão guiar por obscuros percursos de súbito claros, como se cada uma fosse uma pequena pedra luminosa de uma estrada qualquer que inevitavelmente nos levasse a algum lugar desde já desconhecido. Duartina Marques Equipa da B.E. Acervo da B.E. enriquecido Em constante evolução, o acervo da Biblioteca Escolar foi enr iquec ido com novas obras, entre as quais se encontra “O Rap na Escola - Palavras para a Paz” e “Dietas e Borbulhas” de Maria Teresa Maia Gonzalez e “Como Tu” de Ana Luísa Amaral para além de ter sido instalado nos computadores da B.E. a aplicação Adobe Digital Editions 2.0, onde, nesta primeira fase, têm acesso a trinta e um contos digitais. Destaque ainda para a “História de Portugal” - uma coleção de seis volumes da autoria de J o s é H e r ma no Saraiva, onde se abordam temas desde as origens até à República.

[close]

p. 2

Atividades das Bibliotecas Escolares dos Centros Escolares A primavera na Biblioteca Escolar - elaboração de motivos ornamentais para decorar as instalações.   Exploração do conto “O senhor Mago e a folha”.  Encontro com escritores: Adelaide Graça (Pré-primário e 1º e 2º anos) e Inácio Nuno Pignatelli (3º e 4º anos).  Cata Livros sob a orientação de Miguel Horta em articulação com a Biblioteca Municipal para os alunos dos 3º e 4º anos.  Comemoração do “Dia Mundial da Saúde” em articulação com a equipa do PES.      Explicação aos mais novos sobre o significado do 25 de abril. Continuação do desenvolvimento do Projeto SOBE (Saúde Oral nas Bibliotecas Escolares). Trabalho de investigação subordinado ao tema “Autores portugueses” para os 3º e 4º anos. Um conto de António Torrado para os 1º e 2º anos. Projeção de um filme de caráter lúdico para finalizar o ano. Atividades da Biblioteca Escolar da Escola Básica e Secundária     A primavera na Biblioteca Escolar - elaboração de motivos ornamentais para decorar as instalações. Comemoração do “Dia Mundial da Saúde” em articulação com a equipa do PES. Participação no “Concurso Nacional de Leitura” - fase distrital. “Ler Ciência” - atividade em articulação com a BM e o departamento de ciências do agrupamento para os alunos do Secundário.  Conferência subordinada ao tema “Segurança na Internet” com o Dr. Romeu Silva.  “O teatro mais pequeno do mundo” - atividade em articulação com a BM para os alunos dos 2º e 3º ciclos.  Comemoração do “Dia Mundial do Não Fumador” em articulação com a equipa do PES para os alunos dos 2º e 3º ciclos.  Encontro com a escritora Maria Teresa Maia Gonzalez (videoconferência) em articulação com a BM para alunos dos 8º e/ou 9º ano. Exposição sobre “O 25 de Abril”. Conferência sobre “Literatura Portuguesa” em articulação com a BM para alunos do Secundário.   Página 2 B O L E T I M DA S B I B L I O T E C A S E SC O L A R E S

[close]

p. 3

A N O L E T I VO 2 0 1 2 /2 0 1 3 Página do leitor de venenos químicos utilizados nas plantações, e que significa comida mais saudável para todos nós. Algumas bactérias das fezes dos morcegos são usadas na produção de enzimas utilizadas na destoxificação de restos industriais, na produção de inseticidas naturais e de detergentes, e na transformação de resíduos em álcool. Em Austin ao final da tarde, dezenas ou centenas de turistas e moradores da cidade dirigem-se para a maior ponte da cidade e observam a saída de milhares de morcegos insetívoros para a caça de suas presas. Este fenómeno é uma atração turística da cidade há mais de 10 anos. Os morcegos são componentes fundamentais de muitas cadeias alimentares, tanto na condição de presas, quanto na de predadores. Em algumas cavernas, é devido à presença dos quirópteros que se torna possível a existência de outras espécies animais que se alimentam de restos alimentares que os morcegos deixam cair no chão, assim como também se alimentam das suas fezes. Atualmente em menor intensidade, mas há países onde ainda se utiliza fezes de algumas espécies de morcegos com adubo, considerado de ótima qualidade. Uma variedade enorme de plantas depende quase que exclusivamente dos morcegos para espalhar suas sementes, perpetuando estas espécies. Os morcegos vampiros estão ajudando pesquisas científicas na busca de novos medicamentos para doenças do coração. Isto porque existe uma potente substancia anticoagulante na saliva destes animais. Setenta por cento das 1.200 espécies ocorrentes no planeta são insetívoras e dependendo da espécie, cada indivíduo come até quinhentos por hora e três mil por noite. O mito do “morcego vampiro” que se alimenta de sangue, está restrito, portanto, a um percentual muito pequeno dentre as 1.200 espécies de morcegos: deste total, apenas três espécies são hematófagas. Texto coletivo - 3º Ano turma A Centro Escolar Norte - Campos Página 3 Importância ecológica e económica dos morcegos “Se podes olhar, vê; Se podes ver, repara” José Saramago In Ensaio sobre a Cegueira Os morcegos são olhados como mau presságio e ligados a bruxas e lendas como a do Conde Drácula. Há também uma crença de que se emaranham nos cabelos. Felizmente cada vez se acredita menos nestes mitos. Os morcegos são inofensivos e não causam prejuízo. São até muito úteis pois destroem grandes quantidades de insetos, combatendo pragas agrícolas e florestais. Os morcegos, também chamados andirás e orelhudos, são os únicos mamíferos capazes de voar tendo seus membros anteriores transformados em asas. Os estudiosos já catalogaram quase 100 mil espécies de morcegos, sendo que variam de cor, tamanho, peso e formato do corpo. Alimentam-se, principalmente, de frutos, insetos, sangue de animais (poucas espécies hematófagas), peixes, néctar e pólen. São animais extremamente importantes para o ecossistema e devem ser preservados a todo custo, porém a grande maioria das pessoas tem pânico deles e querem que nós os exterminemos. Os morcegos ajudam os humanos e o ecossistema comendo toneladas de insetos por ano; um bom e esperto morcego insetívoro pode devorar mais de 600 mosquitos por hora, fazendo assim um rigoroso controlo de população. Este consumo ainda contribui para a redução do uso Em algumas regiões de África e da Ásia, durante certos períodos do ano, os morcegos são importantes na alimentação diária destas populações humanas, quando a oferta de alimentos oriundos da agricultura é reduzida ou ausenta. Os morcegos são muito importantes. Têm sido estudados para aperfeiçoamento de aparelhos de sonar e ultrassom. Comem traças e com isso ajudam na conservação de livros em bibliotecas.

[close]

p. 4

Sugestões de leitura Boletim das Bibliotecas Escolares O Céu existe mesmo de Lynn Vincent, Todd Burpo Sinopse Colton Burpo tinha quatro anos quando foi operado de urgência. Meses mais tarde, começou a falar daquelas breves horas em que esteve entre a vida e a morte, e da sua extraordinária visita ao céu. O seu relato só agora foi revelado pelos pais. E tornou-se num fenómeno editorial sem precedentes. Foi em 2003 que o pequeno Colton, sentado na sua cadeirinha no banco de trás do carro, começou a falar sobre os anjos que o tinham visitado durante a operação à apendicite aguda... O pai, sacerdote, nem queria acreditar. Estacionou, respirou fundo, e fez algumas perguntas ao filho. E o miúdo respondeu, sem dar muita importância ao assunto. Falou do que viu, dos seus encontros com Deus e com Jesus, das visões que teve durante a cirurgia, da mãe e do pai a rezarem enquanto ele era operado. Foi apenas o início. Colton tinha de facto visitado o céu, e trazia consigo uma importante mensagem para partilhar. Estamos na web: Becerveira.blogspot.com AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE CERVEIRA Rua das Cortes 4920-211 Vila Nova de Cerveira Telefone 251 795 324 Mail: becerveira@gmail.com. Os ciganos de Sophia de Mello Breyner Andresen, Pedro Sousa Tavares Labirinto de mágoas de Daniel Sampaio Sinopse Os Ciganos teve início no fragmento de um conto de Sophia de Mello Breyner Andresen localizado no seu espólio na primavera de 2009. Este conto encontrava-se inacabado e Pedro Sousa Tavares, jornalista e neto da escritora, assumiu a responsabilidade de continuar a história. Ruy vive numa casa com demasiadas regras e muitas rotinas. Um dia, é surpreendido pelo rataplã de um tambor que o desafia a saltar o muro do jardim e a percorrer os campos ao encontro de um acampamento de ciganos. Com eles acaba por ficar e, inspirado pelo espírito indomado de Gela, descobre o prazer de sentir o chão debaixo dos pés, experimentando, enfim, a liberdade pela qual sempre suspirou. Esta é uma história sobre o irresistível apelo da liberdade e sobre a descoberta do outro e suas diferenças. Sinopse Numa época como a nossa, em que cerca de metade dos casamentos terminam em divórcio, o problema torna-se sério e não deixa ninguém indiferente. Pode dizer-se que todos nós, direta ou indiretamente, somos atingidos pelo fenómeno e pelas suas consequências, e que todos nós, ainda que em diferente medida, temos que o enfrentar. Que fazer então? Neste livro que agora entrega ao público - Labirinto de Mágoas. As crises do casamento e como enfrentálas - Daniel Sampaio conduz-nos numa reflexão tão profunda quanto ampla sobre todos os aspetos da questão: como se manifestam, e quais são, os primeiros sintomas da desagregação do casal; como detetar esses sintomas e como adotar perante eles uma atitude crítica; como lidar com os filhos dentro de um casamento que se desagrega; que papel pode ter a família de cada um dos cônjuges; qual o papel e virtudes da terapia conjugal; como conduzir um divórcio (se for esse o caso) com o menor número de danos. No final de cada tema existe a rubrica. O livro conta ainda com um capítulo dedicado aos conflitos próprios da conjugalidade gay e lésbica.

[close]

Comments

no comments yet